Cadeirantes testam acessibilidade de ônibus em cinco capitais

segunda-feira, 29 de março de 2010

Porto Alegre tem o melhor serviço e São Luis apresenta mais problemas.Usuário precisou esperar até duas horas para embarque.


As cenas da novela “Viver a vida” com a personagem Luciana têm tudo a ver com o que aconteceu com Alarico em um ponto de ônibus do centro do Rio de Janeiro nesta semana. Meia hora de espera e quem disse que o equipamento funcionava?

Alarico e outros quatro cadeirantes foram convidados a fazer um teste em ônibus de Rio de Janeiro, São Paulo, São Luís, Goiânia e Porto Alegre. Vamos acompanhar o carioca. Com ajuda de um pedestre, o artista plástico Alarico Moura sobe e se acomoda no lugar destinado a portadores de necessidades especiais. Mas na hora de recolher o equipamento, problemas.

A cobradora aperta o botão, sobe no elevador e nada. “Não está funcionando, não é que eu não estou sabendo ligar. O negócio é que não está funcionando”, explica a cobradora. Alguns passageiros desistem de esperar. O elevador, enfim, dá sinal de vida e 20 minutos depois o ônibus sai. Só que depois do desembarque do Alarico, o elevador emperra de novo. Funcionários da empresa de ônibus tentam resolver o problema.

Mais 15 minutos de tentativas. “Eu me senti muito constrangido, porque essa dificuldade toda faz com que o veículo demore muito tempo, quer dizer, os passageiros em trânsito, estão se deslocando, saindo do trabalho, voltando para casa, eu fiquei olhando para o rosto das pessoas com um constrangimento muito grande”, diz Alarico.

Dos 8,8 mil ônibus que circulam no município do Rio de Janeiro, 2 mil já estão adaptados, segundo o sindicato das empresas de ônibus. Mas ainda há muito a fazer. Um decreto publicado em 2004 determina que 100% da frota nacional deverá estar totalmente acessível a cadeirantes até 2014. Faltam quatro anos. E não basta ter o equipamento, tem que saber usar. “No meu ponto de vista, nós estamos super atrasados. Isso hoje é uma utopia. Em quatro anos muito dificilmente teremos toda a frota e é uma capital que vai ser a capital da Olimpíada e da Para-Olimpíada, além de ser uma sede da Copa de 2014”, afirma Marcos Scarpa, presidente do instituto Muito Especial.

Outra sede da Copa também mostra problemas. São Paulo tem 15 mil ônibus, quase 4 mil adaptados. O administrador de empresas Eduardo Figueiredo Palma deu sorte. Seis minutos no ponto e o ônibus chegou. Tudo funcionou bem. Mas a espera pelo segundo ônibus foi um balde de água fria. "Já faz 50 minutos agora que eu estou esperando o ônibus", conta. O ônibus adaptado só chegou 59 minutos depois. "O cadeirante paulista que necessitar desse ônibus adaptado vai encontrar dificuldade na questão de tempo, que nem todas as linhas são adaptadas, e dificuldade na questão de preparo dos profissionais para atendê-lo", avalia Eduardo.

Duas horas

E o pior ainda estava por vir. Em São Luís, somente 231 ônibus de quase 1 mil estão preparados para receber quem usa cadeira de rodas. Antônio chegou ao ponto de ônibus às 15h45. Três veículos adaptados pararam, mas o equipamento não funcionou em nenhum. Quando deu certo, ainda teve que explicar como fazer a plataforma se movimentar.

O embarque aconteceu duas horas e treze minutos depois da chegada ao ponto. Em Goiânia, grande parte da frota é acessível aos cadeirantes: mais de 1,1 mil dos quase 1, 5 mil ônibus. Mas isso não significa que o serviço é eficiente. De novo, defeito no equipamento. “A plataforma não funcionou", diz o motorista.

Outro ônibus, o mesmo problema. Só meia hora depois de muitas tentativas, um elevador para Juliana. Em outro ônibus, a dificuldade foi na hora de descer. “É sempre assim, mas hoje parece que está pior, viu? De cada dez ônibus que passa, três estão estragados, o motorista não para, se tiver muito cheio eles não param pra embarcar o cadeirante”, reclama a atendente de telemarketing Juliana Oliveira.

Em Porto Alegre, o número de carros adaptados é pequeno: são 470 dos 1.597. A advogada Andréa Pontes aguardou meia hora pelo primeiro ônibus para cadeirante no centro da cidade. Fora a espera, tudo correu bem.

Exemplo

Quando repetimos o teste em outro ônibus, o motorista deu exemplo. Manobrou o carro para chegar mais perto do meio-fio. Andrea entrou e saiu com muita rapidez. “Eu fiquei bastante admirada na forma como os ônibus em Porto Alegre estão preparados e, principalmente, os funcionários das empresas”, conta a advogada.

Resultado do teste do Fantástico: Porto Alegre tem o melhor serviço. Apesar da espera de meia hora, uso de rampas foi rápido e eficiente. São Luís foi a capital onde constatamos o pior atendimento. Além do mais longo tempo de espera, 2 horas e 13 minutos, em três ônibus adaptados o elevador não funcionava.

Na opinião de quem trabalha para inserir o cadeirante na sociedade, a falta de transporte digno impede a pessoa de ser cidadã. “Impacta diretamente na sua vida profissional, na sua vida social, ela não tem direito de ir a um médico, ela não consegue chegar a um hospital, ela não consegue chegar, fazer um tratamento ambulatorial, ela fica literalmente ilhada dentro de casa”, diz Scarpa.


Fonte: G1
READ MORE - Cadeirantes testam acessibilidade de ônibus em cinco capitais

Em Curitiba, Integração por cartão será mais uma novidade no transporte público da capital


Começou a funcionar hoje um projeto piloto para integração por cartão-transporte. A iniciativa será testada na linha Vila Velha-Buriti, possibilitando que passageiros desçam de um ônibus e possam entrar em uma estação-tubo sem pagar nova passagem. Os usuários da linha passarão a testar uma solução para uma demanda antiga do transporte coletivo da cidade. Para a integração há tolerância de uma hora. Esta linha não faz parte da Rede Integrada de Transportes (RIT) e quem a utiliza não tem outra saída senão desembolsar mais R$ 2,20.
Quem descrer da linha Vila Velha-Buriti poderá fazer a integração com os ligeirinhos Inter 2 e Fazendinha – Tamandaré. Só será possível fazer a integração com o cartão-transporte e não com di­­nheiro, já que o sistema que libera a conta do usuário é acionado somente pelo cartão, que é pessoal. Haverá um validador exclusivo nesses locais para a liberação.
A medida já é utilizada em São Paulo e é válida tanto para integração com o ônibus quanto com o metrô. Em Curitiba, o objetivo é integrar pessoas que estão fora da RIT porque no local não há infraestrutura de terminais, como no bairro do Pilar­­zinho. Da­­dos da prefeitura mostram que 93% dos passageiros pegam linhas integradas. A grande maioria de 7% restantes pega linhas com destinos diretos, como a Ahú-Los Angeles, e não precisa de integração.
O objetivo é testar o funcionamento do programa. Na linha testada, os beneficiados são, em sua maior parte, estudantes do Centro Universitário Campos de Andrade (Uniandrade). Com o tempo, a prefeitura pensa levar a novidade para os 7% sem integração direta.
Fernando Guignone argumenta que a integração poderá ser estendida a pessoas que vão utilizar algum serviço público. Por exemplo, um usuário que necessite ir ao Posto de Saúde ou a uma Rua da Cidadania, ficaria isento de pagar a volta.
Para Carlos Hardt, coordenador do curso de Arquitetura e Urba­­nismo da PUCPR, a integração por cartão seria favorável e poderia ser estendida a todos, mas é preciso ficar atento ao aumento dos custos. A medida reduz a arrecadação e pode pesar no bolso do usuário. “É preciso pensar a política de transportes de uma forma geral”, defende. “Elas não dizem respeito só ao deslocamento e sim à administração da cidade.”

Fonte: Gazeta do Povo

READ MORE - Em Curitiba, Integração por cartão será mais uma novidade no transporte público da capital

São Paulo: Semana de avanços, Rodoanel e Novas estações do Metrô serão entregues


O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), inaugura nesta terça-feira o Trecho Sul do Rodoanel, mas a abertura para o tráfego está prevista somente para 24 horas depois, na quarta-feira. A cerimônia está marcada para o fim da manhã, ao lado do monumento erguido para a nova estrada próximo da Ilha de Bororé, no Grajaú, zona sul da capital paulista.
A construção do trecho Sul, com 61,4 km de extensão, inicia no trevo da rodovia Régis Bittencourt – no entroncamento com o trecho Oeste – interligando as rodovias Anchieta e Imigrantes, além do prolongamento da avenida Papa João XXIII. Com a conclusão do trecho Sul, mais o trecho Oeste, estima-se uma redução de cerca de 43% no movimento de caminhões na Marginal do Rio Pinheiros e de 37% na avenida dos Bandeirantes.
As pistas entrarão em operação sem a cobrança de pedágio. Licitação para escolher a empresa que vai cobrar a tarifa ainda está sendo preparada. O vencedor terá de construir o Trecho Leste, cujo estudo ambiental foi aprovado pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) na semana passada.
Haverá praça de pedágio na interligação com o Trecho Oeste, na saída da Rodovia Régis Bittencourt, nas quatro saídas para a Anchieta e a Imigrantes e no fim da alça sul.


Novas estações do Metrô

Cinco anos e meio depois de iniciada a construção, as duas primeiras estações da Linha 4-Amarela a entrar em operação - Faria Lima e Paulista - devem abrir suas portas aos usuários até o fim de semana. Serão cerca de 3,6 quilômetros de linhas que podem ajudar a desafogar o trânsito de uma das avenidas mais complicadas da capital: a Rebouças.
A previsão inicial era abrir as portas das estações em janeiro, mas a data exata depende ainda de protocolos de segurança a serem cumpridos. A Companhia do Metrô prevê que 43 mil usuários utilizem diariamente a Estação Faria Lima e 157 mil, a Paulista. A linha terá ainda neste primeiro semestre a abertura das Estações Luz e República. A Pinheiros, palco da maior tragédia do metrô paulistano, cujo desabamento das obras em 2007 matou sete pessoas, deve abrir suas portas no terceiro trimestre.Com o início da operação comercial entre Faria Lima e Paulista, os trens passarão sem parar pelas Estações Pinheiros, Fradique Coutinho e Oscar Freire, que estarão em fase de conclusão de obras.

Fonte: Último segundo

READ MORE - São Paulo: Semana de avanços, Rodoanel e Novas estações do Metrô serão entregues

Em Curitiba, Ligeirão dá fôlego ao transporte coletivo


O transporte coletivo de Curitiba ganha, no aniversário da cidade, um novo atrativo. Começa a funcionar hoje a linha direta expressa, o ligeirão, que ligará o bairro do Boqueirão ao Centro com menos paradas. A medida pode ser am­­pliada para outras linhas de biarticulados e dar um fôlego para o sistema até o metrô ficar pronto. Apesar da boa notícia, a inauguração do ligeirão chega com quase três anos de atraso. A previsão inicial da prefeitura era de que o modal já estivesse em funcionamento desde 2007.
A prefeitura afirma que a criação de ligeirões em todos os eixos do transporte coletivo curitibano daria uma sobrevida de 10 anos ao sistema. Isso porque além de criar linhas adicionais ligando os extremos ao centro, o pacote também inclui o desalinhamento das estações-tubo e a implantação de se­­máforos automatizados que dão preferência ao modal. As ações evitariam uma cena muito comum hoje em horários de pico: a existência de verdadeiros comboios de biarticulados.
A grande discussão é sobre a validade desta medida para aliviar efetivamente o horário de pico e também os custos. A Urbs prevê que sejam desembolsados mais R$ 17 milhões somente no eixo norte-sul. O problema é que justamente este trecho vai receber daqui a al­­guns anos o metrô. Ape­­sar disso, para Fernando Guig­­none, diretor de transporte do órgão, a transformação vale a pena. “A cidade sempre p recisa de investimentos”, ar­­gumenta. “Isso daria um upgrade no sistema e garantiria qualidade aos usuários até a conclusão do metrô.”
A dúvida é se as obras paliativas ficariam prontas a tempo, já que o trajeto Boqueirão-Centro teve um atraso de três anos. Guignone diz que este trecho foi um piloto. “Temos o conhecimento, as fontes de financiamento, projetos e uma ampla discussão”, garante. “Nos outros eixos a implantação será muito mais rápida.”

Especialistas
Para o professor Carlos Hardt, coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Pontíficia Univer-sidade Católica do Paraná, a criação dos ligeirões é uma boa alternativa para dar sobrevida ao sistema de transporte curitibano. “Para quem tem interesse de chegar ao destino mais rapidamente é interessante: a velocidade média pode aumentar bastante, não vai haver parada para desembarque, o que deixa o trajeto mais lento”, avalia. Outro benefício é que isso pode incentivar a população a deixar o carro em casa, já que, na relação tempo/gasto, o ligeirão pode levar vantagem.
Tempo para as obras há, de acordo com Hardt, resta saber co­­mo ficam as questões burocráticas. Mesmo assim, o ponto central é que os prefeitos curitibanos deveriam ter agido antes. “Houve muito debate sobre o que fazer para me­­lhorar o transporte durante toda a década de 90”, lembra. “Fo­­ram discutidas muitas alternativas, mas faltou ação. Por outro la­­do, não havia como prever que o nú­­mero de carros aumentaria tanto.”
O professor Eduardo Ratton, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), diz que não vê evolução na situação do metrô, por isso dar sobrevida ao sistema é essencial. “Não sabemos se a obra do modal ficará pronta em 2018 ou 2025”, lembra. Ele argumenta que o transporte coletivo de Curitiba deixou de ter a capacidade de resolver problemas e que isso tende a se agravar com o aumento da população na região metropolitana. “Primeiro de tudo: o metrô deveria ser concebido por um órgão metropolitano, para pensar a cidade e sua região”, afirma.

Fonte: Gazeta do Povo
READ MORE - Em Curitiba, Ligeirão dá fôlego ao transporte coletivo

São Paulo inaugura obras para 'desafogar' o trânsito na capital


Uma série de inaugurações no setor de transportes deve melhorar o trânsito na cidade de São Paulo a partir desta semana. Após a liberação de novos trechos na Marginal Tietê neste fim de semana, o trânsito na capital paulista deve se beneficiar da inauguração do trecho sul do Rodoanel. Para as próximas semanas, ainda está prevista a abertura de duas estações da nova linha Amarela do do Metrô.
  • Com a liberação do trânsito na nova pista da Marginal Tietê no fim de semana, a via mais importante da capital paulista, com fluxo diário de 350 mil automóveis, 70 mil caminhões e 45 mil motocicletas, tem agora três pistas com onze faixas de rolamento ao todo.
    Apesar disso, o primeiro dia útil com novas faixas foi um pouco complicado para os motoristas. Alguns trechos ainda não foram entregues e outros não são usados pelo desconhecimento dos motoristas e pela sinalização precária.

Para melhorar a adaptação dos motoristas à nova pista, a Secretaria de Transportes Metropolitanos (SMT) divulgou novas medidas para o tráfego na região e melhorar qualidade de espaço para o transporte coletivo.
  • Ônibus - Com o aumento no número de faixas, a SMT estabeleceu que a faixa mais à direita da Marginal Tietê, em toda a sua extensão e em ambos os sentidos, será destinada preferencialmente aos ônibus. Desse modo, ela só deverá ser utilizada pelos demais veículos no momento em que entram na Marginal Tietê ou que dela saem.
Motocicletas - Outra medida, que já havia sido anunciada na última semana, trata da circulação de motocicletas. Por ser a principal avenida da cidade, a Marginal Tietê também é a via que registra o maior número de acidentes e de mortes no trânsito. No ano passado, os acidentes na Marginal Tietê deixaram 50 vítimas fatais.

E segundo a SMT, apesar de serem apenas 13% do total de veículos que circulam na Marginal, as motocicletas estão envolvidas em mais da metade dos acidentes fatais. Por isso, com a nova pista, a secretaria restringiu a circulação das motos às pistas central e local, não podendo circular mais na pista expressa. Ao trafegar apenas nas vias local e central, as motos terão velocidade máxima permitida de 70 km/h.
Veículos pesados - Os veículos pesados também só poderão circular em velocidade máxima permitida de até 70 km/h, mesmo se estiver na pista expressa, onde a velicidade máxima é de 90 km/h.

Fonte: Ultimo Segundo
READ MORE - São Paulo inaugura obras para 'desafogar' o trânsito na capital

Trecho das obras da Avenida Antônio Carlos será inaugurado nesta terça em BH


Será inaugurada nesta terça-feira, na capital, a nova Avenida Antônio Carlos. Dois quilômetros e 200 metros foram duplicados e a expectativa é que o movimento aumente de 85 mil, para 100 mil veículos por dia. Próximo ao Conjunto Iapi, as alças de acesso a dois viadutos não estão prontas. E o que resta da obra ainda atrapalha alguns motoristas e pedestres.

Para desviar do entulho, pedestres vão pro asfalto. Alguns acreditam que já foi pior. Em pouco mais de um ano, sete viadutos foram construídos, cinco estão prontos. Um fica perto do Complexo da Lagoinha. Outro, em mão dupla, faz a ligação dos bairros Cachoeirinha e Bom Jesus com o São Cristovão e Renascença.

A largura da avenida aumentou: de 26 para 52 metros. Em cada sentido, são quatro faixas para veículos e duas para ônibus e taxis. De acordo com os engenheiros responsáveis, 90% das obras de duplicação da Avenida Antônio Carlos estão prontas. Os operários trabalham agora para concluir as alças de acesso a dois viadutos que ficam praticamente em frente ao Conjunto Iapi. Atrás dos tapumes, a gente consegue ter uma ideia do andamento da obra. As máquinas, pessoas trabalhando... e as rampas que estão incompletas.

Nesta segunda-feira, perto do Conjunto Iapi, estas faixas exclusivas para ônibus ficaram fechadas, mas amanhã - segundo este engenheiro - toda a avenida deve ser liberada para o tráfego. Mil e quinhentas árvores devem ser plantadas até o meio do ano. Quem passa por aqui já percebe as mudanças. Segundo o engenheiro responsável pela obra, o entulho e a grama que está no passeio serão retirados ainda nesta segunda-feira.

Fonte: Globominas

READ MORE - Trecho das obras da Avenida Antônio Carlos será inaugurado nesta terça em BH

Prefeitura do Rio divulga ranking das melhores e piores empresas de ônibus da cidade

Segundo o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, o ranking será atualizado mês a mês. Ele reconheceu que o sistema de fiscalização neste setor não era suficiente.
Fonte: Globo Comunidade
READ MORE - Prefeitura do Rio divulga ranking das melhores e piores empresas de ônibus da cidade

Zona Oeste do Rio sofre com a má condição e os horários dos ônibus

Os moradores da Zona Oeste do Rio reclamam de enguiços, da qualidade dos ônibus e, principalmente, dos horários. Richele Cabral, da Fetranspor, alega é que é preciso investir em infraestrutura.
Fonte: Globo comunidade
READ MORE - Zona Oeste do Rio sofre com a má condição e os horários dos ônibus

Novos ônibus começam a rodar em Feira de Santana


Amanhã, a nova frota de ônibus coletivo urbano, que compõe o Sistema Integrado de Transporte (SIT) de Feira de Santana, estará reforçada com mais 10 veículos. É quando os veículos começarão a rodar no município. A apresentação dos novos carros 0 km - todos da empresa Princesinha - aconteceu na manhã desta sábado (27), em frente ao Paço Municipal Maria Quitéria, na avenida Getúlio Vargas, durante ato de entrega presidido pelo prefeito Tarcízio Pimenta.Outros 15 ônibus - também da Princesinha - serão entregues no mês de abril. “Possivelmente, antes da Micareta”, prevê Tarcízio Pimenta. A festa acontece entre 15 a 18 do mês que vem. Segundo o prefeito, com a chegada dos novos coletivos, incluindo os do próximo mês, metade da frota da Princesinha estará renovada “com ônibus saindo diretamente da fábrica para Feira de Santana”, assegurou.

Tarcízio Pimenta lembrou que, ao todo, neste início de mandato, já foram inseridos ao Sistema Integrado de Transporte 51 veículos, sendo 26 carros no ano passado. Feira de Santana tem, hoje, uma frota de 198 carros, contando com os 10 entregues neste sábado, que, “por certo, irá elevar em muito a qualidade do serviço, que atende a cerca de dois milhões de usuários por mês”, destacou.

“Estamos resgatando um compromisso assumido com a população feirense e pode ter a certeza que iremos cobrar mais e mais dos empresários do setor no sentido de investir a cada ano visando a renovação total da frota nos próximos anos”, garantiu Tarcízio Pimenta ao tempo que recebia os parabéns pela iniciativa de um dos representantes do Núcleo de Educação Física e Esporte Adaptado da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Carlos Lacerda.

“A renovação da frota com ônibus modernos é muito importante para a comunidade, especialmente parra os portadores de deficiências, como cadeirantes e muletantes (usuários de muletas), como também para pessoas idosas, obesas e mães com bebês no carrinho”, observou Lacerda, que é cadeirante. “É acima de tudo o direito à cidadania com a prática incessante do Governo Municipal através da inclusão social, fortalecendo a acessibilidade para todos, indistintamente”, completou.

Ao final do ato de entrega, o prefeito Tarcízio Pimenta, acompanhado do deputado federal Jairo Carneiros, secretários, vereadores, lideranças políticas, usuários do transporte coletivo urbano, além de jornalistas e radialistas, seguiu com os 10 ônibus ao longo da avenida Getúlio Vargas e da rua Olímpio Vital - nos dois sentidos, sendo ovacionado pelas pessoas nas calçadas e nos automóveis que trafegavam pelo local. “Isso é que é bom, ver o povo satisfeito com o crescimento da cidade, elevando-se a qualidade de um dos serviços prioritários para a própria comunidade”, acrescentou o prefeito.

Os novos ônibus - todos convencionais - estão com nova padronização, com predominância da cor branca, e faixas laterais nas cores da bandeira de Feira de Santana (branca, verde e vermelha). Já os pára-choques são nas cores verde ou vermelha ou azul, facilitando a identificação do ramal a ser percorrido. Ainda na chaparia tem também a identificação do uso do carro para cadeirantes. Carlos Lacerda inaugurou o serviço dos novos coletivos durante a carreata.

Fonte: Notícias da Bahia

READ MORE - Novos ônibus começam a rodar em Feira de Santana

Curitiba dobra índice de acessibilidade no transporte


O índice de acessibilidade no sistema de transporte coletivo de Curitiba mais do que dobrou nos últimos cinco anos. Elevadores, rampas, faixas elevadas e sinalização diferenciada nos terminais e estações tubo e um aumento de 44% para 86% no percentual de ônibus equipados para atendimento a pessoas com dificuldade de locomoção têm garantido melhor mobilidade a 2,4 milhões de passageiros/dia. A meta é acessibilidade em 100% do sistema que conta com 364 estações tubo, 1910 ônibus e 21 terminais.

No ano passado, a Urbs, Urbanização de Curitiba S/A, empresa que gerencia o sistema de transporte em Curitiba, concluiu a reforma, para obras de acessibilidade, em 18 dos 21 terminais de transporte da cidade. As obras incluíram calçadas e pistas internas, novas instalações sanitárias, adaptadas para deficiente, protetores de pedestres e nova sinalização horizontal (pintura no chão) e vertical (placas).

Outros dois terminais – Pinheirinho e Cabral – estão em obras de ampliação que estão sendo feitas pela Prefeitura e, no caso do Cabral, pelo Governo do estado como contrapartida ao município pela integração do Terminal Guaraituba de Colombo. Em outro terminal, o Capão da Imbuia, onde também foram feitas obras de melhoria da acessibilidade, o projeto prevê a reconstrução em área próxima, permitindo a ampliação do terminal. O projeto está pronto e a prefeitura busca financiamento.

Estações - Nas estações tubo o índice de acessibilidade chegou no final de 2009 a 80% com a colocação de elevadores ou rampas nas 16 estações da avenida Marechal Floriano Peixoto e nas 28 estações da Linha Direta (Ligeirinho) Inter 2. Hoje, 293 das 364 estações estão equipadas com elevadores ou rampas - o que é definido de acordo com a altura da estação em relação à calçada.

Na reforma, as estações do Inter 2 foram ampliadas em 50%, com a instalação de uma terceira porta, o que agiliza o embarque e desembarque de passageiros. Além disso elas ganharam calçadas novas no entorno com pisos antiderrapantes e diferenciados, além de rampas no meio fio. Na Marechal Floriano, estações próximas a cruzamentos sem semáforos ganharam faixas elevadas para travessia de pedestre. No total foram implantadas dez faixas elevadas na Marechal.Ônibus - A acessibilidade também aumentou nos ônibus.

Desde 2005 só entram na frota curitibana de transporte veículos com todos os acessórios e equipamentos de acessibilidade, o que inclui espaço adequado para cadeirantes com lugar para acompanhante, balaústres (na cor amarela para atrair atenção das pessoas com baixa acuidade visual ) e elevadores.

Também para melhorar o atendimento a idosos, gestantes, mulheres com crianças de colo e deficientes físicos, os ônibus de Curitiba passaram a ter 20% do total de assentos destinados a estes passageiros. Além disso, no sistema curitibano, ônibus que param em terminais e estações têm embarque e desembarque em nível, por plataforma, o que é, também, um mecanismo de acessibilidade.

Nos últimos cinco anos entraram na frota 1.120 ônibus zero quilômetro com todos os acessórios e equipamentos de acessibilidade previstos em lei. Somados a adaptações da frota, a acessibilidade chega a 86% do número total de ônibus operando na Rede Integrada de Transporte.

Os novos ônibus também têm sistema de monitoramento por satélite (GPS), painéis eletrônicos digitais – na frente e na lateral – e os ônibus Expresso e Linha Direta (Ligeirinho) têm também sistema de áudio MP3, que possibilita informar os nomes das paradas e as mensagens institucionais.Todos os veículos também têm motores com tecnologia Euro 3, que reduz em 60% a emissão de poluentes resultantes da queima de combustível, em relação aos veículos antigos, com motores da versão Euro 1.

Especial – Curitiba conta ainda com um serviço pioneiro no país – linhas de ônibus destinadas ao atendimento de portadores de deficiência, com o único terminal de transporte também exclusivo para deficientes no país. É o Sistema Integrado de Transporte para o Ensino Especial (Sites) que oferece 50 ônibus e atende 2,3 mil alunos de 35 escolas especiais. As linhas fazem trajetos que permitem, se necessário, buscar e deixar o aluno em casa, sem que ele tenha que se deslocar até o terminal.

Fonte: URBS
READ MORE - Curitiba dobra índice de acessibilidade no transporte

Ariquemes: Município de 80 mil habitantes não tem transporte coletivo


Os moradores de Ariquemes-RO que não tem transporte particular são reféns dos taxistas que cobram absurdos por uma simples corrida, pelo menos esse e o melhor meio e mais seguro, aqueles que optarem pelos mototaxistas vão ter que desembolsa a quantia de R$ 2,50 e rezar para chegar ao destino com segurança e em perfeitas condições, a fiscalização e precária e os poucos guardas municipais que poderiam ajudar nessa tarefa, são distribuídos em pontos estratégicos da cidade a fim de fiscalizar onde os veículos devem ou não estacionar, aplicando multas aos motoristas.
A cidade de Ariquemes que hoje é a terceira do estado, infelizmente não possui sistema de transporte coletivo, deixando as pessoas sem opção de locomoção.

Fonte: Rodonotícias

READ MORE - Ariquemes: Município de 80 mil habitantes não tem transporte coletivo

A profissão de motorista e Cobrador em Teresina


Para quem trabalha durante sete horas corridas todos os dias da semana e dependendo da escala, havendo a possibilidade de trabalhar até nos finais de semanas ou feriados, prestar atenção mantendo o equilíbrio físico e mental no trânsito de Teresina é uma tarefa bastante difícil, uma vez que nos últimos anos o tráfego de veículos na capital tem crescido bastante, sem contar no dever de atender bem o passageiro que possui os mais diferentes estilos, gostos, religiões e costumes.
Tudo isso são atribuições dadas aos 1200 condutores de transporte coletivo nas ruas da cidade de Teresina. Mas para ser motorista de ônibus na cidade são necessários critérios mais específicos, como ser habilitado na categoria D e possuir o curso de Transporte Urbano e Rodoviário de Passageiros, ministrado pelo SEST/SENAT.
Segundo a coordenadora do curso em questão, Caubyra Nery, o número de profissionais que o fazem é bastante grande, isso porque todas as 13 empresas de ônibus urbanos que operam na capital possuem convênio com o órgão e sempre encaminham seus funcionários para qualificação.

O presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (SETUT), Herbert Miúra, afirmou que além de qualificação, o curso traz motivação aos funcionários. “Todas as empresas enviam seus motoristas para participarem desse curso porque é uma forma de qualificar o trabalhador e estamos sempre melhorando o desempenho do profissional em suas atividades diárias e de certa forma deixá-lo mais motivado e dedicado ao ofício”, pontuou.

A função de cobrador
O Ministério do Trabalho não atende o ofício de um cobrador de ônibus como profissão. Para o órgão, o trabalho desses homens e mulheres são apenas funções que podem ser exercidas por qualquer pessoa com ensino médio.

Para os cobradores de ônibus, ser responsável pelo recolhimento do dinheiro ou do vale transporte do passageiro e a entrega do troco, pela leitura correta do passe verde e controle do interior dos ônibus (após o passageiro passar a catraca), são algumas das atribuições de um cobrador e por isso a categoria não deixa de considerar esse trabalho como uma profissão.
Para exercer a função de cobrador de ônibus em Teresina, além de ensino médio é necessário o curso de Relações Humanas para Cobrador de Transportes Urbanos e Rodoviários, também oferecido pelo SEST/SENAT.

Fonte: TV Canal 13
READ MORE - A profissão de motorista e Cobrador em Teresina

São Paulo: Falta projeto de integração entre metrô e USP


Com início de operação previsto para o segundo semestre, a futura estação Butantã do metrô não apenas deverá facilitar o acesso de alunos, funcionários e visitantes ao campus, mas poderá incentivar o uso de transporte coletivo e, assim, desempenhar importante papel na redução de impactos ambientais. No entanto, a realização dessas expectativas exigirá a adoção de medidas que propiciem uma eficiente interação entre esta nova via de transporte e as já vigentes na Cidade Universitária. Tais medidas incluiriam a reestruturação do atual sistema viário do campus e, em especial, a reformulação do serviço de circulares.
Conforme calculou o JC, a estação está distante cerca de 1,1 km da Portaria 1, o possibilita aos usuários se deslocarem a pé até a Cidade Universitária. No entanto, no interior do campus, eles continuarão a depender de circulares para se locomover. Considerando que a inauguração da estação venha a incentivar os que freqüentam a USP a optarem pelo metrô ao invés de seus carros, faz-se evidente que, nos moldes atuais, o sistema será insuficiente para atender, satisfatoriamente, esta acrescida demanda por ônibus circulares.
Consultada sobre as possibilidades de integração com o metrô, a Coordenadoria do Campus da Capital do Estado de São Paulo (Cocesp) declarou não haver nenhum projeto definido ou em fase de implementação, embora já haja discussões a respeito. Samir Hamzo, da Cocesp, afirma que a ampliação do trajeto dos circulares para fora do campus, atendendo diretamente os usuários do metrô, é uma ideia pouco cogitada.
Hamzo observa que as reuniões e negociações junto ao Metrô e à SPTrans estão apenas no início, mas que algumas propostas já têm se destacado. Entre as ideias cogitadas está a proposição, ao Metrô, da instituição de um serviço semelhante à Ponte Orca entre a estação e o campus. No entanto, o mais provável é que, ao menos em um momento inicial, o trajeto venha a ser realizado por linhas tarifadas da SPTrans.
Outra proposta que vem sendo estudada junto à SPTrans é a de que as linhas urbanas que já servem à comunidade uspiana não fossem tarifadas ao trafegarem no interior do campus. De acordo com ele, caso fosse aprovada, esta proposta não apenas poderia desafogar o sistema de circulares, mas seria conveniente aos planos da Cocesp para o desenvolvimento de uma gestão do campus ambientalmente mais consciente. Permitindo a redução do número de circulares que trafegam pelo campus, a medida, segundo ele, contribuiria na diminuição do impacto ambiental. Samir observa, porém, que se pretende, antes, avaliar o impacto que o sistema viário local irá sofrer com o início das operações da estação para, a partir de então, implementar um projeto mais definido.
Procurado pelo JC, o Metrô declarou não haver, por parte da companhia, nenhum projeto de integração com o campus e reiterou que o serviço de Ponte Orca só é oferecido para integração entre estações de metrô e de trem. Informou, ainda, que está em fase de conclusão a construção de um terminal de ônibus urbanos integrado à estação Butantã, que será operado pela SPTrans. Já a assessoria de imprensa da SPTrans, questionada sobre o trajeto de uma possível linha de integração entre o campus e o metrô e sobre o possível remanejamento das linhas urbanas que já servem à USP, informou que a empresa aguarda a conclusão das obras do terminal para se pronunciar definitivamente sobre o assunto.

Fonte: Jornal do Campus
READ MORE - São Paulo: Falta projeto de integração entre metrô e USP

Salvador: Resumo dos principais projetos de obras viárias


A exposição desses projetos está percorrendo locais de grande fluxo de pessoas para que toda a população possa ter acesso. As reações tem sido de contentamento
Mobilidade Urbana - Uma ousada proposta para resolver alguns dos graves problemas do trânsito e do transporte coletivo de Salvador e Região Metropolitana. As ações estão consolidadas em dois grandes planos: Rede Integrada de Transporte (RIT) e Programa de Obras Viárias (PROVIA). Rede Integrada de Transporte (RIT) - A RIT vai implantar um Sistema Multimodal de Transporte de passageiros. As principais ações são: a modernização do Trem do Subúrbio, a complementação da linha Lapa - Pirajá do Metrô e a novidade: o Sistema BRT (Bus Rapid Transit), que em sua primeira etapa adapta 36 quilômetros do sistema viário principal, com prioridade para a circulação de ônibus. Na nossa cidade, esse sistema vai se chamar Trans Metrópole.
Programa de Obras Viárias (Provia) - O Programa de Obras Viárias vai solucionar os maiores engarrafamentos da cidade na região do Iguatemi, Bonocô e Paralela e ainda incrementar as soluções de trânsito rápido com cerca de 59 quilômetros de cinco novas vias, sendo as principais a Linha Viva e a Avenida Atlântica.
Avenida Atlântica - Uma alternativa à Paralela com 14,6 quilômetros de pista dupla, que começa da Avenida Luís Eduardo Magalhães e termina na Avenida Dorival Caymmi, integrando o Centro de Convenções. A previsão é que o tempo total de deslocamento por esta via seja menor do que 20 minutos.
Ponte Pituaçu - A Ponte de Pituaçu faz parte da Avenida Atlântica e passa por cima do Parque de Pituaçu, preservando a natureza. É a primeira ponte pêncil do Brasil, com 1 quilômetro de extensão e 600 metros de vão livre, projetada com tecnologia de ponta para ser muito leve e não interferir na paisagem.
Linha Viva - Mais uma alternativa à Paralela, com 18 quilômetros de pista dupla, ligando Bonocô e Rótula do Abacaxi ao Aeroporto.
Nova Cidade Baixa - Um projeto que vai promover a requalificação urbana, ambiental e paisagística do trecho que vai do Campo Grande até a Ribeira. A proposta principal é abrir a frente marítima da cidade para todos, criando espaços públicos de qualidade e o apoio a um sistema eficiente de transporte público que priorize a articulação de todos os setores da cidade baixa e a conexão com a cidade alta. O projeto tem também como objetivos a melhoria das moradias, através da recuperação e ocupação de edifícios e áreas degradadas, e a implantação de uma rede de equipamentos de grande porte destinados à cultura, ao esporte e ao lazer da população.
Via Expressa - É mais uma via rápida que vai ligar a BR ao Comércio, passando pela Avenida Barros Reis e Baixa de Quintas e, no futuro, ainda pode ser ligada à Ponte Salvador-Itaparica. Uma via que vai movimentar o turismo, os negócios e facilitar a vida de quem mora em Salvador e trabalha em outras cidades. Orla - Um projeto que requalifica a orla do Jardim de Alah até Itapoã. O objetivo é criar novos equipamentos de uso público, padronizar as barracas de praia, oferecer novos serviços aos banhistas e ainda organizar a circulação de transporte, melhorando o trânsito. Em alguns trechos, a pista vai ser ampliada.
Via Histórica - Uma via que liga o Campo da Pólvora em Nazaré ao Terreiro de Jesus no Centro Histórico. A grande novidade desse projeto é uma passarela rolante de 400 metros que vai dar mais conforto a quem anda a pé. Terão ainda projetos específicos o bairro de Ondina, Parque das Dunas na Praia do Flamengo, o Parque Tecnológico, a nova Fonte Nova, a Ladeira da Barra, o Cajazeiras Golf Clube e Aeroporto.

Fonte: Tribuna da Bahia
READ MORE - Salvador: Resumo dos principais projetos de obras viárias

João Pessoa ganha o Terminal de Integração no Colinas do Sul


A partir deste sábado, os moradores do Conjunto Colinas do Sul passam a contar com uma Cabine de Integração de ônibus. Quatro linhas ( 103, 116, 501 e 114) terão que passar pela comunidade. Outra novidade é que novos ônibus adaptados substituirão os modelos antigos. Técnicos da Superintendência de Transportes e Trânsito (STTrans) estarão no local acompanhando as novas mudanças nos itinerários dos ônibus.
A linha 103 que sai de Gramame passará pela cabine e seguirá pela comunidade Engenho Velho em direção ao Centro de João Pessoa. Outra linha, a 116, que sai do Conjunto Gervásio Maia, passará pela cabine e seguirá pelo bairro do Grotão, em direção ao Centro, atendendo também aos passageiros que pegam ônibus na avenida Presidente Médici.
Já a 501 sairá do Terminal de Integração (Cabine) e vai atender a comunidade Gervásio Maia, Loteamento Marinez e Portal do Colinas (Conjunto da Cehap) seguindo pelo bairro do Geisel via avenida Epitácio Pessoa em direção ao Centro. A linha 114, que tinha um terminal no bairro Grotão, se estendeu e passa a fazer terminal na cabine do Colinas do Sul. Uma linha de integração estará saindo do conjunto da Cehap, passando pela cabine de Integração, seguindo para o Engenho Velho e voltando pela lateral do depósito do Carrefour.
As mudanças estão sendo implantadas após reuniões com os representantes da comunidade e das melhorias realizadas nos acessos ao bairro. As vias que antes eram de barro, estão sendo pavimentadas, possibilitando o acesso dos ônibus, sem maiores gastos com manutenção.
Ônibus adaptados - Os novos veículos são adaptados com elevadores para permitir o fácil acesso a cadeirantes; as portas são mais largas (mede um metro e 10 centímetros) enquanto que os ônibus convencionais têm apenas 90 centímetros; cadeiras diferenciadas, mais largas, destinadas a mulheres grávidas e pessoas obesas, corrimãos especiais para deficientes visuais; sinal de parada com escrita em Braile e um dispositivo que só possibilita a partida após as portas estarem completamente fechadas. Os veículos possuem novo design e motorização eletrônica que causa menos poluição ao meio ambiente.

Fonte: Prefeitura de João Pessoa
READ MORE - João Pessoa ganha o Terminal de Integração no Colinas do Sul

Em Cuiabá, MP propõe ação para impedir 'confinamento' de idosos no transporte coletivo


Para garantir a passagem dos idosos pelas catracas eletrônicas dos transportes coletivos do município de Várzea Grande, o Ministério Público Estadual (MPE) propôs ação civil pública, com pedido de antecipação de tutela, contra a empresa União Transportes e Turismo Ltda, o município e a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager).

A ação foi proposta na última quarta-feira (24) pela 6ª Promotoria de Justiça Cível de Várzea Grande. Na ação, o MP requer a implementação de um sistema de controle de fluxo de passageiros que não implique em qualquer discriminação ou restrição à pessoa idosa nos veículos coletivos. “Após ser notificada pelo MP por 'confinar' os idosos na parte dianteira dos ônibus, a empresa União Transportes e Turismo Ltda passou a permitir que os mesmos adentrassem somente pelas portas do meio e traseira. Agora, eles ingressam no contra-fluxo dos demais passageiros, causando situação de vulnerabilidade e riscos à integridade física”, afirmou.

Na ação, o MP ressaltou que a prática da empresa conta com a conivência dos órgãos responsáveis pela regulação e fiscalização dos serviços de transporte coletivo municipal e intermunicipal. O Ministério Público requer que a empresa proceda as modificações necessárias para a liberação das catracas eletrônicas às pessoas idosas (exigindo unicamente a apresentação de qualquer documento de identidade), em um prazo máximo de 10 dias. O MP solicita ainda ao Poder Judiciário, que caso haja o descumprimento da ordem judicial, a empresa arque com pagamento de multa no valor de R$ 1 mil por cada idoso discriminado.

Fonte: Gazeta Digital
READ MORE - Em Cuiabá, MP propõe ação para impedir 'confinamento' de idosos no transporte coletivo

São Luís: Sofrimento na hora de utilizar o transporte coletivo na Cidade Operária


O sofrimento diário enfrentado por muitos moradores da Cidade Operária, um dos bairros mais tradicionais da periferia da grande São Luis, com os serviços de transporte público da capital parece não ter fim. Superlotação, estrutura dos ônibus comprometida, falta de higiene (sujos) e os longos tempos nas paradas a espera de uma condução são um dos principais problemas encarados diariamente por vários usuários do bairro que, dependem do transporte público para se locomover.

Segundo informações do mais novo usuários do Fórum Cidadão de O Imparcial On Line, o autônomo, Luis da Conceição, 32 anos, morador da Rua 7, na unidade 101, os ônibus da linha Socorrão II, responsável pelo transporte de passageiros da Cidade Operária até o Centro da cidade são insuficientes devido a grande demanda pelo transporte no bairro. Ele relatou que o tormento começa logo de manhã cedo, às 6h10, onde muitos usuários não conseguem embarcar nos coletivos, em virtude dos ônibus virem de outras localidades vizinha do bairro superlotado.

Diante do tormento, o morador disse que quase sempre chega atrasado aos seus compromissos e reivindica a criação de mais uma linha para suprir ou amenizar a deficiência do número de coletivos no local. “O Socorrão II, a única linha que passa pela unidade 101 e 201 vem superlotado. Passamos mais de duas horas na parada de ônibus esperando um vazio passar para irmos agarrados na porta. Precisamos de uma linha nova para ver se melhora”, relatou indignado.

Para completar a extensa lista de reclamação de usuários insatisfeitos com os serviços de transporte público na Cidade Operária, a universitária, Elziene Lobato, de 22 anos, também moradora da unidade 101, relata ainda o desrespeito dos motoristas da linha Socorrão II. Segundo ela, muitos motoristas não atendem as solicitações de parada feitas pelos passageiros. “Eles simplesmente muitas vezes não param nas paradas de ônibus, por que na maioria das vezes eles já passam atrasados, em relação ao tempo de cumprir a rota no tempo exato”, explicou a universitária.

Procurado pela reportagem do Fórum Cidadão, Francisco Mozar, gerente do Consórcio São Cristovão, responsável pelo transporte da linha Socorrão II, onde atuam quatro empresas: Viação Norte Brasileiro, Mouraujo, Solemar e Marina, informou que não estava autorizado a esclarecer sobre as reclamações e disse que apenas a Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) estava apta a informar sobre o assunto. Em nota, a SMTT informou que implantou no início de março um novo serviço de ônibus na Cidade Operária com a finalidade de oferecer mais uma alternativa aos usuários da avenida principal do bairro.

O serviço constitui-se de um novo trajeto, que tem início próximo ao Socorrão II, passa pela Avenida principal do bairro, vai até o Terminal do São Cristóvão, passa pelas avenidas dos Franceses e Africanos, Rua das Cajazeiras (Centro), Praça Deodoro, Terminal Praia Grande e retorna pela Avenida dos Africanos. Ao todo serão 43 viagens diárias. As mudanças fazem parte das melhorias que serão feitas este ano no sistema de transportes onde serão incluídos 300 novos ônibus até o final de 2010.

Fonte: O Imparcial Online
READ MORE - São Luís: Sofrimento na hora de utilizar o transporte coletivo na Cidade Operária

Curitiba: Inter 2 tem ônibus articulados e estações com três portas


Mais da metade da frota da Linha Direta (Ligeirinho) Inter 2 é formada por ônibus articulados, com capacidade para 170 passageiros e operação de embarque e desembarque em três portas. É que a partir desta segunda-feira (29), 40 dos 70 ônibus da frota do Inter 2 são articulados, com um aumento de 20% na oferta de lugares na linha que, fora das canaletas, é a mais carregada do sistema, com cerca de 80 mil passageiros por dia.

  • A ampliação da capacidade do Inter 2 representará mais conforto e segurança para os passageiros, além de mais agilidade. É que além de passar a contar com 1.600 lugares a mais nos horários de pico, a linha passará a operar em estações totalmente reformadas e ampliadas em 50%, passando a contar com uma terceira porta, agilizando as operações de embarque e desembarque.
As 28 estações, instaladas nas ruas e em terminais, foram reformadas pela Urbs, Urbanização de Curitiba S/A - quatro delas estão em obras - e ganharam também mais espaço interno e mais acessibilidade, com a instalação de elevadores ou rampas e reconstrução das calçadas do entorno, em material anti-derrapante e em cores diferenciadas. Estão em fase final de obras as estações Mercês e Santa Quitéria e do terminal Capão da Imbuia. Também está sendo reformada a estação do terminal Cabral, incluída na obra de reforma geral do terminal que está sendo feita pelo governo do Estado como contrapartida à integração, em 2008, do Terminal Guaraituba, de Colombo.
  • A reforma das estações e a substituição de 40 ônibus comuns por articulados são duas novas medidas de melhoria e ampliação da capacidade do Ligeirinho Inter 2. Há dois anos a Prefeitura implantou a ligação Capão da Imbuia/Hauer e os binários Mario Tourinho e Brasília o que representou a reforma de mais de 20 quilômetros de ruas e avenidas por onde passam 30 linhas de ônibus, incluindo a Inter 2.
    O Ligeirinho Inter 2 tem um percurso circular cobrindo a cada viagem 38 quilômetros em 12 bairros da cidade, passando por Cabral, Jardim Social, Jardim das Américas, Capão da Imbuia, Hauer, Xaxim, Capão Raso, Portão, Santa Quitéria, Campina do Siqueira, Mercês e Centro Cívico.

Fonte: Prefeitura de Curitiba
READ MORE - Curitiba: Inter 2 tem ônibus articulados e estações com três portas

Recife: Serviço de ônibus teve intervalos regulares no Pina, no domingo


Quem voltava para casa depois das horas de lazer na praia encontrou ônibus com intervalos regulares; alguns ainda chegavam vazios

Na parada de ônibus da avenida Antônio de Góes, no bairro do Pina, o embarque de passageiros foi tranquilo no último domingo (28). Quem voltava para casa depois das horas de lazer na praia encontrou ônibus com intervalos regulares e alguns ainda chegavam vazios.“Hoje está bom. Bastante ônibus, tanto para cidade, quanto para o terminal de Joana Bezerra”, disse a doméstica Maria Otelina.

O motorista Anderson Nascimento disse que o número de veículos em circulação foi o suficiente para dar conta dos passageiros que deixavam a praia. “Com a quantidade de ônibus saindo, dá para respeitar o intervalo de tempo”.

No último dia 14, no mesmo horário e no mesmo local, a situação era diferente. Com a demora dos ônibus, o canteiro central na avenida Antônio de Góes ficou lotado, e os banhistas corriam na rua para pegar a condução sem se preocupar com o movimento dos carros.

Os ônibus cheios eram um sufoco ainda maior para quem viajava com crianças de colo. De acordo com os motoristas, as empresas haviam colocado poucos veículos em circulação, o que os obrigava a transportar mais gente do que a capacidade máxima permitida.

Fonte:PE360graus.com
READ MORE - Recife: Serviço de ônibus teve intervalos regulares no Pina, no domingo

Ônibus poderão ter que adotar o uso de vidros reflexivos


A Câmara analisa o Projeto de Lei 6890/10, da deputada Maria Lúcia Cardoso (PMDB-MG),que torna obrigatório o uso de vidros reflexivos em veículos de transporte coletivo. A proposta altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97). A regulamentação da medida será feita pelo Conselho Nacional do Trânsito (Contran).
A deputada já havia apresentado projeto semelhante em 2008, que foi arquivado. Os vidros reflexivos, produzidos à base de óxidos metálicos, refletem os raios solares sem prejudicar a visibilidade dos motoristas. Esse tipo de vidro, segundo Maria Lúcia Cardoso (PMDB-MG), tem sido cada vez mais utilizado pela construção civil por contribuir para a redução da temperatura das edificações e, consequentemente, gerar economia de energia com aparelhos de ar condicionado. Para Maria Lúcia Cardoso, os vidros reflexivos podem ser aproveitadas em ônibus para melhorar o conforto térmico. Ela acredita que o uso de ar condicionado nesses veículos, apesar de também oferecer conforto aos passageiros, tem um preço elevado e aumenta o consumo de combustível, causando danos ambientais.
A proposta, que tramita em caráter conclusivo onde o projeto não precisa ser votado pelo Plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo (de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania). O projeto perderá esse caráter em duas situações: – se houver parecer divergente entre as comissões (rejeição por uma, aprovação por outra); – se, depois de aprovado pelas comissões, houver recurso contra esse rito assinado por 51 deputados (10% do total). Nos dois casos, o projeto precisará ser votado pelo Plenário.

Fonte: Portal do Trânsito
READ MORE - Ônibus poderão ter que adotar o uso de vidros reflexivos

Ônibus Connectados no Rio Grande do Sul dão comodidade à passageiros


Trinta e seis ônibus da Planalto têm uma comodidade a mais para seus passageiros: internet sem fio. Assim, mesmo durante o percurso da viagem, os passageiros podem conferir seus e-mails, bater papo no MSN, ler notícias, enfim, tudo o que a rede mundial de computadores oferece. Basta estar com um notebook, um netbook ou um celular habilitado para navegação online.

As linhas que operam a internet sem fio fazem ligação, a partir de Porto Alegre, com Santa Maria, Uruguaiana, Rio Grande, Itaqui, São Borja, Santiago, São Gabriel, Quaraí, Rosário, São Gabriel, Alegrete e Jaguari.

Fonte: Intelog
READ MORE - Ônibus Connectados no Rio Grande do Sul dão comodidade à passageiros

Diadema inicia a instalação de 80 abrigos de ônibus


Em parceria com a iniciativa privada, a Secretaria de Transportes inicia, nesta semana, a instalação de 80 novos abrigos de paradas de ônibus. A empresa parceira será responsável pela aquisição, implantação, conservação e manutenção dos abrigos e, em contrapartida, obterá os direitos de exploração do espaço de publicidade e propaganda nos abrigos sem ônus para a Prefeitura.

Em novembro do ano passado, a Secretaria de Transportes realizou chamamento público para a seleção de projetos de parceria. Nesta semana, começou a instalação dos sete primeiros abrigos de paradas de ônibus. O projeto dos abrigos é da Secretaria de Transportes do município, que será responsável por prestar orientações técnicas e fiscalização dos serviços.
A parceria tem duração de 12 meses, podendo ser prorrogada por até cinco vezes. A cada renovação, 20% dos abrigos implantados serão incorporados aos próprios municipais, com permanência do direito de exploração publicitária do espaço por parte da empresa.

Os novos abrigos são de chapa de aço, com assentos, e cobertura em policarbonato. Cada parada terá dois painéis ao fundo, sendo um para publicidade e o outro para uso institucional da Prefeitura. Os 80 abrigos devem ser instalados em até 180 dias.

A Secretaria de Transportes também iniciou projeto de identificação das novas paradas com nome, número e linhas de ônibus que passam no local como medida de orientação aos passageiros. Os nomes escolhidos fazem referência a prédios públicos ou a ruas próximas. Por exemplo, o ponto da rua Amélia Eugênia terá o nome de Central de Atendimento e o da rua Manoel da Nóbrega será a parada Florestan Fernandes para facilitar a identificação dos locais.

Fonte: Prefeitura de Diadema
READ MORE - Diadema inicia a instalação de 80 abrigos de ônibus

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960