Metroviários de SP ameaçam entrar em greve em outubro

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A reunião entre o Sindicato dos Metroviários de São Paulo (Metroviários-SP) e representantes do Metrô na tarde desta quinta-feira (20) terminou sem sucesso, pois o Metrô não apresentou proposta aos trabalhadores. Os funcionários dão prazo até a próxima quinta-feira (27) à noite para que as negociações avancem. Caso contrário, podem cruzar os braços na segunda greve  do ano no início do mês de outubro.

Na próxima terça-feira (25), os representantes do sindicato voltam a se reunir com dirigentes do Metrô às 15 horas. A expectativa é de que nova proposta seja feita até o prazo limite. "Eles disseram que ainda não tinham proposta, mas que iriam elaborar uma. Achamos que eles iriam apresentar algo hoje (quinta-feira), mas, pelo jeito, ainda não se entenderam", disse o presidente do sindicato, Altino de Melo Prazeres Júnior.

A categoria está em estado de greve desde o último dia 13. A assembleia do dia 27 servirá para aprovar possível greve e marcar a data do início da paralisação. "Estamos dispostos a negociar. Está na mão deles resolver o problema", comentou o presidente do sindicato. As principais reivindicações dos metroviários são participação nos lucros (PLR) igual para todos os funcionários e pagamento antecipado de abril de 2013 para outubro deste ano; melhoria na jornada de trabalho e compensação das horas extras, além da equiparação salarial entre empregados com a mesma função.

Em nota distribuída à imprensa, o Metrô informa que a proposta de PLR "acompanha as variações salariais existentes na companhia, com garantia de que nenhum empregado da empresa receberá valor inferior a R$ 4.140,63". Além disso, a nota diz que o pagamento será feito em abril de 2013 e que nenhum empregado realiza jornada acima de 40 horas semanais. "O Metrô já realizou, entre maio de 2011 e agosto de 2012, 7.061 movimentações salariais, das quais 1.143 foram promoções", diz a nota. O Metrô afirma que está aberto ao diálogo com os metroviários.

Informações: Exame Abril

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Metroviários de SP ameaçam entrar em greve em outubro

São Paulo: Tarifa das linhas 5 do Metrô e 9 da CPTM será menor entre 9h e 10h


Os passageiros das linha 5 do Metrô e 9 da CPTM, na cidade de São Paulo, serão beneficiados com uma redução R$ 0,50 no valor da passagem - que custa R$ 3 - entre os horário das 9h às 10h, de segunda a sexta-feira. A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM) anunciou, nesta quarta-feira, que a medida valerá a partir do próximo dia 15 de outubro.

Ao fim de um ano, quem usa o transporte diariamente, economizará R$ 132. O objetivo é melhorar a distribuição do fluxo de passageiros, principalmente nas estações de integração Santo Amaro e Pinheiros. De acordo com a STM, diariamente, pela manhã, 75,7 mil passageiros utilizam a Linha 5 do Metrô, que vai de Capão Redondo ao Largo Treze. No mesmo período, 132 mil passageiros passam pela Linha 9 da CPTM, que liga Grajaú , na zona sul, ao município de Osasco.

Os usuários que começarem a viagem nas linhas 5 do Metrô e 9 da CPTM serão beneficiados com a integração gratuita com os ônibus municipais na estação Largo Treze. No sentido inverso, também. Hoje, é cobrada tarifa de R$ 1,65 para essa transferência. No final de um ano, com esse incentivo, a economia será de R$ 435,60.

Informações: Terra

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - São Paulo: Tarifa das linhas 5 do Metrô e 9 da CPTM será menor entre 9h e 10h

Campinas é primeira cidade do Brasil a receber sistema de transporte público de bicicleta

No próximo sábado (22), o Brasil passa a fazer parte do grupo dos sete países que possuem sistema de transporte público de bicicletas. O serviço estreia em Campinas no Dia Mundial sem Carro e irá disponibilizar, inicialmente, 200 bicicletas para a população. Com duas estações localizadas no bairro de Taquaral, o projeto denominado Viva Bike Campinas pretende expandir em breve. 

O objetivo do serviço – que já existe na Noruega, Espanha, Suécia, França, Estados Unidos, Itália e México – é oferecer um complemento para o transporte público das cidades. Segundo Renato Frison, presidente da Brasil e Movimento, responsável pela implantação do sistema no País, a ideia é integrar as bicicletas com o transporte público. 

— Queremos integrar com ônibus e metro. O mesmo cartão do ônibus serve para a bicicleta. A pessoa desce do terminal e pega a bicicleta como um complemento para o transporte público.

Frison espera que com o serviço, distâncias que normalmente eram percorridas a pé ou de ônibus passem a ser feitas com as bicicletas. 

— O pessoal que pega um ônibus, desce e tem que andar até o trabalho ou pegar outro ônibus para chegar. Ele pode, agora, fazer esse trajeto de bicicleta. 

Por R$ 80,00 por ano, é possível utilizar o sistema livremente - com um intervalo de 15 minutos entre um uso e outro. No lançamento do projeto, os primeiros mil usuários que se cadastrarem contam com uma promoção e pagam R$ 6,00 por ano para utilizar o sistema.
Expansão 

No próximo fim de semana (29), outras duas estações com bicicletas serão instaladas em Barão de Geraldo, finalizando a primeira fase do projeto em Campinas. Na segunda etapa, em outubro e novembro, mais estações serão implantadas, e suas localizações serão determinadas por estudos que estão sendo realizados pela Brasil em Movimento e Prefeitura do Município de Campinas sobre a mobilidade urbana na cidade. 

Além disso, Frison declara que até novembro outras três cidades já terão o serviço. A empresa já está em negociação com outros municípios que também devem receber o sistema. 

— Estamos no processo de licitação com mais sete cidades. A ideia é levar o serviço para todo o Brasil. A gente vai devagar, é uma cultura nova, é mais uma possibilidade de transporte. Mas isso vai se adequar. É um produto muito atual, um caminho sem volta.

Informações: R7.com

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Campinas é primeira cidade do Brasil a receber sistema de transporte público de bicicleta

Aberta licitação para construção de 2 mil pontos de ônibus no Distrito Federal


O GDF (Governo do Distrito Federal) abriu licitação para a construção de 2 mil pontos de ônibus. O DF possui cerca de 2.965 paradas. O investimento previsto é de R$ 26 milhões. O edital é para  contratação de uma empresa especializada na fabricação, fornecimento e implantação de módulos pré-moldados para abrigos de passageiros.

Atualmente, são cerca de 2.965 pontos de ônibus que atendem todas as regiões administrativas, com mais de mil linhas disponíveis no sistema de transporte público e com mais de 3 mil ônibus em circulação.

A situação dos pontos de ônibus no DF é precária. A TV Record Brasília já exibiu várias reportagens com  reclamação dos usuários. Algumas paradas estão quebradas, sem teto e sem banco.

Com o crescimento das regiões administrativas, duplicações de vias e obras no tráfego, muitos lugares do DF não têm pontos de ônibus, dificultando o acesso pelos passageiros.

O DFTrans (Departamento de Trânsito do Distrito Federal) tem registrado mais de duas mil solicitações de colocação de abrigos de passageiros do transporte público.

READ MORE - Aberta licitação para construção de 2 mil pontos de ônibus no Distrito Federal

VLT em Cuiabá e Várzea Grande terá tarifa de R$ 1.75


Os impactos ambientais, sociais e econômicos em decorrência da implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá e Várzea Grande foram debatidos na primeira Audiência Pública para apresentação do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA - Rima) e Estudo de Impacto de Vizinhança e Relatório de Impacto de Vizinhança (EIV-Riv), realizadas na manhã desta quinta-feira, no auditório da OAB-MT, na capital.

O responsável pela coordenação dos estudos, o engenheiro florestal Ricardo Mastrangelli, do Instituto Naturae, apresentou os principais dados coletados pelo levantamento, destacando os aspectos positivos e negativos relacionados ao metrô de superfície. Foram identificados 281 pontos positivos e 240 negativos, estes últimos estão relacionados principalmente com a fase de obras, uma vez que haverá interdições e interferências na área urbana da região metropolitana de Cuiabá.

Contudo, quando o modal estiver em operação, as vantagens serão significativas, como a valorização dos imóveis e dos pontos comerciais localizados ao longo do traçado do VLT. Trará ainda novas oportunidades de investimentos, ligando áreas estratégicas como a região do aeroporto, do Porto, Centro, Coxipó e do Centro Político Administrativo. Outro fato constatado é que os dois eixos do metrô de superfície (Aeroporto-CPA e Coxipó-Centro) atendem a todas as camadas sociais, sendo um estímulo ao uso de transporte público e, consequentemente, contribuindo na melhoria da mobilidade urbana.

Além de proporcionar melhores padrões de deslocamento urbano, o modal trará eficiência na prestação de serviços por meio de uma Rede Integrada de Transporte em regime de racionalidade operacional. Movido à energia elétrica, o metrô de superfície contribui ainda para qualidade ambiental ao utilizar uma fonte limpa de energia. Outro fator importante é que a durabilidade do VLT é de 30 anos, superior a dos ônibus, que é de oito anos.

Haverá ainda o resgate na acessibilidade universal pela padronização e tratamento dos passeios públicos e a retirada do esgoto das redes de água pluvial por meio da estruturação do sistema de coleta de esgoto contribuindo significativamente para a saúde pública. O modal proporcionará também a requalificação e valorização do centro histórico de Cuiabá pela ausência de emissão de ruídos dos motores e fumaças oriundas dos combustíveis fósseis.


Para a implantação desse meio de transporte, será necessária a supressão de árvores que não tem condições de serem transplantadas. Por essa razão, o plano paisagístico do VLT prevê o replantio de 3.500 árvores ao longo do percurso do metrô de superfície.

Presidida pelo secretário estadual de Meio Ambiente, Vicente Falcão, a audiência pública contou com a participação do secretário extraordinário da Copa do Mundo, Maurício Guimarães, o assessor técnico de mobilidade urbana da Secopa, Rafael Detoni, e o gerente do Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande, Fernando Orsini.

O promotor de justiça Carlos Eduardo da Silva também fez sugestões que podem ser acrescentadas ao estudo, como medidas mitigadoras em áreas verdes da capital, como o Morro da Luz, na região do aeroporto e do Jardim Botânico. O evento atraiu também estudantes universitários, como o acadêmico da Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFMT, Rafael Vinícius Rodrigues. Ele avaliou que a audiência foi muito interessante e pretende consultar a íntegra do estudo disponível no site da Secopa para pesquisar sobre alguns pontos com mais profundidade.

Ainda nesta quinta-feira, serão realizadas mais duas audiências: às 14h, na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), localizada no bairro Chácara dos Pinheiros, no Coxipó; e às 19h, no Hotel Hitz Pantanal, em Várzea Grande.

TARIFA E DESAPROPRIAÇÕES

Em relação aos questionamentos sobre o preço da tarifa, a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) esclareceu que custo operacional do VLT estimado é de R$ 1,75 por passageiro. Mas o cálculo tarifário considerará ainda a integração com a rede de ônibus e o sistema de gratuidade das passagens, fatores que estão sob análise. Conforme já havia sido divulgado pela Secopa, o valor da tarifa deverá ser próximo do preço praticado no sistema de transporte coletivo de Cuiabá – R$ 2,70.

Outro assunto bastante discutido foram as desapropriações. A Secopa explicou que foram identificados 62 pontos que estão sendo analisados pela empresa responsável pelos laudos de avaliação. Após a conclusão dos laudos, os valores que serão pagos pelos imóveis serão divulgados aos proprietários. MODAL – Com dois eixos, CPA-Aeroporto e Coxipó-Centro, o modal será implantado no canteiro central das avenidas Historiador Rubens de Mendonça, FEB, 15 de Novembro, Tenente-Coronel Duarte (Prainha), Coronel Escolástico e Fernando Correa da Costa. Serão três terminais de integração e 32 estações, que terão uma distância média de 500 a 600 metros entre um ponto e outro. Ao longo dos 22,2 quilômetros de trajeto do VLT serão edificados cinco viadutos, quatro trincheiras e três pontes. A capacidade máxima de passageiros será de 400 pessoas por veículo e o tempo de espera para o embarque será de até quatro minutos.

SUSPENSÃO DA OBRA

Em relação à decisão da justiça federal que suspendeu novamente as obras do VLT, Maurício Guimarães disse que ainda hoje a Procuradoria Geral do Estado vai protocolar recurso no Tribunal Regional Federal, em Brasília. “A expectativa é que as obras sejam retomadas até meados da semana que vem, pois entendemos que não há razões para suspensão das obras que foram licitadas com total transparência e respeito aos aspectos legais”, concluiu.

READ MORE - VLT em Cuiabá e Várzea Grande terá tarifa de R$ 1.75

Ônibus de SP têm recorde de passageiros em agosto


Não está fácil andar de ônibus em São Paulo. Estatísticas da Prefeitura divulgadas nesta semana mostram que os coletivos da cidade quebraram, em agosto, o recorde histórico de passageiros transportados. No mês passado, 267 milhões de usuários giraram as catracas – 8,6 milhões por dia. O patamar máximo anterior havia sido atingido exatamente um ano antes, em agosto de 2011, quando 265 milhões de pessoas fizeram uso dos ônibus de São Paulo.

O novo recorde pode ajudar a reverter a tendência que estava se desenhando para este ano, de redução no número de passageiros. Reportagem publicada no JT no mês passado mostrava que nos primeiros sete meses do ano o número de usuários dos ônibus da capital estava 0,6% inferior ao mesmo período do ano passado. Com os números de agosto, a diferença (considerando o período de oito meses) caiu para 0,2% (ainda com mais passageiros em 2011).

Quem usa os ônibus com frequência afirma sentir o aumento do desconforto. Isso, apesar de a SPTrans informar que a oferta de lugares cresceu. Morador do Jardim Herculano, na zona sul, o cozinheiro Gilberto Nascimento da Silva, de 36 anos, conta que gasta entre 1h40min e 2h para chegar à Rua Haddock Lobo, centro, onde trabalha. “Cansa muito mais ficar dentro da condução do que fazer o meu serviço.”

Ele diz que enfrenta filas ainda fora dos ônibus, nos terminais Jardim Ângela e Santo Amaro. “Se você não quiser ir em pé, tem que pegar a fila lá pelas 4h.”

A passadeira de roupa Maria Queila Gardene, de 36 anos, enfrenta problema parecido, mas no Jardim Boa Vista, zona oeste, onde vive. Ali, demora para embarcar no ponto final da linha que a deixa perto da Avenida Paulista, onde trabalha. No coletivo, que sai cheio, mais problemas. “Muitas vezes já chego irritada no serviço porque não consigo descer no ponto certo. Como está lotado, nem sempre dá para chegar à porta na hora que o ônibus para.” À tarde, a volta também é desgastante, segundo ela, que aguarda a condução no corredor da Rua da Consolação. “Demora uns 45 minutos para o ônibus passar. Nesse tempo, temos que ficar aqui ouvindo o barulhão dos motores subindo e descendo a rua.” Quando o coletivo aparece, diz ela, já está lotado.

Mais eficiência
Como aumentar o conforto, então? “Tinham que pôr mais ônibus rodando e construir outras linhas de metrô”, palpita o segurança Marcos Moraes, de 47 anos, que diariamente viaja do Jaçanã, na zona norte, à Paulista.

Mas, para o assessor técnico da Associação Nacional de Transportes Públicos Marcos Bicalho, a solução não necessariamente é essa. “A questão central que se coloca é dar mais eficiência aos ônibus.” De acordo com ele, é necessário priorizar os coletivos em grandes avenidas, em detrimento dos carros. “Assim, os ônibus, mesmo com mais gente, vão andar mais rápido e a oferta de viagens aumentará, resultando em mais conforto.”

Em nota, a SPTrans informou que a demanda se manteve estável nos dias úteis entre os meses de agosto de 2011 e 2012, apesar do crescimento absoluto. Segundo a empresa, entre um ano e outro “a oferta de lugares cresceu 2,1% em todo o sistema, ou seja, 1,3 ponto porcentual acima do crescimento de passageiros transportados em agosto”.

Informações: Blog Estadão

READ MORE - Ônibus de SP têm recorde de passageiros em agosto

SuperVia libera acesso de bicicletas aos sábados e feriados


Depois de liberar o embarque de bicicletas no sistema ferroviário aos domingos no Rio de Janeiro, a SuperVia permitirá o acesso das bikes aos sábados, após as 14h, e nos feriados durante todo o dia. A medida passa a valer a partir do dia 22 de setembro, quando se comemora o Dia Mundial Sem Carro, e acompanha uma série de iniciativas da empresa com foco no uso da energia limpa nos transportes. Também aos sábados, a concessionária terá um estande para pequenos reparos e serviços nas "magrelas" dos frequentadores do Parque Madureira.

De acordo com estudos da concessionária, a bicicleta é o principal meio de transporte utilizado pelos passageiros da Baixada Fluminense e da zona oeste para chegarem às estações. Em julho, na estação Lages, no município de Paracambi, foi inaugurado o primeiro mobiliário, com 140 vagas para bicicletas. Ainda esse ano, outros seis bicicletários serão construídos nas localidades de Japeri, Engenheiro Pedreira, Comendador Soares, Santa Cruz, Realengo e Bangu, criando mais 3.700 vagas.

"A liberação do embarque de bicicletas oferece aos passageiros mais uma oportunidade para unir lazer e comodidade em seus deslocamentos. Os dois modais, trem e bicicleta, são ecologicamente corretos e, a partir desta premissa, temos trabalhado para oferecer aos passageiros dos trens infraestrutura para que possam também fazer o uso integrado de bicicletas, explica Paulo Targa, diretor comercial da  SuperVia.

Com objetivo de incentivar a integração entre trem e bicicleta, a  SuperVia lançou em abril o programa "O Trem Passa na Sua Porta". Desde então, mais de 5 mil passageiros já embarcaram com suas bicicletas nas composições da SuperVia, aproveitando o desenvolvimento integrado dos modais ao longo dos 270 km de via férrea.

READ MORE - SuperVia libera acesso de bicicletas aos sábados e feriados

Recife: Terminais integrados sem corredores de ônibus deixa sistema de transporte ineficiente

O trânsito tem sido um dos desafios a serem enfrentados por quem precisa dos ônibus e também por quem administra os terminais, como Alysson Machado, gestor do Terminal Integrado do Barro, localizado no bairro de Jardim São Paulo, na BR-101, no Recife, e integrado ao sistema de metrô da Região Metropolitana. Por dia, passam aproximadamente 100 mil pessoas pelo terminal. “O trânsito atrapalha muito. O ônibus consegue sair daqui na hora, mas acaba pegando um congestionamento na BR, com isso atrasa para o próximo. Lidar com planejamento nessas horas é complicado”, afirma Machado.

O Sistema Estrutural Integrado (SEI) reúne linhas de metrô e ônibus - embora nem todo terminal de integração seja ligado diretamente ao metrô. Voltado para o transporte de massa, o SEI conta com eixos radiais e perimetrais, sendo que os terminais de integração ficam localizados nos cruzamentos desses eixos. O acesso se dá através de dez empresas operadoras, responsáveis por 78 linhas, das quais 51 são alimentadoras, sete perimetrais, 11 radiais, três interterminais e três circulares, atendendo dez dos 14 municípios da Região Metropolitana do Recife.

As cores nos ônibus servem também de auxílio à população, indicando o tipo de percurso que é realizado pelo coletivo ao deixar o terminal. Os amarelos são responsáveis por trazer os usuários do subúrbio até o terminal integrado mais próximo, pertencendo assim às linhas alimentadoras. Os vermelhos cruzam grandes corredores sem passar pelo centro da cidade, constituindo a linha perimetral. Os ônibus que saem dos Terminais de Integração até o Centro do Recife são os azuis, que integram a linha radial. Entre um terminal e outro, os responsáveis pelos percursos são os ônibus verdes, enquanto os brancos levam os usuários às áreas no entorno do terminal de integração.

Ao todo, o SEI conta com 14 terminais integrados e a expectativa do GRCT é aumentar esse número para 25, até 2014. Além desses terminais, o Sistema de Transporte Público de Passageiros (STPP) conta ainda com 81 miniterminais, que servem como ponto de apoio para várias linhas em bairros e subúrbios dos 14 municípios da RMR.

Alguns dos atuais terminais estão passando por reformas, como o do Barro. “Esse é um terminal que surgiu pela necessidade. Há a questão da segurança dos passageiros, que precisam atravessar pelas faixas de rolamento. Depois da reforma, com as plataformas, vamos resolver essa questão”, explica Machado. A primeira das cinco etapas da reforma deve terminar em fevereiro de 2013, de acordo com o gestor do terminal.

Outro desfio dos terminais é a questão da segurança. As ameaças externas exigem que se invista cada vez mais na área. “São muitas pessoas que passam por aqui, não temos como ter controle de tudo, mas ficamos de olho. Temos um esquema de segurança, equipe que toma conta. A situação deve melhorar ainda mais após a reforma”, acredita Machado.

A qualidade do serviço inclui também investimento na infraestrutura dos TIs, garantindo conforto para os usuários. Como regra geral, os equipamentos possuem lanchonetes, sanitários, central de atendimento e lojas.

Paradas
Grande Recife conta com 5.612 paradas de ônibus, todas de responsabilidade do Consórcio. Desse total, 391 são do modelo com cobertas e bancos de metal. A manutenção desses abrigos fica a cargo de uma empresa terceirizada, que utiliza espaços publicitários no equipamento e, em contrapartida, é responsável pela boa condição da parada. Para reclamações, a população pode entrar em contato com o Consórcio através da Ouvidoria.

Novas linhas
Organizar um sistema de transporte público é complexo. O presidente do Consórcio, Nélson Menezes, ressalta que estudos são feitos constantemente para atender às necessidades da população. De acordo com ele, bairros e comunidades se modificam a todo instante e nem sempre é possível acompanhar as alterações – ou saber o que a comunidade precisa exatamente. Para isso, o Consórcio tem um setor exclusivo para receber as reclamações e opiniões da população, a Gerência de Relacionamento do Grande Recife.

O objetivo, afirma o presidente, é atender da melhor maneira possível à população. “A gente faz o desenho da linha, acredita que o número de viagens é suficiente devido aos estudos, mas nem sempre é isso que o usuário quer. Esse setor é responsável por receber essas demandas. Respondemos a todas”, explica Menezes.

Por mês, o Grande Recife faz cerca de 60 atendimentos por telefone, além de outros 50 pessoais, dez reuniões com comunidades e, em média, duas visitas técnicas. “Os técnicos vão aos locais, mas é como eu disse, é necessário ter estrutura, isso é responsabilidade da Prefeitura. Por vezes, tem um abismo, ou a comunidade é de difícil acesso por buracos ou outros problemas. Em alguns casos, o trajeto que a população pede não é possível para os ônibus, eles ficariam presos”, detalha o presidente. O contato com a Gerência pode ser feito através dos telefones (81) 3182.5552 e 3182.5553.

Além dos pedidos dos usuários, o  Grande Recife está para abrir edital de licitação para a contratação de novas empresas para operaram no Consórcio. A proposta do Governo prevê um contrato com as empresas e/ou consórcios vencedores no período de 15 anos, renováveis por mais cinco.

Atualmente, são 18 empresas permissionárias que atuam na Região Metropolitana. O gerenciamento e a fiscalização do serviço são feitos pelo  Grande Recife. O Consórcio conta atualmente com uma equipe de 70 fiscais, que estão no dia-a-dia dos terminais e nas ruas. Eles possuem a prerrogativa de vistoriar e fiscalizar o serviço prestado pelas empresas operadoras, através das linhas e veículos, e o poder de multar e implantar alterações pontuais na programação das linhas, quando necessário.


Katherine Coutinho
READ MORE - Recife: Terminais integrados sem corredores de ônibus deixa sistema de transporte ineficiente

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960