Estudo acirra críticas ao aumento das passagens de ônibus em Porto Alegre

sexta-feira, 1 de março de 2013

Se um motorista de ônibus da Capital resolvesse gastar todo o seu salário mensal em passagens para andar no veículo em 2012, ele teria feito 610 viagens. Em 1996, seriam 1.380. O estudo, intitulado A Manutenção do Desincentivo ao Transporte Coletivo em Porto Alegre, tornou-se mais um elemento da saga do reajuste das passagens de ônibus na cidade — pedido em 15,8%.
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS
A comparação foi feita pelo escritório gaúcho do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que contrapõe os argumentos das empresas do setor para justificar o aumento da tarifa de ônibus na Capital.

O balanço do Dieese — entidade de estudos econômicos vinculada a sindicatos — põe lado a lado a inflação pelo INPC na Capital e o percentual de reajuste das passagens entre 1994 e 2012 para criticar: enquanto a alta dos preços foi de 281,31% nesse período na cidade, o preço do transporte coletivo subiu 670,27%.

Quanto ao combustível, há mais controvérsias. Para o Dieese, em um ano o óleo diesel subiu 5,8% na cidade. As empresas de ônibus garantem que foi 15,03%.

"Nesse momento, não gostaríamos de nos manifestar", foi a frase ventilada pelo Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa) ontem para explicar que não rebateria o estudo.

TCE apreciará o caso na quarta-feira

Se aprovado sem redução, o novo valor da tarifa de ônibus, protocolado pelo Seopa na Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), seria o maior entre as capitais brasileiras. A repercussão do assunto subiu os degraus da hierarquia na prefeitura até o prefeito José Fortunati.

— Fora de cogitação — disse o prefeito, ao rejeitar que o preço atual, de R$ 2,85, passe para R$ 3,30.

Em 25 de janeiro passado, o procurador-geral do Ministério Público de Contas, Geraldo da Camino, pediu a revisão do cálculo do reajuste. A medida cautelar aponta que a fórmula deve se restringir às despesas de manutenção da frota em uso, sem contar os ônibus reservas. O caso será apreciado pelo Pleno do Tribunal de Contas do Estado na próxima quarta-feira.

Carris pode balizar somente serviços

Quem se indaga sobre o papel da Carris na composição dos preços para andar de ônibus, pode imaginar que seria possível um papel estilo Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil na questão dos juros e custos bancários. Algo como um regulador público de preços no setor do transporte. Não é bem assim.

Como tem serviços considerados melhores que os das companhias privadas, segundo a EPTC, a Carris acaba custando mais caro e quase não teria lucro, diz o diretor-presidente do órgão de trânsito, Vanderlei Cappellari. A empresa pública seria mais uma balizadora de serviços.

No entanto, a Carris está sob a lupa das autoridades. Na quarta-feira, o TCE determinou que o ex-administrador da Carris João Antônio Pancinha Costa devolva aos cofres públicos R$ 238,24 mil, devido a supostas irregularidades na aquisição de serviços e produtos de informática.

Pancinha, que recorrerá, afirmou que a prefeitura questionou a compra por leilão, o contrato foi cancelado, porém já havia sido feito pagamento. Cappellari também está de olho na empresa.

— A Carris vai ter de encontrar uma forma de racionalizar custos e ser autossustentável — afirmou.

Pente-fino nas isenções

Uma das causas do encarecimento das passagens de ônibus em Porto Alegre é a fraude nas isenções — 33% dos passageiros têm algum benefício. Confira alguns itens que estão sendo investigados pela EPTC:

— Cartão do Idoso: indício forte de desvios de recursos por cobradores

— Portadores de deficiência e moléstias: médicos deverão ser contratados pela EPTC para avaliar os beneficiados a cada renovação do benefício e os novos usuários

— Gratuidade para usuário de 60 a 64 anos que ganha até três salários mínimos: muitos moradores de fora da Capital têm utilizado as isenções, por meio da falsificação do comprovante de endereço. Além disso, o cruzamento com dados da Receita Federal e do INSS mostrou que há informações erradas sobre a renda, permitindo gratuidade a pessoas com até R$ 10 mil de ganhos mensais

— Passagem escolar: na lei, o estudante pode utilizar até 150 passagens por mês. Um grupo estuda alterar a norma para reduzir esse número para algo mais próximo daquele que o aluno realmente precisa para se deslocar à escola e voltar

As tarifas em outras capitais

— São Paulo: R$ 3 para até quatro viagens. O último aumento foi em janeiro de 2011. Neste ano, deve haver novo reajuste, mas há chances de o índice ficar abaixo da inflação.

— Porto Alegre: É de R$ 2,85 desde 2012, e o pedido das empresas é por um aumento de 15,8%, para R$ 3,30.

— Belo Horizonte: A tarifa básica, da maior parte das linhas, é de R$ 2,80, reajustada em 29 de dezembro passado o preço anterior era de R$ 2,65. Novo aumento está previsto para 29 de dezembro deste ano.

— Rio de Janeiro: R$ 2,75, sem ar-condicionado. Com ar, os valores vão de R$ 2,85 a R$ 5,40, conforme a distância percorrida. O último aumento ocorreu em janeiro de 2012, e não há previsão de novo reajuste.

— Curitiba: A tarifa de R$ 2,60 substituiu o preço anterior, de R$ 2,50, em março de 2012. Haverá novo reajuste em março deste ano. A chamada tarifa técnica foi calculada em R$ 3,05, mas o valor final ficará abaixo desse patamar.

READ MORE - Estudo acirra críticas ao aumento das passagens de ônibus em Porto Alegre

Lei em Uberaba prevê gratuidade no transporte coletivo a partir de 60 anos

A lei municipal que garante a gratuidade da passagem aos usuários de transporte coletivo com mais de 60 anos em Uberaba deve começar a valer ainda neste mês. O Estatuto do Idoso determinou a gratuidade para pessoas com mais de 65 anos. Uma lei sancionada na cidade em 2005 reduzia a idade para 60 anos, mas nunca foi praticada. Responsável pelo Departamento de Operações e Fiscalização do Transporte Coletivo, Claudinei Nunes, disse que, como toda gratuidade, a mudança vai refletir no preço da tarifa.

Cerca de seis mil passageiros idosos usam, diariamente, a gratuidade do serviço e esse número pode dobrar. Segundo Claudinei, a lei estava sendo apreciada pela Justiça e, por isso, não era aplicada. “A lei estava sub júdice e teve um final após decisão da Justiça e, por isso, não estava sendo cumprida”, justificou.

O responsável pelo transporte coletivo em Uberaba afirmou ainda que, por enquanto, o atual valor da tarifa não muda. Mas garante que o aumento no número de pessoas sendo beneficiadas pela gratuidade trará mudanças no preço. “A gratuidade tem um reflexo na tarifa. Quanto mais você tem uma tarifa de gratuidade, um estudo tem que ser feito. Mas isso não terá reflexo nenhum nesta tarifa atual”, disse.

O presidente da Associação dos Usuários de Transporte Coletivo Urbano (Acobe), José Tiago de Castro, disse que espera a mudança para os próximos dias. “Que a Prefeitura e o Prefeito tenham bom senso e passem a ajudar o cidadão que trabalhou a vida interia a ter condição de ter o transporte gratuito”, afirmou.

Há quase dois anos o pintor afastado do emprego José Carlos Ferreira Rocha, que tem 63 anos de idade, tenta conseguir uma carteirinha que dê a ele o direito de usar o transporte coletivo de graça. Com enfisema pulmonar, o pintor não pode fazer esforço físico e por isso depende do ônibus. “Mesmo com a doença, não consegui o benefício. Agora, com a gratuidade para 60 anos, tenho direito”, concluiu.

READ MORE - Lei em Uberaba prevê gratuidade no transporte coletivo a partir de 60 anos

Seterb inicia pesquisa de lotação no transporte coletivo de Blumenau

A partir desta segunda-feira, o Serviço Autônomo Municipal de Trânsito e Transportes de Blumenau (Seterb), irá iniciar uma pesquisa de demanda e de circulação no transporte coletivo da cidade. A pesquisa busca identificar as condições de lotação e de regularidade nas linhas, para aferir as melhorias que devem ser implantadas.

A primeira linha monitorada será o Troncal 10 - Aterro/Garcia, que transporta aproximadamente 35% dos usuários do sistema. A pesquisa será realizada por oito fiscais do Seterb de manhã, à tarde e à noite, durante três dias. Na sequência, as próximas linhas a serem verificadas são as do sistema troncal e finalmente as alimentadoras. Esta ação faz parte do pacote de medidas que serão adotadas para melhoria do transporte coletivo.

Para melhorar a fluidez do trânsito de veículos na rua Amazonas, principalmente no horário de pico matutino, a partir de amanhã, 26, o ponto de ônibus localizado ao lado da Escola de Educação Básica Santos Dumont será transferido 30 metros à frente.

Também visando melhorar as condições de circulação do transporte coletivo e do trânsito da rua Amazonas, está sendo ativado o "semáforo piscante", no cruzamento das ruas Amazonas com Gertrud Metzger, na faixa horária compreendida entre as 6h45min e 8h15min.

READ MORE - Seterb inicia pesquisa de lotação no transporte coletivo de Blumenau

No DF, Duas empresas são habilitadas para 2ª etapa de licitação dos ônibus

O governo do Distrito Federal divulgou nesta sexta-feira (1º) que apenas duas das  11 empresas que se candidataram para participar da licitação da segunda etapa do novo sistema de transporte público do DF estão habilitadas para continuar no processo.

O Consórcio HP-ITA, de Goiânia e Auto Viação Marechal, de Curitiba, foram os únicos concorrentes a entregar toda a documentação necessária para participar da disputa das bacias 3 e 4, que atendem a dez regiões do DF.  O governo informou que para a bacia 1 deverá ser realizada uma nova licitação.

As outras nove empresas inabilitadas nessa fase da licitação têm prazo de cinco dias úteis para recorrer e apresentar os documentos que foram considerados insuficientes pela comissão de licitação. Esse prazo começa a contar a partir da publicação da lista no Diário Oficial do DF, prevista para ocorrer na próxima segunda-feira (4).

Após esse período, as empresas terão um novo prazo de cinco dias úteis para argumentar contra a nova avaliação feita pelo GDF. Há ainda um prazo de mais cinco dias úteis para eventual apelação.

O secretário de Tranportes, José Walter Vazquez, disse esperar  que até o final deste mês estejam definidos os grupos vencedores da licitação das duas bacias. Em setembro, a nova frota dessas regiões devem estar circulando, afirmou.

Grupo Amaral
Entre os nove grupos inabilitados está o Consórcio Metropolitano, do qual faz parte a ex-mulher do empresário Valmir Amaral, cujas empresas de transporte coletivo tiveram as linhas cassadas pelo GDF na última segunda, por baixa qualidade no serviço. O empresário recorreu contra a decisão do GDF, que ele disse considerar "injusta".

No ano passado, o GDF anunciou duas empresas que vão explorar as bacias 2 e 5 . Os contratos com as empresas Pioneira e São José foi assinado no dia 31 de dezembro. O governo informou que até o dia 30 de junho a frota estará 42% renovada.

O anúncio nesta sexta  foi feito pelo governador Agnelo Queiroz, pelo vice-governador, Tadeu Filipelli e o secretário de Transportes, José Walter Vazquez. O presidente da Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília (TCB), Carlos Alberto Koch, e o diretor geral do DFTrans, Marco Antonio Campanella, também estavam presentes.

O governador considerou uma "vitória" o anúncio desta segunda etapa da licitação que está completando um ano de lançamento neste sábado (2).  “Estamos avançando no processo de licitação apesar de toda resistência, da guerra. São 131 processos para impedir o prosseguimento da licitação e o governo tem vencido todos”, afirmou Agnelo.

Divisão das bacias
O edital divide o DF em cinco bacias e estabelece que cada concorrente poderá controlar apenas uma delas.  A bacia 3 terá uma frota de 483 ônibus  e vai atender as regiões do Núcleo Bandeirante,Samambaia, Recanto das Emas, Riacho Fundo I e Riacho Fundo II .  A bacia 4 contará com 464 veículos que vão atender parte de Taguatinga, Ceilândia, Guará, Águas Claras e parte do Park Way. 

A Viação Pioneira, que já assinou contrato com o GDF,  será responsável pela bacia 2 com 640 ônibus.  As regiões do Gama, Paranoá, Santa Maria, São Sebastião, Candangolândia, Lago Sul, Jardim Botânico, Itapoã e parte do Park Way serão beneficiadas. 

A Expresso São José foi a vencedora da concorrência para a bacia 5 que atende as regiões de Brazlândia, Ceilândia, SAI, SCIA, Vicente Pires e parte de Taguatinga.  Ela terá  576 veículos circulando. 

A bacia 1 que ainda não está definida atende as regiões de Brasília, Sobradinho, Planaltina, Cruzeiro, Sobradinho II, Lago Norte, Sudoeste/Octogonal, Varjão e Fercal. É a menor bacia com uma frota de 417 ônibus.

READ MORE - No DF, Duas empresas são habilitadas para 2ª etapa de licitação dos ônibus

Passagem de ônibus em Nova Friburgo, RJ, aumenta para R$ 2,90

A tarifa de ônibus em Nova Friburgo, Região Serrana do Rio de Janeiro, será reajustada a partir da próxima segunda-feira (4). O valor atual de R$ 2,60 será corrigido para R$ 2,90.  A definição da nova tarifa foi anunciada pelo prefeito Rogério Cabral, após a realização de uma audiência pública na 1ª Vara Cível do município, onde tramitava uma ação proposta pela concessionária cobrando o equilíbrio econômico e financeiro dos serviços de transporte.

O Ministério Público e a Comissão de Transporte da Câmara também participaram da audiência, que durou mais de três horas. No termo de acordo, a concessionária fica obrigada a fazer uma renovação da frota, com 50 ônibus novos, que entram em circulação no mês abril.

Existe a previsão de que outros 30 veículos novos entrem em circulação no primeiro trimestre de 2014. A Friburgo Auto Ônibus Ltda (Faol) também, se comprometeu a arcar com os custos de 20 novos pontos de ônibus em 90 dias e oferecer um reajuste salarial de 10% para os  funcionários.

READ MORE - Passagem de ônibus em Nova Friburgo, RJ, aumenta para R$ 2,90

Acordo político que adiou aumento do ônibus custa a São Paulo R$ 50 milhões por mês

A gestão Fernando Haddad (PT) vai ter de desembolsar cerca de R$ 50 milhões mensais, não previstos no orçamento de 2013, para manter a tarifa a R$ 3 até o mês de junho, como quer o governo federal. O cálculo é da Comissão de Finanças da Câmara Municipal, que prevê um gasto extra de R$ 300 milhões apenas no primeiro semestre.

Pelo menos outros R$ 660 milhões devem ser consumidos em subsídios ao longo do ano, caso a estimativa orçamentária se confirme. Em 2012, esse mesmo valor foi aprovado pela Câmara, mas o total real de gastos atingiu a marca recorde de R$ 953 milhões, conforme dados apresentados ontem à tarde pelo secretário de Finanças, Marcos Cruz.

O subsídio é um mecanismo usado para equilibrar as contas das empresas responsáveis pelo transporte coletivo. Geralmente, quanto maior o repasse para os empresários e cooperados do sistema menor a necessidade de tarifas mais altas. Ou seja, o contribuinte paga indiretamente, por meio da arrecadação de impostos, e não por meio de um preço maior na catraca.

Inflação. O reajuste tem de ser definido até junho, que também é o mês limite para renovação dos contratos de concessão dos ônibus. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, os novos contratos não terão os mesmos critérios para garantir o equilíbrio financeiro das empresas, que hoje podem operar linhas sobrepostas (mais de uma empresa fazendo o mesmo trajeto) para garantir rentabilidade.

A Prefeitura foi questionada sobre o gasto extra decorrente da decisão política. Em nota, limitou-se a dizer que "por solicitação do governo federal, a Prefeitura decidiu postergar o reajuste da tarifa no primeiro semestre deste ano, no esforço de reduzir a pressão inflacionária de janeiro". A solicitação foi feita pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, em 15 de janeiro.

O governo do Estado também decidiu atrasar o reajuste das tarifas de metrô e trens a pedido do governo federal. Até o ano passado, a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) não precisava de subsídios, mas a rede de trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) necessita (chegam a R$ 500 milhões). A reportagem solicitou ao governo do Estado a estimativa sobre aumento, mas não obteve resposta até as 22 horas de ontem.

O custo financeiro para manter a tarifa significa aumento de gastos públicos. Representantes do setor avaliam que o preço ideal da passagem de ônibus hoje seria de R$ 3,40 - o valor não é reajustado há dois anos. Essa diferença, de R$ 0,40, representa uma perda de arrecadação de R$ 592 milhões por ano, segundo cálculos feitos pelos parlamentares com base nas planilhas da São Paulo Transporte (SPTrans) que mostram o custo do sistema. "É preciso debater agora de onde deve sair esse dinheiro", alerta o vereador Paulo Fiorilo (PT), integrante da comissão e possível relator do orçamento de 2014.

Líder de perueiros da zona sul e ligado à maior cooperativa da região, a CooperPan, que tem 1.700 operadores, o vereador Milton Leite (DEM) afirmou que "o sistema não consegue funcionar" sem o repasse extra de R$ 50 milhões.

"Se alguém fizer um cálculo com menos de R$ 50 milhões por mês, com a passagem a R$ 3, é porque não conhece o caixa do sistema de transportes. Até junho, vão ser pelo menos R$ 300 milhões. Nós vamos analisar com cuidado de onde serão transferidos esses recursos."

O gasto não previsto no orçamento rendeu ataques da oposição. Para o líder do PSDB, Floriano Pesaro, "a manutenção política" da tarifa a R$ 3 será paga pelos paulistanos. "É um custo muito alto para manter algo artificial, articulado juntamente com o governo do PT em Brasília", afirmou. A estimativa é de que o acréscimo mensal seria suficiente para construir 16 creches.

O aumento no repasse para pagamento de subsídio já está na planilha de Haddad. Logo que assumiu, em janeiro, o prefeito sinalizou que a decisão de adiar o aumento da tarifa teria consequências para o orçamento municipal. Na época, porém, o petista falou que se tratava de uma "estratégia". Segundo ele, postergar o reajuste deixa o trabalhador com mais dinheiro no bolso por mais tempo.

Por Adriana Ferraz, Bruno Ribeiro, Diego Zanchetta - O Estado de S.Paulo


Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Acordo político que adiou aumento do ônibus custa a São Paulo R$ 50 milhões por mês

Justiça manda grevistas colocarem 80% dos ônibus nas ruas do Rio

A desembargadora Rosana Salim Villela Travesedo, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), decidiu em liminar, na tarde desta sexta-feira (1º), que 80% da frota das companhias de ônibus, que entraram em greve nesta madrugada, deve voltar a circular. O não cumprimento da determinação judicial acarreta multa diária de R$ 200 mil ao sindicato dos trabalhadores rodoviários, além do crime de desobediência.

Segundo a decisão, a desembargadora reconhece o direito de greve da categoria,  mas argumenta que os ônibus devem atender a população para evitar mais uma tarde de caos, na volta para casa dos trabalhadores.

“A fim de se evitar a perturbação de danos irreparáveis à população dessa cidade e a implantação do caos, (.... ) defiro o pedido de liminar sucessivo”, escreveu Rosana Salim na sentença.

Segundo o presidente do Sindicato Municipal dos Trabalhadores Empregados em Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município do Rio de Janeiro (Sintraturb-Rio), José Carlos Sacramento, a paralisação continuará por tempo indeterminado. Às 18h desta segunda-feira (4), será realizada uma nova assembleia. A decisão foi anunciada após reunião realizada ao meio-dia desta sexta.

Os rodoviários reivindicam 15% de aumento, contra os 8% oferecidos pelas empresas.

Suspensão de aulas
As aulas de 106 escolas e creches do município do Rio foram suspensas nesta sexta devido à greve dos rodoviários. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, alunos e professores, principalmente da Zona Oeste, não conseguiram chegar às unidades por causa da escassez de ônibus. Além deste número, 15 unidades de ensino estão funcionando parcialmente.

Ônibus apedrejados
Sessenta ônibus das empresas Pégaso e Jabour, alimentadores do BRT Transoeste, foram apedrejados por grevistas pela manhã, quando deixavam as garagens localizadas em Santa Cruz e Campo Grande, respectivamente, na Zona Oeste.

Os trabalhadores reinvindicam aumento salarial, fim do banco de horas extras, jornada de trabalho de seis horas e término da dupla função, quando o motorista faz também o trabalho de cobrador. A Rio Ônibus, que reúne as empresas rodoviárias municipais da cidade do Rio de Janeiro, entrou com uma ação na Justiça solicitando que a greve seja declarada ilegal e, por isso, suspensa.

READ MORE - Justiça manda grevistas colocarem 80% dos ônibus nas ruas do Rio

Projeto de 217km de ciclovias em Salvador pode ser cancelado

O Coletivo Mobicidade, que promove o uso da bicicleta como transporte na região de Salvador (BA), alertou recentemente para o fato das licitações do projeto Cidade Bicicleta terem sido declaradas “desertas”, o que cancelaria o edital. Apresentado como uma das soluções para a Copa do Mundo de 2014, o projeto de cerca de R$ 41 milhões prometia ampliar a malha cicloviária da Região Metropolitana para 217 Km.

Segundo o Coletivo, que analisou os documentos da licitação, o valor máximo estaria “abaixo dos valores de mercado e, muito provavelmente, diminuiu o interesse das empresas em participarem do processo”. A Mobicidade faz uma comparação com um edital de junho de 2012, para um trabalho muito similar em Porto Alegre (RS), onde o valor estimado no edital teria sido de “R$ 50.000 por km, cinco vezes o valor do que foi estimado em Salvador”.

Críticas

Ciclistas da região já estavam ressabiados com o projeto quando foi anunciado. “Acredito que a maioria das pessoas é a favor do projeto, mas tem tido muita resistência e ceticismo em acreditar que as propostas e anúncios do poder público saiam do papel”, disse à época Roque Júnior, ciclista e morador de Salvador. Agora, então, perderam a fé de que a coisa realmente aconteça. “Pense numa decepção!”, comentou Lu Falcoa ao compartilhar a notícia no Facebook. “Como sempre, prioridades deixadas de lado”, foi a opinião de Leo Ramos, que também compartilhou a notícia.

O Cidade Bicicleta também sofre críticas por priorizar áreas próximas à Arena Fonte Nova, causando a impressão de ser um projeto “vitrine”. Para Lucas Jerzy Portela, “se a CONDER quer ‘proteger o usuário pobre que já existe’ (a meu ver, um discurso paternalista eivado de Indústria do Medo), não deveria focar nem no Centro Antigo nem na Copa, e sim nas periferias e na ‘cidade informal (e desforme)’”.

Opinião parecida é partilhada pela Mobicidade: “estava claro que as intenções eram puramente turísticas e ‘futebolísticas’ e havia pouca prioridade para execução de um programa real para incentivos do uso de bicicleta como meio de transporte pensando no cotidiano da cidade, infelizmente algo muito comum na gestão pública em Salvador”.

E agora?

O Vá de Bike tentou contato diversas vezes com a Conder (Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia), responsável pelo projeto, mas tivemos nossos questionamentos ignorados, mesmo aguardando quase uma semana pela resposta. Também não encontramos na internet nenhuma declaração ou informação atualizada sobre o projeto.

Resolvemos então pesquisar os possíveis cenários para o Projeto Cidade Bicicleta e chegamos a algumas possibilidades:

O projeto pode ser abandonado. Pessoalmente, acho a possibilidade pequena, afinal é uma obra “da Copa” e o custo político e de imagem em cancelar é grande. Houve bastante divulgação, ajudando a vender uma imagem sustentável e moderna do Governo da Bahia, que seria revertida com esse cancelamento.
.
Um novo edital pode ser lançado. Com valores reajustados, nova licitação seria feita, tentando novamente atrair empresas interessadas. Isso certamente criaria um grande atraso, pois o início das obras estava previsto já para o 1º semestre de 2013 e, claro, não dá para adiar a Copa. Mas se o projeto for desatrelado da Copa, essa possibilidade abriria espaço para melhorias no traçado e na ordem de implantação, objetivando de fato a segurança dos cidadãos que já pedalam na região.
.
Pode ser realizada uma contratação direta. Segundo o site Jus Navigandi, “a ausência de interessados em participar de licitação regularmente processada, conduz a uma situação administrativa de possibilidade de contratação direta”. Porém, é necessário haver “risco de prejuízos se a licitação vier a ser repetida” e a contratação deverá ser feita em condições idênticas às da licitação anterior (mesmo valor, mesmo projeto). Esse procedimento é amparado pelo inciso V do artigo 24 da Lei n.º 8.666/93.
.
A Conder assumir a implementação do projeto. Possibilidade aventada pelo Clément, da Mobicidade, aqui nos comentários desta página. “Seria uma boa opção para favorecer a capacitação do orgão público”. Bem pensado. Talvez seja a melhor opção nesse momento.

READ MORE - Projeto de 217km de ciclovias em Salvador pode ser cancelado

Aniversário do Rio de Janeiro começa com greve de ônibus

O aniversário de 448 anos da cidade do Rio de Janeiro começou com uma greve de ônibus na madrugada desta sexta-feira. Motoristas e cobradores decidiram pela paralisação de advertência de 24 horas, em assembléia na noite anterior. Eles rejeitaram a proposta de 8% de reajuste salarial da RioÔnibus, que reúne as empresas de coletivos da capital fluminense.

A decisão da categoria pegou muitos cariocas de surpresa. Na Central do Brasil, um dos locais de maior concentração de passageiros da cidade, pontos cheios e um misto de indignação e dúvida sobre a volta para casa.

O chefe do bar dos desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio, Ivanildo Pereira de Mendonça, de 46 anos, ficou sabendo da greve pela equipe de O Dia, após mais de uma hora esperando por um ônibus para Guadalupe, na Zona Norte. Após um dia de trabalho, ele retornava do Leblon, na Zona Sul, onde tinha feito um serviço extra.
"Fui pego de surpresa, inclusive pela minha mulher. Ela trabalha no Departamento Pessoal de uma empresa de ônibus e não me avisou nada", reclamou Ivanildo, que depois de Guadalupe ainda pegaria uma outra condução para Anchieta, onde mora.

Com o alto valor de uma corrida de táxi e a quantia em dinheiro que teria que desembolsar para pegar uma van - ao contrário do ônibus, onde poderia utilizar o Bilhete Único - ele já articulava um plano B. "Estou pensando em caminhar até a Praça 15 e dormir no Tribunal", raciocinava à 1h15.

O agente aeroportuário Carlos Henrique de Campos, de 26, anos, e a assistente comercial Danielle Souza da Silva, 23, moradores de Campo Grande e de Santa Cruz, respectivamente, na Zona Oeste, também ficaram sabendo da greve pela equipe de O Dia. Eles estavam na Lapa, bairro boêmio do Centro. Os dois foram de van para a Central do Brasil, já que não conseguiram ônibus direto.

Sem ônibus, passageiros sofrem no Rio

Os poucos ônibus que circulam estão sendo disputados
Foto: Carlos Moraes / Agência O Dia
"Mais eles decidiram isso assim, de uma hora para outra? A gente não fica sabendo de nada! De manhã estava tudo normal", questionou Danielle, até ser informada que a paralisação tinha sido decidida à noite. "Liguei para uma amigo que mora na Praça da Bandeira para ver se consigo dormir na casa dele", disse Carlos Henrique.

Indignada, a atendente de lanchonete Débora Silva de Oliveira, de 23 anos, que tentava chegar em casa em Cordovil, na Zona Norte, estava preocupada com as colegas de trabalho que moravam em locais mais distantes, como Santa Cruz, Vila Kennedy e Campo Grande, bairros da Zona Oeste.

"Fechamos a loja às 22h. Lavamos, arrumamos tudo e saímos. Se soubéssemos que haveria greve teríamos saído mais cedo ou pego dinheiro com o chefe para outro ripo de condução", protestou Débora, garantindo que mesmo assim aguardaria por um ônibus. "É fim de mês e estou sem dinheiro, só com o cartão do ônibus", explicou.

Alguns poucos ônibus que circularam durante a madrugada eram disputados por passageiros na Central do Brasil no início da madrugada. No entanto, não foram registrados incidentes. Guardas municipais que haviam realizado uma operação contra o comércio ambulante na região foram deslocados para reforçar a segurança no local. Eles impediam que os passageiros se aglomerassem no meio da pista lateral da Avenida Presidente Vargas, sentido Zona Norte.

Patrões e empregados se reúnem pela manhã

A paralisação de motoristas e cobradores pode terminar antes do previsto. Às 10h desta sexta-feira, nova reunião está marcada entre patrões e empregados. O resultado desta nova rodada de negociações será levado à assembleia dos trabalhadores, ao meio-dia, no Guadalupe Country Club, na Zona Norte.

“Tentamos desde janeiro uma posição da Rio Ônibus e, agora, ela apresenta um reajuste de 8%. É claro que ele é bem-vindo, mas deveria estar atrelado as outras propostas que colocamos na mesa de negociação como cesta básica de R$ 200 sem descontos, tíquete alimentação de R$ 15 por dia, além de plano de saúde gratuito para o funcinário e três dependentes”, explicou o vice-presidente do Sintratub, Sebastião José.

O sindicato ainda reivindica jornada de trabalho de seis horas e o término da dupla função nos micro-ônibus, onde o motorista também atua como cobrador.

A RioÔnibus entra nesta sexta-feira na Justiça questionando a legalidade da breve, pois não houve avisos à população. A polícia será chamada pra reforçar a segurança nas garagnes para quem quiser trabalhar.

Depois da assembleia no Guadalupe Country Club, motoristas e cobradores fizeram protesto, fechando os dois sentidos da Avenida Brasil, na altura de Guadalupe. O Batalhão de Poliamento em Vias Especiais (BPVE) foi chamado. A polícia informou que pelo menos quatro viaturas foram deslocadas para desobistruir a via. Uma faixa ficou ocupada pelo protesto em ambos os sentidos. Agentes da CET-Rio orientaram o tráfego no local. A manifestação terminou por volta das 23h30.

MetrôRio com esquema especial

O MetrôRio realiza uma operação especial para absorver o provável aumento do número de passageiros em suas estações, estimado em 15%. A operação será mantida até o fim da greve.

Para orientar e auxiliar os usuários, 46 promotores serão colocados em pontos estratégicos das 35 estações. Os sistemas de comunicação do MetrôRio (som das estações, trens, mídias sociais e TV Metrô) estarão atualizando as informações ao público.

Nas plataformas, a Concessionária disponibilizará mais de 400 agentes de segurança para fazer, caso seja necessário, o controle de fluxo dos usuários nas Linhas 1 e 2.

Para reforçar a informação aos usuários dos ônibus de integração, haverá cartazes nas bilheterias e mezaninos, além de comunicações sonoras nas estações e vagões. Dependendo da demanda durante a madrugada, o MetrôRio avaliará se operará ininterruptamente.

Fotos de Severino Silva 
Reportagem: Flávio Araújo e Marcello Victor / Agência O Dia


READ MORE - Aniversário do Rio de Janeiro começa com greve de ônibus

Inaugurada no Rio a segunda fábrica de trens monotrilhos do País

A segunda fábrica de trens para monotrilhos do País, instalada no Rio de Janeiro, foi inaugurada nesta quinta-feira no Distrito Industrial de Palmares, na zona oeste da cidade. A unidade que tem 50 mil metros quadrados, funcionará a partir da próxima semana, com uma encomenda para a cidade de São Paulo.

Serão 24 trens para a Linha 17 do Metrô de São Paulo, que vai ligar o aeroporto de Congonhas ao bairro do Morumbi. Também será feita ali a montagem dos sistemas de monitoramento das composições.

A fábrica tem capacidade para produzir seis unidades por mês e espaço para estocar 15 carros. O primeiro carro de monotrilho veio da Malásia, para servir de modelo para a fabricação na unidade do Rio de Janeiro. A estimativa é gerar cerca de 500 empregos nesta primeira etapa de funcionamento da fábrica.

De acordo com o secretário de Transportes do Rio, Júlio Lopes, foram investidos R$ 30 milhões para a instalação da primeira linha de montagem. Esses recursos poderão chegar a R$ 50 milhões, se houver demanda, sobretudo no Rio onde estão sendo feitos estudos de viabilidade de obras em andamento.

"Essa fábrica é um importante passo para a modernização do sistema de transporte. O monotrilho é um dos mais modernos sistemas de transporte de massa do mundo e contribuirá com a logística de transporte das cidades, além de oferecer um serviço de alta tecnologia para as pessoas", disse Lopes.

O monotrilho é um sistema de transporte que circula em vias elevadas das cidades, com carros movidos a propulsão elétrica sobre pneus de borracha. A primeira fábrica para construção desse sistema foi inaugurada no ano passado em Hortolândia, no interior paulista.

Agência Brasil
READ MORE - Inaugurada no Rio a segunda fábrica de trens monotrilhos do País

Sessenta ônibus são apedrejados ao deixar garagem durante greve no Rio

Sessenta ônibus das empresas Pégaso e Jabour, alimentadores do BRT Transoeste, foram apedrejados por grevistas, na manhã desta sexta-feira (1º), quando deixavam as garagens localizadas em Santa Cruz e Campo Grande, respectivamente, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. O incidente ocorreu em meio à paralisação de motoristas e cobradores de ônibus da cidade, iniciada à 0h.

Os trabalhadores reinvindicam aumento salarial, fim do banco de horas extras, jornada de trabalho de seis horas e término da dupla função, quando o motorista faz também o trabalho de cobrador. A Rio Ônibus, que reúne as empresas rodoviárias municipais da cidade do Rio de Janeiro, entrou com uma ação na Justiça solicitando que a greve seja declarada ilegal e, por isso, suspensa.

Com a greve dos funcionários de ônibus, os cariocas enfrentam uma manhã complicada, com dificuldades para chegar ao trabalho. O tempo de espera por condução chega a uma hora. O ponto de ônibus em frente à garagem da Viação Real na Avenida Brasil, em Manguinhos, no Subúrbio do Rio, estava lotado por volta das 6h20.

Morador da Vila dos Pinheiros, no Conjunto de Favelas da Maré, o pedreiro Geraldo Matias, de 65 anos, disse que nunca aguardou tanto tempo para pegar um coletivo. "Eu espero no máximo 15 minutos e hoje já vai fazer uma hora e meia que estou aguardando. Acho esta greve uma falta de respeito com a população que precisa trabalhar. Eu só tenho uma condução para chegar ao trabalho que é o ônibus da linha 343. Se ele não passar aqui hoje, eu realmente não sei o que vou fazer".

O cozinheiro Inaldo Ernesto, de 26 anos, não sabia da greve. "O que eu acho engraçado é que eles decidem parar do nada e ainda acha que somos obrigados a saber disso. Se soubesse que eles estavam parados, teria saído mais cedo de casa. Agora estou aqui há uma hora a espera de uma condução, que talvez nem chegue. Isso é o cúmulo".

De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), o BRT Transoeste, que liga Santa cruz à Barra da Tijuca, na Zona Oeste, opera com 22 ônibus articulados, sendo que a frota média é de 80 veículos. As linhas circulam apenas no corredor de ônibus expressos, sem as linhas alimentadoras nos bairros.

Durante a madrugada, uma confusão entre grevistas e funcionários da empresa Santa Maria, na Estrada Coronel Pedro Correa, foi registrada. Segundo Lélies Teixeira, presidente da Rio Ônibus, ninguém ficou ferido e a Polícia Militar foi acionada para reprimir as ações.

“Temos uma situação de dificuldade na cidade e a prefeitura determinou ao consórcio RioÔnibus, que botem a frota na rua imediatamente e estamos fiscalizando. A nossa prioridade é restabelecer o serviço de ônibus na cidade. Qualquer outra irregularidade será apurada e os excessos serão punidos”, disse o secretário municipal de Transporte Carlos Osório, referindo-se à suposta cobrança abusiva por partes das vans nos preços das passagens.




O secretário disse ainda que “na avaliação da prefeitura, a greve é parcial e que o serviço foi bastante prejudicado nas primeiras horas da manhã, principalmente na Zona Oeste da cidade”.
De acordo com Osório “houve alguns registros de violência em Campo Grande, na saída de ônibus das garagens”.

Na Justiça
A ação da Rio Ônibus na Justiça pede que a greve mantida pelos funcionários seja declarada ilegal e suspensa.

A Prefeitura do Rio de Janeiro determinou aos consórcios, por meio da SMTR, que coloquem a frota normal programada nas ruas da cidade. Segundo a secretaria, a greve é parcial e há um aumento gradativo dos veículos nas ruas da cidade.

O presidente da Rio Ônibus garante que 30% dos coletivos estão na rua. "Está funcionando. Não por respeito à norma, mas por esforço das empresas e funcionários que estão chegando cedo e prolongando os horário", disse Lélies Teixeira.

Greve
Segundo o presidente do Sindicato Municipal dos Trabalhadores Empregados em Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município do Rio de Janeiro (Sintraturb-Rio), José Carlos Sacramento, a paralisação continuará até o meio-dia no município do Rio de Janeiro, quando o sindicato realizará uma nova reunião.

Diretora do Sindicato dos Rodoviários, Ângela Maria Lourenço diz que a greve, por enquanto, é por tempo indeterminado. "Estamos aqui lutando pelos nossos direitos. Nosso piso salarial e benefícios são baixos. Recebemos R$ 100 de cesta básica e ainda descontam R$ 20. Não sabemos ainda até quando será a greve, vai depender da avaliação e também das medidas que serão tomadas", disse.

"A greve está sendo pacífica. Não estamos forçando ninguém a fazer nada. Muito pelo contrário, a greve está acontecendo a pedido dos próprios rodoviários", completou Ângela, que garantiu também que há representantes do sindicato em todas as 47 garagens de ônibus da cidade.

De acordo com Sebastião José da Silva, vice-presidente do Sintraturb-Rio e presidente da Nova Central de Trabalhadores, a paralisação dos motoristas será de, no máximo, 24 horas.

Os rodoviários pleiteiam um aumento salarial de 15%, o fim da dupla função, na qual o funcionário atua como motorista e cobrador, além de benefícios como vale-alimentação, cesta básica e plano de saúde.
A Rio Ônibus informou, por meio de nota, "que, em face do dissídio coletivo anual da categoria no Rio, estará procedendo reajuste salarial de 8% para toda a categoria, sendo que para os motoristas de micro e micro-master o reajuste será de 40%, além de criar uma nova categoria de motoristas para ônibus articulados com salário 20% acima dos motoristas em geral".

A representante das empresas também informou que "o reajuste já constará da folha de pagamento a partir da sexta-feira, 1º março. Também terão reajuste na cesta básica de 20% em relação ao valor atual".
"Considerando que, embora não tenha havido reajuste tarifário, o setor de transporte por ônibus, em respeito à categoria dos rodoviários e à população em geral, realiza estes reajustes para evitar greves ou paralisações que afetem a vida da cidade e apela à categoria que trabalhem normalmente para manter a rotina das atividades no Rio de Janeiro", informou, em nota.

Metrô e trens reforçados
A concessionária Metrô Rio trabalha desde as 5h desta sexta-feira (1º) em operação especial para tentar dar vazão ao aumento no fluxo de passageiros, previsto em 15% devido à greve dos funcionários de ônibus, iniciada à 0h.

Os ônibus de integração, chamados de Metrô na Superfície, porém, também estão parados, pois são operados pelos rodoviários. A estação final na Zona Sul é a Siqueira Campos, em Copacabana, já que Cantagalo e General Osório estão fechadas para obras de ampliação.

Segundo a concessionária, toda a frota de trens do metrô está disponível para atender aos passageiros, com extensão dos horários de pico. A operação será mantida até o final da greve.

A SuperVia informou que está preparada para atender a possível ampliação da demanda de passageiros em virtude da greve dos rodoviários. Poderão ser realizadas viagens extras nos ramais afetados pela paralisação do transporte por ônibus. A empresa reforçou sua equipe de atendimento para garantir segurança e bem estar dos passageiros nas viagens.

Aeroporto internacional
A empresa aérea Avianca contratou uma van para transportar, nesta sexta-feira (1º), seus funcionários que trabalham no Aeroporto Internacional Tom Jobim, devido à greve. O aeroporto fica localizado na Ilha do Governador, bairro onde há apenas duas garagens de ônibus. Ambas estão fechadas nesta sexta.

Informações: G1 Rio com imagens do Portal Uol



READ MORE - Sessenta ônibus são apedrejados ao deixar garagem durante greve no Rio

Em Curitiba, Estações-tubo terão biblioteca para uso da população

No aniversário de Curitiba, os usuários do transporte coletivo ganharão um presente: bibliotecas dentro das estações-tubo. A Tuboteca é uma parceria entre a Fundação Cultural de Curitiba, a Urbs (Urbanização de Curitiba S.A) e o Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba), que irá instalar prateleiras nas estações. Os primeiros livros serão colocados pela Fundação, mas a proposta é que a população colabore, doando livros para o projeto.

O lançamento está previsto para 29 de março, data que marca os 320 anos da cidade. Algumas estações terão agentes de leitura para dar orientações sobre autores e títulos. A ideia é que sejam instaladas prateleiras nas estações-tubo e que os usuários do transporte coletivo possam emprestar os livros de graça e até levar para casa.

“Queremos pessoas lendo mais e em todos os lugares”, diz o presidente da Fundação Cultural, Marcos Cordiolli. Com a Tuboteca, não serão necessárias fichas ou qualquer tipo de cadastro para que a pessoa possa pegar um livro. Enquanto espera o ônibus, o passageiro escolhe um livro e segue lendo no ônibus. Ele pode até levar o livro para casa e ficar com ele três, quatro, cinco dias. A devolução será feita em qualquer uma das Tubotecas.

Os usuários também vão poder doar livros, que passarão por uma triagem antes de serem disponibilizados à população. “Também teremos agentes de leitura espalhados por alguns desses tubos e terminais, durante alguns horários, funcionando como orientadores, indicando livros. As pessoas também serão convidadas a visitar os Faróis do Saber, assim como as bibliotecas da cidade e nossas Casas da Leitura”, completa o presidente da FCC.

O presidente do Ippuc, Sérgio Pires, explica que o projeto deve ser testado, inicialmente, em algumas estações-tubo. “A Urbs está estudando em quais locais iremos implantar o projeto para avaliarmos o impacto e, eventualmente, fazer melhorias que se mostrem necessárias”, diz.

READ MORE - Em Curitiba, Estações-tubo terão biblioteca para uso da população

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960