Trabalhadores da CPTM decidem suspender greve

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Os funcionários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) suspenderam a greve e retornarão ao trabalho ainda na noite desta quinta-feira. A decisão foi tomada após audiência no TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de São Paulo. Segundo informações do sindicato dos ferroviários, todas as composições voltarão a operar por volta das 20h30.

Os sindicalistas haviam decidido manter a greve em assembleia realizada na tarde de hoje, mas mudaram de opinião. Horas antes, o juiz Davi Furtado Meirelles, do TRT, propôs que a paralisação fosse suspensa e mantido o estado de greve, com a continuidade das negociações.
Os ferroviários marcaram uma nova assembleia para o dia 10 de junho. Os sindicatos esperam que a CPTM formule uma nova proposta para atender às reivindicações dos trabalhadores. Caso a empresa não ofereça uma proposta melhor, os empregados voltarão a cruzar os braços no próximo dia 15.
Os funcionários da CPTM pedem 5% de aumento real salarial e quase 8% de correção sobre a inflação apurada em São Paulo pelo IPC-Fipe (Índice de Preços ao Consumidor, apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas). Solicitam também aumento no valor do vale-refeição, no tempo de licença-maternidade e mudanças no plano de careira. Em contrapartida, a companhia oferece 3,7% de reajuste nos salários.

Este foi o segundo dia de paralisação dos ferroviários. No entanto, as linhas 10 Turquesa (Luz-Rio Grande da Serra) e 7 Rubi (Francisco Morato-Luz) só aderiram na madrugada de hoje. A greve atingiu as 89 estações de trem da região metropolitana de São Paulo e cerca de 2,45 milhões de passageiros. O valor da multa por cada dia sem serviço subiu de R$ 100 mil para R$ 200 mil após audiência realizada pela manhã.

Metrô - Os metroviários também decidiram, em assembleia realizada nesta quinta-feira, que não entrarão em greve. A categoria, que também cobrava melhorias salariais, aceitou o aumento de 8% oferecido pela companhia.

Fonte:  Diário do Grande ABC

READ MORE - Trabalhadores da CPTM decidem suspender greve

Em Brasília, Motoristas de ônibus paralisam as atividades em advertência, ônibus estão parados até às 18 hs

Cerca de 600 motoristas e cobradores de cinco empresas de transporte coletivo paralisaram novamente as atividades na tarde desta quinta-feira (2/6). O ato faz parte de uma manifestação organizada pelo Sindicato dos Rodoviários do Distrito Federal, no Terminal Asa Sul. A previsão é que os ônibus voltem a rodar às 18h. Os manifestantes são das empresas Viplan, Viva Brasília, São José, Rápido Brasília e da cooperativa Coopertran.

A mobilização da categoria começou na última quarta-feira (1º/6) por funcionários das empresas que atendem às cidades de Brazlândia e Sobradinho (Alternativa, Coopertran). Ontem, cerca de 300 ônibus ficaram paralisados.

Na manhã desta quinta (2/6), um novo protesto havia sido anunciado, mas acabou cancelado. Os rodoviários das cooperativas que atendem as linhas internas do Paranoá, Santa Maria e Gama decidiram suspendê-lo. Segundo um dos diretores do sindicato dos rodoviários, Diógenes Neres, a categoria optou por aguardar as determinações que serão traçadas na assembleia marcada para o próximo domingo (5/6).

A categoria pede um aumento salarial de 16,69% e a manutenção do acordo coletivo do ano passado.
 


READ MORE - Em Brasília, Motoristas de ônibus paralisam as atividades em advertência, ônibus estão parados até às 18 hs

Greve: Todas as estações da CPTM amanheceram fechadas prejudicando mais de 2 milhões de pessoas

As 89 estações da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) não abriram nesta quinta-feira (2) na Grande São Paulo. Segundo a companhia, com a adesão de todas as linhas à paralisação, nem mesmo o Paese (Plano de Apoio à Empresa em Situação de Emergência), que prevê colocação de ônibus extras em circulação, foi acionado, pois, não seria possível atender todas as pessoas.
De acordo com a CPTM, o usuário não deve se dirigir às estações. Cerca de 2,4 milhões de pessoas devem ser afetadas pela greve. Nesta manhã, o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, estava reunido com representantes dos quatro sindicados dos ferroviários para tentar um acordo para por fim à greve.  
Para tentar diminuir o impacto da paralisação, a SPTrans autorizou as 21 linhas de ônibus que ligam os extremos da capital ao terminal Guaianases, na zona leste, a prolongarem o trajeto até a estação Itaquera do Metrô. Segundo a empresa municipal, 100% da frota de coletivos continuará circulando mesmo após o horário de pico e a porcentagem será diminuída de acordo com a demanda. 


Fonte: R7.com

READ MORE - Greve: Todas as estações da CPTM amanheceram fechadas prejudicando mais de 2 milhões de pessoas

Greve de ônibus no ABC continua nesta quinta-feira

Cerca de 200 mil pessoas estão sendo prejudicadas pela greve dos motoristas e cobradores de ônibus nesta quinta-feira (2). Este é o segundo dia de paralisação da categoria em sete cidades da região - Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.
Por volta das 6h30, havia uma grande movimentação de passageiros do lado de fora do Terminal Santo André sem saber o que fazer. A greve afeta as linhas de ônibus municipais e intermunicipais e os trólebus. No terminal, apenas três linhas operavam normalmente – Sacomã, São Caetano e Aeroporto de Congonhas. Só 15% da frota de trólebus estava em operação.
Em um dos terminais de São Bernardo do Campo, as plataformas estavam vaziais e os usuários recorriam à carona ou à bicicleta para chegarem a seus destinos nesta manhã. Alguns seguiam a pé.
A EMTU informou que das 19 empresas do ABC, três operavam normalmente e outras três com 40% da frota. As demais estavam em greve.
A EMTU informou ainda que obteve na noite desta quarta-feira (1º), na Justiça, uma liminar que garante a operação de 80% dos ônibus. Quem descumprir receberá uma multa de R$ 220 mil por dia.
Motoristas e cobradores devem se reunir novamente com as empresas de ônibus às 14h desta quinta-feira para uma nova negociação. A categoria reivindica 15% de reajuste, mas os empresários do setor só ofereceram 8%.


Fonte: G1.com.br

READ MORE - Greve de ônibus no ABC continua nesta quinta-feira

Recife: 'Queima de parada' ocupa 50% das reclamações dos passageiros de ônibus

O Disque-Denúncia fez um levantamento sobre as principais queixas denunciadas pelos passageiros de ônibus que circulam pela Região Metropolitana do Recife. Entre elas, estão maus-tratos cometidos por cobradores ou motoristas e assaltos. Mas, segundo a pesquisa, 50% das reclamações denunciam a “queima” das paradas, por parte dos motoristas.

“O grande número de informações, 50% do que temos no sistema, diz respeito ao desmando dos motoristas, que não param nos pontos obrigatórios, embora tenha sido sinalizado pelo usuário. Nós temos também uma situação mais grave, que são os maus tratos, a agressão verbal, praticada contra estudantes, idosos e pessoas com necessidades especiais”, explica a coordenadora do Disque Denúncia, Carmela Galindo.

Desde 2007 que o Disque-Denúncia recebe reclamações desse tipo, de usuários insatisfeitos com os serviços públicos. Até agora, já foram registradas 93 informações. “Se a situação não se constituir um crime, nós encaminhamos para o Grande Recife Consórcio ou para o órgão responsável. Mas se constituir notícia criminosa, será encaminhado à delegacia do bairro. Lembrando que o usuário pode ligar, que será mantido o sigilo da identidade”, diz Carmela.

Segundo a diretora de operações do Grande Recife, Taciana Ferreira, o consórcio oferece diversos canais de comunicação entre o usuário e a empresa, para registro de críticas e sugestões. “Nosso serviço 0800, a própria ouvidoria, através de e-mail. É importante que a população registre sua reclamação, pois, a partir delas, nós fazemos as ações junto às empresas de ônibus e também elaboramos campanhas educativas para a melhoria dos serviços”, explica.

Em alguns terminais integrados, a reclamação maior, principalmente nos horários de pico, são as filas. Mas, de acordo com Taciana Ferreira, esse é um problema comum aos TIs. Por isso, o objetivo do Grande Recife é diminuir o tempo de espera do passageiro nessas filas. “As filas nunca deixarão de existir num terminal integrado. Faz parte da rotina de um terminal. O importante é o tempo que esse usuário passa no terminal aguardando para o embarque”, afirma.

Este ano, foram 5.500 reclamações em relação à queima de parada, segundo Taciana. “A essas ações, nós atuamos com fiscalização. Por isso que é importante que essas reclamações cheguem ao Grande Recife, para que nós saibamos o que está incomodando o usuário”, diz. “É preciso informar o número de ordem do veículo, a linha, o horário e o local em que ele está registrando a reclamação”, orienta.

Ela destaca, ainda, que o transporte coletivo também enfrenta os engarrafamentos, o que interfere o itinerário e o horário dos veículos.  “Nós enfrentamos os congestionamentos que, muitas vezes, prejudicam a chegada dos veículos nos terminais integrados”, diz Taciana.


READ MORE - Recife: 'Queima de parada' ocupa 50% das reclamações dos passageiros de ônibus

Em Curitiba, Projeto prevê avisos e horários nos pontos e terminais

 Câmara vota hoje, em segundo turno, o projeto do vereador Julião Sobota (PSC) que determina que estações-tubo, pontos de ônibus e dentro dos coletivos tenham afixados os horários das linhas de ônibus, do terminal ao ponto final, conforme os já existentes nos terminais. A medida, na visão do vereador, facilita a vida do usuário que ainda pode fiscalizar o funcionamento do sistema na cidade. O projeto passou em primeiro turno ontem.
Para os usuários a lei é bem vinda. “Os ônibus que eu pego para ir à faculdade, eu não sei o horário, mas ele nunca passa num horário fixo. Perder o ônibus ou ele chegar atrasado causa bastante transtorno, porque você se programa segundo os horários que os ônibus passam. Achei a iniciativa dessa lei ótima, porque vai ser uma facilidade para os usuários, não vamos precisar perder tempo esperando no ponto, podemos chegar próximo ao horário marcado e podemos cobrar do motorista se caso ele estiver atrasado”, opina a estudante Camila Costa Toppel.

Em apartes, diversos vereadores registraram apoio ao projeto. Foi unânime a consideração de que a matéria é simples, porém essencial aos usuários do transporte coletivo metropolitano. Na opinião do vereador Valdemir Soares (PRB), a iniciativa organiza e garante mais segurança à população, principalmente nos fins de semana, quando a rotatividade é menor.
“Pego o Interbairros I para ir à universidade. Sei os horários do ônibus, mas ele sempre chega atrasado. Perder o ônibus ou o motorista não cumprir os horários estipulados causa muito transtorno para todos os usuários, porque acaba comprometendo os nossos compromissos. Acredito que essa nova lei só tem a acrescentar e inclusive os motoristas se sentirão mais fiscalizados pelos usuários. Afinal de contas, agora, todo mundo sabe se o ônibus está atrasado ou não”, diz o estudante Rubens Moreira Neto.
Foi aprovada ainda uma subemenda, estabelecendo que as informações sejam divulgadas também em braile. O documento retorna ao plenário hoje, para votação em segundo turno, e, se aprovado pelos vereadores, segue para sanção do prefeito Luciano Ducci.



READ MORE - Em Curitiba, Projeto prevê avisos e horários nos pontos e terminais

Trânsito de Natal tem mais carros e menos ônibus

A quantidade de passageiros que utilizaram os ônibus de linha cresceu 1,5% em 10 anos em Natal. A estatística preocupa pois contrasta com o crescimento populacional no período (13%) e também com a elevação no número de veículos na cidade (330%). As causas de uma menor utilização do transporte público de massa são atribuídas às deficiências na qualidade do serviço prestado, assim como melhores condições de renda da população.

Desde o ano de 2004, a quantidade de passageiros de ônibus vinha caindo, tendo uma recuperação em 2010. Há sete anos, a média mensal era de 10,7 milhões de pessoas transportadas; no ano passado foram 10,3 e em 2009, foram 9,9 milhões.  Em 2000, 10,1 milhões de passageiros utilizaram esse tipo de transporte.

As estatísticas foram repassadas à reportagem pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob). Enquanto isso, a frota de veículos na capital do RN aumentou mais de 330% nos últimos 10 anos, passando de 66,8 mil para 292 mil.

Para o professor de engenharia civil da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Enilson Medeiros Santos, a migração do transporte coletivo para o individual trará problemas à cidade no futuro. “A consequência imediata é a dificuldade de fluidez de tráfego. Por enquanto Natal ainda tem espaço, mas já percebemos a quantidade de congestionamentos crescendo”, disse.

De acordo com o estudioso, que possui especialização na área de engenharia de transportes, o crescimento econômico da cidade ficou concentrado nos mesmos pontos da cidade ao longo dos anos. “O crescimento populacional se expandiu para as periferias, mas as pessoas continuam voltando para o centro de Natal para trabalhar. E para isso, continuam utilizando as avenidas Prudente de Morais, Salgado Filho, Capitão Mor Gouveia, Antônio Basílio”, argumentou.

Enilson acredita que não existiu planejamento através de políticas públicas por parte das autoridades para o crescimento da cidade. Para o secretário adjunto da Semob, Haroldo Maia, não há obra de engenharia que acompanhe tal crescimento. “Nenhuma obra vai comportar o crescimento que constatamos de veículos nos últimos tempos. Temos que priorizar a prestação de serviço do transporte público”. Segundo ele, os projetos existentes visam reestruturar as vias e criar mais faixas exclusivas para ônibus. “Não podemos estar disputando espaço com carros e motos. Estamos viabilizando projetos para beneficiar os usuários do transporte coletivo”.

O secretário confirma que a tendência de migração do transporte público para o individual traz prejuízos para  a cidade. “Teremos mais problemas de tráfego. Além de questões ambientes e de saúde que estão diretamente ligadas”, encerrou.

Os problemas dos transportes de massa se estendem a nível nacional. A utilização do transporte público sofreu uma queda de 30% em todo o Brasil. O preço da passagem aliadas a falta de políticas públicas para esta área foram apontados como causas para a diminuição constatada nos últimos 10 anos. A análise pertence ao estudo “A mobilidade urbana no Brasil”, divulgado na semana passada pelo Instituto de Polícia Econômica Aplicada (Ipea).

Além da ausência de planejamento para a mobilidade, o estudo também aborda os incentivos federais à utilização de transporte individual. Os subsídios do Governo Federal para aquisição de veículos como automóveis e motocicletas representam 90% do total destinado a área de transportes.

Falta de licitação é problema para a mobilidade de Natal

O Ministério Público Estadual, através das promotorias de Defesa do Patrimônio Público, já entrou com uma ação civil pública para tentar garantir a licitação do transporte público para Natal. O prazo dado pelo MPE/RN termina no próximo dia 15 de junho e prevê pena de R$ 500 mil à prefeita Micarla de Sousa caso não haja o cumprimento.

A licitação que irá reorganizar as linhas de ônibus da cidade há tempos se arrasta e no início do ano já havia sido prorrogada por seis meses. De acordo com o estudo “A mobilidade urbana no Brasil”, do Ipea, umas das principais causas dos problemas ligados ao tráfego é exatamente a ausência de tal licitação.

“Nem todos os municípios possuem um sistema de regulação da oferta de transporte público que estimule a qualidade, produtividade e integração do serviço. Muitos problemas do transporte público podem estar associados à ausência de um modelo regulatório adequado e também à falta de contratos e instrumentos jurídicos”, informa o documento na página 27.

Para o professor de engenharia civil da UFRN, Enilson Santos, o problema é discutido há quase 20 anos. “Me lembro na década de 90, quando já chamávamos atenção para esta necessidade. A licitação tornará o serviço mais atrativo e modernizará o funcionamento”, declarou.

No entanto, o especialista faz ressalvas. “O contrato não fará mágicas. A qualidade no serviço prestado não estará garantido simplesmente pelo fato de ter havido essa regulamentação. Não tenho essa ilusão”.

A visão do professor é compartilhada pelo diretor de comunicação da Seturn, Augusto Maranhão. “ O sistema padece de orientação jurídica. Mas se engana  quem pensa que a licitação irá melhorar o transporte público. Os alternativos já funcionam assim e isso não ocorreu”.

A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob) deve divulgar ainda este mês o plano de mobilidade detalhando os novos pólos de atração da população e a cobertura do transporte público.

READ MORE - Trânsito de Natal tem mais carros e menos ônibus

Na Grande Vitória, Corredores de ônibus vai diminuir o tempo das viagens

Três em cada dez percursos feitos pelo sistema Transcol, no horário entre 17 e 18 horas, chegam a durar de 1h30 a 2 horas de viagem. O dado foi calculado em uma pesquisa realizada pela Secretaria de Estado de Transporte e Obras Públicas (Setop). Em 35% dos casos, o ônibus levou esse tempo para cumprir o itinerário completo; enquanto em outros 56% foram gastos de 1 hora a 1h30.

O período avaliado, além de ser o pico no horário do trânsito, também é o pico na demanda de passageiros dentro do sistema de transporte metropolitano. Pela manhã, entre 7 e 8 horas - ainda sem muita interferência do trânsito - em 73% das viagens o tempo gasto ficou entre 1 hora e 1h30. A pesquisa ainda avaliou o transporte municipal, e nos dois horários, cerca de 90% dos veículos cumpriram o percurso inteiro entre 30 e 60 minutos.

Segundo o secretário da pasta, Fábio Damasceno, a perspectiva é de melhorias assim que os corredores exclusivos para ônibus sejam implantados na Grande Vitória. "Acreditamos que o corredor exclusivo, assim como outros mecanismos que pretendemos investir no serviço, devem melhorar o tempo de viagem em 60%, sendo que em algumas situações pode chegar a 90% de ganho", defende Damasceno.

Em 2012A previsão é de que as primeiras vias com corredores comecem a funcionar a partir do ano que vem, chegando a atingir uma área de 52 quilômetros de vias na Região Metropolitana até o final de 2014.

Com os corredores, o acesso do passeiro ao veículo será no nível do piso do ônibus, sem necessidade de escadas ou de elevadores para cadeirantes. Com isso, o tempo para embarque cai, agilizando a viagem.

Além disso, dentro do corredor exclusivo, os ônibus passam a ter um outro sistema semafórico, que pode ser priorizado em relação ao restante do trânsito. Pode-se, por exemplo, deixar o sinal verde por mais tempo para os ônibus, parando o trânsito para carros e motos. (Maurílio Mendonça)

No lugar de dinheiro, cartão
A proposta é que haja pontos de recarga do vale-transporte em locais como padarias e bancas de revistas
O Estado não quer mais que os passageiros do transporte coletivo paguem em dinheiro para entrar nos ônibus. A intenção é que todos andem apenas com os cartões de vale-transporte, previamente pagos. Para ajudar, a ideia é que seja possível comprar os créditos de viagem em pontos de vendas espalhados pela Grande Vitória.

"A venda não vai ficar restrita aos terminais ou em pontos específicos de recarga, como temos hoje. O passageiro poderá renovar os créditos do cartão em padarias, bancas de revista, lanchonetes, supermercados e farmácias, por exemplo", disse o secretário estadual de Transporte e Obras Públicas, Fábio Damasceno.

A ideia é que não haja dinheiro circulando nos ônibus, nem nos caixas dos terminais e pontos de embarque e desembarque. "Assim conseguimos evitar assaltos. É mais segurança ao transporte e, ainda, mais agilidade no embarque e desembarque", frisa Damasceno.

A pesquisa aponta que 57,7% dos passageiros do Transcol usam o cartão de vale-transporte, enquanto 34,7% pagam em dinheiro. Nos ônibus de Vitória, quase 43% preferem o dinheiro.


Raio-X da demora

Tempo de viagem Manhã (das 7h às 8h)

Linhas de Vitória
90% das viagens foram feitas entre 30 minutos a 1h

Sistema Transcol

73% das viagens levaram de 1h a 1h30

Tarde (das 17h às 18h)
Linhas de Vitória
92% das viagens foram feitas entre 30 minutos a 1h

Sistema Transcol
56% das viagens levaram entre 1h e 1h30; 35% chegaram a 2h

Por que o ônibus demora

Pela manhã

51,6% por causa de embarque e desembarque

40,1% devido aos semáforos

4% por conta do congestionamento

4,3% outros motivos

À tarde
37,7% por causa de embarque e desembarque

30,2% devido aos semáforos

25,7% por conta do congestionamento

6,5% outros motivos

Fonte: Secretaria Estadual de Transportes

READ MORE - Na Grande Vitória, Corredores de ônibus vai diminuir o tempo das viagens

Prefeitura de São Paulo deve lançar em 30 dias estudo para transformar ciclofaixa em via compartilhada de bicicleta e carro

O secretário municipal dos Transportes, Marcelo Branco, anunciou nesta quarta-feira (1º) que dentro de 30 dias deve lançar um estudo sobre a transformação de parte do itinerário da ciclofaixa de lazer, que funciona aos domingos na zona sul de São Paulo, em uma via compartilhada entre bicicletas e carros.

Branco disse que nesse meio tempo o desenho da via deve ser definido. Em princípio, a faixa compartilhada vai ligar a avenida Roberto Marinho com o parque Severo Gomes.

Segundo Branco, isso vai ajudar os motoristas a “enxergarem” a bicicleta. Ele disse acreditar que o futuro uso do veículo será compartilhando as vias com os carros. Porém, ele confirma que existem estudos de novas ciclovias nas zonas sul e leste.

- Estudos mostram que o uso da bicicleta cresceu em São Paulo ao mesmo tempo que os acidentes diminuíram. Isso mostra que houve um incremento na educação dos motoristas.

A entrevista foi dada durante o C-40 Summit, reunião de representantes das 40 maiores cidades do mundo para discutir políticas públicas. Branco apresentou um painel sobre os corredores de ônibus na tarde desta quarta-feira.

Metas
Durante sua palestra, Branco afirmou que as pessoas usam 55% o transporte público e 45% o transporte individual. O secretário disse ter a meta de “corrigir” esse uso para 30% de veículos individuais e 70% de público em dez anos.

Para isso, serão implementados semáforos inteligentes, que darão prioridades aos ônibus, e novos corredores. O próximo que deve ser lançado pela prefeitura é o corredor da Radial Leste, anunciado no início deste ano.

Segundo Branco, a licitação deve ficar pronta em junho deste ano. Depois do processo de licitação, a obra vai demandar 12 meses e cerca de R$ 100 milhões. O secretário disse que a via exclusiva será separada do trânsito geral e não vai ocupar nenhuma faixa atual da via.

Além disso, Branco diz querer fazer “intervenções pontuais” nos corredores de ônibus, a fim de aumentar a velocidade média em 20%. Isso, segundo Branco, equivale ao rendimento de 3.000 novos ônibus.

Fonte: R7.com

READ MORE - Prefeitura de São Paulo deve lançar em 30 dias estudo para transformar ciclofaixa em via compartilhada de bicicleta e carro

Em João Pessoa, Avenidas Epitácio Pessoa e Beira-Rio serão alargadas

A fluidez no trânsito será a prioridade no governo do atual prefeito Luciano Agra, que prevê uma série de intervenções a curto, médio e longo prazo. Com investimentos alicerçados em verbas federais através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), as avenidas Epitácio Pessoa e Beira-Rio serão alargadas. Integração do transporte público, das ciclovias e binário no bairro do Castelo Branco estão entre as prioridades, cujos detalhes serão divulgados na próxima semana pelo prefeito.

As primeiras informações foram divulgadas ontem, pelo prefeito, em entrevista à Radio Tabajara. Dois dos principais pontos de engarrafamentos já têm solução. Segundo o prefeito, a Avenida Epitácio Pessoa será alargada a partir do Posto Free Way até a Beira-mar. "Já calculamos e vamos recuar um metro do canteiro central para deixarmos a avenida com três vias porque juntando com os 9,7 metros já existente em cada lado dá para deixá-la com três vias até o final", revelou o prefeito. Com essa medida não serão necessárias desapropriações e indenizações. Ainda na Epitácio Pessoa também será construído um viaduto sobre o trecho que corta a BR-230.

A avenida Beira-rio, também constantemente com tráfego lento, passará por intervenções a curto prazo e será alargada. A partir do trecho que começa na Igreja Batista até o Posto Maia, na Avenida Rui Barbosa, no bairro da Torre. O trânsito do bairro Castelo Branco também deverá fluir com mais rapidez depois da instalação de um binário, que servirá como uma segunda via para os condutotores. "Com esse binário, vamos melhorar a capacidade de circulação dos veículos naquela imediação", destaca Agra.

Um dos projetos contemplados pelo PAC da mobilidade será o aumento das ciclovias da Capital, atualmente com 65 quilômetros de extensão. Segundo Agra, a ideia é que as pessoas utilizem as bicicletas como transportes públicos. "Queremos integrar as ciclovias para que as pessoas, especialmente os estudantes se movam de bicicleta. Isso também faz parte de projetos de melhorias no trânsito", afirmou o prefeito.

O projeto mais ousado e que devera demorar mais tempo para entrar em funcionamento será a implantação dos veículos leves sobre trilhos, cuja sigla em inglês é o LVT. Através dos veículos leves se espera integrar o sistema de transporte urbano. Embora ainda não haja previsão para começar a operar, já se sabe onde a integração irá funcionar. O prefeito anunciou que será no bairro do Varadouro.

Fonte: O Norte

READ MORE - Em João Pessoa, Avenidas Epitácio Pessoa e Beira-Rio serão alargadas

Em São Paulo: Grevistas interrompem a circulação do trólebus

Com cerca de 30% de adesão, a Metra - empresa que opera os ônibus no Corredor Metropolitano ABD - foi uma das companhias com maior número de veículos circulando ontem na região. A não participação ao movimento grevista irritou os manifestantes.
Após assembleia realizada às 17h no Sindicato dos Rodoviários, sindicalistas desceram da Vila Assunção, em Santo André, em direção à Avenida Pereira Barreto, onde obrigaram motoristas de trólebus a pararem os veículos. Passageiros foram forçados a descer dos ônibus. Houve depredações e princípios de tumulto, contidos pela Polícia Militar.
O inspetor de qualidade Henrique Rodrigues, 23 anos, estava dentro do coletivo lotado quando manifestantes pararam o veículo, em frente ao Shopping ABC. "Eles entraram, pegaram a chave do motorista e mandaram todos saírem. Ainda por cima xingaram os passageiros, falando que agora iríamos aprender a respeitar motoristas e cobradores."
"Eram malandrões. Logo que eles roubaram a chave, já fugiram rapidamente, pois sabiam que iríamos atrás deles", acrescentou outro passageiro, o analista de sistemas Rafael Victor Oliveira, 21.
Por volta das 18h30, o corredor de trólebus estava tomado por pessoas que desistiram de esperar pela condução. "Isso aqui virou um grande calçadão", brincou a turismóloga Jamile Piovani, 31. Ela disse que, em dias normais, demora dez minutos para chegar em casa. "Hoje (ontem) vai uma hora e meia, no mínimo.''


Fonte: Diário do Grande ABC

READ MORE - Em São Paulo: Grevistas interrompem a circulação do trólebus

Governo da Bahia recebe propostas para mobilidade urbana

Sete empresas ou grupo de empresas participantes da PMI (Proposta de Manifestação de Interesse), de mobilidade urbana para a Copa de 2014 em Salvador, entregaram os projetos finais das sugestões apresentadas no início de maio. A abertura dos envelopes aconteceu no início da noite de ontem (31), na sede da Secretaria do Planejamento (Seplan).
A PMI definirá o modal a ser implantado no Acesso Norte, interligando os municípios de Salvador e Lauro de Freitas. As propostas consistem de estudos de viabilidade técnica, ambiental e financeira. Serão analisados o modal, a modelagem financeira, a proposta tarifária, o sistema de integração e o modelo de gestão.
Os projetos serão avaliados por um Grupo de Trabalho formado por técnicos do governo e pela equipe da Coppe, consultoria ligada à Universidade Federal do Rio de Janeiro, contratada para tal. O parecer final será entregue em 15 dias. A expectativa do governo é que haja uma definição até 20 de junho.
Segundo informações do Ministério das Cidades, o governo baiano deveria apresentar o Plano de Mobilidade para Região Metropolitana de Salvador até a próxima sexta-feira (3). O atraso pode prejudicar o prazo final da entrega das obras, previstas para acontecer antes do Mundial de 2014.
Dos sete projetos, todos sugerem a construção dos Bus Rapid Transit (BRT) ou de metrôs de superfície, apenas um refere-se a monotrilho e nenhum apresenta proposta de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).  
Todos os projetos possibilitam a integração física com o metrô (ainda não finalizado) e o restante do sistema de transporte da cidade. Os projetos contemplam ainda utilização de bilhetagem eletrônica.
Segundo José Eduardo Copello, chefe de gabinete da Sedur e membro do GT, ainda não se tem claro o modelo de gestão ou mesmo o sistema que será adotado. “Podemos escolher apenas uma proposta completa, ou fazer um misto entre as diversas propostas apresentadas”, disse.
O representante do governo prevê que as obras devem começar entre o final de 2011 e início de 2012. A expectativa dele é que a licitação, que provavelmente terá o formato de Parceria Público-Privada (PPP), aconteça nos próximos dois meses.
A maior parte dos projetos está orçada entre R$ 2 bilhões e R$ 3 bilhões. A empresa que ganhar a licitação terá recursos da ordem de R$ 570 milhões do PAC da Mobilidade Urbana para a execução da obra. O restante poderá ser financiado com recursos do PAC da Copa, ou mesmo da iniciativa privada. 

Conheça cada uma das propostas:

Consórcio Setps e Odebrecht Transport – 78 km de corredores exclusivos para o BRT, 173 estações e terminais, 58 viadutos, 14 pontilhões e 13 tuneis, além de ciclovias e calçadas. Interligará o aeroporto de Salvador ao metrô e ao sistema ferroviário suburbano.
Consórcio Camargo Correia e Andrade Gutierres – 23 km de metrô de superfície ligando o município de Lauro de Freitas à estação acesso norte do metrô, passando pelo Aeroporto de Salvador, canteiro central da Paralela e Iguatemi.
Prado Valadares – sistema modal tipo BRT, podendo evoluir até 2030 para metrô. Conta com 41 km de vias aéreas, composta por pista exclusiva de ônibus, passarela e ciclovias.
Queiroz Galvão – sistema de monotrilho, em elevado, interligando os municípios de Salvador e Lauro de Freitas, preservando o canteiro central da Paralela.
Metropasse – sistema BRT, superfície de Lauro de Freitas à estação da Calçada, integrando o metrô e os trens do subúrbio ferroviário.
ATP Engenharia – metrô de superfície de Lauro de Freitas ao Acesso Norte, em Salvador.
Ivepar Investimentos – proposta composta por um metrô de superfície, interligando os municípios de Lauro de Freitas e Salvador.


Fonte: Portal 2014

READ MORE - Governo da Bahia recebe propostas para mobilidade urbana

Estudo mostra que incentivos geraram troca de ônibus por carro

A elevação do poder aquisitivo da população, as isenções fiscais do governo para a compra de veículos e as deficiências do sistema de transporte público nas capitais e regiões metropolitanas são os motivos que fizeram com que a população brasileira trocasse o transporte público pelo particular no País. De acordo com um estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada (Ipea), nesse ritmo a frota brasileira de automóveis e motos deve dobrar até 2025.

Para se ter uma idéia do crescimento, no Rio de Janeiro, em 1950, eram realizadas 649 milhões viagens de bonde, 216 milhões de ônibus e 20 milhões em automóveis. Em 2005, as viagens de bondes baixaram a zero, as de ônibus subiram para 1,5 bilhão e as de automóveis passaram a 1,6 bilhão.

O aumento da frota e as políticas ineficientes nas cidades, que adotaram sistemas de mobilidade de baixa qualidade e de alto custo, fizeram com que o tempo de deslocamento também aumentasse. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografa e Estatística (IBGE), apontam que, entre 1992 e 2008, o tempo médio de deslocamento casa - trabalho da população nas 10 principais capitais subiu aproximadamente 6%. O percentual de pessoas que gastam mais de uma hora no seu deslocamento casa - trabalho também subiu, de 15,7% para cerca de 19%.

O levantamento mostra que a alta dependência do transporte rodoviário, associada com a degradação das condições de trânsito, têm feito com que o transporte público perca competitividade em relação ao transporte público. "...a ausência de políticas de priorização do transporte coletivo acabam gerando perdas de demanda e receitas para os sistemas públicos, impactando a tarifa cobrada, que, por sua vez, gera mais perda de demanda, retroalimentando o ciclo vicioso".

O resultado desse cenário fez com que as tarifas de ônibus aumentassem cerca de 60% acima da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o que fez com que ainda menos gente usasse o ônibus como meio de transporte, a queda no período foi de 30%.


READ MORE - Estudo mostra que incentivos geraram troca de ônibus por carro

Manaus não terá mais os sistemas BRT e monotrilho

Manaus não terá monotrilho nem BTR (Bus Transit Rapid) para a Copa do Mundo de 2014. A informação foi dada nesta terça-feira (31) pelo governador do Amazonas, Omar Aziz, e pelo prefeito Amazonino Mendes, após saírem da reunião com a presidente Dilma Rousseff, com os prefeitos das capitais e governadores do Estados-sedes da Copa de 2014.
Apesar de o prefeito de Manaus ter cedido e prometido não mais fazer críticas a respeito da construção do monotrilho - sob a responsabilidade do Governo do Estado, que vai se integrar ao BTR no projeto de mobilidade urbana da capital -, ele e Aziz chegaram a outro consenso: o sistema monotrilho-BRT não é prioridade para a Copa do Mundo, em Manaus, já que as exigências da Fifa são estádios, portos e aeroportos.
“Não temos que pensar na mobilidade urbana só para a Copa, mas para os próximos 20 ou 30 anos”, informou o governador.
O convencimento do prefeito sobre a construção do sistema ocorreu após uma recente conversa com Omar Aziz, que garantiu aprimorar o monotrilho. O governo vai trazer técnicos ingleses para uma revisão do projeto, o que, para Amazonino Mendes, imprime confiabilidade.
“Disse ao governador que para mim não haveria nenhum empecilho (a construção do monotrilho), pelo contrário, fico feliz. Pedi apenas que o projeto revisado seja exibido à Prefeitura de Manaus para que os técnicos examinem e ver se condiz com as necessidades”, declarou nesta terça (31) o prefeito de Manaus ao sair da reunião com a presidente Dilma Rousseff, os prefeitos das capitais e governadores do Estados-sedes da Copa de 2014.
Para aceitar a execução da obra, que, segundo a matriz de responsabilidade do PAC Copa custará R$ 800 milhões, vindos da Caixa Econômica Federal – sendo R$ 600 milhões do monotrilho e R$ 200 milhões do BRT – e deixar de reclamações o prefeito Amazonino Mendes fez exigências ao governador Omar Aziz: o projeto monotrilho tem que ter capacidade de transportar, na hora do pico, no mínimo 28 mil passageiros/hora; o Governo do Estado deverá encaminhar um projeto de lei à Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) dando conta de que, na hipótese de haver subsídio de tarifa, o Estado vai arcar com a responsabilidade.
“Feito isso, outros detalhes menores, mais simples de serem removidos, como o comportamento dos alimentadores, o encontro dos dois sistemas BRT-VLT (o mesmo que monotrilho) os nossos técnicos vão ajustar naturalmente”, declarou o prefeito de Manaus.
Questionado se estava mais calmo e menos crítico com essa decisão entre Governo e Prefeitura de Manaus, Amazonino respondeu: “Não vejo mais por que eu tecer críticas porque as coisas estão conformadas com esse novo reexame técnico, segundo a palavra do governador, desde que mostre a capacidade técnica de 28 mil passageiros/hora”.
Fonte: A Critica

READ MORE - Manaus não terá mais os sistemas BRT e monotrilho

Em São Paulo, Haverá um ''Corredor Perimetral'' para acesso rápido ao futuro estádio do Timão


Os torcedores do Grande ABC terão uma ligação direta por corredor de ônibus com o Fielzão, estádio projetado pelo Corinthians, que foi indicado como a sede paulista da Copa do Mundo de 2014.
Na região da futura arena, em Itaquera, Zona Leste da Capital, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos pretende operar o Corredor Perimetral Leste Jacu-Pêssego.
O sistema terá três terminais, uma estação de transferência e vai ligar os corredores Guarulhos/São Paulo e ABD - que conecta São Mateus a Jabaquara, na Capital, passando por Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá.
Segundo o presidente da EMTU, Joaquim Lopes da Silva Júnior, "a ideia é criar terminal em Itaquera e descer usando a Avenida Jacu-Pêssego, que está pronta e tem quatro faixas. A discussão é apropriar uma dessas faixas para o transporte coletivo."
Segundo Silva Júnior, como parte da infraestrutura está completa, o que sobra é ampliar as zonas de ultrapassagem, instalar os pontos de ônibus e fazer o projeto de paisagismo. A predileção é por usar veículos a etanol.
Este trecho seria ligado com São Mateus, um dos limites do Corredor Metropolitano ABD. O segundo tramo, também pela Jacu-Pêssego, acabaria em terminal em Guarulhos, que está em obras. "Isso dá para fazer até a Copa", garantiu Silva Júnior.
A EMTU informou que o investimento previsto é de R$ 166,5 milhões. O corredor deverá ter 26,8 quilômetros de extensão e atenderá 153 mil passageiros por dia.


Fonte: Diário do Grande ABC

READ MORE - Em São Paulo, Haverá um ''Corredor Perimetral'' para acesso rápido ao futuro estádio do Timão

Transfor anuncia segunda etapa de obras em Fortaleza

As obras da primeira etapa do Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor) ainda não foram concluídas, no entanto, a Prefeitura já anuncia outro pacote de intervenções, dessa vez, o Transfor 2. A segunda etapa será licitada no fim desse primeiro semestre e prevê investimento no valor de R$ 370 milhões.

Entre as novidades, um túnel no cruzamento das avenidas Eduardo Perdigão com a Osório de Paiva, na Parangaba, considerado um dos pontos mais complicados da cidade no que se refere ao trânsito.

Outra intervenção considerada fundamental para melhorar a fluidez do trânsito nos bairros Parque Araxá e Rodolfo Teófilo, será a implantação do primeiro Anel Viário, entre a Avenida Bezerra de Menezes e Rua Padre Cícero, próximo ao trilho da Avenida José Bastos.

Ampliação
O Transfor 2 também irá ampliar os terminais de ônibus do Siqueira e da Parangaba e a implantação dos corredores Siqueira/Centro e do Conjunto Ceará/Centro.

Além disso, serão restauradas as avenidas Alberto Sá, Renato Braga e Hermínia Benavides, no Papicu; Desembargador Moreira, na Aldeota; Francisco Sá, no Monte Castelo; Mozart Pinheiro Lucena, Quintino Cunha; Ministro Albuquerque Lima, no Conjunto Ceará.

As obras terão a duração de três anos e sua conclusão ficará para a próxima administração.

De acordo com o coordenador do Programa, Daniel Lustosa, as obras irão diminuir o tempo das viagens, os custos do transporte, o tempo de embarque e desembarque dos passageiros, aumentando a segurança no trânsito de veículos e pedestres. Dessa forma, o programa dá continuidade à política de mobilidade urbana e de valorização do transporte coletivo.

Segundo ele, os locais foram selecionados por ter uma grande demanda, para interligar as que já existem e dar acesso aos terminais, onde serão construídos bicicletários para guardar as bicicletas e permitir a integração com os ônibus.

A chefe do Departamento de Engenharia de Transportes da UFC, professora Nadja Dutra, entende que as intervenções são imprescindíveis, no entanto defende mais investimentos em veículos não motorizados como uma das alternativas mais viáveis e de curto prazo no sentido de melhorar a mobilidade urbana em Fortaleza.

Na sua avaliação, os congestionamentos e a crescente demanda de tráfego nas grandes cidades e regiões metropolitanas passaram de uma questão de segundo plano para converter-se em um dos principais problemas para os habitantes.

PRIMEIRA ETAPAAções completam três anos e devem ser concluídas em 2012

Na última quinta-feira, o Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor) fez três anos. Entre críticas, obras em andamento, outras concluídas e medidas ainda não iniciadas, já foram investidos R$ 86 milhões em ações de infraestrutura dos US$ 142 milhões previstos em contrato.

A despeito dos transtornos e da expectativa e benefícios que as obras geram, a maior mudança deve surgir com a finalização dos trabalhos, em 2012. Com tudo pronto, a proposta é que os corredores prioritários ou exclusivos para transporte público comecem a funcionar, que a integração se concretize, o trânsito melhore e que a tão falada mobilidade urbana seja de fato mais justa para pedestres, ciclistas, motociclistas e usuários do serviço em geral.

Enquanto isso não acontece, a gerência do programa contabiliza o que já foi feito. No total, 26 intervenções foram efetivadas em ruas e avenidas, sendo que 13 já foram concluídas e 13 estão em andamento. Tudo começou com trabalhos nas vias Justiniano de Serpa e Sargento Hermínio. A primeira já foi concluída, mas a outra ainda não terminou, embora a previsão seja inaugurar o trecho inicial ainda neste semestre.

De acordo com o gerente do Transfor, Daniel Lustosa, há exemplos de que as obras do Transfor mostram positivos, como na Avenida Domingos Olímpio. Próximo ao cruzamento com a Aguanambi, era comum haver alagamentos em dias de chuva. Com a drenagem feita no local, Lustosa diz que a questão está "totalmente resolvida".

Ele afirma ainda que, onde foram feitos trabalhos semelhantes, os resultados são os mesmos. "Na Humberto Monte, na Mister Hull", cita, acrescentando que a Avenida Jovita Feitosa, alvo constante de críticas da população devido à demora, tem previsão de ficar pronta em junho deste ano.

O prazo é o mesmo para as obras na Rua Beni de Carvalho/Padre Valdevino. "Isso faz parte de uma ação estruturante. A drenagem é para permitir um pavimento com maior qualidade. Usamos solo brita ou brita graduada, que permite uma vida útil e capacidade maiores", informa o gerente do Transfor.

Além disso, ele afirma que a mudança no deslocamento já está ocorrendo a partir da melhoria das calçadas, do ordenamento de estacionamentos, das ciclovias, da abertura de vias e da construção do túnel da Humberto Monte, por exemplo.

A última etapa, mas não menos importante, acontece em 2012. É quando, com o fim de todas as obras, serão instalados pontos de ônibus novos e instalados os 45km de corredores com prioridade ou exclusividade para transporte público, com integração com os terminais de ônibus.

Nesses espaços para onde convergem os ônibus, garante Lustosa, haverá ainda bicicletários. "Isso vai garantir a sustentabilidade de todo o projeto", estima o gerente.

RECLAMAÇÕES

Transtornos durante a execução dos trabalhos
O gerente do Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor), Daniel Lustosa, reconhece que há transtornos durante as obras, mas garante que o problema é momentâneo e existe um esforço para minimizar o incômodo. "Antes de começar qualquer obra as equipes sociais vão às casas, conversam com as pessoas, entregam informes, explicam o que vai ser feito. À medida que vamos executando, as equipes continuam indo aos locais", detalha.

Sobre as obras ainda em andamento ou inacabadas, Lustosa garante que é uma questão de tempo. A Avenida Bezerra de Menezes, por exemplo, ganhou calçadas padronizadas, ciclovia no canteiro central, uma faixa extra em cada sentido, mas as vias ao lado das alças do túnel estão inconclusas. Para o gerente, isso não tem impedido o deslocamento e será terminado.

O problema é que restos de material de construção encontram-se no canteiro central, bem como galhos de árvores, o que prejudica a locomoção dos pedestre naquela via.


Fonte: Diário do Nordeste

READ MORE - Transfor anuncia segunda etapa de obras em Fortaleza

Oito das dez piores empresas de ônibus são do ABC

Má conservação dos ônibus e alta quantidade de acidentes marcam o perfil do transporte intermunicipal de ônibus no ABC. Das 10 piores empresas de transporte coletivo das áreas metropolitanas do Estado, oito são da região. O dado faz parte da pesquisa feita pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) sobre a qualidade dos transportes em três regiões metropolitanas do Estado.

Comparados aos veículos que servem a Baixada Santista e a região de Campinas, a frota do ABC é a que apresenta os carros com piores condições, com problemas que vão da limpeza e conservação dos carros a problemas com pisos quebrados e assentos ruins.

Outro problema é relacionado à qualidade operacional das linhas: partidas que não são cumpridas e frequentes atrasos. “Não podemos marcar horário para nada. Ou o ônibus atrasa ou não para no ponto. É muito comum também ter de esperar por outro no meio do caminho, pois sempre quebra, os passageiros têm de descer e esperar por outro veículo”, conta o analista de sistemas Bruno Ramos, 33 anos, de São Caetano.

Um obstáculo para que o cenário melhore está no fato de que os contratos das viações do ABC são antigos, anteriores à Constituição de 1988 que prevê licitações. Desde 2005 foram várias e falhas as tentativas da EMTU de abrir concorrência. Uma das queixas das viações ao longo dos anos é que seus investimentos ainda não foram amortizados.

Fonte: eBand

READ MORE - Oito das dez piores empresas de ônibus são do ABC

No Dist. Federal, Usuários correm risco com a falta de manutenção de coletivos

Não bastasse enfrentar os transtornos do sistema de transporte público local, como longas filas, atrasos e número reduzido de  ônibus, o brasiliense convive ainda com outra situação preocupante: a falta de manutenção nos veículos da frota. O acidente de ontem, em que um coletivo da Viplan atropelou seis pessoas e matou duas, na Ponte do Bragueto, teria sido causado, segundo o motorista, por uma falha no freio. A tragédia reacendeu a discussão sobre o problema – os rodoviários garantem que a manutenção nos veículos é falha. Já o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans), órgão fiscalizador, assegura que vistoria os veículos com regularidade.

Entre 1º de janeiro e 4 de maio deste ano,  o DFTrans lavrou 2,8 mil autos de infração a ônibus. Destes, pelo menos 811 são relativos à falta de manutenção, ausência de equipamentos obrigatórios ou  defeitos nos veículos. Além disso, não é difícil encontrar nas vias do DF coletivos quebrados e parados.


Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

READ MORE - No Dist. Federal, Usuários correm risco com a falta de manutenção de coletivos

CMTC altera trajeto de cinco linhas de ônibus na região do Mutirama

Em parceria com a Agência Municipal de Trânsito (AMT), a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) planejou novo atendimento para cinco linhas do sistema que operam na região do Parque Mutirama e que utilizam a Avenida Araguaia como corredor do transporte. A mudança passa a vigorar a partir de terça-feira, 31, e é provisória. A expectativa é de que parte do novo complexo do parque seja entregue até o final do ano.
Pelo novo planejamento, as linhas 104 (Clube Ferreira Pacheco/Centro); 225 (Res. Guanabara/Centro-via Av. Nazareth); 258 (Circular Aeroporto/Centro-via St. Jaó); 262 (Jd. Guanabara/Centro) e a 280 (Jd. Guanabara III/Centro- via Av. Nazareth) deixarão de passar pela Avenida Araguaia.
A alternativa encontrada pela CMTC para atender o usuário dessas linhas, sem causar transtornos, foi deslocar os ônibus para a Avenida Contorno. Um semáforo de três tempos funcionará no cruzamento da Avenida Contorno com a Independência, possibilitando esse acesso. Quatro pontos de ônibus funcionam nesse trecho que liga essas linhas à Praça Cívica. O veículo fará esse itinerário nos sentidos bairro/centro/centro/bairro.


Fonte: O Popular

READ MORE - CMTC altera trajeto de cinco linhas de ônibus na região do Mutirama

Espera por ônibus em Maringá não poderá ser superior a 20 minutos

Depois que assinar o contrato com a Prefeitura de Maringá, a empresa que for declarada vencedora da licitação do transporte coletivo vai ter 30 dias para garantir que nenhum passageiro espere mais que 20 minutos pelo ônibus nos horários de pico. Ontem, a prefeitura anunciou que a Transporte Coletivo Cidade Canção venceu a última etapa do processo , e deve permanecer à frente do serviçoem Maringá.
O prazo inicial previsto pela prefeitura era de 90 dias, mas as três empresas participantes da licitação do transporte coletivo de Maringá se propuseram a dar início ao novo sistema em até 30 dias após o fechamento do contrato.
A principal medida para garantir a agilidade nas viagens é a implantação de corredores de ônibus temporários, em horários de pico, nas avenidas Tuiuti e Morangueira.
"Com uma maior oferta de viagens e a partir da implantação destes corredores, a população vai sentir uma melhora sensível no serviço", afirmou o gerente de Transporte Coletivo da Setran, Mauro Menegazzo.
Segundo o gerente, o funcionamento dos corredores temporários de ônibus também dependem da administração municipal, já que os ônibus vão circular no espaço destinado atualmente para o estacionamento dos veículos. "Vamos implantar, anunciar e fiscalizar para que os corredores funcionem", disse.
O terceiro corredor de ônibus a ser implantado, segundo Menegazzo, vai ser na Avenida Brasil, entre as avenidas Tuiuti e 19 de Dezembro, mas isso depende de obras que vão ser executadas pela prefeitura, como a retirada das "espinhas de peixe". "Estamos finalizando o processo junto com a Caixa para dar início às obras", afirmou.
Fora dos horários de pico, explica Menegazzo, o tempo máximo de espera pelos ônibus vai ser de até 30 minutos. Para que a prefeitura possa controlar o tempo das viagens e eventuais atrasos, vai ser obrigatório o uso de GPS em toda a frota de ônibus da empresa concessionária.
"Vamos controlar isso através da Central de Controle Operacional, que vai ser montado pela empresa dentro da Setran. Com essas informações, poderemos verificar, inclusive, se os ônibus excederam os limites de velocidade durante a viagem".

Licitação
Ontem, a prefeitura anunciou que a TCCC venceu a última etapa do processo licitatório, com a melhor proposta financeira, mas ainda não foi declarada vencedora porque as outras duas concorrentes têm prazo de 5 dias úteis para apresentação de recurso junto à Comissão de Licitação.
A Visate ficou em segundo lugar e a Metropolitana, desclassificada, porque a comissão entendeu que a empresa deixou de apresentar documentos.
Nessa etapa, as empresas apresentaram descontos para o valor da passagem dos horários de baixo movimento de passageiros pagas com cartão. A prefeitura não divulgou o percentual ofertado pela TCCC.


Fonte: O Diário

READ MORE - Espera por ônibus em Maringá não poderá ser superior a 20 minutos

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960