Transporte coletivo em Mogi das Cruzes volta ao normal após a greve

quarta-feira, 6 de março de 2013

A Prefeitura de Mogi das Cruzes informou que no fim da manhã desta quarta-feira (14) que o transporte público municipal foi 100% normalizado e que já não havia mais atrasos.

Por volta das 15h, Reginaldo Paccini, diretor do Sindicato dos Rodoviários de Mogi das Cruzes, Suzano e Região, disse que representantes do sindicato tinham ido com um grupo de funcionários até a empresa para negociar a manutenção do emprego dos trabalhadores que fizeram a paralisação, considerada ilegal pela entidade, que não apoiou o movimento. “Por lei, qualquer tipo de greve no setor de transporte deve ser notificada com 72 horas de antecedência em edital em jornal, além disso tem que ser feita assembleia", disse.

Às 12h30 a CS Brasil, concessionária de transporte urbano de Mogi das Cruzes e integrante do Consórcio Unileste de transporte intermunicipal, tinha dito que não recebeu nenhum pedido oficial dos trabalhadores para falar sobre demissões e ainda completou que "independente das medidas legais a serem tomadas, respeitará todos os direitos trabalhistas assegurados pela Constituição e que todas as tratativas somente serão feitas com o representante legal da categoria. A orientação é que todos os colaboradores voltem ao trabalho imediatamente como determina a liminar de Justiça."

A CS Brasil disse ainda que "repudia a ação deste grupo isolado de grevistas, que, arbitrariamente, tentou impor sua vontades à margem da lei, conforme liminar concedida na noite de terça-feira (5), a favor da empresa. Este grupo não representa o alto nível de colaboradores da companhia, que, desde ontem, não mediram esforços para amenizar os transtornos à população causados pelos grevistas." A empresa ainda completou que "a paralisação, ilegítima e não reconhecida pelo próprio sindicato da categoria, foi encerrada. Neste momento, a situação está 100% normalizada nas linhas municipais e opera a 80% nas linhas intermunicipais, com pequenos atrasos."

Por Fernanda Lourenço
READ MORE - Transporte coletivo em Mogi das Cruzes volta ao normal após a greve

Sem acordo, Greve de ônibus continua em Juiz de Fora

Após cerca de cinco horas de negociações, acabou sem acordo a reunião entre Sinttro e Astransp, realizada no Ministério do Trabalho. Com isso, a greve dos rodoviários em Juiz de Fora, que começou ontem, continua amanhã. 

As expectativas por um acordo ficam concentradas agora em nova rodada de negociações que será realizada amanhã pela manhã, desta vez com intermédio do Tribunal Regional do Trabalho, em Belo Horizonte. 

Segundo informações preliminares do Ministério do Trabalho, o Sinttro terá que cumprir a determinação do próprio TRT de que 80% da frota deve voltar a circular nas ruas da cidade, medida em vigor desde a noite de ontem. Hoje, apenas 15% dos veículos atenderam a população.

A greve dos rodoviários mudou a cara da Avenida Rio Branco. Antes exclusiva dos ônibus, a pista central da via tem recebido skatistas, ciclistas e até pessoas praticando esportes, além dos taxistas, que foram autorizados a trafegar na faixa enquanto durar a greve. Como alguns ônibus voltaram a circular hoje, o uso da pista exclusiva por eles começaram a se tornar perigoso.  

READ MORE - Sem acordo, Greve de ônibus continua em Juiz de Fora

Prefeitura de São Paulo segura tarifa de ônibus até junho

Apesar do segundo reajuste de preço do diesel no ano, a Prefeitura de São Paulo não pretende antecipar o aumento da tarifa de ônibus e manterá o valor de R$ 3 até junho. O argumento é que o novo reajuste é pontual e não impacta no subsídio e na remuneração das empresas.

A Prefeitura reiterou que manterá o compromisso assumido com o governo federal de postergar o reajuste, que seria no início do ano, no esforço de reduzir a pressão inflacionária. No entanto, vereadores já questionam de onde sairá o recurso para que o prefeito Fernando Haddad cumpra o compromisso firmado com o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Nesta quarta-feira, o vereador Aurélio Nomura (PSDB) apresentou à Comissão de Finanças um requerimento pedindo que a Secretaria Municipal de Finanças e Desenvolvimento Econômico explique como será pago o rombo gerado para bancar a tarifa a R$ 3 até junho.

Cálculo da própria comissão, divulgado pelo jornal O Estado de S. Paulo na sexta-feira (1), aponta que o desembolso mensal da prefeitura chega a R$ 50 milhões mensais, o que equivale a um gasto extra de R$ 300 milhões apenas no primeiro semestre. "Esse adiamento do preço na passagem de ônibus no primeiro semestre está custando o equivalente a R$ 50 milhões de prejuízos mensais para os cofres públicos e isso não está dentro da peça orçamentária", disse Nomura.

Os vereadores presentes decidiram aperfeiçoar o documento, para que o Executivo encaminhe uma resposta precisa à Câmara. Na próxima quarta-feira (13), o requerimento deve ser reapresentado e possivelmente votado. Ao reapresentar o requerimento na semana que vem, o vereador do PSDB pretende incluir os dois reajustes do diesel como fatores que podem aumentar o gasto municipal. No final de janeiro, a Petrobras reajustou o diesel em 5,4% e, na noite de terça-feira (5), fez novo aumento, de 5%.

"Vamos ter que fazer esse debate, discutir de onde sairão os recursos, qual o impacto. Vamos discutir isso aqui na Câmara a partir do momento que o Executivo enviar para cá sua proposta", disse o vereador do PT Paulo Fiorilo, integrante da comissão.

O petista adiantou que há no orçamento a possibilidade de remanejamento, o que possibilitaria Haddad manter o compromisso com o governo federal de garantir que o reajuste das tarifas de ônibus saia só em junho. Nomura reitera, contudo, que "algum lugar o prefeito vai ter de descobrir" para fazer o remanejamento, e a intenção é saber "de onde ele vai tirar esses recursos".

READ MORE - Prefeitura de São Paulo segura tarifa de ônibus até junho

No DF, Ônibus executivos já transportaram mais de 5 mil passageiros

Em pouco mais de um mês, 5,2 mil passageiros já utilizaram o serviço executivo de ônibus que liga o Sudoeste à Esplanada dos Ministérios. A média é de quase 200 usuários por dia. A linha 0.165, que começou a operar no dia 14 de janeiro, circula de segunda a sexta, das 7h às 19h, com cinco micro-ônibus que possuem ar-condicionado, poltronas reclináveis e internet gratuita.

O servidor público Josemir Rodrigues é um dos usuários frequentes do serviço. Morador do Cruzeiro Novo, ele procura utilizar o executivo para se deslocar, pela manhã, para a Esplanada dos Ministérios e voltar, à tarde, para casa. "O veículo é muito confortável e a viagem é rápida, mesmo passando pelo Sudoeste", conta.

Rodrigues se diz satisfeito com o custo-benefício dos novos micro-ônibus. "Viajar sentado traz muito conforto para o passageiro. Isso me lembra dos serviços de transporte prestados em Brasília na década de 90". A modalidade não é novidade no DF. Serviço semelhante foi prestado pela Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília (TCB), entre os anos de 1975 e meados da década de 1990.

A também servidora pública Ana Carolina Melo, moradora do Sudoeste, teve que deixar o carro na oficina e aproveitou para viajar pela primeira vez no executivo. "O transporte convencional não possui o mesmo conforto. Além disso, os dias em Brasília estão muito quentes, e andar em ônibus com ar-condicionado é muito bom", destaca.

Durante o trajeto, Carolina aproveitou a internet gratuita para conferir seu e-mail e sites de notícia. O trajeto do terminal até o ministério onde a servidora trabalha demorou pouco mais de 20 minutos. "Vou chegar antes para uma reunião que estava com horário pré-agendado", comemora.

Ampliação – Segundo o presidente da TCB, Carlos Alberto Koch, os dados são positivos e a intenção é expandir a linha recém-criada para atender à solicitação dos moradores. "Vamos adquirir mais micro-ônibus para ampliar o serviço e atender servidores dos tribunais, além de outras regiões", adianta.

O objetivo do serviço executivo é aumentar a mobilidade urbana e reduzir o número de carros na região central do Plano Piloto. "O custo material para o usuário será praticamente o mesmo de hoje, sem o risco de deixa seu carro em um estacionamento vulnerável a furto, por exemplo. O executivo possui um nível de conforto que estimula o usuário a deixar o carro em casa e a se deslocar de ônibus", justifica o diretor-geral do Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans), Marco Antonio Campanella.

Serviço - A nova linha 0.165 – Sudoeste/Esplanada – circula entre 7h e 19h, de segunda a sexta-feira, com saídas a cada 15 minutos do Terminal Rodoviário do Cruzeiro. Para viajar nos veículos, identificados com a logomarca da Copa das Confederações, os usuários pagam R$ 5. Os carros também contam com validadores do Sistema de Bilhetagem Automática (SBA) do DFTrans para pagamento de passagens com cartões.

READ MORE - No DF, Ônibus executivos já transportaram mais de 5 mil passageiros

Governo federal libera R$ 162 milhões para mobilidade urbana de Florianópolis

O governo federal deve destinar R$ 162 milhões nesse ano para obras de pavimentação e mobilidade urbana na Capital. O anúncio, feito nesta quarta-feira, possibilita a elaboração de projetos importantes para a cidade, entre eles a construção de um teleférico ligando a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e o Ticen (Terminal de Integração do Centro). 

Segundo o vice-prefeito e secretário municipal de Obras, João Amim, o recurso, vindo do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento), só foi possível devido a reuniões com o Ministério das Cidades realizadas antes mesmo da posse da nova administração. "Vamos ainda colocar canaletas exclusivas do transporte coletivo nas avenidas Beira-mar Norte, Rio Branco e Gama D'Eça, além das ruas do trajeto entre Ticen e universidade. Faremos também a pavimentação da marginal da Beira-mar Norte até a Casa D'Agronômica e a duplicação da Edu Vieira", destacou.

A rua Padre Rohr, na Barra do Sambaqui, e a rua Pastor William Richard Schisler Filho, no Itacorubi, também ganham pavimentação.

Por Emanuelle Gomes
READ MORE - Governo federal libera R$ 162 milhões para mobilidade urbana de Florianópolis

Cidades do ABC Paulista querem corredores de ônibus integrados

As cidades do ABC Paulista devem ter corredores de ônibus interligados para aumentar a velocidade operacional do transporte coletivo da região, que hoje é considerada baixa e que não permite que o transporte público consiga convencer o proprietário do automóvel a deixar o carro em casa.

A integração de corredores municipais e criação de espaços preferenciais para ônibus de caráter intermunicipal fazem parte dos estudos das sete cidades da região sobre mobilidade urbana.

A ligação entre os futuros corredores municipais de São Bernardo do Campo com os de Diadema e a criação de espaços preferenciais no eixo entre São Caetano do Sul, Santo André, Mauá e Ribeirão Pires estão nos planos. No entanto, a maior parte das propostas não tem datas e especificações técnicas definidas.

Nesta segunda-feira, dia 04 de março de 2013, os prefeitos se reuniram no Consórcio Intermunicipal do ABC e após reuniões e estudos das pastas municipais de transportes que atuaram em conjunto, listaram um pacote de 116 possíveis obras que devem atender 16 eixos principais da região.

Nem todas estas obras se referem ao transporte coletivo. Há intervenções simples como adequações geométricas de vias até mais complexas como novas avenidas e viadutos.

Em aproximadamente 15 dias, a lista deve ser entregue à equipe da Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, para que a região consiga liberação de recursos federais para algumas destas propostas de obras.

O prefeito de São Bernardo do Campo e presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC, Luiz Marinho, disse que nem todas as obras propostas receberão financiamento do Governo Federal, mas que a partir da aprovação das obras, será possível definir as prioridades. A partir deste momento, ele acredita que será possível estabelecer convênios com o Governo Federal dentro de um prazo de 90 dias. Mas as obras só devem sair do papel em 2014.

Ele estima que entre as intervenções viárias e de transportes coletivos, o pacote de obras deve custar entre R$ 9 bilhões e R$ 10 bilhões.

“Não podemos dizer que temos um projeto ainda. A equipe técnica contratada está trabalhando. Nós demandamos olhando as sete cidades. Hoje podemos chamar de pré-estudo para ser complementado para virar um plano de mobilidade regional de intervenções viárias e de intervenções para o transporte coletivo” – disse Marinho se referindo ao fato de que as propostas só devem virar planos depois de o Governo Federal definir o quando deve liberar de recursos para a região.

“Se você for analisar que o Governo Federal tem R$ 38 bilhões disponíveis agora para a mobilidade em todo o País, R$ 10 bilhões só para o ABC é algo ousado. Mas querermos mostrar ao Governo Federal o tamanho problema da mobilidade na região” – complementou Marinho.

O Consórcio também pretende apresentar as propostas ao Governo do Estado para também ter a contrapartida estadual nas intervenções de mobilidade.

Mesmo desenvolvendo corredores municipais, as cidades estudam a possibilidade de integrar estes espaços com corredores de municípios vizinhos.

Entre as propostas estão a comunicação de corredores de São Bernardo do Campo com Diadema e a criação de espaços prioritários para os ônibus no chamado eixo Sudeste entre São Caetano do Sul, Santo André, Mauá e Ribeirão Pires.

A coordenadora do GT (Grupo de Trabalho de Mobilidade) do Consórcio, Andrea Brisida, diz que obras viárias são importantes, mas destaca que somente o investimento em transporte público é que vai permitir uma melhoria no ir e vir das pessoas para o futuro.

“Na verdade, todas as obras que priorizam o transporte coletivo visam o futuro. Hoje todo nosso sistema viário está saturado. Não há via que se faça que dê contra do aumento da frota. Os prefeitos já começaram a perceber que o foco está no transporte público. Apesar de ser um grande pacotão de obras viárias (a lista das 116 intervenções aprovada pelos prefeitos nesta segunda-feira) ele não perde a priorização do transporte coletivo. 

A bifurcação da linha 18 (monotrilho, formando um “Y”passando pela região do Córrego Taioca, sendo interligado ao Terminal de Ônibus de Vila Luzita) já visa o futuro. Repactuar com o Estado a necessidade do Expresso ABC – Guarulhos e do Expresso ABC, da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) também precisa ser reforçado. 

Um dos corredores mais importantes que nós elencamos como eixo é o Corredor Sudeste, que é a ligação desde o limite de São Caetano do Sul com São Paulo, vindo pela Dom Pedro II, Perimetral (Santo André), Avenida João Ramalho, Avenida Capitão João (Mauá) até a Avenida Humberto de Campos (Ribeirão Pires). Todo este eixo é o principal de Transporte Coletivo da Região do ABC. O tipo de priorização, ainda não conseguimos detalhar. 

Pode ser um corredor de ônibus, faixas preferenciais em horários de pico. Depende do detalhamento de cada trecho destes projetos. Esse viário tem características diferentes em cada trecho. Mas a gente identificou que é um eixo prioritário de transporte coletivo sim.” – explicou a coordenadora do GT – Grupo de Trabalho de Mobilidade do Consórcio Intermunicipal do ABC, Andrea Brisida.

Ela também disse que o Consórcio aguarda as definições sobre a licitação da área 5 da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, corresponde aos serviços de ônibus intermunicipais do ABC Paulista, o único lote da Grande São Paulo que não opera de acordo com a lei e ainda tem contratos de permissão precária e não de concessão. A proposta principal quanto a área 5 é eliminar as sobreposições de linhas municipais com intermunicipais de ônibus.

O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, e presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC, disse que espaços para ônibus da cidade serão ligados às vias para transporte coletivo de Diadema.

“Os corredores das cidades se integrarão. Por exemplo, o corredor Leste/Oeste de São Bernardo do Campo vai até dentro do Terminal de Diadema. Então este corredor estará conectado a outros corredores de Diadema.  Assim será com outras cidades. Essas intervenções de divisas (propostas pelo Consórcio) vão ajudar na ligação de corredores municipais. 

Exemplo, essa intervenção da Lauro Gomes com São Caetano do Sul dando sequencia da Guido Aliberti, do lado de São Paulo, que não existe. A Lauro Gomes segue até a divisa com São Paulo e dá sequencia na marginal na regiã., no lado de São Caetano e do outro lado do rio até a Avenida Goiás” – contou Marinho que revelou também que Santo André já realiza um estudo para a implantação de corredores municipais de ônibus e que Mauá vai também iniciar estudos para corredores de ônibus do sistema da cidade, hoje servido pela Viação Cidade de Mauá e Leblon Transporte de Passageiros.

Entre as obras viárias, Luiz Marinho citou a duplicação da Rodovia Índio Tibiriçá e Caminho do Mar, eliminação de cruzamentos livres na Avenida do Estado e a extensão da Lauro Gomes, que pode vir a cruzar a Avenida Pereira Barreto.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes


Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Cidades do ABC Paulista querem corredores de ônibus integrados

Sem subsídio, Tarifa de ônibus de Curitiba deve subir para R$ 3

O governador Beto Richa (PSDB) anunciou ontem que não renovará o convênio que subsidia a tarifa de ônibus de Curitiba e de mais 13 municípios que compõem a Rede Integrada de Transporte (RIT). Na prática, o corte da ajuda financeira pressiona a Urbs a reajustar o valor da passagem para mais de R$ 3 considerando que a tarifa técnica hoje é de R$ 3,05.

Outra alternativa – mais drástica, mas não descartada – é encerrar a integração tarifária do sistema, adotando preços diferenciados para Curitiba e região metropolitana (RMC) – hoje, os usuários da RIT pagam o mesmo valor cobrado na capital. Nesse cenário, a passagem na RMC pode chegar a R$ 4,10.

Pago desde o ano passado, o subsídio estadual ajuda a Urbs a equilibrar as contas do transporte metropolitano, que custa mais caro. O atual acordo se encerra no dia 7 de maio. “Na história do transporte público do Paraná, nunca houve um subsídio de tarifa por parte do governo do estado. Nós auxiliamos por um determinado momento, mas o governo não pode ser sobrecarregado com mais essa despesa”, afirmou Richa.

A notícia pegou de surpresa a prefeitura de Curitiba, já que a Urbs vinha negociando um aditamento desse subsídio e a possibilidade de firmar um convênio a longo prazo. “Todo o sistema vem trabalhando com esse cenário e nós temos que repactuar essa relação sem prejuízo e sem risco para a integração”, disse o prefeito Gustavo Fruet (PDT), que espera uma comunicação oficial do governo do estado para tomar qualquer posição a respeito.

Suporte legal

A Urbs mantém a integração do transporte a partir de três esferas: financeira, com a cobrança de uma tarifa única; técnica, com o comando de operação conjunto; e institucional, que a permite operar o transporte metropolitano. Para o presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Júnior, o término desse convênio afeta o suporte institucional e impede a operação da Urbs na RMC. “Se, a partir de 7 de maio, não tivermos suporte legal, é importante deixar claro que a Urbs não vai poder operar”, avalia.

Para Rui Hara, presidente da Comec, o corte do subsídio não vai implicar no fim do convênio para integração do sistema, que existe desde a década de 1990. “O subsídio será mantido até o término do atual convênio. Depois disso, é preciso se pensar em um sistema para ver como vamos fazer daí pra frente, o que ainda não está definido”, diz.

Prefeitura já paga R$ 3,05 às empresas

Apesar de não ter reajustado o valor da passagem para o usuário do transporte coletivo, a prefeitura de Curitiba já estimou em R$ 3,05 o custo técnico mínimo do sistema e já paga esse valor para as empresas. “Não importa o que a prefeitura vai cobrar do usuário. Na hora que define a tarifa técnica, esse é o valor que a prefeitura vai pagar para as empresas e já estamos pagando a nova tarifa técnica para elas, considerando a região metropolitana”, explicou o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT). Até o ano passado, a tarifa técnica era de R$ 2,89.

O prefeito disse que até amanhã serão anunciadas a nova tarifa para o usuário e algumas medidas para que haja mais transparência no debate da tarifa, sem prejuízo à população.

Decisão judicial

O presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Júnior, lembra que um acordo judicial de agosto de 2012, celebrado entre o governo do estado, a prefeitura de Curitiba e as empresas de ônibus metropolitanas, determina que elas recebam a mesma remuneração que as empresas que operam na capital, o que encareceu ainda mais a tarifa técnica na época. “Ficou estabelecido que quando o convênio entre Comec e Urbs fosse encerrado, a responsabilidade do subsídio na operação metropolitana seria do governo do estado”, diz.

Tarifa de domingo pode sofrer reajuste

A tarifa domingueira da Rede Integrada de Transporte (RIT), de R$ 1 pode ser revista, de acordo com o presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Júnior. O benefício começou a ser concedido em 2005, quando o preço da passagem era de R$ 1,90 para o usuário e foi baixado para R$ 1,80 pelo então prefeito Beto Richa, no mês de maio. Desde então, o custo da tarifa subiu cerca de 44,4%, mas a domingueira nunca sofreu reajuste.

Por mês, cerca de 1,6 milhão de passageiros pagam a passagem mais barata aos domingos. Isso representa uma diferença de R$ 1,89 em relação ao custo real da passagem, segundo Silva Júnior. “Essa tarifa precisa ser reavaliada porque acaba onerando ainda mais o usuário nos dias da semana”, diz.

READ MORE - Sem subsídio, Tarifa de ônibus de Curitiba deve subir para R$ 3

Prefeitura de Porto Alegre divulga situação das obras de mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014

A Prefeitura de Porto Alegre divulgou nesta terça-feira (5) a situação das obras de mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014. As nove melhorias previstas estão em andamento, e também foi construída uma central para o monitoramento do trânsito. Segundo a administração municipal, a verba prevista aumentou de R$ 423,7 milhões previstos em 2010 para cerca de R$ 888 milhões, possibilitando algumas alterações.

Os corredores de ônibus pelo sistema Bus Rapid Transit (BRT) serão mais extensos que o inicialmente previsto, e novos terminais de ônibus serão construídos. O aumento na verba também viabilizou que a Avenida Moab Caldas, a Tronco, seja adaptada para o sistema.

O projeto do viaduto da Avenida Bento Gonçalves também foi aperfeiçoado, sendo preparado para receber a estação do Metrô. O secretário de Gestão, Urbano Schmitt, reconheceu que parte das construções causam transtornos, mas destacou a importância das mudanças na cidade.

“Ninguém gosta dos transtornos causados pelas obras, mas quando estiverem prontas, Porto Alegre terá inúmeras vantagens”, disse Schmitt. “O transporte público, por exemplo, será mais rápido e oferecerá mais segurança e conforto. A cidade terá belas avenidas e tratamento paisagístico diferenciado”, acrescentou.

Confira a situação das obras

1 - Avenida Tronco
Avenida Tronco terá corredor de ônibus e ciclovia (Foto: Divulgação/PMPA)
Um dos principais entraves para o início das obras na Avenida Moab Caldas era a desapropriação das residências à margem da via. Segundo a prefeitura, após a realização de 25 assembleias com a comunidade, e a constituição de um comitê de trabalho com lideranças locais eleitas pela população, o município adquiriu 43 áreas, localizadas em um raio de dois quilômetros da avenida para a construção de 1,5 mil habitações. Outras 332 famílias optaram por receber um bônus de cerca de R$ 52,3 mil. As empresas selecionadas para o programa estão em fase de contratação.

Residências serão desapropriadas na Avenida Tronco (Foto: Jessica Mello/G1)
A obra prevê a duplicação da via nos dois sentidos, a construção de uma ciclovia e de um corredor de ônibus. A avenida será uma alternativa para o deslocamento na Zona Sul da cidade. Quatro trechos estão em andamento.
Valor da obra: R$ 156 milhões

2 - BRT Protásio Alves
Situação: em andamento.
Cinco trechos da obra estão em andamento: entre as ruas São Simão e Teixeira Mendes; São Mateus e Cristiano Fischer; Lucas de Oliveira e Amélia Telles; São Manoel e Ramiro Barcelos; Ramiro Barcelos e João Telles. Como consequência, o cruzamento da Avenida Osvaldo Aranha com a rua Fernandes Vieira está bloqueado. O desvio é feito pelas ruas Vasco da Gama, Irmão José Otão e Santo Antônio. A rua Santo Antônio é a principal alternativa para atravessar a Osvaldo Aranha.
Valor: R$ 77,9 milhões

3 - BRT Padre Cacique e João Pessoa

O corredor de ônibus da Avenida João Pessoa está sendo readequado entre a Avenida Azenha e a Rua André da Rocha, em 3,2 quilômetros. A obra deverá ficar pronta em setembro deste ano, diz a prefeitura. No momento estão em obras os trechos entre a Avenida Venâncio Aires e Rua Otávio Correa. Na Azenha, entre a Praça Piratini e rua Professor Freitas de Castro. Não há desvios de trânsito.
Valor: R$ 64,5 milhões

A Avenida Padre Cacique terá um corredor duplo de 2,1 km no trecho compreendido entre a Avenida José de Alencar e o viaduto da Pinheiro Borda, e de 2,6 km de corredor simples, do viaduto à Avenida Chuí. As obras devem iniciar na próxima semana, e a previsão de conclusão é para abril de 2014. Desvios serão feitos pela Avenida Edvaldo Pereira Paiva.
Valor: R$ 51,6 milhões

Estação de BRT conforme projeto em andamento em Porto Alegre (Foto: Divulgação/PMPA)

4 - BRT Bento Gonçalves e Terminal Antônio Carvalho
Situação: em andamento.
A Avenida Bento Gonçalves também terá um terminal de BRT, em uma extensão de 6,5 quilômetros, com 24 estações. Um novo terminal também será construído na Avenida Antônio de Carvalho. A obra deverá estar pronta em agosto de 2013.

A construção de um viaduto sob a Avenida Bento Gonçalves, entre as avenidas Salvador França e Aparício Borges, causa reflexos no trânsito. O desvio no sentido Sul-Norte é feito pela Aparício Borges, Veiga, Guedes da Luz, Bento Gonçalves, Guilherme Alves, Felizardo e Salvador França. Já na direção contrária, os condutores de veículos devem acessar Salvador França, Valparaiso, Barão do Amazonas, Bento Gonçalves, Doze de Outubro, Mário de Artagão e Aparício Borges.
Valor: R$ 52,7 milhões

5 - Duplicação da Rua Voluntários da Pátria
A Rua Voluntários da Pátria, no Centro de Porto Alegre, terá 3,5 km de extensão duplicados, entre a Rua da Conceição e a Avenida Sertório, e ganhará um terminal de ônibus junto à estação São Pedro do Trensurb, o trem que liga Porto Alegre à Região Metropolitana.
A primeira etapa, que compreende 2,5 km entre a Rua da Conceição e a Avenida Sertório, teve início em agosto de 2012, e deve ser concluída um ano depois. O trecho restante está em fase de licitação.
Valor: R$ 64,5 milhões

6 - Complexo da Rodoviária
A Rodoviária de Porto Alegre fica no Centro da cidade, o que causa um grande congestionamento no local. Para aliviar o tráfego no entorno do complexo, um viaduto está sendo construído sobre a Rua da Conceição, ligando a Avenida Júlio de Castilhos à Castelo Branco. A obra prevê também uma estação de ônibus com acesso subterrâneo, e deverá estar pronta no final de 2013.
Valor: R$ 31,5 milhões.

7 - Implantação de cinco obras na Terceira Perimetral
O corredor da Terceira Perimetral, que liga as zonas Norte e Sul de Porto Alegre, terá cinco passagens subterrâneas e dois viadutos ao longo dos 12,3 quilômetros de extensão. O objetivo é fazer uma ligação entre o Beira-Rio e o Aeroporto Salgado Filho sem passar pela Região Central. Segundo a prefeitura, as obras devem estar prontas em 2014.

Estão em construção as passagens subterrâneas da Rua Anita Garibaldi e das avenidas Ceará e Cristóvão Colombo, além do viaduto da Avenida Bento Gonçalves. Já passagem subterrânea entre as avenidas Carlos Gomes e Plínio Brasil Milano está em fase de licitação.
Valor: R$ 194,1 milhões.

8 - Duplicação da Avenida Beira-Rio
A Avenida Edvaldo Pereira Paiva, a Beira-Rio, que liga o Centro à Zona Sul passando pelo Estádio Beira-Rio, ganhará três novas faixas nos 5,8 quilômetros entre a Usina do Gasômetro, ponto turístico na orla do Guaíba, e o viaduto da Pinheiro Borda. Uma ponte sobre o Arroio Dilúvio foi construída como parte da obra. Outro viaduto, já em construção, ligará a Avenida Pinheiro Borda à Edvaldo Pereira Paiva, sobre a Padre Cacique.
Valor: R$ 119,2 milhões

9 - Prolongamento da Avenida Severo Dullius
Situação: em andamento
É na Avenida Severo Dulluis que fica o Aeroporto Salgado Filho. O objetivo do prolongamento é facilitar o acesso da Zona Norte aos dois terminais. Para isso, a via será estendida em 2,4 quilômetros. Além das três pistas, será feita a calçada, com iluminação, e a canalização de esgoto pluvial. Parte da obra foi concluída como medida compensatória por uma rede de supermercados.
Valor: R$ 83 milhões

10 - Monitoramento dos três corredores
Além das obras nas vias, foi concluído um centro de monitoramento do tráfego, para que técnicos da EPTC controlem o fluxo nos corredores de ônibus da Avenida Tronco, da Avenida Padre Cacique e da Terceira Perimetral. Além de acompanhar o tráfego em um circuito interno de televisão, os técnicos poderão também controlar os semáforos conforme as necessidades do tráfego.
Valor: R$ 14,4 milhões

READ MORE - Prefeitura de Porto Alegre divulga situação das obras de mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014

Greve no transporte coletivo de Manaus é adiada

Sendo anunciada desde a semana passada para acontecer nesta quarta-feira (6), a greve dos motoristas de cobradores de ônibus em Manaus foi adiada por, pelo menos, 72 horas.

A decisão de adiar a greve foi tomada durante assembleia da categoria realizada na tarde desta terça-feira (5).

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM), Elcio Campos, eles irão esperar até sexta-feira (8) para tentar negociar um acordo com os empresários de ônibus.

"Se até sexta não houver acordo, na próxima segunda-feira (11) faremos outra assembleia, para, aí sim, discutir sobre a greve", informou Campos.

Os rodoviários reivindicam o cumprimento, por parte dos empresários, dos itens acertados na audiência que ocorreu no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 11ª Região em janeiro, quando foi suspensa a convenção coletiva assinada pela junta corporativa.

Mesmo só podendo acontecer na semana que vem, o vice-presidente da STTRM diz que a greve será nos mesmos moldes da que seria feita agora, ou seja, 30% dos ônibus iriam ficar nas garagens e 70% iriam circular com catraca livre, sem cobrar a tarifa dos passageiros.

Até o momento, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Manaus (Sinetram) não se manifestou sobre o assunto.

READ MORE - Greve no transporte coletivo de Manaus é adiada

No Recife, Estudantes sofrem com poucos ônibus durante a noite

Rotina infeliz, estudantes que estudam no centro do Recife reclamam dos poucos ônibus oferecidos depois das 21 horas, eles relatam que a oferta de ônibus é pouca visto a quantidade de estudantes e trabalhadores que ficam nas paradas.

Os maiores problemas acontecem principalmente na Avenida Conde da Boa Vista e Agamenom Magalhães, onde muitas escolas, faculdades e cursos tecnicos se encontram nessas redondezas.

Para se ter uma idéia, as paradas ficam lotadas e em vários momentos estudantes ficam esperando o coletivo na pista.

No corredor da Conde da Boa Vista por exemplo, além da demora dos ônibus que causam a lotação, os usuários tem que ficar nas paradas sujas e sem iluminação, um verdadeiro absurdo.

As linhas que receberam mais reclamações foram: Setúbal, Vila Dois Carneiros, UR-02(Ibura), Santa Casa/Joanna Bezerra e Alto Santa Izabel.

É um absurdo, parece que não tem ônibus mesmo, agente fica esperando mais de meia hora e quando vem, já está lotado disse o professor Paulo Petrônio, morador da Encruzilhada.

O sistema de transporte hoje no Recife só tem reforços para Carnaval, jogos de futebol, mas para beneficiar a classe trabalhadora e os estudantes não tem, infelizmente.

Do jeito que está a situação, cria-se na cabeça desses estudantes que de certa forma é melhor mesmo comprar um carro e engarrafar ainda mais o trânsito no Recife, pois o cenário faz com que os estudantes não pensem em outra coisa enquanto o governo não olhar e melhorar a qualidade e oferta de ônibus para estes estudantes que se preparam todos os dias para termos um mundo melhor.

Em breve ainda nesta matéria teremos resposta do GRCT sobre este assunto.


Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

READ MORE - No Recife, Estudantes sofrem com poucos ônibus durante a noite

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960