Em BH, Governo anuncia obras para melhorar acesso a vetor Norte

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Calejados por intervenções que se estendem há décadas, quem precisa usar uma das principais avenidas de Belo Horizonte, a Cristiano Machado, e sua extensão, a MG-010, terá mais alguns anos de obras pela frente. Com elas, mais poeira, riscos aos pedestres, congestionamentos e promessas de solução para o trânsito ainda caótico. A intervenção desta vez é um conjunto de seis obras, que fazem parte das ações de mobilidade para a Copa de 2014. Com previsão para término no ano do mundial, a expectativa é que os turistas que visitem a capital, inclusive para a Copa das Confederações, em 2013, desembarquem em um canteiro de obras.

As intervenções têm um orçamento de R$ 570 milhões. Os recursos virão do governo estadual, por meio de financiamento com o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), e de parcerias público-privadas - as empresas ainda não foram selecionadas. Estão previstas a construção de viadutos, trincheiras, uma ponte, além da revitalização de 19,5 km de rodovias (veja ao lado).

Para especialistas, o cronograma é apertado, as obras serão feitas às pressas e, além de não resolverem o problema, podem criar novos gargalos. 

Permanente.  A maioria das intervenções será feita na Cristiano Machado, que corta 32 bairros e já passa por obras do BRT (sigla em inglês para transporte rápido por ônibus). Desde sua criação, há 40 anos, ela sofre intervenções praticamente de dois em dois anos, sendo que, nos últimos sete, o movimento de máquinas se intensificou - apenas em 2010 não houve obra.

O pesquisador do Departamento de Trânsito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Dimas Gazolla afirma que as intervenções na avenida deveriam ter sido planejadas há seis anos, quando a Linha Verde começou a ser construída. "As obras são uma extensão tardia da Linha Verde. O fluxo de veículos vai aumentar de forma ainda inestimável por causa do shopping novo e também da catedral que vão construir na área".

Além disso, a duplicação da LMG 800 até o trevo de Confins e da MG-010, em Lagoa Santa, vai permitir a criação de um novo acesso ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves. Para o especialista em mobilidade urbana José Aparecido Ribeiro, as intervenções são bem vindas, mas não resolvem o problema. "O investimento vai melhorar o acesso a Confins, mas a curto prazo. Em menos de cinco anos, o fluxo de veículo deverá ser bem maior do que as duas obras esperam. Aí novas ações serão necessárias".

As intervenções vão afetar 3 milhões de pessoas que vivem em nove cidades da região metropolitana. Segundo o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Fuad Noman, a expectativa é reduzir de cerca de 45 minutos para 30 minutos o trajeto do centro da capital até o aeroporto - meta proposta na implementação da Linha Verde, mas que não foi cumprida.


0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960