Porto Alegre: Greve da Carris prejudica o funcionamento de linhas de ônibus de outros consórcios

domingo, 2 de dezembro de 2012

Um dos efeitos colaterais mais sentidos da greve dos funcionários da Carris, além da falta de ônibus da empresa nas ruas, foi o atraso nas linhas atendidas pelos outros três consórcios — Unibus, Conorte e STS. A manutenção da mobilização prosseguirá por tempo indeterminado.

Acostumada a aguardar cerca de 20 minutos entre um ônibus da linha 430 - Petrópolis/Bela Vista, da Unibus, a assessora administrativa Cibele Farias desistiu de pegar a condução para casa após esperar por mais de 1h30min na parada.
Adriana Franciosi / Agencia RBS
— É um desrespeito com o cidadão. Eu sabia que a Carris está em greve, mas não imaginava que iam faltar ônibus da linha que pego — afirmou Cibele.
Segundo o diretor de Trânsito da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Carlos Pires, não há menos ônibus dos consórcios que suprem as linhas T1, T4, T6, T8 e T11 da Carris, mas uma quantidade de carros muito maior que o normal para uma sexta-feira. 

— Tudo está dentro de um quadro de excepcionalidade. Não há menos ônibus nas outras linhas, mas acaba que o grande fluxo na hora do pico interfere nos horários dos ônibus. À noite o trânsito deve começar a se normalizar — explicou.

Para o final de semana, Pires afirma que será mantida a solução adotada nesta sexta-feira.

Confira as linahs da Carris que não circularão até o final da greve:

343 Campus / Ipiranga
353 Ipiranga / PUC 
431 Carlos Gomes 
476 Petrópolis / PUC
510 Auxiliadora 
525 Rio Branco / Anita 
C1 Circular Centro 
C2 Circular Praça XV
C3 Circular Urca 
C4 Circular Balada Segura
D43 Universitária 
M76 Petrópolis / Madrugada 
T1D Assis Brasil / Cidade Baixa - Linha Direta
T2 Praia de Belas / Estação Farrapos
T3 Estação São Pedro / Cristal
T7 Assis Brasil / Praia de Belas
T9 Praça Dom Feliciano / São José (Carris) via IPA
T10 Triângulo / Antônio de Carvalho (UFRGS)

O que dizem os funcionários em panfletos distribuídos à população:

— excessos de CCs; sucateamento da frota; desleixo e abandono por parte da administração com a manutenção e a oficina;

— terminais em péssimas condições de uso e convívio, sendo que convive no mesmo espaço. Mau cheiro de lixo em banheiros junto ao refeitório (T4 Norte, T11 Sul);

— sucateamento da oficina, canibalismo e desmanche de carros novos, valas cheias de água parada, telhados quebrados. Recepção sem proteção para as intempéries. Pátio mal conservado;

— uniforme de péssima qualidade e sempre em falta;

— falta de planejamento do estoque, faltando peças, o que ocasiona superlotação dos ônibus e atrasos nos horários;

— situações de assédios;

— falta de segurança para a tripulação e passageiros.

Informações: Diário Gaúcho

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960