Holanda e Prefeitura de SP debatem ampliação de espaços para ciclistas

terça-feira, 25 de junho de 2013

Os números mostram que tem mais gente usando bicicleta na cidade de São Paulo. Segundo uma pesquisa do Metrô, em 2007, eram feitas em média 155 mil viagens por dia na cidade. Em 2010 saltou para 214 mil, mas a quantidade de caminhos exclusivos para as bikes não aumentou na mesma proporção. São Paulo tem só 60 km de ciclovias. Aos domingos, quando as ciclofaixas de lazer são montadas, a cidade ganha mais 119 km exclusivos para as bikes.

Para colaborar com a ampliação do espaço para ciclistas, a vice-prefeita de Amsterdã, na Holanda,  Caroline Gehrels, junto com uma comitiva, esteve em São Paulo para conversar com técnicos da Prefeitura.

Na segunda-feira (24), ela visitou a Zona Leste, onde muita gente anda de bicicleta, e também conheceu a ciclovia na Avenida Faria Lima. “Minha primeira impressão é que vocês não são acostumados com as bicicletas no dia-a-dia, porque nós vamos assim para o trabalho, de segunda a sexta”, diz Carolien.

A vice-prefeita ajuda a administrar uma cidade que é considerada a melhor do mundo para pedalar. Amsterdã tem pouco mais de 800 mil habitantes e 500 km de ciclovias. Todos os dias, 40% da população de Amsterdã vai de bicicleta ao trabalho; 40% de transporte público e 20% de carro.

Nas décadas de 1950 e 1960 não era nada fácil andar de bike na capital holandesa. A partir da década de 1990 as coisas começaram a mudar por causa dos incentivos do governo. Em 18 anos, o uso da bicicleta aumentou 40%. Hoje, a cidade tem 220 mil carros, ante 880 mil bicicletas.

Informações: G1 SP

READ MORE - Holanda e Prefeitura de SP debatem ampliação de espaços para ciclistas

Grande Recife: Linhas de Cajueiro Seco têm itinerários alterados

Para melhorar o trânsito na região de Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, o itinerário de algumas linhas que fazem o retorno na Av. Júlio Maranhão será alterado neste sábado (22). 

As linhas 164 – Marcos Freire/TI Cajueiro Seco e 216 – TI Barro/TI Cajueiro Seco que antes realizavam o giro no segundo retorno da Av. Júlio Maranhão, passarão a realizar a manobra no primeiro retorno da via. 

Dessa forma, os veículos passarão a cumprir o seguinte itinerário: TI Cajueiro Seco, 7ª Travessa da Av. Dr. Júlio Maranhão, Av. Dr. Júlio Maranhão, 1º retorno da Av. Dr. Júlio Maranhão, Av. Dr. Júlio Maranhão. 

Em Olinda, Linhas de ônibus têm itinerário alterado devido a problemas na via 

Devido a falta de manutenção no sistema viário da Rua Recife, no bairro de Jardim Brasil II e da Rua Prof. Agamenon Magalhães, em Jardim Brasil I, a empresa Caxangá recebeu autorização do Consórcio para alterar o itinerário de algumas linhas que passam pelo local a partir deste sábado (22). 

As linhas 823 – Jardim Brasil II (Estrada de Belém), 824 – Jardim Brasil II (Cruz Cabugá), 825 – Jardim Brasil II/Joana Bezerra e 884 Jardim Brasil II/Rio Doce, que antes seguiam pela Rua Recife, Rua Mataripe, Rua Campina Grande, retornando pela Rua Antônio da Costa Azevedo, farão a volta na própria Rua Mataripe, retornando pela Rua Campina Grande. 

As linhas 821 – Jardim Brasil I (Estrada de Belém) e 822 – Jardim Brasil I (Cruz Cabugá) que seguia pela Av. Presidente Kennedy e Rua Prof. Agamenons Magalhães para chegar à Rua Cons. Xavier Pedrosa, farão o novo itinerário pela Av. Presidente Kennedy, Rua Carmela Dutra, retornando ao percurso normal pela Rua Cons. Xavier Pedrosa. 

Salientamos que o Consórcio já entrou em contato com a Prefeitura de Olinda para que sejam tomadas as providências em relação à manutenção do sistema viário destas ruas. 

Em caso de dúvidas, o Consórcio disponibiliza sua Central de Atendimento ao Cliente, no 0800 081 0158. 

Informações: GRCT

READ MORE - Grande Recife: Linhas de Cajueiro Seco têm itinerários alterados

São Paulo: Passagem do Corredor ABD cairá para R$ 3,20

A partir do dia 1º, a tarifa do Corredor ABD de trólebus (Jabaquara/Brooklin/São Mateus) será reduzida para R$ 3,20. Desde o dia 2, as passagens do sistema, que passa por Diadema, São Bernardo, Santo André e Mauá, foram elevadas para R$ 3,40. Os demais ônibus intermunicipais que passam pelo Grande ABC terão os preços dos bilhetes diminuídos em R$ 0,15, em média. Ainda não foram estabelecidos os descontos exatos em cada uma das linhas e não há data exata para divulgação da nova tabela tarifária.

Segundo o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, o Estado dividirá com a iniciativa privada o ônus gerado pela diminuição da tarifa. “Será solicitado às concessionárias que façam esforços para redução de custos, racionalização e inteligência no uso da frota. Da parte do Estado, vamos ver o que é possível continuar assumindo, como manutenção de terminais e da rede elétrica”, explica.


Fernandes afirma que as empresas que prestam serviços de transporte metropolitano já estão fazendo esse tipo de esforço desde janeiro. “Optamos por deixar o reajuste para junho para respeitar pedido do governo federal”. No fim do ano passado, a presidente Dilma Rousseff solicitou congelamento das passagens, com objetivo de desacelerar o crescimento da inflação.

Ontem à tarde, em discurso de abertura da reunião com ministros e governadores, Dilma pediu aos governos estaduais que aumentassem as desonerações do transporte coletivo. No fim de maio, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou isenção de PIS/Cofins para empresas do setor. O secretário de Transportes Metropolitanos justifica que o Estado já aplica diminuições na carga tributária dos prestadores de serviço. “Temos a menor alíquota de ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o combustível usado pelas empresas do transporte público, que é de 12%.” O titular da Pasta salienta que buscará outras formas de diminuir ainda mais o peso dos tributos cobrados.

O secretário pondera, no entanto, que só haverá redução verdadeira nas tarifas depois que o transporte público ganhar eficiência. “Não adianta reduzir os impostos se o ônibus fica parado no trânsito gastando combustível e mão de obra. A grande luta desse movimento é para tirar os carros da rua. Precisamos abrir espaço para os ônibus. Isso é que vai diminuir os custos”, comenta Fernandes.

Por Fabio Munhoz
Informações: Diário do Grande ABC
READ MORE - São Paulo: Passagem do Corredor ABD cairá para R$ 3,20

CET São Paulo já multa invasor de faixa exclusiva

A fiscalização para quem invadir as novas faixas exclusivas para ônibus na Marginal do Tietê começou nesta segunda-feira, 24. Motoristas que desrespeitarem a delimitação receberão multa leve de R$ 53,20 e 3 pontos na carteira nacional de habilitação (CNH).O novo sistema foi adotado há uma semana em 12,7 km da via, uma das principais da cidade de São Paulo, mas até agora só valeu em caráter de operação assistida. A faixa exclusiva funciona das 6 às 9 horas no sentido Rodovia Castelo Branco. À tarde, a medida vigorará no sentido oposto, das 17h às 20h. Em ambas as direções, a restrição ocorre na pista local, na faixa da direita, entre as Pontes das Bandeiras e Aricanduva.

Além dos 2,4 mil marronzinhos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), 690 agentes da São Paulo Transporte (SPTrans) já estão aptos a multar invasão de faixa de ônibus. No total, 14 fiscais da SPTrans acompanhavam as primeiras horas de funcionamento da medida na semana passada. Faixas de pano alertando os motoristas estavam espalhadas pelas pontes da marginal. Além disso, placas com a restrição e a sinalização horizontal já estavam instaladas ao longo da via.


O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, disse na semana passada que a Marginal do Pinheiros e a Avenida Paulista estão na lista das próximas vias a receber a faixa exclusiva de ônibus. "Pela primeira vez, nós estamos criando uma medida corajosa, audaciosa, de dizer claramente: ?Na cidade de São Paulo, e nas duas marginais, nós vamos priorizar o transporte coletivo."

Desafio

Na Pinheiros, ela ficará entre as Pontes Cidade Jardim e João Dias. Já no eixo da Paulista a faixa exclusiva ocupará ainda as Avenidas Doutor Arnaldo e Bernardino de Campos e a Rua Domingos de Morais. "O problema na cidade não é a falta de ônibus, é a organização, a distribuição e a velocidade. Vamos sair de 13 km/h para 20 km/h. Assim, você tem mais ônibus no viário e beneficia mais passageiros. Esse é o desafio da Prefeitura", disse Tatto.

Informações: Diário do Grande ABC
READ MORE - CET São Paulo já multa invasor de faixa exclusiva

Manaustrans fiscaliza corredor exclusivo para ônibus no Centro de Manaus

No primeiro dia de fiscalização na Avenida Epaminondas, corredor exclusivo para ônibus no centro da cidade, o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) autuou setenta veículos no período da manhã, desta segunda-feira (24)

A autuação dos veículos ocorre doze dias após o prefeito Arthur Virgílio Neto anunciar o trânsito restrito para transporte urbano na avenida.

Antes de dar início às autuações o Manaustrans orientou motoristas que circulam no local para ficarem atentos à nova circulação na área.

“Durante doze dias fizemos um trabalho de educação e de informação. Inclusive avisamos que após esse período de orientação os infratores seriam punidos”, explicou o diretor de Operações do Manaustrans, coronel Raimundo Encarnação.


A fiscalização do Manaustrans está atuando no local em todos os turnos. O motorista de veículo de passeio que não respeita o corredor exclusivo para ônibus da avenida Epaminondas comete infração média, com multa no valor de R$ 85,13 e recebe quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação.

Novos acesos na avenida Epaminondas:

- Veículos leves que trafegam na avenida Constantino Nery com destino ao Centro, não podem seguir em frente, em direção à Epaminondas. Deverão converter à direita na rua Leonardo Malcher e acessar a rua Luiz Antony para chegar à área central;

- A partir da rua Leonardo Malcher os veículos poderão dobrar à esquerda e acessar a avenida Epaminondas somente até a rua Simon Bolivar (Praça da Saudade) e retornam à rua Ferreira Pena.

- O acesso de veículos leves na avenida Epaminondas, sentido bairro/Centro, será permitido no trecho entre a rua Ramos Ferreira até a rua José Clemente, em uma faixa exclusiva, à esquerda da via.

- A partir da rua José Clemente, até a avenida Sete de Setembro, o tráfego na Epaminondas será apenas para ônibus.

- Veículos que seguem pela rua Dez de Julho poderão converter à esquerda na avenida Epaminondas em uma faixa no contrafluxo até a rua Ramos Ferreira.

- Será permitido trafegar na rua Saldanha Marinho emdireção à rua da Instalação e dobrar à direita, em contrafluxo, para acessar a rua 24 de Maio.

Informações: d24am.com
READ MORE - Manaustrans fiscaliza corredor exclusivo para ônibus no Centro de Manaus

Em Fortaleza, Motoristas entram em acordo com Sindiônibus e afastam possibilidade de greve

O acordo selado nesta segunda-feira (24) põe fim no impasse entre o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Ceará (Sintro) e o do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus).
Foto: Viviane Pinheiro
Na reunião, junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), ficou acertado o reajuste de 8,54% e os rodoviários terão direito a um plano de saúde. De acordo com o MPT, foram alcançados pela negociação cerca de 19 empresas de ônibus, 11.600 empregados diretos e 1 milhão de usuários/dia.

Categoria estava em greve desde o último dia 19

No último dia 19, os motoristas e cobradores de ônibus decidiram por unanimidade pela deflagração da greve. A decisão dos trabalhadores pela greve havia contrariado a vontade do Sintro, que era a favor de acatar a proposta oferecida pelo Sindiônibus, do reajuste salarial de 8,5%, representando ganho real de 3,45% para a categoria.

A categoria desejava um aumento salarial de 15%, além de vale refeição de R$ 12 e cesta básica no valor de R$ 80.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) havia determinado no último dia 14 que o Sindicato dos Trabalhadores suspendesse de imediato as ações de bloqueio a empresas e terminais de ônibus. Em caso de descumprimento, o valor da multa seria de R$ 50 mil por dia.

Informações: Diário do Nordeste

READ MORE - Em Fortaleza, Motoristas entram em acordo com Sindiônibus e afastam possibilidade de greve

Metrô em Porto Alegre não sai sem aumento de verba federal, diz prefeito

A destinação de mais de R$ 50 bilhões para obras de mobilidade em todo o país anunciada nesta segunda-feira (24) poderá ser positiva para Porto Alegre, segundo o prefeito da capital, José Fortunati. Após participar da reunião convocada pela presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto, em Brasília, juntamente com outros 25 prefeitos e 26 governadores, o prefeito disse que, com o aumento dos custos para o metrô, a obra só será concluída se o governo federal aumentar os recursos oferecidos à cidade. Por isso, a verba anunciada deverá servir para esse fim.

"Se não houver aumento de recurso do governo federal, não haverá metrô em Porto Alegre", declarou em entrevista à Rádio Gaúcha. Ele defendeu ainda que o pacto federativo anunciado para o transporte melhorará o serviço oferecido para os cidadãos e afirmou que, para que o transporte público ser subsidiado, vai sair mais caro ter carro. Segundo ele, essa é a única solução para baratear o custo da passagem de forma permanente.

"Chegou a hora de incentivar o transporte coletivo de qualidade e barato. A conta tem que ser paga. Quem usa o automóvel deve saber disso", declaro Fortunati.


O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, também participou da reunião convocada por Dilma para responder à série de manifestações que levaram milhares de brasileiros às ruas em protesto contra aspectos da conjuntura política, econômica e a qualidade dos serviços públicos. Também em entrevista à Rádio Gaúcha, ele comentou a proposta da presidente de convocar um plescito para que o eleitorado decida sobre um processo constituinte específico destinado a fazer reforma política. Segundo o governador, não há dúvida da necessidade desta iniciativa.

"Trata-se de uma reforma política para fazer reformas mais profundas. A escassa representatividade dos partidos não acompanhou a evolução das necessidades do povo ", avaliou o governador. De acordo com ele, a presidente garantiu que o plebiscito ocorrerá ainda este ano.

Tarso também explicou que a escolha dos integrantes da câmara constituinte será feito por eleição. "Eu apresentei a proposta de termos candidatos de fora dos partidos. Entretanto, isso será decidido no processo convocatório, tendo consulta plebiscitária", afirmou.

Na reunião com governadores e prefeitos, Dilma propôs a adoção de cinco pactos nacionais (por responsabilidade fiscal, reforma política, saúde, transporte e educação). A presidente defendeu um combate "contundente" à corrupção e disse que, para isso, é necessário endurecer a legislação, de modo a que a corrupção dolosa seja classificada como crime hediondo, "com penas severas".

Uma manifestação ocorre na noite desta segunda em Porto Alegre e em pelo menos 10 outros municípios do RS. De acordo com o governador, ações de segurança foram planejadas durante todo o dia para proteger a cidade de novas depredações.

Informações: G1 RS
READ MORE - Metrô em Porto Alegre não sai sem aumento de verba federal, diz prefeito

Dilma anuncia R$ 50 bilhões para investimento em transporte público

A presidente Dilma Rousseff anunciou que o governo irá liberar R$ 50 bilhões para investimentos no transporte público urbano no País. A declaração foi feita nesta segunda-feira (24), em um pronunciamento após uma reunião com governadores e prefeitos para tratar da qualidade dos serviços públicos. "Essa decisão é reflexo imediato do pleito pela melhoria dos serviços de transportes das últimas semanas", disse.

Depois dos protestos que tomaram conta do Brasil, o transporte público virou prioridade nas reuniões presidenciais. No começo da tarde, Dilma recebeu representantes do Movimento Passe Livre (MPL) de São Paulo.

A presidente também anunciou que o governo irá desonerar o PIS/Cofins sobre o diesel e a energia elétrica usada para o transporte público. "Cabe agora aos Estados e Municípios abrirem mão também de seus impostos", afirmou.

Ainda em seu pronunciamento, Dilma disse que está ouvindo a voz das ruas e sugestionou que essa energia seja usada para, por exemplo, motivar uma reforma política e na constituição por demanda popular. "Mas reafirmo as palavras que fiz na semana passada, meu Governo não irá acomodar manifestações que não forem pacíficas", disse.

Informações: Isto É

READ MORE - Dilma anuncia R$ 50 bilhões para investimento em transporte público

Prefeito do Rio de Janeiro defende subsídio a transporte público em vez de incentivo a carros

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), defendeu nesta segunda-feira (24) que o governo federal deixe de dar incentivos fiscais para a compra de carros e passe a subsidiar o transporte público.

Paes e outros prefeitos de capitais se reuniram em um hotel em Brasília para discutir projetos que serão apresentados à presidente Dilma Rousseff em audiência na tarde desta segunda.

“Não dá para a gente continuar subsidiando transporte individual e não ter subsídio para transporte público. Cada dia entra mais carro no Rio, em São Paulo, e o trânsito cada dia fica pior. A pressão dos serviços está sob as prefeituras”, afirmou Paes, antes de participar da reunião com prefeitos.


Entre 2008 e 2011, o governo federal reduziu e alíquota de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para incentivar a venda de veículos e estimular a atividade durante a primeira etapa da crise financeira internacional.

No ano passado, a estratégia se repetiu, e iria retornar gradativamente ao percentual sem desconto, mas o governo decidiu frear o aumento da alíquota até o final do ano.

Para Eduardo Paes, a política do governo deveria ser de incentivo ao transporte público e não de estímulo à compra de carros. “É preciso priorizar”, disse.

Na tarde desta segunda, a presidente Dilma recebe prefeitos e governadores de capitais para discutir soluções para a insatisfação da população demonstrada nos protestos que ocorrem em todo o país.

Os encontros refletem o pronunciamento da presidente à nação na última sexta (21), em que disse que iria receber "líderes" das manifestações e conversar com os chefes dos executivos municipais e estaduais.

Segundo disse a presidente em pronunciamento no rádio e na TV na última sexta, no encontro com governadores e prefeitos, "o foco será: primeiro, a elaboração do Plano Nacional de Mobilidade Urbana, que privilegie o transporte coletivo; segundo, a destinação de 100% dos recursos do petróleo para a educação; terceiro, trazer de imediato milhares de médicos do exterior para ampliar o atendimento do SUS".

Eduardo Paes afirmou que também defenderá a ampliação do limite de endividamento dos estados, para que governadores e prefeitos possam investir na melhoria da qualidade do transporte público.
“Eu diria que a qualidade do transporte é muito ruim. Você tem a questão dos preços, que foi o estopim dessas crises, mas o problema é muito maior que só os preços [...] Você tem que permitir que os municípios possam se endividar”, disse. “O que a gente espera é, de fato, que decisões sejam tomadas”, completou o prefeito.

Nathalia Passarinho
Do G1, em Brasília
READ MORE - Prefeito do Rio de Janeiro defende subsídio a transporte público em vez de incentivo a carros

Passagem de ônibus, trem e metrô volta a custar R$ 3,00 em São Paulo

A tarifa de transporte público em São Paulo voltou a custar R$ 3,00 a partir desta segunda-feira. O preço da passagem de ônibus, trem e metrô, que havia subido para R$3,20 no dia 2 de junho, foi reduzido na última quarta-feira pelo prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e pelo governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB). O preço da integração também retornou para o valor de R$ 4,65, depois de ter sido reajustado para R$ 5,00.

A passagem foi reduzida depois que seis grandes manifestações na cidade reclamaram sobre o alto preço da tarifa. Tanto a prefeitura quanto a sede do governo de São Paulo chegaram a ser depredados.

Na quarta-feira, Haddad e Alckmin afirmaram que o retorno da tarifa terá ônus para ambos os governos, e que o dinheiro do subsídio terá de ser retirado dos respectivos orçamentos. "Vamos ter de cortar investimentos. As empresas não têm como arcar com essa diferença. O tesouro do Estado vai apertar o cinto. Temos como prioridade o transporte coletivo", disse o governador.

De acordo com Haddad, este foi um gesto de abertura, do entendimento, de manutenção de um espírito de democracia, agora com mais responsabilidade. "Temos de explicar as consequências deste gesto para a cidade. Teremos de repensar o orçamento com essa nova realidade", disse.

Informações: Portal Terra

READ MORE - Passagem de ônibus, trem e metrô volta a custar R$ 3,00 em São Paulo

Metade das capitais do País ainda não adotou redução

Na terceira semana de manifestações pelo Brasil, 12 capitais de Estado, mais o Distrito Federal, ainda não reduziram as tarifas do transporte público urbano, apesar de protestos e benefícios federais. Em pelo menos três, Salvador (BA), São Luís (MA) e Belém (PA) houve confrontos. Em Salvador, capital baiana, a redução de tarifa "não está no debate", afirmou o prefeito ACM Neto (DEM). O preço da passagem na cidade subiu há um ano, de R$ 2,50 para R$ 2,80, e a manutenção desse valor integrava o plano do atual prefeito, assim como uma nova licitação do sistema de transporte público, programada para este ano. "Agora, estamos concluindo o estudo de readequação do sistema", ressaltou.

Em Maceió, capital de Alagoas, os manifestantes lutam para que a tarifa, de R$ 2,30 seja mantida sem aumentos. As empresas de ônibus querem reajuste para R$ 2,85. Por causa dos protestos, o prefeito, Rui Palmeira (PSDB), e o governador do Estado, Teotônio Vilela Filho (PSDB), anunciaram redução de ICMS do combustível e do IPVA para empresas - para compensar um congelamento.

Interior paulista

Algumas das principais cidades do interior paulista também resistem a diminuir as tarifas. Em Ribeirão Preto, onde se registrou a primeira morte desde o início das passeatas, o aumento de 11,53% dado em janeiro continua em vigor - lá, os protestos reuniram mais de 25 mil pessoas. O Ministério Público cobra da Transerp, empresa que gerencia o transporte, explicações sobre a planilha. Em janeiro, o passe comum subiu de R$ 2,60 para R$ 2,90. O promotor Sebastião Sérgio da Silveira reúne-se com representantes da empresa pública nesta segunda-feira e, se não houver acordo, pode entrar com ação civil pública pedindo redução para R$ 2,75.

Já a prefeitura de Santos resiste à redução pedida nas ruas por mais de 20 mil manifestantes. O último reajuste, em janeiro, elevou de R$ 2,65 para R$ 2,90 a tarifa básica. O prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) informou que a empresa permissionária até pediu novo reajuste, que não será dado.

Em Piracicaba, o prefeito Gabriel Ferrado (PSDB) ainda não anunciou redução na tarifa, aumentada de R$ 2,60 para R$ 3 em dezembro de 2012. O Movimento Pula Catraca quer a redução de R$ 0,40 no valor. Na quinta-feira, 12 mil pessoas foram às ruas.

São José do Rio Preto também não vai alterar a tarifa, de R$ 2, uma das menores do interior. Na terça, 4 mil pessoas foram às ruas para protestar. Em Franca, o Ministério Público investiga o contrato da empresa de ônibus com a prefeitura por falta de ônibus e superlotação. A passagem custa R$ 2,80, mas a empresa que opera o transporte já pediu reajuste para R$ 3,30. Por fim, em Botucatu a prefeitura resistiu a três protestos e não baixou a tarifa de ônibus, aumentada em janeiro de R$ 2,35 para R$ 2,65. (colaboraram Tiago Décimo e Rene Moreira, especial para o Estado). 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

READ MORE - Metade das capitais do País ainda não adotou redução

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960