Governo do Rio descarta BRT no lugar do Monotrilho

segunda-feira, 29 de junho de 2015

O governo desistiu de construir o BRT no trajeto que daria lugar à Linha 3 do metrô e vai retomar os estudos para ligar Niterói e São Gonçalo com transporte sobre trilhos. A decisão foi informada nesta quinta-feira pelo secretário de Estado de Desenvolvimento, Marco Capute, em audiência pública na Assembleia Legislativa (Alerj). 

De acordo com Capute, o governador Luiz Fernando Pezão e o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osorio, concluíram que o BRT não seria suficiente para dar conta da demanda da região. O projeto que previa a construção de um sistema de monotrilho, que tem menor capacidade do que o metrô, também foi descartado. 

“Definimos que o metrô é a melhor solução para a população de Niterói e São Gonçalo fazendo a conexão com as barcas. Construir o BRT seria mais rápido e barato, mas não adianta investir em um projeto de eficácia momentânea”, afirma Capute. A meta do governador, segundo ele, é ter o projeto pronto até ano que vem e iniciar as obras em 2017 ou 2018. A previsão é que elas levem cinco anos.

Osorio ressaltou que o metrô deve ser implantado em estrutura suspensa, seguindo o traçado da antiga linha férrea da região. O plano de fazer um BRT na estrada RJ-104 (Niterói-Manilha), que passa por outro eixo de Niterói e São Gonçalo, está mantido. 

“O BRT da RJ-104 faria integração em Alcântara e em Arariboia com a Linha 3. Ele entra em Niterói pela Alameda São Boaventura e seria expandido até Manilha. A ideia é fazer uma grande estação em Tribobó, sendo ponto de integração da RJ-104 com a RJ-106, que vai até o centro de Maricá.” 

O secretário frisou que o metrô só será construído se o governo federal não cortar os recursos prometidos. O sistema em monotrilho estava orçado em R$ 3,9 bilhões e o BRT, em R$ 1,7 bilhão. A estimativa do custo do metrô só será conhecida quando o novo projeto for concluído.

Por Gustavo Ribeiro
READ MORE - Governo do Rio descarta BRT no lugar do Monotrilho

Liberada verba para construção do BRT de Feira de Santana

A construção do sistema BRT (Bus Rapid Transit) de Feira de Santana foi autorizada na manhã desta segunda-feira (29) com a assinatura da ordem de serviço pelo  governador Rui Costa e pelo ministro das Cidades, Gilberto Kassab, em evento realizado no bairro Sítio Novo. 

De acordo com o governo, o sistema de transporte, que deve ser concluído em janeiro de 2017, vai beneficiar 56 mil passageiros que atualmente utilizam o tradicional serviço de ônibus. O BRT contará com dois corredores – João Durval, com 4,8 quilômetros de extensão, e o Corredor Getúlio Vargas, com 4,45 quilômetros, totalizando 9,25 quilômetros que vão ligar três terminais, também parte do projeto.

De acordo com o secretário municipal de Trânsito e Transporte, Ebenezer Tuy, com a construção do BRT, toda a cidade será interligada. “Já temos os terminais do Norte, Sul e Central. Depois da obra concluída vamos ter mais três, que serão fundamentais para que a acessibilidade melhore em Feira de Santana", explicou. 

Ao todo, 20 ônibus especiais, com acessibilidade, GPS, ar-condicionado e capacidade para atender até cem passageiros, por viagem, vão circular pelos corredores exclusivos. A construção conta com um investimento de aproximadamente R$ 87 milhões, financiados pela Caixa Econômica Federal.

"A responsabilidade do Governo Federal é com os mais necessitados. Temos o entendimento de que se o Governo não estiver próximo aos municípios, as grandes obras, como a do BRT, não seriam possíveis. Um bom exemplo é no campo da habitação com o Programa Minha Casa, Minha Vida, que aqui em Feira [de Santana] já entregou 39 mil unidades habitacionais contratadas", lembrou o ministro Gilberto Kassab.

READ MORE - Liberada verba para construção do BRT de Feira de Santana

Modernização da rede de trólebus segue em SP, diz SPTrans

Recentemente muito se falou nas redes sociais e em fóruns de discussão sobre uma possível paralisação na modernização da rede elétrica de trólebus na cidade de São Paulo, sobretudo na região do Ipiranga.

No entanto, a SPTrans nega qualquer tipo de suspensão da reforma: “os serviços seguem em andamento, sendo que, até o momento, já foram executados 60% dos serviços de modernização de toda rede” – diz nota da empresa gerenciadora do transporte paulistano ao portal Via Trolebus.

De acordo ainda com a SPTrans, a região do Ipiranga deve receber uma Estação Transformadora Retificadora (ETR) para “equalizar o potencial elétrico da região, bem como a modernização de 14,9 km da Rede de Contato”. O prazo inicial para conclusão dos trabalhos na região é até o final deste ano.

Terminal Vila Prudente

Continua indefinido o ponto final da linha 3160 (Terminal Vila Prudente – Terminal Parque dom Pedro II). O Terminal anexo às estações do Metrô e do Monotrilho deve ser inaugurado, porém de acordo com a SPTrans, não existe previsão de levar os trólebus ao local.

Diminuição de panes

As panes na rede de trólebus caíram de 75 por mês em média no ano de 2012 para 13 registros no mês de setembro após o início dos trabalhos, representando 83% de redução nas falhas.

Por Renato Lobo
Informações: Portal Via Trolebus
READ MORE - Modernização da rede de trólebus segue em SP, diz SPTrans

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960