Novas obras do Metrô de Salvador devem começar no segundo semestre deste ano

sexta-feira, 8 de março de 2013

A longa história do metrô de Salvador pode ganhar mais um capítulo neste ano. O primeiro trecho da Linha 1 (Estação da Lapa-Estação Acesso Norte/Rótula do Abacaxi), que já está com trilhos prontos e as estações equipadas para começar a funcionar, está sendo alvo de uma negociação, segundo a Assessoria Geral de Comunicação (AGECOM), entre a Prefeitura, responsável pelo trecho, e o Governo do Estado, para a transferência de sua gestão para a esfera estadual. 

Como parte das negociações do metrô, também está sendo negociada a administração das estações de transbordo de Salvador, sob responsabilidade da esfera municipal. Ainda não há definição se a administração das estações continuará com a Prefeitura ou passará a ser de responsabilidade do Estado, mas há possibilidade de que algumas das estações tenham a administração transferida.

Testes do trem do metrô

Já o segundo trecho da Linha 1 (Estação Acesso Norte-Estação Pirajá) e a Linha 2, que vai Bonocô, em Salvador, a Lauro de Freitas, atravessando a Paralela, possuem um prazo para o início das obras. De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Sedur), a previsão é de que as obras comecem no segundo semestre desse ano, com prazo de implementação de 36 meses, incluindo a Linha 1 até Pirajá com entregas parciais ao longo deste prazo. As obras serão feitas através de Parceria Público-Privada (PPP).

Ou seja, a Linha 2 do metrô, idealizada para dar suporte à mobilidade urbana nos futuros eventos esportivos em Salvador, especialmente a Copa do Mundo 2014, só deve ficar pronta depois do mundial. Ela terá 24,2 quilômetros e 13 estações, incluindo o Aeroporto.

Exemplo do projeto de estação para a Linha 2

A secretaria também informou que a implantação do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas encontra-se com processo para licitação em andamento, sendo finalizados acordos para a conclusão do Edital de Licitação. O sistema é formado pelas duas linhas do metrô (Lapa-Pirajá e Bonocô-Lauro de Freitas) e tornou-se oficialmente parte das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) através de um decreto publicado no Diário Oficial da União do dia 14 de setembro do ano passado. 

Os recursos para a implantação do Sistema são da ordem de R$ 3,5 bilhões, sendo R$ 1 bilhão oriundo de captação de recursos junto ao Governo Federal pelo PAC Mobilidade Grandes Cidades, R$ 600 milhões através de financiamento ao Governo do Estado com recursos do FGTS, R$ 283 milhões do saldo do Convênio do Governo Federal com o município de Salvador, previsto para a Linha 1, além do investimento da iniciativa privada, uma vez que se trata de uma Parceria Público Privada e a contrapartida do Estado, cujos valores serão definidos no processo concorrencial da licitação.

Quando finalizado, o Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas terá 36,4 quilômetros de extensão, 20 estações, 30 composições de quatro vagões e também contará com terminais de integração Ônibus-Metrô. Com  velocidade comercial de 36 km/h, a expectativa é de que o trajeto de ida e volta, incluindo paradas e manobras, seja de 40 minutos na Linha 1 e de uma hora, 33 minutos e 20 segundos na Linha 2.

Projeto com as duas linhas do metrô

Quem desejar ir da Estação da Lapa até as proximidades da Insinuante, em Lauro de Freitas, deverá fazer o percurso em apenas 46 minutos, incluindo o tempo de manobra para retornar, segundo estima a Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Sedur). Hoje, quem costuma fazer este percurso de ônibus e no horário de pico, geralmente gasta em torno de duas horas. 

A promessa de um metrô na capital baiana começou em 1999, o ano do projeto. As obras começaram no ano seguinte, sob responsabilidade do Consórcio Metrosal (Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Siemens), mas até hoje os soteropolitanos aguardam a chegada do grande dia da inauguração, com uma sensação de que, na prática, o primeiro trecho tem um percurso muito curto, o que levou ao apelido de "metrô calça curta".




Esta longa história já foi alvo do quadro 'Proteste Já', do programa CQC, e motivo de piada na série 'A Grande Família'. Durante todos esses anos, a construção do metrô em Salvador já foi suspensa várias vezes, inclusive por denúncias feitas pelo Tribunal de Contas da União e Ministério Público Federal. Os trens foram adquiridos em 2008 e, até agora, só foram vistos funcionando em testes feitos pela Prefeitura, inclusive em um vídeo, que pode ser conferido abaixo.

READ MORE - Novas obras do Metrô de Salvador devem começar no segundo semestre deste ano

Cidade de Pelotas é contemplada pelo PAC da mobilidade urbana

O prefeito de Pelotas Eduardo Leite liberou nesta quarta-feira, 6 de março, a destinação dos R$ 95 milhões obtidos junto ao PAC Saneamento, Mobilidade e Pavimentação anunciado em Brasília durante a manhã pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro das Cidades Aguinaldo Ribeiro. A notícia foi dada em coletiva de imprensa no Salão Nobre do Paço Municipal pela vice-prefeita Paula Mascarenhas, no exercício da prefeitura, e por Eduardo, que falou direto de Brasília por vídeo-conferência do gabinete do deputado federal Nelson Marchezan Júnior. Participaram também do encontro o ex-prefeito Fetter Júnior, a secretária de Gestão da Cidade e Mobilidade Urbana (SGMU) Joseane Almeida, o superlotaintendente de Gestão Urbana da SGMU Guto King e o superintendente da Unidade Gerenciadora de Projetos (UGP), Jair Seidel.

         Os recursos serão aplicados na pavimentação ou duplicação de vias estruturantes, como as avenidas Leopoldo Brod e 25 de Julho, corredores de ônibus de concreto e garantia de pavimentação asfáltica de todo o trajeto do transporte coletivo, e na requalificação de artérias importantes para desafogar do trânsito da cidade (veja a relação completa em anexo).

         A presença de Pelotas no anúncio dos investimentos do novo PAC se deve aos projetos elaborados no governo do prefeito Fetter Júnior e às interferências do atual prefeito ocorridas antes e imediatamente após sua posse junto ao Ministério das Cidades.

         “Esse anúncio é uma prova de que trabalho sério, planejamento integrado e persistência podem assegurar sempre resultados positivos para uma administração”, enumerou Eduardo. “E isso só aconteceu porque lá atrás, o então prefeito Fetter estava organizado para pleitear os recursos”, concluiu.

PROPOSTAS DO PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE PELOTAS

Valor Financiado:          R$ 69.967.849,01

Valor de Contrapartida: R$   3.682.518,36

Valor do Investimento: R$ 73.650.367,37

IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO:

Implantação em ruas do centro da cidade e nos bairros Fragata, Areal, Três Vendas Porto e Laranjal, de corredores em concreto, exclusivo para ônibus, ou pavimentação asfáltica de vias por onde circula o transporte coletivo com faixas de concreto nas paradas, para evitar a danificação do pavimento na freagem dos coletivos, travessias seguras, paradas com abrigos, alargamento de calçadas, ciclovias/ciclofaixas, qualificação de espaços urbanos para melhorar a circulação das pessoas, obras de acessibilidade, drenagem pluvial, rede de esgotos, sinalização viária e iluminação.

PRINCIPAIS INTERVENÇÕES:

1 - Implantação de 10 km de corredores de concreto exclusivos para ônibus nas ruas Fernando Osório, Marechal Deodoro e avenida Duque de Caxias. Desta forma prioriza-se o deslocamento dos coletivos evitando-se as atuais disputas por espaço entre os diversos modais, o que ocasiona as velocidades de deslocamento reduzidas. Na avenida Duque de Caxias a intervenção que será feita é a recuperação de um corredor de concreto já existente (4 km), mas sem condições de uso sem a reforma.

2 - Implantação de 20,5 km de ciclovias/ciclofaixas nas ruas Gomes Carneiro, Marechal Floriano e avenidas Duque de Caxias, Domingos de Almeida, Ildefonso Simões Lopes, Leopoldo Brod, Juscelino Kubitschek de Oliveira. Em complementação ao sistema já existente, busca-se criar uma rede de vias que permita o deslocamento entre os diversos bairros e o centro da cidade, visando o incremento do uso da bicicleta como meio de transporte.

3 - Pavimentação asfáltica e capeamento asfáltico de 25 km de vias, nas avenidas Domingos de Almeida, Juscelino Kubitschek de Oliveira, Duque de Caxias e ruas General Osório, Marechal Deodoro (trecho) e Gomes Carneiro (trecho) de forma a dar completa condição de trafegabilidade especialmente ao transporte coletivo.

4 - Acessibilidade e requalificação de espaços públicos, contemplando obras de acesso em diversos pontos integrando rotas acessíveis aos corredores culturais e comerciais aos pontos de chegada e saída das linhas dos coletivos, alargamento das calçadas da Praça Coronel Pedro Osório, Calçadão Central, Largo de Portugal, Canteiro Central da av. Saldanha Marinho, num total de 25.035 m², além de outros espaços já consolidados como o Mercado Público, Teatros Guarany e Sete de Abril.

5 - Implantação de 203 abrigos especiais de estrutura metálica, cobertura de vidro laminado e fechamento em vidro temperado, equipados com lixeiras e iluminação adequada. Estas estruturas serão implantadas nas seguintes vias: ruas Marechal Deodoro e General Osório, Três de Maio, Dom Pedro II e avenidas Duque de Caxias, Domingos de Almeida, Juscelino Kubitschek de Oliveira, Adolfo Fetter.

Informações: Prefeitura de Pelotas
READ MORE - Cidade de Pelotas é contemplada pelo PAC da mobilidade urbana

Praia Grande vai criar corredor de ônibus com verba do PAC 2

Praia Grande poderá ser a próxima cidade da Baixada Santista a contar com corredor de ônibus. O anúncio foi feito pela Prefeitura nesta quinta-feira. Para a implantação da faixa exclusiva serão utilizados recursos do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) 2. As Avenidas Marginais, do Bairro Mirim ao Solemar, receberão obras de adaptação das vias. 

A contemplação de Praia Grande para construção de um corredor de ônibus por meio do PAC foi divulgada nesta quarta-feira, pelo Ministério das Cidades, no Diário Oficial da União. O início das obras depende agora do envio de um projeto da Prefeitura à Brasília para o repasse dos recursos. A verba prevista é de R$ 70.584.348,00, sendo R$ 63.584.348,00 do Governo Federal e R$ 7.000.000,00 da Prefeitura. 

O município foi selecionado dentro do âmbito do Programa de Infraestrutura de Transporte e Mobilidade Urbana (Pró-Transporte). A portaria do Ministério das Cidades, de nº 109, datada de 5 de março, prevê a criação de um sistema viário para a passagem de transporte coletivo, com prazo de execução máximo de 24 meses.

De acordo com a secretária de Obras Públicas, Eloisa Ojea Gomes Tavares, a seleção do projeto para criação de corredores de transporte coletivo se dá pelo fato de as vias poderem ser artérias com características metropolitanas, ligando o Litoral Sul à região norte. “O sistema também servirá de opção viária rápida de ligação entre diversos bairros do Município e que hoje tem como meio principal de ligação a rodovia Padre Manoel da Nóbrega”, disse.

As faixas de ônibus a serem implantadas têm como objetivo agilizar todo o transporte inter-regional (Peruíbe, Itanhaém e Mongaguá), regional (atendendo a bairros como Cidade da Criança, Princesa, Imperador, Solemar, Flórida, Real, Caiçara, Melvi, Samambaia, Esmeralda e Maracanã). Em função do sistema tronco-alimentador, atenderá também os demais bairros do Município.

Os principais serviços serão de pavimentação, canalização e construção de obras de micro-drenagem. A implantação de paradas de ônibus e sinalização horizontal e vertical complementam o projeto. Pelo novo corredor deverão circular linhas inter-regionais (que opera atualmente com 13 veículos, com demanda de 175.166 passageiros/mês) e linhas municipais (que opera com 15 veículos com demanda de 311.486 passageiros/mês).

Ciclovias

No projeto, pretende-se ainda implantar semáforos inteligentes, que visam dar prioridade ao sistema de transporte de forma organizada e segura. A travessia de pedestres e seu acesso ao sistema por meio de novos e modernos abrigos darão comodidade e segurança aos usuários.

Outro serviço previsto é o monitoramento das vias e sua estruturação por meio de painéis contendo informações das linhas do sistema em tempo real, via tecnologia GPS. O objetivo principal do projeto é melhorar a mobilidade urbana, incentivando o uso do transporte coletivo e do não motorizado, com a implantação de ciclovias no trecho ainda não contemplado.

De acordo com a carta-consulta apresentada ao Governo Federal, com o projeto passará a atender a demanda atual de 18.717 passageiros/dia para 22.460 passageiros/dia. Ainda segundo a carta apresentada, serão implantados 40 pontos de parada, 20 quilômetros de calçadas e 20 quilômetros de infraestrutura cicloviária, ao longo dos corredores de transporte coletivo ou que conectem os bairros ao sistema.

READ MORE - Praia Grande vai criar corredor de ônibus com verba do PAC 2

Tarifa de ônibus em Manaus deverá custar R$ 2,90

Sem especificar datas ou valores, o prefeito Artur Neto (PSDB) anunciou nesta quarta-feira (06) que deverá conceder reajuste de tarifa às empresas que atuam no transporte convencional de passageiros de Manaus. Com o aumento, a passagem de ônibus, que atualmente custa R$ 2,75, pode passar para R$ 2,91, valor apontado pela última planilha de reajuste elaborada pela Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), no fim do ano passado.
Usuários do sistema de transporte coletivo de Manaus podem iniciar a próxima semana pagando a nova tarifa, ainda indefinida (Márcio James)
Em viagem a Brasília, onde cumpre uma vasta agenda de compromissos políticos, Artur Neto afirmou que “sabia que o reajuste tinha que vir” porque o valor da passagem de ônibus está defasado, especialmente após o aumento no preço do combustível.

“O prefeito anterior (Amazonino Mendes) assumiu um compromisso de, a cada outubro, dar um reajuste na tarifa. Faz 17 meses que não acontece. Os empresários investiram muito em renovação da frota. O prefeito anterior não cumpriu o contrato que estabeleceu com os empresários”, alegou.

No entanto, Artur Neto disse que não pretende consultar os empresários antes de decidir pelo reajuste. “Eu não vou dar nenhuma satisfação a eles. Vou pedir o cálculo ao Pedro Carvalho (SMTU) e, o que for considerado justo, vou arbritrar pelo que achar que seja bom senso. Não vou consultar empresário para saber que tarifa vai ser”, disse.

Ele ainda esclareceu que não deu o reajuste logo no início do mandato por várias razões, e não para evitar desgastes com as classes patronal ou trabalhadora. “É porque eu tinha que fazerm e estou fazendo, conversas frequentes com empresários e trabalhadores para vermos quais as responsabilidades de cada ente. Não vou fugir disso porque não sou demagogo, nunca fiz demagogia tarifária na minha vida política”.

Condição

O superintendente municipal de Transportes Urbanos (SMUT), Pedro Carvalho, lembrou que aumento só deverá ser concedido quando as dez empresas que operam o sistema  melhorarem o serviço.

O último cálculo para definir o novo valor da tarifa foi feito em dezembro de 2012, pela SMTU, na gestão de Amazonino Mendes. O estudo apontou que a passagem seria de R$ 2,91, o que corresponde a um aumento de R$ 0,16 sobre a atual tarifa. A antiga gestão do órgão levou em consideração o consumo do combustível dos veículos, velocidade média, número de passageiros por quilômetro rodado, entre outros itens para definir o valor.

Segundo Pedro Carvalho, este valor não é valido para um possível reajuste e novos cálculos precisam ser feitos, caso a reajuste seja concedido. O aumento anual da passagem consta no contrato de concessão entre o município e as empresas de transporte e foi descumprido no ano passado.

READ MORE - Tarifa de ônibus em Manaus deverá custar R$ 2,90

Sistema BRT será implantado em Feira de Santana

O prefeito José Ronaldo (DEM) apresentou, durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (7), o rendimento da última visita a Brasília para audiência no Ministério das Cidades.

Todos os prefeitos de municípios que possuem entre 250 a 750 mil habitantes foram convocados pela presidente da República, Dilma Rousseff (PT) para participar da audiência que aconteceu na ultima quarta-feira (6) onde foram informados a respeito de aprovações de projetos na área de saneamento e infraestrutura. O prefeito de Feira de Santana foi um dos convidados para a reunião.

A União aprovou o projeto BRT (Bus Rapid Transit) que contará com linhas exclusivas de ônibus, sinaleiras sincronizadas, GPS nos veículos e benefícios para o trânsito feirense.

A aprovação foi publicada na edição do Diário Oficial da União como obra do PAC 2 e o projeto ficará pronto nos próximos anos. Um investimento em torno de R$ 100 milhões para modernizar o trânsito da cidade. O recurso será financiado pelo governo federal.

Modernização dos ônibus – No projeto BRT estão programadas a construção de viadutos ou passagens subterrâneas, ciclovias, passeios e acessibilidade.

José Ronaldo afirmou que deverá cobrar do poder executivo ações para que o processo seja o mais célere possível. O sistema BRT conta com linhas exclusivas para ônibus além de construções de novas estações de transbordo, que serão instaladas nos bairros Pampalona e SIM, conforme anunciou o prefeito. 

READ MORE - Sistema BRT será implantado em Feira de Santana

Motoristas denunciam precariedade em terminais de ônibus de Campinas

Os terminais de ônibus de Campinas (SP) estão em situação precária, segundo denúncia de motoristas sobre a falta de estrutura e má qualidade das instalações nos locais. A equipe da EPTV visitou alguns terminais na cidade e confirmou a situação. No Terminal Central, os motoristas reclamam dos banheiros. "Não tem como andar ali dentro. Tudo está quebrado e muito sujo", relata o motorista Jamoir Lopes.

Os trabalhadores afirmam que o refeitório é pequeno e que o equipamento para esquentar marmitas está com os fios expostos. Em 2012, o Sindicato dos Motoristas e Cobradores fez uma fiscalização nos terminais e constatou várias irregularidades. Um ano depois, outra fiscalização foi feita e pouca coisa mudou.

Nos principais terminais da cidade ainda falta estrutura, área de descanso e a principal reclamação é a falta dos banheiros. "Não tem condições, os banheiros estão todos sujos, eu não consigo nem entrar e fico com vontade de urinar o dia inteiro", afirma a cobradora Raimunda da Silva.

No refeitório do Terminal Ouro Verde foi feita uma ampliação, mas ainda assim o local é alvo de reclamação dos profissionais. "Tem dia que a torneira entope, o refeitório fica cheio de água  e as pessoas almoçam com tudo molhado", conta a cobradora Rita dos Santos. Já no Terminal Mercado, o espaço em que 20 pessoas passam por dia para se alimentar tem apenas uma cadeira e uma mesa. 

O diretor do sindicato Sidnei Lopes acredita que os trabalhadores estão esquecidos. "Nem banheiro tem. As pessoas precisam olhar mais para a condição do trabalhador porque os motoristas não têm condição de trabalhar assim", defende.

A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) afirmou que realizou algumas obras no ano passado e que está aberta a negociações com os motoristas, mas ressaltou que só poderá fazer algo se receber alguma reclamação oficial dos trabalhadores.

READ MORE - Motoristas denunciam precariedade em terminais de ônibus de Campinas

Sistema BRT será implantado na cidade de Londrina

O prefeito de Londrina, Alexandre Lopes Kireeff, apresentou na manhã de hoje (7) o Plano Municipal de Mobilidade Urbana. Entre as melhorias que serão realizadas no transporte urbano do Município está prevista a implantação do Bus Rapid Transit (BRT), sigla em inglês para transporte rápido por ônibus. Este sistema é adotado hoje em vários países e em grandes e médias cidades brasileiras como Curitiba.

O BRT será financiado por recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-2), que vai destinar R$ 126 milhões a este projeto. A finalização das obras deve levar cinco anos. Isso porque, está estipulado que os dois primeiros anos serão destinados para a elaboração dos programas e outros três serão para o andamento das obras.

O anúncio do repasse foi feito ontem (6), em Brasília, pela presidente Dilma Rousseff durante solenidade no Palácio do Planalto, onde Kireeff esteve presente. De acordo com o Ministério das Cidades, o custo pra a implantação do BRT é de 4 a 20 vezes menor do que o do veículo leve sobre trilhos (VLT).

Para o prefeito, essa será a primeira grande mudança na história do sistema de transporte urbano da cidade e também o maior investimento federal já recebido para o transporte coletivo. “Esse valor equivale a quase 15% do orçamento municipal. Ele por si só já vai trazer desenvolvimento, porque vai gerar empregos e movimentar toda a economia, com o próprio início das obras. Além disso, vamos ganhar vantagens competitivas e melhorias de longo prazo para a nossa cidade", disse Kireeff.

Além do repasse de R$ 126 milhões para o BRT, o governo municipal conseguiu o financiamento de outras três ações através do PAC-2. Ao todo, são quatro projetos para a melhoria da mobilidade urbana de Londrina que totalizam R$ 174 milhões.

Estão inclusos também a pavimentação das vias marginais do trecho urbano da BR-369, a recuperação e pavimentação da rua Antônio Carvalho Lage (região oeste) e avenida Angelina Ricci Vezozzo (região leste) e a construção do Contorno Leste, que vai oferecer novo acesso pavimentado de Londrina a Ibiporã. O Contorno Leste prevê a interligação da Waldemar Spranger a BR-369, na altura da Ceasa, passando pelas avenidas Duque de Caxias, Portugal, das Américas, Salgado Filho até a BR-369.
    
Além de recursos do PAC-2, o Plano Municipal de Mobilidade Urbana inclui projetos que, se aprovados, serão financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Eles incluem o Trem Pé Vermelho, que tem como foco a integração com os municípios da Região Metropolitana de Londrina. O Trem Pé Vermelho deverá ser integrado ao BRT por uma estação do corredor Norte-Sul, na zona norte da cidade.

O Instituto e Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (IPPUL) também prevê a implantação do sistema cicloviário, uma rede de ciclovias com 106 quilômetros. Atualmente, o município conta com 17 quilômetros de ciclovias. O instituto está realizando uma pesquisa, em parceria com a Universidade Estadual de Londrina (UEL), que pretende entrevistar 3.000 pessoas, entre trabalhadores que usam bicicleta para se locomover, estudantes e pessoas que pedalam como lazer. O resultado desse levantamento vai permitir ao IPPUL definir a extensão total do sistema, que poder maior do que os 106 quilômetros projetados hoje.

Um novo modelo
A implantação do BRT vai promover uma revisão do transporte coletivo urbano como um todo. O sistema será baseado em dois grandes corredores, um no sentido norte/sul, com 13 quilômetros, e outro no sentido leste/oeste, com 11 quilômetros. Eles vão utilizar os leitos das avenidas 10 de Dezembro (Via Expressa) e Leste-Oeste, eliminando a necessidade de desapropriação de áreas. Com isso, a construção elimina uma das mais complexas etapas para a implementação de grandes estruturas desse tipo.  

O BRT de Londrina terá dois grandes terminais de bairro e outras 25 estações. As localizações ainda serão definidas pela Diretoria de Trânsito e Sistema Viário do IPPUL. Pelo padrão estabelecido pelo Ministério das Cidades, as estações terão uma distância média de 700 metros entre uma e outra.

O projeto prevê a construção de sete viadutos ao longo dos 24 quilômetros de dois corredores, em pontos que vão ser definidos pelo IPPUL. Essas obras são necessárias, porque o BRT é baseado no tráfego rápido dos ônibus. Por isso, ele vai exigir soluções para pontos de lentidão como rotatórias e cruzamentos.

Serão utilizados veículos articulados ou biarticulados. O IPPUL deverá coordenar uma pesquisa de origem e destino domiciliar para identificar o público potencial do sistema de transporte coletivo dentro da nova realidade que será implantada na cidade. A diretora de Trânsito e Sistema Viário do instituto,Cristiane Biazzono Dutra, explica que o estudo permitirá dimensionar o serviço e definir, por exemplo, quantos e quais tipos de veículos (articulados, biarticulados ou convencional) serão necessários nos horários de pico e nos demais ao longo do dia.

Cristiane afirma que a implantação do BRT inclui uma reformulação das linhas do transporte urbano. Serão promovidas adequações para fazer a integração com os dois corredores. Parte das linhas atuais passará a funcionar como alimentadoras do BRT. A mudança maior, porém, deverá ser no perfil de todo o sistema. O objetivo do IPPUL é atrair mais usuários para transporte público, em especial aqueles que hoje utilizam automóveis. “Nossa intenção é trazer para o sistema pessoas que hoje não utilizam o ônibus no seu dia-a-dia”, explica Cristiane Dutra.

Segundo estimativa da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), feita com base nos dados atuais do sistema, 25,5 mil pessoas deverão usar o BRT diariamente, que representam 32% dos usuários dos ônibus urbanos.

READ MORE - Sistema BRT será implantado na cidade de Londrina

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960