A quatro dias da inauguração, sistema Move passa por testes

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Motoristas que vão dirigir os veículos do Move, o sistema rápido por ônibus de Belo Horizonte, dão continuidade à rotina de testes a menos de uma semana da implantação do BRT. Nesta terça-feira, os coletivos articulados foram flagrados pelo em.com.br parado em três diferentes Estações de Transferência (ET) ao longo da Avenida Cristiano Machado. 

Os testes começaram em 20 de janeiro. Monitores das empresas de ônibus de Belo Horizonte fizeram as primeiras manobras de veículos articulados nas estações de transferências com piso em nível ao longo da avenida Cristiano Machado. Eles repassam os procedimentos aos demais motoristas. 

No dia 1º de fevereiro, 30 atores simularam serem passageiros para filmagem da peça publicitária oficial que será veiculada pela Prefeitura de Belo Horizonte antes do lançamento do sistema. Em dois grupos de 15 pessoas, um no ônibus e outro na estação, os atores se comportaram como os usuários do sistema no dia a dia, entrando na ET do Bairro União, na Região Nordeste, por roletas e aguardando enfileirados antes das portas de vidro pelo embarque na parte da frente do coletivo.

A inauguração do primeiro trecho Move está marcada para o próximo sábado. De início, os veículos articulados vão circular no trecho de 8,4 quilômetros dos corredores das avenidas Cristiano Machado e Santos Dumont/Paraná. 

Informações: Estado de Minas

READ MORE - A quatro dias da inauguração, sistema Move passa por testes

Com licitação, Florianópolis reduz tarifa em R$ 0,10

A licitação do transporte público vencida pelo consórcio Fênix, composto pelas cinco empresas que já operam o sistema que transporta, mensalmente, 5,5 milhões de pessoas. Como principais benefícios, a concorrência resultou na redução da tarifa, aumento das gratuidades e dos benefícios para a população. 

A tarifa será reduzida para R$ 2,60 no pagamento por meio de cartão (passagem antecipada) e R$ 2,80 no pagamento em dinheiro. O novo valor representa uma redução de R$ 0,10 no preço cobrado atualmente (as novas tarifas passarão a valer após a assinatura do contrato com o consórcio vencedor), que é de R$ 2,90.

Outra novidade é a criação do passe livre para estudantes oriundos de famílias carentes que estejam cadastrados no sistema de assistência social da prefeitura. Cerca de seis mil jovens se enquadram no grupo que pode receber o benefício. A meia passagem para os outros estudantes continua, com o valor de R$ 1,30.

A extensão da tarifa social, que atualmente é concedida somente para os moradores do Maciço do Morro da Cruz, região carente da cidade, também é outro avanço obtido com a licitação. A partir de agora, o benefício atingirá todo o município, beneficiando cerca de 50 mil trabalhadores com renda familiar de até três salários-mínimos, que irão pagar R$ 1,70 pelo transporte.

O preço da tarifa de ônibus em Florianópolis está congelado há dois anos. O edital foi lançado em setembro e, após ajustes, uma segunda versão foi publicada em dezembro do ano passado.

Conforme o diretor de Planejamento da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana da capital catarinense, Vinicius Cofferri, a licitação teve como principal critério uma combinação entre menor tarifa e melhores condições técnicas de operação. “Conseguimos reduzir a tarifa, aumentar os benefícios e gratuidades e, ainda assim, aumentar os investimentos no setor. Vamos implementar o controle por GPS dos veículos, o reconhecimento facial, painéis eletrônicos nos terminais indicando quanto tempo falta para o ônibus chegar. Além disso, todos os ônibus novos contarão com ar-condicionado e acesso especial para deficientes”, afirma. Outra inovação é a implantação da integração em qualquer ponto de ônibus, sem a necessidade de o passageiro ir até os terminais.

O sistema de transporte urbano de Florianópolis funcionava por meio de contratos precários entre a prefeitura e as empresas. Os contratos eram fechados por linhas. A prefeitura subsidiava o sistema com R$ 20 milhões por ano para manter o valor das tarifas. “Subsidiávamos em R$ 0,28 por passageiro. Agora, vamos investir esse dinheiro nas gratuidades e benefícios”, observa Cofferri. A concessão tem validade de 20 anos.  

Informações: Uol

READ MORE - Com licitação, Florianópolis reduz tarifa em R$ 0,10

Governo Federal investe R$ 33 bi para fazer metrô em nove cidades, diz Dilma

A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (10), em seu programa de rádio “Café com a Presidenta”, que o governo federal está investindo R$ 143 bilhões em mobilidade urbana, sendo que R$ 33 bilhões são para fazer metrô em nove cidades brasileiras.

Parte dos recursos vem do Pacto da Mobilidade Urbana, anunciado em junho do ano passado pelo governo. “Estamos fazendo obras que vão melhorar o transporte coletivo nas nossas grandes e médias cidades, e dar mais qualidade à vida das pessoas”, afirmou Dilma.

Ao todo, serão construídos 3,5 mil quilômetros em obras de transporte coletivo, que incluem metrôs, trens urbanos, monotrilhos, aeromóveis, VLTs - que são os Veículos Leves Sobre Trilhos - além dos corredores de ônibus ou BRTs, informou a presidenta.

Os investimentos no metrô devem beneficiar as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília, Curitiba, Porto Alegre e Belo Horizonte. Já os Veículos Leves sobre Trilhos estão sendo construídos em dez cidades no país, entre elas, Rio de Janeiro, Fortaleza, Recife, Cuiabá, Santos, Natal, Maceió, Goiânia, João Pessoa.

Prioridade
De acordo com Dilma, os investimentos em transporte sobre trilhos estão sendo priorizados. “O transporte sobre trilhos é um transporte de alta capacidade, ele tem capacidade para transportar milhares e milhões de pessoas. E, ao mesmo tempo, ele garante o deslocamento dos passageiros de forma muito mais rápida e mais segura”, destacou a presidente.

Além do investimento do governo federal de R$ 33 bilhões em metrô, os estados e municípios vão entrar com R$ 15,5 bilhões. Segundo Dilma, haverá ainda recursos de empresas privadas.

“Foram muitos e muitos anos sem o governo federal investir em transporte coletivo, principalmente não investindo em metrô. Na verdade, o governo federal fazia o seguinte, lavava as mãos e falava: Não. Esse não é um problema meu. Para o meu governo, é um problema meu. E nós, por isso, mudamos a nossa relação com o transporte urbano”, acrescentou Dilma.

READ MORE - Governo Federal investe R$ 33 bi para fazer metrô em nove cidades, diz Dilma

Em Recife, Obras do BRT suspensas na Agamenon Magalhães por falta de verba federal

As obras do corredor BRT - sigla em inglês que significa trânsito rápido de ônibus - na Avenida Agamenon Magalhães estão suspensas. A paralisação foi determinada pelo governo do estado, à frente da execução do projeto, e os serviços ainda não têm data para serem retomados. A justificativa é que os recursos federais aprovados para as obras ainda não foram liberados, estando a documentação do projeto sob análise da Caixa Econômica Federal (CEF). O orçamento para o ramal Agamenon Magalhães, que integra o Corredor Norte-Sul, é de R$ 96,5 milhões.

Vencedor da licitação, o Consórcio Heleno e Fonseca Construtécnica chegou a montar, no ano passado, canteiros de obras ao longa da avenida para se construir as estações, uma passarela e ampliação dos dois viadutos sobre a Avenida João de Barros. 

“Algumas pilastras para alargamento dos viadutos começaram a ser feitas”, disse o secretário estadual das Cidades, Danilo Cabral. Cada um dos dois viadutos, conforme o projeto, deve ganhar uma nova faixa para veículos, o que possibilitará a destinação de espaço exclusivo para circulação dos ônibus. 

Segundo Danilo, o estado já investiu o valor correspondente à contrapartida que lhe cabia, ou seja, R$ 2,54 milhões. Esse montante foi destinado à elaboração dos projetos executivos do alargamento dos viaduto e da passarela. 

Quando pronto, o ramal BRT da Agamenon Magalhães terá nove estações nos moldes das unidades que estão sendo construídas nas avenidas Cruz Cabugá, também parte do Corredor Norte-Sul, e Caxangá, integrada ao Corredor Leste-Oeste. O governo do estado deu entrada da documentação do projeto, na Caixa Econômica, em julho do ano passado. Dos mais de R$ 90 milhões previstos para a União, o estado disse ter recebido autorização para pagar R$ 30 milhões, enquanto outros R$ 16 milhões estão em análise.

Em nota, a CEF disse ter recebido o projeto em julho, cabendo a análise à Gerência Regional de Desenvolvimento Urbano. “Todavia, o projeto inicial, que possui recursos do Orçamento Geral da União (OGU), vem passando por várias alterações e ajustes durante todo o segundo semestre de 2013”, informou. A Caixa acrescentou que reuniões técnicas estão previstas para a próxima semana, devendo participar representantes do governo do estado, do banco e do Ministério das Cidades. Pela regra, a CEF analisa o projeto e, após aprová-lo, o encaminha ao ministério.

Informações: Diário de Pernambuco

READ MORE - Em Recife, Obras do BRT suspensas na Agamenon Magalhães por falta de verba federal

Ônibus voltam a circular em Porto Alegre depois de 15 dias de paralisação

Os ônibus urbanos voltaram a circular em Porto Alegre nesta terça-feira (11), após 15 dias de paralisação total dos rodoviários. Em assembleia na noite de segunda-feira (10) a categoria recusou a última oferta das empresas de ônibus, mas se comprometeu a retornar ao trabalho com 100% da frota nas ruas. Apesar da volta dos coletivos, os funcionários continuam em estado de greve até a definição do valor do dissídio coletivo, que está marcado para ocorrer no próximo dia 17.

De acordo com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), 100% da frota da capital já está nas ruas nesta terça. Nenhuma garagem registrou problemas e os coletivos saem normalmente. No Consórcio Carris, um dos pontos de maior concentração de rodoviários durante a greve, os veículos deixaram o local com normalidade. Às 7h40, 299 ônibus da companhia já transitavam pelas avenidas da cidade.

Ainda segundo a EPTC, as lotações, utilizadas durante a greve com o valor reduzido de R$ 4, voltam a cobrar o preço original da tarifa, que é R$ 4,20. Os veículos também estão proibidos de levar passageiros em pé, como ocorreu durante os dias de paralisação dos ônibus. Vans escolares estão autorizadas a transportar apenas estudantes.

A decisão de recolocar as frotas na rua ocorreu após uma assembleia tensa no Ginásio Tesourinha, na noite de segunda-feira. Por uma margem apertada, os rodoviários decidiram não aceitar a última oferta das empresas de ônibus, apresentada durante uma reunião de mediação nesta manhã no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). O sindicato patronal ofereceu 7,5% de reajuste salarial e fim do banco de horas a partir de agosto, entre outros itens.

Com isso, os rodoviários manterão o estado de greve enquanto esperam que o TRT defina o valor do dissídio coletivo, em julgamento marcado para o dia 17. Com a volta da circulação dos ônibus, a categoria também vai pedir na Justiça a retirada do caráter ilegal da paralisação. A solicitação deve ocorrer nesta terça-feira (11).

Informações: G1 RS


READ MORE - Ônibus voltam a circular em Porto Alegre depois de 15 dias de paralisação

Após paralisação, ônibus voltam a circular na zona Norte de São Paulo

Mais de 200 ônibus que ficaram sem operar na zona norte da capital voltaram à circulação em suas 28 linhas no final desta manhã. Motoristas e cobradores da Viação Sambaíba fizeram diversas reivindicações, como a suspensão do uso de câmaras de vigilância para punir funcionários, o pagamento das horas em que os colaboradores ficam à disposição da empresa e também uma solução para o problema das caronas na periferia, o que teria motivado o incêndio de dois ônibus da Sambaíba na segunda-feira (10/2). 

A paralisação, que envolveu cerca de 500 funcionários, terminou após acordo com a empresa. Segundo Fabiano Nicoleti, representante do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores do Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas), a direção da Sambaíba já atendeu a uma das reivindicações: a eliminação de medidas punitivas impostas a partir do uso de câmeras de vigilância.

Segundo Fabiano, as câmeras instaladas para garantir a segurança dos usuários estavam sendo usadas, na verdade, como medida de punição pela empresa. Ele cita situações em que os usuários pagam a tarifa normalmente e giram a catraca, mas desembarcam pela porta dianteira, já que não conseguem andar pelo ônibus lotado e chegar até a porta traseira para descer. Nesses casos, disse ele, a empresa desconta dos salários dos cobradores como se as tarifas não tivessem sido pagas.

Informações: Portal Terra

READ MORE - Após paralisação, ônibus voltam a circular na zona Norte de São Paulo

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960