Engarrafamento é o pesadelo de todos os dias no DF

segunda-feira, 25 de março de 2013

Problema crônico das grandes cidades, os engarrafamentos diários  parecem não ter fim e nem solução, mesmo com os investimentos recentes. O governo adotou o discurso de estimular o transporte público recentemente, mas a população ainda não foi suficientemente convencida a deixar o carro em casa. 

Por isso, a quantidade de veículos nas ruas atrapalha a circulação e não há obra que resolva o problema. A situação é dramática em 17 pontos de retenção mapeados pelo Detran.

Nos últimos anos, muitas das principais vias do DF receberam investimentos. A Linha Verde, da EPTG, custou R$ 306 milhões e ainda apresenta congestionamentos. Na EPNB, mesmo com o viaduto João Goulart, que custou R$ 22,8 milhões, em uma das entradas do Núcleo Bandeirante, o trânsito continua caótico. Na Epia, houve alargamento das pistas nos dois sentidos, sem solução.

Faixas exclusivas 
A medida mais recente foi a implementação de faixas exclusivas de ônibus. O DF conta com 54,9 km de pistas com essa prioridade. Em  2011, a EPNB foi a primeira via a receber a novidade, seguida da EPTG, W3 Norte e W3 Sul, em 2012. O Setor Policial foi o último a contar com a faixa, em junho do ano passado. 

De acordo com o DFTrans, os ganhos de tempo com as faixas exclusivas são de 30 minutos na EPNB, 20 minutos na EPTG, 15 minutos na W3 Norte e W3 Sul e cinco minutos no Setor Policial. As vias são atendidas por 272 linhas de ônibus. Mesmo assim, não houve efetividade na EPTG, onde passam cerca de 150 mil veículos por dia. Até que se licitem os novos ônibus, com portas do lado esquerdo, as faixas de ônibus terão circulação abaixo do esperado.

O levantamento do Detran aponta retenções em trechos de afunilamento da pista ou por causa de semáforos. EPTG, EPNB, Estrutural, EPGU e subida do Colorado são as vias problemáticas.

Muito estresse, sem escapatória
Para fugir da falta de conforto e da superlotação do transporte público, o militar Deibson Santos e mais quatro amigos dividem os custos do combustível para ir e voltar para casa. Mesmo assim, não há como escapar dos congestionamentos.

“É horrível. Nos dias de semana, gasto uma hora de 20 minutos do Setor Militar Urbano até a minha casa, no Riacho Fundo. Sábado e domingo o percurso não dá nem 15 minutos”, comparou. Para ele, o problema   não se resolve facilmente. “Nem sei qual seria a solução. Aqui na EPNB, por exemplo, não tem como aumentar mais a pista”, disse.

A servidora pública Jeanne Marques já vivenciou os dois lados da moeda, utilizou o transporte público por um tempo, e agora anda de carro. Entretanto, nem com as faixas exclusivas, há grande diferença. “Perco três horas por dia no engarrafamento. É um tempo perdido, eu estudaria mais, em vez de ficar parada no trânsito. Pra mim, não adianta ter faixa de ônibus, se o transporte público não atende todo mundo. Eu pegaria ônibus se melhorassem as condições”, desabafa.

A criatividade também ajuda a superar dificuldades. O mecânico Juarez Siqueira mora no Riacho Fundo e trabalha no Núcleo Bandeirante, mas para não perder muito tempo no trânsito, sai mais cedo. “Saio de casa às 6h e demoro só 20 minutos. Fico dormindo até dar o meu horário de entrada, às 8h. Se eu sair de casa às 7h, chego atrasado, às 8h30, explica.

O estudante Felipe Bomfim passa cerca de três horas por dia no trânsito. A rota, entre Ceilândia, Setor Comercial Norte e a UnB, é bastante complicada e o fez recorrer ao carro apenas uma vez por semana. “Quando vou de carro, levo uma hora e meia na ida, em dias bons, e duas horas e meia em dia de chuva. Deixo o carro em casa, porque não aguento o estresse”, conta.

Por Daniel Cardozo

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960