Velocidade média em corredor de ônibus de São Paulo chega a 15 km/h

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Nesta quinta-feira (28), passageiros fizeram uma manifestação no corredor da Estrada do M’Boi Mirim, na Zona Sul de São Paulo, pedindo melhorias no transporte público. A via é saída para vários bairros populosos, tem 7,5 km de extensão e liga o Terminal Jardim Ângela ao Terminal Santo Amaro. São quase 300 mil pessoas que usam 54 linhas que utilizam o corredor todos os dias. Os moradores da região reclamam do trânsito lento no local. A velocidade média chega a 15 km/h. A situação é tão crítica que, mesmo em dias normais, passageiros decidem descer dos ônibus e seguir a pé para os destinos.

Os passageiros demoram até 2h30 para se deslocar de um ponto a outro. Maria dos Anjos costuma pegar três conduções da sua casa, no bairro Jardim Vera Cruz, extremo da Zona Sul, até Cerqueira César, região central. Os ônibus seguem lotados pelo corredor da Estrada do M’Boi Mirim.

A passageira Maria dos Anjos faz esse trajeto há 22 anos. Se for feito um cálculo, ela passou três anos da vida dela dentro do ônibus. São cinco horas por dia no transporte, cinco vezes por semana.

No início de março, passageiros fizeram um protesto contra o transporte público na Estrada do M'Boi Mirim. Uma promessa de melhorias foi feita e as faixas reversíveis foram ampliadas. Mas o problema ainda persiste.

Enquanto nenhuma atitude é tomada, o número de carros aumenta na capital e a qualidade do ar piora. Entre os investimentos necessários estão ampliação das linhas de trem e metrô e mais espaço nas ruas para os ônibus.

ProjetosDe acordo com Beto Mendes, subprefeito de M’Boi Mirim, a Prefeitura de São Paulo irá implementar, através da Secretaria de Transportes, algumas medidas na região. “Estamos elaborando um projeto de implantação do monotrilho da Estrada do M’Boi Mirim, um projeto executivo para canalização e implantação do viário da Avenida da Ponte Baixa. Já está pronto o projeto no primeiro trecho que vai da Avenida Guido Caloi até a Avenida das Capitanias Hereditárias. O segundo trecho está com o projeto básico pronto.”


O projeto da canalização da Ponte Baixa, segundo o subprefeito, aguarda a liberaçãode financiamento bancário. “Em relação ao monotrilho, o objetivo da Prefeitura é para início de implantação para 2012. Já o metrô, continuação do metrô do Capão Redondo até o Jardim Ângela, já teve reuniões entre a Secretaria de Transportes da cidade de São Paulo com a Secretaria de Transportes Metropolitano, junto a comunidade e está sendo elaborado o projeto.”

Fonte: G1.com.br




READ MORE - Velocidade média em corredor de ônibus de São Paulo chega a 15 km/h

Sobe para 40 número de ônibus apreendidos pelo Detran em Manaus

O Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran/AM) apreendeu 12 ônibus do transporte público de Manaus durante a “Operação Sucata”, realizada na madrugada desta quinta-feira (28), na zona Leste da capital. A fiscalização iniciou por volta das 5h da manhã e constatou veículos sem condições de realizar o transporte de passageiros. Já são 40 ônibus apreendidos pelo órgão.

De acordo com a diretora presidente do Detran, as irregularidades mais freqüentes são problemas com documentação, motoristas sem habilitação, pneus carecas, inexistência de extintores e ainda a mau conservação dos ônibus.

“Nosso objetivo é resguardar a segurança dos passageiros. Durante a operação, um ônibus quase pegou fogo. Em outra blitz um veiculo perdeu o freio, isso demonstra a precariedade das dos ônibus de Manaus”, disse em entrevista à rádio CBN Manaus.

Operação Sucata
Segundo Mônica Melo, com o número de coletivos apreendidos nesta manhã sobre para 40 o total de ônibus apreendidos em 2011. Desses, 14 foram liberados após terem a situação regularizada.
No último dia 19, o órgão apreendeu 13 ônibus sucateados nas zonas Oeste e Norte da capital. Cinco dias antes, outros nove coletivos foram impedidos de circular nas ruas. (AL)



READ MORE - Sobe para 40 número de ônibus apreendidos pelo Detran em Manaus

Tarifas de ônibus intermunicipais do Paraná terão reajuste neste domingo

A Secretaria de Infraestrutura e Logística informa que as tarifas dos serviços de transporte coletivo rodoviário intermunicipal de passageiros no Paraná serão reajustadas à zero hora deste domingo (01). Nas linhas metropolitanas do interior do Estado – aquelas em que os veículos têm perfil urbano e os passageiros podem viajar em pé – o reajuste será de 10,51%. As demais (linhas rodoviárias) terão aumento de 9,99%. Com a medida, a tarifa mínima para o sistema rodoviário, em percursos de até 15 quilômetros, passará a ser de R$ 2,66.

O último aumento havia sido concedido em 25 de outubro de 2009. Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), o reajuste que passará a vigorar a partir de 1º de maio é inferior ao percentual requisitado pela Federação das Empresas de Transporte de Passageiros dos Estados do Paraná e Santa Catarina (Fepasc). A entidade havia pedido um índice de 13,54% de aumento.

Os índices de reajuste são resultado de uma planilha tarifária elaborada pelo DER, que leva em consideração diferentes fatores e insumos. O órgão considerou o aumento dos insumos no período de setembro de 2009 a maio de 2011 para autorizar o novo percentual. O item de maior peso na planilha, segundo o DER, foram os salários, levando-se em conta a convenção coletiva de trabalho de 2010 e 2011, que reajustou a folha das empresas, respectivamente em 6,50% e 10% (acumulado de 17,15%). Outros componentes que se destacam na planilha de custos são óleo diesel, lubrificantes, impostos, taxas, peças e acessórios.
Fonte: Bem Paraná
Share |
READ MORE - Tarifas de ônibus intermunicipais do Paraná terão reajuste neste domingo

São Paulo: Linha 4-Amarela do Metrô amplia horário de funcionamento na próxima segunda-feira

Foto: Blog Diário da CPTM
O governador Geraldo Alckmin anunciou a ampliação do horário de funcionamento da Linha 4-Amarela de Metrô (Vila Sônia-Luz) a partir da próxima segunda-feira, 2 de maio. As três estações já em operação comercial na nova linha metroviária, Paulista (com integração com a Linha 2-Verde), Faria Lima e Butantã, passarão a funcionar das 4h40 às 15h, de segunda a sexta-feira, inclusive feriados. Atualmente, o horário é das 8h às 15 horas.

Com esta ampliação de horário (acréscimo de 3h20), a previsão é de que a Linha 4 aumente sua demanda atual, de 29 mil usuários/dia, para cerca de 50 mil passageiros/dia. Alckmin também confirmou a data de início da operação comercial da estação Pinheiros da Linha 4-Amarela: dia 16 de maio.

Operada por concessionária privada, a ViaQuatro, a Linha 4-Amarela terá sua primeira etapa de implantação concluída no segundo semestre deste ano, com a inauguração das estações República (local de integração com a Linha 3-Vermelha) e Luz (integração com a Linha 1-Azul), com a previsão de transportar diariamente cerca de 700 mil passageiros.

Até 2014, a Linha 4-Amarela (com 12,8 km de extensão entre Vila Sônia e a estação Luz, na área central da capital) deverá ampliar sua demanda diária para mais de 900 mil usuários, com a entrada em operação comercial das estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, Fradique Coutinho, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia.

Fonte: Governo de Sõa Paulo

READ MORE - São Paulo: Linha 4-Amarela do Metrô amplia horário de funcionamento na próxima segunda-feira

Metrô de Teresina volta a funcionar após 3 dias parado para manutenção

A Companhia Metropolitana de Transportes Públicos (CMTP) informou que o funcionamento do Metrô de Teresina foi restabelecido às 6h desta quinta-feira (28). O sistema ficou paralisado desde que uma locomotiva com quatro vagões descarrilou sobre uma ponte no Bairro Ilhota, na zona Sul da Capital, na segunda-feira (25).
Cerca de 36 mil pessoas ficaram sem transporte nos três dias de interrupção. Não há sistema alternativo de transporte para os usuários. Esta foi a segunda vez que o Metrô enfrentou problemas semelhantes. O primeiro acidente ocorreu em 14 de abril, em um local próximo ao desta segunda-feira.
O transporte deveria ter voltado a funcionar nesta quarta-feira (27), mas a chuva que voltou a atingir a cidade interrompeu as atividades de manutenção da malha ferroviária, por motivos de segurança. A troca dos dormentes e a drenagem da água da chuva foram prejudicadas durante a operação, de acordo com a CMTP.
O Metrô do Piauí foi inaugurado em 1990, tem nove estações e 3,5 quilômetros de extensão, liga a região Sudeste ao Centro de Teresina. A passagem custa R$ 0,80.
Metrô voltou a funcionar nesta quinta-feira em Teresina (Foto: Divulgação/Irina Coelho/CMTP)
(Foto: Divulgação/Irina Coelho/CMTP)
O diretor administrativo da CMTP, Antônio Sobral, disse que foram realizados testes nas linhas. Ele afirmou que o problema ocorreu por conta das fortes chuvas que atingira a capital. Isso teria encharcado os dormentes de madeira sob os trilhos.
De acordo com Sobral, há um projeto de modernidade e duplicação da linha. "A proposta já está no Ministério das Cidades, onde teremos uma reunião em 20 de maio para debater a liberação do recurso R$ 130 milhões, vindos do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC). Esse investimento será liberado em 2012. Isso vai permitir, entre outra medidas, a troca de dormentes de madeira por dormentes de concreto", disse Sobral.
Metrô sai dos trilhos em ponte e passageiros são retirados em Teresina (Foto: Thiago Amaral/Piauiimages/Folhapress)


Fonte: G1

READ MORE - Metrô de Teresina volta a funcionar após 3 dias parado para manutenção

No Recife, Transporte Complementar deve ser ampliado para outros bairros

Foto: Maria Helena
O Serviço de Transporte Complementar de Passageiros (STCP) é oferecido à população do Recife desde novembro de 2003, em substituição ao transporte clandestino, que conduzia seus veículos de maneira irregular e perigosa. A Prefeitura do Recife criou o sistema com o objetivo de proporcionar maior segurança e mobilidade aos cidadãos entre os bairros da cidade e em áreas de difícil acesso. Hoje o serviço, gerenciado pela CTTU, beneficia 62 bairros e comunidades da capital pernambucana, com a operação de 23 linhas. Ao todo, o sistema chega a transportar cerca de 67.000 pessoas por dia.

O STCP/Recife é formado por dois tipos de linhas: alimentadoras e interbairros. Com caráter social, as alimentadoras transportam gratuitamente as pessoas que moram em áreas de difícil acesso até os terminais de ônibus mais próximos. Ao todo, 16 linhas estão em operação, beneficiando cerca de 34 comunidades. Todos os veículos são rastreados via satélite, através do sistema GPS. Essa fiscalização garante o melhor cumprimento das viagens e a qualidade do serviço oferecido à população. Todas as linhas já dispõem dessa tecnologia.

As linhas interbairros, por sua vez, facilitam o deslocamento de pessoas entre os subúrbios da cidade, sem passar pelo centro do Recife e pelos corredores de ônibus. Neste caso, o transporte é remunerado e o usuário paga o valor equivalente à tarifa do anel A, ou seja, a passagem mais barata do sistema de ônibus. As sete linhas em circulação ainda garantem o benefício da meia passagem aos domingos e a estudantes, além da gratuidade para deficientes físicos e idosos. Com isso, o STCP/Recife supre a necessidade de deslocamento dos recifenses, completando o serviço de transporte dos ônibus.


Ampliação
Segundo a CTTU, já está em estudo a ampliação deste serviço a outras comunidades do Recife.

Acessibilidade
Dos 135 veículos que operam no sistema, mais de 50 já estão adaptados para a acessibilidade de pessoas com deficiência. Segundo determinação federal, até 2014, todos deverão estar adaptados.
 
Segurança e fiscalização
A CTTU informou que todos os veiculos são monitorados rigorosamente via GPS e que existe um fiscal para cumprir os horários determinados, ainda de acordo com a segurança, todas as linhas interbairros possuem cameras de segurança.

Linhas permissionárias do Serviço de Transporte Complementar de Passageiros (STCP) no Recife:


INTERBAIRROS:
LINHA
104Casserita / Casa Amarela / Jaqueira
105Córrego do Boleiro / Casa Amarela / Jaqueira
108Dois Unidos / Torres
110Campo Grande / Afogados
112Casa Amarela / Campo Grande (via Shopping Tacaruna)
205Jardim Uchoa / Boa Viagem
301San Martin / Lagoa do Araçá / Boa Viagem
ALIMENTADORES:
LINHA  
106Alto Nossa Senhora de Fátima  / Vasco da Gama  
109Alto da Favela / Alto da Esperança / Vasco da Gama 
113Alto do Rosário (via Córrego do Curió) 
114Alto do Capitão / Alto do Rosário / Dois Unidos 
115Sítio dos Macacos / Guabiraba 
116Alto de Santa Tereza / Nova Descoberta   
117Alto do Refúgio / Alto do Reservatório 
118Alto do Maracanã / Alto do Brasil 
119Córrego do Deodato / Água Fria 
120Alto da Telha (via Nova descoberta) 
201Curado / Parqtel / TIP 
202UR7 / Cosme e Damião 
203Totó / Alto da Bela Vista 
303Dancing Days / Pinheiros 
304Jardim Primavera / Jordão Baixo / Alto da Jaqueira 
305Jordão Alto / Jordão Baixo / Alto da Bela Vista 

Informações da CTTU



Fonte: Meu Transporte
READ MORE - No Recife, Transporte Complementar deve ser ampliado para outros bairros

Mobilidade Urbana: Enfim, as cidades da Copa começam a se mover

Como em todas as áreas vinculadas à infraestrutura da Copa, o diagnóstico de transportes não é dos mais animadores. Nenhuma das 50 obras listadas na Matriz de Responsabilidades começou no prazo. O documento foi assinado em janeiro de 2010 e estabelece quanto cada esfera de governo deve investir para o Mundial.

O próprio Ministério do Esporte reconhece os problemas. Relatório publicado em janeiro coloca apenas 21 projetos de mobilidade sob a rubrica “adequado”, certamente desconsiderando os atrasos iniciais. Fora a situação “preocupante” do monotrilho de Manaus, as demais obras tiveram cronograma “reprogramado”, o que indica uma extensão dos prazos. A publicação é um avanço em comparação à quantidade de informações oficias disponíveis no ano passado. Ainda assim, o documento peca ao não dizer o porquê dos adiamentos, maquiando os atrasos iniciais.

IndefiniçõesSegundo apuraram os correspondentes do Portal 2014 nas 12 cidades, os principais entraves ao início das obras são irregularidades nas licitações, ausência de projetos, problema com desapropriações e indefinição sobre o tipo de sistema a ser adotado. A ação dos Ministérios Públicos paralisou a construção do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) de Brasília e impediu a concorrência dos monotrilhos de Manaus e São Paulo.

Mesmo com problemas saltando às vistas, o governo federal é esquivo ao falar dos atrasos. Quando cobrado, o Ministério do Esporte joga a responsabilidade sobre estados e prefeituras. Por seu lado, os gestores locais ignoram a ausência de obras e afirmam que “tudo está em dia”.

O otimismo, porém, não esconde o óbvio: as cidades brasileiras estão cada dia mais engarrafadas. A situação é bastante parecida em todas as sedes do Mundial. Os projetos de transporte público não deslancham e, como consequência, a frota de veículos cresce em ritmo acelerado.

LentidãoSão Paulo, por exemplo, bateu o recorde dos sete milhões de veículos em 2010, enquanto a ampliação do metrô apenas engatinha. Cidades até então consideradas pequenas, Cuiabá e Manaus já enfrentam engarrafamentos semelhantes aos das metrópoles. A menos de três anos para a Copa, Salvador e Recife ainda discutem se bondes ou ônibus são mais adequados para aliviar o trânsito.

A lentidão para tirar as obras do papel não passou despercebida para a presidente Dilma Rousseff. No início do ano, ela exigiu relatórios trimestrais sobre as obras da Copa a Orlando Silva. O pulso firme da presidente tem razão de ser. Depois de publicação do Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas) concluir que nove aeroportos não estarão prontos até a Copa, a oposição entrou em campo para cobrar ações do governo.

A ofensiva teve direito a anúncios em rádios e TVs e a um pedido do senador Álvaro Dias (PSDB-SP), em plenário, para que o Brasil desista da Copa a fim de evitar uma vergonha mundial.

InvestimentosExageros à parte, os quase R$ 11,9 bilhões a serem investidos em mobilidade podem de fato representar um salto de qualidade nas 12 cidades-sede. Desse montante, R$ 7,8 bilhões serão financiados pela Caixa Econômica Federal (CEF) com recursos do FGTS, e o restante pelos governos estaduais e municipais.

A prioridade é para o transporte coletivo em rotas que liguem aeroportos, estádios e setores hoteleiros. Com isso, serão construídos corredores rápidos de ônibus (BRTs), veículos leves sobre trilhos (VLTs, ou “bondes" modernos), dois monotrilhos (em Manaus e São Paulo), além de intervenções pontuais em vias e sistemas de monitoramento. O desafio é tirar as obras do papel. Confira um resumo do andamento das obras nas 12 cidades-sede da Copa.

Belo HorizonteObras deveriam ter começado ano passado, mas mudanças nos projetos executivos adiaram as intervenções para 2011.

BrasíliaA obra do VLT começou em 2009, mas sofreu diversas paralisações. A última suspensão ocorreu ano passado devido a irregularidades na licitação e ausência de projetos de impacto ambiental e vizinhança.

CuiabáGoverno de Mato Grosso ainda não definiu se adotará o BRT (Bus Rapid Transit) ou o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Desapropriações para as obras ainda não começaram.

Curitiba
Governo do Paraná teve que revisar projetos, o que provocou atrasos nas licitações das principais obras da cidade.

FortalezaInício das obras do VLT, de quatro BRTs e de ampliação de cinco avenidas foi adiado em até nove meses. Prazos tiveram que ser revistos com a Fifa.

ManausMinistério Público encontrou falhas no projeto básico do monotrilho e paralisou a licitação da obra, que está um ano atrasada. Governo retomou a concorrência em fevereiro, mas empresa foi desclassificada. Viabilidade econômica do BRT também sofre contestação.

NatalAs reformas que visam estruturar as principais vias da capital potiguar enfrentam mais de um ano de atraso.

Porto AlegreGoverno do Rio Grande do Sul não conseguiu contratar 90% dos projetos de mobilidade para a Copa.

RecifeDos cinco projetos da Copa, apenas um está em obras. Atrasos já chegam a cinco meses. Além disso, governo não sabe se adotará BRTs ou VLTs.

Rio de Janeiro
Construção do BRT Transcarioca começou em fevereiro, com atraso de quase um ano.

SalvadorCom nove meses de atraso, governo da Bahia ainda não decidiu se adotará BRT ou VLT.

São PauloFaltando três anos para a Copa, governo estadual e prefeitura definiram na semana passada as obras viárias para a Copa. Recursos do PAC da Mobilidade Urbana serão usados na construção de um monotrilho que passará a 30 km de distância do estádio do Mundial.

Fonte: Portal 2014

READ MORE - Mobilidade Urbana: Enfim, as cidades da Copa começam a se mover

São Paulo ganha mais de 20 mil carros por mês e amplia frota

Nos últimos anos, milhares de paulistanos das classes C e D realizaram o sonho de comprar um carro. Tudo graças ao aumento da renda familiar e do acesso a mais crédito. Por isso, a frota paulistana não para de crescer. Este ano, a frota de veículos só na capital paulista já chegou a mais de 7 milhões. Segundo o Detran, a frota aumenta, em média, 20 mil por mês.

O número de carros circulando na cidade de São Paulo é preocupante. Além dos congestionamentos, os veículos são responsáveis por 90% da poluição da cidade.

Francisco das Chagas, professor de tênis, usou o transporte público por 12 anos, para trabalhar e estudar. Cansado de pegar o ônibus lotado e demorar até quatro horas para chegar em casa, decidiu investir em um carro próprio. Ele financiou o saldo em 36 vezes, mas diz não se arrepender. “Uma conta a mais, mas também um conforto a mais. Posso viajar, posso sair com meus filhos, não preciso depender de um ônibus.”

Segundo o especialista em tráfego Horácio Figueira, o problema na hora do transporte é que os ônibus são mais lentos. Mais paulistanos usariam o transporte público se não houvesse tanto congestionamento. “Eu preciso dar velocidade para essas linhas nos corredores e faixa exclusiva, eu preciso dar conforto e frequência. Hoje você não tem nada disso. Você não tem velocidade, não tem conforto e não tem frequência e nem confiabilidade.”Sobre o trânsito caótico e a poluição, Francisco diz que não tem peso na consciência. “O carro hoje pra mim é uma necessidade. É claro q se tiver uma outra maneira, um carro elétrico e um preço acessível, acho que a gente pode pensar completamente em trocar de carro porque não sou chegado em velocidade. Sou chegado em praticidade.”

Fonte: G1

READ MORE - São Paulo ganha mais de 20 mil carros por mês e amplia frota

Passageiro de Goiânia e 17 municípios poderá ligar sem custos de qualquer telefone fixo

O serviço de Ouvidoria da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) funciona agora pelo sistema 0800. A medida foi tomada com o objetivo de melhorar e agilizar o atendimento e o contato com o usuário do transporte urbano.

Por meio do número 0800- 646-1851 o passageiro de Goiânia e dos 17 municípios integrados à Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC) poderá ligar de qualquer telefone fixo, incluindo o público, sem custos (veja quadro). Ao ouvir a gravação o usuário terá duas opções para falar com a CMTC. Ao teclar 01 será disponibilizado o atendimento da Ouvidoria e 02 o do Acessível.

Uma equipe com seis atendentes está de segunda a sexta-feira, das 7h às 19 horas, pronta para ouvir sugestões, denúncias, reclamações e elogios sobre o serviço ofertado pelo sistema de transporte. “Nós queremos ter o usuário cada vez mais próximo do órgão gestor do sistema de transporte. Nós planejamos o transporte, monitoramos o atendimento e o passageiro nos oferece o retorno dessa operação. Por isso, a CMTC decidiu fazer esse investimento na Ouvidoria que significa também um avanço”, ressalta Romero Arruda, assessor de Informação e Cidadania da CMTC.

Serviço:

Assunto: Ouvidoria da CMTC agora com 0800
Contato: Romero Arruda-Assessor de Informação e Cidadania da CMTC
3524 1807

Fonte: maisbrasilia.com


READ MORE - Passageiro de Goiânia e 17 municípios poderá ligar sem custos de qualquer telefone fixo

No Rio, Balanço reprova 45% dos ônibus avaliados no município

Um balanço divulgado pela Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) sobre a fiscalização de ônibus no município apontou que 45% dos veículos avaliados nos últimos 13 meses foram reprovados por não estarem de acordo com as exigências da Prefeitura para a prestação adequada deste serviço de transporte urbano à população.

De acordo com o documento, dos 1.484 coletivos fiscalizados, 667 não passaram na avaliação dos fiscais devido à constatação de irregularidades como: mau estado de conservação dos veículos; extintor de incêndio vencido ou a falta dele; e a falta de documentos obrigatórios exigidos pela SMTR para a prestação do serviço e circulação do veículo pelas ruas. No mesmo período, a fiscalização flagrou em suas operações 87 ônibus não cadastrados junto à SMTR para prestar o serviço de transporte remunerado de passageiros, ou seja, em condição “pirata”.

Os consórcios Transcarioca, Intersul, Internorte e Santa Cruz começaram na gestão das linhas de ônibus municipais em novembro do ano passado, após vencerem licitação, e todos estão sendo alertados pela Secretaria sobre essas irregularidades, bem como terão que saná-las, uma vez que as infrações ganharam peso maior a partir dos contratos que assinaram com o município. Após a implantação do sistema de consórcio, a SMTR fiscalizou 398 ônibus, aprovou 258 e reprovou 140.

Fiscalização

A Prefeitura conta com as denúncias dos usuários como parâmetro para as ações pontuais de fiscalização, uma vez que a SMTR utiliza uma metodologia direcionada para avaliar os veículos que integram as frotas operantes no município. Um ranking mensal das linhas que circulam pela cidade é elaborado pela Ouvidoria da SMTR, sinalizando as que mais recebem reclamações efetuadas pela população na Central de Atendimento ao Cidadão, pelo telefone 1746. Valoradas conforme o Código Disciplinar de Ônibus (Decreto n.º 32.843, de 01/10/2010) e de acordo com o IDH do bairro do reclamante, as denúncias que compõem o ranking refletem o nível de satisfação do serviço por ser estabelecido segundo o ponto de vista da população.

De acordo com o ranking mais recente da Fiscalização Direcionada de Ônibus, a classificação geral por linhas é:

As sete linhas que mais receberam reclamações:

1º Linha 381 – 99,67
2º Linha 384 – 35,58
3º Linha 854 – 31,26
4º Linha 523 – 30,04
5º Linha 945 – 29,61
6º Linha 866 – 27,35
7º Linha 691 – 26,96

As cinco linhas que menos receberam reclamações:
161º Linha 238 – 1,04
162º Linha 239 – 1,00
163º Linha 284 – 0,98
164º Linha 217 – 0,96
165º Linha 864 – 0,77

Denúncias

A SMTR recomenda e destaca que é de suma importância que o usuário registre a sua ocorrência pelo telefone 1746 - canal oficial da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e por meio do qual é possível o usuário obter respaldo legal às denúncias relacionadas à prestação do serviço de transporte urbano.

No caso de denúncias referentes a ônibus, é importante que o usuário forneça o maior número de informações sobre a linha, incluindo o número de ordem e/ou placa do veículo, nome e número de registro do condutor, além de data, horário e local onde o fato ocorreu.

READ MORE - No Rio, Balanço reprova 45% dos ônibus avaliados no município

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960