Para empresas de ônibus, greve no Rio foi "um fracasso"

segunda-feira, 24 de maio de 2010


A greve parcial dos Rodoviários, deflagrada a meia-noite desta segunda-feira, deve terminar no início da tarde. A declaração foi dada pelo vice-presidente da Rio Ônibus, Otacílio Monteiro, que classificou a paralisação como "fracasso e loucura".

"Acho que com o início do segundo turno de trabalho, todos os motoristas começam a rodar. Temos ainda pequenos problemas com as empresas Redentor e Futuro, na Barra da Tijuca, mas vamos conseguir resolver", disse Monteiro.

Para o vice-presidente, o fracasso da greve pode ser observado nas ruas, onde 60% da frota circulou. De acordo com dados do órgão, o Rio conta com 8,6 mil ônibus e 5 mil deles estavam em atividade nesta segunda.
"Esta greve é ilegal e tem motivos políticos. Acertamos o reajuste da categoria há dois meses e tudo foi aceito. Mas ainda bem que agimos rápido e conseguimos mobilizar os empresários que nos ajudaram a furar esta paralisação", afirmou Monteiro. Ele acrescentou que, às 14h, será realizada uma assembleia no Tribunal Regional do Trabalho para que a greve seja declarada ilegal.

"Esta situação é uma loucura. Na greve mais recente que tivemos, ainda em abril, o sindicato dos Rodoviários condenou a paralisação que foi realizada por um sindicato fantasma. Agora, pelos mesmos motivos, o sindicato dos Rodoviários realiza esta paralisação, que é condenada pela organização fantasma. Esta é uma atividade de facções que se digladiam dentro do sindicato. Oferecemos R$ 70 de vale refeição e eles nem levaram a proposta para a assembléia. Eles queriam a greve", disse.

Otacílio minimizou os problemas causados pela paralisação e citou apenas alguns incidentes. No mais grave deles, três motoristas foram espancados e alguns veículos foram depredados. "Os maiores problemas que tivemos conhecimento foram alguns ônibus que tiveram os para-brisas quebrados na Barra da Tijuca e três motoristas agredidos na zona oeste", afirmou.

Poucos ônibus, pontos lotadosFracasso ou não, a greve trouxe muitos transtornos à população. A Polícia Militar colocou equipes de prontidão para que tumultos na porta das garagens das empresas fossem evitados. Na Central do Brasil, a PM contou com o auxílio da Guarda Municipal e não houve tumultos.

A população contou também com alternativas de transporte para chegar ao trabalho. Além das vans e táxis, a Supervia, Metrô e as Barcas colocaram trens e catamarãs extras e não houve problemas.

Os problemas mais graves ocorreram na Praça Seca, em Jacarepaguá, e Cascadura onde poucos ônibus circularam e os pontos de ônibus ficaram lotados de pessoas. Empresas como a Santa Maria, com sede em Curicica, e Viação América, em Cascadura, não tiraram seus ônibus das garagens.

Fonte: O Dia

Mais Notícias do Rio

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960