Em Minas, Sete Munícipios tem uma das tarifas de ônibus mais caras do Brasil

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Sete municípios mineiros têm tarifas de transporte coletivo entre as mais caras do país, na comparação com as capitais brasileiras. Contagem, Belo Horizonte, Betim, Ipatinga, Timóteo, Coronel Fabriciano e Uberlândia apresentam valores entre R$ 2,40 e R$ 2,55, superiores às tarifas de capitais como Florianópolis, Curitiba e Brasília.

A passagem mais cara de Minas Gerais é de Contagem, R$ 2,55. A Transcon justifica o preço em função dos investimentos no quadro de funcionários, aumento da frota, criação de novas linhas e adaptação dos ônibus para portadores de deficiência física.

Já Belo Horizonte e Betim reajustaram a tarifa, recentemente, para R$ 2,45. Em BH, a sétima tarifa mais cara entre as capitais do Brasil, a BHTrans argumenta que a passagem de ônibus teve um índice de reajuste médio de 6,5%, valor acumulado nos últimos dois anos. Neste mesmo período, a variação do INPC foi de 10,5%, e o salário mínimo teve um aumento de 22,9%, índices superiores ao reajuste das tarifas.

Conforme o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (STTRBH), os reajustes em BH são feitos com base em índices da Fundação Getúlio Vargas. A passagem não foi reajustada no ano passado, pois não houve alteração dos custos. Para reduzir os preços seria necessário desonerar as tarifas.

A Prefeitura de Betim justifica o valor alto da tarifa pelo fato de o índice de passageiros por quilômetro (IPK), usado como referência no cálculo de reajustes, é próximo de um, o que encarece os custos operacionais.

No Vale do Aço, as três principais cidades da região, Ipatinga, Coronel Fabriciano e Timóteo, cobram tarifa de R$ 2,40. Conforme a assessoria de Imprensa da Saritur, proprietária da Autotrans, empresa que tem a concessão nos três municípios, o preço da passagem é alto em função do alto custo de vida local, do alto índice de gratuidade e da carga tributária elevada.

Em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, de acordo com o secretário de Trânsito e Transportes, Paulo Sérgio Ferreira, o valor da passagem é de R$ 2,40, porem, é uma tarifa integrada. “O usuário pode pegar muitos ônibus pagando somente um bilhete.

Além disso, temos uma das frotas mais novas do Brasil, com média de 1,5 ano, e todos os veículos são adaptados para deficientes físicos. Mesmo com o reajuste deste ano e de 2010, o percentual ficou abaixo da taxa inflacionária. Se for comparar esses pontos e o serviço prestado, nossa tarifa é muito barata”, garante.

O superintendente da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Marcos Pimentel Bicalho, diz que o valor da tarifa varia de cidade para cidade, pois diversos fatores influenciam o preço final da passagem. “São particularidades de cada região. Custo, manutenção e idade da frota, salários dos funcionários, custo de vida, impostos, entre outros.
Entretanto, muitos municípios sequer sabem quanto custa o transporte público e só reajustam a tarifa quando os vizinhos aumentam”, enfatiza. Marcos Pimentel Bicalho ressalta que a ANTP desenvolveu um projeto de lei para reduzir a carga tributária que incide no transporte urbano. “A proposta está para ser votada no Senado. É necessário que exista um esforço mútuo de todas as esferas do poder público. Não adianta a União reduzir o imposto sobre o diesel, por exemplo, se o município aumentar outra taxa”, afirma o superintendente.

Corte de tributos é alternativa
Fortaleza, capital do Ceará, com 2.505.552 habitantes, pratica a menor tarifa de ônibus coletivos municipais entre as capitais brasileiras, no valor de R$ 1,80. O preço só é possível graças a reduções de impostos.

Segundo o presidente da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), Ademar Gondin, para evitar os reajustes, as negociações foram direcionadas para a redução dos tributos. “Antes, os aumentos eram praticamente anuais. Decidimos, então, reduzir os valores do ISS (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) de 4% para 2% e zerar a taxa de gerenciamento, que era de 3%. Em nova negociação, conseguimos reduzir em 50% o ICMS sobre o óleo diesel”.

Com a queda das taxas tributárias, o passageiro do transporte público de Fortaleza ainda ganhou a redução da tarifa para R$ 1,20 em todos os domingos do ano, aniversário da cidade, comemorado dia 13 de abril, e dias 31 de dezembro e 1º de janeiro. Atualmente, Fortaleza tem uma frota de 1.755 veículos. O preço pago por quilômetro rodado é de R$ 3.

Ademar lembra que a redução tributária trouxe benefícios. “Percebemos que o transporte é um meio para a economia e não um fim. O transporte público é um serviço social. Não se gera renda durante o trajeto, e sim no destino final do usuário. Com a redução, aumentamos em 20% o número de pessoas transportadas, atualmente, em 1,3 milhão de pessoas por dia”, enfatiza.

O presidente da Etufor garante que ainda há uma grande parcela da população que não tem acesso ao transporte público. “Estamos buscando a isenção de tributos federais para ampliar os serviços existentes e manter o preço atual, ou, quem sabe, até reduzir. Em função desta experiência, recebemos visitas de representantes de várias empresas operadoras e de cidades para ver como funciona nosso projeto. Mesmo com preços baixos, estamos renovando nossa frota”.

Reajuste sem melhorias

Os aumentos das tarifas de ônibus deixaram muitos passageiros descontentes. Em Belo Horizonte, a medida desencadeou até um protesto de estudantes, no último dia 3 de fevereiro, na Praça 7, Centro da cidade.

Segundo o presidente da Associação Metropolitana dos Estudantes Secundaristas da Grande Belo Horizonte (Ames), Gladson Reis, o objetivo da manifestação era pedir uma auditoria nas empresas de ônibus para analisar seus faturamentos.

Os manifestantes também cobraram a sanção da lei que concede o pagamento de meia passagem aos estudantes. “Consideramos esse aumento inconstitucional. Queremos conscientizar a população e mostrar nossa luta pela regulamentação da meia passagem”, pontua.

Em Belo Horizonte, com o valor da passagem em R$ 2,45, um trabalhador que utiliza o ônibus duas vezes por dia terá que desembolsar em um mês, considerando-se 22 dias úteis, R$ 107,80 para o transporte.

O valor é ainda maior para aqueles que necessitam pegar mais de um ônibus. É o caso da comerciária Márcia Alexandrino, 45 anos, que usa três coletivos para chegar até o serviço, totalizando seis ônibus todos os dias. “Está muito cara a passagem. Se o serviço fosse melhor, até justificaria o preço. Gasto por mês cerca de R$ 240 somente com passagens. Passo muito tempo em um único ônibus e só consigo pegar uma integração. Para mim, o preço justo da passagem deveria ser R$ 2”.

A funcionária pública Rosimere Miranda Santos, 24 anos, também não concorda com o aumento do preço da passagem. “Preciso de três ônibus todos os dias para ir para o trabalho e para a faculdade. Achei um absurdo o aumento da tarifa. Os ônibus continuam lotados e sempre demoram”, ressalta a servidora.

De acordo com a presidente da Associação dos Usuários de Transporte Coletivo de Belo Horizonte e Região Metropolitana (AUTC), Gislene Gonçalves dos Reis, o preço da passagem em BH é muito caro em função do trajeto. “Para comparar, fizemos uma visita a São Paulo. Um coletivo suplementar roda 14 bairros e cobra R$ 3. Em BH, num ônibus de Venda Nova até o Barreiro paga-se R$ 2,45. Foram comprados carros novos, mas praticamente não houve melhoria do serviço”, garante.



READ MORE - Em Minas, Sete Munícipios tem uma das tarifas de ônibus mais caras do Brasil

Curitiba: Começam as obras do Anel Viário, na área central

A Prefeitura de Curitiba deu início às obras do Anel Viário, que vai melhorar o fluxo do transporte público e do trânsito da cidade. As equipes começaram a trabalhar nesta segunda-feira (7) na reforma das calçadas das ruas Lysímaco Ferreira da Costa, Augusto Severo e Julio Perneta e em obras viárias na Teffé. "Esta é uma obra que vai melhorar o fluxo de veículos, principalmente para o transporte coletivo. O anel viário, que integra as obras da Copa de 2014, trará mais segurança para pedestres e motoristas. É mais uma obra da cidade do futuro ", diz o prefeito Luciano Ducci.
Nesta segunda-feira, as equipes contratadas pela Secretaria Municipal de Obras Públicas estão construindo as novas calçadas das ruas Lysímaco Ferreira da Costa (entre as ruas Mateus Leme e Nilo Peçanha), no Centro Cívico, Augusto Severo (entre a Nicolau Maeder e Barão de Guaraúna), no Alto da Glória, e Julio Perneta (entre a Roberto Barroso e Mamoré), nas Mercês. Na rua Teffé, no Bom Retiro, também está sendo retirado o bloqueio viário e relocadas árvores. Serão plantadas 142 árvores na rua.
Por causa da construção das novas calçadas, estão previstos bloqueios parciais nas ruas em obras, durante o trânsito do maquinário. "O início das obras pelas calçadas diminui o impacto sobre o trânsito da cidade e traz mais segurança aos pedestres", explica o secretário municipal de Obras Públicas, Mario Tookuni.
As obras do Anel Viário são feitas pela Prefeitura de Curitiba em parceria com o governo estadual, com recursos do Fundo de Desenvolvimento Urbano (FDU). Serão investidos R$ 36 milhões nas obras.
Anel Viário - A obra do Anel Viário prevê a revitalização do pavimento, das calçadas e a adequação da sinalização semafórica em 25 quilômetros de um conjunto de ruas que formam um anel ao redor do centro de Curitiba. O objetivo é melhorar a mobilidade e a acessibilidade em toda a região central.
Passando por oito bairros - Rebouças, Alto da XV, Alto da Glória, Centro Cívico, Bom Retiro, Mercês, Batel e Água Verde - o Anel Viário vai ajudar a desafogar o trânsito na área central com deslocamentos mais seguros e contínuos.
Os motoristas poderão até percorrer distâncias maiores, mas os tempos de deslocamentos serão menores e eles encontrarão mais fluidez. No sentido horário, o Anel Viário terá 11,6 quilômetros de ruas e no sentido anti-horário, outros 13 quilômetros.
Entre as ruas que passarão por obras estão a Desembargador Motta e a Brigadeiro Franco, no Batel; a Brasílio Itiberê e a Engenheiros Rebouças, no Rebouças; Lysimaco Ferreira da Costa e Teffé com Roberto Barrozo, no Centro Cívico; Ubaldino do Amaral e Sete de Abril, no Alto da XV.
O anel viário é composto por 23 ruas. No sentido horário, são beneficiadas as ruas Roberto Barrozo, Aristides Teixeira, Comendador Fontana, Nicolau Maeder, Mauá (opção: 21 de abril e 7 de abril até a Ubaldino do Amaral) Amâncio Moro, Ubaldino do Amaral, Omar Sabbag, Engenheiros Rebouças, Brigadeiro Franco, e Tenente João Gomes da Silva.
E no sentido anti-horário, as equipes vão trabalhar nas ruas: Júlio Perneta, Desembargador Motta, Iguaçu (opcional), Buenos Aires, Brasílio Itiberê, Omar Sabbag, Ubaldino do Amaral, 7 de abril, Alberto Bolinger, Augusto Severo, Campos Sales, Lysimaco Ferreira da Costa, Domingos Nascimento, Teffé e João Antoniassi.


READ MORE - Curitiba: Começam as obras do Anel Viário, na área central

Começou ontem a Tarifa Social de R$ 1,00 em Caruaru

Os caruaruenses já podem visitar os amigos, sair com a família, passear no parque ou nos shoppings, pagando apenas R$ 1,00. Este é o valor da tarifa social acertada entre a DESTRA e as empresas de ônibus em acordo recente, que também incluiu a obrigação do empresários em renovar a frota. O benefício começou a valer neste domingo e seguirá por todos os outros do ano, além dos feriados nacionais: 1º de janeiro, 1º de maio, 7 de setembro e 15 de novembro. O direito à tarifa especial é universal, ou seja, qualquer pessoa pode desfrutar.

Uma boa opção de lazer gratuita para toda família é proporcionada pelo Parque Severino Montenegro, localizado na Av. José Rodrigues de Jesus, s/nº, no bairro Indianópolis. No centro da cidade, com apenas R$ 1,00 pode-se tomar o ônibus que faz a linha Vila Serena. A parada fica a poucos metros do Parque.

O espaço ecológico abre às 7h e funciona até as 18h. Durante todo o dia arte-educadores fazem a alegria da criançada com ensinamentos e atividades lúdicas relacionadas a preservação do meio ambiente. Na programação para toda família há espaço no Parque para piqueniques, num ambiente de curtição da natureza do Agreste Pernambucano. Tudo isso com economia, sem comprometer o orçamento.


READ MORE - Começou ontem a Tarifa Social de R$ 1,00 em Caruaru

Cuiabá terá grandes avanços no transporte coletivo devido a copa do mundo

A vida para os 380 mil usuários do transporte coletivo em Cuiabá e Várzea Grande não deve ser a mesma após a implantação do sistema BRT. Esta também é uma das grandes apostas para a melhoria do trânsito na Capital e uma das exigências da Fifa para Cuiabá sediar os jogos da Copa de 2014.
Isso porque, durante os jogos, 60% dos torcedores devem usar o transporte coletivo para chegar até a arena dos jogos, centros de treinamentos, aeroporto, fan park e hotéis. Eles vão embora, mas as obras ficam para atender a população cuiabana e de Várzea Grande. Segundo o presidente da Agecopa, Yênes Magalhães, as melhorias vão ocorrer nos veículos e nos horários. "A frota oferecerá mais conforto, segurança, qualidade e poderá atuar com pontualidade."
O BRT terá duas rotas: CPA-Aeroporto e Coxipó-Centro. Os ônibus vão operar com 3 diferentes tipos de linhas. O convencional, o expresso, sem paradas, e semiexpresso, com apenas 3 paradas. Com isso, a meta é reduzir pela metade o tempo gasto em cada viagem.

Sistema - O BRT CPA-Aeroporto sairá de um terminal no CPA 1 e seguirá pela avenida CPA-Prainha, FEB até aeroporto. Neste corredor, serão implantadas 21 estações de embarque e desembarque de passageiros. Uma delas no Morro da Luz, na avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha).
Além da rota principal, que será percorrida por 2 sistemas, convencional e expresso, haverá outras linhas que saem do terminal e passarão por outros bairros. Uma pela rodoviária e outra pela avenida Dante de Oliveira.
A segunda rota do BRT sairá do Coxipó, onde será instalado um terminal, com destino ao centro de Cuiabá. Os veículos passarão pela Getúlio Vargas, Isaac Póvoas até a Prainha. Uma das principais mudanças será a construção de uma estação elevada no trevo da UFMT e do shopping. Neste corredor são outras 15 estações. A entrada e a saída dos passageiros serão controladas por catracas, nas estações, e não dentro dos ônibus.
Todos os veículos e estações serão adaptados para portadores de necessidades especiais. As estações terão informações sonoras e visuais para deficientes visuais e auditivos, e rampas de acesso.


READ MORE - Cuiabá terá grandes avanços no transporte coletivo devido a copa do mundo

Passageiros do metrô de BH sofrem com falta de linhas e o desconforto

"Tenho que desligar porque, agora, vou entrar no forno". Assim, uma usuária do metrô encerrou uma conversa ao celular antes de embarcar na estação Central de Belo Horizonte na última segunda-feira. Com temperaturas acima de 30º C na cidade, é fácil perceber a principal queixa de quem usa as poucas linhas do trem urbano da capital: a falta de ar condicionado.

"O calor é muito grande aqui dentro. Em um dia como hoje, fico até com dor de cabeça", reclama a bancária Natália Perona, que todos os dias percorre todas as estações, da Vilarinho, em Venda Nova, à Eldorado, em Contagem, na região metropolitana. "No calor, parece que o ar (condicionado) dentro do trem não existe, mas, no frio, fica gelado", diz a administradora de empresas Joice de Lima.

A percepção dela é a mesma de muitos usuários, mas está errada. O sistema de ar condicionado não existe nem no inverno, nem no verão. "Há projeto para melhorar, mas falta recurso", diz o superintendente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) Metrô BH, José Roizenbruch. Em cidades como Recife (PE), todos os trens têm ar condicionado. Em Belo Horizonte, há apenas a ventilação natural, feita por pequenas janelas, por onde entra ar quente no verão e frio no inverno.

Durante seis horas, a reportagem de percorreu as 19 estações do metrô e constatou também outros problemas, como as falhas no sistema de som. Muitas vezes, os passageiros não são informados em qual estação será a próxima parada. "Fica difícil, principalmente quando o trem está cheio e a gente não consegue ler na placa quando abre a porta. Com o tempo, a gente até se acostuma, mas, se dormir no caminho, acorda sem saber onde está", diz a corretora de seguros Tayná de Brito.

Entre 19h46 e 20h31 a reportagem percorreu todo o caminho do metrô e não houve nenhum aviso sobre as paradas. Nas viagens do início da tarde, havia informações, mas nunca em todas as estações. A CBTU reconhece a falha e diz que o sistema de som será trocado. Enquanto a mudança não vem, a companhia pede que os usuários comuniquem a falha aos funcionários das estações, para as correções possíveis.

Quem usa o trem também reclama da lotação em horário de pico e do número de cadeiras nas plataformas, apesar de a espera ser curta, de quatro a sete minutos no horário de pico. "Sempre espero em pé e também viajo em pé", relata a chefe de departamento Gleice Campos, que usa as estações Central, São Gabriel e 1º de Maio.

Fonte: O Tempo

READ MORE - Passageiros do metrô de BH sofrem com falta de linhas e o desconforto

Metrô SP: Diminuição de conforto é natural, diz empresa

O Metrô afirma que a situação da linha 2-verde será a primeira a melhorar com os investimentos programados para reduzir os intervalos entre os trens, aumentando a oferta.

A empresa considera, porém, que a lotação da linha é um resultado natural do aumento de sua utilidade --e que a prioridade é oferecer um transporte rápido para mais gente.
"Ela era uma linha confortável, mas com utilidade pequena, porque ia a poucos lugares. Com a extensão, está servindo a muito mais gente. A tendência natural é que seu nível de conforto diminua", afirma Sérgio Aveleda, presidente do Metrô.


"Não dava para imaginar que iria chegar na Vila Prudente e na Vila Madalena e que seu nível de conforto iria continuar igual. É natural que mais pessoas utilizem a linha. Natural, bom, necessário e aconselhável", diz.
Aveleda afirma que "ninguém faz linha de metrô para transportar oito por m²" --um desconforto extremo que já ocorre nas linhas 1-azul e 3-vermelha e que, acima disso, diz o Metrô, significa que há espera na plataforma. Para ele, os passageiros não vão se afastar.

Fonte: Folha.com

READ MORE - Metrô SP: Diminuição de conforto é natural, diz empresa

Metrobus pretende renovar toda frota até 2012

A Metrobus pretende renovar, até 2012, toda a frota de ônibus que atende o Eixo Anhanguera, além de adquirir outros 30 veículos para a implantação da extensão da linha. A promessa é do presidente da Metrobus, Carlos Maranhão, que sinaliza que um acordo para a renovação da concessão à empresa já está costurado entre o governador Marconi Perillo e o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia.

Maranhão anunciou a renovação da frota em resposta à reportagem publicada ontem, pelo POPULAR, sobre as condições (críticas) da maior linha de transporte coletivo da capital. "Os investimentos na prestação do serviço são exigências para renovação do contrato de concessão à Metrobus e devem ser objeto de acordo assinado com a Prefeitura de Goiânia, estabelecendo esse compromisso do governo do Estado", destaca o presidente da Metrobus. "Estamos convencidos de que há um acerto entre o prefeito e o governador para que essa renovação da concessão seja firmada", acrescenta.

Renovação


De acordo com Maranhão, a previsão é de que 40% da atual frota, de 120 veículos, seja renovada ainda neste ano, e, os outros 60%, em 2012. "Não tem como ser diferente, porque não há ônibus disponíveis na prateleira para nos atender", argumenta. Ele explica que, mesmo que o processo licitatório seja apressado, a entrega garantida é de oito a dez veículos por mês, com o prazo de 120 dias, a partir da assinatura do contrato.

É também nesse prazo que, segundo ele, o governo estadual pretende adquirir os 30 novos ônibus que atenderão à ampliação do Eixo Anhanguera - conforme determina o novo plano operacional para a concessão. O projeto total da linha deve contemplar a extensão do Eixo para a Região Oeste - até o Conjunto Vera Cruz, na saída paraTrindade - e também para as Regiões Noroeste - Vila Mutirão - e Leste - Jardim das Oliveiras, em Senador Canedo.

Além disso, assegura Maranhão, a Metrobus pretende investir em toda a via pública que sustenta a linha, incluindo a construção de novos terminais nas extensões Oeste, Noroeste e Leste, e a melhoria dos grandes terminais já existentes, como o da Praça A, da Praça da Bíblia e Padre Pelágio. Outro compromisso é assumir, em parceria com o poder público municipal, a revitalização da Avenida Anhanguera.

Recursos, para os investimentos, o presidente da estatal diz que existem. Conforme afirma, a empresa tem a receber, já, em subsídios, cerca de R$ 60 milhões. Fora os recursos do tesouro estadual, a pretensão é recorrer ao Ministério das Cidades e, também, a financiamentos.

A Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), gestora do sistema, reconhece que a situação do Eixo Anhanguera - que transporta diariamente 200 mil pessoas - é caótica e estima em aproximadamente R$ 230 milhões os investimentos necessários na linha. .

Fonte: Goiasnet

READ MORE - Metrobus pretende renovar toda frota até 2012

Usuários ainda sofrem com informações desencontradas na Fácil

Quem tenta recarregar os cartões do Passe Livre estudantil antes do início das aulas das escolas públicas continua enfrentando a falta de informações nos postos da Fácil. Neste domingo, quem foi até a empresa em Samambaia e no Gama não precisou pegar fila, já que o local amanheceu tranqüilo, mas muitos também não conseguiram inserir os créditos.

É o caso da ajudante de serviços gerais Silvana dos Santos, 34 anos, que foi até a Fácil de Samambaia para recarregar o cartão do filho de 16 anos, mas voltou para casa sem ter o serviço prestado. “Me disseram que a documentação está incompleta, que está faltando o comprovante escolar. Mas meu marido tinha sido informado que esse documento não era necessário, já que essa seria apenas uma recarga emergencial. Para isso precisaria apenas do cartão do Passe Livre e a carteira de identidade”, lamentou. Sem conseguir colocar os créditos para o filho, ela voltou para casa desesperada. “Eu não tenho como voltar aqui durante a semana, trabalho das 8h à 18h. Meu filho terá que vir sozinho resolver isso”.

Documentação confusa

Silvana não é a única a passar por essa situação. A confusão em relação aos documentos solicitados para fazer a recarga atinge boa parte dos usuários. Para efetuar apenas a recarga é preciso levar três documentos. O comprovante escolar, o cartão do Passe Livre e a carteira de identidade original. Já para quem deseja um novo cartão, serviço que só começa a funcionar nesta segunda-feira (7/2), a lista é um pouco maior. É preciso ter em mãos o comprovante de matrícula, o comprovante de residência, cópia da identidade e do CPF, duas fotos 3x4 recentes, além do termo de compromisso legal preenchido, que pode ser retirado pelo site ou então em um dos postos da Fácil.

Neste domingo cinco postos da Fácil estão abertos para atender a demanda da população, em Sobradinho, Setor Comercial Sul, Gama, Samambaia e Taguatinga. Eles vão funcionar até 18h. Vale lembrar que o serviço só está disponível para a recarga do cartão. Quem deseja um novo cartão, terá que esperar até esta segunda-feira, quando esse atendimento passará a ser feito.

Fonte: Correio Braziliense

READ MORE - Usuários ainda sofrem com informações desencontradas na Fácil

No Rio, Passageiros sofrem nos ônibus sem ar condiciondo

O calor do verão carioca dentro dos ônibus sem ar-condicionado — que chegam a 86% da frota que transporta cerca de 3,5 milhões de pessoas — está torrando a paciência e derretendo a disposição de quem precisa usar o principal meio de transporte da cidade. Muitas são as reclamações contra o desconforto provocado pela elevada temperatura, que pode ultrapassar os 45 graus na área próxima ao motor — conforme constataram repórteres do GLOBO em teste realizado na última quinta-feira com um termômetro digital. No corredor, o aparelho marcou 36 graus. Isso num dia em que a máxima, registrada em Santa Cruz, foi de 34 graus, marca ainda longe do dia mais quente do ano, registrado em 28 de janeiro: 41,4 graus.

— Todos os ônibus do Rio deveriam ter ar-condicionado. A cidade é muito quente e fica insuportável pegar um ônibus cheio com todo mundo suando, tendo que ir para o trabalho ou estudar. A sensação é de estar realmente numa sauna — reclama o estudante o estudante André Queiroz.
Cinquenta queixas por dia
O calor intenso já começa nos pontos de ônibus. Onde há abrigos, a sombra muitas vezes é insuficiente. Árvores, bancas, passarelas de pedestres, tudo o que amenizar o sol atrai passageiros esperando pelos ônibus. Sombrinha, leque e até mesmo pedaços de papelão viram acessórios. Não é raro ver motoristas que improvisam em suas janelas quebra-ventos de papelão para fazer o ar entrar.
— Entre meio-dia e 14h o calor é demais. O uniforme (gravata e calça escura) esquenta ainda mais. Os pelos da perna deixam até de nascer por causa dessa quentura do motor — diz um motorista da linha S-20 (Carioca-Recreio, via Linha Amarela), pedindo para não ter o nome revelado.
A Associação de Passageiros do Rio de Janeiro recebe em média 50 reclamações relacionadas a calor por dia, nesta época do ano.

— Os usuários acham que reclamar não vai dar em nada, por isso considero 50 reclamações por dia um número baixo — afirma Antônio Gilson, presidente da associação.
O calor em excesso pode causar desidratação, que traz consequências graves, explica o especialista em medicina esportiva Paulo Zogaib. Ele recomenda a ingestão de bastante água.
— O desconforto vem da desidratação. O calor aumenta a transpiração, que é um mecanismo de perda de calor. Conforme vamos perdendo água, pode ocorrer tonteira, moleza ou mal-estar. O ideal é não ficar exposto à alta temperatura. Como não é possível, o mecanismo principal de defesa seria fazer a ingestão de água.
O médico explica ainda, que é bom evitar enfrentar o calor com o estômago cheio:
— A digestão desvia parte do sangue para o estômago. Com menos sangue periférico, o corpo tem mais dificuldade de controlar a temperatura e aumenta a sensação de calor.
A sensação de calor é ainda maior do que indica o termômetro. O meteorologista do Cli$Marcelo Pinheiro explica que a medição oficial da temperatura segue padrões internacionais: as estações ficam na sombra, em local ventilado e em área gramada:
— A temperatura da rua sofre diversas influências, como a do asfalto quente ou, no caso do ônibus, do calor do motor. Além disso, a alta umidade do ar no Rio aumenta a sensação térmica. Na última quinta-feira a umidade era de 52%, considerada alta, e que deve ter sido responsável por um aumento na sensação de calor de cerca de dois graus.

Questão de saúde pública
Para o engenheiro de transportes Fernando Mac Dowell, cidades quentes como o Rio de Janeiro não deveriam considerar ar-condicionado um luxo, mas questão de saúde pública:
— O transporte não pode ser formador de custo social. Quem vai trabalhar num calor como o do Rio de Janeiro acaba ficando desidratado, cansado e pode até parar no hospital. Os governos deveriam exigir o ar-condicionado. No metrô, a refrigeração significou 10% do valor da composição. Isso é muito pequeno no processo de investimento público.
A Fetranspor não deu entrevista. Em nota, a representante das empresas de ônibus se limitou a afirmar que cabe à Secretaria municipal de Transportes (SMTR) estabelecer os critérios para a circulação de ônibus na cidade, incluindo a utilização do Bilhete Único Carioca (BUC).
O secretário de Transportes, Alexandre Sansão, também não quis dar entrevista. Sua assessoria enviou uma nota em que alega que a licitação do sistema de transporte de ônibus não comporta carros com ar-condicionado porque “diferentemente do bilhete intermunicipal, as empresas do município não são subsidiadas, ou seja, não recebem o complemento do valor da passagem”. A secretaria afirma ainda que no futuro poderá incluir os ônibus refrigerados no BUC, mas não dá prazos: “Não há mágica a ser feita. A melhoria do padrão da frota tem que ser feita de forma responsável, respeitando-se contratos e a sustentabilidade do sistema”, afirmou Sansão na nota enviada por sua assessoria.


READ MORE - No Rio, Passageiros sofrem nos ônibus sem ar condiciondo

Metrô na av. Paulista já lota mais do que trens da CPTM

Engravatados da av. Paulista estão mais apertados dentro do metrô do que moradores de Carapicuíba, Itapevi ou Itaquaquecetuba, na Grande SP, que usam trens para ir ao centro da capital.

O efeito "lata de sardinha", com que a periferia convive há anos, atingiu a linha 2-verde a ponto de a lotação encostar no limite do que é considerado aceitável.

Ela saiu de um patamar de 4,7 passageiros por m2, em 2009, para 5,9 por m2, em 2010, nos horários mais críticos do dia. O nível máximo de desconforto projetado é de seis usuários por m2.

A lotação da linha 2 do metrô nos picos passou a ser pior que a de três das seis linhas de trens que atendem a periferia.

Na linha 8-diamante, que passa por Itapevi e chega ao centro de São Paulo, os picos foram de 5,8 por m2. Na 12-safira, que atende a zona leste e Itaquaquecetuba, 5,5 por m2. Na 9-esmeralda, que sai de Osasco, 4 por m2.

A lotação na linha 3-vermelha ainda é a mais grave do sistema --a demanda seria suficiente para espremer 10,9 pessoas por m2.

OUTRO LADO

Para Sérgio Aveleda, presidente do Metrô, a lotação da linha 2-verde é um resultado natural do aumento de sua utilidade e sua prioridade é oferecer um transporte rápido para mais gente.

Fonte: Folha Online

READ MORE - Metrô na av. Paulista já lota mais do que trens da CPTM

Manifestações contra alta de ônibus prometem parar Salvador nesta 2ª

Em Salvador, manifestantes marcaram para esta segunda-feira (7), quando serão reiniciadas as aulas da rede pública, uma série de protestos contra o aumento da tarifa de ônibus.
No dia 2 de janeiro a tarifa do transporte público na capital baiana foi de R$ 2,30 para R$ 2,50. Desde o dia seguinte estudantes e manifestantes têm ido às ruas protestar contra o reajuste e reivindicar melhorias no transporte da cidade.

Nos protestos desta segunda-feira, estão previstas manifestações em vários pontos da cidade, como Campo Grande, Estação da Lapa, Itapuã, Paralela, Largo do Tanque, Periperi, entre outros. Todos terão início às 10h, horário local, com exceção do ato em Ondina, que começa às 11h.

Os militantes do Movimento Exú Tranca Ruas-SSA, que integra a chamada Revolta do Buzu 2011, estão utilizando redes sociais para chamar a atenção para a causa e conquistar a adesão de mais pessoas para seus atos.

Segundo Aluã Carmo de Moura, integrante do movimento, o objetivo dos atos deste dia 7 é parar Salvador e ressaltar a péssima qualidade de transporte público na cidade. O movimento está apostando na volta às aulas e na participação de estudantes de vários colégios nos atos.


READ MORE - Manifestações contra alta de ônibus prometem parar Salvador nesta 2ª

Em BH, Veículos superlotados e longas filas já fazem parte do cotidiano

Ônibus lotado é problema mais visível no transporte coletivo de Belo Horizonte, mas está longe de ser o único. Na estação Diamante, a primeira do sistema de integração BHBus, a insatisfação começa na espera e não é somente pelo longo tempo entre chegar ao local e embarcar. "Tem muito problema aqui. Os ônibus demoram, as filas são grandes, o banco é pequeno, ruim, a cobertura (da plataforma) está furada, quando chove, a gente fica todo molhado", dispara o operador de telemarketing Wellison Frederico da Silva, recebendo apoio dos amigos Ruane de Souza e Lucas Albuquerque.

Os passageiros que também usam outras estações dizem que na Diamante os problemas são mais acentuados, a começar pela acomodação para esperar: ou se fica em pé, ou escorado em uma faixa estreita de madeira inclinada, colocada no local a título de banco. "Não é nada confortável", diz a vendedora Luciana Cristina Saturnino. A dona de casa Cíntia da Costa foi mais enfática na queixa: "Queria ver quem fez esses bancos ficar sentado neles cinco minutos depois de um dia de trabalho, com criança no colo", disse.

A BHTrans, por meio da assessoria de imprensa, informou que os bancos foram projetados para serem uma espécie de encosto, já que, segundo a empresa que administra os ônibus, o tempo de espera é pequeno. Não é o que dizem os usuários. "Fico uns 20 ou 30 minutos todos os dias", diz o conferente Nilmário Gomes. "O meu ônibus demora pelo menos meia hora", afirma o limpador de vidros Cleisson Evangelista.

Quem não encontra lugar nos bancos, forma uma longa fila, que é desfeita assim que os ônibus chegam. Esse é mais um motivo de descontentamento dos usuários, que pedem um sistema mais organizado, para garantir que o primeiro a chegar também seja o primeiro a embarcar.

"Mistura tudo quando o ônibus chega. Para não criar confusão, a gente aceita, mas não é certo", reclama Cleisson Evangelista. Na confusão que se forma, nem sempre todos conseguem entrar no ônibus. Enquanto a reportagem esteve na estação, vários veículos partiram superlotados, quase sem jeito de fechar as portas.

A BHTrans informa que há monitoramento diário das filas e da lotação dos ônibus e que as empresas são comunicadas para readequarem as linhas problemáticas à demanda. Elas podem ser punidas se não melhorarem.

Fonte: O Tempo

READ MORE - Em BH, Veículos superlotados e longas filas já fazem parte do cotidiano

Complexo Intermodal de Transportes para os usuários do transporte coletivo de Contagem, na região metropolina de Belo Horizonte

Os usuários do transporte coletivo de Contagem, na região metropolina de Belo Horizonte, renovam a expectativa de conquistar um serviço mais barato e de melhor qualidade com a criação do Complexo Intermodal de Transportes. O projeto foi aprovado pela prefeita de Contagem, Marília Campos, e, até 2012, as obras estarão em andamento.

A área vai abrigar a estação de metrô, a rodoviária - que ainda não existe - e a estação dos ônibus que circulam na cidade. A Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte de Contagem (Transcon) será responsável pela gerência e realização das intervenções, conforme infomou o coordenador de transporte público da Transcon, Geraldo Antônio de Paula.

Além do novo complexo, a Transcon vai implementar o Modelo Intermodal de Transporte de Contagem, o MitCon. A nova proposta contemplará a realização de dois projetos paralelos: o ProVia - que vai ampliar as principais ruas de Contagem e melhorar a sinalização das mesmas - e o PlaMob, que prevê pequenas estações de ônibus espalhadas pela cidade.

Ainda conforme o coordenador de transportes, uma empresa já foi licitada e está fazendo o estudo dos melhores locais para receber as pequenas estações. "Até o fim do ano, vamos abrir licitação para contratar uma consultoria que irá indicar o modelo de diferenciação das tarifas de ônibus de Contagem", explicou Geraldo. Segundo ele, só a partir do estudo tarifário será possível mapear os locais adequados para receber as estações.

O modelo implementará também a tarifação temporal - que dá ao usuário a possibilidade de pagar passagem reduzida em um tempo determinado - como já acontece em Belo Horizonte. Segundo o coordenador de transporte, a expectativa é que o usuário não precise descer em uma estação central para ter o desconto.

"Se ele vier da Cidade Industrial, por exemplo, terá a possibilidade de escolher o local de desembarque e, mesmo assim, usar o desconto na passagem ao passar seu cartão magnético. O valor da tarifa vai depender da distância que o usuário irá percorrer. É esse estudo que estamos realizando", explicou Geraldo.

Obras. Algumas regiões serão as primeiras a receber as obras propostas pelo projeto MitCon. O ponto de ônibus situado na avenida Amazonas, no bairro Riacho das Pedras, em frente ao Carrefour, vai ser deslocado para o interior do bairro. O principal objetivo da Transcon é desafogar o intenso tráfego na região.

"Também vamos modificar o ponto de ônibus na rua Jequitibás, no Eldorado, que é o local em que os usuários do metrô embarcam e desembarcam para os bairros de Contagem. Queremos melhorar o trânsito e a sinalização", esclareceu Geraldo.

Segundo o coordenador de transporte público da cidade, os bairros Nova Contagem e Ressaca também terão prioridade para receber as novas estações de ônibus. Ainda conforme Geraldo, o projeto ProVia também deverá garantir a ampliação da avenida Trajano de Araújo, no bairro Cinco.

Fonte: O Tempo

READ MORE - Complexo Intermodal de Transportes para os usuários do transporte coletivo de Contagem, na região metropolina de Belo Horizonte

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960