Ônibus elétricos no Recife deixou saudades

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Em parte alívio, por outra parte saudades, Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960, com uma frota de 65 carros totalmente importada dos Estados Unidos. Os trólebus, que pertenciam à prefeitura, serviam a 13 bairros, entre eles, Beberibe, Engenho do Meio, San Martin e Tejipió. Em 1963, mais de 130 trólebus circulavam pela cidade, vindos do Brasil e do exterior.

A partir dos anos 80, os ônibus elétricos entraram em colapso. “Havia problemas de manutenção, faltava muita energia elétrica e o serviço ficou completamente deteriorado, dando margem aos ônibus a diesel. Hoje, os trólebus sumiram da capital, e é ai que fica a pergunta, por que será que os governantes abandonaram os trólebus na capital pernambucana?

Para muitos que chegaram a pegar estes ônibus só restam às saudades e recordações, para o aposentado Dinilson de Matos, era um prazer pegar os ônibus elétricos, era seguro e claro muito romântico nas noites de Recife, porém com o passar dos anos os ônibus começaram a ficar sucateados, a banana caia (Cabo que ligava o ônibus a rede elétrica), e o motorista tinha que descer para colocá-la de volta na rede elétrica, finaliza.

Na cidade de São Paulo o sistema de trólebus vai continuar a rodar. Depois de rumores de que a SPTrans, que gerencia o transportes de passageiros na capital, estudava acabar com os ônibus elétricos, a empresa garantiu que o meio de transporte não será extinto e a razão para isso é o “amor” dos passageiros.

“Não é só a questão ambiental, o fato desses veículos não poluirem. Quem usa o trólebus é apaixonado por ele, gosta muito”, disse Pedro Luiz Machado, diretor da Sptrans, durante reunião da Comissão de Transporte da Câmara Municipal.

Mas o real problema do sistema é a manutenção da rede elétrica que alimenta os veículos. O consórcio que opera as linhas de trólebus e os sindicatos dos motoristas garantem que a rede está sucateada, atrapalhando a qualidade do serviço.

“Nós temos uma emenda a cada 58 metros de cabos”, revelou o presidente do Consórcio Leste 4, André Martins de Lissandre. “Em março deste ano, nós ficamos 764 horas sem energia em pelo menos uma parte do sistema”, contou.

Segundo ele, estudos no exterior apontam o trólebus moderno como o veículo mais indicado para as grandes cidades. “Eles são mais leves que o metrô e não poluem o ar”, diz. O especialista informa, ainda, que países como Japão, Canadá, Austrália e Estados Unidos mantêm este tipo de transporte por conta da preservação ambiental.



Mais Notícias de Pernambuco

Fonte: Meu Transporte

8 comentários:

Sueli Amorim. disse...

Ai que saudade! além da questão da saudade, o uso dos trólebus na cidade do Recife é uma questão de identidade e bom censo com o meio anbiente e a econômia. Não ha comparativo entre o uso de onibus elétricos e a diesel. Sou completamente a favor da volta desses veiculos que eram excelentes de serem usados, pela população. nos anos 70, ainda menina , amava passear nesses onibus , as vezes sentia medo, pois como ela elétricos achava que iria levar a qualquer momento um choque , sem conta o susto que tomava quando a banana caía. Ficaria muito feliz se esses onibus um dia voltassem para minha cidade de Recife.

Adial Júnior disse...

E aqui em Curitiba que nunca existiu metrô nem ônibus elétrico. Deveria existir para fazer jus a esta propaganda exagerada de capital ecológica!

Thiago Barbosa disse...

Acho que num seria ruim com essas construções de corredores linhas elétricas, como a Caxangá, PE-15 que usaram o ônibus elétrico. Não entendo porquê o sistema foi deixado de lado. Acharia legal um corredor fechado com trilhos e VLT eletrico, que sairia bem mais vantajoso e barato que uma construção de sistema de metrô, assim poderíamos ligar integrações fechadas até sistema ferroviários e passando pela Ala Norte da cidade (Olinda, Paulista), coisa que com o metrô... Sem chance!

COISADELOUCO disse...

Eu tinha 12 anos quando os ônibus elétricos chegaram ao Recife. Foi uma verdadeira festa quando os mesmo foram desembarcado no porto do Recife. Muita gente foi admirar a sua chegada. Uns dos primeiros bairro a ter uma linha foi Engenho do Meio, se falar para essa juventude que lá já teve esse tipo de transporte, certamente vão te chamar de mentiroso.

Andei muito nos trolleybus quando menino em Belo Horizonte.Em 1969 os 60 treleybus da DMTC foram vendido para Recife embarcados em carreta prancha.Simbolo de progresso diziam que davam prejuizo.Os recifenses preservaram algum destes veiculos ou só veremos em video?
Marcos Ribeiro- BH

Diogo Morais disse...

A concessão a CRT prevê a recomposição da frota de Trolebus, mas ninguém fala nisso...

Unknown disse...

Foram justamente a CRT mais a EMTU com as bênçãos da prefeitura do Recife (João Paulo PT) que acabaram com os ônibus elétricos da cidade que no edital de concessão exigia a renovação da frota e manutenção da rede elétrica, o que não aconteceu e as autoridades disseram amém. Não sobrou nenhum veículo para um museu, sequer, só resta-nos o vídeo, as fotos e as lembranças.

Douglas disse...

Aqui em Araraquara SP, chegou a ter 35 troleibus em operação. Mas a falta de vontade em investir e o desinteresse dos Araraquarenses, fizeram de tudo para que este belo transporte acabasse. Conseguiram acabar com os tróleibus e agora a CTA não é capaz nem mesmo de comprar ônibus diesel novos. Falam até mesmo de Alugar ônibus. Alguém aí já viu empresa de ônibus alugar ônibus de outras empresas? Pois é! Só mesmo aqui em Araraquara SP

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960