Primeiro trem que circulará na Linha 4 do metrô chega ao Rio

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Chegou nesta terça-feira (27) ao Rio o primeiro trem da Linha 4 do Metrô Rio, que vai ligar a Barra da Tijuca, na Zona Oeste, até Ipanema, na Zona Sul. Ao todo, serão 15 novas composições no segmento, que tem previsão de ser inaugurado no primeiro semestre de 2016. Segundo o governo, todos os trens são importados e devem chegar ao Rio até o fim do ano. O metrô não informou quanto custou cada composição.

De acordo com o planejamento, o novo trem será utilizado nas linhas 1 e 2, até que a Linha 4 seja inaugurada. A composição será apresentada à população pelo governador Luiz Fernando Pezão e pelo secretário de Estado de Transportes, Carlos Roberto Osório, no dia 5 de fevereiro, no pátio de manutenção de Metrô Rio, no Centro da cidade.

Informações: G1 Rio

READ MORE - Primeiro trem que circulará na Linha 4 do metrô chega ao Rio

Licitação do metrô de Curitiba será retomada até março

A licitação do metrô de Curitiba deverá ser retomada ainda no primeiro trimestre deste ano. Para isso, a prefeitura de Curitiba está fazendo ajustes técnicos solicitados pelo Ministério das Cidades no edital e aguarda uma resposta do Planalto sobre a recomposição do aporte federal no projeto. A ideia da gestão municipal é garantir a recomposição da inflação.

Segundo apurou a reportagem da Gazeta do Povo, os ajustes técnicos realizados no edital foram solicitados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) ao Ministério das Cidades.

A solicitação do TCU não impactou apenas a obra do metrô de Curitiba, mas outros grandes projetos de mobilidade espalhados pelo país. O órgão está pedindo mais detalhes nos projetos por conta dos desdobramentos das investigações da Operação Lava Jato e das denúncias de cartel nas obras do metrô e trens de São Paulo.

Logo após a liberação do edital do metrô de Curitiba pelo Tribunal de Contas do Estado do Paraná, a prefeitura encaminhou ao Ministério das Cidades um pedido para que o órgão federal se comprometa a corrigir o valor do aporte (hoje orçado em R$ 1,8 bilhão) de acordo com a inflação acumulada durante a obra. O mesmo pedido também foi feito ao governo estadual e municipal, que se comprometeram a aportar cada um R$ 700 milhões no projeto.

Pelo contrato, a obra pode levar até seis anos. A expectativa é de que a inflação acumulada do período não ultrapasse os 24%.

O edital do metrô de Curitiba foi suspenso no segundo semestre do ano passado após o TCE-PR solicitar informações e determinar que o texto fosse melhor detalhado. No final do ano passado, o órgão de controle liberou o certame, desde que a prefeitura adotasse recomendações feitas pelos auditores.

Informações: Gazeta do Povo

READ MORE - Licitação do metrô de Curitiba será retomada até março

Venda de ônibus de dois andares usado para turismo pode ser regulamentada no Brasil

Diversos grupos apontam as vantagens de um ônibus de dois andares para o turismo, especialmente os que possuem a parte superior da carroceria aberta. No entanto, diversos acidentes em rodovias brasileiras impedem que a venda de ônibus “double-deck” sejam uma realidade constante.
Veículo já é usado em Curitiba
Para regulamentar o setor e tentar aumentar a quantidade de ônibus de dois andares circulando com turistas no Brasil mas sem descuidar da segurança dos passageiros, o deputado federal Carlos Bezerra criou o projeto de lei nº 7733/14. Caso o projeto avance, o turismo terá grande oportunidade de criar passeios por praias com vistas deslumbrantes e o setor de venda de ônibus deverá ser aquecido, com empresas buscando o modelo, famoso na Europa, para encantar seus passageiros.

Porque utilizar um modelo “double deck”?
Inúmeras cidades brasileiras vivem de turismo, especialmente as situadas na região litorânea e que possuem pontos turísticos e históricos. Com a alta do dólar e o cenário pessimista da economia mundial, o turismo brasileiro ganha forças e os ônibus de dois andares auxiliam no transporte.

Tais ônibus acomodam mais passageiros e possuem mais espaço do que os modelos tradicionais, além de terem a possibilidade de ter sua carroceria modificada e ser aberta. Assim fica mais fácil para os turistas observarem toda a exuberância natural do Brasil e tirar fotografias.

Como é o projeto de lei?
Para evitar acidentes e prezar pela vida do passageiro e turista, o projeto de lei permite o uso dos ônibus de dois andares, mas institui algumas regras:

Semestralmente o ônibus deverá passar por inspeções para verificar seu estado geral e itens de segurança.
O coletivo deverá ser registrado e ter autorização especial emitida pelo órgão estadual de trânsito.
O veículo não poderá ultrapassar 80km/h, sem importar qual é o limite de velocidade da via na qual ele está trafegando.
O projeto de lei tramita na câmara dos deputados de forma conclusiva. Assim, ele será analisado e considerado apenas pelas comissões pertinentes – Viação e Transportes, Constituição e Justiça e Cidadania – sem precisar passar pela votação de todo o quadro de deputados.

Por Maristela Silva – São Paulo/SP
Blog Meu Transporte

READ MORE - Venda de ônibus de dois andares usado para turismo pode ser regulamentada no Brasil

Rede Integrada corre risco de pagar tarifa diferente de Curitiba

O prefeito Gustavo Fruet (PDT) anunciou que define até sexta-feira (30) o reajuste da tarifa de ônibus de Curitiba, e que o valor cobrado do usuário deve passar de R$ 3,00, contra os R$ 2,85 atuais. Fruet afirmou ainda que se não houver acordo com o governo do Estado para a manutenção do subsídio, não haverá como manter a tarifa única cobrada hoje nos 13 municípios da Rede Integrada de Transporte (RIT). Ou seja, podem ser implantadas tarifas diferenciadas em Curitiba e nos demais municípios da região. 

Segundo o prefeito, até agora o governo do Estado tem afirmado que não tem como manter o subsídio nos níveis implantados em 2012, de R$ 64 milhões anuais, e insiste em reduzir o valor para R$ 27 milhões ao anos. Nessas condições, afirma Fruet, não há como manter a integração financeira do sistema, e a alternativa é que o Estado passe a fazer diretamente o pagamento às empresas metropolitanas, enquanto a prefeitura passaria a fazer o pagamento apenas das empresas que operam em Curitiba. Nesse caso, caberia também ao governo do Estado definir as tarifas praticadas nas cidades da região metropolitana.

“A informação do governo do Estado é que ele passa por uma crise financeira e não tem recursos para renovar o subsídio nos níveis anteriores”, disse Fruet, explicando que as empresas querem o aumento da tarifa técnica dos atuais R$ 3,18 para um valor entre R$ 3,60 e R$ 3,80, o que exigiria um subsídio anual de R$ 80 milhões. “Entendemos as dificuldades financeiras do Estado. Porém, Curitiba não tem condições financeiras de arcar com o subsídio das empresas metropolitanas. Está na hora de repactuar o sistema. Cada parte terá que assumir suas responsabilidades”, afirmou o prefeito. “Se o governo do Estado não concorda com o valor do subsídio necessário para bancar o custo metropolitano, então é mais correto que ele mesmo faça esse pagamento às empresas metropolitanas”, disse.

Fruet alega que tem que definir esses valores até sexta-feira, porque o contrato prevê o reajuste anual em 1º de fevereiro. Além disso, fevereiro é o mês que a data-base de motoristas e cobradores impõe para o reajuste salarial da categoria.

Locaute - O prefeito atribui a paralisação de dois dias do transporte na Capital a um “locaute” das empresas para pressionar pelo aumento da tarifa técnica, paga a elas pela Urbs. Segundo ele, o atraso de R$ 5 milhões no pagamento do subsídio pelo governo do Estado é expressivo, mas não justifica o atraso no pagamento do adiantamento salarial dos trabalhadores pelas empresas. “R$ 5 milhões é dinheiro, é um valor expressivo, mas em um setor que movimenta quase R$ 1 bilhão por ano, deveria ter sido provisionado. Ou é pressão para aumento da tarifa técnica muito acima da inflação”, avaliou.

Fruet não quis atribuir o impasse ao interesse político do governo do Estado em desgastá-lo com vistas às eleições municipais de 2016. “A última coisa que eu posse pensar nesse momento é em projeto eleitoral”, alegou. O prefeito, porém, por diversas vezes, lembrou que o subsídio foi implantado em 2012, ano eleitoral, quando o então prefeito Luciano Ducci (PSB) era candidato à reeleição com o apoio do governador Beto Richa (PSDB). E atribuiu a crise no sistema a falhas na licitação conduzida por Richa e Ducci, e concluída em 2010. “Não vamos alimentar intriga, entrar em provocação. Meu papel é segurar a pressão, entender que ela existe, mas não ceder a chantagem”, disse, afirmando que não se pode reduzir a discussão a “um mero embate político”, já que haveria também um “embate econômico”.

O prefeito afirmou que até amanhã continuará negociando com o governo do Estado. “Esperamos que o governo do estado assuma sua responsabilidade e trabalhe para manter a tarifa única”, disse. Caso não haja acordo, ele explicou que a Urbs manterá a operação do sistema, mas com contabilidades separadas. “Não haverá desintegração física do sistema. As vias, terminais, estações-tubo, CCO, enfim toda estrutura da URBS, que tem custo anual de R$ 30 milhões para a Prefeitura de Curitiba, continuará à disposição da RIT”, disse.

Informações: Bem Paraná

READ MORE - Rede Integrada corre risco de pagar tarifa diferente de Curitiba

Prefeitura de Teresina aumenta passagem de ônibus para R$ 2,50

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, aumentou de R$ 2,10 para R$ 2,50 a tarifa de ônibus urbanos de Teresina para entrar em vigor a partir do dia 1° de fevereiro, domingo.

O Presidente do Conselho Municipal de Transportes Públicos, e superintendente da Strans informou que o valor da tarifa foi discutido e estabelecido em reunião realizada na terça-feira (27/01) pelo conselho municipal. Firmino Filho assinou o decreto aumentando o valor da passagem na manhã desta quarta-feira (28/01).

Carlos Daniel informou que a tarifa para estudante ficará em R$ 1,05 porque o prefeito decidiu congelar a tarifa para estudantes por um ano. Entidades estudantis e populares vão se reunir às 14h no sindicato dos motoristas rodoviários do Estado do Piauí, no Centro de Teresina para discutir uma mobilização contra o aumento da passagem de ônibus.

O superintendente da Strans, Carlos Daniel, informou que o aumentou da tarifa foi de 19,05% o que passou de R$ 2,10 para R$ 2,50 a partir de 1 de fevereiro. Segundo ele, a planilha de custos tinha definido o valor da tarifa em R$ 2,5020.

Segundo ele, o prefeito Firmino Filho resolveu aumentar o valor da tarifa de ônibus para R$ 2,50 e congelar o valor para os estudantes em R$ 1,05.

“A decisão do conselho municipal de transporte público foi pela aprovação de uma planilha que seria estudada pela Strans (Superitendência Municipal de Transportes e Trânsito). A Strans apresentou uma planilha que foi aprovada no valor de R$ 2,5020 e o prefeito decretou hoje o aumento para R$ 2,50, foi um aumento de 19,05% aproximadamente”, declarou Carlos Daniel.

Ele informou que o último aumento foi relativo aos custos de maio de 2011 e faziam mais de 40 meses que não tinha reajuste na tarifa de ônibus urbanos em Teresina.

Carlos Daniel que por enquanto não tem nenhuma informação sobre manifestação do movimento estudantil e do movimento popular pelo aumento tarifa o que mostra que a população entende que não houve um aumento, mas um reajuste no valor da tarifa.

Daniel declarou que todo mundo já teve o salário aumentado, o valor da energia aumentado, enquanto os custos dos insumos do transporte público tiveram um aumento considerável. Ele cita o custo da mão de obra em Teresina que teve aumento 35,72%; o combustível aumentou mais de 33%.

“O que puxou o aumento da tarifa de ônibus em Teresina, foi o aumento dos custos da mão de obra e do combustível”, afirmou Carlos Daniel.

Em Teresina, são 438 ônibus circulando em 97 linhas, transportando 7 milhões de passageiros por mês. A linda mais distante é a do Mocambinho, na zona Norte de Teresina ao conjunto Porto Alegre, na zona Sul teresinense.

Carlos Daniel disse que ao longo dos anos não tem ocorrido acréscimo dos ônibus urbanos. Ele credita isso a falta de qualidade de transporte. “A má qualidade de transporte público afastou usuários do sistema. É exatamente nessa linha que estamos atacando, tentando qualificação das linhas, melhoramento dos terminais e faixas exclusivas para os ônibus fazer com que isso possa trazer de volta a usar transporte coletivo”, disse Carlos Daniel.

Informações: Portal Meio Norte

READ MORE - Prefeitura de Teresina aumenta passagem de ônibus para R$ 2,50

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960