Passagem do ônibus volta a R$ 3,25 em Porto Alegre

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

A Justiça acatou o pedido do Psol, que protocolou nessa segunda, no Foro Central de Porto Alegre, uma ação cautelar solicitando a suspensão do aumento tarifário tanto dos ônibus quanto das lotações. Com isso, a partir desta quinta-feira, volta a vigorar o preço antigo da passagem, R$ 3,25. Na segunda, o preço havia subido para R$ 3,75. A Justiça entendeu que houve erro em reajustar valor sem ter sido analisado pelo Conselho Municipal de Transportes Urbanos. 

Para o deputado estadual do Psol, Pedro Ruas, é uma vitória histórica do partido, que pela segunda vez consegue diminuir a passagem em Porto Alegre.

"A primeira foi em 2013 e serviu para incendiar o país. Agora vai acontecer a mesma coisa. A volta ao valor anterior vigora a partir das 6h porque não foi ouvido o Conselho Municipal de Transporte Urbano (Comtu) e foi muito acima da inflação. Esta é uma vitória do movimento popular."

Para a Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP) é impossível “é impossível” alterar todo o sistema operacional de controle de bilhetagem no prazo estipulado pela Justiça. Na tarde de quarta os autores apresentaram documentos para serem anexados a ação. Era o suporte que faltava para o julgamento da medida.

Em sua sentença a juiza afirmou: “Desta forma, considerando-se, em princípio, que o reajuste se deu em desatendimento à lei específica do município, resta evidente a lesão a justificar a concessão da medida pleiteada. Razões expostas, defiro a antecipação da tutela para determinar a imediata suspensão do reajuste das passagens de ônibus e lotações, devendo a cobrança se dar pelo valor até então praticado (ônibus R$3,25 e lotação R$4,85) a partir das seis horas da manhã do dia 25/02/2016”.

O gerente executivo da Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP), Luiz Mário Magalhães Sá afirma que “é humanamente impossível, mesmo que se trabalhe durante a noite toda. Precisaríamos até sexta-feira para conseguir fazer esta mudança”. Magalhães Sá explica que é necessário reatualizar um software, na Central de Bilhetagem, e somente depois de feita a alteração, é que os novos dados seriam transmitidos aos ônibus, por antenas, enquanto eles estão estacionados nas garagens. Acrescenta que espera da prefeitura argumentos contra esta decisão judicial.

Segundo Mechionna a liminar garante os interesses da população, que foram reconhecidos pela Justiça. Ela apela para que os movimentos sociais se mobilizem para a manutenção da sentença. Conforme o deputado Pedro Ruas (PSol), “é uma vitória histórica do partido, que pela segunda vez consegue diminuir a passagem em Porto Alegre. A primeira foi em 2013 e mobilizou o país. Agora vai acontecer a mesma coisa”. Ao aumento, enfatizam Ruas e Melchionna, foi muito acima da inflação. “Esta é uma vitória do movimento popular”, concluiu Ruas.

Na ação protocolada,  as lideranças questionaram a ausência de controle social. “Nem o Conselho Municipal de Transporte Urbano (Comtu) foi convidado a aprovar a nova tarifa. Eles argumentam que foi por causa da licitação, mas não existe licitação que revogue lei municipal. A lei 7.956 determina que qualquer aumento tem que passar pelo Comtu”, acrescenta a vereadora.

Com informações do repórter Lucas Rivas, Heron Vidal, Nildo Júnior e Cíntia Marchi
Informações: Correio do Povo


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Passagem do ônibus volta a R$ 3,25 em Porto Alegre

Justiça reduz valor da tarifa de ônibus em Goiânia

Após pressão popular e uma ação do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), a Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC) terá que reduzir o valor da passagem, voltando a tarifa para os antigos R$ 3,30.

Em pleno sábado de carnaval, a passagem teve uma majoração de 12,12%.

O aumento para R$ 3,70 – considerado covarde por parte da população que saiu às ruas para protestar recentemente – não convenceu o juiz Élcio Vicente da Silva, da 3ª Vara da Fazenda Pública.

Desta forma, estão suspensos os efeitos da Deliberação nº 83/2016 da CDTC.

Em decisão liminar, Élcio suspendeu o reajuste da tarifa do transporte coletivo e acatou a tese do MP-GO, que considera sem qualidade o serviço.

Considerado de péssima qualidade por técnicos de transporte e usuários, os ônibus em circulação na Capital terão que retornar o valor antigo, caso contrário as empresas que organizam as linhas de ônibus terão que pagar multa diária de R$ 20 mil.

A oferta de transporte coletivo é um bem público e não privado. As empresas não têm plena liberdade para fazer o que bem entenderem.

INJUSTOS

Ao acatar o pedido da promotora Leila Maria de Oliveira,  o magistrado disse que a empresa agiu de forma injusta ao aumentar o valor em um teto acima da inflação.

Leila de Oliveira e o magistrado reconheceram que as concessionárias têm a garantia de reajustar ou recompor a tarifa do transporte coletivo, mas existe falta de razoabilidade no valor imposto. “As concessionárias não poderiam cobrar o aumento das tarifas sem que antes cumpram sua parte do contrato, qual seja, aumentar o número da frota de ônibus, o número de viagens, a limpeza dos ônibus e terminais, a segurança dos usuários nos veículos e nos terminais”, diz Leila.

A promotora foi incisiva junto aos empresários do setor de transporte: “O que oferecem aos cidadãos usuários do transporte coletivo é a prestação de um serviço que fere a dignidade humana, pois os ônibus estão sempre lotados, a ponto de muitas pessoas se ferirem nas viagens e outas não conseguirem embarcar, em especial as pessoas idosas, crianças e pessoas com deficiência”.

Em recente entrevista ao jornal “O Popular”, após o aumento irregular das passagens,   o presidente do Sindicato das Empresas do Transporte Coletivo (SET), Décio Caetano, disse que não está previsto “nenhum investimento para o transporte coletivo”.

O Ministério Público entendeu a fala do sindicalista patronal como uma provocação, já que as empresas resolveram aumentar os valores e nada oferecem em troca.

A CDTC terá  que recorrer e pedir que algum desembargador do Tribunal de Justiça conceda o direito a aumentarem o valor.

Por Beto Silva
Informações: Diário da Manhã

Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Justiça reduz valor da tarifa de ônibus em Goiânia

Prefeitura de São Paulo viabiliza bilhete único para desempregados, veja como se cadastrar:

O benefício do desempregado pode ser utilizado nos ônibus, micro-ônibus, nos terminais e estações de transferência do Expresso Tiradentes. 

Passo a passo para obter o benefício:

Acesse a sua página de cadastro ou cadastre-se
No menu do lado esquerdo, selecione a opção "Benefício Desempregado"
Preencha os dados solicitados;
Leia e concorde com o Termo de Ciência e Adesão;

Cópia autenticada dos seguintes documentos:
Cédula de Identidade (frente e verso) ou CNH;
CPF;
PIS/PASEP;
Comprovante recente de residência com CEP – máximo 06 meses (conta de telefone, luz, gás, etc.); 
“Consulta de Habilitação do Seguro Desemprego” (não há necessidade de ser autenticada);

Envie a documentação para caixa postal 77075 - CEP 01014-970 

As cotas estarão disponíveis em 20 dias corridos, após a postagem da documentação para a caixa postal 77075 - CEP 01014-970.

Dúvidas:

Quem pode ser beneficiado?   
Quem estiver desempregado;         
Que tenha recebido todas as parcelas do seguro desemprego, sendo a última há menos de três meses;     
Que more na cidade de São Paulo;                
Que tenha um Bilhete Único cadastrado (Teatro Municipal, Mercado Municipal, Pacaembu, Ibirapuera, Anhangabaú ou carteira de estudante a partir de 2015); 

Como é o benefício?
São 12 cotas por mês não acumulativas durante  três meses;
Cada cota dá direito a 8 embarques/ dia;
A validade das cotas é mensal; 

Como carregar? 
Para recarregar o benefício, basta utilizar um equipamento de recarga automática; 

Informações: SPTrans

Leia também sobre:

Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Prefeitura de São Paulo viabiliza bilhete único para desempregados, veja como se cadastrar:

Em Porto Alegre, Usuários elogiam conforto, mas reclamam da falta de ar-condicionado nos ônibus

A nova frota do sistema de transporte de ônibus de Porto Alegre, que entrou em operação nesta segunda-feira dividiu opiniões. A maior reclamação foi da falta de ar-condicionado, pois nem todos veículos estavam equipados. A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) admitiu que 30% dos 296 carros que substituem os antigos não são climatizados. O comerciário Rogério da Silva Cardoso, 38 anos, não achou justo pagar uma tarifa maior (R$ 3,75) para andar em um veículo sem ar. “Pelo menos os novos tinham que ser climatizados”, observou.
Foto: Samuel Maciel
O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, explicou que 86 veículos haviam sido comprados antes da licitação. A exigência é que a cidade tenha no mínimo 25% da frota com ar-condicionado e tem mais do que 35%. Ele pede que a população denuncie quando o veículo circular em veículo com o equipamento desligado.

“No ônibus que peguei, estava calor. Tinha ar-condicionado, mas não estava funcionando”, disse a bancária Kelli Turella. 30 anos. Ela costuma usar a linha 510-Auxiliadora todos os dias e, em contrapartida, considerou o novo veículo confortável.

As irmãs Sandra Gonçalves, 62 anos, e Eliane Gonçalves, 60 anos, aprovaram o novo carro da linha Rubem Berta/Navegantes 762. “Achamos maravilhoso, espaçoso. O acento é melhor, porque não escorrega. Tinha ar-condicionando e nem queríamos descer no calor do Centro”, observou uma delas.

A nova frota passa a ser identificada por cores para diferenciar as regiões. As linhas que atendem a zona Norte (antigo consórcio Conorte) são azuis, já as da Leste (antiga Unibus) são verdes, as da zona Sul (antiga STS) são vermelhas e as da Carris, amarelas.

O sistema inicia com um total de 1.715 ônibus - sendo 296 veículos novos. O número tem 12 a mais do que havia anteriormente. Nos próximos três anos, serão inseridos 72 carros. Dessa forma, a cidade contará com 636 (37%) ônibus com ar-condicionado, antes eram 23%. Já os adaptados a cadeirantes são 1.010 (60%).

READ MORE - Em Porto Alegre, Usuários elogiam conforto, mas reclamam da falta de ar-condicionado nos ônibus

No Rio, Justiça determina que frota de ônibus fique 100% refrigerada até fim do ano

A prefeitura vai ter que dar um jeito para oferecer à população 100% da frota de ônibus com ar-condicionado até o fim deste ano, como prometeu em 2014. Isso é o que determinou nesta terça-feira decisão do Tribunal de Justiça do Rio, que derrubou o decreto municipal publicado em dezembro que reduzia a meta para apenas 70% das viagens climatizadas em 2016. A pena estipulada pela Justiça para o descumprimento da decisão é de R$ 5 milhões.
Foto: Estefan Radovicz / Agência O Dia

A Procuradoria Geral do Município ainda não foi notificada, mas adiantou que vai recorrer. Em fevereiro de 2014, o município firmou acordo com o Ministério Público para refrigerar 100% dos coletivos até 2016, mas voltou atrás quando definiu o último reajuste de tarifa.

Na ocasião, a prefeitura justificou que prorrogou o prazo porque, quando a meta foi definida, havia a expectativa de o corredor Transbrasil ficar pronto em 2016. Como a previsão passou para 2017, o prefeito preferiu poupar as empresas de ônibus nesse momento, já que parte dos veículos que seriam comprados agora teria de ser trocada por articulados do BRT no ano que vem.

O juiz Leonardo Grandmasson Ferreira Chaves, da 8ª Vara de Fazenda Pública da Capital, deu prazo de 20 dias para a prefeitura apresentar um cronograma com definição de etapas mensais que possibilite o atingimento da meta. O magistrado acolheu os argumentos do MP por entender que houve violação do acordo de 2014, que pretendia traçar planos compensatórios para a população.

No acordo, a prefeitura assumiu o compromisso de que haveria 2.233 coletivos climatizados a mais em 2015, mas apenas 1.553 foram incorporados à frota. No reajuste do ano passado, houve acréscimo de R$ 0,06 na tarifa para isso, mas, como a meta não foi cumprida, em 2016, foram abatidos da passagem R$ 0,015. Entretanto, pela nova meta de aumento do uso de ar-condicionado, foi incluído no cálculo da tarifa deste ano acréscimo de R$ 0,039.

Informações: O Dia


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - No Rio, Justiça determina que frota de ônibus fique 100% refrigerada até fim do ano

Após acordo, frota de ônibus volta a circular normalmente em São Luís

Depois de firmar acordo com as empresas de transporte público de São Luís, motoristas, cobradores e fiscais de ônibus decidiram voltar ao trabalho na manhã desta quarta-feira (24), após dois dias de paralisação. 

Os rodoviários decidiram retornar com toda a frota disponível, contrariando o que havia sido informado na noite dessa terça-feira (23), quando ficou decidido pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (STTREMA) que apenas 70% dos serviços de transporte coletivo da capital maranhense voltaria a funcionar.

“70% está até acima da frota que roda em São Luís, nós sabemos que ela não roda 100%, e nós não iríamos descumprir a ordem judicial. Teve o acordo feito ontem (23) de pagarem os motoristas hoje (24) e os cobradores e fiscais amanhã (25)”, disse na manhã desta quarta-feira o presidente do STTREMA, Isaías Castelo Branco.

O acordo entre rodoviários e patrões ainda vai ser homologado, na sede do Tribunal Regional do Trabalho no Maranhão (TRT-MA).

A decisão dos 70% havia sido tomada após o TRT-MA decretar a ilegalidade da greve, atendendo solicitação feita pela Procuradoria Geral do Município (PGM) de São Luís.

Informações: G1 MA


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Após acordo, frota de ônibus volta a circular normalmente em São Luís

No Recife, Motorista pára ônibus ao ver que ninguém cedeu lugar a deficiente visual

Na manhã desta terça-feira (23) um motorista do transporte coletivo de Recife fez uma dura crítica aos passageiros quando um deficiente visual entrou no coletivo e ficou em pé sem que ninguém oferecesse o lugar. O episódio foi relatado pelo professor universitário Bruno Nogueira através de uma rede social. Segundo ele, o motorista se levantou e disse: "Se ninguém der o lugar, ele vai sentar aqui e dirigir o ônibus".

"Foi tudo muito rápido. Assim que ele (o motorista) terminou de falar, o senhor cego já havia sentado", disse Bruno. Apesar da situação constrangedora, a "bronca" do motorista causou risos nos passageiros. "O ônibus estava muito lotado e foi tudo naquela parte da frente. Eu só vi porque ainda estava esperando meu troco para passar na catraca. Mas todo mundo riu bastante na hora.O motorista ainda perguntou: o senhor sabe dirigir? O passageiro cego riu e disse que sabia. E o motorista disse: então pronto! Já vai sentar aqui."

Resolvida a situação, o deficiente visual se sentou e desceu 4 paradas depois. Segundo a legislação vigente, pessoas com deficiência física, idosos e gestantes têm direito a assentos preferenciais em cada veículo, porém quando estes estão ocupados, cabe aos demais passageiros oferecer seu lugar não-preferencial a quem mais precisa.

Uma última nota, uma decisão causou polêmica este ano na cidade de Manaus. Uma lei municipal que entrou em vigor no último dia 22 de Janeiro passou a considerar que todos os assentos dos ônibus são preferenciais. O decreto da Lei Nº 2.094 alega que ela é de caráter educacional, sendo de obrigação dos usuários ceder os lugares para aquelas pessoas que se enquadram no perfil de "preferencial".

READ MORE - No Recife, Motorista pára ônibus ao ver que ninguém cedeu lugar a deficiente visual

Governo de Santa Catarina busca recursos para implantar BRT

Com a meta de entregar até março de 2018 o sistema de BRTs (bus rapid transit) entre a BR-101 e a Ilha de Santa Catarina, o governo do Estado busca agora o financiamento de pelo menos R$ 400 milhões junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) para que possa executar os serviços através de uma Parceria Público-Privada (PPP).

Nesta terça-feira, no Rio de Janeiro, o superintendente da Região Metropolitana de Florianópolis, Cassio Taniguchi, se reuniu com representantes da área social do banco para iniciar as tratativas. O valor total do investimento da primeira fase do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis (Plamus), que é a implantação do sistema de BRTs, está orçado em R$ 850 milhões.

— Quanto maior a participação do Estado, menor a contraprestação. Numa PPP, quando você faz a infraestrutura, tudo isso custa muito dinheiro. Tanto a infraestrutura quanto o serviço prestado. Para isso, quanto mais o Estado colocar recursos, menor a parcela mensal que o Estado terá que pagar.

Duas empresas — a Triunfo, de São Paulo, e a Sul Catarinense, de Santa Catarina — já estão fazendo um modelo de parceria que deve ser apresentado ao Estado até a metade deste ano. A intenção é que o serviço seja concessionado para que a empresa vencedora da concorrência pública faça as obras dos corredores de ônibus, estações de embarque e melhorias necessárias e ainda administre os serviços por pelo menos 20 anos.

Mas os BRTs são apenas a primeira parte do Plamus, que prevê ações na mobilidade urbana da região até 2040, com investimentos de pelo menos R$ 3 bilhões. O relatório final do plano, desenvolvido por um consórcio de empresas, foi apresentado nesta terça-feira no BNDES, no Rio de Janeiro, que bancou o estudo de R$ 10,7 milhões.

Na apresentação, técnicos que participam dos levantamentos detalharam as ações e ainda destacaram a importância do Plamus para a mobilidade urbana da Grande Florianópolis. O sócio da Strategy&PwC, uma das empresas do consórcio que fez o projeto, Carlos Eduardo Gondim, foi enfático ao dizer que o Plamus não tem propostas impossíveis de serem executadas:

— Um plano por si só é um conjunto de ideias num papel. Se ele não virar realidade, não traz os efeitos para as pessoas no dia a dia e não serve para nada. Um dos motes desse trabalho foi a praticidade e a exequibilidade. Um dos problemas centrais era não vir ideias que fossem boas no papel e não fossem exequíveis.

Um dos focos principais do Plamus, como detalharam os técnicos responsáveis, é qualificar o transporte coletivo para diminuir os problemas atuais de mobilidade. Segundo o levantamento, 48% dos deslocamentos na região são feitos por veículos particulares, enquanto em outras metrópoles do país esse índice fica na casa dos 25%. Outra vertente do plano é voltada para o transporte não motorizado, que prevê 176 quilômetros de vias com infraestrutura para bicicletas e pedestres.

O Plamus sugere ações em cinco frentes: reestruturação do transporte coletivo integrado metropolitano, priorização dos modos não motorizados, gestão de demanda (políticas de estacionamento), reestruturação do transporte de mercadorias e expansão da capacidade viária e gestão de tráfego.

READ MORE - Governo de Santa Catarina busca recursos para implantar BRT

Ciclovia não é prioridade na Grande Cuiabá

Embora tenha ocorrido em uma rodovia federal, o atropelamento do coronel da Polícia Militar (PM) Celso Henrique Souza Barbosa reacendeu a discussão sobre a falta de ciclovias ou sobre as más condições das poucas pistas para pedaladas existentes no perímetro urbano de Cuiabá e Várzea Grande. O acidente envolvendo Barbosa ocorreu na manhã de sábado passado, na BR-070, saída para Cáceres. Ele continua internado em um hospital particular. 

Na capital, quem anda de bicicleta conta com aproximadamente 22,5 quilômetros de ciclovias distribuídos pelas avenidas das Torres, a Tatsumi Koga, no bairro Pedra 90 e a Archimedes Pereira Lima (Moinho). Nesse último caso, por exemplo, encontra-se em condições precárias e as melhorias dependem da conclusão das obras ao longo da pista e que estavam previstas para a Copa do Mundo de 2014. 

Além disso, os cerca de 10 quilômetros existentes na Avenida das Torres alternam-se com a chamada ciclofaixa, que a exemplo do que ocorre nas imediações do Parque Mãe Bonifácia a Arena Pantanal, tem uma proposta diferente da ciclovia, que não possui uma separação física isolando os ciclistas dos demais veículos e nem funciona todos os dias. A ciclofaixa funciona em determinados horários, é removível e é mais para lazer. 

O secretário de Mobilidade Urbana de Cuiabá (Semob), Thiago França, garante que a administração municipal se preocupa com a questão. Porém, ele argumenta que a implantação de ciclovias na cidade é algo complexo em função do clima, do relevo (subidas) e até da falta de legislação municipal que discipline a rede cicloviária. 

Outra situação passa pelo interesse da própria população. “A bicicleta faz parte do contexto de mobilidade urbana. Existe uma cobrança (de se criar novas ciclovias), mas a demanda é pouca”, comentou reforçando que até por conta das características da capital as pessoas preferem o carro ou transporte coletivo. 

Apesar disso, o município tem o projeto de implantar uma ciclovia entre o bairro Morada do Ouro e o terminal de ônibus do CPA I, mas ainda sem previsão para que isso ocorra. 

Já em Várzea Grande, conforme o secretário de Serviços Públicos e Mobilidade Urbana, Breno Gomes, são cerca de 10 quilômetros de pistas destinadas aos ciclistas e que ficam ao longo das Avenidas Mário Andreazza, Guarita e 31 de Março. 

Segundo Gomes, as ciclovias são novas e estão em condições boas. Quanto a novos projetos, ele alega que o município está com orçamento apertado e que, por isso, não há previsão de implantação de novas ciclovias. 

Por Joanice de Deus
Informações: Diário de Cuiabá



Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Ciclovia não é prioridade na Grande Cuiabá

No Rio, Semana começou com novas mudanças nos ônibus

Nesta segunda-feira foi o primeiro dia útil após mais uma etapa de mudanças nos ônibus que circulam na Zona Sul. Desde sábado, cinco linhas foram extintas: 157, 180, 183, 184 e 405. Três rotas foram criadas e uma outra teve o itinerário alterado.

Cerca de 750 mil passageiros usavam diariamente as linhas eliminadas, segundo último relatório operacional que consta no site da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), com dados de julho passado. Muitos passageiros terão que fazer baldeação para chegar aos seus destinos.

As linhas criadas foram a Troncal 8 (Cosme Velho — Rodoviária, via Praça Mauá), a Troncal 7 (Central — Cosme Velho, via Túnel Santa Bárbara) e a 517 (Gávea PUC — Botafogo, via Lagoa- Epitácio Pessoa circular). Já a 580 (Largo do Machado — Cosme Velho) sofreu mudança no trajeto para Laranjeiras, passando a atender à Rua General Glicério.

As alterações fazem parte da segunda fase da racionalização das linhas da Zona Sul. De acordo com a SMTR, a primeira fase, de outubro a dezembro, provocou redução de 20% no tempo de viagem pelas faixas do BRS em Copacabana e no Centro.

A prefeitura diz que o objetivo do plano é reorganizar o sistema, garantir transporte mais eficiente para a população, com diminuição no tempo de deslocamento e melhoria na fluidez do trânsito. Até abril, serão implantadas outras mudanças e a estimativa é retirar, ao todo, 700 ônibus das ruas.

A SMTR recomenda que os usuários da 157 passem a usar a 517 e fazer integração com a Troncal 5. Ainda segundo a secretaria, passageiros da 180 devem optar pela Troncal 8. O público da 183 deve utilizar a 580 e fazer integração com a Troncal 7. Quem pegava a 184 tem duas alternativas: usar a 580 e a Troncal 8 ou a 580 com a Troncal 7. Já quem se deslocava na 405 tem como opção a Troncal 7, fazendo baldeação com a 483

Itinerário novo

A antiga linha 580 (Largo do Machado - Cosme Velho), que sofreu mudança em seu itinerário, passou a ter o letreiro “Laranjeiras - Largo do Machado (circular)”. O novo trajeto de ida e volta é: General Cristóvão Barcelos, Rua General Glicério, Rua Professora Estelita Lins, Rua das Laranjeiras (sentido Largo do Machado), Rua Soares Cabral, Rua Almirante Sodré, Viaduto Jardel Filho, Rua Conde de Baependi, Praça José de Alencar, Rua do Catete, Largo do Machado, Rua das Laranjeiras, Rua General Glicério, Rua Professor Ortiz Monteiro, ponto terminal próximo à edificação nº 512.

Segundo a Secretaria Municipal de transportes (SMTR), a comunicação aos usuários é feita pelo Rio Ônibus, com a distribuição de panfletos, cartazes e agentes de divulgação nas ruas. 

READ MORE - No Rio, Semana começou com novas mudanças nos ônibus

VLT carioca resgata memória de bondes com sustentabilidade

Antigo bonde elétrico na Avenida Rodrigues Alves, Zona Portuária do Rio (Foto: Acervo Fotográfico da Light/Divulgação)Antigo bonde elétrico na Avenida Rodrigues Alves, Zona Portuária do Rio (Foto: Augusto Malta / Acervo Fotográfico da Light/Divulgação)


Em abril, quando o VLT começar a circular em seu primeiro trecho – da Rodoviária Novo Rio até o Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio –, estará sendo escrito um novo capítulo na história dos transportes públicos da cidade.
Movido à eletricidade e totalmente não poluente, o novo meio de transporte, que vai atender a cariocas e visitantes, também resgata lembranças da época dos bondes elétricos. Até mesmo o som do antigo será lembrado. Por ser extremamente silencioso, na cabine do condutor haverá um botão para a tradicional buzina e um outro que reproduz a campainha dos antigos bondes. 
Os bondes circularam na cidade entre 1892, quando pertencia à Companhia Ferrocarril São Cristovão, e depois de 1905 até o final da década de 60, quando estavam sob o controle da Light, concessionária de energia. Para antigos usuários, especialistas em história e autoridades, o VLT é o que pode se chamar de um "bonde turbinado com alta tecnologia".
A professora Márcia Mendes, moradora da Gamboa, na Região Portuária do Rio, contou que tem memória da infância quando usava o bonde para ir para a escola na companhia da irmã. "Achava o máximo, me sentia gigante com a sensação de liberdade quando ficava na janela", lrelembrou. 
O VLT trouxe a memória do bonde. Quem andou e teve o privilégio não esqueceu. Para quem não conhece, o assunto voltou"
Roberta Saragoça, museóloga
Para ela, o VLT, que tem uma parada na porta da casa dela, é uma visão futurista dos bondes. "Eu estou otimista. Vai ser bom sim se ele realmente for usado como planejado", opinou.


O VLT carioca é um dos primeiros do mundo projetado sem a  tecnologia catenária, que usa cabos para captar energia elétrica em fios suspensos. Os trens não têm fios em rede aérea e são alimentados por duas fontes de energia.
Em entrevista ao G1, o secretário de Concessões e Parcerias Público-Privadas, Jorge Arraes, explicou que o modelo do VLT do Rio é inédito até mesmo em outros lugares do mundo.


"Abastecimento pela superfície a gente tem conhecimento que existe em Dubai, mas lá é um pouco diferente já que eles circulam em áreas mais livres e não passam por regiões com construções como aqui no Rio".
Trilhos do VLT são abastecidos pelo sistema APS  (Foto: Káthia Mello/G1)Trilhos do VLT são abastecidos pelo sistema APS (Foto: Káthia Mello/G1)
A energia vem de um terceiro trilho, sistema APS (alimentação pelo solo), instalado entre os trilhos de rolamento do veículo, cuja alimentação ocorre apenas no trecho sob o trem. As composições também têm um supercapacitor, uma espécie de bateria, que recebe energia da rede e pode ser recarregado pela energia absorvida no processo de frenagem do trem. Além disso, ele é silencioso
Segundo Arraes, a sustentabilidade não é o principal foco do projeto, mas ele foi levado em consideração. "No mínimo, esses três aspectos, da poluição direta por conta do combustível, da sonora e da visual, ele atende os requisitos da sustentabilidade", explicou. 
Ele explicou que quando a operação for plena, serão feitos testes ambientais para saber, por exemplo, qual a quantidade de carbono está sendo capturada pelo fato do trem não estar queimando combustível.
Outra semelhança com os antigos bondes é o trajeto. Durante as obras, foram encontrados trilhos dos antigos bondes. Em alguns pontos, o VLT vai fazer o mesmo de 160 anos atrás. Entre os achados arqueológicos descobertos embaixo das movimentadas ruas está o calçamento da Rua da Constituição.


Parte do piso será preservada e exposta como previsto na proposta enviada e aprovada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A área tem 15 metros quadrados é o trecho mais antigo, que ainda mantém o desenho original e de maior representatividade histórica, conforme avaliação dos arqueólogos.
E é também por isso a preocupação com os prédios históricos ao longo do traçado do VLT. Para minimizar o impacto e evitar vibrações haverá um mecanismo de controle de ruído atendendo um pedido do Instituto do Patrimônico Histórico (Iphan) e do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac).
"Como o trem vibra quando passa nesses locais, por exemplo na Rua da Constituição, e na Rio Branco onde estão prédios históricos, nós colocamos nesses trechos equipamentos para reduzir o impacto. É um isolante, um material sintético que é colocado no topo do trilho para proteger, dar uma proteção física", explica Arraes.
O secretário afirmou que depois da transformação urbana da Região Portuária eles estão fazendo projetos para a expansão do VLT até a Zona Sul.


"Será com outro viés que não só o da integração. Tem a ver com o resgate da mobilidade, da recuperação urbanística de um bairro como Botafogo. O VLT sairia da Cinelândia para seguir até Flamengo, Botafogo, Jardim Botânico e Gávea, para integrar com o Metrô".
Bonde na Avenida Rio Branco com Avenida Treze de Maio (Foto: Acervo Fotográfico da Light/Divulgação)Bonde na Avenida Rio Branco com Avenida Treze de Maio (Foto: Augusto Malta / Acervo Fotográfico da Light/Divulgação)
Retomada da história
A museóloga do Instituto Light, Roberta Saragoça, ressalta que o VLT trouxe da volta a memória dos bondes. Segundo ela, aumentou o interesse na história deles aumentou a partir do momento em que começou a se veicular notícias sobre a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos.

"Somos frequentemente procurados por pesquisadores e outros profissionais sobre o assunto. O VLT trouxe a memória do bonde. Quem andou e teve o privilégio não esqueceu. Para quem não conhece, o assunto voltou", explicou.    
O instituto abriga parte da história dos bondes. São fotografias de Augusto Malta, documentos, mobiliário e equipamentos à disposição da pesquisa. Um bonde reformado está em exposição e são feitas visitas teatralizadas  com personagens vestidos como na década de 20 para ajudar a manter essa memória.
Trilhos do VLT sobre a Avenida Rio Branco (Foto: José Raphael Berrêdo / G1)Trilhos do VLT sobre a Avenida Rio Branco (Foto: José Raphael Berrêdo / G1)
Menos carro e material reciclado
A implantação do novo meio de transporte tem custo avaliado em R$ 1,157 bilhão, sendo R$ 532 milhões com recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade, e R$ 625 milhões viabilizados por meio de uma parceria público-privada (PPP) da Prefeitura do Rio.

De acordo com informações da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto Maravilha (Cdurp), os carros que circulam diariamente pelos centros urbanos transportam em média 1,3 passageiros. A capacidade de cada  VLT é de 420 passageiros. Considerada uma taxa de ocupação média, cerca de 255 carros deixarão de circular pela cidade.
Traçado do VLT no Centro do Rio (Foto: Reprodução/TV Globo)Traçado do VLT no Centro do Rio (Foto: Reprodução/TV Globo)
As obras do VLT utilizaram equipamento de fresa ao longo da intervenção na Avenida Rio Branco para a remoção do pavimento, de forma a garantir o melhor uso dos recursos. Ao todo, 3.240 metros cúbicos de asfalto foram retirados da avenida e seguem sendo aproveitados nas obras.  
O novo modelo de transporte alterou o visual da Avenida Rio Branco, uma das principais da cidade. Está em construção um boulevard, com extensão de  600 metros. Nesse ponto, a pista será compartilhada com o VLT e ciclofaixa, nas proximidades da Cinelândia, onde fica o Theatro Municipal, o Museu Nacional de Belas Artes e a Biblioteca Nacional.
VLT vai passar na Avenida Rio Branco (Foto: Reprodução/Prefeitura do Rio)VLT vai passar na Avenida Rio Branco (Foto: Reprodução/Prefeitura do Rio)
Como vai funcionar a operação  
O VLT vai operar 24 horas por dia nos sete dias da semana, confirma Arraes. Em agosto, quando estiver totalmente entregue o VLT terá 28 quilômetros de comprimento com  32 paradas. Serão 32 trens em operação. Até o início de fevereiro sete trens já haviam sido entregues: cinco deles produzidos na França  e dois produzidos na fábrica da Alstom, em Taubabé, São Paulo. A capacidade total do  sistema chegará a 300 mil passageiros por dia.

Atualmente 28 condutores estão em fase final de treinamento e habilitação para começar a trabalhar em abril. O objetivo é formar mais 40 profissionais
Para as duas turmas iniciais, o primeiro mês aconteceu na França, no centro de treinamento da RATP, empresa responsável pela operação do metrô e VLT em Paris. Eles também usam um simulador de condução que apresenta o trajeto entre a Rodoviária e o Aeroporto Santos Dumont reproduzindo situações a serem encaradas durante a operação.
Treinamento de condutores do VLT no Centro do Rio (Foto: Káthia Mello/G1)
Treinamento de condutores do VLT no
Centro do Rio (Foto: Káthia Mello/G1)
A segunda etapa de implantação do VLT - Central do Brasil até Praça 15 -  está marcada para agosto.


Segundo Arraes, um  dos principais desafios será o início da circulação onde será possível saber se o novo transporte terá o mesmo dinamismo pensado na implantação.
Ele confirma que o VLT terá prioridade nos sinais de trânsito e os outros motoristas vão ter que se adaptar a isso. 


" Se ele vem em uma linha e o sinal está fechado, existe abaixo um sinalizador em que o sinal abre para ele automaticamente e fecha para os outros carros, mas isso é uma situação comum". Ele lembrou ainda os problemas enfrentados pela prefeitura quando o BRT foi implantado e muitas pessoas andavam de skate e cruzavam as vias exclusivas dos ônibus.
De acordo com Arraes, as ruas estreitas, no Centro, a região da Central do Brasil com grande circulação de pessoas serão os pontos mais complicados. O VLT terá velocidade de 18 quilômetros nos trechos mais difíceis e de até 50 quilômetros, nos trechos mais desertos e durante a madrugada. A previsão é que eles circulem na horas de pico com frequência de três minutos.          
Secretário Jorge Arraes em entrevista no VLT    (Foto: Káthia Mello/G1)
Secretário Jorge Arraes em entrevista no
VLT (Foto: Káthia Mello/G1)
Preço das passagens x validação
De acordo com o secretário, a prefeitura do Rio irá fazer o  anúncio do preço da passagem do VLT em meados de março.

O pagamento será feito por cartões validados em oito máquinas próprias, no interior dos módulos do trem.


Esse é um sistema inédito no país, mas também haverá fiscalização e a prefeitura pretende mandar um projeto de lei para a Câmara para estabelecer uma multa no caso de alguém não validar a passagem. O modelo é semelhante ao que ocorre com o Lixo Zero. Segundo o secretário, o valor da multa também deverá ser o mesmo.
" Mantivemos essa que é a opção mundial. Esse tipo de transporte no mundo inteiro é assim. Em alguns países funciona melhor e em outros pior. Haverá campanha educativa e também fiscalização", acrescentou.  
No entanto, Arraes acredita que as pessoas já estão acostumadas porque já fazem uso do Bilhete Único nos ônibus, barcas e no metrô.  A diferença é que no VLT não existe catraca. 
Por Katia Melo
READ MORE - VLT carioca resgata memória de bondes com sustentabilidade

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960