Projeto de monotrilho fora da realidade do Recife

terça-feira, 1 de março de 2011

Para Especialistas, Sistema BRT é o mais viável para a Região Metropolitana
A proposta de implantação de um sistema de monotrilho ou monorail em alguns dos futuros corredores exclusivos de transporte público da Região Metropolitana do Recife, em elaboração desde o fim do ano passado a pedido do governo do Estado, já nasce sendo alvo de contestação. O uso do modelo, cuja concepção prevê um veículo montado ou pendurado sobre um único trilho, elevado por colunas de concreto, não agrada aos técnicos do setor em Pernambuco, gente que conhece o sistema de transporte do Grande Recife. A rejeição não é à tecnologia. Mas ao fato de ela não ser ideal para a realidade da região.

O Jornal do Commercio ouviu três dos melhores técnicos do Estado, conhecidos nacionalmente: Germano Travassos, consultor, Osvaldo Lima Neto, doutor em transporte e professor da UFPE, e César Cavalcanti, vice-presidente nacional da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) e também professor da UFPE. Todos foram unânimes em afirmar que o monotrilho não é o tipo de modelo mais recomendado para o transporte de massa. É mais utilizado em operações turísticas. Além disso, custaria pelo menos quatro vezes mais do que o Bus Rapid Transit (BRT), adotado pela cidade de Curitiba (PR) há mais de 30 anos e que estava praticamente certo para ser implantado no Recife.

Na visão técnica, o monotrilho teria, no máximo, o mesmo resultado do sistema de ônibus, só que custaria mais e levaria um tempo maior para ser implantado. “O sistema de monorail tem suas vantagens, sem dúvida, mas além de não existirem muitos exemplos do seu uso para transportar altas demandas de passageiros, possui um grau de sofisticação muito fora da nossa realidade. Não conseguimos sequer pintar faixas de ônibus nas vias, imagine implantar um sistema caríssimo. Tudo nele custa mais do que no sistema de ônibus. O operador de um monotrilho será mais caro que o motorista de ônibus convencional, o custo de operação também. E uma tarifa de R$ 2 não cobriria esse valor”, alerta César Cavalcanti.

Mesmo ressaltando não conhecer o projeto desenvolvido pela Odebrecht e não ser contra a tecnologia do monorail, Germano Travassos pondera que o sistema de um único trilho não tem a flexibilidade e maleabilidade do ônibus, tão necessárias à rede do Grande Recife. “Ele funciona melhor com demandas constantes, que não oscilam em horários de pico e em estações distantes uma das outras. Na verdade, é preciso fazer um estudo da rede e, a partir dele, ver qual tipo é mais adequado. Mas aqui isso não acontece. Pegam um modelo usado em outro lugar e simplesmente acham que funciona do mesmo jeito. Ele tem que se adequar a uma demanda existente, afinal, não estamos falando de uma cidade nova, mas de uma que já existe”, defende.

Osvaldo Lima Neto vai mais além e adverte que a tentação que o governo do Estado enfrenta agora poderá custar caro mais na frente. “Enquanto se gasta de US$ 5 milhões a US$ 10 milhões para fazer um quilômetro de BRT, são necessários de US$ 50 milhões a US$ 80 milhões para o mesmo trecho de monotrilho. É algo surreal, muito caro. Se o governador optar por ele, será uma escolha muito arriscada”, diz. “Que países como França e Inglaterra usem o monotrilho, tudo bem. Eles não têm favela e o teto das unidades de saúde não está ameaçando desabar. Nós não. Precisamos ter um bom resultado com o menor custo. E isso é possível com um sistema eficiente de ônibus. Veja o Transmilênio, de Bogotá, Colômbia. É modelo para todo o mundo e é operado por ônibus”, conclui César Cavalcanti.

A proposta, definida como um estudo de mobilidade para a cidade visando a Copa de 2014, vem sendo tratada em segredo pelo governo do Estado e pela Construtora Odebrecht, autora da ideia. Ao ser procurado pelo JC, o Grande Recife Consórcio de Transporte, gestor do sistema e quem estava à frente dos projetos de BRT, jogou a responsabilidade para a Secretaria das Cidades.

O secretário Danilo Cabral, por sua vez, silenciou. A assessoria de imprensa do gestor sequer deu retorno ao ser procurada pelo JC. Sabe-se, apenas, que o projeto será submetido à decisão final do governador Eduardo Campos, o que está previsto para acontecer na próxima semana. A Odebrecht também não se pronunciou. Alegou não ter autorização do governo para falar. O que se sabe é que o modelo de monotrilho poderá substituir os projetos previstos para o Corredor Norte-Sul - que ligaria os extremos do Grande Recife pela Avenida Agamenon Magalhães - a Avenida Norte e o Corredor Leste-Oeste. O uso neste último, entretanto, já estaria descartado por não ser viável.

É caro para construir, mais ainda para manter
Além de não ser adequado para o transporte de massa, o monotrilho tem de outro problema, segundo os especialistas: sustentabilidade financeira. O sistema é caro para fazer e oneroso para manter. “As pessoas acham que uma tecnologia é sustentável apenas pelo aspecto ambiental. Mas é preciso considerar a manutenção do modelo depois de pronto”, argumenta o presidente do Centro de Transporte Sustentável do Brasil (CTS), Luis Antonio Lindau.

Ele defende, inclusive, que é preciso fazer uso mais nobre da superfície, abrindo espaço entre os carros para o ônibus, no lugar de pensar em elevados. “O sistema BRT, criado em Curitiba, é modelo para o mundo todo, menos para o Brasil. Custa 20 vezes menos que o metrô, mas para nós, brasileiros, não serve”, critica Lindau.

O alto custo de manutenção é um dos motivos pelos quais o monotrilho não vingou em outros lugares do País, como São Paulo e Manaus (AM). Até mesmo em nações desenvolvidas ficou difícil manter o sistema. É o caso de Las Vegas (EUA) e Dubai (Emirados Árabes), cuja demanda não compensou o alto investimento. Em Dubai, uma linha de 54 quilômetros custou US$ 7,6 bilhões e deveria transportar 1,2 milhão de pessoas por dia, mas só conseguiu demanda de 66 mil passageiros.

Fonte: Jornal do Comércio

READ MORE - Projeto de monotrilho fora da realidade do Recife

São Paulo: Especialistas questionam eficácia e custo dos VLTs no Grande ABC

VLT do Cariri, em Fortaleza
Alvo de disputa entre as prefeituras da região, os VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos) não são apontados por especialistas como a melhor alternativa para melhorar a mobilidade urbana. Entre as principais críticas está o custo elevado, tanto para construção quanto para manutenção do equipamento.

No Grande ABC, existem pelo menos dois projetos de VLTs - um ligando o bairro Alvarenga, em São Bernardo, até a Estação Tamanduateí do Metrô, na Capital, e outro que sairia de Santo André e chegaria até Guarulhos, passando pela Zona Leste de São Paulo. O projeto de São Bernardo está orçado em R$ 3 bilhões.

A solução mais viável, apontam especialistas, são os chamados BRTs (Bus Rapid Transit - Ônibus de Tráfego Rápido, na tradução livre). Este meio de transporte também é conhecido como VLP - Veículo Leve Sobre Pneus.


A diferença básica entre os BRTs e os corredores de ônibus convencionais está no pagamento da passagem.

No BRT, a bilhetagem é feita na estação, o que agiliza o tempo de embarque. O BRT costuma ter menos paradas do que as faixas exclusivas tradicionais. "Na Capital, o único corredor que se enquadra na classificação de BRT é o Expresso Tiradentes (antigo Fura-Fila)", explicou o engenheiro de transportes Luis Antônio Lindau, presidente do CTS (Centro de Transportes Solidários), em referência ao corredor que liga os bairros do Sacomã, Vila Prudente e Centro.
Para Lindau, a grande vantagem do BRT é a maior facilidade na implantação. "O VLT tem o mesmo desempenho do BRT e custa dez vezes mais. Eles têm a mesma eficácia", pontuou. Ele cita a cidade de Curitiba, no Paraná, como referência no sistema. Segundo ele, há 81 quilômetros do modal na capital paranaense.

O mestre em Transportes e professor do curso de Engenharia da FEI (Fundação Educacional Inaciana) Creso Peixoto ainda considera o metrô pesado o meio mais eficiente. No entanto, ele também prefere o BRT na comparação com o VLT.


"Seria muito bom colocar ônibus que não param nos pontos. Isso é praticado em Curitiba e oferece uma trafegabilidade maior. É uma experiência comprovada, que dá certo. Sou cético em relação ao VLT, pois exige espaço na via pública", pondera.


Peixoto reforça também a necessidade de ciclovias e do incentivo ao pedestrianismo. "A lógica correta é: da bicicleta para o ônibus, do ônibus para o metrô, e do metrô para o destino final", acrescentou.

MENOS CARROS
Lindau calcula que, em uma faixa com um quilômetro de extensão e 3,5 m de largura onde só trafegam carros passam cerca de 1.500 pessoas por hora. Se a faixa for exclusiva para ônibus, o número sobe para 15 mil.

Linha 10 da CPTM se adapta para receber expansão
A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) iniciou a preparação para adaptar a Linha 10 - Turquesa, que liga as estações Luz e Rio Grande da Serra, para receber o programa de expansão.

Segundo a estatal, estão sendo ampliados dois pátios para estacionamentos de trens, localizados próximos à Estação Mauá. A companhia informa que o objetivo da reforma é acomodar melhor a frota de trens que atende a linha.A CPTM informa que a obra faz parte do plano de modernizar a linha, que, diz a empresa, terá infraestrutura revitalizada até 2014. A promessa é substituir os sistemas de sinalização, controle de tráfego, energia, rede aérea e via permanente.

A reportagem constatou a construção de um trilho de trem em Mauá, paralelo ao já existente. A companhia não informou, no entanto, quando chegarão os novos trens que atenderão a região.
O programa Expansão SP, anunciado em 2007, tem como objetivo transformar todas as linhas da CPTM em metrô de superfície.

 




READ MORE - São Paulo: Especialistas questionam eficácia e custo dos VLTs no Grande ABC

Em Curitiba, Avenida Cândido de Abreu será revitalizada e prevê a implantação de mais 20 quilômetros de ciclovias

A prefeitura de Curitiba apresentou nesta segunda-feira (28), em Brasília, as obras que pretende realizar na infraestrutura da cidade com os recursos do PAC da Copa. Entre as melhorias previstas está a revitalização da Avenida Cândido de Abreu, no Centro Cívico, que ganhará um calçadão para pedestres e ainda receberá a passagem do ligeirão da linha Boqueirão/Centro Cívico. As obras devem começar no segundo semestre de 2011.

Em entrevista ao telejornal ParanáTV 2ª edição, da RPC TV, o prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, disse que o calçadão na avenida terá 950 metros de extensão e vai da Praça 19 de dezembro até a sede da prefeitura. Ele também garantiu que a diminuição do número de pistas não vai prejudicar o trânsito no trecho.


Também estão previstas obras de melhoria na rodoviária da capital, na continuação da Linha Verde Sul, na reforma do Terminal Santa Cândida e das ciclovias. De acordo com o site da prefeitura de Curitiba, caso as ciclovias não possam ser incluídas no pacote, serão realizadas melhorias na Avenida Marechal Floriano Peixoto, obra que contaria com R$ 10 milhões do governo do estado para a ligação entre São José dos Pinhais, região metropolitana, e Curitiba.

Outra obra aprovada pelo governo federal é do Sistema Integrado de Mobilidade e a ligação Aeroporto-Rodoviária, com a revitalização da Avenida Comendador Franco (Avenida das Torres). No local serão retiradas as torres de alta tensão. Dos R$ 178 milhões que devem ser investidos na capital, R$ 126,5 milhões serão financiados para a prefeitura de Curitiba e R$ 51,5 milhões para o governo estadual.

Na rodoviária, a edificação será reformada e serão realizadas melhorias na acessibilidade do local. As obras deverão melhorar as condições de entrada e saída dos ônibus rodoviários. As ciclovias devem receber nova pavimentação, sinalização e serão alargadas. O projeto também prevê a implantação de mais 20 quilômetros de ciclovias e a instalação de paraciclos e bicicletários, que permitam a integração ônibus-bicicleta.

No Terminal Santa Cândida seriam feitas obras de reforma e ampliação. Já a continuação da Linha Verde, no trecho ao sul, terá a recuperação de pavimento e implantação de calçadas. A obra não inclui a canaleta de ônibus.

As obras para o metrô não farão parte do PAC da Copa. A expectativa é que os recursos para a construção da chamada Linha Azul entre na lista de prioridades no PAC 2.

READ MORE - Em Curitiba, Avenida Cândido de Abreu será revitalizada e prevê a implantação de mais 20 quilômetros de ciclovias

Em Aracaju, Transporte Público e Plano Diretor serão discutidos em debate

Mesmo após o reajuste da tarifa do transporte coletivo em 7,14%, que elevou a passagem de R$ 2,10 para R$ 2,25 e passou a vigorar no dia 30 de janeiro pela Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA),estudantes e representantes de movimentos ainda  discutem o tema do transporte coletivo. Na terça-feira, dia 01 de março, o ‘Movimento Não Pago’ realiza um debate sobre o Transporte Público e Plano Diretor.

O evento será realizado no auditório do Instituto Federal de Sergipe (IFS), antigo Centro Federal de Educação tecnológica de Sergipe (CEFET), às 17h, e contará com a apresentação do Movimento Não Pago, seguida de uma explanação sobre o Plano Diretor e suas perspectivas, com o ex-Vereador Goisinho (ex-PT).
De acordo com um dos integrantes do partido, Caio César, o movimento pretende contribuir com o debate aprofundando o tema da mobilidade urbana. “Haverá a apresentação sobre o que é o movimento, além de tratar do plano diretor que será discutido pelo ex-vereador do PT que durante o mandato debateu sobre a licitação do transporte na capital”, diz.

Ainda segundo Caio César, o Movimento está vendo a possibilidade de se realizar uma audiência pública com os vereadores e com o Superintendente Municipal de Transporte e Trânsito, para debater a política de transporte coletivo. “Alguns vereadores se manifestaram interessados pelo nossa ideia”, informa o integrante, que convida a população a participar do debate.

Fonte: Infonet

READ MORE - Em Aracaju, Transporte Público e Plano Diretor serão discutidos em debate

Corredor exclusivo de ônibus em Copacabana reduz o trajeto em 16 minutos

Sexta-feira, 18 de fevereiro de 2010. Neste dia, a prefeitura do Rio de Janeiro ainda não tinha inaugurado o corredor exclusivo para ônibus na avenida Nossa Senhora de Copacabana, uma das mais movimentadas da zona sul da cidade. A equipe do R7 saiu às 17h48 do início da avenida, na altura da rua Francisco Sá, e chegou ao final da via, próximo à avenida Princesa Isabel, às 18h18. No horário de rush, foram gastos 30 minutos. Após uma semana, com a implantação do BRS (Bus Rapid Service), embarcando e desembarcando exatamente no mesmo ponto de ônibus e horário, nossa reportagem levou 14 minutos.

Quem trabalha com carga e descarga de produtos para o comércio na avenida também não aprovou as novas regras. O ajudante de motorista de caminhão Anderson Jerônimo, de 35 anos, disse que a proibição do serviço na via tem atrasado muito o trabalho dos transportadores de mercadorias.

- Nós temos que ficar dando voltas no quarteirão para encontrar vaga para fazer a descarga dos produtos. Essas novas medidas vão atrasar muito nosso trabalho.

Prefeitura libera uso de baias para desembarque de passageiros de táxis

A Secretaria Municipal de Transportes informou semana passada que o uso das baias (recuos nas calçadas) situadas do lado direito da avenida Nossa Senhora de Copacabana está permitido apenas para o desembarque de passageiros de táxis. O embarque deverá continuar a ser feito no lado esquerdo da via e nas ruas transversais.

As normas de circulação dentro do corredor preferencial de ônibus permitem aos veículos trafegar dentro da faixa azul para executar o giro à direita ou acessar as garagens. Para a secretaria, as baias equivalem a garagens e não interferem na fluidez do tráfego, seja no corredor dos ônibus seja do lado esquerdo.

BRS vai chegar à rua Barata Ribeiro no próximo mês

O trabalho de asfaltamento da rua Barata Ribeiro, também em Copacabana, está quase terminando. Vários trechos que estavam interditados no início desta semana já foram liberados. As faixas azuis à direita da rua já foram pintadas. Agora só faltam os ajustes finais nos pontos de ônibus para a implantação do BRS na via.

Por enquanto, continua proibido o estacionamento à esquerda da Barata Ribeiro. A Secretaria Municipal de Transportes informou que a regra para a parada de veículos será a mesma da avenida Nossa Senhora de Copacabana. Será permitido estacionar das 21h às 6h nos dias úteis; a partir das 14h aos sábados; e por 24h nos domingos e feriados.

Fonte: R7.com


Os passageiros e motoristas dos coletivos ganharam mais tempo, mas quem anda de carro está enfrentando dificuldade. O representante de laboratório João Vitor Gonçalves, de 32 anos, disse que o trânsito ficou mais congestionado após a implantação da faixa exclusiva para ônibus.

- Estamos demorando muito mais para atravessar a avenida Nossa Senhora de Copacabana do que antes. Esta faixa só melhorou mesmo para quem anda de ônibus.

READ MORE - Corredor exclusivo de ônibus em Copacabana reduz o trajeto em 16 minutos

Reforço de viagens e seguranças no metrô do Recife para o Galo da Madrugada


A Companhia Brasileira de Trens Urbanos/Superintendência de Trens Urbanos do Recife CBTU/Metrorec preparou um esquema especial de operação para o dia do Galo da Madrugada, no próximo sábado (05), quando há um aumento considerável no fluxo de passageiros pelas estações do metrô do Recife. A linha centro funcionará com 16 trens, já a linha sul contará com quatro trens.

Com o reforço, o intervalo das viagens diminui. Na linha centro, o intervalo será de quatro minutos no trecho Recife – Coqueiral e oito minutos no trecho Coqueiral - Camaragibe. Na linha sul, o metro fará viagens a cada 12 minutos. Além deste reforço, ainda haverá a contratação de mais funcionários para trabalhar durante o sábado de Zé Pereira.

A segurança do Metrô será ampliada com a contratação de 246 funcionários e o auxílio de policiais militares. Na estação Recife, serão colocadas 18 bilheterias na área externa. O acesso será pela rua Floriano Peixoto e a saída pelo Terminal Integrado do SEI. Ainda ficarão a disposição 115 técnicos de manutenção.

A CBTU/Metrorec lembra aos usuários que não será permitido o consumo de bebidas alcoólicas nas estações e trens, bem como a condução de recipientes de vidro ou lata nas dependências do metrô. O transporte de grandes volumes como, carros de mão, carroças, grandes isopores e bicicletas, será proibido durante o Carnaval.




READ MORE - Reforço de viagens e seguranças no metrô do Recife para o Galo da Madrugada

Governo SP investirá R$ 300 milhões em Itaquera

A presidente Dilma Rousseff está confiante: se depender dela, a partida de abertura da Copa do Mundo será em São Paulo. E no estádio do Corinthians, em Itaquera. Ontem, a presidente, o governador do Estado, Geraldo Alckmin, o prefeito da capital, Gilberto Kassab, e o ministro do Esporte, Orlando Silva, se reuniram na sede da Presidência em São Paulo, na Avenida Paulista, para discutir os planos para a construção do estádio para 2014. Após o encontro, Orlando Silva disse que as garantias dadas pelo governador e o prefeito em relação ao estádio deixaram Dilma satisfeita.

De acordo com Kassab, se o Ministério Público resolver todas as pendências burocráticas com relação ao terreno, as obras em Itaquera serão iniciadas no fim do mês de abril.
"Podemos afirmar hoje que, inquestionavelmente, teremos a abertura da Copa do Mundo em Itaquera, no Estádio do Corinthians", disse Kassab. "Falo como engenheiro e um pouco como prefeito: concluída a negociação com o Ministério Público - que, esperamos, seja em três, quatro semanas - faremos o edital imediatamente. Estamos falando em final de março, mês de abril", diz o prefeito. "Até o final de abril, poderemos sim, dar condições ao Corinthians de começar a construção do seu estádio."


Orlando Silva, afirmou que, pelo menos na cabeça da presidente, não há hipótese de o jogo de abertura da Copa ser feito em outro lugar. "Para Dilma, é em São Paulo." Segundo o ministro, a cidade tem todas as condições necessárias para abrigar o evento, como rede hoteleira, qualidade dos serviços. Faltava resolver a questão do estádio.

Segundo Kassab, na próxima semana deverá ser assinado o TAC (Termo de Ajuste de Conduta) entre Corinthians, prefeitura e MP. "Vamos deixar claro as contrapartidas do Corinthians para a cidade de São Paulo, por ser a construção em um terreno de área pública."
A questão financeira, de acordo com o prefeito, está equacionada. "Já temos por parte do BNDES o sinal verde para o financiamento daquela verba de R$ 400 milhões para a construção do estádio", diz Kassab. 
"O secretário Marcos Cintra (Desenvolvimento Econômico e do Trabalho) vai publicar o edital que irá viabilizar os recursos restantes para o estádio, recursos que serão do Corinthians porque estão vinculados ao empreendimento. Não é um recurso público até porque a cidade e a região permitem investimentos."

Alckmin anunciou que o projeto arquitetônico do estádio está aprovado e o governo promete investir pesado no sistema de trens e metrô uma vez que as linhas em Itaquera já existem. "Teremos metrô (com intervalos) de 90 segundos e trem a cada 4 minutos. Serão R$ 300 milhões que o governo vai investir."

Kassab admitiu existir a possibilidade de o Itaquerão não ficar pronto para a Copa das Confederações, em 2013. "O esforço será grande, mas caso os jogos não ocorram no estádio do Corinthians, teremos o próprio estádio do Morumbi e a arena do Palmeiras, que estará concluída."


READ MORE - Governo SP investirá R$ 300 milhões em Itaquera

Subsídio a empresas pagaria 16 corredores de ônibus em São Paulo



Fonte: eBand

Apesar do reajuste de 11% na tarifa, aplicado em janeiro, o sistema de ônibus da cidade de São Paulo continua operando no vermelho. No ano passado, a prefeitura gastou R$ 660 milhões para subsidiar as empresas de ônibus. A quantia seria suficiente para cobrir os custos de 16 corredores exclusivos iguais ao da avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, anunciado recentemente pela gestão Gilberto Kassab (DEM).

Com três quilômetros de extensão, o corredor terá um custo de R$ 40 milhões. Segundo a prefeitura, o subsídio serve para cobrir a gratuidade de passagens deidosos, portadores de deficiência e a meia passagem de estudantes.

Esse ano, mesmo com o reajuste da tarifa acima da inflação, os gastos devem aumentar ainda mais. No Orçamento 2011, a prefeitura reservou R$ 743 milhões para subsídios, um aumento de 12,5% em relação a 2010.

Somando o valor gasto nos últimos cinco anos (2007-2011), chega-se à astronômica quantia de R$ 3,22 bilhões. É o mesmo montante que o governo estadual pretende gastar no projeto do monotrilho que ligará o aeroporto de Congonhas ao estádio do Morumbi, num traçado de 21,5 quilômetros.

Em 2010, foram gastos R$ 660 mi em subsídios para ônibus da capital. Além de compensar as empresas, a prefeitura também é responsável por bancar melhorias no sistema, como reformas nos terminais e pontos. Em vários outros municípios, os contratos de concessão preveem que as empresas tenham de investir na infraestrutura.

READ MORE - Subsídio a empresas pagaria 16 corredores de ônibus em São Paulo

Em Campo Grande, Usuário poderá recarregar cartão do ônibus como é feito para celular

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) e a Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano (Assetur) lançaram na manhã de hoje (28), o novo sistema de recarga do passe eletrônico.

A partir de hoje, 850 postos de vendas, entre eles bancas de jornal, conveniências, farmácias, supermercados e outros estabelecimentos estarão aptos a fazerem a recarga do cartão eletrônico de passe, de acordo com a necessidade do usuário. O lançamento do sistema aconteceu no auditório do Sebrae e contou com a presença do prefeito Nelson Trad Filho, do diretor da Assetur, João Rezende Filho; do diretor-presidente da Agência Municipal de Regulação Agereg), Marcelo Bomfim do Amaral; do secretário municipal de Governo e Relações Institucionais, Rodrigo de Paula Aquino e do vereador Airton Saraiva.

Segundo o presidente da Assetur, João Rezende, a partir desta segunda-feira, todas as regiões passam a contar com pontos de recarga. “Firmamos um convênio com a empresa que comercializa créditos de recarga para celular. A recarga é feita da mesma maneira. E num prazo de cinco minutos até 24 horas, o crédito já estará disponível naquele número de identificação do cartão. É mais uma opção e facilidade para o usuário do transporte coletivo”, explicou Rezende.

Atualmente, 50 pontos na cidade fazem esse tipo de operação em cartões de passe eletrônico, incluindo os terminais de transbordo. A Internet, por meio do site da Assetur é mais uma opção. No endereço eletrônico, é possível, inclusive, solicitar o envio do cartão para a residência do cidadão.

O prefeito da Capital ressaltou que a medida atende às expectativas do Ministério Público. “O MP confia na administração pública da nossa cidade e sabe que não medimos esforços para melhorar os serviços neste sentido. No caso do cartão eletrônico, toda e qualquer ferramenta criada neste contexto tem focado a retirada da moeda de circulação dentro dos ônibus. Isso vai eliminar os assaltos, uma vez que o bandido souber que ali não tem dinheiro. Vai acabar com a violência e gerar segurança para quem precisa desse tipo de transporte”.

Ao comentar que atualmente 100% do transporte coletivo de Campo Grande estão integrados, Nelsinho lembrou que Campo Grande foi a primeira cidade no País a receber a aprovação do Pró-Transporte. “O que podemos buscar de recursos para melhorar a vida do usuário está sendo feito. Temos a preocupação de melhorar os terminais, de otimizar o tempo de quem utiliza o ônibus. O usuário do transporte coletivo também será contemplado pelo Pró-Transporte. Esse dinheiro, são R$ 58 milhões que já estão no caixa da prefeitura, vai garantir que até o final da minha gestão, 98% das linhas onde circulam os ônibus por toda a cidade estejam pavimentadas”.

Hoje, são aproximadamente 500 veículos do transporte coletivo operando com 170 linhas. Deste total, 80% são adaptados para os portadores de necessidades especiais. Grande parte da frota conta com monitoramento feito por câmeras de segurança. Além disso, uma parceria com a TVOn oferece entretenimento e informação durante o trajeto para quem percorre a cidade dentro dos ônibus.

Melhorias

De acordo com o diretor-presidente da Agetran, Rudel Trindade Júnior, o usuário do transporte coletivo tem sido uma das prioridades da atual gestão. Até 2012, a Prefeitura vai buscar minimizar a lotação nos veículos, principalmente em horários de pico. “Temos essa preocupação. Com toda essa inovação acontecendo: passe eletrônico, nova frota, monitoramento, entretenimento, precisamos focar no que o usuário reivindica e buscar soluções. Já existe a intenção de ampliar a frota nos horários de pico, para minimizar a lotação e garantir conforto para quem utiliza esse meio”, antecipou.

Outra medida que a Prefeitura deverá adotar, até o próximo ano, é um sistema de informação ao usuário. “Estudamos a implantação de painéis informativos em locais estratégicos, onde o usuário saberá qual o tempo de espera de determinada linha e informações que vão facilitar a vida dos usuários no dia a dia. Para quem vive na correria, esse tipo de informação é importante”, ressaltou Rudel.

READ MORE - Em Campo Grande, Usuário poderá recarregar cartão do ônibus como é feito para celular

Em Uberlândia, Obras dos corredores de ônibus começam em abril

A Prefeitura de Uberlândia deve iniciar em abril as obras que vão viabilizar a instalação de novos corredores de ônibus. A previsão é de que a licitação seja concluída este mês. Ao todo serão quatro corredores ligando bairros das regiões leste, oeste, norte e sul ao Centro da cidade.

Além dos corredores e drenagem nos bairros, três viadutos serão construídos dentro do pacote de obras, nomeado pela prefeitura de Uberlândia Integrada. De acordo com o prefeito Odelmo Leão, um empréstimo de R$ 100 milhões já foi solicitado ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Ainda não tivemos resposta, mas não vamos ficar dependentes desta verba. Temos apoio do Estado e vamos investir recursos próprios”, afirmou. A prefeitura já recebeu mais de R$ 50 milhões do Estado e investiu outros R$ 50 milhões em obras viárias realizadas em toda a cidade.

O viaduto da avenida João Naves de Ávila, que já está em andamento, deve ser entregue até o fim de agosto. O corredor João Naves de Ávila será estendido. A intenção é que a via chegue ao novo Campus do Glória, da Universidade Federal de Uberlândia, e ao Entreposto da Zona Franca de Manaus. Ainda no setor leste, será implantado um novo corredor na avenida Segismundo Pereira, ligando bairros como Sucupira, Morumbi, São Francisco, Dom Almir e Prosperidade à região central.

O viaduto da Nicomedes Alves dos santos com a Rondon Pacheco vai possibilitar a implantação do corredor sul. O prefeito afirmou que será necessário desapropriar imóveis no entorno onde será erguido o viaduto. “Ainda não sabemos quantos. Estamos em fase de levantamento. Vamos negociar de forma amigável porque precisamos construir o viaduto”, disse Odelmo Leão.

As zonas oeste e norte também vão receber corredores. O corredor oeste será divido em dois eixos: um no Canaã e outro no Luizote, que inclui a construção de um Terminal no bairro Jardim Patrícia. O corredor norte será implantado na avenida Monsenhor Eduardo.

READ MORE - Em Uberlândia, Obras dos corredores de ônibus começam em abril

Nove empresas vencem licitação do transporte coletivo de Manaus


Via Verde Transportes Coletivos de Rio Branco, uma das vencedoras

O prefeito de Manaus, Amazonino Mendes (PTB), anunciou na manhã desta segunda-feira (28) o término da licitação do transporte público. As nove empresas que concorriam no certame e venceram a disputa devem começar a operar em 60 dias. O valor do investimento no sistema deve chegar a R$ 5 bilhões de reais.

Das nove empresas ganhadoras no processo licitatório, três já atuam na capital. São elas: Via Verde Transportes Coletivos, City Transportes LTDA e Auto Ônibus Líder LTDA. Além dessas, foram aprovadas também a Viação São Pedro LTDA, Expresso Coroado LTDA, Rondônia Comércio e Extração de Minérios LTDA, Viação Nova Integração LTDA, Transtol Empresa de Transporte Coletivo Toledo LTDA e GNZ Empreendimentos e Participações LTDA. Esta última foi a única a concorrer em dois lotes no edital.

Com a nova frota, mais de 1,6 mil novos ônibus devem fazer parte do novo sistema, totalmente desvinculado do atual consórcio. Segundo o prefeito, a licitação prevê mais 858 coletivos, além de 330 ônibus já adquiridos pelo Executivo Municipal. Diferente do atual consórcio, onde o Sistema de Bilhetagem Eletrônica (Sinetran) controla as frotas, as empresas ficarão responsáveis individualmente por seus lotes.

A previsão é que os ônibus comecem a atuar na cidade entre os meses de Maio e Junho, o que, segundo o superintendente Municipal de Transportes Urbanos Marcos Cavalcante, dependerá da logística. “Não adianta falar que os ônibus estarão aqui nessa data, por que depende da logística. Temos que transportar ônibus de balsas, e isso é uma conversa que ainda teremos com os empresário” disse.

De acordo com Amazonino, a tendência após a nova frota da cidade chegar é a exclusão dos alternativos e executivos. “Hoje eles operam como quebra-galho", afirmou o prefeito.

Novas Licitações
Cavalcante frisou que os atuais sistemas Executivos e Alternativos poderão passar por nova licitação. “Precisamos fazer um planejamento. E a empresa responsável definirá se devemos diminuir a frota, aumenta ou quem sabe retirar de circulação” comentou. Caso haja essa nova licitação a tarifa desses executivos e alternativos será diferenciada para não competir com o transporte público.

Atual sistema
Terminada a licitação do transporte público, as empresas que já atuam no sistema e que não participaram do processo e/ou perderam durante as etapas serão autorizadas para atuar até a chegada da nova frota.

Questionado sobre uma possível greve dos rodoviários, Marcos Cavalcante descartou a paralisação. “Queremos fazer uma transição nesse sistema de maneira amigável. Os rodoviários sabiam o que o edital previa. Por isso é provável que as empresas vencedoras absorvam os trabalhadores das outras empresas”, destacou. (LB)



Fonte: Portal Amazônia

READ MORE - Nove empresas vencem licitação do transporte coletivo de Manaus

Obras do PAC na área de transportes serão preservadas, diz ministério

O Ministério dos Transportes informou nesta segunda-feira (28) que os cortes no Orçamento anunciados pelo governo federal não vão atingir as ações previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A pasta teve um corte de R$ 2,39 bilhões, de um Orçamento total de R$ 18,41 bilhões, o que representa 12,9% do total.

“As ações incluídas no Programa de Aceleração do Crescimento foram preservadas em sua integralidade, não havendo expectativa de entraves à sua continuidade”, afirma nota divulgada pelo Ministério. A nova programação orçamentária , detalhada hoje pelos ministérios da Fazenda e do Planejamento, prevê um corte total de R$ 50 bilhões no orçamento deste ano.

Segundo o ministério, a redução de despesas recomendada pela equipe econômica será feita com a administração dos gastos de custeio e das ações ainda em fase de projeto. “O ministério avaliará quais desses projetos terão seu preparo desacelerado”, afirmou o comunicado.


READ MORE - Obras do PAC na área de transportes serão preservadas, diz ministério

No Dist. Federal, Quatro pontos de cadastro do Passe Livre são desativados

Os postos de cadastro do Passe Livre de Sobradinho II, Cruzeiro, Águas Claras e da Estação do Metrô de Taguatinga estão fechados nesta segunda-feira (28/2). De acordo com a assessoria de imprensa do Transporte Urbano (DFTrans), isso acontece devido ao grande número de cadastrados já realizados - 30 mil nos últimos 20 dias. Os outros 19 postos continuam a funcionar normalmente de 8h às 18h. O órgão esclarece que mais pontos de cadastro podem ser desativos de acordo com a redução da demanda.

Para aqueles estudantes que desejam apenas carregar ou recarregar o cartão, eles podem procurar os postos de atendimento da Fácil localizado no Conic, Setor Comercial Sul, Taguatinga, Sobradinho, Gama e Samambaia.

Confira os pontos em atividade

Rodoferroviária - Estação Rodoferroviária, Ala Sul
Telefone: 3043.0419 / 3043.0430

Administração Regional de Brazlândia - Área Especial 04 Lote 01, Setor Tradicional
Telefone: 3479.8000

Administração Regional do Núcleo Bandeirante - Praça Padre Roque 3 Avenida, projeção 2
Telefone: 3486.9500 / 3486.9553

Administração Regional do Guará - Área Especial, CAVE
Telefone: 3383-7200

Ceilândia - QNM 12 via MN 12A lote 18/20, em frente a Praça do Cidadão
Telefone: 3905.4747 / 3905.7339

Gama - Área Especial 01 E/Q 55/56, Setor Central
Telefone: 3905.1238 / 3905.1340

Rodoviária - Subsolo da Estação Rodoviária de Brasília, Plataforma D
Telefone: 3905.6722

Sobradinho - Quadra Central bloco 11 lote 07 lojas 16 a 24, Serra Shopping
Telefone: 3905.1405

Taguatinga - CNB 12 lotes 11/12 3º andar, Shopping Top Mall
Telefone: 3905.4798

Estações do Metrô: Rodoviária do Plano Piloto, Central de Ceilândia, Praça do Relógio, Samambaia e Furnas
Telefone: 3353.7373

Diretoria Regional de Ensino do Paranoá - Quadra 08 conjunto 2 lote 24
Telefone: 3901.7553

Diretoria Regional de Ensino de Planaltina - Setor Educacional lotes C/D
Telefone: 3901.4465

Diretoria Regional de Ensino do Recanto das Emas - Quadra 306 Avenida Monjolo Área Especial 01
Telefone: 3901.2372

Diretoria Regional de Ensino de Santa Maria - EQ 215/315 Área Especial, CAIC
Telefone: 3901.6601

Diretoria Regional de Ensino de São Sebastião - Quadra 05 conjunto A Área Especial Centro, Caic Unesco
Telefone: 3901.7712


READ MORE - No Dist. Federal, Quatro pontos de cadastro do Passe Livre são desativados

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960