Linhas 'Universitárias' iniciam operação em Porto Velho

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Três novas linhas de ônibus terão início nesta segunda-feira (22), a partir das 18h, em Porto Velho. Segundo o consórcio do Sistema Integrado Municipal de Transporte de Passageiros (SIM), as rotas Universitária I, Universitária II e Universitária III foram criadas para atender os alunos das instituições de ensino superior da capital. Elas vão sair dos terminais Ulisses, Guajará e Norte Sul, percorrendo as faculdades particulares, com retorno previsto para começar às 22h40.

A linha “Universitária I” sairá do terminal do bairro Ulisses Guimarães, tendo como destino final a Faculdade São Lucas. Na ida, os ônibus desta rota vão percorrer as seguintes instituições, na ordem que segue: Uniron, Unipec, Fimca, Faro, FIP, Fatec, Ulbra e São Lucas. A ordem das faculdades na volta será: São Lucas, Ulbra, Fatec, FIP, Fimca, Faro, Unipec e Uniron.


Os ônibus da linha “Universitária II” partirão do terminal Guajará, tendo a Faro como destino final. Na ida, os veículos vão passar pelas instituições: São Lucas, Ulbra, Fatec, FIP, Uniron, Unipec, Faro e Fimca. Na volta, os ônibus atenderão: Fimca, Faro, Unipec, Uniron, FIP, Fatec, Ulbra e São Lucas.

A linha “Universitária III” sairá do terminal Norte Sul, com destino final na Uniron. Na ida, os ônibus vão percorrer as seguintes instituições: Ulbra, São Lucas, Fatec, Fimca, Faro, Unipec e Uniron. As faculdades atendidas na volta serão: Ulbra, Uniron, Unipec, Fimca, Fatec, Ulbra e São Lucas.

Vejas abaixo as rotas completas das linhas (rua a rua):
- Universitária I
Ida: Rua Orion; Rua Blumenau; Estrada dos Periquitos; Rua Petrolina; Rua Rosalina Gomes; Rua União; Rua Mané Garrincha; Rua Raimundo Cantuária; Rua Aruba; Rua Amador dos Reis; Rua Alexandre Guimarães; Avenida Mamoré; BR 364; Avenida Rio Madeira; Rua Raimundo Cantuária; Rua Miguel Chakian; Rua Jaci Paraná; Rua João Goulart; Rua Alexandre Guimarães.

Volta: Rua Alexandre Guimarães; Rua João Goulart; Rua Raimundo Cantuária; Rua Salgado Filho; Rua Amazonas; Avenida Rio Madeira; BR 364; Avenida Mamoré; Rua Alexandre Guimarães; Rua Amador dos Reis; Rua Aruba; Rua Mané Garrincha; Rua Raimundo Cantuária; Rua Mané Garrincha; Rua União; Rua Rosalina Gomes; Rua Petrolina; Estrada dos Periquitos; Rua Blumenau; Rua Orion; Terminal.

- Universitária II
Ida: Avenida Calama; Rua Andreia; Avenida Migrantes; Rua Alba; Rua Francisco M. da Silva; Rua Ananias de Andrade; Avenida Calama; Avenida Guaporé; Avenida Migrantes; Avenida Rio Madeira; Avenida Calama; Avenida Farquar; Avenida Sete de Setembro; Avenida Campos Sales; Rua Alexandre Guimarães; Rua João Goulart; Rua Raimundo Cantuária; Rua Salgado Filho; Rua Amazonas; Rua Governador Ari Marcos; Rua Amazonas; Avenida Mamoré; BR 364; Avenida Calama.

Volta: BR 364; Avenida Mamoré; Rua Raimundo Cantuária; Rua Governador Ari Marcos; Avenida Vieira Cahula; Avenida Rio Madeira; Rua Raimundo Cantuária; Rua Miguel Chakian; Rua Jaci Paraná; Rua João Goulart; Rua Alexandre Guimarães; Avenida Rogério Weber; Rua Henrique Dias; Avenida Farquar; Rua Abunã; Rua Venezuela; Avenida Calama; Avenida Rio Madeira; Avenida Migrantes; Avenida Guaporé; Avenida Calama; Rua Ananias de Andrade; Rua Francisco M. da Silva; Rua Alba; Avenida Migrantes; Rua Andreia; Avenida Calama.

- Universitária III
Ida: Rua Vitória do Palmar; Estrada 13 de Setembro; Rua Joaquim da Rocha; Rua Miguel Calmon; Avenida Jatuarana; Rua Geraldo Siqueira; Rua Emílio Feitoza; Avenida Campos Sales; BR 364; Rua Goiás; Rua Bahia; Rua Brasília; Avenida Rio de Janeiro; Rua Guanabara; Rua Alexandre Guimarães; Rua Rogério Weber; Avenida Sete de Setembro; Avenida Nações Unidas; BR 364, Avenida Mamoré.

Volta: BR 364; Avenida Mamoré; BR 364; Avenida Jorge Teixeira; Rua Almirante Barroso; Avenida Campos Sales; Rua Alexandre Guimarães; Rua Guanabara; Avenida Rio de Janeiro; BR 364; Avenida Campos Sales; Rua Emílio Feitoza; Rua Geraldo Siqueira; Avenida Jatuarana; Rua Tancredo Neves; Rua Joaquim da Rocha; Estrada dos Japoneses; Rua Vitória do Palmar; Terminal Norte Sul.

Informações: G1 RO

READ MORE - Linhas 'Universitárias' iniciam operação em Porto Velho

Em São Luís, Rodoviários decidem fazer greve por tempo indeterminado

O Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Maranhão (Sttrema) decidiu, após reunião entre o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de São Luís (SET) e Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) fazer greve a partir de amanhã por tempo indeterminado em São Luís.

“Apesar da reunião não ter tido um avanço significativo, aguardamos até às 18h de hoje para saber se alguma empresa iria efetuar o pagamento, mas infelizmente não entraram em nenhum acordo, então, iremos parar até que façamos um novo acordo. Pois os funcionários não merecem trabalhar sem receber”, disse Isaias Castelo Branco presidente do Sindicato dos Rodoviários.

A paralisação da frota dos ônibus de São Luís vai acontecer em razão do não pagamento do adiantamento do salário dos funcionários, que vem sendo realizado com atraso desde o mês de outubro de 2014. Na manhã de hoje houve uma paralisação de advertência no prazo de 2h.

Apenas duas empresas fizeram o pagamento de acordo com o combinado e as outras 21 afirmam não poder fazer o pagamento ainda hoje.

Em nota, o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de São Luís (SET) lamenta eventuais transtornos para a população, e declarou que orientou todas as empresas associadas a preparem os ônibus para trabalharem normalmente nesta terça - feira; porém isso vai depender da presença nas garagens dos rodoviários.

Informações: O Imparcial


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Em São Luís, Rodoviários decidem fazer greve por tempo indeterminado

Em Teresina, Motoristas de ônibus podem deflagrar greve na próxima sexta-feira

Os motoristas de ônibus de Teresina decidiram deflagrar greve por tempo indeterminado a partir da próxima sexta-feira (25), caso o Setut não se manifeste quanto ao pagamento dos 12% de reajuste acordado na última convenção com a categoria. A decisão foi tomada em assembleia realizada na manhã de hoje (22) na sede do Sintetro (Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Transporte de Teresina). Caso a greve seja deflagrada, apenas 50% dos frota permanecerá rodando. Esse número pode reduzir para 30%, que é o mínimo determinado pela Justiça.

O presidente do sindicato, Fernando Feijão, disse que “só depende do Setut se manifestar e pagar o valor referente ao reajuste para que a greve não seja deflagrada”. Ele conta que os 12% acordados ainda foram depositados no salário, plano de saúde e tíquetes alimentação de janeiro, mas que em fevereiro, o aumento já não veio.

Na última sexta-feira (19), os motoristas fizeram uma paralisação no começo da tarde  para alertar o patronato sobre o não cumprimento do acordo. Na ocasião, o Setut informou que deixou de receber da Prefeitura o repasse da diferença da meia passagem, que ficou congelada em R$ 1,05 nos últimos dois reajustes do valor da inteira.  

Para o presidente do Sintetro, essa é uma questão que deve ser resolvida entre o Setut e a Prefeitura, sem sacrificar o trabalhador. Fernando Feijão denuncia o impasse com relação ao pagamento das férias dos trabalhadores, que retornam dos 30 dias de folga sem ter recebido por eles.

Ele menciona também a falta de segurança nos coletivos e os constantes assaltos que têm sido registrados em algumas linhas da cidade, principalmente as que fazem percurso para a zona Sul

“Nós temos ainda o problema estrutural dos terminais de linha. Muitos deles não têm condições mínimas de receberem os motoristas na pausa entre uma viagem e outra. Sem contar as vias esburacadas que acabam com os ônibus. A população reclama com os trabalhadores por causa dos carros quebrados, mas esquecem que isso é responsabilidade da empresa. Nós só prestamos o serviço”, finaliza o presidente do Sintetro.

O PortalODia.com entrou em contato com representantes do SETUT, mas ninguém foi encontrado para comentar o assunto.

Strans diz que vai iniciar cadastro de veículos alternativos a partir de quarta-feira, se greve for confirmada

A Strans divulgou uma nota na tarde desta segunda-feira, 22, manifestando-se acerca da iminente greve dos trabalhadores e da posição do Setut, que denuncia o atraso no pagamento dos repasses devidos pelo Executivo, destinados a compensar o congelamento da meia passagem.

"A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito esclarece que não tem nenhuma relação sobre as questões salariais do sistema de transporte público, pois esse assunto diz respeito somente ao empregado e empregador. No que diz respeito ao repasse existe uma demanda judicial, por esse motivo nenhuma atitude pode ser tomada com relação a esse repasse", diz a nota divulgada pelo órgão municipal.

A Strans informa, ainda, que a partir da quarta-feira (24) iniciará o cadastro de carros alternativos para substituir os ônibus, caso o movimento grevista seja confirmado. 

Por Maria Clara Estrêla
Informações: Portal O Dia


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Em Teresina, Motoristas de ônibus podem deflagrar greve na próxima sexta-feira

Porto Alegre aumenta tarifa de ônibus em 50 centavos

O valor da passagem de ônibus de Porto Alegre vai aumentar R$ 0,50. A nova tarifa passa a vigorar já na próxima segunda-feira (22), dia em que entra em operação o novo sistema de ônibus da cidade. Com o acréscimo, a viagem do porto-alegrense, que custa R$ 3,25, vai para R$ 3,75 - um reajuste de 15,38%. Os táxis-lotação passarão para R$ 5,60. O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de 2015 foi de 10,67%. 

De acordo com a Eptc (Empresa Púbica de Transporte e Circulação), foi feita uma média aritmética das propostas de passagem recebidas pelas empresas, somada à correção pelo IPCA de julho e do dissídio dos rodoviários, que fechou em 11,81%. Conforme a empresa, entre os itens que compõem a tarifa estão o salário dos rodoviários (46,49%), custos variáveis - como diesel, lubrificantes e pneus  - (21,20%) e peças e acessórios (5%).

O anúncio do aumento foi feito na tarde desta sexta pela Prefeitura de Porto Alegre, através de um comunicado. Já pela manhã, o prefeito José Fortunati (PDT) havia confirmado o aumento, mas não deu detalhes da nova tarifa.

Na ocasião, ele apresentou os novos coletivos da cidade. Segundo Fortunati, a partir desta segunda-feira 296 veículos começarão a substituir os ônibus antigos. A frota do novo sistema será de 1.715 ônibus, 12 a mais do que havia anteriormente. Porém, até 2018, a frota total deve ganhar mais 72 carros.

Os coletivos equipados com ar condicionado passarão de 23% da frota para 37%, totalizando 636 veículos. Já os adaptados para cadeirantes serão 1.010 (60% dos coletivos). Uma das maiores novidades do novo sistema é a identidade visual, que, desta vez, utiliza cores específicas conforme as regiões da cidade. O objetivo, segundo Fortunati, é a facilitação do entendimento das linhas. Os ônibus de cor azul atenderão as linhas da zona Norte; verde, a para Leste; vermelho, a sul; e amarelo serão os coletivos da Carris, a empresa municipal.

A reformulação do sistema de ônibus de Porto Alegre contou com um edital, que previu a ampliação e qualificação do serviço prestado aos usuários. Conforme as regras da licitação, o objetivo é reduzir o número de passageiros por metro quadrado - de seis para quatro - para evitar a superlotação dos coletivos.

READ MORE - Porto Alegre aumenta tarifa de ônibus em 50 centavos

BRT poderá ser usado se metrô do Rio não ficar pronto antes dos Jogos Olímpicos

Um dia depois de manifestar preocupação com a conclusão das obras da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, confirmou que estuda um plano de contingência. A alternativa estudada pela prefeitura é a utilização do BRT, que seguiria com corredores exclusivos para ônibus até a zona sul, caso o metrô não fique pronto a tempo dos Jogos Olímpicos.

Hoje (20), Paes participou de uma reunião com toda a equipe do município para fazer um balanço das ações do governo e discutir novos projetos. O prefeito disse confiar na conclusão da obra dentro do cronograma e explicou que a prefeitura constantemente elabora planos de contingência. Ele criticou ainda o vazamento de mensagens para a imprensa.

“A gente tem muita confiança que o metrô vai ficar pronto. Agora, todo mundo sabe que é um desafio. A gente tem um plano de contingência preparado há algum tempo. Temos de discutir isso com o Comitê Olímpico Internacional, mas nada além disso”, declarou o prefeito. “Nós temos plano de contingência em tantos outros e-mails que não vazaram.”

A edição de hoje (20) do jornal O Globo publicou e-mail do prefeito ao Comitê Olímpico Internacional em que Paes manifestou preocupação com o término das obras da Linha 4 do Metrô, que ligará Ipanema, na zona sul, à Barra da Tijuca, na zona oeste. Na mensagem, ele relatou que é alto o risco de que elas não estejam concluídas a tempo dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

Mesmo após a divulgação da mensagem, na reunião de hoje, o prefeito disse estar confiante de que o metrô ficará pronto até julho. “Temos confiança de que o metrô vai ficar pronto, mas é óbvio que temos que discutir alternativas”, declarou Paes antes de se reunir com sua equipe. Ele, no entanto, admitiu não ter recebido informações sobre o andamento das obras nas últimas semanas.

Paes considerou normal o alerta para que tudo funcione bem para a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. “É óbvio que, nas Olimpíadas, agora estamos na hora da atenção total. Faltam poucos meses para os Jogos Olímpicos. Então, para tudo a gente tem de ter um plano de contingência, um plano alternativo”, completou.

O Comitê Rio 2016 informou à Agência Brasil que acompanha o andamento das obras e que não tem motivo para se preocupar com falta de cumprimento do prazo. “Estamos confiantes que tudo vai ser realizado no prazo, confiantes com o cronograma. O comitê acompanha com atenção, mas não possui elementos para acreditar que não será cumprido o compromisso. Serão realizados grandes jogos”, destacou a entidade.

Por Wellton Máximo
READ MORE - BRT poderá ser usado se metrô do Rio não ficar pronto antes dos Jogos Olímpicos

Contra precarização, metroviários de SP ameaçam parar dia 1º de março

Os trabalhadores da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) ameaçam parar em 1º de março contra uma série de medidas anunciadas pela empresa para conter gastos que estariam prejudicando a categoria, segundo o presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres Júnior. “É uma situação inusitada. Nunca vivemos uma coisa assim. Mudaram a data de pagamento, suspenderam as férias, proibiram horas extras e adiaram o pagamento da Participação nos Resultados (PR)”, relatou Altino.

Segundo o dirigente, o pagamento do salário era realizado no final de cada mês e o adiantamento – o chamado “vale” –, no dia 15. Agora, o pagamento é no quinto dia útil e o vale, no dia 20. Férias, somente para quem já está estourando o limite que a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) permite: 11 meses após o vencimento. A PR, normalmente paga no final de fevereiro, vai ser dividida em três parcelas, com a primeira paga no final de março. “Tudo isso foi decidido sem nenhum diálogo com os trabalhadores, numa clara afronta aos direitos trabalhistas”, ressaltou Altino.

Também estão suspensas as progressões salariais e o abono de periculosidade para trabalhadores gerenciais em obras.

De acordo com Altino, o Metrô alega estar em crise financeira. Porém, a companhia acumula resultados financeiros positivos. O lucro líquido da empresa saltou de R$ 28,4 milhões, em 2012, para R$ 76,4 milhões em 2013 e R$ 86,8 milhões, em 2014. Crescimento de 205% em três anos. “Os números de 2015 ainda não foram divulgados, mas sabemos que houve aumento no número de passageiros transportados, o que, com o aumento das tarifas, certamente elevou a receita”, afirmou.

O aumento no número de usuários transportados também preocupa os trabalhadores. Altino diz que o Metrô não repôs nenhum funcionário em 2015. E neste ano só contratou 12 pessoas. Com a proibição das horas extras, há poucos trabalhadores para atender à população. São 9.612 funcionários para 3,8 milhões de passageiros diários em média. Os dados são de 2014, os últimos disponíveis.

“O Metrô não vive sem hora extra. É uma conta simples. Se não repõe, os que estão na ativa têm de trabalhar mais. Mas com as medidas atuais, temos estações operando com um número mínimo de funcionários. À noite, a Estação República, da Linha 3-Vermelha, fica com apenas três operadores mais o pessoal da segurança”, afirma.

Sangramento
Altino acredita que esteja havendo um “sangramento” da companhia para sanar problemas orçamentários do governo Geraldo Alckmin (PSDB) em outras áreas. “Acredito que o governo estadual está tirando dinheiro do Metrô. Pode ser por meio de remanejamentos ou segurando o valor que deve ser reposto por conta das gratuidades. Não faz sentido o Metrô estar em crise”, afirmou.

O ano passado foi o quinto seguido de déficit orçamentário do governo Alckmin. As despesas superaram as receitas em R$ 1,38 bilhão, o pior rombo registrado no estado paulista em 17 anos. A diferença é 289% maior que em 2014, quando o déficit foi de R$ 355 milhões. A situação ocorreu mesmo após os cortes realizados pela gestão tucana em diversas áreas, o que levou as secretarias de Logística e Transportes, Saneamento e Recursos Hídricos, Transportes Metropolitanos e Habitação a deixar de executar um terço do orçamento previsto para o ano.

Desde que assumiu seu terceiro mandato, em 2011, Alckmin vem fechando as contas no vermelho. Naquele ano, o déficit foi de R$ 723,9 milhões. Em 2012, a diferença entre receita e despesas foi de R$ 240,5 milhões. Em 2013, chegou a R$ 995 milhões, e em 2014 recuou para R$ 355 milhões. Com o resultado do ano passado, Alckmin acumulou a cifra de R$ 3,7 bilhões em resultados negativos. Entre 1998 e 2011, o governo paulista não registrou nenhum déficit.

Por meio de nota, o Metrô defendeu que a proposta de pagamento parcelado em três vezes da PR 2015 aos metroviários “faz parte de um conjunto de medidas temporárias e emergenciais de ajustes, adotadas pela Cia para manter o equilíbrio financeiro, de forma a garantir o cumprimento dos compromissos com seus empregados, fornecedores e usuários, diante da grave crise econômica que afeta o país e, consequentemente, a empresa”. No entanto, a companhia não respondeu sobre os demais problemas apontados pelos trabalhadores.

por Rodrigo Gomes
READ MORE - Contra precarização, metroviários de SP ameaçam parar dia 1º de março

Em Salvador, Apenas 12% dos usuários usam integração com bilhete único

Você sabia que pode estar perdendo quase um dia inteiro no trânsito todos os meses, sem necessidade? De acordo com dados da Secretaria de Mobilidade de Salvador (Semob), os passageiros do transporte coletivo poderiam reduzir o tempo de viagem até pela metade, em algumas linhas, se fizessem uso da integração, com o bilhete único. Ele permite que o usuário pegue dois ônibus, em duas horas, para chegar ao seu destino.
Foto: Raul Spinassé

Apesar do benefício, apenas 12% dos passageiros usam o serviço. O número equivale a 156 mil passageiros por dia. Em novembro do ano passado, esse número era ainda menor, somente 9% dos usuários aproveitavam o benefício. 

O titular da Semob, Fábio Mota, acredita que o aumento se deve às campanhas de conscientização realizadas pela prefeitura. “Estamos informando à população sobre a facilidade e os benefícios da integração. Essa é uma mudança cultural, mas aos poucos a população percebe a facilidade do serviço”, comentou.

Apesar do aumento, Salvador ainda está muito atrás de outras grandes cidades onde o serviço de integração é usado de forma mais intensa. Segundo o secretário,  49% da população, em São Paulo, usa o serviço, enquanto no Rio de Janeiro, 43% pegam mais de um coletivo para chegar ao destino diariamente.

Em dezembro de 2013, a prefeitura de Salvador ampliou o tempo de intervalo entre as viagens de 1h para 2h. Assim, basta o usuário pôr as passagens no cartão de bilhetagem e usar o serviço.

“Tenho até opção, mas pegar dois ônibus?! Não gosto, não. Prefiro esperar o meu mesmo. Demora uns 20 minutos, mas sempre saio cedo de casa”, afirmou a vendedora Débora Manaia, 29 anos, enquanto aguardava na Avenida Luís Eduardo Magalhães por um coletivo para o  Shopping Paralela.

Cultura
O cartão do bilhete único era vendido por R$ 7, mas desde a última segunda-feira começou a ser distribuído de forma gratuita, na Estação Pirajá (veja quadro ao lado). Para o secretário da Semob, no entanto, o que faz o soteropolitano resistir à integração não é a falta do cartão, mas um hábito cultural.

“O passageiro prefere esperar mais tempo por um ônibus do que pegar dois e chegar mais rápido. O cidadão está em Itapuã e precisa chegar na Ribeira, por exemplo. Ele pode pegar um ônibus para a Estação da Lapa e de lá pegar um para a Ribeira, mas insiste em esperar por um que faça o trajeto direto e que, na maioria das vezes, tem um tempo de espera muito maior”, exemplificou.

Para a assessora técnica do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador (Setps), Ângela Levita, essa mudança é mesmo cultural. “Eu acho que (o não uso da integração) é mais um receio do passageiro de desembarcar do ônibus que ele já pegou, porque o hábito da nossa população é pagar um ônibus só para chegar no seu destino”, afirmou.

Para ela, mudar este  hábito do usuário do transporte público em Salvador é uma “quebra de paradigma” difícil de se conseguir.

A teoria é confirmada pelo eletricista André Luís Teles, 29 anos, que não é adepto da integração. “Eu prefiro pegar um ônibus só, mas quando demora, como  está demorando, tenho que pegar dois. Já estou aqui esperando há 40 minutos, então, o próximo que passar eu vou pegar”.

Alternativa
Para o secretário, as estações de transbordo são a melhor opção para fazer a integração, por conta do fluxo de veículos. “Nessas estações, o tempo de espera é bem menor porque elas recebem carros de todos os pontos da cidade. O trajeto até a estação é mais curto e de lá é mais rápido pegar um carro para o destino final”, disse.

Quem já usa o serviço, aprova. “Eu trabalho no Itaigara e moro em Tancredo Neves. Se fosse esperar pra ir direto, levaria mais de uma hora. Aí eu pego um de lá para o Iguatemi e daqui eu pego outro pro Itaigara. Às vezes, levo meia hora”, contou Fábio Carvalho, que durante a entrevista precisou correr para não perder o coletivo.

Por Clarissa Pacheco e Gil Santos
READ MORE - Em Salvador, Apenas 12% dos usuários usam integração com bilhete único

Nova tarifa de ônibus em Cuiabá entra em vigor a partir de 1º de março

O presidente da Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos Delegados de Cuiabá (Arsec), Alexandre Bustamante, afirmou durante audiência pública, hoje, para apresentação e esclarecimento do cálculo tarifário do transporte coletivo urbano de Cuiabá, que o novo valor irá entrar em vigor a partir de 1º de março. 

Cabe ao governador Pedro Taques (PSDB), na semana que vem, decidir se irá manter ou não a cobrança do ICMS sobre o óleo diesel. Com a isenção a passagem sobe de R$ 3,10 para R$ 3,60. Caso a cobrança seja mantida, a tarifa será de R$ 3,80. 

Uma pessoa que utiliza quatro passagens por dia, durante 20 dias em um mês gasta atualmente R$ 248, com a passagem indo para R$ 3,60 ela irá desembolsar R$ 288 e caso seja de R$ 3,80 pagará R$ 304 para utilizar a mesma quantidade de ônibus, impactando diretamente o orçamento doméstico. Bustamante explicou que foi firmado um acordo com as três empresas responsáveis pela operação do transporte público na capital onde todos os ônibus em circulação fabricados no ano de 2005 serão substituídos por ônibus novos ainda em 2016. No total serão 53 substituições. 

O cálculo para definir o valor da nova tarifa do transporte coletivo é feito a partir custo total dividido pelo número de passageiros pagantes. “Ou seja, quanto maior o número de pessoas que não pagam a tarifa, maior será o valor para os usuários, pois alguém precisa pagar a conta do aumento dos combustíveis e reparos na frota”. 

O vereador Capital, Dilemário Alencar (PTB), disse que encaminhou um ofício ao governador pedindo que ele retire a cobrança do ICMS sobre o diesel. Ele defende que a tarifa não deve aumentar pela qualidade oferecida e manutenção dos ônibus. “Eu pergunto cadê a planilha de lucros auferidos pelos empresários? E os investimentos que comprovem as melhorias? Sem isto para mim não tem reajuste. R$ 3,10 já é um absurdo pela qualidade do transporte oferecido aos passageiros”. Prometida para dezembro de 2015, até o momento não foi discutida uma nova licitação para o transporte público.

Segundo Bustamante, primeiro é preciso definir a questão do Veículo leve Sobre Trilhos (VLT) para abrir um novo certame. O contrato com essas empresas foi prorrogado há dois anos até julho de 2018 e a quebra de iria gerar diversos transtornos ao município.

Informações: Portal Só Notícias



Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Nova tarifa de ônibus em Cuiabá entra em vigor a partir de 1º de março

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960