Dilma exige responsabilidade nos projetos de mobilidade urbana, apenas Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba estão dentro do prazo

sábado, 13 de agosto de 2011

O Palácio do Planalto mandou avisar: está acesa a luz amarela do PAC da Copa,  quanto aos prazos de entrega das obras de mobilidade urbana,  consideradas como herança benigna do maior evento do futebol mundial. Alguns projetos estão tecnicamente condenados por problemas de orçamento básico.

Mais técnica que política, a presidente Dilma Rousseff quer todas as obras previstas dentro de um cronograma de metas o mais rápido possível. Dos 55 projetos apresentados para captação do dinheiro do Fundo de Garantia, via Caixa Econômica Federal, apenas 38 foram contratados. O governo federal tem R$ 7,8 bilhões para financiar as obras, mas alguns projetos estão sendo reprovados. Mesmo os projetos contratados podem ter sua abrangência reduzida dramaticamente, caso a obra não seja entregue até dezembro de 2013.

O motivo para a rejeição de mais de 31% das propostas é a falta de competência técnica das prefeituras e governos estaduais que compõem as 12 sedes da Copa-2014, na elaboração correta das propostas e plano executivo das obras.

Em entrevistas, a presidente vem usando a chamada vacina contra o descrédito da população, afirmando que “todas obras serão entregues no prazo previsto”. Mas nos bastidores de Brasília, nove  pessoas estão dobrando o horário para estudar as planilhas na Secretaria de Mobilidade Urbana, do Ministério das Cidades.  A chefe do grupo, Luiza Gomide, tem deixado de almoçar para cumprir a meta de consolidação dos dados.

“Acho que os projetos foram feitos com alguns problemas na origem: falta de análise para licenciamento do Ibama; falta de análise de custos  sobre desapropriações  e reassentamentos urbanos. É um problema de cultura, mesmo. Nós estamos aprendendo com tudo isso, mas a presidente quer datas e responsabilidade na execução das obras. Vamos atende-la”, explicou a diretora executiva da Secretaria de Mobilidade Urbana, órgão que existe desde 2003.

Dois casos merecem destaque especial e devem cair na malha fina do Planalto: Cuiabá e Salvador. A primeira sede apresentou projeto de corredor expresso de ônibus a um custo de R$ 323 milhões, com financiamento de 95% por parte da Caixa Econômica Federal (FGTS).  Agora, surgiu um projeto de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) com preço muito mais alto o tempo para finalizar as obras é curto.

Na avaliação do ministro do Esporte, Orlando Silva, nenhum projeto que tenha custo alterado será beneficiado pelo PAC da Copa. “ Esses governos municipais e estaduais deverão procurar outras fontes de financiamento. O governo quer a data limite de 31 de dezembro de 2011 para liberar o dinheiro de mobilidade urbana da Copa. As obras que puderem ser entregues até dezembro de 2013 ficarão no pacote. Quem não puder, ficará de fora do PAC”, explicou Orlando Silva.

Luiza Gomide conhece esses projetos de cor:  “Salvador e Cuiabá estão mudando os projetos. Nada temos contra o transporte VLT mas duas perguntas precisam de respostas  imediatamente: esses projetos podem ser entregues no prazo? Qual a maneira mais apropriada de fecharmos essa planilha de reponsabilidade sobre a obra toda? Estamos refazendo essas perguntas nessa consolidação de dados, pedida pelo Planalto”, comentou a diretora executiva, Luiza  Gomide.
Quatro sedes sem projetos

Brasília iniciou a formatação de dois projetos de mobilidade urbana a um custo R$ 364 milhões com 95% de financiamento pela CEF.  Um dos projetos tentaria montar a estrutura para operação do VLT em seis quilômetros de extensão com quatro estações. O segundo projeto iria melhorar o acesso ao aeroporto pela rodovia DF 047. Nada disso foi aprovado até agora. Manaus também apresentou dois projetos de monotrilho a um custo de R$1,3 bilhão para 20 Kms de extensão, 9 estações e 10 trens.  A CEF bancaria 42%, mas nada foi contratado até o momento porque o projeto não cumpre todo o protocolo de viabilidade ambiental e social.

Natal  parece ser o caso mais emblemático de incapacidade técnica para formatar um projeto de grande magnitude. O estádio é o mais atrasado de todas as sedes. As obras de mobilidade urbana foram desenhadas em 3 projetos para melhoria das vias públicas e construção de viadutos.  Tudo a um custo de R$ 441 milhões, com financiamento de 85% por parte da CEF. Nenhum projeto atende as exigências básicas do  Ministério das Cidades.

Recife aparece com 5 projetos  para a construção de um corredor de ônibus, melhorias urbanas, viadutos e metrô.  Custo de R$ 880 milhões  com 76% de financiamento federal. Nada foi contratado até agora.

Fortaleza montou sete projetos entre VLT e corredores de ônibus (BRT). O custo total chega a R$ 562 milhões, com financiamento federal de 72%. Apenas 2 projetos estão contratados mas o quadro de execução também é crítico.

Na opinião da diretora executiva da Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana, o governo vai mudar sua atitude a partir do programa que beneficiará cidades com mais de 700 mil habitantes. “Para evitar problemas de orçamentos tecnicamente comprometidos como no PAC da Copa  por falta de inclusão de vários itens como impacto ambiental e reassentamento urbano, exigiremos isso com antecedência”, explicou Luiza Gomide.

O programa de aceleração de crescimento para as 25 cidades com mais de 700 mil habitantes vai liberar R$ 18 bilhões para obras de transportes urbanos, nos próximos meses. “Nós vamos financiar o desenho do projeto. O prefeito terá de cuidar de seu plano diretor e seguir o protocolo a partir de suas necessidades estratégicas. Alguns projetos do PAC da Copa estão com contas abaixo do necessário. Agora, a soma não bate”, concluiu Gomide.

Por Raul Rodrigues
Portal Uol Notícias

READ MORE - Dilma exige responsabilidade nos projetos de mobilidade urbana, apenas Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba estão dentro do prazo

Baixada Santista ganha 60 ônibus novos para o sistema de Transporte Metropolitano

O governador Geraldo Alckmin entregou, ontem, mais 60 veículos para o sistema de Transporte Metropolitano da Baixada Santista, completando um total de 201 novos ônibus que foram entregues entre janeiro e agosto deste ano. O sistema é gerenciado pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU/SP). Os veículos substituirão parte da frota das empresas Piracicabana e Breda.


Do total de 201 carros, as empresas permissionárias que atuam na Região Metropolitana da Baixada Santista já entregaram, nos últimos meses, 141 ônibus zero-quilômetro. A nova frota inclui micro-ônibus e ônibus rodoviários para operação de linhas seletivas e ônibus urbanos, para circular nas linhas comuns. O investimento total das empresas na aquisição dos 201 veículos é de R$ 66,4 milhões.




Segundo o governo paulista, 73% do sistema será composto por ônibus totalmente acessíveis às pessoas com deficiência, que contarão com elevador para cadeira de rodas e espaço reservado no interior. Também há uma área especial para pessoas com deficiência visual e seus cães-guia. Os bancos reservados aos passageiros especiais serão diferenciados pela cor amarela. Uma das novidades, segundo o governo, é o maior conforto para todos os passageiros.

Os bancos terão assentos e encosto estofados, os vidros serão climatizados de forma que a temperatura ambiente poderá ser regulada, além de diminuírem o volume de ruídos. Outro item são os ventiladores de teto.



READ MORE - Baixada Santista ganha 60 ônibus novos para o sistema de Transporte Metropolitano

Salvador: Setps pode ter parceiro internacional para implantar BRT

Ao tomar conhecimento da oferta feita pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador (Setps) à Prefeitura, no sentido de financiar os R$600 milhões necessários à implantação do projeto de mobilidade urbana com vistas à Copa do Mundo 2014, a União Internacional de Transporte Público (UITP) enviou mensagem à entidade colocando-se à disposição para intermediar a prospecção de parceiros dispostos a co-patrocinar a viabilização do sistema no prazo e nos moldes pactuados com o governo federal. A informação foi repassada ao Setps através da diretora da UITP para a América Latina, Eleonora Pazos.

Orçado em aproximadamente R$ 600 milhões e concebido pela Prefeitura Municipal de Salvador com o apoio do Setps, o projeto tem como características principais a criação de uma rede integrada de transporte com a utilização de diversos modais interligando toda a
cidade e a região metropolitana de Salvador, a priorização da conclusão do metrô até Pirajá, a modernização dos trens do subúrbio e a implantação de corredores de Bus Rapid Transit (o BRT) nas principais vias, inclusive na Avenida Paralela.

A representante da UITP para a América Latina esteve na capital baiana, na semana passada, a convite da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Bahia (OAB-BA), para participar do Workshop Internacional sobre Mobilidade Urbana e Cidadania em Salvador. Em contato com representantes da prefeitura e do Setps, ela conheceu o projeto da Rede Integrada de Transporte com uso do BRT, analisando-o como uma solução viável e sustentável para uma cidade com as características de Salvador.

No comunicado enviado ao Setps, a diretora da UITP informa que são grandes as possibilidade de o Setps atrair parceiros internacionais interessados em investir na infraestrutura e operação do novo sistema através de consórcios. “Seguramente, há empresas internacionais, tanto de operação como de infraestrutura, que têm sempre interesse em participar na América Latina, e necessitam sempre de parceiros locais”, pontua Eleonora. O Setps aguarda resposta da prefeitura ao ofício enviado ontem (11) com a proposta de assumir a implantação do sistema.





READ MORE - Salvador: Setps pode ter parceiro internacional para implantar BRT

Transporte Público do Recife poderá ter licitação de linhas

O Governador Eduardo Campos anunciou a criação de uma Comissão Especial de Licitação que irá trabalhar na preparação do processo licitatório do Sistema de Transporte Público da Região Metropolitana. Formado por técnicos da secretaria das Cidades, do Grande Recife Consórcio de Transporte e da Procuradoria Geral do Estado, o grupo irá participar da elaboração do Projeto de Lei que regulará as concessões do serviço público de transporte de passageiros na RMR, levando em consideração os estudos técnicos de viabilidade, rota de origem e destino, demanda, etc. O Grupo terá quatro meses para montar o edital de licitação do Sistema.

SOBRE O SISTEMA: O Sistema de Transporte Público de Passageiro da Região Metropolitana é composto por 385 linhas de ônibus operadas por 2.900 veículos que transportam em média 1.8 milhão de passageiros por dia útil em 26.000 viagens ofertadas. Atualmente, o serviço é prestado por 18(dezoito) empresas operadoras, sendo uma concessionária do STPP/RMR.

O sistema é divido em dois tipos de serviços, sendo o Sistema Complementar formado por linhas com um par de origem/destino e o Sistema Estrutural Integrado – SEI por uma rede de linhas integradas que permite ao usuário realizar diferentes pares de origem e destino com o pagamento de uma tarifa por sentido. Faz parte do SEI, 13 terminais integrados que estão sob gestão e operação do Consórcio, além de 80 miniterminais que servem de infraestrutura nos pontos iniciais das linhas do Sistema Complementar.


Fonte: Governo de Pernambuco

READ MORE - Transporte Público do Recife poderá ter licitação de linhas

Alckmin anuncia túnel imerso e sistema VLT entre Santos e Guarujá

Em evento realizado em Santos na quinta-feira, o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, anunciou o projeto de construção de um túnel imerso que ligará as cidades de Santos e Guarujá. A licitação será concluída em janeiro de 2012, quando começarão os trabalhos técnicos. A previsão é de que a obra seja contratada no início de 2013 e concluída apenas em 2016. Os custos totais serão de R$ 1,3 bilhão.

"Quando falamos de R$ 1,3 bilhão, falamos não apenas do túnel, mas também das desapropriações, das compensações ambientais e das obras diárias que serão feitas no Guarujá e em Santos", afirmou Alckmin, que também garantiu a chegada do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na região graças à chamada "ligação seca" proporcionada pelo túnel.

"A expectativa é que o VLT chegue em 2014 na região. A obra mais aguardada é essa ligação seca entre Guarujá e Santos. Foi feito um trabalho técnico sobre isso para decidirmos o projeto que atendesse à maioria dos trabalhadores que vão a pé, de carro, de bicicleta, ônibus e até VLT, no futuro. Decidimos fazer isso por meio de um canal e com o modelo de um túnel", declarou o governador.

O túnel terá cerca de 900 m de extensão e respeitará uma profundidade mínima de 21 m, conforme compatibilidade do projeto de aprofundamento do canal do Porto. A Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A.) vai iniciar o processo de licenciamento ambiental do empreendimento, com investimentos previstos, nessa etapa, entre R$ 3 milhões e R$ 39 milhões.

Atualmente, a forma mais rápida de ir de Santos para o Guarujá é por meio da balsa do Ferry Boat, localizada na Ponta da Praia de Santos. Os preços do transporte variam de R$ 4,40 (motocicletas) a R$ 363 (carros fortes). Os automóveis comuns gastam R$ 8,80 cada vez que utilizam do recurso, e Alckmin promete que os preços serão os mesmos para o túnel que será construído, com a diferença de que os pedestres não terão que gastar nada. Atualmente, uma pessoa a pé gasta R$ 2,10 para utilizar a barquinha que liga as duas cidades.

"As pessoas pagarão no veículo o mesmo valor que pagam hoje na balsa, com a mesma tarifa. Só que os passageiros, hoje, pagam, mas no túnel o passageiro a pé e de bicicleta não vai pagar", disse o governador. Como o projeto só tem previsão inicial de desfecho no primeiro semestre de 2016, o Governo do Estado de São Paulo garante que fará investimentos de melhoria na balsa atual, que transporta cerca de 30 mil veículos por dia.

"Vamos investir na balsa mais R$ 80 milhões em reformas modernas, atracadouros. Mas isso não acontece em 24 horas, e vamos manter um serviço de qualidade para realizar tudo isso. O que precisar, o governo vai fazer, como estamos fazendo no caso do VLT", finalizou.


Fonte: Terra

READ MORE - Alckmin anuncia túnel imerso e sistema VLT entre Santos e Guarujá

Mudança nas passagens causam transtorno no transporte coletivo de Sorocaba

Se alguém achava que a superlotação dos ônibus e o alto preço das tarifas eram motivos suficientes para comprometer o ânimo dos usuários do transporte coletivo de Sorocaba, eis que surge um fator extra: filas de até 2 horas para conseguir trocar as atuais passagens de ônibus, que deixarão de existir em 15 de setembro, pelo novo modelo.

Com a mudança, o bilhetes de papel deixarão de existir e os atuais cartões mudarão de cara. A troca, no entanto, está sendo feita somente em bilheterias dos terminais Santo Antônio e São Paulo. Em aglomerações gigantes que estão se formando principalmente nos finais de tarde, centenas de usuários se aglomeram, seja para pegar os novos cartões ou, no caso daqueles que já efetuaram a troca, para recarregá-los com créditos.
Chegando à metade da filha e já ultrapassando uma hora de espera, a  doméstica Fátima Paes de Almeida, 27 anos, se mostrava irritada nesta quinta-feira (11). “Daqui meia hora a creche fechará e tenho que buscar minha filha”, dizia desesperada.
Apesar do bilhete unitário continuar a existir no novo modelo, funcionários da Urbes estão convencendo os passageiros a retirar o Cartão Cidadão, que pode ser carregado com créditos. Para conseguir o cartão, no entanto, é preciso responder a um cadastro, o que aumenta o tempo de atendimento. A fila não anda e os nervos ficam à flor da pele.

“Vou fazer logo esse cadastro para não ter de enfrentar essa fila de novo”, diz a doméstica Edite Ramos dos Santos, 53.
Outra reclamação dos passageiros é sobre a dificuldade em encontrar postos autorizados nos bairros que vendam os cartões unitários, o que tem levado mais pessoas às bilheterias dos terminais. “Onde moro, no Paineiras, havia quatro postos de revenda e hoje apenas um”, conta a autônoma Maria José Batista, 53.

Problemas técnicos/Em nota, a Urbes afirma que em razão da transição entre o bilhete de papel e o novo cartão unitário estão havendo problemas técnico-operacionais que em breve estarão solucionados.

A empresa pública afirma que para tentar agilizar o atendimento nos terminais está aumentando o número de atendentes nas bilheterias e providenciando equipamentos para emissão de créditos em postos autorizados que estão espalhados pela cidade.

Média mensalAtualmente são transportados  4,6 milhões de passageiros em Sorocaba.

Cartão cidadãoA Urbes está conseguindo gerar cerca de 550 unidades diárias do modelo mais procurado da nova passagem.

CadastramentoPara retirar qualquer modelo de cartão é necessário ir a um dos terminais e fornecer: nome, data de nascimento e número de RG.

R$ 0,42era quanto custava o passe social em 1994
 

Fonte: Rede Bom Dia


READ MORE - Mudança nas passagens causam transtorno no transporte coletivo de Sorocaba

Em Aracaju, Prefeitura anuncia novas ações voltadas à mobilidade

Estimular a cidadania e promover a educação no trânsito são preocupações constantes da Prefeitura de Aracaju. Pensando nisso, o prefeito Edvaldo Nogueira lançou nesta sexta-feira, 12, as campanhas ‘A faixa é do pedestre´ e ‘Agora é com a digital - Todos passam pela catraca´. As medidas educativas fazem parte do Projeto Cidadania no Trânsito e Mobilidade Urbana desenvolvido pela administração municipal.

Durante a solenidade, realizada no Quality Hotel, o prefeito detalhou as ações das campanhas e ressaltou o compromisso da Prefeitura com a promoção da mobilidade e melhoria do trânsito em Aracaju, que recebe 15 mil novos veículos por ano, segundo dados do IBGE. De 2005 a julho deste ano, o aumento no número de automóveis na cidade foi de mais de 42%, e o de motocicletas e motonetas foi de 104% e 173%, respectivamente.

A mobilidade urbana hoje é um grande problema enfrentado em diversas cidades do mundo. Em Aracaju nós já estamos avançando na qualidade do transporte, com a renovação da frota de ônibus, manutenção e recapeamento das vias e criação do cartão de transporte, lembrou Edvaldo Nogueira.
Digital

Além do cartão já existente, a Prefeitura traz uma inovação que vai melhorar a vida dos usuários do transporte coletivo. A identificação passa a ser feita também através da digital do usuário, dando mais segurança e garantindo que somente o proprietário do cartão irá usá-lo para o transporte público. Os idosos, que já vem sendo cadastrados biometricamente pela Prefeitura, também vão usar a nova identificação.

É uma forma de levarmos mais qualidade de vida aos usuários de transporte coletivo. Os idosos agora passam a ter o cartão, vão entrar pela porta da frente normalmente, passando o cartão e colocando a digital. Todas as pessoas com direito à gratuidade vão usar a digital, além dos estudantes que utilizam a meia entrada, afirmou o prefeito. Outra novidade para os estudantes será a forma de recarregar o cartão escolar. A partir de 1° de setembro, os jovens poderão fazer a recarga pela internet, sem precisar enfrentar filas.

Fonte: FAXAJU

READ MORE - Em Aracaju, Prefeitura anuncia novas ações voltadas à mobilidade

Frota do transporte público de Piracicaba ganha novos veículos

O sistema de transporte público municipal está com dez novos veículos em circulação. O anúncio foi feito ontem pela Semuttran (Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes), que também divulgou a chegada de outros 21 ônibus até setembro. Todos serão adaptados a deficientes físicos. Com a ampliação da frota, o sistema passará a contar com 220 veículos em operação e 44 na frota de reserva. De acordo com o responsável pela Pasta, Paulo Prates, a medida vai beneficiar diretamente moradores de 14 bairros. Por mês, 2,9 milhões de passageiros utilizam o sistema municipal.

Fonte: Jornal de Piracicaba

READ MORE - Frota do transporte público de Piracicaba ganha novos veículos

Lei que determina ciclovias em trechos urbanos não é cumprida deixando ciclistas de Campinas, Ribeirão Preto e São Carlos prejudicados

Uma lei estadual, aprovada há 13 anos, prevê a construção de ciclovias nos trechos urbanos das rodovias. Apesar disso, a determinação nunca saiu do papel e a lei ainda não foi regulamentada.

Ainda não há previsão para a regulamentação. A Secretaria Estadual de Transportes informou que irá criar este ano um grupo para estudar a implantação de ciclovias nas estradas. Enquanto isso, os ciclistas que precisam andar nas estradas se arriscam e enfrentam a insegurança diariamente.

De acordo com a Polícia Rodoviária, todos os anos, são registrados mil acidentes envolvendo ciclistas nas estradas paulistas. De janeiro até agora, já foram mais de 50 mortes.

A falta de regras dificulta investimentos. As concessionárias de rodovias informaram que os contratos não prevêem a construção de ciclovias.
Nas regiões de Campinas, Ribeirão Preto e São Carlos, elas administram três mil quilômetros de estradas. Segundo as empresas, só há dois quilômetros para bicicletas.

Uma ciclovia de um quilômetro em São Carlos contrasta com a estrada em boas condições, pois tem buracos, mato e nenhuma sinalização. “Para quem passa na rodovia, é muito fácil confundir a ciclovia com uma extensão do acostamento, o que é um risco para os ciclistas”, disse Antônio Nelson da Silva, especialista em engenharia de transportes da USP de São Carlos.

O DER informou que a ciclovia deve receber serviços de manutenção e limpeza na próxima semana.

Ele ainda diz que o custo de uma ciclovia varia conforme o terreno, o trecho urbano, a necessidade de pontes, viadutos. Mas ele não tem dúvidas e acredita que o investimento compensa. “Há muitas obras que poderiam ter a ciclovia ou ciclofaixa com um custo adicional muito pequeno. Todo mundo ganharia, porque reduziria os acidentes. Economizaria por outro lado, já que você gastaria um pouquinho mais na construção, mas deixava de gastar com hospital, internação”, disse.

Segundo as concessionárias, na região de São Carlos, há também uma ciclovia em um trecho de 800 metros da SP-127, entre Rio Claro e Piracicaba.
Na região de Ribeirão Preto, há um trecho de interligação para ciclistas e pedestres na SP-322, em Bebedouro.



Fonte:  EPTV

READ MORE - Lei que determina ciclovias em trechos urbanos não é cumprida deixando ciclistas de Campinas, Ribeirão Preto e São Carlos prejudicados

Paradas de ônibus voltam a dar choque nos usuários

Equipes da Prefeitura de Porto Alegre e da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) do Rio Grande do Sul isolaram na manhã desta sexta-feira uma parada de ônibus, onde inúmeras pessoas relataram ter levado choques na avenida João Pessoa, uma das mais movimentadas da capital gaúcha. Segundo a polícia, queixas foram registradas desde a madrugada, mas sem registro de feridos com gravidade. Somente por volta das 9h30, técnicos da Divisão de Iluminação Pública (DIP) do município conseguiram liberar o local.

 
O problema ocorreu a menos de 100 metros de um abrigo, no qual o estudante Valtair Jardim Oliveira, 21 anos, morreu ao ser eletrocutado quando esperava um ônibus, em abril de 2010. Na ocasião, ele se encostou nas grades de proteção da parada, que estavam energizadas devido a um vazamento. Oito pessoas foram indiciadas por homicídio culposo e negligência, entre eles três engenheiros e um eletricista do consórcio contratado pela Prefeitura para prestar serviços de manutenção. Dois engenheiros e dois técnicos da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e da Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov) também são acusados.

 
A nova falha, ocorrida no trecho da avenida João Pessoa entre as ruas Luis Afonso e Otávio Correia provocou a interrupção do trânsito no corredor da via e gerou intenso congestionamento. O DIP ainda não confirmou o motivo oficial para o vazamento de energia, mas, a origem do problema seria um cabo solto da rede de alta tensão.


Na investigação policial sobre a morte, foram apontadas falhas no equipamento e na manutenção da rede de iluminação do abrigo. Também foi constatada uma fuga de tensão elétrica de 108 volts, com origem na luminária do poste. De acordo com o inquérito, problemas na instalação do equipamento causaram a energização do poste e o choque que matou a vítima.

Descarga elétrica mata estudante em parada de ônibus de Porto Alegre


Fonte: Terra

READ MORE - Paradas de ônibus voltam a dar choque nos usuários

Governo pretende ampliar concorrência em linhas de transporte interestadual

O governo vai ampliar a concorrência nas linhas de transporte interestadual de passageiros. Novas empresas serão definidas por licitação. No dia 19 haverá audiência pública em Porto Alegre para elaboração do edital. Em todo o país existem hoje quase mil linhas de transportes entre Estados, mas nunca houve licitação. De acordo com a superintendente da Agência Nacional de Transportes Terrestres, Sônia Haddad, o governo vai agir mesmo onde já existe mais de uma empresa operando o serviço.
"Atualmente o sistema conta com 10% das linhas que tem concorrência. A ANTT mantém a concorrência e amplia em determinados trechos, como por exemplo Rio-São Paulo, hoje operado por quatro empresas, vai passar para cinco empresas", disse.

As linhas de Porto Alegre para outras capitais, como Florianópolis e Curitiba vão continuar com mais de uma empresa. As primeiras homologações das vencedoras devem ocorrer em fevereiro de 2012, se a previsão do edital for mantida para outubro, e se não houver questionamento na Justiça.

Apesar do crescimento do transporte aéreo de passageiros, as linhas de ônibus de longo percurso, de Estado para Estado, não perderam passageiros nos últimos anos, conforme estudo da ANTT.

Fonte: Correio de Notícias

READ MORE - Governo pretende ampliar concorrência em linhas de transporte interestadual

Projetos de mobilidade de Natal não atendem exigências básicas do Ministério das Cidades

Nenhum dos projetos de obras de  mobilidade urbana para a Copa do Mundo 2014 apresentados por Natal para atende as exigências básicas do Ministério das Cidades. Dos 55 projetos apresentados para captação do dinheiro do Fundo de Garantia, via Caixa Econômica Federal, apenas 38 foram contratados. Natal não é um deles. Alguns projetos estão tecnicamente condenados por problemas de orçamento básico.

O governo federal tem R$ 7,8 bilhões para financiar as obras, mas alguns projetos estão sendo reprovados. Mesmo os projetos contratados podem ter sua abrangência reduzida dramaticamente, caso a obra não seja entregue até dezembro de 2013.

O motivo para a rejeição de mais de 31% das propostas é a falta de competência técnica das prefeituras e governos estaduais que compõem as 12 sedes da Copa-2014, na elaboração correta das propostas e plano executivo das obras.

Natal  parece ser o caso mais emblemático de incapacidade técnica para formatar um projeto de grande magnitude. O estádio é o mais atrasado de todas as sedes. As obras de mobilidade urbana foram desenhadas em 3 projetos para melhoria das vias públicas e construção de viadutos.  Tudo a um custo de R$ 441 milhões, com financiamento de 85% por parte da CEF. Nenhum projeto atende as exigências básicas do  Ministério das Cidades.

Além da capital potiguar, as cidades de Salvador, Brasília, Cuiabá, manaus e Recife também foram citadas entre as que não atendem  as exigências básicas nos projetos.

Na opinião da diretora executiva da Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana, o governo vai mudar sua atitude a partir do programa que beneficiará cidades com mais de 700 mil habitantes. "Para evitar problemas de orçamentos tecnicamente comprometidos como no PAC da Copa  por falta de inclusão de vários itens como impacto ambiental e reassentamento urbano, exigiremos isso com antecedência", explicou Luiza Gomide.

O programa de aceleração de crescimento para as 25 cidades com mais de 700 mil habitantes vai liberar R$ 18 bilhões para obras de transportes urbanos, nos próximos meses. "Nós vamos financiar o desenho do projeto. O prefeito terá de cuidar de seu plano diretor e seguir o protocolo a partir de suas necessidades estratégicas. Alguns projetos do PAC da Copa estão com contas abaixo do necessário. Agora, a soma não bate", concluiu Gomide.


Fonte: UOL

Share |
READ MORE - Projetos de mobilidade de Natal não atendem exigências básicas do Ministério das Cidades

Recife: Secretarias de Cidades e Transportes, e Metrorec discutem mobilidade urbana

Obras e estratégias para a melhoria do tráfego no Grande Recife serão debatidas na audiência pública da Comissão de Mobilidade Urbana da Assembleia Legislativa, agendada para a próxima quinta-feira (18). Entre os assuntos que serão abordados, haverá como enfoque principal o usuário de transporte público. Para alimentar o debate o encontro contará com a participação do secretário de Cidades, Danilo Cabral e o de Transportes, Isaltino Nascimento, além do superintendente do Metrorec, Ricardo Esberard. Outro ponto que deverá ser examinado são os corredores exclusivos e R$ 1,5 bilhão em investimentos para oferecer mais mobilidade, anunciados pelo governador Eduardo Campos.
A Comissão já havia se reunido na segunda-feira passada (08), no plenarinho da Alepe, com os sindicatos e associações de taxistas da RMR, para analisar os principais problemas e reivindicações do setor. Na oportunidade, o presidente do Sindicato dos Taxistas de Pernambuco, Everaldo Menezes, lembrou a falta de estrutura dos pontos de táxis do Grande Recife. “Tais locais não possuem iluminação necessária para garantir a segurança de motoristas e passageiros. A circulação dos táxis deve respeitar os limites municipais.” De pronto, o presidente da Comissão de Mobilidade Urbana, Sílvio Costa Filho(PTB), esclareceu que “o incentivo fiscal é outro ponto a ser considerado”. Para o parlamentar, o barateamento do custo dos veículos pode contribuir com a renovação da frota de táxis da Região Metropolitana.


Informações do Pernambuco.com

READ MORE - Recife: Secretarias de Cidades e Transportes, e Metrorec discutem mobilidade urbana

Mato Grosso deve perder R$ 2,5 bilhões de obras de mobilidade urbana

Mato Grosso amargará perda de aproximadamente R$ 2,5 bilhões referentes ao plano geral do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que envolve obras estruturantes como as previstas no PAC Mobilidade Urbana. O corte dos recursos para o Estado foi definido em reunião da cúpula do Ministério dos Transportes, no final de julho, e conta com aval da presidente Dilma Rousseff (PT). O ajuste no orçamento, determinado pelo governo federal, tenta driblar junto à opinião pública arranhões causados à imagem do setor, esfacelado com episódio de denúncias de corrupção. O quadro se agravou para o Estado com a saída do ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot (PR), do comando da autarquia.

A falta de representatividade para defesa de obras para o Estado "pesou" na hora da decisão de fechar o mapa de destino de verba. A drástica cartada foi informada ao deputado federal Homero Pereira, via fonte do Ministério dos Transportes. O governador Silval Barbosa (PMDB) foi comunicado e estuda alternativa para minimizar o impacto. Mas o fato é que Mato Grosso deverá amargar um quadro de deficiências e limitações em projetos macro, muitos em plena execução. Ainda não há desenho completo sobre a lista total das obras que ficarão paralisadas. Mas existe esboço comprovando veto para liberação de recursos relativos as BRs 158, 163, 242 e ainda a BR 364 que corta Cuiabá e Várzea Grande.

Homero lidera proposta de formação de frente do Estado suprapartidária, com liderança do governador, que visa contornar o problema. Ele lançou recentemente a ação, prevendo um caminho árduo para o Estado após a perda de espaço junto ao Dnit. O parlamentar conta com parceria do coordenador da bancada federal mato-grossense, deputado Wellington Fagundes, também republicano. Reunião prevista para os próximos dias entre parlamentares e o governador discutirá plano para contrapor o governo federal. Mas a tarefa é difícil, porque partiu de Dilma a ordem dos cortes.

Pagot, que teve o nome envolvido no episódio, luta para assegurar investigação do caso. Quer provar sua inocência e conta com apoio do senador Blairo Maggi (PR). O caso que gerou a queda sequencial de representantes da área, a começar pelo ex-ministro dos Transportes, republicano Alfredo Nascimento, atingiu Pagot. A saída dele da autarquia atingiu o bom relacionamento mantido até então entre Maggi e a presidente da República. Está magoado com a dura posição adotada por ela sobre integrantes do PR, com foco especial sobre Pagot, que era seu indicado. O senador cobra explicações de Dilma após a conclusão das investigações, a cargo da Controladoria Geral da União (CGU), Auditoria Geral da União (AGU) e Polícia Federal.


Fonte: Só Notícias

READ MORE - Mato Grosso deve perder R$ 2,5 bilhões de obras de mobilidade urbana

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960