Usuários de bicicleta reclamam da falta de ciclovias em Natal

domingo, 12 de dezembro de 2010

Elas são leves, não poluem o meio ambiente, ajudam na saúde e na definição de um corpo perfeito. Embora tenha inúmeras atribuições positivas, não é fácil convencer as pessoas a trocar o conforto dos automóveis pela sustentabilidade da bicicleta. Mesmo o número de pessoas que utiliza diariamente bicicletas em Natal ser de 4%, o que representa aproximadamente 54 mil viagens por dia - maior do que a média nacional que é apenas 2,8% -, os integrantes da Associação de Ciclistas do Rio Grande do Norte (Acirn) acreditam que o percentual poderia ser maior caso existisse na capital potiguar mais faixas exclusivas para bicicletas. A prefeitura está elaborando um plano que, se posto em prática, aumentará a extensão de ciclovias e ciclofaixas de 21km para 83km e dará aos natalenses a alternativa de deixar a bicicleta em paradas de ônibus e pagar o transporte público.

Apesar de Natal não oferecer trechos que interliguem os quatro cantos da cidade, os usuários da "magrela" se arriscam dividindo espaço com motocicletas e automóveis pelas ruas e avenidas de maior movimento, seja para trabalhar ou simplesmente pelo prazer de pedalar. O presidente da Acirn, Haroldo Mota, afirma que a Zona Norte concentra um maior número de ciclistas, porém vem sendo registrado crescimento em todas as zonas.

Como pontos negativos de pedalar dividindo o mesmo espaço com veículos automotores, Mota destaca a falta de segurança do ciclista e os efeitos da poluição. Para o arquiteto Márcio Leite, 53 anos, bicicleta é sinônimo de lazer e esporte. Há 15 anos ele pratica a atividade, pelo menos, duas vezes por semana. "Gosto muito de praticar esportes. Faço remo, vôlei e musculação, mas sinto mais prazer mesmo é com o ciclismo. O único problema é a falta de espaços adequados", opina.

O representante comercial Carlos Camboim, 50, aderiu à "bike" há um ano e meio, mas já se tornou um amante do ciclismo, modalidade que pratica, no mínimo, duas vezes por semana. "Saímos para pedalar por vários locais e percebemos sempre como é precária a oferta de vias exclusivas para bicicletas que é um transporte limpo, não polui e ainda melhora a condição física de quem adere à prática", ressalta.

O secretário adjunto de trânsito da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Haroldo Maia, afirma que uma avaliação prévia feita para integrar o Plano Municipal de Mobilidade Urbana constatou em Natal apenas 21,8 km de faixas exclusivas para bicicletas. Desse total, apenas a Via Costeira, na Zona Sul, e a Avenida Itapetinga, localizada no Conjunto Santarém, Zona Norte, têm ciclovias com 15km de extensão. Em outros pontos da cidade como as avenidas Ayrton Senna, Omar O'grady (prolongamento da Prudente de Morais), Café Filho, além da orla de Ponta Negra, existem somente 6,8 km de ciclofaixas.
Por Erta Souza
 
Fonte: Diário de Natal

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960