Recife: Corredor Leste-Oeste da Conde da Boa Vista já está deteriorado

sábado, 30 de maio de 2009

Há pouco mais de um ano de inaugurado pela Prefeitura do Recife (PCR), parte do Corredor Leste-Oeste, que compreende a avenida Conde da Boa Vista, apresenta sinais evidentes de desgaste precoce. E não precisa ser um especialista para poder identificar os problemas. Na maioria das 20 paradas de ônibus existentes entre a via e a praça do Derby, é comum ver pichações, lixos espalhados, plataformas de embarque/desembarque e iluminação danificadas. Isso é só o começo. Parte do calçamento, que foi construído - seguindo normas de acessibilidade - apresentam desnivelamento e até buracos, trazendo riscos de acidentes para os pedestres que transitam pela área.
Quem passa de carro pela avenida ‘pratica’ exercícios de paciência. Só existe uma única faixa para veículos. O projeto custou R$ 14,7 milhões e foi realizado num prazo de 15 meses. A prefeitura informou que iniciou, na última semana, serviços de manutenção na estrutura do corredor de ônibus da avenida Conde da Boa Vista. Segundo nota enviada, estão sendo investidos R$ 17 mil nos primeiros meses deste ano, em reparos e reposição de material no corredor, a exemplo de gradil, aparelhos de iluminação pública, drenagem, lixeiras, entre outros.
Quanto ao conserto do piso da via, as ações estão acontecendo nas imediações das ruas da Aurora e Padre Inglês. Ainda de acordo com o documento, no ano passado foram gastos R$ 28 mil na manutenção do patrimônio.
A limpeza da avenida é feita seis vezes ao dia e a coleta de lixo é realizada diariamente, à noite, segundo nota enviada pelo órgão. Em relação ao largura das paradas de ônibus, a PCR informou “que foram construídas priorizando os critérios de conforto e acessibilidade, com 2,50 metros de largura e elevação de 30 centímetros para facilitar o embarque e desembarque dos passageiros”.

READ MORE - Recife: Corredor Leste-Oeste da Conde da Boa Vista já está deteriorado

Excesso de multas demonstra despreparo de motoristas de ônibus do Rio


Um dos cenários mais caóticos do trânsito no Rio é a Avenida Brasil, via expressa de quase 60 quilômetros de extensão que corta 28 bairros da cidade, da Zona Oeste ao Centro. Se esse corredor onde 250 veículos passam diariamente tem donos, eles são, sem dúvida, os motoristas de ônibus.
O atropelamento e a morte de um menino no Méier, no súburbio, e de um guarda municipal, no Centro, deixaram os profissionais do volante numa situação desconfortável, a ponto de a prefeitura do Rio determinar, em decreto, que eles passem por treinamento. Para agravar as críticas, o Detran-RJ divulgou dados mostrando que os motoristas correm demais e são multados, em média, 11 vezes por hora.

30% das multas por excesso de velocidade
Seja em eixo como a saída da Ilha do Governador, em frente ao conjunto de favelas de Maré, em Bonsucesso, ou nas proximidades da Rodoviária Novo Rio, onde desce a maior parte dos passageiros que saem da Zona Oeste, o tumulto é constante. Nesses trechos, os agentes de trânsito da prefeitura, com cones ou coletes refletivos, tentam evitar que os motoristas de ônibus parem em filas duplas ou atravessem as pistas. Nem sempre conseguem.

As infrações não param de crescer. De acordo com levantamento do Detran-RJ, de janeiro a abril deste ano foram aplicadas quase 32 mil multas contra motoristas de ônibus. Em média, 11 por hora; 30% delas por excesso de velocidade. De acordo ainda com o órgão, em 2008 foram 165.855 infrações. Destas, 37.447 foram por excesso de velocidade. Os que desobedeceram o sinal vermelho somaram 27.726.Depois que duas pessoas morreram atropeladas, em uma semana, o prefeito Eduardo Paes decidiu baixar um decreto que determina maior rigidez das empresas de ônibus na formação dos motoristas. Uma das vítimas foi um menino de quatro anos, atingido na segunda-feira (25) quando caminhava com a mãe em uma calçada no Méier, na Zona Norte. Na semana passada, o guarda municipal André Luiz Cruz morreu ao ser atropelado por um ônibus na Praça da República, no Centro, próximo à esquina com a Avenida Presidente Vargas, quando tentava parar o trânsito para a passagem de uma ambulância.

Prefeitura determina treinamento dos motoristas
O texto do decreto nº. 30752, do dia 26, comprova a realidade trágica: “O alto índice de acidentes de trânsito envolvendo veículos de transporte coletivo na cidade levou a Prefeitura do Rio a determinar (...) que seja providenciado o aprimoramento dos motoristas de ônibus e demais auxiliares de transporte coletivo do município.” Segundo o vice-presidente da Rio Ônibus, Octacílio Monteiro, que representa 47 empresas de ônibus na cidade, o que corresponde a 18 mil motoristas, “essas ocorrências acontecem e, infelizmente, maculam todo o trabalho que a gente faz para aprimorar o profissional”. Octacílio afirma que os veículos possuem tacógrafos para monitorar os motoristas e conter os excessos de velocidade. “Quando desobedecem, eles são chamados para uma outra reciclagem. Mas, em caso de reincidência, podem ser demitidos”. Ele acredita, no entanto, que “a pressão do trânsito, muitas vezes, contribui para os avanços de sinal”, mas nega que as empresas imponham um tempo mínimo para que eles cumpram o trajeto das linhas. “O que elas exigem é que parem em todos os pontos”. O dirigente admite que os últimos acontecimentos exigem uma reflexão para a melhoria dos serviços. “São danos material e moral que recaem sobre as empresas. Vamos discutir para orientar melhor os motoristas”, afirma. Octacílio diz ainda que os cursos de reciclagem e aprimoramento oferecidos aos motoristas abordam temas como noções de legislação, ética, cidadania, sinalização, relações humanas, medidas de segurança no trânsito, primeiros socorros, entre outros. Mas a participação é voluntária.
READ MORE - Excesso de multas demonstra despreparo de motoristas de ônibus do Rio

O estresse, a imprudência e a falta de monitoramento dos motoristas de ônibus no Rio


O gravíssimo acidente de trânsito ocorrido na manhã desta quinta-feira (28/05), em Duque de Caxias, município do estado do Rio de Janeiro, envolvendo a colisão entre dois ônibus e resultando na morte de dois passageiros e de cerca de 50 feridos, vem se tornando uma trágica rotina em vias urbanas. É preciso, pois, o quanto antes, discutir, com seriedade e profundidade, a grave questão do comportamento de motoristas de ônibus no Rio de Janeiro e os consequentes episódios de envolvimento em violência no trânsito.
Boa parte de condutores de ônibus têm o mesmo perfil dos demais motoristas no trânsito: são imprudentes, agressivos e, sobretudo, estressados em razão até da própria natureza da desgante função. O número excessivo de multas por infrações de trânsito, no primeiro quadrimestre do corrente ano, envolvendo motoristas de ônibus no estado do Rio de Janeiro - acima de 30 mil - é um indicador de que algo precisa ser feito para modificar o preocupante sintoma de mau comportamento ao volante.
Há que se ter em mente que motoristas de ônibus transportam, diariamente, milhões de vidas humanas e a vida humana é o maior bem jurídico tutelado. Alguns não têm o devido conhecimento da relevância e dos cuidados da função. Ou seja, o condutor de um ônibus precisa, portanto, além de capacidade e qualificação profissional, estar em perfeitas condições físicas e psicológicas para o desempenho da importante função social. A vida de inúmeros passageiros está, durante o trajeto, sob a sua responsabiidade. Um ato falho e vidas humanas estarão sob perigo.
Não basta qualificar profissonalmente. As empresas de ônibus precisam urgentemente criar mecanismos de monitorameto 'in loco'. É necessário investir no setor de recursos humanos. Ou seja, supervisionar, reservadamente, sem identificação do supervisor, os motoristas durante os trajetos de viagens, observando o comportamento de tais profissionais, elaborando relatórios circunstanciados a respeito, além do acompanhamento permanente sobre as reais condições físicas e psicológicas de cada condutor antes de assumirem a direção dos veículos.
Se observarmos, por exemplo, que cerca de 10% da população brasileira sofre de hipertensão arterial e que neste universo se inclui um percentual de condutores de ônibus, chegaremos à preocupante conclusão que estamos diante de verdadeiros homens-bomba na condução de transporte coletivo, em rodovias e vias urbanas, tanto no transporte municipal quanto no intermunicipal e estadual. E as empresas de ônibus, têm real ciência disso? Quantos de nós adquirimos doenças crônicas e desconhecemos que somos portadores de determinado mal?
O melhor investimento é em recursos humanos. Quantos condurores de veículos são portadores de diabetes, doenças cardíacas, alcoolismo, com possíveis reflexos no ato de conduzir um veículo? Por mais que constitua um ítem de despesa no orçamento de uma empresa, o setor de recursos humanos é a sua espinha dorsal. O mais lamentável gasto de uma empresa é com os acidentes. Melhor então investir na prevenção. Um acidente de ônibus, por mais que existam os seguros dos veículos, causa perdas de preciosas vidas, graves lesões, mutilações, afastamentos parciais e definitivos do trabalho, indenizações, despesas médico-hospitalares, processos criminais, danos aos veículos e às vias públicas.
É preciso, pois, mais do que nunca, investir no profissional de transporte coletivo. É preciso que antes de assumir o volante de um ônibus, como um piloto de avião, o profissional tenha consciência de que transporta o mais precioso bem: a vida humana. No entanto, para que tal fato ocorra, é também preciso valorizá-lo profissionalmente em todos os sentidos, tanto com relação a salários dignos como dotá-lo de todo acompanhamento comportamental, médico e psicológico.
"Todo condutor de veículo deverá, a todo momento, ter o domínio de seu veículo, dirigindo-o com atençao e os cuidados indispensáveis à segurança de trânsito". Está expresso no Artigo 28 do Código e Trânsito Brasileiro. Cumpra-se.
READ MORE - O estresse, a imprudência e a falta de monitoramento dos motoristas de ônibus no Rio

BH: Ônibus da Região Metropolitana ganham nova pintura

Parte da frota de 2,4 mil ônibus que fazem o transporte público na Região Metropolitana de Belo Horizonte, já começou a circular com um novo layout, na parte externa. Nesta sexta-feira, foram apresentados os primeiros dez veículos de um total de 145 já adquiridos pelas empresas permissionárias, com nova pintura na parte externa dos veículos, cujo objetivo é facilitar a identificação à distância pelos usuários e assim oferecer um melhor nível de conforto. “Esta é mais uma evolução do sistema de transporte público da Região Metropolitana, que já começou a ser reestruturado. Já implantamos a bilhetagem eletrônica, criamos mais de 40 novas linhas e reorganizamos o sistema. Ainda temos muito que melhorar, mas já avançamos bastante”, disse o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Fuad Noman. Estes novos veículos possuem elevadores para acesso aos portadores de necessidades especiais, balaustres na cor apropriada para portadores de deficiência visual e piso antiderrapante para os usuários de cadeiras de rodas. A frota metropolitana, com aproximadamente 2,4 mil veículos, tem idade média de 4,2 anos, terá até dezembro de 2010 para se adequar ao novo modelo. “Serão gastos R$ 6 mil na pintura de cada ônibus. Além disso, renovaremos 12% da frota anualmente”, informou o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano, Sintran, Rubens Lessa.
Padrões
Veículos têm piso antiderrapante e cores vivas no interior
Dentre as cores escolhidas, foram utilizadas tonalidades vivas e vibrantes com a estampa do novo Centro Administrativo nas laterais dos veículos, demonstrando a importância do projeto como referência na evolução do Estado.
A cor vermelha é predominante para a maioria dos veículos do Sistema Metropolitano, que fazem a ligação da área central de Belo Horizonte com os demais municípios da Grande BH, podendo ou não passar por um terminal de integração ou por uma estação ponto, a serem construídos.
Os veículos de cor azul são aqueles que fazem a ligação entre os municípios da Grande BH, sem passar pela área central de Belo Horizonte.
E a cor laranja será para os veículos que fazem também a ligação entre municípios da Grande BH, sem acessar a área central da capital, mas que possuem como destino ou origem os terminais de integração ônibus/metrô ou as estações ponto.
Atualmente, 107 linhas fazem integração com o metrô, sendo 12 em São Gabriel e 95 em Eldorado.Através de uma combinação inteligente de elementos gráficos, o tipo de pintura adotada para a frota possibilita a redução do tempo gasto em manutenção e reparo da lataria realizado pelas empresas.
Novo modelo
A reestruturação do sistema de transporte público da Grande BH, dividido em duas etapas, iniciou em fevereiro de 2008. A primeira etapa transformou o atendimento das quase 800 linhas aos 34 municípios da região metropolitana em sete Redes Integradas de Transportes (RIT). A segunda etapa vem buscando a racionalização e otimização dos serviços de cada RIT, por meio da já implantada bilhetagem eletrônica e em andamento a elaboração dos projetos de engenharia dos terminais de integração, estações pontos e futuramente a interligação entre terminais. “Até o final de 2010, todos terminais de integração estarão funcionando, permitindo ao usuário ir de uma cidade para outra sem passar pelo Centro de Belo Horizonte”, informou Fuad Noman.
READ MORE - BH: Ônibus da Região Metropolitana ganham nova pintura

Transporte coletivo terá novas regras a partir de julho


Já estão definidas pelo Conselho Nacional de Trânsito as novas regras de segurança para coletivos no Brasil. Elas começam a valer a partir de julho. Estabelecem, por exemplo, a largura mínima do corredor e o tamanho dos assentos. O Contran prevê ainda o uso de faixas reflexivas nas laterais e na traseira, espaço mínimo entre os bancos e como devem ser as saídas de emergências, que se tornaram obrigatórias no teto dos ônibus e micro-ônibus. Para os dois tipos de veículos, as determinações são diferentes apenas em relação às medidas dos corredores e assentos. A ideia, nesses casos, foi a de garantir maior conforto aos passageiros. As fábricas terão dois anos para adaptar os ônibus novos. Segundo o Contran, apenas as faixas reflexivas, para garantir maior visibilidade, serão obrigatórias a partir de julho. Para os ônibus que trafegam por rodovias, as empresas vão ter que instalar um sensor contra incêndio e proteção anti-intrusão, para reduzir danos no caso de colisão traseira.
READ MORE - Transporte coletivo terá novas regras a partir de julho

Salvador: MP promove audiência de disponibilidade de assentos a idosos


O Ministério Público (MP) estadual promove nesta terça-feira (02). das 8h ás 18h, uma audiência pública para conscientizar a população de Salvador quanto ao respeito às vagas destinadas aos idosos no transporte coletivo.
Também será destacado na audiência o tratamento que deve ser dispensado por motoristas, cobradores e demais agentes que atuam no sistema de transporte público em relação aos idosos, que, conforme lei, devem ter prioridade no embarque em ônibus coletivos.
De acordo com o MP, em Salvador, este assunto é alvo de uma grande quantidade de denúncias, relacionadas à insatisfatória prestação do serviço de transporte coletivo no que se refere ao atendimento dos idosos, que sofrem também por causa do uso indevido dos assentos destinados a eles nos ônibus.
READ MORE - Salvador: MP promove audiência de disponibilidade de assentos a idosos

Cuiabá: Presidente do TJ mantém veto a reajuste


O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ), Mariano Alonso Ribeiro Travassos, manteve a liminar que proíbe o reajuste da tarifa do transporte público coletivo na Capital de R$ 2,05 para R$ 2,30. A decisão segue o parecer da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), contrário ao pedido da prefeitura de Cuiabá, que protocolou a ação de suspensão da liminar junto à presidência do TJ. A decisão de Travassos segura o preço da passagem em R$ 2,05 até que seja julgado o mérito do recurso de agravo de instrumento pela 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça. No pedido encaminhado a Travassos, a prefeitura alegou que a liminar concedida no dia 13 de maio pelo desembargador Evandro Stábile teria invadido o âmbito de atuação do chefe do Poder Executivo municipal, o prefeito Wilson Santos (PSDB). A prefeitura de Cuiabá argumentou que o reajuste é necessário para repor a receita que as empresas concessionárias perderam por conta de despesas, renovação e aumento de frota e multiplicação de itinerários. A liminar colocaria em risco o reajuste tarifário previsto em contrato, essencial à prestação do serviço concedido, conforme sustentação do município enviada ao TJ. O magistrado frisou em seu voto a competência, na condição de presidente, de apenas avaliar a ação lesiva da decisão de primeira instância e analisar se a manutenção da liminar poderia causar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas. Contudo, observou que o teor do pedido de suspensão da liminar se confundia com o próprio mérito do processo em trâmite na Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular.
READ MORE - Cuiabá: Presidente do TJ mantém veto a reajuste

Sorocaba-SP: Motoristas de ônibus entram em greve


O prefeito Vitor Lippi (PSDB) enfrenta desde a madrugada de hoje sua 3.ª greve de ônibus à frente do Executivo local em cinco anos. Sem acordo entre o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Sorocaba e Região (Sinttrans) e os empresários do setor, cerca de dois mil motoristas se revezarão para garantir a operação de 30% da frota circulando na cidade. Os prejudicados serão os cerca de 100 mil usuários, que terão de dividir 113 dos 378 carros das duas empresas STU e TCS (esta última teve a concessão cassada), o que equivale a 885 passageiros por carro. A Urbes - Trânsito e Transportes informou que existe um esquema emergencial para atender, de forma precária, 70% de todas as linhas. Porém, não divulgou detalhes de como isso vai funcionar na prática.
Por determinação de Lippi, a Guarda Municipal (GM) e a Polícia Militar (PM) foram chamadas para dar apoio à população. A programação emergencial deverá ser mantida até que o imbróglio se solucione. A Urbes disponibilizará serviços de informação e orientação para os usuários durante o dia. As informações podem ser obtidas pelos telefones 118 e 3331-5000, e também pelo site http://www.urbes.com.br/.
Impasse
Uma última reunião aconteceu na manhã de ontem entre as partes (sindicato, empresas e a Urbes). Os motoristas novamente não aceitaram a proposta por não contemplar a reivindicação da categoria, que é de aumento real de 6% mais a reposição da inflação do período medida pelo IGP-M /FGV (Índice Geral de Preços do Mercado da Fundação Getúlio Vargas), que está em 5,38%; tíquete-refeição de R$ 15,00; aumento na PLR (Participação nos Lucros e Resultados); contratação de mais agentes de bordo (dos 120 atuais para 480); escala de trabalho de 6x2, jornada de trabalho de 6h e manutenção dos direitos, como cesta básica e plano de saúde familiar.
READ MORE - Sorocaba-SP: Motoristas de ônibus entram em greve

Natal: Prefeitura não vai reajustar tarifa da passagem de ônibus


A prefeita Micarla de Sousa anunciou ontem, em entrevista coletiva, que o reajuste da tarifa de ônibus, com o prazo máximo para ser implementado no dia 6 de junho, foi “adiado indefinidamente”. Um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado entre a prefeitura e os empresários, com intermediação do Ministério Público, em 2007 previa para junho uma revisão na tarifa, podendo sinalizar ou não para um reajuste. A Prefeitura alega que os empresários do setor descumpriram a sua parte do acordo.“Por enquanto, não irá haver reajuste tarifário. A Prefeitura ainda vai conversar com os empresários do setor para sensibilizá-los e mostrar que esse não é o melhor momento para aumento de preço”, afirma Micarla. De acordo com a prefeita, o Ministério Público já foi avisado da decisão do poder executivo pelo procurador-geral do Município, Bruno Macedo. “Queremos deixar bem claro que não estamos descumprindo o acordo”, disse Micarla. A ideia é conceder um aumento no prazo do cumprimento dos termos do TAC e, ao mesmo tempo, congelar o preço da passagem.Segundo o secretário Municipal de Trânsito e Transporte Urbano, Kelps Lima, as empresas de ônibus não cumpriram principalmente dois pontos do Ajustamento de Conduta: a renovação da frota de ônibus e a assistência aos usuários portadores de necessidades especiais. No caso da renovação da frota, Kelps disse que a média de idade dos ônibus de Natal é de seis anos, quando o máximo permitido é sete. Além de considerar a média alta, o titular da STTU disse que há casos de veículos com mais de 10 anos ainda circulando nas ruas. O peso do aumento da tarifa no bolso da população e dos empresários foi outro ponto abordado por Kelps Lima. O aumento da tarifa, segundo o secretário, iria modificar toda a economia da cidade. “O vale transporte é o maior encargo para uma empresa. E ainda existe a questão dos trabalhadores informais. No caso da empresa, o ônus é dividido, mas para os informais os gastos são maiores”, avalia. A reunião com os empresários de transporte urbano está marcada para esta sexta-feira.
READ MORE - Natal: Prefeitura não vai reajustar tarifa da passagem de ônibus

Campinas-SP: Empresa reclama que bilhete único desequilibra sistema


O sistema de transporte público de Campinas - que envolve empresas de ônibus e cooperativas de perueiros do sistema alternativo - transporta mensalmente 15 milhões de passageiros, dos quais 11 milhões pagam a tarifa. Os demais utilizam o bilhete único e se beneficiam de gratuidades que englobam idosos e deficientes. O sistema fatura R$ 27 milhões por mês, sendo que 30% das passagens, aproximadamente R$ 6 milhões, são pagas em dinheiro. O restante são créditos comprados pelos usuários em postos instalados na cidade e na sede da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) e pagos pelas empresas através do vale transporte.Segundo o secretário de transportes de Campinas, Gerson Luis Bittencourt, durante 10 anos no período de 1995 até 2005 todo o sistema era comandado pelos empresários e o poder público não tinha informações em tempo real e as informações corretas para fazer o seu planejamento e consequentemente a fiscalização. A partir de 2005 o poder público passou a comandar o sistema. Em primeiro de maio de 2006 foi implantado o bilhete único, no qual o usuário consegue no período de uma hora utilizar até três viagens ao preço de uma tarifa.Atualmente são feitas diariamente 650 mil viagens através do sistema Intercamp, das quais entre 100 mil e 120 mil não são pagas em função do bilhete único.Todas as informações que saem dos validadores de ônibus e microônibus são enviadas em tempo real para a Transurc e para a Emdec . O sistema Intercamp é operado em 25% por perueiros do sistema alternativo. Com isso, 28% de tudo que é arrecadado com a venda das passagens diariamente é depositado numa conta da Emdec, que repassa para as contas dos perueiros."Nós temos a chave do cofre, ou seja, a Transurc para vender qualquer valor de créditos precisa de uma autorização da Emdec, que libera os créditos através de uma senha para a Transurc fazendo com que o poder público tenha controle de tudo que entra no sistema", explica Bittencourt.No entanto, os empresários de ônibus apontam que a implantação do bilhete único trouxe um desequilíbrio econômico- financeiro para o sistema convencional. Segundo o diretor de Comunicação e Marketing da Transurc, Paulo Barddal, o resultado dessa implantação foi muito superior às expectativas projetadas pelos órgãos públicos. Projetou-se um máximo de 7% de integração dos passageiros pagantes, mas, depois de três anos, esse índice atingiu cerca de 22%. Com isso, Barddal afirma que o sistema é deficitário. "Não apenas por causa da integração, mas também pelos seguintes motivos: altos investimentos em obras estruturais, aumento de frota em razão da maior demanda de passageiros gratuitos e também da contratação de mão de obra, combustível, pneus e outros insumos", diz.As discussões do bilhete único estão focadas atualmente para a integração nas regiões metropolitanas. O sucesso do sistema em São Paulo e em Campinas está sendo discutido no estado entre secretários municipais de transporte e representantes da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) e chegou também à Câmara Federal.A comissão especial de transportes da Câmara dos Deputados estuda a possibilidade de implantação do bilhete único nas regiões metropolitanas de todo o País. O relator da Comissão, Deputado Carlos Zarattini (PT-SP), diz que está em discussão a desoneração do transporte. "Nós estamos discutindo retirar os impostos do transporte, não para o empresário ganhar mais, mas para que isso repercuta numa redução de gasto com transporte para a população através da implantação do bilhete único. Em Campinas, a população já economizou em três anos do bilhete único R$ 140 milhões. As empresas também ganharam, pois aumentou o número de passageiros em 15%."
READ MORE - Campinas-SP: Empresa reclama que bilhete único desequilibra sistema

Você Repóter: Transporte público no DF demora para chegar às paradas


O morador do condomínio RK de Sobradinho, Daniel Alves de Souza, de 18 anos, reclama da demora dos microônibus. De acordo com o morador, a linha RK-Sobradinho chega a demorar mais de 1h15 para chegar à parada. Daniel necessita pegar o transporte público todos os dias, às 18h, para ir à faculdade no Plano Piloto. Mas sempre se atrasa por causa da demora dos microônibus. Segundo ele, a retirada do transporte clandestino e o número reduzido de ônibus agravam o quadro. Daniel afirma que o governador do Distrito Federal José Roberto Arruda teria prometido aumentar a frota, mas, até agora, não viu resultados. Para a estudante de administração Michele Rei dos Santos, de 28 anos, a situação é a mesma. O ônibus de número 805 que faz a linha Recanto das Emas-Taguacenter demora mais de 40 minutos para chegar à parada próxima à Faculdade Projeção. A estudante sai da aula por volta das 22h e chega em casa, em Taguatinga Norte, quase meia-noite. As paradas de ônibus do Aeroporto Internacional de Brasília também não escaparam das críticas. Vanessa Pereira Ferraz, de 27 anos, reclama que a mãe, de 54, que trabalha na Anac, é a última pessoa a sair da parada. Ela está na parada para pegar o ônibus que faz a linha Aeroporto-Samambaia Sul, todos os dias, às 16h45, mas só chega em casa por volta das 20h. A demora, segundo Vanessa é nas linhas que vão para Samambaia, Planaltina e Plano Piloto.
READ MORE - Você Repóter: Transporte público no DF demora para chegar às paradas

Alunos com deficiência visual aprendem a andar em coletivos

Técnicas motoras apropriadas para acessar o transporte coletivo, como pedir ajuda na parada, falar com o cobrador e o motorista e se acomodar na frente, foram ensinadas a alunos da Escola José Álvares de Azevedo nesta quinta-feira (28), durante treinamento feito especialmente para essa situação. A atividade faz parte do Projeto Acessibilizando, pertencente à disciplina Orientação e Mobilidade, que visa trabalhar com a locomoção dos alunos.
A parceria com a empresa de transporte Rio Guamá permitiu que um ônibus fosse levado até a escola. "Conhecer o interior do ônibus parado é importante para eles se familiarizarem e ganharem confiança quando ficarem sozinhos", afirmou o professor João Luis Silva, um dos coordenadores do projeto.
Passo a passo - Antes de partirem para a parte prática do treinamento, em uma sala, os alunos receberam orientações teóricas e fizeram o passo a passo na hora de pegar o transporte coletivo: localizar a porta do ônibus, seguindo linha-guia ou aceitando ajuda; perguntar o nome da linha; localizar o poste vertical ou corrimão próximo aos assentos; apresentar a carteirinha; verificar se há assento livre; solicitar ajuda para o ponto de descida e usar a bengala para encontrar o piso, o meio-fio e a calçada.
Os alunos Paulo Sérgio, 28 anos, e Amadeu Flores, 45, disseram que o maior problema na utilização do transporte público é a falta de sensibilidade dos passageiros e de alguns motoristas e cobradores. "Já encontrei muitos motoristas mal educados, que passam da parada ou param em local impróprio, muitas vezes com bueiros por perto", desabafou Paulo Sérgio. "Não consigo ficar sentado dentro do ônibus. As pessoas não respeitam os lugares reservados para as gratuidades", completou Amadeus.
As atividades desta quinta-feira (28) aconteceram em dois horários e com duas turmas diferentes, de 09 às 11h e de 15 às 17h. Também fazem parte da coordenação do projeto as professoras Elaine Lopes e Laura Barros.
Inclusão - A Unidade de Educação Especializada é vinculada à Coordenação de Educação Especial (Cooes) da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), e tem cerca de 360 alunos matriculados. As aulas ocorrem no período complementar ao horário de ensino regular e oferecem atenção especializada a cada nível de deficiência.
Para isso, há uma avaliação que permite ao aluno ingressar na escola. Os alunos passam por reabilitação, socialização e ganham autonomia com a ajuda de profissionais das áreas de educação física, psicologia e arte, entre outras.
READ MORE - Alunos com deficiência visual aprendem a andar em coletivos

Encontro reforça importância de transporte alternativo em Marília

Encontro promovido na noite de ontem na Câmara discutiu o que deve ser colocado em pauta e ser entregue pela União da Juventude Socialista (UJS) ao Sistema Auxiliar de Fiscalização do Transporte Coletivo Urbano (SAF). A intenção é sensibilizar o poder público e acrescentar emendas no projeto de lei elaborado pela administração municipal.
"Ficamos satisfeitos que a prefeitura esteja aberta a conversas. Em outras oportunidades só éramos ouvidos através de manifestações", comentou o presidente da UJS, Marcos Aurélio dos Santos, o Marquito.
Ainda não existe previsão para a votação do projeto de lei que regulamenta o transporte coletivo urbano. O SAF aguarda o esgotamento de discussões com segmentos da sociedade para que haja o encaminhamento da matéria do Legislativo.
Segundo Marquito, a UJS não pretende sugerir que duas ou três empresas explorem o transporte coletivo do município. Opções podem surgir para melhorar a qualidade do serviço prestado, como a atuação de mototáxis, já regulamentada em Marília.
Estudantes consideram alta tarifa de R$ 2,10
A tarifa cobrada nos ônibus de transporte coletivo de Marília é considerada alta pela UJS, que organiza movimento de mobilização entre diversos segmentos da sociedade. O valor é apenas R$ 0,10 mais barato que a metrópole São Paulo, onde o passe custa R$ 2,20 e determinadas linhas chegam a circular mais de 30 quilômetros.
“Precisamos reduzir esta tarifa e a concessionária prestar mais serviços. Muitos pontos de ônibus ainda necessitam de melhorias”, comentou o presidente da UJS, Marcos Aurélio dos Santos.
O movimento que pretende mudar o projeto de lei que será encaminhado à Câmara para a regulamentação do transporte coletivo urbano solicita ainda que a limpeza dos ônibus fique a cargo da empresa concessionária e não dos motoristas e cobradores, como acontece hoje.
READ MORE - Encontro reforça importância de transporte alternativo em Marília

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960