Especialistas elogiam medida sobre o uso de ônibus híbridos em Curitiba, mas alertam sobre custos

sexta-feira, 17 de junho de 2011

O uso de ônibus híbridos é elogiado por especialistas, que, no entanto, alertam sobre a relação custo-benefício desses veículos. Como o custo é até 70% superior ao dos convencionais, o temor é de que a conta acabe sendo paga pelos usuários – e aumento de tarifa inibe o uso do transporte público. “É preciso encontrar fontes para financiar esse transporte que não sejam a própria tarifa. O desenvolvimento de uma nova tecnologia é ótimo, mas é preciso ver quem vai pagar essa conta”, diz Garrone Reck, ex-diretor de operações da Urbs.

Inédito no Brasil, o uso de híbridos no transporte coletivo é comum no Estados Unidos – em Nova York, praticamente toda a frota é composta por esse tipo de veículo. Na Europa, os ônibus com dois motores começaram a se popularizar no ano passado. Londres, por exemplo, inicia no ano que vem a troca de toda a frota de 8 mil veículos por híbridos.


O uso de carros menos poluentes é a segunda inovação no transporte público de Curitiba em poucos meses, depois de mais de 15 anos com poucas alterações no sistema – a outra foi o complexo Linha Verde/Ligeirão. Conhecida no passado por ser um laboratório do transporte público, a cidade dá sinais de que pode reconquistar o posto de vanguardista na área, avalia o coordenador do mestrado e doutorado de Gestão Urbana da PUCPR, Fábio Duarte.

“Talvez seja um sinal, pelo menos em nível nacional, de que Curitiba voltou a se preocupar com soluções inteligentes de transporte público”, diz Duarte. “A exposição positiva desse anúncio também pode levar a prefeitura a adotar outras medidas, que não tecnológicas”, afirma, citando a semaforização inteligente plena e a duplicação das estações-tubo, medidas que dariam mais agilidade ao transporte.

Para Marcos Bicalho, superitendente da Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), governo e indústria precisam pensar em incentivos para que a nova tecnologia não pese no bolso do usuário. “Se querem apostar numa nova tecnologia, eles precisam se comprometer a reduzir custos.”





0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960