Trabalhadores recusam proposta e greve de ônibus continua em Guarulhos

quarta-feira, 19 de maio de 2010


O Sincoverg (Sindicato dos Condutores de Veículos Rodoviários e Trabalhadores em Transportes Urbanos, Metropolitanos) informou que não foi aceita a proposta das empresas de reajuste salarial de 6% e que a paralisação dos 12 mil trabalhadores continua sem prazo para terminar em Guarulhos e Arujá, na Grande São Paulo. A paralisão começou à meia-noite desta quarta-feira. A proposta foi votada pelos 7.000 trabalhadores que estão ocupando as garagens nesta quarta-feira (19). Por volta das 17h, a rodovia Presidente Dutra apresentava congestionamento na altura de Guarulhos. No sentido São Paulo, a lentidão afetava o trecho entre os km 218 e 219. O motorista que seguia para o Rio, encontrava fila entre os km 221 e 219.

Cerca de 1,3 milhão de moradores são afetados pela greve. Motoristas e cobradores das viações Vila Galvão, Guarulhos, Guarulhos Transporte, Transguarulhense, Viação Arujá e Transdutra estão parados. Segundo o Vagner Menezes, assessor da direção do Sincoverg, a situação é mais complicada com grevistas das viações Vila Galvão e Guarulhos, porque os donos ameaçam os trabalhadores com demissões. Menezes disse ainda que as empresas de ônibus chamaram o batalhão de choque da Polícia Militar para conter a manifestação e alguns foram encaminhados para o 9º DP (Distrito Policial).

A categoria reivindica aumento salarial de 14,10%, vale refeição de R$ 12, fim da dupla função (motorista e cobrador ao mesmo tempo, no caso dos micro-ônibus), 30 minutos de refeição remunerada, melhorias no convênio médico e cesta básica, além da jornada de 40 horas semanais. A data-base da categoria é em 1º de maio.

As empresas de ônibus propuseram na contraproposta um reajuste salarial de 5,5%. Em nota, a Prefeitura de Guarulhos afirmou que "em razão da paralisação, a Secretaria de Transportes e Trânsito autorizou as lotações devidamente regularizadas a operarem durante todo o dia, sem restrição de horários.



Fonte: R7.Com
READ MORE - Trabalhadores recusam proposta e greve de ônibus continua em Guarulhos

Salvador: Ônibus voltaram a circular após paralisação dos rodoviários


A normalidade foi retomada na cidade após a paralisação dos rodoviários realizada na manhã desta quarta-feira, 19, deixando pontos de ônibus repletos de usuários à espera dos veículos que foram retidos em 20 garagens. Ainda de madrugada, os rodoviários pararam gradativamente as empresas de transporte urbano e intermunicipal para realizar assembleias com a categoria. De acordo com os sindicalistas, após a conclusão da assembleia na Vitral, a totalidade dos veículos deve voltar às ruas.
De acordo com Ubirajara Sales, coordenador do Sindicato dos Rodoviários, as assembleias desta quarta visaram mobilizar a categoria para as duas reuniões que acontecem nesta quinta-feira, 20, às 9h e às 15h, para decidir se a greve por tempo indeterminado será decretada. De acordo com o presidente do sindicato, Manoel Machado, os ônibus vão rodar normalmente nesta quinta. Mas, se a categoria optar pela realização da greve, as atividades serão interrompidas 72 horas depois.
Manoel Machado disse ainda que dez pontos da pauta de reivindicação não foram acertados, entre eles o reajuste de 15%, sendo que os empresários oferecem 2,8%, além do aumento de 30% no valor do tíquete alimentação e pagamento do tíquete nas férias. A categoria é formada por cerca de 12 mil funcionários.

  • Transalvador - Em entrevista a uma emissora de rádio da capital, o superintendente da Transalvador, Miguel Kertszman, afirmou que o órgão promoveu a realocação a frota para lugares mais críticos da cidade. Segundo ele, a paralisação não impactou a Estação Mussurunga, mas os usuários da Estação Pirajá sofreram com a falta de ônibus. "O corredor da Suburbana não foi afetado".
    Kertszman observou ainda que, após a última paralisação que aconteceu no dia 30 de abril, semelhante à que ocorreu nesta quarta, convocou uma reunião com o presidente do Sindicato dos Rodoviários e um representante do Setps (sindicato das empresas de ônibus). "A cidade não aceita mais este tipo de manifestação. É uma forma de luta velha, ultrapassada e desrespeitosa. Vamos fazer tudo para resolver isso na mesa de negociações e não nas ruas de Salvador. Esperamos que até a próxima semana tudo esteja resolvido".
Reuniões - Segundo informações do Sindicato dos Rodoviários, divulgadas em nota, assembleias começaram a ser realizadas a partir das 3h30 desta quarta-feira nas empresas de transporte urbano Transol, União, Joevanza, Vitral, BTU Iguatemi, Verdemar, Rio Vermelho, nas empresas intermunicipais Cidade do Sol (Alagoinhas), Jauá (Amargosa e Recôncavo), Regional (Ribeira do Pombal, Paulo Afonso), VSA (Candeias e Camaçari), Marte (Região Norte), Falcão (Região Norte), São Luiz (Região Norte), Linha Verde (Porto de Sauipe e toda Linha Verde), RD (São Filipe e Recôncavo), além das empresas de fretamento Canaã, Nova Milênio, Vix e Petrobras. *Colaborou Sidnei Matos

Fonte: A TARDE

READ MORE - Salvador: Ônibus voltaram a circular após paralisação dos rodoviários

Madrugadão só em dois dias em Joinville


Ônibus deixam de circular de madrugada de domingo a quinta. Às sextas e sábados saem do terminal à 1h30
As madrugadas de Joinville durante a semana voltaram a ficar sem transporte público. O Madrugadão, linha de ônibus criada em dezembro de 2008 para atender aos principais pontos da cidade no horário em que nenhuma linha circulava, passou a rodar apenas na primeira hora da manhã de sexta e sábado.

Desde o dia 16, as linhas deixaram de operar de segunda a quinta-feira e agora o horário na sexta-feira e no sábado tem saída única à 1h30, e não mais às 2h30 e 3h30. A linha 247 (Costa e Silva/Centro) sai de circulação.

De acordo com o Seinfra, o motivo para o corte das linhas do madrugadão é o baixo número de passageiros que usam o transporte. De segunda a quinta, a média é de cinco passageiros em cada viagem. Às vezes esse número cai para um e muitas vezes os ônibus circulam sem nenhum ocupante.

A decisão foi uma concordância entre as empresas concessionárias e a Prefeitura. Segundo o gerente da unidade de transporte e vias públicas, Luiz Cezar Keufner, a ação pretende diminuir os gastos. “Se mantivéssemos essas linhas estaríamos penalizando os outros passageiros, que teriam que pagar por um serviço que não usam. Os insumos não vão diminuir, então racionalizamos onde era possível.”

O Madrugadão vai continuar circulando pelos bairros Atiradores, Estevão de Matos, Escolinha, Guanabara, Itinga, Morro do Meio, Jardim Paraíso, Vila Nova, Espinheiros, Iririú e Aventureiro. A saída e a integração destas linhas é feita no terminal do Centro.

Fonte: A Notícia
READ MORE - Madrugadão só em dois dias em Joinville

Greve de ônibus em Uberlândia continua


A greve do transporte coletivo em Uberlândia chegou ao terceiro dia sem acordo entre funcionários e empresas e com muitos transtornos à população. Ontem (18), a desembargadora Emília Facchini, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), deferiu o pedido de liminar do Ministério Público do Trabalho determinando a manutenção mínima de 50% da frota sob pena demulta diária de R$ 100 mil.
A cota mínima, no entanto, não foi cumprida ontem e hoje. Segundo a Secretaria Municipal de Comunicação, a frota em circulação no fim da tarde de ontem era de 45,5%. Hoje (19), segundo dados da Prefeitura, o índice da frota circulante era de 43,7% , no período compreendido 6h e 7h. A reportagem do CORREIO de Uberlândia verificou hoje pela manhã a circulação de vans do transporte clandestino em pontos de maior movimentação na cidade. Taxistas e mototaxistas também tiveram aumento na quantidade de passageiros.
Ontem, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte de Uberlândia (Sindtran), Célio Moreira, disse que não foi informado da decisão da Justiça. “Não recebi nada por enquanto. Quando receber a notificação oficial cumpriremos. Voltaremos com 100% da frota, mas rodaremos sem cobrar tarifa”, disse.
Hoje à tarde, será realizada na Justiça do Trabalho uma audiência de conciliação entre o Sindtran e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Triângulo Mineiro (Sindett). A reportagem do CORRREIO de Uberlândia faz a cobertura da audiência na tarde desta quarta-feira, mas a imprensa uberlandense não pode entrar na sala onde os representantes dos trabalhadores e das empresas negociam.
A desembargadora Emília Facchini delegou à juíza diretora do Foro de Uberlândia, Érica Aparecida Pires Bessa, a distribuição dos dissídios coletivos a um dos juízes das Varas do Trabalho do município. O juiz instrutor terá competência também para alterar ou revogar os termos da liminar deferida pelo TRT, após se inteirar dos fatos e circunstâncias que envolvem o movimento.
O presidente do Sindett, José Luiz Rissato, disse que espera resolver a situação na negociação que será feita hoje. “É uma audiência com perfil diferente, com a presença do juiz, por isso esperamos que o problema se resolva”, disse. O presidente do Sindtran também espera um acordo. “Desde que eles devolvam nossos direitos, negociaremos. Se der certo, voltaremos ao trabalho de imediato”, afirmou.”

Fonte: Correio de Uberaba
READ MORE - Greve de ônibus em Uberlândia continua

Metrô nas alturas de Belo Horizonte


Maio de 2010, sexta-feira, 18 horas. O sol vai se escondendo na Avenida Amazonas e os faróis dos carros e ônibus começam a iluminar a concorrida via, que liga os limites de Contagem, na entrada da Cidade Industrial, à região central de Belo Horizonte. O trânsito é intenso e as buzinas denunciam a imprudência dos motoristas. Nos pontos, as pessoas esperam, sem paciência, pelos coletivos após mais uma jornada de trabalho. A volta para casa promete ser estressante.

Maio de 2014, sexta-feira, 18 horas. A noite cai na Avenida Amazonas. O movimento de carros e ônibus é grande, mas o tráfego flui normalmente. Muitas pessoas preferiram deixar os veículos na garagem para subir as passarelas e pegar a recém-inaugurada linha do metrô nos arredores de Contagem. Suspensos a 20 metros de altura e deslizando a até cem quilômetros por hora em um monotrilho, os modernos vagões levam, a cada composição, 240 passageiros de Contagem ao Centro de BH. A “viagem” é rápida e segura.

Imaginar linhas de metrô, erguidas por pilares, sobre os canteiros centrais dos maiores corredores viários da capital parece algo distante na rotina agitada dos cidadãos belo-horizontinos. Já para Rafael Osmar Costa, 23 anos, e Elisa Sayuri Irokawa, 24 anos, graduados no final do ano passado na Escola de Design da Universidade Estadual de Minas Gerais (Uemg), essa cena não é considerada tão futurista assim. Eles são os autores do projeto acadêmico Sistema de Transporte Coletivo Suspenso (STC) - premiado no IF Concept Award, importante fórum internacional de design, realizado na Alemanha - que propõe a viabilização de um metrô suspenso em BH.

“Queríamos cooperar para o desenvolvimento da cidade, que precisa de um sistema de transporte eficiente e vai ser sede de uma Copa do Mundo. Portanto, projetamos oito linhas que abrangem lugares estratégicos, como a Savassi, o Aeroporto de Confins e o Mineirão, facilitando a mobilidade das pessoas entre os bairros e a integração com os ônibus e os táxis”, explica Rafael. Segundo o designer, o modelo se ajustaria ao relevo acidentado e diminuiria as desapropriações que a implantação de trens subterrâneos exige.

Os custos contam a favor do STC. Por quilômetro de trilho, a estimativa é que se gaste R$ 30 milhões (podendo chegar a R$ 10 milhões por ser monotrilho), quase três vezes menos que os sistemas convencionais. “Além disso, os materiais necessários para fazer os pilares, cabos e vagões ficariam a cargo de empresas mineiras, que têm capacidade de suprir tal demanda. Essa cooperação facilitaria a logística de deslocamento e muita coisa viria pré-fabricada”, aponta Elisa.

Em tempos de discussões sobre sustentabilidade, o estudo apresenta soluções interessantes em relação ao consumo energético. O metrô suspenso utilizaria energia eletromagnética, convertida a partir de fonte eólica (vento), captada nas torres de sustentação, e solar, armazenada em placas instaladas nos vagões. Em caso de insuficiência de produção, seria ativado o sistema de geração por energia elétrica.Quanto aos problemas de ruídos e poluição visual, as respostas também estão na “ponta da língua”. “Algumas estações integrariam prédios comerciais, o que não descaracterizaria a capital. O barulho também seria o mínimo, pois o trem deslizaria sobre trilhos de ímãs”, afirma Elisa.

O tempo previsto para a construção de uma linha de acesso é de apenas um ano, se os detalhes de planejamento e adequação forem analisados de forma objetiva. “Cidades japonesas, alemãs e norte-americanas já empregam essa tecnologia do monotrilho suspenso. Por isso, os autores vão continuar desenvolvendo o STC para, quem sabe um dia, adotá-lo no país. Vale lembrar que foi um trabalho de graduação e não esperávamos por essa repercussão”, diz o professor Jairo José Câmara, orientador do projeto.

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), em Belo Horizonte, responsável pelo metrô, elogiou a iniciativa de Rafael e Elisa, mas não repercutiu a praticidade do sistema por desconhecer os seus fundamentos técnicos e econômicos. Mas a CBTU diz estar aberta a receber sugestões e propostas que sejam úteis ao aperfeiçoamento do metrô da capital.

Fonte: Hoje em Dia
READ MORE - Metrô nas alturas de Belo Horizonte

Greve de ônibus afeta 1,3 milhão de pessoas em Guarulhos e Arujá


Cerca de 1,3 milhão de moradores das cidades de Guarulhos e Arujá, na região leste da Grande São Paulo, terão uma quarta-feira, 19, difícil por causa de uma greve, que teve início à 0h, dos mais de 12 mil motoristas e cobradores das viações Vila Galvão, Guarulhos, Guarulhos Transportes, Transguarulhense, Viação Arujá e Transdutra.
Segundo o Sindicato dos Condutores de Veículos Rodoviários e Trabalhadores em Transportes Urbanos, Metropolitanos e Intermunicipais de Guarulhos e Região (Sincoverg), a categoria reivindica aumento salarial de 14,10%, vale refeição de R$ 12, fim da dupla função - motorista e cobrador ao mesmo tempo, no caso dos micro-ônibus -, 30 minutos de refeição remunerada, melhorias no convênio médico e cesta básica, além da jornada de 40 horas semanais. A data-base da categoria é em 1º de maio.
As empresas de ônibus propuseram na contraproposta um reajuste salarial de 5,5% e a equiparação do salário do "motorista leve" (que exerce dupla função em micro-ônibus e ganha menos que um motorista de um veículo grande) ao do "motorista pleno" em até dois anos, que foi negada pelo entidade dos trabalhadores.
O sindicato afirma também que a diretoria da Viação Vila Galvão, empresa localizada na Rodovia Presidente Dutra, colocou seguranças armados para evitar a paralisação.
Em nota, a Prefeitura de Guarulhos afirmou que "em razão da paralisação, a Secretaria de Transportes e Trânsito de Guarulhos autorizou - com base no Decreto 21.675/2002 - as lotações devidamente regularizadas a operarem durante todo o dia, sem restrição de horários. Os táxis comuns poderão levar passageiros pelo sistema de lotação, mediante pagamento de tarifa no valor correspondente ao cobrado no transporte coletivo. A Secretaria de Transportes e Trânsito de Guarulhos informa que essas medidas valerão enquanto durar a paralisação.

Lotações estão liberadas
Em nota, a Prefeitura de Guarulhos afirmou que "em razão da paralisação, a Secretaria de Transportes e Trânsito de Guarulhos autorizou as lotações devidamente regularizadas a operarem durante todo o dia, sem restrição de horários. Os táxis comuns poderão levar passageiros pelo sistema de lotação, mediante pagamento de tarifa no valor correspondente ao cobrado no transporte coletivo. A Secretaria de Transportes e Trânsito de Guarulhos informa que essas medidas valerão enquanto durar a paralisação.

READ MORE - Greve de ônibus afeta 1,3 milhão de pessoas em Guarulhos e Arujá

Idosos têm direito a cartão eletrônico para transporte coletivo gratuito em Taubaté


Munícipes com mais de 60 anos poderão utilizar o transporte público com um cartão eletrônico, similar ao utilizado pelos demais passageiros. A informação foi prestada pelo prefeito Roberto Peixoto em resposta ao questionamento do vereador Rodson Lima (PP) sobre a possibilidade regularizar um cartão para os idosos.
Rodson esclarece que, com a informação do prefeito, os idosos, a partir de agora, não terão mais problemas com a falta de vagas nos circulares.
“Eu presenciei, inúmeras vezes, munícipes com mais de 60 anos no transporte coletivo, muitas vezes sem lugar para sentar, correndo o risco de se acidentar durante o percurso”, disse o vereador.
Com o cartão, o idoso poderá passar pela catraca, sem custo algum, e procurar por lugares vagos ao longo do veículo. Para fazer a emissão do cartão eletrônico, é preciso ter mais de 60 anos e comparecer à concessionária do transporte coletivo portando documentos pessoais e cópias, além de um comprovante de endereço.

Fonte: Diário de Taubaté
READ MORE - Idosos têm direito a cartão eletrônico para transporte coletivo gratuito em Taubaté

Lentidão marca trânsito de Curitiba


“Cada vez mais complicado”. É dessa forma que o motorista Ezequiel Pereira define o trânsito de Curitiba - e não são poucos os que compartilham sua opinião. Com um número cada vez maior de carros particulares circulando, o curitibano enfrenta lentidão e estresse, principalmente nos trechos centrais, como nas avenidas Iguaçu, Silva Jardim e Visconde de Guarapuava. Atualmente, a lentidão se concentra também na região das obras viárias realizadas pela Prefeitura.
Os horários de maior movimento são das 7h às 9h e das 17h às 19h. Taxista há 32 anos, Antônio Santana conta que nesse período é freqüente a reclamação dos clientes por causa da demora no atendimento. Sobre o aumento no fluxo de veículos em relação aos anos anteriores, Santana brinca: “Pode multiplicar, dá uns 1000%”.
Alguns preferem deixar o carro na garagem e utilizar outros meios de transporte. É o caso do estudante Victor Pereira Mendes da Silva. “Vou à universidade a pé, pois além de morar perto, evito congestionamentos”, afirma. Diante dessa situação, uma questão vem à tona: em horário de pico, no Centro de Curitiba, anda mais rápido quem está de carro ou quem está a pé?

Trânsito em xeque
Para responder a essa pergunta, o Comunicação fez um teste. Pedimos ao Victor Pereira para que percorresse o trecho entre a Praça Santos de Andrade até a Praça Rui Barbosa, de carro. Enquanto isso, a repórter percorreu o mesmo trecho, mas a pé.
Às 18h35, ambos saíram da Praça Santos de Andrade. A primeira a chegar ao local combinado foi a repórter, às 18h50. Dez minutos depois, às 19h, Victor chegou. “Demorei um pouco para estacionar”, justifica. Nesse horário, encontrar uma vaga na rua também é um desafio – se não quiser perder alguns bons minutos procurando, melhor pagar por uma em um estacionamento.
O trajeto demarcado é curto e, em geral, bastante rápido. No entanto, custaram 25 minutos ao motorista. Ainda assim, Victor Pereira afirma: “Hoje achei o trânsito mais tranqüilo”.

Em busca de novos caminhos
Em 2007, a frota de carros na capital paranaense era de 1 milhão 835 mil e 819 veículos (1.835.819). Ao longo dos anos, o crescimento varia em torno dos 7%, segundo a Assessoria de Comunicação da Diretran (Diretoria de Trânsito da Urbanização de Curitiba). Para o professor de Urbanismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Pedro Akishino, o número de veículos circulando na cidade não é grande. “Assim parece porque não há estrutura adequada para acomodar o trânsito. Nunca foi realizado um Planejamento de Transportes nessa cidade”, afirma. O professor também explica que, a esta altura, solucionar o problema é difícil e custa caro.
Uma das grandes apostas da Prefeitura para melhorar o trânsito é o incentivo ao uso do transporte coletivo. Projetos como da Linha Verde e a criação dos ligeirões pretendem melhorar a qualidade do serviço e reduzir o uso dos carros particulares. “Na medida em que as pessoas não abdicam de andar de carro, estacionar em frente da escola dos filhos ou do trabalho, em detrimento do transporte coletivo, as coisas ficam realmente difíceis”, afirma a Diretran.
A Urbs, em parceria com o Instituto de Planejamento e Pesquisa de Curitiba (Ippuc), também prevê a criação de um projeto de mobilidade urbana para bicicletas. De acordo com a Diretran, não há planos para medidas drásticas, como o pedágio urbano.

Fonte: Comunicação online
READ MORE - Lentidão marca trânsito de Curitiba

Teresina: Padronização de ônibus na capital já atinge 22 veículos


Consistindo no primeiro passo para a concretização do Plano Diretor de Trânsito que será executado pela Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) nos próximos anos, a padronização dos ônibus coletivos já é uma realidade na capital.

Embora tímida, a uniformização dos transportes coletivos deverá ser feita à medida que as empresas forem adquirindo novos carros. Até o momento, dois ônibus já circulam pela capital com as modificações acordadas, entretanto, segundo a Strans, 20 novos veículos já foram adquiridos e devem começar a rodar pelas ruas de Teresina dentro de pouco tempo.

De acordo com a diretora de transportes públicos da Strans, Alzenir Porto, através do processo de padronização todos os ônibus adotarão a cor verde, mudando apenas a cor do painel frontal, que vai depender da zona pela qual o ônibus faz linha, além da logomarca com a Ponte do Sesquicentenário.

“Com uma coloração padrão, as pessoas poderão identificar facilmente o ônibus que a levará para a zona desejada, sendo que a medida vai beneficiar principalmente aquelas pessoas que tem dificuldades com a leitura, já que os transportes também serão diferenciados por números simples. De agora em diante será o transporte público de Teresina”, esclarece.

Sem data prevista para término do procedimento de padronização, Alzenir ressalta que as empresas não serão obrigadas a aderir às mudanças imediatamente. “Pois entendemos que os custos são um pouco elevados para tal procedimento, mas como cada veículo tem uma vida útil determinada, assim que esta acabar a empresa terá que se adequar as novas normas”, argumenta Alzenir Porto, acrescentando que por meio da uniformização de cores o órgão poderá prestar mais atenção na conservação visual dos veículos.

“Como cada um tem uma coloração diferenciada não dá para comparar o estado de conservação dos veículos de cada empresa”, completa.

Fonte: Portal o Dia
READ MORE - Teresina: Padronização de ônibus na capital já atinge 22 veículos

Greve no transporte urbano continua em Uberlândia


A greve do transporte coletivo em Uberlândia chega ao terceiro dia sem acordo entre funcionários e empresas e com muitos transtornos à população. Ontem, a desembargadora Emília Facchini, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), deferiu o pedido de liminar do Ministério Público do Trabalho determinando a manutenção mínima de 50% da frota sob pena demulta diária de R$ 100 mil.
A cota mínima, no entanto, não foi cumprida. Segundo a Secretaria Municipal de Comunicação, a frota em circulação no fim da tarde de ontem era de 45,5%. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte de Uberlândia (Sindtran), Célio Moreira, disse que não foi informado da decisão da Justiça. “Não recebi nada por enquanto. Quando receber a notificação oficial cumpriremos. Voltaremos com 100% da frota, mas rodaremos sem cobrar tarifa”, disse.
Hoje à tarde, será realizada na Justiça do Trabalho uma audiência de conciliação entre o Sindtran e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Triângulo Mineiro (Sindett).
A desembargadora Emília Facchini delegou à juíza diretora do Foro de Uberlândia, Érica Aparecida Pires Bessa, a distribuição dos dissídios coletivos a um dos juízes das Varas do Trabalho do município. O juiz instrutor terá competência também para alterar ou revogar os termos da liminar deferida pelo TRT, após se inteirar dos fatos e circunstâncias que envolvem o movimento.
O presidente do Sindett, José Luiz Rissato, disse que espera resolver a situação na negociação que será feita hoje. “É uma audiência com perfil diferente, com a presença do juiz, por isso esperamos que o problema se resolva”, disse. O presidente do Sindtran também espera um acordo. “Desde que eles devolvam nossos direitos, negociaremos. Se der certo, voltaremos ao trabalho de imediato”, afirmou.”
  • Passageiro espera quase duas horas no ponto
    No segundo dia consecutivo, os passageiros que dependem do transporte coletivo em Uberlândia sofreram com atrasos em diferentes linhas. Muitos buscaram transportes alternativos como vans, mototáxi ou caronas de amigos ou parentes para chegar ao trabalho.
    Por volta das 7h30, os pontos de ônibus dos bairros mais distantes do Centro, como o Morumbi, estavam lotados de passageiros. O armador Givaldo Souza da Silva chegou ao ponto às 5h40. Após uma hora e cinquenta minutos de espera, nenhum ônibus havia aparecido para levá-lo ao trabalho. “Na segunda-feira, perdi o dia de serviço. Hoje (terça), esperarei até que passe algum ônibus. Além desse, ainda tenho que pegar outro ônibus no Terminal Central para chegar à empresa, não sei a que horas vou conseguir passar o cartão de ponto”, disse.
    O servente de pedreiro Cleussivan Conceição dos Santos esperava que o episódio do primeiro dia de greve não se repetisse ao fim do dia de ontem. Na segunda-feira, ele voltou a pé para casa depois de um dia inteiro de trabalho. “Levei quase duas horas para percorrer o trajeto entre os bairros Santa Luzia e Alvorada. Tomara que tenha ônibus no fim do dia.”
    O CORREIO de Uberlândia percorreu outros bairros da cidade como Luizote, Mansour, São Jorge, Granada e Jardim Botânico. Nesses locais havia circulação de ônibus, porém fora do horário de costume dos passageiros. A técnica de enfermagem Maria Aparecida Teixeira percebeu a movimentação dos coletivos e decidiu sair de casa no horário normal. “Vim para o ponto no horário de sempre e acredito que não terei problemas para chegar ao trabalho.”

Empresas de vans lucram com a paralisação
Acostumado a fazer viagens noturnas para levar e buscar funcionários de duas grandes empresas de Uberlândia, João Batista Alves Malta, proprietário de uma agência de transporte, teve que dobrar a frota de veículos nesse período de greve para atender também à demanda diurna. “Temos uma frota de 16 vans, mas outras 26 à disposição para emergências como esta. Todos os horários foram contratados. Há casos em que temos que fazer duas viagens para garantir a ida e a volta dos funcionários.”

  • Clandestinidade
    O transporte alternativo de vans também passou a funcionar em Uberlândia neste período de greve. Roberto Soares Ferreira que faz frete em Uberlândia e cidades vizinhas abandonou a atividade para se dedicar ao transporte de passageiros no período grevista. Segundo constatou a reportagem, o motorista transportava passageiros do bairro Morumbi para a praça Tubal Vilela, no Centro.
    Os passageiros eram pegos em pontos de ônibus. “O preço da viagem é o mesmo do ônibus, mas dá para tirar um dinheiro extra no fim do dia”, disse Roberto Soares. O motorista começou a trabalhar às 5h e, por volta de 7h30, disse que já havia feito pelo menos quatro viagens da zona leste para o Centro da cidade. Em cada uma levou, em média, 12 passageiros.

Motoristas registram boletim de ocorrência
Na tentativa de convencer outros funcionários da empresa São Miguel a aderir à greve, o motorista Marcos Henrique Nascimento disse que sofreu agressões do superior imediato. “Conversava com os colegas de trabalho quando o gerente da empresa chegou e me empurrou contra o chão. Saí e fui direto à 16ª Delegacia Regional de Polícia Civil registrar o ocorrido.” Além de Marcos, o motorista Jean Carlos Parreira de Almeida da empresa Sorriso de Minas também registrou boletim de ocorrência contra o segurança da empresa. “Ele tentou me tirar à força da empresa sendo que sou funcionário e tenho acesso ao local. Fui agredido e por isso o ato foi registrado.”
O gerente da empresa São Miguel, Miguel Carlos Soares, informou que a atitude foi fruto da tensão gerada pela greve e disse que a situação foi pacificada logo após o mal entendido.
O assessor de comunicação da empresa Sorriso, Noel Arantes, informou que, até a tarde de ontem, a empresa não teve conhecimento do fato.

READ MORE - Greve no transporte urbano continua em Uberlândia

Mauá pode fazer contrato emergencial para o transporte


De acordo com Secretaria de Mobilidade Urbana, transporte é o segundo maior alvo de reclamações.

O secretário de Mobilidade Urbana de Mauá, Renato Moreira dos Santos, afirmou nesta terça-feira (17/02) que poderá fazer um contrato emergencial para operação do transporte coletivo da cidade. A medida será tomada caso a Justiça não se manifeste em breve sobre a licitação do transporte, paralisada desde 2008. Atualmente, a exploração do transporte em Mauá é feita pelas viações Barão de Mauá e Januária.

“A população não pode ficar refém de um transporte sem garantias. Sem licitação, a empresa operante não tem nem direitos nem compromissos” explica Santos. De acordo com o secretário, depois da área da saúde, o transporte público é o maior alvo das reclamações dos munícipes. Representantes da Administração irão se reunir na próxima semana para discutir o assunto.

“Independente do que a Justiça nos disser, vamos mudar a maneira como funciona o transporte, porque está provado que como funciona hoje, é insuficiente” ressaltou o secretário. Em 1996, o então prefeito de Mauá, José Carlos Grecco, que estava no fim do mandato, autorizou por decreto que as empresas Viação Barão de Mauá e Viação Januária explorassem por dez anos o transporte público da cidade.

Em 2006, o Ministério Público exigiu que novas licitações fossem abertas, mas o projeto enviado a Câmara dos Vereadores pelo ex-prefeito Leonel Damo (PV) também garantiu que as empresas de Baltazar de Souza continuassem a funcionar. As licitações que estão sob judici foram feitas em 2008 e dois lotes foram abertos.

As empresas Viação Leblon, Viação Cidade de Mauá, Trans Mauá, Estrela de Mauá e Rápido São Paulo pleiteiam a concorrência. Mauá possui uma frota de 170 veículos, que atendem a 3 milhões de passageiros, e fazem 6 mil viagens por dia.

Fonte: Mauavirtual.com
READ MORE - Mauá pode fazer contrato emergencial para o transporte

Segunda semana de mobilização contra o aumento da Tarifa em Florianópolis


As manifestações de estudantes, trabalhadores/as e moradores/as e das comunidades de Florianópolis contra o o aumento de 7,3 % nas tarifas de ônibus entram na segunda semana exigindo um transporte público que atenda os interesses da população.
Na quinta-feira passada, dia 13 de maio, foi realizado um grande ato que contou com participação de cerca de 6 mil pessoas que exigiram a redução imediata da tarifa e a mudança no sistema de transporte coletivo de Florianópolis.
As planilhas de custos do transporte coletivo de Florianópolis foram obtidas na tarde de quinta-feira após ativistas permanecerem 6 horas acorrentados, mas alguns valores estão faltando, graças a força de um decreto da prefeitura que concede aos proprietários da empresas de transporte coletivo o direito na justiça de omitir das planilhas o pro labore ( valor pago aos sócios da empresa).

Fonte: CMI Brasil
READ MORE - Segunda semana de mobilização contra o aumento da Tarifa em Florianópolis

Salvador: Greve à vista, Rodoviários fazem assembleia nesta quarta-feira


A população soteropolitana deve se preparar para, mais uma vez, ficar sem o sistema de transporte coletivo nas primeiras horas da manhã. Nesta quarta-feira (19), os rodoviários realizam uma nova assembleia nas garagens das empresas de ônibus para discutir o reajuste salarial de 16,4% e outras reivindicações, como o aumento do ticket refeição e o pagamento de horas extra.
De acordo com o Sindicato dos Rodoviários, a assembleia será realizada nas garagens de várias empresas de transporte entre as 4h e 8h. A saída dos ônibus será atrasada em virtude do movimento. A expectativa é de que o sistema de transporte urbano de Salvador volte à normalidade gradualmente a partir das 8h30, assim como ocorreu na última assembleia, realizada no dia 30 de abril, esta promovida de forma relâmpago, sem o conhecimento prévio da população.
A assembleia será realizada nas garagens das empresas Transol, União, Joevanza, Vitral, BTU Iguatemi, Verdemar e Rio Vermelho. Empresas de transporte intermunicipal e empresas de fretamento.
Uma nova assembleia deve ser realizada na quinta-feira (20), às 9h e às 15h, na sede do Sinergia, no bairro da Sete Portas. Segundo a assessoria de imprensa do Sindicato dos Rodoviários, uma possível greve será discutida nesta ocasião.

Fonte: Tribuna da Bahia
READ MORE - Salvador: Greve à vista, Rodoviários fazem assembleia nesta quarta-feira

Transporte coletivo de São Carlos ganha 12 novos ônibus


A Prefeitura de São Carlos e a empresa concessionária do transporte coletivo urbano entregaram 12 novos ônibus – todos adaptados para cadeirantes – na manhã desta quinta-feira (12). O prefeito Oswaldo Barba (PT) fez questão de participar do evento.Os novos veículos entram em operação nesta sexta-feira em 11 linhas.

Todos possuem capacidade para 41 passageiros e acesso exclusivo para cadeira de rodas com plataforma e elevador. Além desses ônibus, a empresa continuará mantendo quatro micro-ônibus que atendem portadores de necessidades especiais com horário marcado.

Com a aquisição desses ônibus São Carlos atende a legislação federal, Decreto nº 5.296/2004, que determina que até o ano de 2014 toda a frota nacional deverá ser adaptada para atender os deficientes. “São Carlos se adianta em cinco anos a essa legislação”, ressalta o secretário de Transporte da Prefeitura de São Carlos.

Nilson Carneiro disse que os novos ônibus trarão um benefício muito grande, tanto para o sistema como para os usuários, uma vez que a probabilidade de quebra do veículo diminui e isso melhora o desempenho do Sistema Integrado de Transporte de São Carlos (Sitrans).

O presidente da Athenas Paulista, Miguel Cimatti, destaca que com a aquisição dos novos ônibus a empresa cumpre mais uma etapa do contrato que prevê a constante renovação de frota.

Os novos ônibus serão utilizados nas seguintes linhas:
Linha 0478: Vila São José x Redenção - Via Praça Itália
Linha 1111: Circular
Linha 3568: Jockey Clube x Centro Comunitário
Linha 2452: Azulville x Santa Casa
Linha 3379: Vila Jacobucci x Cruzeiro Do Sul
Linha 3479: Jardim São Rafael x Volkswagen
Linha 3869: Santa Felicia x Jardim Gonzaga - Via Estação Norte
Linha 4656: Jardim Novo Horizonte x Santa Felicia - Via Santa Casa
Linha 5367: Jardim Clube x Maria Stella Fagá - Via Estação Norte Ufscar-USE
Linha 5476: Santa Felicia x Maria Stella Fagá - Via Santa Casa/Vila Nery
Linha 5596: Antenor Garcia x Santa Felicia - Via Shopping

Fonte: São Carlos Dia e Noite
READ MORE - Transporte coletivo de São Carlos ganha 12 novos ônibus

Em Marília, Circular protocola novo pedido de aumento e agora quer R$ 2,50


Novamente na surdina em meio a uma negociação salarial, a direção da Circular protocolou sexta-feira passada, às 9h21, na prefeitura, novo pedido de reajuste para a tarifa de ônibus. No ofício, a empresa pede aumento da passagem para R$ 2,50.
Se aprovado o reajuste vai representar aumento médio de 20% em relação ao preço atual que é de R$ 2,10. A decisão final é do prefeito Mário Bulgareli após análise da gerência de trânsito.
A planilha de custos anexada ao pedido é a mesma que a gerência fez ano passado, com data de 30 de junho.
Nela o valor apresentado é menor e fica em R$ 2,4615. No texto principal a empresa pede ainda “urgência” na análise e diz esperar uma “remuneração justa pelos serviços prestados”.
Há duas semanas, o Tribunal de Justiça cassou liminar que autorizava a passagem a R$ 2,30, preço que foi cobrado por quase cinco meses dos usuários.
O novo pedido de aumento da passagem de ônibus pegou novamente a população de surpresa, que se queixa do valor.

Para a farmacêutica Joana Simões, 22, o aumento é abusivo. “Discordo totalmente. O valor de R$ 2,10 já não condiz com os serviços que a Circular presta. Acho que R$ 2,50 será um total desrespeito com o usuário”.
O desempregado Raiden Gustavo da Silva, 23, também não aprova o pedido de reajuste. “De jeito nenhum. Os trechos que a Circular percorre são curtos e não valem a tarifa que já cobram. É fora da realidade o que estão pedindo”.
Segundo o presidente do SAF (Sistema Auxiliar de Fiscalização), Antonio Carlos da Silva, após o pedido de reajuste e análise da Emdurb os dois preços serão colocados em votação no conselho. Isso deve levar aproximadamente 25 dias.
Depois o resultado é encaminhado ao prefeito Bulgareli, que é quem decide se dá ou não o reajuste.

Fonte: Jornal Diário
READ MORE - Em Marília, Circular protocola novo pedido de aumento e agora quer R$ 2,50

Justiça suspende o aumento das passagens de ônibus em Teresina


O pedido de liminar suspendendo os efeitos de qualquer decreto municipal ou outro ato normativo que tenha autorizado aumento da tarifa de transporte coletivo urbano em Teresina, foi deferido agora hoje (18), em sua totalidade, pelo juiz da 1ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública, Dr. Oton Mário José Lustosa Torres.

O pedido foi feito pelo Ministério Público Estadual através do promotor de Justiça, Fernando Ferreira dos Santos. O pedido de liminar do promotor questionou a Strans se havia estudos em andamento para a majoração dos preços das passagens dos transportes coletivos, como a planilha foi elaborada em pouco mais de 20 dias e se o lucro das empresas de ônibus faz parte da planilha.

Em sua decisão, o juiz determina a suspensão imediata da cobrança de R$ 1,90 e o retorno do preço de R$ 1,75 para a tarifa, e a apresentação da planilha de custos que embasou o reajuste, além de dados relativos à administração, contabilidade, recursos técnicos, econômicos e financeiros das empresas de ônibus, bem como a margem de lucro das mesmas e se elas ganham com contratos de publicidade nos veículos.

Desde sábado, dia 15, o preço das passagens de ônibus passou de R$ 1,75 para R$ 1,90. O reajuste aconteceu sem qualquer aviso prévio do SETUT (Sindicato das Empresas do Transporte Urbano) ou da PMT (Prefeitura Municipal de Teresina) e gerou revolta por parte da população.

Fonte: GP1.com
READ MORE - Justiça suspende o aumento das passagens de ônibus em Teresina

João Pessoa tem a menor tarifa de ônibus entre 22 capitais e DF


O pessoense paga a menor tarifa de ônibus entre 22 capitais brasileiras e mais o Distrito Federal. O valor da passagem dos coletivos só é menor em Teresina (PI), São Luís (MA), que a idade da frota é de 7,5 anos, e Fortaleza (CE), onde a tarifa é subsidiada, ou seja, conta com incentivos do município e estado. Em Rio Branco (AC) o valor pago pelos usuários dos ônibus é igual ao cobrado em João Pessoa, que é de R$ 1,90.
A gestão municipal pessoense, segundo destacou a superintendente da STTrans, Laura Farias, conseguiu equilibrar o sistema de transporte coletivo e sempre concede o aumento mediante assinatura de termos de compromisso, onde as empresas assumem a obrigação de promover melhorias no sistema. “Uma das principais preocupações da atual gestão foi promover a renovação da frota de ônibus de João Pessoa, isso para proporcionar um serviço de qualidade à população, que passou a contar com veículos mais novos e com maior acessibilidade”, disse.
Segundo a superintendente, um aspecto que deve ser levado em consideração é que hoje João Pessoa possui a frota mais nova de ônibus entre 18 capitais brasileiras e o Distrito Federal. “A média de idade dos coletivos de João Pessoa é de 3,8 anos, ficando abaixo da média nacional que é de 5,5 anos”, destacou. Para o pessoense, a vantagem da baixa idade da frota de seus ônibus reflete na melhor acessibilidade aos passageiros, como portas mais largas, cadeiras diferenciadas, destinadas a gestantes e obesos, corrimões especiais para deficientes visuais e sinal de parada com escrita em braile, além de dispositivo que só possibilita a partida após o fechamento das portas.
Em Fortaleza, o preço da passagem é subsidiada, ou seja, conta com o dinheiro público por parte da Prefeitura Municipal e do Governo do Estado. Neste caso é a população quem acaba pagando essa diferença no valor da tarifa, pois o subsídio é feito com dinheiro do contribuinte. Em 2006, a gestão daquele município reduziu o Imposto sobre Serviços (ISS) das empresas de ônibus pela metade, de 4% para 2%, e extinguiu a taxa de gerenciamento do serviço. Dois anos depois o governo estadual reduziu de 17% para 8,5% o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Já em Recife o valor da tarifa varia de acordo com a distância percorrida. A cidade foi dividida em quatro anéis, por isso, no município vigoram quatro tarifas diferentes, que são R$ 1,20, R$ 1,85, R$ 2,25 e R$ 2,80.
Nova Tarifa – Desde o último dia 4 passou a vigorar uma nova tarifa em João Pessoa. O valor da passagem de ônibus sofreu um reajuste de 5,5%, saindo de R$ 1,80 para R$ 1,90. Para se chegar ao novo valor foram levados em consideração dados operacionais, os custos do sistema e o índice de passageiro equivalentes do sistema. Outro aspecto considerado na hora de calcular o reajuste foi o Termo de Compromisso, celebrado entre a STTrans e as empresas operadoras do sistema de transportes públicos. Nele, Poder Público e empresas se comprometem a promover melhorias para os usuários de transportes coletivos.
No termo, as empresas operadoras se comprometeram a adquirir, no mínimo, 70 ônibus novos, todos adaptados para facilitar o acesso ao seu interior das pessoas com necessidades especiais, implantar 150 abrigos em paradas de ônibus e colocar piso nos que ainda não o possui, além de financiar o desenvolvimento de estudos e projetos para a implantação de um sistema BRT (Bus Rapid Transit, que em Português significa ônibus em trânsito rápido) envolvendo a área central e a avenida Epitácio Pessoa.

Preços da passagem nas capitais brasileiras:
Fonte: Redação com Secom/JP
READ MORE - João Pessoa tem a menor tarifa de ônibus entre 22 capitais e DF

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960