SPTrans lança nota repudiando ameaça de paralisação dos ônibus

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Em relação à ameaça de paralisação feita pelo Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores no Transporte Rodoviário Urbano nesta terça-feira, a SPTrans informa que repudia qualquer manifestação que prejudique os 6,1 milhões de usuários que utilizam diariamente o sistema municipal de transporte público.

No caso de a paralisação se confirmar, a SPTrans procurará adotar medidas emergenciais de atendimento, visando minimizar os transtornos aos usuários, nas quais os midiônibus que operam no sistema de permissão, onde houver possibilidade, terão seus itinerários estendidos até as estações de metrô e trens; bem como orientará as pessoas nos terminais a deslocarem-se por meios próprios até um corredor que possibilite embarcar em ônibus da EMTU, ou dos permissionários, ou do transporte por metrô ou trem; ou até mesmo que evitem chegar aos terminais, desembarcando nos itinerários onde possam encontrar alternativas para os seus deslocamentos.

A respeito do motivo alegado pelo sindicato, a SPTrans informa que visando garantir um sistema de transporte de qualidade, eficiente e seguro, aplica as multas unicamente nas empresas, por descumprirem regras contratuais do bom serviço que devem prestar à população, multas estas que não incidem em desfavor dos motoristas, que possuem uma relação de trabalho com as empresas e não com o poder público.

A SPTrans informa ainda que tomará as medidas administrativas e jurídicas cabíveis para que este serviço essencial à população não seja prejudicado.

Assessoria de Imprensa - SPTrans


READ MORE - SPTrans lança nota repudiando ameaça de paralisação dos ônibus

EPTC sugere aumento de 6,79% nas tarifas de ônibus em Porto Alegre

A Coordenação de Regulação de Transportes da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) realizou um estudo técnico e sugeriu que as passagens de ônibus de Porto Alegre passassem para R$ 2,88, um aumento de 6,79% em relação à tarifa atual, de R$ 2,70.

O levantamento foi feito após o recente pedido de aumento da tarifa solicitado pelo Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa), que pediu 9,26% de reajuste, elevando a tarifa atual para R$ 2,95.

Agora, o Conselho Municipal de Transportes Urbanos (Comtu) deve apreciar as duas propostas na tarde de terça-feira (31). O valor final da tarifa de ônibus na capital gaúcha será definido pelo prefeito José Fortunati.

De acordo com levantamento técnico realizado pela EPTC, os principais aumentos nos itens que compõem a planilha tarifária foram de: pessoal, 7,5% em salário e 15,38% em vale-refeição; pneus e recapagens, 23,75%.

A planilha tarifária apresenta os seguintes pesos na composição dos seus itens: seguros (0,16%); tributos (9,15%); combustíveis e lubrificantes (16,08%); pneus e recapagens (1,54%): pessoal (47,97%); e frota (25,10%).

A tarifa é calculada pela divisão entre o custo por quilômetro rodado e o índice de passageiros equivalentes (quem paga a passagem). O sistema de transporte coletivo de Porto Alegre transporta mensalmente 27 milhões de passageiros. Destes, 28% não pagam tarifa por algum tipo de isenção.



READ MORE - EPTC sugere aumento de 6,79% nas tarifas de ônibus em Porto Alegre

Em São Paulo, Bicicleta é mais veloz que ônibus na cidade

Um ciclista que percorra os 14,8 km do corredor de ônibus Santo Amaro, saindo do centro e passando pela avenida Nove de Julho, chegará ao destino 14 minutos antes dos passageiros do coletivo que fizerem o mesmo trajeto nos horários de pico.
É mais rápido andar de bicicleta do que de ônibus em qualquer um dos dez corredores de ônibus da cidade. E não se trata de atleta profissional. Uma pessoa comum, com preparo físico médio, pedala a média de 20 km/h.
Nos dez corredores de ônibus de São Paulo, a média de velocidade foi de 15 km/h em 2011, nos horários de pico.
Mesmo assim, houve ganho em relação a 2010 -7,29% no sentido bairro-centro e 7,94% no centro-bairro).
Esse aumento, que trouxe um ganho de qualidade do serviço para os usuários, ficou abaixo da meta estabelecida pela própria prefeitura e abaixo também da velocidade considerada boa.


Informações no Blog Parques Sustentáveis


A meta da prefeitura para 2011 era aumentar em pelo menos 15% a velocidade nos corredores. Só conseguiu metade disso. Dos 20 trechos analisados -os dois sentidos dos dez corredores-, em apenas quatro a meta foi batida.
José Horta Gonçalves, 70, mora em Francisco Morato e usa diariamente o corredor Campo Limpo para chegar ao centro. Ele diz perder, no mínimo, uma hora e meia nos ônibus para ir e voltar da sua casa à banca de jornais que mantém no Jardim Guedala.
São 24 km, no total, que segundo o empresário poderia ser percorrido na metade do tempo se o corredor tivesse uma velocidade média maior. "Eu poderia ficar mais tempo com meus netos, tomar um café da manhã mais demorado. Essas obras ainda não trouxeram compensações para os usuários", reclama.

DESEMPENHO
De acordo com a SPTrans, a velocidade entre 12 km/h e 18 km/h é considerada mediana. O desempenho só passa a ser considerado bom a partir dos 18 km/h. Só dois corredores -Parelheiros e Paes de Barros- têm esse nível.
Em média, 9,8 milhões de passageiros passam por dia pelo sistema de ônibus -58% passam pelos dez corredores.
Na média, os ônibus andam a 12 km/h na cidade. A média é "puxada" para cima pelos corredores exclusivos e, principalmente, pelo Expresso Tiradentes, que tem velocidade média de 36 km/h.
O segredo da velocidade é que, por ser um corredor totalmente segregado, não há cruzamentos, semáforos ou interferência de veículos.
READ MORE - Em São Paulo, Bicicleta é mais veloz que ônibus na cidade

Grande Recife, Usuários e Motoristas sofrem no Terminal Integrado de Igarassu

O Terminal Integrado de ônibus de Igarassu vem tirando a paciência dos usuários de ônibus da região, isso porque o estado de abandono em relação a sua estrutura vem prejudicando demais os usuários.
Vários são os adjetivos negativos que foram encontrados pelo Blog Meu Transporte, para se ter uma idéia, tem fila que é possível sentir o mau cheiro dos banheiros sujos e totalmente quebrados.
Também foi possível observar a ausência de Rampa para Cadeirantes, onde só com a solidariedade é possível ter acesso ao terminal.
Falta de Bicicletários
 E o que mais chamou a atenção foi o alto numero de bicicletas amarradas uma sobre as outras, de maneira desorganizada e precária, onde uma integração modal deveria ser uma prioridade neste ponto tão importante para uma boa mobilidade entre meios de transportes.
A Limpeza do terminal é outro ponto que deixa a desejar para os usuários.
Também devido ao grande numero de passageiros, os orientadores de filas são insuficientes para atender de forma satisfatória os usuários, onde as ausências de informações confundem e complicam ainda mais o embarque de pessoas que não conhecem a região e o terminal, pois até informações em painéis não existem.
E os motoristas reclamam do excesso de buracos, pois para eles dificultam a manobra dos coletivos no embarque e desembarque dos passageiros.
Respostas do Grande Recife Consórcio de Transportes
Devido a problemas no atraso no processo de licitação, que será refeito, a Reforma do Terminal Integrado de Igarassu será iniciada no mês de maio. O custo previsto para a reforma será de R$ 300 mil, com duração prevista para seis (06) meses.

A reforma irá abranger a recuperação e substituição do piso, reestruturação da pavimentação (área de circulação dos ônibus), pintura, revisão e substituição das instalações elétricas e hidráulicas, reforma dos banheiros, recuperação de cobertas e reestruturação da comunicação visual.
Atenciosamente,

Gerência de Imprensa

Esta postagem foi solicitada pelos usuários através do e mail: meutransporte@hotmail.com

Blog Meu Transporte
READ MORE - Grande Recife, Usuários e Motoristas sofrem no Terminal Integrado de Igarassu

Grande Salvador enfrenta gargalo do transporte público

A matéria abaixo mostra que os congestionamentos diários não são exclusividade de Rio de Janeiro e São Paulo. A cidade de Salvador vem sofrendo há anos com problemas de mobilidade urbana e a situação se agrava a cada dia. Da mesma forma, as cidades de Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Fortaleza também estão sofrendo com engarrafamentos e aguardam ansiosamente soluções para esse grave problema.
Foto: A Tarde/Arquivo

Grande Salvador enfrenta gargalo do transporte público

A concentração da riqueza da economia baiana na Grande Salvador pode ser facilmente constatada em números. A região metropolitana reúne praticamente a metade do PIB do Estado. O PIB per capita na região é 58% mais alto que a média baiana. Chega a R$ 17,7 mil. No Estado, é R$ 11,2 mil. O conjunto de 13 municípios também é populoso. Concentra 25% da população do Estado, composto por 417 cidades. O contingente já conflagrou a saturação das principais vias urbanas e do sistema viário.

A mobilidade é o tema mais crítico na região metropolitana de Salvador, afirma Moema Gramacho, prefeita de Lauro de Freitas (PT). A cidade é vizinha à capital, abriga o principal aeroporto do Estado e dá passagem para as principais praias do litoral norte.

Hoje, não há um transporte de massa eficiente na região, diz a prefeita, que também é presidente do Consórcio da Costa dos Coqueiros, um grupo de gestão coletiva de 11 cidades costeiras. Uma das soluções em vista é a construção de um metrô para ligar Salvador a Lauro de Freitas. A linha de 22 quilômetros terá uma conexão com a linha um do metrô, em construção há mais de uma década. Segundo os estudos preliminares, a nova linha vai exigir um investimento de R$ 2,6 bilhões - sendo R$ 1 bilhão do governo federal, R$ 600 milhões do governo estadual e R$ 1 bilhão da iniciativa privada. O edital deve ser publicado em fevereiro.

Até 2014, há a expectativa de o governo concluir a implantação de 217 quilômetros de ciclovias na capital e também em Lauro de Freitas. O estímulo à circulação de bicicletas faz parte de um plano de mobilidade urbana que pretende beneficiar especialmente as pessoas que circulam a pé - cerca de 28% da população - e promover a integração com o metrô e as linhas de ônibus da capital.

O investimento em novas vias expressas e no transporte coletivo ajudarão a reduzir o impacto dos novos empreendimentos imobiliários. Quem visita Salvador percebe já na Paralela - uma das principais avenidas da cidade - o boom imobiliário que tomou a região. São condomínios horizontais e verticais, shopping centers e bairros inteiramente novos que começaram a surgir em áreas até então pouco habitadas.

Segundo a Odebrecht Realizações Imobiliárias, o mercado saltou de uma oferta de 2 mil novas unidades por ano em 2004 para 15 mil em 2008. Alguns condomínios têm mais de 1,1 mil domicílios, o que significa centenas de novas famílias passando a transitar diariamente por uma região previamente desassistida de transporte de massa e de vias públicas de alto tráfego.

Fonte: Valor Econômico
 
READ MORE - Grande Salvador enfrenta gargalo do transporte público

Concessionária da Volvo registra crescimento de quase 50% no nas vendas de ônibus em São Paulo

Quando a Volvo entrou no segmento de ônibus com motor dianteiro fez uma aposta: o crescimento na participação global no mercado com o volume maior de vendas de um tipo de motorização que é uma das mais procuradas pelos frotistas.
E a aposta deu certo.
O modelo B 270 F, de 270 cavalos, usado para ônibus rodoviários de curtas e médias distâncias, de fretamento e urbanos alavancou as vendas de diversas concessionárias da marca.


Foi o que ocorreu com a Auto Sueco de São Paulo.
A unidade registrou aumento de 48,5% nas vendas de ônibus em 2011 na comparação com 2010. E de acordo com comunicado da empresa, o modelo B 270 F foi um dos responsáveis pelo número expressivo.
Apesar dos investimentos em melhorias tanto em corredores de ônibus e estradas, as condições viárias no País ainda exigem a utilização de veículos mais robustos, um dos motivos que explica a opção pelos ônibus de motor dianteiro.
Além disso, a manutenção deste tipo de ônibus é mais barata e simples.
A Auto Sueco também realizou a comercialização de outros tipos de ônibus da Volvo, como os rodoviários de motor traseiro e urbanos de motor central, mas a procura pelo frontal foi o destaque.

A concessionária registrou crescimento de 17% em um ano no volume total de negócios, que inclui peças, serviços, pós venda e comercialização de caminhões e ônibus.
O crescimento da venda de caminhões da Auto Sueco de São Paulo em 2011, comparando com 2010, foi de 24,2%.
No caso dos veículos de carga, o destaque foi a linha de caminhões médios VM. Os modelos são usados em segmentos que anteriormente tinham pouca participação da Volvo, como de coleta de lixo e entrega de bebidas.

AINDA TEM EURO 3

A concessionária Auto Sueco esperava um número maior de vendas em dezembro de 2011 por conta da antecipação da renovação das frotas de caminhão e ônibus devido a mudança das exigências de redução na emissão de poluentes por veículos a diesel.
Até 31 de dezembro de 2011, vigoravam padrões baseados nas normas européias Euro 3. Desde 1º de janeiro de 2012, as empresas são obrigadas a fabricar novos ônibus e caminhões com índices de emissão menores, previstos no Proconve – Programa Nacional de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores, fase 7, chamada de P 7 , que se baseiam nas normas Euro V.

Os ônibus, caminhões e demais veículos a diesel com Euro V, usando o novo diesel S 50, obrigatório também desde 1º de janeiro de 2012, podem reduzir em até 80% o lançamento no ar de materiais particulados e até 98% de óxidos de nitrogênio.
Mas os preços dos veículos que seguem o padrão Euro V são entre 10 % e 15% maiores que os veículos do Euro III, por conta do uso de novas tecnologias. Além disso, para possibilitar a redução da poluição, os veículos Euro V necessitam de um sistema de recirculação de gases ou então de tratamento do sistema de escape, este que utiliza um fluido com 32% de uréia industrial, o ALRA 32 – Agente Redutor Líquido Automotivo.

Apesar de as fabricantes alegarem que os novos motores, além de serem menos poluentes, são mais econômicos, compensando o gasto com a adição de ARLA, os empresários prefeririam não arriscar.
Assim, para escaparem dos preços maiores, os empresários anteciparam as renovações previstas para 2012.

O diretor-superintendente do Grupo Auto Sueco, Mário Oliveira, revelou, em nota à imprensa, que esperava um volume maior de vendas por conta dessa antecipação por parte dos donos de veículos comerciais e disse que a revendedora ainda possui unidades com a tecnologia Euro 3 no estoque:
Aguardávamos, para o último trimestre, uma antecipação na compra de veículos Euro 3, o que não ocorreu no volume esperado, mas foi compensado pelo excelente desempenho dos meses anteriores. Para este ano, projetamos um crescimento de pedidos de Euro 3 no primeiro trimestre de 2012 e já preparamos nosso estoque para atender a essa demanda

A produção de ônibus e caminhões com tecnologia Euro 3 já não é possível desde 1º de janeiro de 2012 para o mercado brsileiro, mas a comercialização de estoques é permitida pela lei até março de 2012.
O Grupo Auto Sueco também afirma que registrou crescimento de 20,8% dos serviços pós venda entre 2010 e 2011.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.


READ MORE - Concessionária da Volvo registra crescimento de quase 50% no nas vendas de ônibus em São Paulo

Guanabara Diesel vende 87 ônibus articulados para o BRT Transoeste do Rio de Janeiro

A Guanabara Diesel realizou a venda de 87 ônibus articulados O 500 MA para uso no sistema BRT do Rio de Janeiro. Foram 47 unidades adquiridas pela Auto Viação Jabour e 40 pela Expresso Pégaso. Os veículos contam com a tecnologia BlueTec 5, que se destaca por motores mais potentes, econômicos e ecológicos, atendendo ao PROCONVE P-7, legislação que entrou em vigor no País no início do ano. Os ônibus articulados escolhidos são os lideres de vendas no País desde seu lançamento, em 2006, com mais de 1.000 unidades vendidas e mais de 70% de participação em seu segmento.

As empresas Jabour e Pégaso irão atuar no BRT Transoeste, primeiro projeto de corredores exclusivos do Rio de Janeiro, que já conta com duas estações prontas e deve ser inaugurado ainda no primeiro semestre de 2012, com 64 estações. O corredor, com 56 quilômetros, ligará a Barra da Tijuca a Campo Grande e Santa Cruz e deverá diminuir em 50% o tempo gasto no trajeto, beneficiando cerca de 220 mil pessoas diariamente. Ele faz parte do pacote de obras viárias de preparação da cidade do Rio de Janeiro para receber a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos. O pacote inclui ainda os BRTs Transcarioca (em obras), Transolímpica (em licitação) e Transbrasil (em projeto).

Além de fornecer os chassis, a Mercedes-Benz está apoiando os clientes a se prepararem para o início de operação dos ônibus. Em sua unidade de Campinas, São Paulo, a Mercedes-Benz realizou uma série de apresentações para profissionais de operação e manutenção de empresas do Rio de Janeiro sobre os novos ônibus 2012 e as novas tecnologias, como o BlueTec 5.

Fonte: Guanabara Diesel



READ MORE - Guanabara Diesel vende 87 ônibus articulados para o BRT Transoeste do Rio de Janeiro

Transporte público deixa a desejar nas cidades de Canoas, Novo Hamburgo e São Leopoldo

Atrasos, superlotação nos horários de pico e, consequentemente, pouco conforto a bordo. Quem depende de transporte público em grandes cidades está sujeito a todo tipo de dificuldades. Para avaliar a qualidade do serviço do qual a população depende, a reportagem do ABC Domingo elaborou um raio X da situação nas três maiores cidades da região: Canoas, Novo Hamburgo e São Leopoldo. Nesses três municípios, são transportados 58,2 milhões de passageiros todos os anos. Os responsáveis pelos setores nas três cidades admitem que há problemas, mas alegam que são pontuais.
A serviços gerais Maria Odete Dias da Silva, 46, sente na pele todas as dificuldades em depender de ônibus para se deslocar diariamente entre sua casa, no bairro São Jorge, em Novo Hamburgo, e o trabalho, no Centro. Para cumprir este trajeto, todos os dias demora uma hora para ir e uma hora para voltar. “Deveria haver mais linhas nos horários de pico, mas no meio da tarde também há lotação. Já fiquei na parada sem conseguir embarcar em um micro-ônibus porque estava entupido de tanta gente”, observa a usuária, que sugere a implantação de veículos com ar-condicionado. Na opinião da comerciária hamburguense Viviane Vogt, 25 anos, o principal problema diz respeito à frequência dos horários. “Aos finais de semana é ainda pior: em algumas linhas, só há ônibus de hora em hora e, muitas vezes, registrando atrasos”, garante.

O secretário municipal de Segurança e Mobilidade Urbana (Sesmur) de Novo Hamburgo, Danilo Oliveira, lembra que, quando são feitas reclamações relacionadas a atrasos ou lotação, as empresas são ouvidas a respeito. “Sempre buscamos uma solução, nunca deixamos o usuário sem resposta”, explica. Quanto à frequência dos horários, para exemplificar ele cita o caso da zona rural Lomba Grande. “Nesta localidade, há uma extensão muito grande de quilômetros e há pouquíssimos passageiros. Fica inviável as empresas colocarem ônibus para transportar dois ou três passageiros”, defende ele. Oliveira considera o serviço de boa qualidade, mas reconhece que sempre é possível melhorar.

Nova licitação aguarda parecer do TCE
Uma frota renovada e a integração das tarifas estão entre os benefícios que poderão ser implantados com o novo sistema de transporte público de Novo Hamburgo, adianta o secretário municipal de Segurança e Mobilidade Urbana, Danilo Oliveira. As mudanças, porém, só deverão ocorrer no início do próximo ano.

O processo de licitação foi suspenso pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que está apontando ajustes a serem realizados. “No decorrer do ano, queremos resolver todas as questões técnicas relativas ao edital e, no início do ano que vem, estar com o sistema licitado”, explica.

Hoje, vigora um contrato de autorização de exploração do transporte coletivo de passageiros, com validade até o final do ano. Além disso, quatro micro-ônibus fazem o transporte seletivo, pelo mesmo preço de uma linha normal: R$ 2,50. “Os benefícios do novos sistema seriam a passagem integrada, permitindo que o usuário não pague pelo segundo ônibus, e o sistema troncal, abastecido por linhas que vêm dos bairros. Os ônibus serão novos e terão ar-condicionado.’’

Problemas em Canoas e São Leopoldo
Cidades diferentes, problemas idênticos. Em São Leopoldo, moradores reivindicam melhorias no transporte público. Para a secretária Annemarie Voss Cézar, 57 anos, deveriam ser reavaliadas as necessidades da população para modificar as linhas e itinerários. Já Susana Souza, 26, reclama que, depois das 17 horas, é uma tortura pegar um ônibus para as Vilas Maria e Paim. ‘‘Eles costumam atrasar muito, às vezes até 40 minutos, e vêm superlotados. Poderiam colocar mais ônibus no horário das 17h30 às 19h30’’, relata.

Em Canoas, a vendedora autônoma Iara Ferreira Soares, 69, circula de ônibus todos os dias por diversos bairros da cidade em busca de clientes e critica os poucos horários disponíveis à tarde. “O pessoal se queixa bastante dos ônibus lotados e dos poucos horários”, revela.

Prefeituras admitem lotação e atrasos
O diretor de Mobilidade Urbana de São Leopoldo, Jiovani Veiga Pinto, reconhece que há ônibus lotados, mas apenas em alguns horários. Segundo ele, estudos são realizados constantemente para melhoria do sistema. ‘‘O Plano de Mobilidade avalia a ampliação das linhas e, provavelmente ainda em 2012, contaremos com a integração do sistema, possibilitando o segundo embarque gratuito’’, adianta.

O ponto positivo, segundo ele, é que a frota é nova. ‘‘O ônibus mais velho em São Leopoldo tem quatro anos de uso e temos 80 veículos adaptados com elevador para portadores de necessidades especiais’’. Em agosto passado, após licitação, o consórcio Cooleo – formado pelas quatro empresas que atuavam no município, Sinoscap, Feitoria, Leopoldense e Sete de Setembro – assumiu o serviço.

O secretário de Transportes e Mobilidade de Canoas, Luiz Carlos Bertotto, também reconhece que há pontos a melhorar, entre eles a pontualidade. ‘‘Temos um sistema razoável, com alguns atrasos devido aos engarrafamentos na BR-116, aumentando os tempos de viagem e gerando um efeito em cascata. Além disso, em alguns locais, como Rincão, há atendimento de hora em hora devido à pouca demanda’’, avalia. Conforme o secretário, uma reformulação está sendo feita para ajustar esta questão em março, mês em que a integração do sistema será ampliada também para o trensurb.

Promessas de novas linhas e mais horários
Maior disponibilidade de horários e novos ônibus já para o período do início do ano letivo nas linhas de maior movimento. As mudanças ajudarão a resolver os problemas em algumas linhas em São Leopoldo, avalia um dos diretores do consórcio Cooleo, Éder Scherer Teles. ‘‘Nos horários de pico, é normal que a movimentação seja acima da média, mas excessos devem ser apontados pela população’’, explica.

Em Canoas, revela o engenheiro de tráfego e gerente de Planejamento da Sogal, Flávio Caldasso, será implantado em breve um sistema de mapeamento e rastreamento dos ônibus que contribuirá para reduzir atrasos e tornar mais eficientes os itinerários. ‘‘Temos linhas em bairros populosos que concentram mais passageiros e em alguns horários é normal que haja mais movimento, mas a frota de 109 veículos é suficiente’’, explica. Além disso, há 30 micro-ônibus no sistema seletivo (tarifa de R$ 2,95).

Em Novo Hamburgo, o encarregado de tráfego da Futura, Ademir Silva, diz que é feito um controle para evitar atrasos e lotação de veículos. A reportagem procurou a empresa Hamburguesa, mas não obteve retorno.

Por Adair Santos
Fonte: Jornal NH

READ MORE - Transporte público deixa a desejar nas cidades de Canoas, Novo Hamburgo e São Leopoldo

SPTrans substitui veículos para continuidade de processo de renovação de frota

Em continuidade ao processo de renovação de frota, a SPTrans irá substituir, a partir de 30 de janeiro,  parte dos veículos do tipo “Básico”  em nove linhas e incluir veículos do tipo “Articulados e Padron”.

Por conta da mudança, serão ajustados os tempos de viagem e  de partidas  da frota, considerando a utilização de veículos de maior capacidade, para atender a demanda dos passageiros.
Para informações sobre os trajetos de linhas de ônibus consulte itinerários ou ligue 156.

Linhas:

5317/10 Sesc/Orion - Pça. do Correio
5362/10 Pq. Res. Cocaia - Pça. da Sé
5632/10 V. São José - Lgo. São Francisco
6003/10 Term. Grajaú - Term. Varginha
607M/10 Term. Grajaú - Shop. Morumbi
637G/10 Grajaú - Pinheiros
675G/10 Pq. Res. Cocaia - Metrô Jabaquara
695X/10 Term. Varginha - Metrô Jabaquara
695Y/10  Term. Parelheiros - Metrô Vila Mariana
Assessoria de Imprensa – SPTrans



READ MORE - SPTrans substitui veículos para continuidade de processo de renovação de frota

Usuários do Metrô do Rio convivem com superlotação, calor excessivo, panes no sistema

Superlotação, calor  excessivo, panes que interrompem a circulação e dificuldades de acesso: essa é a rotina dos que usam o metrô no Rio. Na estação Central, passageiros levam até 40 minutos para conseguir entrar no trem em direção à Zona Sul no período da manhã. À tarde, o problema é entrar nas estações antes da Central, em direção à Zona Norte. As panes constantes que infernizam os passageiros são noticiadas em tempo real, com a ajuda de internautas, no Twitter O DIA 24 HORAS.
Foto: Severino Silva / Agência O Dia
“Os vagões já vêm cheios e, como as plataformas também estão lotadas, fica difícil entrar. Só empurrando. Depois que a gente entra, não precisa nem segurar que ninguém mexe”, conta a diarista Ana Lúcia da Silva, 51, que mora em Japeri e trabalha em Botafogo.

A doméstica Cintia da Silva Lopes, 30, reclama da estação Central: “A gente segura a bolsa porque, se bobear, alguém ainda rouba. O brinco de uma mulher foi arrancado no empurra-empurra e ela ficou com a orelha sangrando”.

Outra passageira diz que já viu uma mulher perder o sapato, tentando entrar no vagão. “Ela teve que voltar à Central para tentar achar”, conta a aposentada Elinole Anchieta, 68.

Na estação de Irajá, o elevador que transporta cadeirantes está com a rampa lacrada. Procurado, o Metrô disse que não tinha a informação de que o elevador não estava funcionando e que, a partir de segunda, o controle remoto, que está quebrado, voltará a funcionar.



READ MORE - Usuários do Metrô do Rio convivem com superlotação, calor excessivo, panes no sistema

Em Poços de caldas, Técnicos avaliam o futuro do monotrilho na cidade

Uma comissão técnica formada para avaliar as condições do monotrilho de Poços de Caldas, no Sul de Minas Gerais, começou a trabalhar nessa semana. A junta tem um prazo de 30 dias para montar um laudo técnico de avaliação sobre a estrutura do monotrilho da cidade. Esse laudo será utilizado para que o município possa tomar uma decisão definitiva em relação ao futuro da estrutura. A obra foi paralisada por tempo indeterminado desde que a empresa responsável pela obra e a prefeitura entraram em desacordo.

A prefeitura alega que em maio de 2011 foi nomeada uma comissão processante, formada por quatro servidores municipais, responsável pelo processo administrativo movido contra a empresa que deveria explorar o serviço. Uma possível conciliação foi abandonada depois que a empresa apresentou uma defesa preliminar, impedindo a rescisão amigável do contrato. O documento com a empresa foi firmado em 1981, com prazo de concessão de 50 anos.
Fonte: EPTV


READ MORE - Em Poços de caldas, Técnicos avaliam o futuro do monotrilho na cidade

BHTRANS lança serviço para usuários do Transporte Coletivo

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da BHTRANS, lança nesta semana uma nova ferramenta para os usuários do transporte coletivo da capital. O serviço consiste em um aviso por e-mail sobre as alterações de quadro de horários e/ou itinerários das linhas de ônibus municipais.
No ícone “Meu Ônibus” do Portal da BHTRANS o usuário preenche o cadastro, seleciona as linhas de ônibus que deseja receber informações e faz a ativação do serviço por meio de um e-mail que será enviado. Três dias antes da implantação de alguma alteração no quadro de horário e/ou itinerário das linhas cadastradas será enviado o aviso informando as mudanças.
Caso o usuário queira adicionar ou excluir linhas, ou mesmo cancelar o serviço ele deverá efetuar o login na página no Portal BHTRANS e selecionar a opção relacionada. Alterações de horários por causa de feriados e férias não serão enviadas, pois neste período, já ficam disponíveis no portal da empresa. Também não serão encaminhadas mudanças pontuais de itinerário devido à obras.

Informações: BHTrans

READ MORE - BHTRANS lança serviço para usuários do Transporte Coletivo

Metrô de São Paulo libera bicicleta nas escadas rolantes

Uma mudança aparentemente simples - mas que exigiu a mobilização de quatro entidades, a produção e divulgação de um vídeo na internet e a publicação de uma carta aberta ao presidente do Metrô - vai começar a vigorar na rede metroferroviária a partir do próximo sábado, dia 4: passageiros que embarcam com bicicletas poderão subir as escadas rolantes.

Quem não usa a bicicleta pode não ver a importância da medida, mas quem tem de subir os (vários) lances de escadas comuns das estações para chegar à rua sabe o que significa ter de carregar os 20 quilos que uma bicicleta pesa, em média - peso equivale a um botijão de gás cheio.

O transtorno se tornou público há uma semana, quando uma campanha reivindicando mudanças na política do Metrô sobre bicicletas teve início nas redes sociais. Um vídeo mostrando um ciclista no Metrô e na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) subindo e descendo as escadas carregando a bicicleta nas mãos passou a ser difundido na rede.

Pelas regras do Metrô e da CPTM, em vigor desde 2007, a entrada das bikes só era permitida caso o ciclista a carregasse ao seu lado e usasse as escadas comuns para subir e descer até as plataformas. Durante a semana, as bicicletas só são permitidas depois das 20h30 - a média é de 53 passageiros por dia. Aos sábados, após as 14 horas. Já aos domingos, a entrada é liberada o dia todo - e o número de usuários costuma se multiplicar por dez: a média é de 573 usuários, segundo informações do Metrô.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
READ MORE - Metrô de São Paulo libera bicicleta nas escadas rolantes

Em Rio Grande, TCE suspende contrato do transporte coletivo

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) emitiu medida cautelar, nesta sexta-feira, determinando a suspensão do contrato para concessão do serviço público de transporte coletivo de passageiros no município de Rio Grande. A medida foi provocada por representação do Ministério Público de Contas (MPC), conforme já havia sido previsto pelo Agora, na edição online do dia 25.

De acordo com a decisão do relator, conselheiro substituto Cesar Santolim, a auditoria constatou, entre as inconformidades, a exigência de aquisição da frota de ônibus em operação, a ausência de justificativa para a adoção de índices de solvência e liquidez, além de problemas na planilha de cálculo tarifário.

Em decisão de 22 de julho do ano passado, o então relator da matéria, conselheiro Hélio Mileski, deferiu medida cautelar para que a prefeitura suspendesse a licitação até o exame da matéria pelo Tribunal de Contas, porém a prefeitura deu prosseguimento à concorrência mediante liminar, que foi posteriormente derrubada, por unanimidade, pelo Tribunal de Justiça. Como a licitação foi levada adiante e efetivada, agora o MPC optou por representar pedindo a suspensão do próprio contrato, pedido acolhido cautelarmente pelo TCE-RS.

Até o fechamento desta edição, a reportagem não conseguiu contato com a titular da Secretaria Municipal de Segurança, dos Transportes e do Trânsito, Rúbia Mara Rodrigues, e também com o prefeito Fábio Branco.

Por Tatiande Fernandes
Fonte: Jornal Agora



READ MORE - Em Rio Grande, TCE suspende contrato do transporte coletivo

Em Joinville, Edital define regras de audiência pública do transporte coletivo

As regras que irão disciplinar a audiência pública do processo licitatório do transporte coletivo urbano de Joinville, marcada para o dia 30 de janeiro, às 19 horas, na Câmara de Vereadores de Joinville, foram definidas em edital elaborado pela Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo Urbano de Joinville.

A comissão é formada por representantes do Gabinete do Prefeito, Secretarias de Adminsitração e Infraestrutura Urbana, Ippuj (Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville) e Conurb (Companhia de Desenvolvimento e Urbanização de Joinville).

No texto (leia íntegra abaixo) foram estabelecidos, entre outros detalhes, o prazo de inscrição dos participantes da audiência, horário de início e fim da audiência, condução dos trabalhos e tempo de intervenção de cada participante.


EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N° 01/2012

PROCESSO LICITATÓRIO DO SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE PLANO DE OUTORGA
A realização de audiência pública conforme preconiza o art. 29 da Lei Orgânica Municipal, obedecerá ao disposto neste EDITAL.

Caberá a responsabilidade pela organização e realização da audiência pública à Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo criada pelo Decreto n° 17.759/2011, a qual seguirá os seguintes procedimentos:

I. O prazo para inscrição dos interessados na participação dos debates públicos expira às 20:00horas da data da audiência pública, que se realizará junto à sede da Câmara Municipal de Vereadores de Joinville, localizada na Rua Hermann August Lepper, nº 1100, Bairro Saguaçu;

II. A inscrição se dará mediante preenchimento de ficha de inscrição disponível no local de realização da audiência a partir das 18:00hrs até às 20:00hrs.

III. O registro da audiência pública será em ata específica, de acordo com a pauta prevista, contendo, principalmente, as deliberações e conclusões apuradas;

IV. O comando e a direção da audiência pública são de responsabilidade da Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo que deverá indicar um responsável para presidir o encontro e encaminhar as conclusões apuradas á Relatoria da Comissão para serem consideradas no Plano de Outorga.

V. A ata, depois de devidamente confeccionada, conferida e assinada pelos membros da Comissão será publicada.

VI. A audiência pública compor-se-á das seguintes etapas:

a) Abertura e Explicação Inicial - A abertura será realizada pela Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo;

b) Exposição da Matéria - A exposição da matéria é de responsabilidade da Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo ou pessoa por ela indicada, que de forma clara, informará os presentes de maneira à didaticamente permitir que o cidadão compreenda a coleta de subsídios para a formulação do Plano de Outorga visando licitação dos serviços públicos de transporte coletivo urbano de Joinville;

c) Debates Públicos - Os debates públicos constituem a discussão, momento em que a palavra é dada aos participantes da audiência pública, devidamente inscritos, para que exponham suas opiniões pessoais e institucionais para registro em ata;

d) Avaliação Final e Encaminhamento das Proposições – A avaliação final e o encaminhamento das proposições é de responsabilidade da Presidência da Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo com respeito ao plano de outorga para procedimento licitatório que motiva a audiência;

e) Tempo de duração da audiência pública - A duração da audiência será de até 02 (duas) horas, podendo ser prorrogada por, no máximo, mais 30 (trinta) minutos a critério da Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo.

f) Os participantes deverão limitar-se ao tema ou questão em debate e disporão, para tanto, de três minutos, prorrogáveis por mais um minuto, a juízo da Comissão, não podendo ser aparteado.

g) Caso o expositor se desvie do assunto, ou perturbe a ordem dos trabalhos, o Presidente da Comissão poderá adverti-lo, cassar-lhe a palavra ou determinar a sua retirada do recinto.

h) Os membros da Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo poderão manifestar-se estritamente sobre o assunto exposto ou colocações feitas por participantes, pelo prazo de dez minutos, cuja inscrição se dará no momento do debate, através de solicitação ao Presidente dos trabalhos.

VII - Os casos omissos neste Edital serão resolvidos e definidos pela Comissão de Estruturação do Processo Licitatório do Transporte Coletivo.

A audiência pública para coleta de subsídios para formação do Plano de Outorga para licitação dos serviços de transporte coletivo urbano do Município de Joinville, realizar-se-á no dia 30 de janeiro de 2012 no Plenário da Câmara de Vereadores de Joinville, no horário das 19:00 horas

Informações: Prefeitura de Joinville



READ MORE - Em Joinville, Edital define regras de audiência pública do transporte coletivo

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960