No Recife, Obras do corredor Leste-Oeste não têm prazo de conclusão

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Mesmo com pendências, o Governo de Pernambuco correu e abriu uma das principais obras do Corredor Leste-Oeste, o Túnel da Abolição, com mais de um ano de atraso. A questão agora, além de concluir o equipamento, é que estações de BRT (Bus Rapid Transport) e dois terminais integrados previstos no projeto não têm prazo de conclusão. Por impasse com o consórcio responsável, que pode até acabar com a rescisão do contrato, a construção está parada oficialmente desde janeiro. E tudo deveria estar pronto na Copa do Mundo.

Foram investidos até agora R$ 136 milhões no corredor, que vai do Centro do Recife até a cidade vizinha de Camaragibe e foi orçado em R$ 168,7 milhões. Nas contas da Secretaria das Cidades, a obra está com aproximadamente 80% das intervenções previstas prontas. Mas o que falta impacta a vida dos usuários: são 12 estações de BRT a serem erguidas e dois terminais integrados de ônibus em andamento.

O consórcio que iniciou as obras é formado pela Servix e pela Mendes Júnior, que vem com problemas desde que foi envolvida nas investigações da Operação Lava Jato, com diretores presos pela Polícia Federal. As empresas foram notificadas pela gestão estadual devido ao descumprimento do contrato. 

De acordo com o secretário-executivo de Mobilidade de Pernambuco, Marcelo Bruto, com isso, o consórcio pode sofrer sanções. O Estado pensa até em tomar uma medida mais drástica: rescindir o contrato. A decisão deverá ser tomada em reuniões realizadas nos próximos dias, incluindo com os técnicos das construtoras. "Acredito que teremos uma resposta nesse prazo", afirma o secretário - embora as datas nunca sejam cumpridas no caso desse corredor.

No caso de o Governo de Pernambuco optar pela rescisão, o próximo passo poderá deixar a obra ainda mais lenta, pois deverá ser feita uma nova licitação, processo que dura meses. Questionado, Bruto afirmou que ainda não se pode prever qual dos dois lados deverá pagar mais - se as empresas devolverão o investimento estadual ou se a gestão terá que gastar ainda mais em tempo de arrocho.

Enquanto a decisão não é tomada, os milhares de passageiros que seriam beneficiados com as estações do BRT continuam aguardando. Das 25 paradas previstas, 13 estão em operação. E o secretário responde sem pestanejar as outras que podem estar lhe dando dor de cabeça: seis na Avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife; uma próximo ao Elevado da Caxangá, na Zona Oeste; três em Camaragibe, na Região Metropolitana; além de duas que estão em fase final na PE-05, também no Grande Recife.

Nos terminais Perimetrais III e IV, também previstos no projeto, que receberam um investimento de R$ 18 milhões e deveriam beneficiar, juntos, mais de 90 mil passageiros por dia, a situação era a mesma da constatada pela equipe do JC Trânsito no mês de fevereiro, quando as obras estavam paradas desde novembro: apesar de já ter forma de terminal, com sinalização de paradas e placas, não há trabalhadores em nenhuma das duas obras. 

A falta de manutenção nos locais é denunciada pela presença de entulhos e de mato. Ninguém além dos seguranças - que impedem invasões no terreno - estão no local. 

Do lado de fora do Terminal Perimetral IV, próximo ao viaduto da Caxangá, passageiros esperam ônibus em paradas improvisadas, enquanto outros passageiros aguardam ônibus dentro da estação BR-101 do BRT. Já no III Perimetral, próximo ao cruzamento com a Av. General San Martin, a estrutura já apresenta sinais de depredação, com as paredes pichadas. 

OUTRO TERMINAL - Já no final da Avenida Caxangá, o terminal que leva o mesmo nome da avenida não transparece o desconforto que dá aos passageiros que precisam utilizá-lo. Inaugurado em 2008 e transportando quase dez mil passageiros por dia, em oito linhas diferentes, o TI começou a operar com a linha de BRT "TI Caxangá (Centro)" e passou a ser ponto de passagem de mais duas linhas (Tabatinga e Jardim Primavera/Vale das Pedreiras) em dezembro de 2014. 

A implementação do BRT no terminal aumentou também o número de passageiros no local. A fila do ônibus que segue pela faixa exclusiva chega a ter o triplo do tamanho das outras filas no meio da manhã, fora de horário de pico.

O estudante Messias Muniz, de 21 anos, afirma ter sido beneficiado pelo BRT. Agora, sua viagem até o Centro do Recife tem uma duração menor. Ele afirma, porém, que é comum que o ônibus saia cheio da integração, e que o espaço do terminal deixa a desejar. "Penso que o terminal é muito pequeno para a quantidade de gente que o utiliza, principalmente em horários de pico", diz.

O TÚNEL - Em todo esse período, a única obra que andou - a passos lentos, quase parando - foi o Túnel da Abolição, aberto ao tráfego nesse domingo (12). "A empresa tem dificuldades financeiras e de mobilização. Pensamos em garantir o túnel, para que a empresa tivesse fôlego operacional. Além disso, outra parte da discussão é que a empresa tem entendimento de que teria a receber e o Estado não reconhece", explica o secretário de Mobilidade. 

Por ter ainda várias pendências, como infiltrações e a instalação de um elevador e de uma escada, a abertura do túnel foi alvo de inúmeras críticas no Twitter e no Facebook do JC Trânsito. "Não foi inaugurado, foi liberado para o tráfego. É uma decisão que se precisava tomar. O transtorno diário era tão grande que achamos razoável, pois o ganho para o tráfego era maior do que o benefício de esperar o tempo de serviços finais", justifica Bruto.

Para conter as infiltrações e a água que mina de alguns pontos na parede, o consórcio tem injetado resina há três semanas, totalizando 800 litros. Também será feito o saneamento. "Não há risco de a estrutura ser danificada por isso. Hoje não há problemas, mas temos o entendimento que algo precisa ser feito. Todo túnel é tolerável algum nível de umidade, e no nosso ainda não é o ideal", admite o secretário.

Além das obras e dos serviços para conter as infiltrações, uma licitação ainda é prevista. O procedimento será feito para levar medidas paliativas ao Museu da Abolição, que alega ter sofrido consequências negativas por causa do túnel, como um jardim que já estava previsto no projeto inicial, em que se gastou R$ 16 milhões, e a reforma da praça na saída do equipamento, na Rua Benfica. 

Há ainda a previsão de abrir uma passagem de pedestres na Rua Real da Torre, o que justifica a faixa sem saída tão questionada na lateral esquerda do túnel. Assim como o Corredor Leste-Oeste, não há prazo para essas intervenções.

Amanda Miranda e Lorena Barros

READ MORE - No Recife, Obras do corredor Leste-Oeste não têm prazo de conclusão

Reconstrução nos corredores do BRT em Porto Alegre atrasa obras

As obras nos corredores do futuro sistema BRT (bus rapid transit) de Porto Alegre têm espantado moradores e motoristas que passam pelos locais e percebem que elas quase não avançam. A percepção é certeira. No caso do corredor da Avenida João Pessoa, a obra andou para trás: os 60% dos trabalhos concluídos em dezembro do ano passado passaram para 55% nesta terça-feira, conforme dados da prefeitura.

O corredor da Avenida Bento Gonçalves permanece em 98% desde o final do ano passado, enquanto o da Avenida Protásio Alves foi o único que evoluiu nos últimos quatro meses, ainda que tímidos cinco pontos percentuais, de 92% para 97%. O resultado é que os prazos para entregar as obras foram esticados. Os corredores da Bento e da Protásio, previstos para março deste ano, ficaram para a primeira quinzena de junho. Já o da João Pessoa só deverá ser entregue em dezembro — a previsão anterior era julho.

A causa do atraso é a necessidade de reconstruir diversos trechos do concreto para substituir o asfalto e dar mais durabilidade ao piso para a passagem dos ônibus. Só que de durável o material não teve nada. Sem que nenhum ônibus passasse, já rachou em alguns trechos.

Para o concreto dos corredores de ônibus ter a resistência devida, é preciso de muita hidratação e uma longa secagem, que pode chegar a 28 dias. Não foi o que ocorreu nos três corredores em obras na Capital. O concreto foi colocado durante o verão, que foi muito quente, facilitando a rápida evaporação da água.

Mesmo com o atraso, a prefeitura não vê motivo para multar as empresas, segundo o coordenador técnico das obras de mobilidade da Secretaria Municipal de Gestão, Rogério Baú. No início deste ano, o prefeito José Fortunati havia dito, em entrevista exclusiva a ZH, que as empreiteiras tinham sido multadas. Baú também garantiu que nenhum trecho está sendo refeito mais de uma vez e reforçou que todos os custos têm sido pagos pela própria empreiteira.

— A multa é gerada quando há uma exigência de refazer e a empresa se nega. Mas a ordem foi prontamente atendida — disse.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) informou que tem acompanhado o caso.

O faz e refaz do concreto dos corredores do BRT não é o único entrave ao andamento das obras. As estações e terminais que receberão os passageiros dependem de um estudo de demanda não só dos ônibus, mas também do metrô, por causa da integração entre os modelos de transporte.

Já se sabe que o metrô não será inaugurado antes de 2020. Mas Baú espera que antes disso os dados já estarão disponíveis. Mesmo que essa primeira fase do metrô contemple basicamente a Zona Norte, sua influência chega até as vias do BRT em construção porque os ônibus alimentarão a rede integrada, justifica Baú.

Confira os prazos atualizados das obras:

1) BRT Bento Gonçalves

Trecho: Avenidas Antonio de Carvalho e Princesa Isabel.
Comprimento: 5.955 metros.
Largura: duas faixas de 3,50 metros (corredor de ônibus).
Investimento: R$ 13.976.983,83.
Início: 14 de Março de 2012.
Previsão inicial de conclusão: 18 meses.
Segunda previsão de conclusão: Março de 2015.
Previsão com a reconstrução de trechos do concreto: Primeira quinzena de junho.
Empreiteira: Consórcio Contepa (Conpasul e Sultepa).
Percentual atual de execução da obra: 98%.

2) BRT Protásio Alves

Trecho: Rua Saturnino de Brito até a Rua Sarmento Leite.
Comprimento: 6.850 metros.
Largura: duas faixas de 3,50 metros (corredor de ônibus).
Investimento: R$ 15.240.010,67.
Início: 12 de Março de 2012.
Previsão inicial de conclusão: 18 meses.
Segunda previsão de conclusão: Março de 2015.
Previsão com a reconstrução de trechos do concreto: Primeira quinzena de junho.
Empreiteira: Consórcio Contepa (Conpasul e Sultepa).
Percentual atual de execução da obra: 97%.

3) BRT João Pessoa

Trecho: Entre a Avenida Bento Gonçalves e a Rua Desembargador André da Rocha.
Comprimento: 3.346 metros.
Largura: duas faixas de 3,50 metros (corredor de ônibus).
Investimento: R$ 5.310.565,27.
Início: 28 de Setembro de 2012.
Previsão inicial de conclusão: 12 meses.
Segunda previsão de conclusão: Julho de 2015.
Previsão com a reconstrução de trechos do concreto: Dezembro de 2015.
Empreiteira: Consórcio Giovanella e Construtora Brasília-Guaíba.
Percentual atual de execução da obra: 55%.

Informações: Zero Hora


READ MORE - Reconstrução nos corredores do BRT em Porto Alegre atrasa obras

Linhas de ônibus em Salvador passam a operar com três cores

Passageiros que costumam escolher o ônibus pela cor vão ter um leque menor de opções a partir da próxima quarta-feira, quando passa a valer o contrato da licitação do transporte público da capital. Pelos próximos 25 anos, três consórcios de empresas vão atuar em três bacias — Miolo (verde), Subúrbio (amarelo) e Orla/Centro (azul), operadas pelo Ótima, Plataforma e Salvador Norte, respectivamente.

A partir de sábado, começa o remanejamento, conforme a divisão das bacias, de 160 linhas das 600 que operam na cidade. “Vamos sair de 19 empresas para três consórcios. As linhas vão permanecer como estão, mas operadas por novas empresas. O que o povo vai estranhar é a cor dos ônibus”, explica o secretário de Mobilidade de Salvador (Semob), Fábio Mota, que destaca que a mudança também vai facilitar a fiscalização do serviço.  

No lugar de coletivos com as cores e as logomarcas de cada empresa, os ônibus terão o padrão Integra — como os que já circulam desde janeiro,  com entrada pela frente do veículo. O prazo para adequação é de um ano. Os coletivos que ainda não estiverem pintados terão que usar um adesivo com o padrão do consórcio cobrindo o nome da atual empresa.

De acordo com o diretor de Relações de Trabalho do sindicato das empresas de ônibus (Setps), Jorge Castro, a prefeitura enviou um ofício informando às empresas o prazo para adequação.

“A maioria dos ônibus é branca e, se não estiverem pintados, vão estar com a plotagem com o nome da empresa coberto até quarta. Não sei se todos vão conseguir, mas a luta é para entregar dentro do prazo”, diz Castro.

Sábado

De acordo com o analista de trânsito da Semob Waldemar Nascimento, as linhas serão organizadas de acordo com as bacias de cada consórcio. “Então, é possível que o passageiro que hoje pega um ônibus verde vá pegar um ônibus azul, por exemplo”, explica Nascimento.

No sábado, serão alteradas 42 linhas (223 veículos). No domingo, outras 47 linhas e 233 ônibus, e na segunda-feira o trabalho será finalizado em 71 linhas e 287 coletivos. Responsável pela implantação do sistema, o secretário Fábio Mota acredita que a mudança possa confundir os passageiros no início, mas vai acabar facilitando a vida das pessoas. “Se você está no Subúrbio e quer ir para a orla, vai saber que é o ônibus azul que vai te levar. Se quer ir para o miolo da cidade, sabe que é o ônibus verde”, aponta.

Enquanto os ônibus do consórcio Plataforma (bacia A), na cor amarela, cobrem o Subúrbio Ferroviário da cidade (129 linhas), o consórcio Ótima, com veículos verdes, fica responsável pelas 145 linhas do miolo (bacia B), que inclui as regiões do Cabula e de Cajazeiras, por exemplo.

Já as regiões da orla e centro da cidade terão as 158 linhas operadas por ônibus azuis, do consórcio Salvador Norte (bacia C). Um exemplo é do garçom Mateus Andrade, 19, morador do Nordeste de Amaralina. A partir da próxima quarta, o ônibus dele, Nordeste-Campo Grande R1, hoje operado pela empresa BTU, vai circular pelo consórcio Salvador Norte, com ônibus azul.

Colorido 

“Vai mudar só a cor? Deveria melhorar era a mobilidade, a cor não influencia em nada. Deveria, com certeza, ter uma reorganização para o passageiro não ficar tanto tempo esperando”, queixou-se o vigilante Marco Antônio Bonfim, 36, morador do Uruguai.

Por enquanto, segundo a Semob, as linhas não serão reorganizadas. Estudos estão sendo feitos para definir quantas e quais linhas são necessárias na cidade que tem 3 milhões de habitante e uma frota de 2.700 ônibus.

Além da mudança nas cores, também há alterações na idade da frota. A partir de hoje, não são mais cadastrados ônibus com fabricação anterior a 2008. “A licitação diz que a média de idade da frota não pode ser superior a quatro anos. Hoje, já não pode circular ônibus mais velho do que 2009. Os que estão vão ter que sair”, diz Mota.

Segundo ele, a idade média da frota de Salvador saltou da posição de mais velha do Brasil para mais jovem. “Tínhamos uma frota de 8,5 anos até 2014, a mais velha do país. De 2014 para cá, as empresas passaram a adquirir ônibus novos, 700 até agora, e hoje a média da nossa frota é de 3,6 anos, a mais jovem”, explicou Mota.

Reorganização das linhas deve ocorrer apenas em um ano

Daqui a um ano, de acordo com o secretário de Mobilidade de Salvador, Fábio Mota, será iniciado um processo de reorganização de linhas. O objetivo é reduzir o tempo de viagem e otimizar o sistema. Segundo Mota, uma consultoria será concluída até o mês de outubro.

Com a licitação do transporte público, através do modelo outorga onerosa, a Prefeitura vai arrecadar R$ 180 milhões, sendo que R$ 36 milhões foram pagos em outubro de 2014, quando foi assinado contrato, e o saldo restante será quitado em 60 meses. Os consórcios são formados pelas mesmas empresas que já atuam no transporte de coletivos de Salvador.

Por Clarissa Pacheco
Informações: Correio 24 Horas


READ MORE - Linhas de ônibus em Salvador passam a operar com três cores

Ônibus de Araucária são impedidos de entrar em terminal da CIC

Os passageiros do transporte coletivo de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), da linha Araucária/CIC foram impedidos na manhã desta quarta-feira, 15, de desembarcar no terminal da Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Segundo as informações, fiscais da Urbs e guardas municipais impediram a entrada dos ônibus no terminal. Os passageiros foram obrigados a descer pela porta de trás dos carros. 

A linha foi anunciada pela Coordenação da Região Metropolitana (Comec) nesta terça-feira, 14. A Urbs, responsável pelo gerenciamento do transporte coeltivo em Curitiba, informa que naço foi notificada sobre essa nova linha.

Ainda segundo a Urbs, o carro comum teve a entrada barrada no terminal da CIC por conta da falta de segurança e necessidade de reforma do terminal. O ideal, ainda de acordo com a Urbs, seria que a Comec reativasse a linha, mas com o uso do ligeirinho, que é equipado para o desembarque de passageiros nas plataformas das estações-tubo. 

De acordo com a Comec, a linha será termporariamente suspensa.

Demissionários na Comec

Em meio a confusão dos usuários do sistema de transporte, chegou à redação a informação de que o presidente da Comec, Omar Akel, e o diretor de transporte da Comec, Euclides Rovani, estariam demissionários. A informação, no entanto, de acordo com  a assessoria da Comec, é de que não passariam de boatos. Tanto Akel quanto Rovani permanecem na Comec e não entregaram nenhum pedido de demissão. 


A respeito dos fatos ocorridos no Terminal CIC, em Curitiba, a Comec esclarece que:

Já funcionava no Terminal CIC a linha Angélica-CIC, bem como o ligeirinho de Araucária.

A Comec estranha a atitude da Urbs e da Prefeitura de Curitiba de impedir os passageiros de descer no Terminal CIC, uma vez que a nova linha Araucária-CIC deveria ocupar o espaço já utilizado para o transporte metropolitano, não havendo acréscimo de demanda, mas sim uma transferência da integração.

A operação da nova linha foi comunicada a Urbs no dia 14. 

Em virtude da ação da Urbs a nova linha está suspensa para busca de entendimento.


A Urbs, por meio da assessoria, divulgou a seguinte nota:

Urbs ofereceu alternativas para atender passageiros de Araucária

Hoje Curitiba foi surpreendida por um ato unilateral do governo do Estado.

Ônibus de uma nova linha metropolitana, criada sem consulta à Urbs e em desacordo com as possibilidades técnicas, passaram a circular na capital.

De forma inédita, esses ônibus foram escoltados pela Polícia Militar.

Decisões unilaterais, como as tomadas pelo governo, prejudicam os usuários e representam uma afronta à autonomia do município e ao permanente diálogo defendido por Curitiba.

A Urbs não foi consultada sobre a possibilidade de uso dos terminais urbanos. Apenas comunicada com menos de 24 horas de antecedência.

Desta forma, a Comec – responsável pelo gerenciamento do transporte metropolitano – interfere em um sistema que não é de sua responsabilidade, criando constrangimento para usuários e trabalhadores.

Ao tomar conhecimento, pela imprensa, da intenção da Comec de criar uma linha vinda de Araucária com ponto final no Terminal CIC, a Urbs encaminhou email alertando para a falta de condições técnicas do terminal para receber uma nova linha. No comunicado, a Urbs alertou que este terminal não tem condições para estacionamento seguro dos ônibus e escoamento dos usuários.

Em respeito aos usuários, a Urbs ofereceu como alternativa o Terminal Pinheirinho, que teria condições de abrigar a nova linha e com vantagens para o usuário que contaria com várias opções de integração.

De forma responsável e para evitar maiores prejuízos, os passageiros que utilizaram a nova linha nesta quarta-feira não foram impedidos de entrar no terminal CIC sem pagar nova passagem.

A Comec e a empresa estão sendo notificadas sobre a irregularidade do ato.

O Estado será responsabilizado por qualquer custo adicional gerado ao sistema de transporte público de Curitiba.

Informações: Bem Paraná

READ MORE - Ônibus de Araucária são impedidos de entrar em terminal da CIC

Prefeitura de Blumenau pensa em plano B para financiar ponte do centro

Nas entrelinhas, o prefeito Napoleão Bernardes confirmou ontem à coluna que um dos objetivos da ida dele a Brasília – onde hoje se encontra com o ministro das Cidades, Gilberto Kassab – é sondar a possibilidade de financiar com o governo federal a construção da nova ponte do Centro. Disse ao telefone, em resposta ao questionamento:

– É sempre importante prospectar novas oportunidades independente da destinação. E Blumenau precisa de uma e mais pontes.

A preocupação do poder público municipal pode ter origem na primeira avaliação que o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) fez sobre o pedido da prefeitura de incluir a ponte no Programa de Mobilidade Sustentável, que está sendo financiado pela instituição. O prefeito confirma que o BID pediu mais informações. Algumas já foram enviadas e outras, mais técnicas, ainda serão respondidas.

Napoleão também vai dizer ao ministro que a cidade precisa dos R$ 20 milhões aprovados por emenda coletiva da bancada catarinense para manutenção e ampliação dos corredores de ônibus.

Contra a ponte

Quem também está em Brasília é um grupo de cidadãos de Blumenau que há tempos se preocupa com o projeto da ponte do Centro. Eles têm reunião agendada no BID onde entregarão documentos que podem fortalecer a teoria de que a construção pode não ser tão eficiente como se imagina, além de comprometer o patrimônio histórico e trazer outros danos, seja pela obra em si ou pela maneira como correram os processos.

Segundo o advogado André Jenichen são cerca de 150 documentos. A esperança do grupo é que a papelada faça com que o BID decida pela não inclusão da obra no Programa de Mobilidade Sustentável de Blumenau.

Jenichen também vai entregar o material ao Mecanismo Independente de Consulta e Investigação (Mici), órgão que investiga denúncias de irregularidades nas operações financiadas pelo BID.

Informações: Blog do Pancho

READ MORE - Prefeitura de Blumenau pensa em plano B para financiar ponte do centro

Cidade de Arapongas adota integração no transporte coletivo

O sistema de integração do transporte coletivo começou a funcionar no início desta semana, em Arapongas. O novo modelo implantado pela empresa Transporte Urbano Arapongas (TUA), permite que os usuários utilizem ônibus de linhas diferentes com o pagamento de uma única passagem. O benefício é uma antiga reivindicação dos moradores e será concedido no intervalo de 1h, de segunda a sexta, e 1h30 nos finais de semana e feriados.
Foto: Sérgio Rodrigo
“Desenvolvemos um estudo para favorecer o usuário que precisa utilizar mais de um ônibus para chegar ao seu destino”, assinala o gerente administrativo da TUA, Enivaldo Bertazzo. 

Bertazzo explica que, na prática, o passageiro que usa dois ônibus para chegar ao seu destino pagaria R$ 4,90 e agora, vai pagar apenas o valor de uma tarifa, atualmente no valor de R$ 2,45, dentro do período previsto. A integração só pode ser usufruida por usuários da bilhetagem eletrônica, com o cartão passe fácil.

O tempo será contado a partir do momento em que o bilhete eletrônico passar pelo validador na catraca. 

A adoção do novo modelo de gerenciamento implicou na reestruturação das linhas e alteração dos horários. “Houve necessidade em ajustar o encontro de todas as linhas de ônibus no terminal para promover a integração”, explica Bertazzo. 

Além do terminal, está permitida a troca de ônibus nos pontos onde existem linhas sobrepostas, dentro do tempo estipulado. “Após a carência, outra tarifa cobrada será cobrada”, acrescenta o gerente administrativo. 

Por dia, aproximadamente 4,5 mil pessoas embarcam e desembarcam no terminal urbano de Arapongas. A administração não soube informar quantos usuários serão beneficiados com o novo sistema, no entanto, a expectativa é que o número de adesões ao transporte coletivo aumente. 

USUÁRIOS

A auxiliar de vendas Luana de Oliveira, 20 anos, comemorou a mudança. Todos os dias ela pega duas linhas para chegar ao trabalho. “Agora melhorou, pena que os horários mudaram. Agora tenho pegar o ônibus mais cedo”, comenta. 

Para a estudante Daniela Santos Abreu, 22 anos, os usuários foram beneficiados por um lado e prejudicados por outro. “Ficou melhor no bolso de quem anda de ônibus com frequência. Mas na questão dos horários não favoreceu muito não”, opina.

A aposentada Benedita de Paula, 59 anos, está incluída na parcela de usuários isentos de tarifa. Contudo, ela ressalta que a integração é uma reivindicação antiga dos moradores que precisam do transporte coletivo. “Agora para melhorar mais a empresa deve criar mais linhas. Ainda têm bairros sem o serviço”, afirma.

Por Cindy Annielly
Informações: TN Online

READ MORE - Cidade de Arapongas adota integração no transporte coletivo

Em Cuiabá, Transporte coletivo deve ser licitado após definição do VLT

Apesar de o contrato com as concessionárias do transporte coletivo ser 'precário', já que o prazo expirou em 2012, a licitação para o serviço em Cuiabá deve ser realizada após a definição das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). De acordo com o prefeito da capital, Mauro Mendes (PSB), as linhas de ônibus devem ser alteradas completamente quando o metrô de superfície estiver em operação.
Foto: Pollyana Araújo/G1
As empresas que operam no transporte coletivo da capital venceram uma licitação realizada em 2004, na gestão do então prefeito Roberto França Auad. O prazo desse contrato expirou em 2012 e depois foi prorrogado até junho de 2019.

A obra do VLT está parada desde o ano passado por falta de pagamento por parte do governo do estado, segundo o consórcio de empresas responsável pela execução do projeto, e ainda não tem data para ser retomada, tão menos para ser concluída.

"No primeiro semestre deste ano, queremos concluir o edital para licitar o transporte coletivo, mas vamos aguardar a definição do governo do estado em relação ao VLT para colocar o edital na praça", afirmou o prefeito. Segundo ele, as eventuais alterações da obra devem ser colocadas no edital de licitação. "A entrada ou não do VLT muda profundamente o sistema de transporte, as linhas, o trajeto e a quilometragem rodada", disse.

O VLT deve percorrer as principais avenidas da Grande Cuiabá, ligando o Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, região metropolitana da capital, ao bairro CPA e o outro entre o Coxipó e o Centro de Cuiabá. As linhas de ônibus devem estar interligadas às do VLT. A previsão é que haja um sistema de transporte coletivo integrado.

No entanto, o prefeito pontuou que, dependendo do prazo para a definição do VLT e se houver demora, a licitação deverá ser realizada. "Temos um contrato e a sua renovação está sendo questionada na Justiça. Por isso, estamos trabalhando para lançar esse edital", afirmou. O VLT deveria ter ficado pronto até a Copa do Mundo, em junho do ano passado, mas até agora não
Em janeiro, Mendes reajustou o valor da tarifa e, no mesmo momento, criou essa comissão composta por representantes da Secretaria de Mobilidade Urbana, do Instituto de Planejamento e Desenvolvimento e da Procuradoria Geral do Município.

O grupo tem o prazo de seis meses para entregar um estudo de viabilidade técnica e jurídica para fazer uma nova licitação, na modalidade concorrência pública, para melhoria o serviço de transporte coletivo na capital.

Por Pollyana Araújo
Informações: G1 MT

READ MORE - Em Cuiabá, Transporte coletivo deve ser licitado após definição do VLT

Em Natal, Aprovada tarifa subsidiada no sistema de transporte coletivo

A Câmara Municipal de Natal aprovou, na manhã desta segunda-feira, 13, em sessão extraordinária, emenda ao Projeto de Lei que institui o Sistema Municipal de Transportes Coletivos de Natal de autoria do vereador Hugo Manso (PT) que institui o subsídio social a tarifa de ônibus e transportes alternativos da capital potiguar.

Segundo o texto aprovado pelos vereadores, 30% das receitas do Fundo Municipal de Transportes ficam destinadas ao barateamento do valor das passagens com objetivo de garantir a função social do transporte público.

"Essa emenda está em consonância com a Constituição Federal que exige do Poder Público uma atuação no sentido de garantir, através de subsídios, a redução gradativa das tarifas, para que, a médio e longo prazo possamos efetivar o conceito de transporte como direito social" conceitua o parlamentar petista.

Informações: Jornal De Fato

READ MORE - Em Natal, Aprovada tarifa subsidiada no sistema de transporte coletivo

Em Campo Grande, Duas novas linhas de transporte especial estão disponíveis

A partir de hoje duas novas linhas de transporte coletivo urbanos estarão disponíveis para os servidores que utilizam do transporte especial. Uma atenderá no sentido Parque dos Poderes – centro e Parque dos Poderes – bairro, e a outra da Praça Ary Coelho sentido Parque dos Poderes, a linha especial 242.

Durante os próximos 15 dias, os fiscais passarão por todas as secretarias realizando individualmente atendimento para esclarecer dúvidas e indicar as linhas que cada servidor passará a utilizar.

De acordo com o Superintendente de Gestão Financeira, Roberto Coelho é necessário que os servidores que ainda não possuem o cartão, façam o requerimento de solicitação no Recursos Humanos dos órgão de origem. “O servidor pode ficar tranquilo que ninguém vai ficar sem vale-transporte para vir trabalhar”, pontuou.

Por Adrielle Santana
Informações: MS Notícias

READ MORE - Em Campo Grande, Duas novas linhas de transporte especial estão disponíveis

Grande Recife amanhece com poucos ônibus circulando

O Grande Recife amanheceu com metrô funcionando e poucos ônibus nas ruas. A paralisação parcial dos coletivos atende a uma adesão ao protesto nacional contra o projeto que altera as regras sobre seguro-desemprego e outros benefícios trabalhistas. Segundo o Sindicato dos Rodoviários, 70% dos ônibus não circulam no início desta manhã. 

As linhas mais afetadas são as das empresas Cidade Alta, Vera Cruz, Borborema, Metropolitana e Itamaracá. O metrô, que prometeu na noite da última terça (14) não funcionar durante todo o dia, operou de forma normal desde o começo da manhã. A assessoria de imprensa da CBTU-PE afirmou que os maquinistas aderiram à greve e os três estão sendo operados pelos supervisores, mas circularão apenas em horário de pico: das 5h às 9h e das 16h às 20h. 

Já os ônibus, que não tinham horário definido para paralisação, surpreenderam os passageiros nesta manhã. Em alguns terminais, nenhum veículo tinha saido por volta das 5h40, no Terminal de Setúbal, na Zona Sul do Recife, o gerente operacional informou que a circulação só começaria a partir das 6h. Os passageiros que embarcavam no metrô eram avisados pelos fiscais que os trens funcionavam, mas que o Terminal Integrado do Barro, um dos mais movimentados do sistema, estava completamente fechado e sem ônibus.

No terminal da PE-15, alguns motoristas de coletivos e até alguns passageiros fecharam o terminal integrado para impedir que motoristas que não aderiram ao movimento circulassem. Houve tumulto tanto por parte dos trabalhadores como dos passageiros. Um efetivo de cerca de 40 policiais militares foi acionado acalmar os ânimos. Com a ajuda policial, a situação no local foi normalizada e os ônibus passaram circular normalmente. Um destaque foi a atuação da polícia no auxílio ao embarque de passageiros dos coletivos, junto aos fiscais do terminal.

No Terminal Integrado do Aeroporto, os portões da integração estavam fechados até pouco antes das 6h, mas algumas linhas como TI TIP/Aeroporto e TI Tancredo Neves/Aeroporto pegavam os passageiros do lado de fora da estação. No Terminal Integrado de Tancredo Neves, poucos passageiros aguardavam ônibus, mas os portões das estações estavam abertos.

Já no Terminal Integrado do Recife, os passageiros que desciam do metrô aguardavam a abertura dos portões da integração. Alguns funcionários afirmavam que os ônibus circulares só iriam rodar a partir das 9h. O Terminal Integrado da Macaxeira, na Zona Oeste do Recife, também estava sem ônibus no começo da manhã. Internautas relataram que muitos passageiros aguardavam por ônibus do lado de fora da estação.

No bairro do Janga, em Paulista, assim como na PE-15, em Olinda, muitos passageiros aguardavam nas paradas. Segundo internautas, os coletivos da empresa Cidade Alta não estavam circulando. Na Avenida Conde da Boa Vista, um dos principais corredores de ônibus da capital, o movimento de coletivos era menor do que o normal. Passageiros reclamavam que os ônibus da Borborema, que seguiam para a Zona Sul/Jaboatão dos Guararapes, não estavam passando.

Informações: JC Online


READ MORE - Grande Recife amanhece com poucos ônibus circulando

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960