Recife tem linhas de ônibus 24hs a mais de 25 anos

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Se em algumas cidades os serviços de transporte param literalmente no fim da noite, algumas outras cidades começam a ofertar o serviço nas madrugadas.

No caso de Recife, os usuários de transporte coletivo contam com este serviço a mais de 25 anos e recentemente algumas linhas tiveram acréscimo de viagens nos finais de semana, onde a procura pelo serviço aumenta um pouco mais devido a shows e passeios noturnos pela cidade.

Hoje funcionam 42 linhas nas madrugadas, são os chamados Bacuraus, na qual atendem mais de 4 mil pessoas em boa parte dos bairros da Região Metropolitana. 

O terminal de ônibus do Cais de Santa Rita, no bairro de São José é o principal ponto das 42 linhas, onde os ônibus saem sincronizados com destinos a seus bairros de origem.

Confira as linhas e seus respectivos horários:


Com informações do GRCT
READ MORE - Recife tem linhas de ônibus 24hs a mais de 25 anos

Em Curitiba, Faixas exclusivas reduzem tempo de viagem

Motoristas, cobradores e passageiros das 44 linhas de ônibus beneficiadas pelas faixas exclusivas sentem a melhoria causada pela implantação das faixas exclusivas para o transporte coletivo. Implantadas na Rua XV de Novembro no ano passado e, em março, na Avenida Marechal Deodoro e Rua Desembargador Westphalen, as faixas beneficiam diretamente 157 mil passageiros por dia.

“Esse é o caminho, Curitiba precisa das faixas exclusivas. E o benefício não é só para o ônibus: é para o trânsito também. Fica mais organizado e quanto mais faixas, melhor fica para todo mundo”, afirma o estudante de Engenharia da Produção Bruno Santos. Ele utiliza a linha Vila São Paulo, que sai da Praça Rui Barbosa, na Rua Desembargador Westphalen.

A estudante de Psicologia Letícia Azevedo, que utiliza a mesma linha para ir à faculdade, concorda. “Fica muito melhor, mais rápido, mais seguro, não tem freada toda hora, é bom mesmo. Esse trecho tem muito movimento e por isso a faixa está ajudando muito”, afirma.

A linha Vila São Paulo, que faz trajeto entre o bairro Uberaba e o Centro, transporta, por dia, 2 mil passageiros. Percorre oito quadras da Westphalen e dessas, em quatro há faixa exclusiva, justamente na região mais movimentada.

“Quando começar a fiscalização vai ficar ainda melhor. Por enquanto, aqui perto da Sete de Setembro ainda tem motorista que invade a faixa e atrapalha no cruzamento, mas mesmo assim, é um benefício grande. Agora não há perda tempo parado nesse trecho”, diz o motorista do Vila São Paulo Marcos de Alcântara.

Em outra rota – entre o Alto da XV e a Praça Zacarias -, a copeira Ivone Vidal, elogia. “Agora faço o trajeto inteiro com o ônibus em faixa exclusiva, primeiro na Rua XV e depois na Marechal. É um instante para chegar”, diz Ivone, que trabalha no Alto XV e se desloca para o Centro. “Quando uma coisa está ruim, tem que reclamar mesmo, mas quando está bom tem que falar também”, diz a copeira, enquanto espera “qualquer ônibus” que for para o Centro. O primeiro a passar, alguns minutos depois, foi o Detran/Vicente Machado, uma das linhas beneficiadas por duas faixas exclusivas – da Marechal Deodoro e da Rua XV.

O aposentado Gabriel Rissardi, que também utiliza o Detran/Vicente Machado, afirma que a viagem até o Centro ficou muito mais rápida. “Peguei o ônibus perto do Ginásio do Tarumã e, olha só, são 6 minutos e já estamos quase no Centro. Isso era impossível, antes”. Até a Praça Zacarias, onde desembarcou, Rissardi viajou no total 13 minutos. “Não dá 15 minutos e estou no centro. Não faria esse tempo de carro”, afirma.

A linha Detran/Vicente Machado transporta por dia em torno de 5 mil passageiros. O motorista Alessandro Correia lembra que a linha tem um trajeto longo, ligando o Tarumã ao final da Vicente Machado. “Mas esse trecho, que agora dá mais de três quilômetros de faixa exclusiva, faz muita diferença na viagem. Ajuda muito mesmo” afirma.

A cobradora Simone de Lima diz que as viagens estão mais rápidas. “Quando o ônibus chega na faixa exclusiva é uma maravilha. Vai rápido, muito bom e agora ainda vamos pela faixa exclusiva até a Praça Zacarias ”, conta.

Mobilidade

A implantação de faixas exclusivas para os ônibus começou a ser testada em Curitiba em julho do ano passado na Rua XV de Novembro, entre a Avenida Nossa Senhora da Luz e a Praça Santos Andrade, por onde hoje passam 13 linhas de ônibus. Nesse trecho o ganho de tempo chega a 30%. Consultados pela Urbs, passageiros de duas linhas que seguiam pela Itupava – Hugo Lange e Augusto Stresser – aprovaram a mudança de rota para a XV de Novembro, a partir da Ubaldino do Amaral.

No início de março a Prefeitura implantou a faixa exclusiva da Desembargador Westphalen, por onde passam 20 linhas de ônibus que transportam 70 mil passageiros. No final do mês foi implantada a terceira faixa exclusiva para ônibus da cidade, agora na Marechal Deodoro, entre João Negrão e Praça Zacarias, o que beneficia os 30 mil passageiros de 15 linhas de ônibus (quatro delas já beneficiadas pela faixa da XV de Novembro).

“As faixas exclusivas trazem para as vias compartilhadas a prioridade dada aos ônibus nas canaletas. Essa é a tendência nas grandes cidades hoje, prioridade ao ônibus em vias compartilhadas”, afirma o prefeito Gustavo Fruet destacando que, além da tarifa e da qualidade do sistema, um dos grandes atrativos do transporte público é o menor tempo de deslocamento. “Nos últimos 15 anos, Curitiba viu diminuir muito a velocidade média dos ônibus. Estamos invertendo essa trajetória priorizando o transporte coletivo”.

O projeto inicial prevê em torno de 20 quilômetros de exclusividade para o ônibus em trechos mais congestionados de ruas e avenidas da cidade.  As próximas etapas do projeto serão a ampliação da faixa exclusiva da Westphalen até a Avenida Presidente Kennedy; e a criação da faixa exclusiva da Alferes Poli até a Rua Brasílio Itiberê.

Confira as linhas de ônibus beneficiadas com as faixas exclusivas:

XV de Novembro
Trecho: Entre Nossa Senhora da Luz e Praça Santos Andrade
Passageiros: 57,5 mil
Linhas: Jardim Social/Batel; Rua XV/Barigui; Detran/Vicente Machado; Capão da Imbuia/Parque Barigui; Higienópolis; Tarumã; Alto Tarumã; Sagrado Coração; Pinhais/Guadalupe; Interhospitais; Curitiba/Piraquara (parador) e Curitiba/Piraquara (direto); Hugo Lange; Augusto Stresser. 

Marechal Deodoro
Trecho: Entre João Negrão e Praça Zacarias
Passageiros: 30 mil (destes 13 mil usam linhas que passam na Rua XV)
Linhas: Canal da Música/Vista Alegre, Novena, Jardim Social/Batel, Itupava/Hospital Militar, Rua XV/Barigui, Detran/Vicente Machado, Cristo Rei, Cajuru, Capão Imbuia/Parque Barigui, Alcidez Munhoz/Jardim Botânico, Fazendinha, Caiuá e Executivo/Aeroporto.

Desembargador Westphalen
Trecho: Entre Visconde de Guarapuava e Getúlio Vargas
Passageiros: 70 mil
Linhas: Jardim Mercês/Guanabara, Universidades, Bom Retiro/PUC, Vila Macedo, Jardim Centauro, Guabirotuba, Vila São Paulo, Uberaba, Jardim Itiberê, Canal Belém, Alferes Poli, Guilhermina, Menonita, Vila Izabel, Vila Rosinha, Carmela Dutra, Vila Velha, Cotolengo, Ligeirinho Bairro Novo e Ligeirinho CIC/Cabral.

Informações: Urbs

READ MORE - Em Curitiba, Faixas exclusivas reduzem tempo de viagem

Lei que obriga ar-condicionado nos ônibus de Porto Alegre é publicada

Foi publicada nesta terça-feira (7) no Diário Oficial a lei que estabelece a obrigatoriedade do serviço de ar-condicionado nos ônibus de Porto Alegre. Assim, as empresas de ônibus devem manter os aparelhos ligados em todas as linhas e horários para os veículos que já possuem o sistema. Para os coletivos novos, os condicionadores de ar passam a ser pré-requisito.

O projeto havia sido vetado pelo prefeito José Fortunati, mas a Câmara Municipal derrubou o veto em março deste ano e promulgou a nova lei. A prefeitura deve recorrer da decisão a partir de uma defesa que será elaborada pela Procuradoria-Geral do Município (PGM).

A medida, segundo a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), será incluída na nova licitação do transporte coletivo da capital, que tem lançamento previsto para 6 de maio. Se a liminar for aceita, o edital poderá ser adiado. Ainda conforme a EPTC, o cumprimento da lei implicaria aumento da tarifa, que atualmente é de R$ 3,25, em pelo menos R$ 0,13.

Porto Alegre nunca teve uma licitação do transporte público, e as empresas operam por meio de concessões. A prefeitura publicou dois editais, em março em setembro do ano passado, mas não houve empresas interessadas em ambos os casos.

READ MORE - Lei que obriga ar-condicionado nos ônibus de Porto Alegre é publicada

Conclusão do BRT de Belém ganha novo prazo

Nos primeiros dias de governo, Zenaldo Coutinho declarou que entregaria o projeto BRT (Bus Rapid Transit) pronto até o início de 2016. Após o início dos trabalhos, em meio a muitos e muitos prazos divulgados e não cumpridos, foi anunciada ontem a chegada das obras ao segundo e maior trecho do sistema, entre o Entroncamento e a Avenida Augusto Montenegro, até a entrada de Icoaraci, sendo que até 2016, a previsão é que obra seja entregue até o Mangueirão apenas.

O prefeito Zenaldo Coutinho (PSDB) recebeu a imprensa ontem de manhã no canteiro central em frente ao conjunto Gleba I, no bairro da Marambaia, onde caminhões e outros equipamentos já estavam posicionados, para falar sobre o assunto e prometeu a conclusão dos trabalhos até o Estádio do Mangueirão para o início do próximo ano desmentindo o que dissera no começo de seu mandato: que o BRT estaria pronto no começo de 2016.

O primeiro trecho, compreendido entre São Brás e o Entroncamento, pela Avenida Almirante Barroso, e entregue no ano passado, até agora, limita-se a um corredor de ônibus (comum) expresso.

Zenaldo chegou com pouco mais de meia hora de atraso. De acordo com o prefeito, a primeira entrega de trecho, ao custo de R$ 45 milhões, até o Mangueirão, deve ocorrer no início de 2016. “Vamos ter restrições [durante a execução das obras], obviamente”, informou.

Questionado sobre os atrasos no projeto, o prefeito se utilizou da máxima de precisar arrumar a casa antes de dar continuidade ao mesmo, não muito diferente do que já fez outras vezes a cada novo prazo esticado.

“Agora é um novo momento, e com novas empresas contratadas”, justificou, falando sobre o fato de que o contrato antigo, com a construtora Andrade Gutierrez, inicialmente responsável por toda a obra do trecho Entroncamento-Icoaraci, foi rompido, e uma nova licitação, no valor de R$ 263 milhões, foi realizada, saindo ganhador o consórcio formado pelas empresas EIT e Paulitec.

Zenaldo promete replantar árvores

Sobre a retirada das árvores do canteiro central, o que provocou a indignação de entidades voltadas à preservação ambiental junto à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Zenaldo declarou que o processo já constava no projeto e que “a cada retirada, outras três serão plantadas em áreas adjacentes”.

Drenagem, fim dos alagamentos da Augusto Montenegro e, finalmente, a informatização do sistema, característica que diferencia o corredor expresso de um BRT, também foram anunciados pelo tucano.

“Estamos com processo licitatório pronto para a criação do Centro de Controle Operacional, que ajudará toda a (sic) metrorização do sistema de BRT, que não será mais um ônibus para concorrer com os outros. A integração entre as linhas está prevista, assim como a bilhetagem única”, prometeu.

READ MORE - Conclusão do BRT de Belém ganha novo prazo

Sistema Cicloviário de Campinas deve alcançar 122,8 km até 2016

O secretário municipal de Transportes, Carlos José Barreiro, apresentou ao prefeito Jonas Donizette o Plano Cicloviário 2014-2016, que norteará a implantação do Sistema Cicloviário de Campinas. O objetivo é alcançar 122,8 km de ciclovias nos próximos anos, fomentando o uso da bicicleta como meio de transporte sustentável, integrado ao transporte público coletivo.

Em coletiva de imprensa realizada na Sala Azul da Prefeitura nesta segunda-feira, 06/04, às 15h, Barreiro expôs as três fases de implantação das ciclovias e detalhou os futuros trechos. Falou, também, sobre captação de recursos e licitações para projetos executivos e obras. 
Campinas já possui 11,3 km de ciclovias (Taquaral, Taquaral Anhumas, Amarais, Barão Geraldo e Francisco de Toledo). Diferente das ciclofaixas, delimitadas por sinalização específica, as ciclovias são separadas fisicamente do tráfego comum.

Na Fase 1, intitulada Ciclovias em Curso, estão previstos mais 16,3 km. Na Fase 2, Ciclovias em Desenvolvimento, 95,1 km. Na Fase 3, Ciclovias Complementares, 52,4 km. Haverá, ainda, as ciclovias ligadas ao Sistema BRT (Bus Rapid Transit, ônibus de trânsito rápido), que somam 13,7 km. Ao final da implantação, o número de ciclovias saltará de 5 para 36, totalizando 122,8 km.

“No atual contexto da Mobilidade Urbana, a bicicleta entra como fator preponderante de locomoção das pessoas. Além disso, as políticas públicas devem levar em conta a questão da sustentabilidade ambiental”, declarou o prefeito Jonas. “Nossa proporção veículo/habitante chega a ser maior que a de São Paulo. Precisamos, desde agora, fazer uma inversão dessa lógica, apostando em meios de transporte não poluentes, que beneficiem a saúde das pessoas”.

Já o secretário Barreiro destacou que o Plano Cicloviário está harmônico com a cidade: “A nossa intenção é implantar, em todas as regiões do município, trechos de ciclovias que representem uma verdadeira opção à população de usar a bicicleta como meio de transporte, para pequenos deslocamentos”.

A malha cicloviária foi debatida pela Emdec com cicloativistas, membros da Comissão Permanente de Mobilidade Urbana da Câmara Municipal e integrantes do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT), contemplando diferentes regiões da cidade. Segundo Barreiro, “Os trechos serão integrados com os terminais urbanos e as estações de transferência existentes ou futuramente implantadas”.

Jonas Donizette lembrou que os lugares não foram pensados aleatoriamente. “Esse plano foi construído em um diálogo com a população. Segue uma lógica que estamos implementando em Campinas, de fazer com que as pessoas possam se locomover o menos possível para trabalho, lazer, compras e serviços, tendo microrregiões nas quais convivam melhor, sem fluxo demasiado de transporte. Isso aumentará a qualidade de vida dos campineiros”, ressaltou.

“Ficamos felizes vendo esse projeto sair do papel. A população adotará a bicicleta não somente como meio de transporte, mas também para melhorar a saúde”, congratulou o vereador Luís Yabiku, que representou o presidente da Câmara, Rafa Zimbaldi. “Equiparada aos grandes centros, Campinas não poderia ficar de fora dessa forma de se movimentar pela cidade. Ciclovias são hoje uma realidade no mundo inteiro, nas maiores capitais. Todos estão aderindo a esse movimento, portanto a Câmara Municipal apoia totalmente esses quase 200 km de ciclovias”.

Além de Jonas, Barreiro e Yabiku, compareceram o vice-prefeito, Henrique Magalhães Teixeira; os secretários do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Rogério Menezes, e de Comunicação, Luiz Guilherme Fabrini; os vereadores André von Zuben, Carmo Luiz e Marcos Bernardelli; Angélica Soares, da Comissão do Meio Ambiente da OAB Campinas; Valdo Célio dos Santos Pompeu, presidente do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte; além dos veículos de imprensa e cicloativistas.

Fase 1
A primeira fase do Plano Cicloviário prevê, inicialmente, trechos de ciclovias nas avenidas Mackenzie (6,7 km), Baden Powell (1,6 km) e José de Souza Campos (Norte-Sul, 1,3 km). Esses locais contarão com investimentos da iniciativa privada.

Ainda na primeira fase, Barão Geraldo receberá um trecho de 2,1 km, da Rua Luiz Vicentin à Av. Santa Isabel. Para viabilizar essa nova ciclovia no distrito, foram solicitados recursos do Fundo de Interesses Difusos (FID) da União. Quando a verba estiver garantida, terá início o processo licitatório para a implantação desse trecho.

Por fim, para essa etapa inicial, a Emdec concluiu projeto básico e pretende abrir licitação nas próximas semanas para a contratação da empresa que vai elaborar os projetos executivos e realizar obras nas ciclovias Washington Luiz (950 m) e Taquaral Theodureto (1,6 km), além de três trechos no distrito de Nova Aparecida, que somam 2 km. Ou seja, a Fase 1 totalizará 16,3 km. 

Na coletiva de imprensa realizada hoje à tarde, o secretário de Transportes explicou que pretende entregar as ciclovias à população sem onerar os cofres públicos. “Vamos buscar fontes de financiamentos para a execução dos projetos”, ressaltou Barreiro.

Fase 2
A segunda etapa do Plano Cicloviário prevê os seguintes trechos, totalizando 95,1 km:
Campos Elíseos Vila Aeroporto: 12,8 km (quatro trechos)
Presidente Juscelino: 8,3 km (quatro trechos)
Campo Grande Itajaí: 7,9 km (cinco trechos)
Boa Vista: 7,6 km (quatro trechos)
Taquaral Mackenzie: 7,2 km (cinco trechos)
Norte-Sul: 6,8 km (oito trechos)
Piçarrão: 5,6 km
Jardim Garcia: 4,9 km (três trechos)
Anhumas: 4,5 km (quatro trechos)
Norte-Sul: 4 km (três trechos)
São José dos Campos: 3,7 km (dois trechos)
Barão Geraldo: 3,6 km (três trechos)
Amarais: 3,3 km
Vila União: 3,3 km
Ouro Verde: 2,6 km
Pirelli Sirius: 2,3 km
Carlos Lourenço: 2,2 km (três trechos)
Washington Luiz: 1,3 km
Vida Nova: 1,2 km (dois trechos)
Baden Powell: 620 metros
Taquaral Anhumas: 450 metros

Esses trechos das ciclovias da Fase 2 foram separados em cinco grupos de implantação. Com base nesses grupos de implantação, serão feitas as licitações dos projetos executivos. À medida que obtiver os recursos necessários, a Administração abrirá novas licitações, agora para as obras.

Os seja, primeiro serão contratadas as empresas que farão os projetos executivos das ciclovias, e em um segundo momento haverá outra licitação, esta para selecionar as responsáveis pela construção.

As características das ciclovias de Campinas (largura de 2,5 metros, pavimentação etc), que garantirão a patronização da malha cicloviária, já foram definidas pela Emdec, respeitando a normatização e legislação de trânsito.

Fase 3
A Fase 3, a ser implantada após 2016, estabelece traçados recentemente discutidos com a sociedade civil, que poderão totalizar 52,4 km. Esses percursos estão sendo analisados, pois interferem em espaços fora da jurisdição municipal, como o Aeroporto de Viracopos e as Rodovias Santos Dumont (SP-075) e Miguel Melhado de Campos (SP-324).

Clique aqui para informações gerais sobre as ciclovias já existentes, Ciclovias em Curso (Fase 1), Ciclovias em Desenvolvimento (Fase 2) e Ciclovias Complementares (Fase 3), bem como as ligadas ao BRT e Rotas Cicláveis. Trata-se da apresentação de hoje, com detalhes de todas as etapas do Plano Cicloviário.

Autor: Edgard Oliveira Jr / Fotos: Márcio Souza
Informações: Emdec
READ MORE - Sistema Cicloviário de Campinas deve alcançar 122,8 km até 2016

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960