Prefeitura de São Paulo quer câmeras em ônibus para multar motorista infrator

terça-feira, 2 de abril de 2013

Para tentar coibir a invasão dos corredores exclusivos de ônibus por outros veículos, a Prefeitura de São Paulo pretende instalar nos coletivos câmeras capazes de registrar as placas de carros e motos, para depois multá-los. Com a medida, a gestão Fernando Haddad (PT) quer ampliar a velocidade média do transporte público sobre pneus, que hoje é de 13 km/h. Os ônibus "dedo-duro" podem ir a teste neste ano.

"A câmera fica para fora, na frente do ônibus, e todo veículo que entra no corredor o ônibus filma ou fotografa. Depois, (a imagem) vai para uma central, já que só um agente público pode multar", disse ao Estado o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto. "É como se fosse um fiscal eletrônico." Segundo ele, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ainda deve questionar o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) sobre possíveis entraves legais envolvendo a medida. As câmeras seriam instaladas em ônibus que não pertencem ao governo municipal, mas às concessionárias do serviço. Ou seja, em veículos privados.

Na avaliação de Maurício Januzzi, presidente da Comissão de Trânsito da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), os flagrantes só poderão acontecer se esse tipo de situação estiver prevista em contrato entre a São Paulo Transporte (SPTrans) e as empresas de ônibus. "Como a multa não é feita diretamente pelo poder público, e sim por um particular concessionário, é preciso haver previsão contratual."

Em julho, depois de uma década, a Prefeitura renovará os contratos com as concessionárias e cooperativas de ônibus e essa questão pode ser incluída. Já do ponto de vista técnico não há impedimento para que os ônibus "dedo-duro" comecem a rodar. É o que diz Silvio Médici, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Engenharia de Trânsito (Abeetrans). "Sou favorável à utilização do meio eletrônico para reduzir a grande quantidade de infrações que são cometidas nas ruas e avenidas de São Paulo."

Para ele, a medida deve funcionar nos mesmos moldes dos atuais radares, que fotografam as placas dos infratores e depois remetem as imagens para a central da CET, onde um agente aplica a multa. Mas a eficácia, diz Médici, seria maior, pois, diferentemente dos radares, que são fixos e os motoristas sabem onde ficam, os ônibus estão em constante movimento.

Portanto, ninguém teria certeza de onde pode ser visto. É um conceito associado à lógica da "sociedade disciplinar", estudada no século passado pelo filósofo francês Michel Foucault, na qual os indivíduos não conseguem discernir quando estão sendo vigiados e, portanto, acabam obedecendo às regras.

Regulamentação
O Denatran informou que, para valer, a ferramenta do ônibus "dedo-duro" deve ser regulamentada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Antes, "a matéria deverá ser apreciada pelas câmaras temáticas, por sua complexidade, e ser submetida aos conselheiros" do órgão.

Tatto afirmou que esse tipo de fiscalização já existe em cidades como Londres e Seul. "Não vai poder invadir mais (os corredores). Se invadir, vai ser multado." Em 2012, 335,6 mil multas foram aplicadas a condutores vistos dirigindo fora da faixa correta. O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbanuss) se disse "favorável a toda e qualquer medida que priorize o transporte público" em detrimento do individual. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Prefeitura de São Paulo quer câmeras em ônibus para multar motorista infrator

No DF, Consórcio propõe tarifa de R$ 2,80 em ônibus da bacia 3

O consórcio HP-ITA, de Goiás, apresentou proposta de tarifa técnica de R$ 2,80 para operar os 483 ônibus da bacia 3 do novo sistema de transporte coletivo do Distrito Federal. A bacia 3 atende as regiões de Samambaia, Riacho Fundo I e II, Núcleo Bandeirante e Recanto das Emas. O resultado foi publicado nesta terça-feira no Diário Oficial do DF.

Segundo a Secretaria de Transportes, a tarifa técnica é o valor cobrado do governo pela empresa para transportar um único passageiro. O preço final da tarifa, no entanto, é definido pelo GDF.

A segunda tarifa mais baixa pela operação da bacia 3 foi oferecida pela Viação Marechal, de Curitiba – R$ 2,81. Segundo o GDF, a empresa que oferece o menor valor vence a licitação, mas há um prazo de cinco dias para recurso contra a decisão.

Depois que o contrato com o grupo vencedor da licitação for assinado, as empresas têm seis meses para colocar os ônibus em circulação. A empresa vencedora só pode operar uma bacia – o GDF dividiu o sistema de transporte em cinco regiões (bacias).

Na última quarta (27), o secretário de Transportes do DF, José Walter Vazquez, afirmou que o processo de licitação dos ônibus do DF será concluído em 50 dias. Segundo ele, a previsão é que toda a nova frota esteja nas ruas até setembro deste ano.

No ano passado, o GDF anunciou as empresas que vão explorar as bacias 2 e 5. Os contratos com as empresas Pioneira e São José foram assinados no dia 31 de dezembro. O governo informou que até o dia 30 de junho a frota estará 42% renovada.

Ainda não foram licitadas a bacia 1, que compreende a área de Brasília, Sobradinho, Planaltina, Cruzeiro, Sobradinho II, Lago Norte, Sudoeste/Octogonal, Varjão e Fercal, e a bacia 4, que compreende Gama, Paranoá, Santa Maria, São Sebastião, Candangolândia, Lago Sul, parte do Park Way, Jardim Botânico e Itapoã.

READ MORE - No DF, Consórcio propõe tarifa de R$ 2,80 em ônibus da bacia 3

Em São Paulo, Cadastro do Bilhete Único Mensal começa dia 15 para todos os interessados

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), anunciou hoje (2) que o cadastramento para o Bilhete Único Mensal começa no próximo dia 15. Qualquer pessoa pode se cadastrar – e não mais apenas estudantes, idosos e pessoas com deficiência, como era o objetivo inicial da prefeitura nesse primeiro momento. Também poderão pleitear o bilhete moradores de outras cidades.

Segundo Haddad, o valor fixo por mês para a pessoa rodar quanto quiser, principal promessa de sua campanha eleitoral, será de R$ 140, com base em valores de janeiro deste ano, e começa a valer em novembro. Estudantes, com base no valor da passagem atual, pagarão R$ 70. O prefeito afirma que até junho a tarifa dos ônibus que fazem o transporte público mensal não será reajustada.

O valor de R$ 140 para o bilhete mensal foi definido com base em duas viagens diárias por usuário em 22 dias úteis por mês (R$ 132, com base na tarifa atual de R$ 3). 

Para viabilizar a proposta, a prefeitura irá aumentar em R$ 400 milhões anuais os subsídios destinados às empresas de ônibus que operam o sistema.

O prefeito também disse que, para evitar fraudes e a utilização por terceiros, o novo bilhete terá a foto do usuário. Também terá um chip que permitirá o reabastecimento com débito automático em conta corrente, cartão de crédito e pagamento pela internet.

Durante o anúncio, Haddad afirmou que o Bilhete Único Mensal e os corredores de ônibus são os “dois pilares” da política de transportes de sua administração – cujo objetivo seria não apenas o de baratear os custos para o trabalhador, mas também mudar a cultura do automóvel entre os paulistanos.

"As pessoas que têm rotina de trabalho vão poder utilizar o Bilhete Único Mensal como alternativa ao automóvel", disse ele.

O petista pretende dotar a cidade de 150 quilômetros de novos corredores de ônibus até fim da gestão, em 2016. A maior parte dessas obras, 84 quilômetros, está em fase final de licitação para elaboração dos projetos, segundo informou o secretário de Transportes, Jilmar Tatto, no mesmo evento. Os outros 66 quilômetros de corredores já estão em fase de licitação para as obras, já que a prefeitura utilizou projeto licitado ainda na gestão da ex-prefeita Marta Suplicy (2001-2004).

A previsão do secretário é que a licitação do projeto para a construção dos 84 quilômetros seja concluída no primeiro semestre deste ano e a licitação para as obras termine até o final do segundo semestre de 2013.

De acordo com o prefeito, a proposta de integração do Bilhete Único Mensal com o Metrô está em análise pelo governo estadual, mas ainda não tem definição sobre este assunto, por enquanto. Segundo ele, a expectativa é que o número de passageiros nos horários de pico não deve sofrer alterações por conta do novo bilhete, mas que nos intervalos entre o início da manhã e o final da tarde, nos finais de semana e nos feriados haja incremento no volume de pessoas que utilizam os ônibus do sistema de transporte público no município. 

Haddad pretende lançar as versões “semanal” e “diária” do Bilhete Único, mas essas propostas ainda estão em estudos.

O secretário de Transportes afirmou que o novo cartão que será usado na implantação do bilhete mensal terá quatro vezes mais recursos tecnológicos que o atual cartão usado no sistema, como por exemplo o acompanhamento on line da transações efetuadas nos validadores instalados nos ônibus e acompanhamento integral dos usuários em trânsito no sistema.

Segundo Tatto, o cadastramento dos usuários para o bilhete único será permanente e vai ser feito pela internet. O secretário afirmou que a primeira emissão do bilhete mensal será gratuita e as pessoas cadastradas irão receber o cartão em casa, pelo correio. 

READ MORE - Em São Paulo, Cadastro do Bilhete Único Mensal começa dia 15 para todos os interessados

Idosos podem tirar o passe fácil sênior, em Belém

Usuários de ônibus em Belém acima dos 60 anos podem tirar o chamado passe fácil sênior, que facilita o acesso aos coletivos na capital. Para emitir o cartão, a pessoa precisa ir ao Mercado de São Brás, de 8 às 16h, portando a carteira de identidade, comprovante de residência e foto 3x4.

Em janeiro foram emitidos 1.167 cartões Passe Fácil Sênior, em fevereiro 895 e em março 1. 678 cartões foram emitidos pela Autarquia de Mobilidade Urbana de Belém (Amub).

Para ter direito ao benefício da gratuidade nos ônibus urbanos, basta o idoso apresentar ao motorista a sua carteira de identidade, porém ele fica restrito a ocupar a área da frente dos ônibus, não podendo passar na roleta. Com o cartão eletrônico, entretanto, ele poderá passar para a parte traseira do ônibus, se assim escolher.

Muitos idosos reclamam da falta de paciência de motoristas e de jovens que ocupam os assentos reservados para os idodos nos ônibus. Com o cartão, o idoso poderá passar a roleta e sentar onde desejar.

READ MORE - Idosos podem tirar o passe fácil sênior, em Belém

Prefeitura de SP afirma que vai mudar 1/3 das linhas de ônibus

O secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, diz que vai mudar um terço das 1.350 linhas de ônibus de São Paulo, iniciando por aquelas que utilizam os corredores.

A ideia é que poucas linhas fiquem nos corredores, com mais ônibus, para cumprir uma das cem metas da gestão Fernando Haddad (PT): elevar a velocidade dos ônibus de 14 km/h para 25 km/h.

"Foram colocando e hoje tem mais linhas nos corredores do que fora. Temos de cortar. É impossível operar assim", diz Ana Odila de Paiva Souza, diretora da SPTrans.

Outras mudanças vão ocorrer com a nova licitação do transporte coletivo, que deve ser lançada em breve.

Mas o plano depende da construção de mais corredores --a meta é viabilizar mais 150 km-- e mais terminais (a promessa é fazer 14).

"Não vamos licitar linhas, é uma licitação do sistema. Vamos determinar um intervalo para os ônibus e as empresas terão que se organizar", afirma Tatto.

Para aumentar a fiscalização, será obrigatório que todos os carros tenham rastreador funcionando para circular --hoje, não é preciso.


READ MORE - Prefeitura de SP afirma que vai mudar 1/3 das linhas de ônibus

Linhas canceladas voltam a funcionar em Ribeirão Preto

As linhas 309 (Jardim Independência/Hospital das Clínicas) e 400 (Sumaré/Hospital das Clínicas) voltaram a funcionar domingo passado. A medida foi uma determinação da prefeita Dárcy Vera (PSD), incomodada com a reclamação dos usuários dos itinerários, suspensos há dois meses, em razão da reestruturação do sistema de transporte coletivo urbano.
Foto: Joyce Cury / A Cidade
A informação foi confirmada nesta segunda-feira (1º) pela Transerp, empresa que gerencia o transporte público em Ribeirão Preto. O PróUrbano, consórcio das empresas prestadoras de serviço, não se manifestou.

A única novidade, foi a troca na denominação das linhas: a 309 passou a ser UO-399 Circular 3; e a 400 tornou-se UO-499 Circular 4.

Os itinerários são os mesmos. Entre os bairros servidos estão Jardim Sumaré, Campos Elíseos, Parque Ribeirão, Maria da Graça, Adão do Carmo Leonel, Jardim Independência e Vila Tibério.

90 mil passageiros/mês

As duas linhas, segundo a Transerp, são responsáveis pelo transporte de 90 mil passageiros/mês. A 399 tem 32,3 km de extensão; e a 499, 32,5 km.

Números obtidos em pesquisa de opinião, no fim de fevereiro, segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, indicaram que era preciso reformar a decisão do PróUrbano.

Cerca de 23% da população desses bairros deixou de ser atendida com a interrupção das duas linhas.

A pesquisa mostrou que 78% dos passageiros aprovaram a implantação das linhas circulares. A prefeita, então, solicitou o retorno do serviço.

O superintendente da Transerp, William Latuf, disse que a retomada das linhas será monitorada no sentido de avaliar sua visibilidade e até uma posterior retirada não está fora de cogitação.

READ MORE - Linhas canceladas voltam a funcionar em Ribeirão Preto

Em Santos, 30 ônibus terão ar-condicionado e internet sem fio até o mês de maio

Até o final do mês, 30 novos ônibus, ou cerca de 10% da frota de coletivos municipais, estarão circulando pelas ruas de Santos com ar-condicionado e internet sem fio. A ideia, segundo o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), é que a população avalie os novos serviços e, se der ok, eles sejam ampliados para toda a frota. Além disso, seis ônibus com piso rebaixado serão utilizados em período de testes.

As mudanças fazem parte de um pacote de medidas que visa, conforme o prefeito, melhorar o transporte coletivo em Santos e que, talvez, tenha como principal mudança o polêmico fim do pagamento de passagens com dinheiro, com início previsto para o dia 23. 

No entanto, parece desnecessário perguntar se o usuário de transporte numa cidade com o clima de Santos aceitaria ônibus com ar-condicionado. “É claro que é bom. Principalmente no verão”, responde prontamente o técnico em enfermagem Cláudio Silva.

Porém, só parece, explica o presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de Santos, Antonio Carlos Gonçalves. “É diferente a aceitação do usuário no ponto e no ônibus com o ar. É diferente o ônibus com ar-condicionado quando tem mais passageiros e quando está vazio. Além disso, todos os ônibus com este equipamento têm três portas de acesso, diferente dos veículos que a população está acostumada hoje. E também tem janelas que não podem ser abertas. Então, temos, sim, que avaliar a opinião dos usuários por conta do hábito”, explica.

Caso a análise seja positiva, o prefeito garante que os serviços serão ampliados. “Hoje, boa parte da população utiliza celulares com acesso a internet e essa (wi-fi) seria uma facilidade”, diz Paulo Alexandre. Facilidade que, de acordo com ele, pode colaborar com o usuário que quer solicitar ou recarregar o cartão. “Os serviços podem ser feitos pela internet e de dentro dos ônibus”, afirma o chefe do Executivo santista.

No caso dos veículos rebaixados, cujo objetivo é facilitar o acesso dos passageiros, os testes servirão para medir a eficiência dos coletivos. “O ônibus de piso baixo é mais frágil.  Então, vamos avaliar o desempenho deste veículo nas nossas rotas, principalmente em relação à manutenção”, diz Rogério Villani, diretor de transportes públicos da CET.

Apesar dos incrementos, o técnico em enfermagem Cláudio Silva não sabe se as mudanças compensariam caso a tarifa fosse reajustada. “Aí, já não sei”, afirma. Porém, de acordo com o prefeito, as novidades não estão vinculadas ao aumento nas passagens. “Não é isso que estamos discutindo agora e também não vamos discutir isso enquanto não avaliarmos e implementarmos essas mudanças”, garante. 

Apesar disso, a solicitação de aumento nas tarifas já é um pedido que, segundo o prefeito, está em sua mesa desde o primeiro dia do seu mandato. “Os reajustes têm um calendário. Tanto que outras cidades da região já reajustaram”.

As novidades para os coletivos municipais ainda não estão relacionadas a um possível reajuste das tarifas

Outros problemas

Para a funcionária pública Aline Menezes, a internet e o ar-condicionado são bem-vindos, mas o principal é colocar mais ônibus nas ruas. “Precisava mesmo é aumentar o número de veículos. Há linhas que no horário de pico são muito lotadas”, justifica.

A também funcionária pública Gisele da Silva concorda. Segundo ela, é preciso aumentar o número de coletivos para que a frequência com que eles passam nos pontos também seja maior.

O prefeito Paulo Alexandre não descarta a possibilidade de aumentar a frota. No entanto, afirma que neste momento está em curso um levantamento sobre linhas e itinerários. A ideia é avaliar possíveis mudanças que possam otimizar o serviço.

Por Tatiane Calixto
READ MORE - Em Santos, 30 ônibus terão ar-condicionado e internet sem fio até o mês de maio

Ônibus cai de viaduto sobre Av. Brasil e deixa sete mortos no Rio

Um ônibus caiu do Viaduto Brigadeiro Trompowski na pista lateral da Avenida Brasil, na altura da Ilha do Governador, no Rio, por volta das 16h30 desta terça-feira (2), deixando feridos e mortos. De acordo com o Batalhão de Vias Especiais (BPVE), sete mortes estão confirmadas.

O coronel Sérgio Simões, secretário estadual de Defesa Civil, disse à Globo News que os mortos são cinco homens e duas mulheres. Simões afirmou que, às 17h30, havia seis feridos confirmados, mas o número deveria subir.

O coronel disse ainda que cerca de 50 homens do Corpo de Bombeiros em cinco equipes trabalham no resgate. Foram acionados os quartéis de Ramos, Benfica, Penha, Méier, Ilha do Fundão e do Grupamento de Busca.
O Hospital de Bonsucesso, para onde estão sendo levados alguns dos feridos, confirma a chegada de pelo menos dois feridos, que foram direto para a Sala Vermelha, que atende pacientes em estado mais crítico.

Também foram levadas vítimas para os hospitais Getúlio Vargas, na Penha, Souza Aguiar, no Centro, e Saracuruna, na Baixada.

O ônibus, da Viação Paranapuã, do Consórcio Internorte, fazia a linha 328, Bananal-Castelo. O veículo ficou com as rodas para cima.

Discussão
Um passageiro ouvido pela Globo News, e que saltou um ponto antes do local do acidente, disse o motorista estava discutindo com um homem que pulou a roleta. Esse passageiro disse que desceu do ônibus com medo da briga.

Pista fechada
Três helicópteros dos bombeiros pararam na pista para fazer o resgate, fechando a Avenida Brasil no sentido Centro. O tráfego ficou muito lento no sentido Centro da Avenida Brasil até a altura da Penha, no Subúrbio.

READ MORE - Ônibus cai de viaduto sobre Av. Brasil e deixa sete mortos no Rio

Super Articulado é testado nos corredores de ônibus do ABD

A Metra, empresa que opera o Corredor Metropolitano de Ônibus ABD, está testando um novo ônibus para a operação em seus corredores. O Millenium BRT Super Articulado MBB circula nos 42 quilômetros de vias operadas pela Metra entre os municípios de São Bernardo do Campo, Diadema, Santo André, além das zonas leste (São Mateus) e sul da cidade de São Paulo (Berrini e Jabaquara). Por enquanto, o teste está sendo efetuado no trajeto entre Ferrazópolis e Jabaquara.

O Millenium BRT Super Articulado 0-500 UDA 3836 tem 23 metros de comprimento, cinco a mais que os tradicionais veículos articulados do mercado. Para o usuário, as vantagens do novo ônibus estão na alta capacidade de transporte de passageiros: 159 pessoas (57 sentados e 102 em pé), maior conforto para circulação, graças a boa largura do veículo e do salão interno, além de anteparos, balaústres e corrimãos em tubos de aço encapsulados em PVC desenvolvido pela encarroçadora Caio. Janelas mais amplas, dutos embutidos e outros diferenciais melhoraram o espaço interno do veículo. Com ar condicionado, bom revestimento acústico e suspensão pneumática, o ônibus resulta em uma operação mais segura e confortável durante as viagens feitas ao longo do corredor ABD operado pela Metra.

Na parte mecânica, o Millenium BRT é feito sobre chassi Volvo e tem propulsor diesel OM 457 LA que já atende ao Proconve 7 (Programa Nacional de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores), baseado nos padrões de emissão Euro V. Equipado com câmbio automático, o carro tem sistema de freio antiblocante (ABS), itinerário eletrônico e iluminação LED mais eficiente. 

Os testes com o novo veículo fazem parte de um programa de renovação de frota da Metra, que inclui ainda a aquisição de 20 novos trólebus fabricados pela Eletra, os quais começam a circular no corredor ABD ainda no primeiro semestre de 2013. A Metra tem uma frota de 280 veículos entre elétricos, híbridos e equipados com motor diesel.

READ MORE - Super Articulado é testado nos corredores de ônibus do ABD

Para 83% dos curitibanos, trânsito e cidade seriam melhores se mais pessoas andassem de ônibus

De acordo com os dados do levantamento de satisfação do Instituto Paraná Pesquisas, que ouviu 700 pessoas entre sábado dia 23 de março e segunda-feira, dia 25 de março, 95% dos entrevistados revelaram que estão felizes com Curitiba. Os resultados foram divulgados nesta sexta-feira, que foi aniversário da cidade.

No entanto, diversas áreas ainda desagradam os curitibanos. Para 23%, se pudessem mudar algo na cidade, seria a segurança. Dos entrevistados, 71,14% não têm boas estimativas em relação à área e acreditam que a violência deve aumentar nos próximos dez anos.

Já para 14% dos entrevistados, a área da saúde precisa de mudanças, mas o cenário neste caso, diferentemente do que ocorre com a segurança, é de otimismo. De acordo com a pesquisa, 40% acreditam que a saúde pública deve ter melhorias nos próximos dez anos.

O trânsito é um problema a ser mudado por 8,8% dos entrevistados. Do total de pessoas consultadas, 79,14% acreditam quem o trânsito vai piorar nos próximos dez anos.

Mas o cidadão de Curitiba está ciente que é no ônibus que está a solução para o problema.

Ainda de acordo com o Paraná Pesquisa, 83% dos 700 entrevistados acreditam que o trânsito e a qualidade de vida só vão melhorar em Curitiba se mais pessoas andarem de ônibus.

E para isso, os entrevistados pedem ampliação do número de linhas e corredores de ônibus, bem como a colocação de mais veículos de alta capacidade, como os ônibus articulados e biarticulados.

A cidade de Curitiba junto com a região metropolitana, formando a RIT – Rede Integrada de Transporte, é pioneira na concepção dos BRTs – Bus Rapid Transit, que muito mais que simples corredores, são sistemas que integram a cidade, qualificam urbanisticamente os locais onde servem e oferecem maior comodidade aos passageiros, como estações que protegem os usuários da chuva e do sol e que têm plataformas no mesmo nível do assoalho dos ônibus, oferecendo acessibilidade.

Atualmente, Curitiba e a região Metropolitana têm cerca de 80 quilômetros de corredores ou faixas com exclusividade para ônibus.

Este número deve aumentar com a ampliação da Linha Verde, que é um avanço do sistema atual de BRT. A Linha Verde possui capacidade para veículos maiores, mais pontos de ultrapassagem para evitar filas de ônibus nas estações, áreas com canteiros de flores e árvores, ciclovias e pistas para caminhadas, o que mostra que o BRT é um sistema que se integra ao meio urbano e não destoa dele.

A linha Verde liga o Terminal Pinheirinho ao Atuba, mas há previsão de ela se estender agora para o Contorno Sul da Cidade até a Copa de 2014, embora que a prefeitura admitiu atrasos nas obras.

Há também projeto que prevê a continuação do corredor pela BR 116 até Fazenda Rio Grande, cidade vizinha de Curitiba, após a conclusão da duplicação da rodovia.

Mas de acordo com a pesquisa, o curitibano está disposto a deixar mais o carro em casa se houver uma ampliação nos espaços preferenciais para os ônibus e uma melhoria na qualidade dos serviços com mais investimentos públicos em transportes.

O modelo de transporte adotado em Curitiba serviu de exemplo para vários sistemas que conseguiram ampliar as vantagens do BRT, como o Transmilênio, na Colômbia, e o Transantiago, no Chile, que também tomaram como base outro sistema brasileiro de transportes: o Corredor Metropolitano ABD, que liga as zonas Sul e Leste de São Paulo por municípios do ABC Paulista, com uso inclusive de trólebus, ônibus totalmente elétricos, que não emitem poluição.

De acordo com o instituto, grande parte da satisfação do curitibano em relação à cidade se dá devido aos transportes, mas os cidadãos têm a consciência de que são necessários investimentos parta que os serviços acompanhem o crescimento do local.

Por Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes


Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Para 83% dos curitibanos, trânsito e cidade seriam melhores se mais pessoas andassem de ônibus

Especialistas sugerem corredores de ônibus de SP com ultrapassagem

Após anúncio do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), em implantar 150 km de corredores de ônibus, especialistas em transporte comentaram algumas das metas  para o trânsito da cidade. Eles acreditam que os corredores devem ser planejados com intersecção (ultrapassagem), aprimorar os já existentes e sugerem os locais ideias onde devem haver corredores na cidade.
Silva Junior/Folhapress
Entre as metas para o trânsito, a prefeitura prevê uma "rede de 400 km de vias cicláveis" (ciclofaixas, ciclorrotas, ciclovias e calçadas compartilhadas) e a que estabelece uma malha de 150 km de faixas exclusivas para ônibus. A ideia da prefeitura com as faixas de ônibus é aumentar em pelo menos 80% a velocidade média do transporte coletivo municipal – dos atuais 14 km/h para 25 km/h.

Para o engenheiro civil, consultor em transportes e professor titular da USP São Carlos, José Bernardes Felex, 67, não houve tempo suficiente para que Haddad fizesse um estudo planejado para chegar a conclusão de que a cidade precisa de 150 km de corredores de ônibus.

"O problema não e o número x de corredores e sim a forma como eles devem ser planejados. Tem de estar traçado entre a moradia e o emprego. O prefeito não consegue enxergar isso em alguns dias de governo", apontou Felex. Questionado de que esta meta estava prevista no programa de governo do prefeito, o engenheiro civil foi enfático. "Ele promete o céu e põe todo no inferno. É um chute do cão", criticou.        

Acerca dos 400 km de vias "cicláveis", o engenheiro civil disse que a prefeitura precisa fazer com que haja uma convivência da bicicleta com os outros veículos. "Deve haver convivência e civilidade com o ciclista. Só o automóvel é privilegiado na cidade", reclama.  

Já o superintendente da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos), Luiz Carlos Néspoli, 62, acredita que os corredores são indispensáveis para a cidade. Ele lembrou que na  gestão da prefeita Marta Suplicy (2001-2004) os corredores funcionavam e agora precisa expandir e aprimorar em relação a eficácia da velocidade, que na média é 14 km/h.

"Primeiro não pode colocar muitos ônibus nos corredores, segundo tem de fazer uma operação eficaz de embarque e desembarque e deixar de fazer a cobrança no ônibus e sim onde o usuário toma o ônibus. E criar uma intersecção onde possa haver a ultrapassagem", sugeriu. 

Néspoli disse ainda que a prefeitura deve criar um sistema no semáforo que e funcione de forma inteligente privilegiando os ônibus dos corredores, além de linhas expressas. "Não pode fazer nada que impeça o ônibus de fluir melhor", reforça o superintendente da ANTP.

O engenheiro civil e mestre em engenharia de transportes pela USP, Horácio Augusto Figueira, 60, afirma que o corredor deve acelerar os ônibus, porém o corredor se tornou um grande curral de confinamento. "Deve haver a ultrapassagem. Mesmo com as interferências naturais das conversões à direita, é melhor ter a faixa exclusiva a direta do que não ter nada", afirmou.

A Rede Nossa São Paulo encomendou estudo a Figueira, que e entregou o documento para a administração Haddad por último dia 22. Entre os corredores que propõe, sugere um na av. 23 de maio, av. Dr. Arnaldo, av. Santos Dumont e rua Voluntários da Pátria. "Primeiro é preciso deixar e fazer os ônibus andarem já e melhor. Depois que venham os projetos e as obras dos corredores", disse o engenheiro civil.

Dentre os 150 km de novos corredores que a prefeitura prevê construir estão Celso Garcia, Berrini, Radial Leste, Aricanduva e av. dos Bandeirantes. A prefeitura ainda promete implantar 150 km de faixas exclusivas para ônibus. 

Marivaldo Carvalho
READ MORE - Especialistas sugerem corredores de ônibus de SP com ultrapassagem

População sofre com superlotação e insegurança nos terminais de Fortaleza

Superlotação, longo tempo de espera para chegada do transporte coletivo, insegurança, aumento do número de pedintes e moradores de rua e desorganização nas filas são alguns dos problemas dos terminais de ônibus de Fortaleza. O cenário retrata o caos que mais de um milhão de pessoas - segundo a Empresa de Transporte Público de Fortaleza (Etufor) - têm que passar diariamente. Entre os passageiros, o sentimento é de indignação.

No Terminal do Siqueira, passageiros chegam a esperar uma hora pelo ônibus. Em Messejana, os usuários se queixam do aumento de pedintes e da insegurança. Já no Terminal da Lagoa, também há moradores de rua. Frequentadores também reclamam da superlotação Fotos: Alex Costa/Waleska Santiago

No Terminal do Antônio Bezerra, que passa por reforma e ampliação, as obras se arrastam desde agosto de 2009. De acordo com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Infraestrutura (Seinf), somente cerca de 35% dos serviços foram executados. E ainda há outro agravante: durante dois anos, os trabalhos ficaram parados, sendo retomadas somente no começo de março deste ano. A demora é tanta que os usuários dizem tratar-se de uma "obra sem fim".

Além disso, existe a superlotação. O horário de pico é de 17h30 às 19h30, quando enormes filas são formadas. Como só tem uma entrada e saída, um enorme congestionamento de ônibus se forma na via ao lado da entrada do terminal. O gesseiro Alan Jeferson Pereira, 19 anos, diz que o ônibus sempre demora e, por conta disso, muitas vezes chega atrasado no trabalho. "Não é que tenha poucos ônibus, mas esse engarrafamento do lado de fora complica".

Assaltos

Para o comerciante Antônio Edilberto da Silva, 36 anos, que há mais de dez anos trabalha no Terminal do Antônio Bezerra, a insegurança é o que mais incomoda. Ele também se queixa da ausência dos guardas municipais, que antes estavam presentes durante todo o dia. "Hoje, eles não são mais fixos. Chegam de manhã, passam cerca de dez minutos e vão embora e só voltam de noite, quando passam, no máximo, mais dez minutos".

Na saída do terminal, também ocorrem muitos roubos. A situação está tão crítica que até dois comércios do local foram assaltados neste ano.

No Terminal da Messejana, por onde passam cerca de 135 mil pessoas todos os dias, a principal queixa também é com relação à insegurança. A comerciante Flaviana Silva, 54 anos, comenta que, apenas no mês passado, ficou sabendo de dois assaltos na entrada do lugar. Aproveitando que as pessoas têm que abrir bolsas e carteiras para retirar o dinheiro da passagem, bandidos fazem a abordagem.

A ausência de agentes da Guarda Municipal agrava a situação e aumenta a sensação de insegurança. "Têm dias que eles estão aqui, outros não", reclama a comerciante. Outro ponto que gera bastante incômodo aos passageiros é o aumento do número de pedintes e moradores de rua.

São idosos, adultos e até crianças. Sem rumo certo, muitos aproveitam o movimento intenso para vagarem pelos terminais. A comerciante comenta que teve uma época em que o Conselho Tutelar de Fortaleza fazia visitas frequentes para acompanhar esses casos.

A falta de educação dos motoristas também é motivo de reclamação. Por pressa ou falta de compromisso, muitos não param nos pontos de ônibus, o que irrita os usuários de transporte coletivo que, além do atraso do transporte, ainda têm que perder tempo, muitas vezes em pé e no sol quente, esperando que o próximo motorista tenha a boa vontade de atender ao aceno.

Demanda crescente

Nos terminais da Parangaba, Siqueira e Lagoa, os passageiros que antes deveriam desembarcar nas plataformas, hoje, descem no lugar de tráfego dos veículos, devido à lotação. O cenário é reflexo de uma demanda de usuários crescente, cuja a frota não acompanhou o mesmo movimento em uma década.

Até condutores e cobradores reclamam da falta de estrutura dos terminais. Há oito anos trabalhando como motorista, um funcionário que preferiu não se identificar afirma que a situação de todos os terminais é péssima. "O melhorzinho é o de Messejana", diz. Bastante estressado, ele explica que o trânsito de Fortaleza está caótico. "Isso está acabando com a gente", reforça.

A zeladora Maria Antônia Rodrigues, 51, avalia as viagens diárias de ônibus para ir e vir do trabalho como cansativas e estressantes. Ela gasta, em média, de 40 minutos a uma hora no Terminal do Siqueira esperando por um ônibus. "Meu sofrimento começa logo às 5h, pois é preciso acordar neste horário para poder pegar um transporte que me deixe no Siqueira. Chegando lá, eu pego uma fila enorme, passam uns três ônibus, e só no quarto eu consigo entrar".

Variação

Dados do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) sobre Mobilidade Urbana apontam que, no ano 2000, a quantidade de uso do transporte individual chegou a 286,4 milhões, e, em 2010, este quantitativo saltou para 306,4 milhões, ou seja, um crescimento de 7%. Enquanto isso, a oferta de transporte público, em dez anos, teve um aumento de 0,7%. Há 13 anos a cobertura deste serviço era de 129 mil Km rodados e, em 2010, foi de 130 mil Km.

Como consequência, o uso intensivo do transporte individual, em detrimento do transporte público, tem acarretado uma série de externalidades negativas, como os congestionamentos urbanos.

Segundo o analista de políticas públicas do Ipece, Victor Hugo, o sofrimento da população nos terminais "é reflexo da desorganização do transporte público". "É preciso entender que, com o aquecimento da economia, passa a se demandar mais o uso de transporte público e privado", avalia.

Para ele, as variações na demanda por transporte público podem ser explicadas por dois efeitos do aumento do poder aquisitivo do salário mínimo. O primeiro é o efeito renda. O segundo é a substituição do transporte público pelo individual, que, conforme o analista, "ocorre devido ao transporte público ser considerado inferior".

Prefeitura promete reforma e ampliação

Os terminais do Papicu, Parangaba e Siqueira serão os próximos a passar por reforma e ampliação. No Terminal da Parangaba, o investimento será de R$ 22 milhões, para ampliação, construção de plataformas de embarque e outros serviços. As informações são da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Infraestrutura (Seinf).

No Terminal do Siqueira, o investimento será de R$ 8,5 milhões. Em relação ao Terminal do Papicu, a Seinf esclarece que o projeto de reforma está em fase de reformulação.

A Etufor informou que o Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor) irá construir corredores para transporte coletivo e reformar quatro terminais - Antônio Bezerra, Papicu, Parangaba e Siqueira. Em fevereiro, a Prefeitura retomou a reforma do Terminal do Antônio Bezerra, que tem prazo de 240 dias para conclusão.

Segurança

Marcela Tabosa, coordenadora das Inspetorias Cidadãs, comenta que, no fim de janeiro e início de fevereiro, a Guarda Municipal trocou o efetivo fixo dos terminais por efetivos móveis. Porém, como observaram - a partir de queixas dos usuários - que existe a necessidade da permanência de um efetivo fixo nos terminais, resolveram realocar os agentes, processo que está ocorrendo gradativamente.

Serão 15 guardas em cada terminal, nos três turnos, para fazer a cobertura fixa das 6h à 00h. Depois, como os passageiros diminuem, terminais terão apoio somente das equipes móveis.

Por Luana Lima e Thays Lavor
READ MORE - População sofre com superlotação e insegurança nos terminais de Fortaleza

Alto custo impede que obras da Copa sejam aceleradas em Porto Alegre

Em janeiro deste ano, a engenheira química Andressa Bonavigo, 25 anos, já lamentava os incômodos causados no trânsito pela obra do viaduto da Avenida Bento Gonçalves com a Avenida Aparício Borges: acúmulo de veículos, muitos desvios e corredor de ônibus fechado para outra obra, a pavimentação para o sistema BRT (bus rapid transit).

Quase três meses depois, no feriado da Sexta-feira Santa, as reclamações continuavam as mesmas. Hoje, tudo o que Andressa quer é o fim das obras, o quanto antes. Só que uma agilização implicaria altos custos à prefeitura.
Foto: Mauro Vieira / Agencia RBS
Uma forma de agilizar a obra seria ampliar os turnos de trabalho das empreiteiras e estender o serviço nos finais de semana e feriados. Pouco importa, para Andressa, se os operários estiverem em atividade 24 horas por dia, sete dias por semana, se for para acabar logo a construção do viaduto e do corredor do BRT, ambos incluídos na matriz de obras da Copa 2014. Ela quer voltar a fazer com menos transtornos o trajeto de casa, na Rua Coronel José Rodrigues Sobral, até o emprego, em Cachoeirinha. Só que ela se preocupa com a atual movimentação no canteiro de obras.

— Depois do Carnaval, quando eu via gente trabalhando todo dia, a obra parou, não vejo mais ninguém lá — diz.

Desapropriação de área do Exército pode causar atraso

O secretário municipal de Gestão, Urbano Schmitt, explicou que a obra na Bento não parou, mas encontrou um obstáculo. A desapropriação de uma área do Exército não tem progredido. O problema gera certa preocupação, tanto que o governo federal foi chamado para intervir.

Caso o percalço não seja superado até o final de abril, cogita-se que a obra atrase. Para evitar o problema, uma solução seria criar novos turnos de trabalho, inclusive em fins de semana e feriados. Andressa gostaria que esse reforço já estivesse em andamento hoje. Porém, o custo é muito alto, o que não vale a pena se a obra está dentro do cronograma, segundo o engenheiro Rogério Baú, coordenador técnico da secretaria de Gestão.

— É um caso de legislação. São trabalhadores contratados pela CLT e qualquer turno extra, em feriado, por exemplo, acarreta um custo para a obra. Nossos recursos são finitos — afirmou.

Corredores não liberados irritam os motoristas

Quilômetros de concreto novo em folha, aparentemente pronto para ser utilizado nos corredores de ônibus do sistema BRT, e os coletivos continuam trafegando nas vias laterais, ao lado dos demais veículos. O possível desperdício de tempo e espaço é citado por condutores em momentos de impaciência no trânsito. Só que eles terão de esperar ainda mais. As grossas placas de concreto precisam de uma espécie de maturação que pode durar mais de 30 dias.

— Os corredores parecem que estão prontos, mas o trânsito pesado dos ônibus poderia danificá-los se fossem abertos antes do tempo de maturação do concreto. Portanto, eles precisam ficar fechados mais um tempo — disse o secretário municipal de Gestão, Urbano Schmitt.

Informações: ZERO HORA
READ MORE - Alto custo impede que obras da Copa sejam aceleradas em Porto Alegre

São Paulo: Prefeitos dão 60 dias para 1ª fase do plano cicloviário do ABCD

O GT (Grupo de Trabalho) de Mobilidade do Consórcio Intermunicipal, entidade que reúne as sete prefeituras do ABCD, tem até o final de maio para apresentar a primeira fase do Plano Cicloviário Regional. Pelo menos, esse foi o prazo dado nesta segunda-feira (01/04) pelo presidente da entidade e prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT). Nesta etapa, o plano trabalhará com o detalhamento dos projetos ciclofaixas, ciclofaixas de lazer e estações de bicicletas de aluguel, como complemento ao transporte público.

“O GT Mobilidade tem o prazo de 60 dias para apresentar o formato de edital para esses projetos”, explicou Marinho. A coordenadora do GT Mobilidade, Andrea Brisida, informou que o grupo usará o tempo para elaborar o termo de referência dos projetos, definir o que será, como funcionarão, quais serão as rotas, quantos pontos e bicicletas serão necessárias e possíveis para realizar as iniciativas. “Vamos construir os projetos e fazer o desenho do queremos. Depois a ideia é buscar patrocínio”, revelou.

De acordo com Andrea, a Federação Nacional de Ciclismo estimou que, sem o patrocínio, os projetos gerariam um custo de R$ 1 milhão por ano as prefeituras do ABCD. “Sem patrocínio, as bicicletas de aluguel e ciclofaixas de lazer seriam inviáveis”, argumentou.

Apesar de não ter os locais definidos, a expectativa é que as estações de bicicletas de aluguéis sejam instaladas em alguns centros de bairros e próximas a estações de trem, onde seja possível usar o modal como complemento ao transporte coletivo. “A ideia é implantar o projeto em locais onde as pessoas possam realizar deslocamentos curtos para pegar outros modais como trens, ônibus e trólebus”, destacou.

Para as ciclofaixas (faixa de rua pintada para ciclistas), Andrea informou que a Federação Nacional de Ciclismo fez propostas de rotas para cada município e outros traçados interligando alguns parques próximos as divisas. “Ainda não nos debruçamos em cima disso. Provavelmente decidiremos isso na próxima reunião”, disse Andrea. O Plano Cicloviário Regional também trará ciclovias (via permanente e exclusiva para usuários de bicicleta). Porém, neste caso, a estimativa é que o projeto demore cerca de 6 meses para ser finalizado.

Pacote Mobilidade - Nesta segunda, o GT Mobilidade também reapresentou as adequações do pacote de investimentos em Mobilidade, estimado em R$ 10 bilhões, que será apresentado durante visita da ministra de Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, ao Consórcio, prevista para o mês de abril. De acordo com Marinho, durante a pré-agenda, a ministra reclamou que o plano não deixava clara a conexão das obras com os corredores de ônibus. “Estamos buscando responder a expectativa do governo federal para mostrar que as obras não apenas melhorará o trânsito, mas o transporte coletivo do ABCD”, reforçou o prefeito.

READ MORE - São Paulo: Prefeitos dão 60 dias para 1ª fase do plano cicloviário do ABCD

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960