Ricos estão utilizando mais ônibus e metrô, diz pesquisa

terça-feira, 11 de março de 2014

São Paulo - O que mais chamou a atenção do governo do Estado na divulgação dos resultados da Pesquisa de Mobilidade 2012 foi uma "distribuição de renda" no uso transporte coletivo.

Enquanto houve uma diminuição de 2% nas viagens por modo coletivo entre as pessoas que ganham até R$ 1.244 e entre R$ 1.244 e R$ 2.488 por mês, a pesquisa mostrou crescimento de 6% nas viagens por transporte público feitas por quem ganha mais de R$ 9.330 por mês - e 1% de aumento entre quem ganha entre R$ 4.976 e 9.330.

Houve aumento de 44% no uso de metrô no centro expandido da capital (onde a renda média é maior) contra crescimento no uso do transporte no norte, noroeste e oeste da Região Metropolita (que cresceu, em média, 22%).

"Esse aumento nas classes mais altas, no entanto, não foi suficiente para fazer o porcentual do transporte coletivo crescer mais, porque as classes menos favorecidas usaram mais o transporte individual", disse o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.

"É um indicativo importante para nós porque mostra que, se o transporte for acessível e melhorar, as pessoas migram para o transporte coletivo", ressaltou o secretário.

Por Bruno Ribeiro
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Leia também sobre:
READ MORE - Ricos estão utilizando mais ônibus e metrô, diz pesquisa

Sistema BRT de Londrina poderá contar com ciclovias e ônibus ecologicamente corretos

Além de integrar Londrina nos sentidos Norte-Sul e Leste-Oeste, o sistema de ônibus em canaletas - o chamado BRT (Bus Rapid Transit ou Transporte Rápido por Ônibus) - poderá contar com ciclovias e ônibus híbridos ou elétricos. É o que detalhou ao JL o prefeito Alexandre Kireeff (PSD) nesta segunda-feira (10).

Segundo o prefeito, para proporcionar uma mobilidade mais efetiva, além do trânsito em veículos coletivos, as ciclovias do novo sistema irão proporcionar ao usuário que chegue até às estações de embarque e desembarque com bicicletas. “Estamos estudando se o usuário poderá deixar a bicicleta estacionada nas estações ou se será possível ele levar a bicicleta no ônibus”, explicou Kireeff.

Ao todo serão 24 quilômetros de ciclovia instalados paralelamente às canaletas por onde os ônibus irão circular. Cada via será identificada por cor, conforme já ocorre em sistemas de metrô. “Teremos a linha verde, no sentido Norte-Sul, e a linha amarela, no sentido Leste-Oeste”, adiantou o prefeito. Segundo ele, apesar de o sistema ser instalado na superfície, nas ruas de Londrina, ele será análogo a uma estrutura de metrô, já que irá integrar todas as regiões da cidade. “Por mais que uma determinada região não seja diretamente beneficiada pelas supervias Norte-Sul e Leste-Oeste, todas as linhas operantes em Londrina terão alguma forma de integração com o sistema.”

O novo sistema prevê ainda adequações aos terminais urbanos já existentes. Kireeff afirma que o terminais urbanos do Centro da cidade e da Zona Oeste irão sofrer reformulações como ajustes de pistas, entrada e saída de passageiros e plataformas de acesso aos veículos. “Os terminais urbanos, do Centro e da Zona Oeste, não foram construídos pensando no BRT, mas o sistema foi projetado pensando nesses terminais.”

Estações
As 28 estações do Sistema BRT serão instaladas a uma distância de a cerca de um quilômetro de cada. Segundo Kireeff, apesar de inspiradas nas estações tubos de Curitiba, os pontos de embarque e desembarque londrinenses serão construídos em alvenarias e contarão com bancos para que os passageiros possam aguardar de forma confortável o ônibus. No entanto, assim como na capital, os cobradores vão trabalhar nas estações e não mais nos ônibus, como ocorre atualmente.

No projeto apresentado ao Ministério das Cidades o prefeito afirma que as estações foram todas nomeadas por uma questão de apresentação, mas que as identificações, como Terminal Acapulco, Shangri-lá e Sanepar, por exemplo, poderão ser novamente batizados até que o sistema esteja realmente funcionando.

Superbus
O prefeito Alexandre Kireeff afirma que o sistema de ônibus em canaletas deve ser apelidado de Superbus em Londrina. “Ainda estamos discutindo o nome, mas essa sugestão está cada vez mais ganhando apoio. Acreditamos que as pessoas irão falar que vão pegar o ‘Super’. É um jeito simples e simpático”. Na sexta-feira (7), o prefeito chegou a pedir, em seu perfil pessoal no Facebook, sugestões à população para batizar o Sistema.

Kireeff disse ainda que os ônibus do BRT, possivelmente, serão identificados pela cor vermelha, em alusão à bandeira de Londrina e aos ônibus londrinos Routemasters – veículo vermelho de dois andares, símbolo da capital inglesa.

O número de veículos que irão operar no BRT ainda não havia sido definido até esta segunda-feira (10). O prefeito explicou que isso será definido conforme a demanda do período de implantação do sistema.

Por Tatiane Salvatico

READ MORE - Sistema BRT de Londrina poderá contar com ciclovias e ônibus ecologicamente corretos

No Recife, Ônibus voltam a trafegar em trecho da Rua Benfica

Os usuários das linhas que trafegam pela Rua Benfica, no bairro da Madalena, devem ficar atentos a mudança de itinerário dos ônibus no sentido cidade/subúrbio. Devido a liberação de um trecho da via, situado entre a Av. Visconde de Albuquerque e a Rua Real da Torre, os ônibus voltarão trafegar no local a partir desta quarta-feira (12). 

Com a liberação, as 11 linhas que tiveram seu itinerário alterado por conta da interdição, voltam a realizar o antigo percurso. Com isso, cerca de 66 mil usuários serão beneficiados com um ganho de cinco minutos no tempo de viagem realizada pelo 98 veículos que trafegam pelo local. 

Mudança 

Apenas no sentido cidade/subúrbio, os ônibus que vinham da Rua Benfica, dobravam à direita na Av. Visconde de Albuquerque, depois à esquerda na Rua José Osório para chegar à Av. Caxangá, agora seguirão direto da Rua Benfica para a Av. Caxangá. 

Confira as linhas que sofrerão alteração no trajeto: 

412 - SAN MARTIN (LARGO DA PAZ) 
415 - SÍTIO DAS PALMEIRAS 
421 - TORRÕES 
422 - MONSENHOR FABRÍCIO 
425 - BARBALHO (DETRAN) 
432 - CDU (VÁRZEA) 
433 - BRASILIT 
437 - CAXANGÁ (CONDE DA BOA VISTA) 
442 - JARDIM PRIMAVERA (VALE DAS PEDREIRAS) 
445 - TABATINGA 
450 - CAMARAGIBE (CONDE DA BOA VISTA) 

Em caso de dúvidas, o Grande Recife disponibiliza a Central de Atendimento ao Cliente, no 0800.081.0158. Lembramos que a CAC funciona todos os dias, das 07h às 19h.

READ MORE - No Recife, Ônibus voltam a trafegar em trecho da Rua Benfica

Veja como estão as obras dos BRTs em capitais sede da Copa

Começou a funcionar no fim de semana o sistema de ônibus BRT em Belo Horizonte. É uma promessa de melhorar o trânsito no ano da Copa do Mundo.
Outras cidades também criaram essa faixa exclusiva – mas muitas delas têm problemas.
No novo sistema, os ônibus articulados circulam em via exclusivas para aliviar o trânsito. Mas não é isto que acontece na manhã desta segunda-feira (10), que tem muito congestionamento.
O BRT foi inaugurado em Belo Horizonte no último sábado (7), ainda um pouco improvisado: algumas catracas não funcionaram e muitos passageiros reclamaram da falta de informação.
 
 
 
O BRT faz parte do plano de mobilidade para a Copa e era para ter sido inaugurado em agosto passado. Nesta primeira fase são três linhas que ligam as regiões Nordeste, Centro-Sul e Central.
A etapa final, que vai atender a região do estádio do Mineirão, está prevista para ser inaugurada em maio, às vésperas da Copa.
O Rio de Janeiro tem um BRT em funcionamento e dois em construção. No terminal Alvorada partem os ônibus do BRT Transoeste – o primeiro a ser inaugurado na cidade. São 130 mil passageiros que usam esse transporte que liga a Barra da Tijuca a outros bairros da Zona Oeste.
Os passageiros reclamam da superlotação e dos acidentes. O consórcio diz que treina os motoristas e monitora as viagens para ajustar a oferta de lugares.
Os outros dois corredores em construção são o BRT Transcarioca, que vai ligar a Barra ao Aeroporto do Galeão, está prometido para a Copa do Mundo; e a Transolímpica, que vai ligar a Vila dos Atletas e o Parque Olímpico até o Parque Radical do Rio, onde serão disputadas algumas modalidades, e deve ficar pronta até o final do ano que vem.
Em São Paulo, o prazo para conclusão das obras em volta do estádio onde será a abertura da Copa do Mundo termina no mês que vem. Em Itaquera, na Zona Leste, tem obra para tudo quanto é lado.
A estação do metrô Corinthians-Itaquera, que deve ficar bem movimentada com a Copa, recebe obras de ampliação para facilitar a circulação dos torcedores.
Ruas e avenidas também estão sendo alargadas e um túnel está sendo construído como parte do Complexo Viário Itaquera. Até o momento, 89% das obras estão prontas. E a promessa das empresas é que tudo esteja pronto até abril.
 
 
 
No Recife, o sistema BRT ainda nem começou a funcionar. Serão 170 veículos tipo BRT para transportar 330 mil passageiros por dia. Os testes vão começar a partir do próximo mês porque os corredores para o transporte rápido ainda estão em obras.
Os corredores Norte-Sul e Leste-Oeste ligam várias partes do Recife e da Região Metropolitana a São Lourenço da Mata, onde fica a Arena Pernambuco. Perto da arena tem uma estação de metrô, que funcionou na Copa das Confederações, mas muito lotada. No local está sendo feito um terminal de integração.
Em Recife houve atraso, adiamento nos cronogramas, mas a promessa é de que vai estar tudo pronto até maio, limite estabelecido pela Fifa.

Informações:  G1



 



READ MORE - Veja como estão as obras dos BRTs em capitais sede da Copa

Uso de carro sobe 21% em 5 anos, diz pesquisa

O número de pessoas que optam pelo uso do transporte individual para se deslocar pela região Metropolitana de São Paulo cresceu 21% em cinco anos. É o que mostra um estudo divulgado hoje pela Secretaria de Transportes Metropolitanos.
Do total de pessoas entrevistadas, quase a metade (45,7%) prefere se deslocar pela região de carro ou de moto. Em 2012, os demais usaram ônibus ou metrô.
No transporte coletivo, a preferência ainda continua sendo pelo ônibus, seguido do trem e do metro. Apesar de não ser o transporte mais utilizado pela população de São Paulo, de acordo com a pesquisa, entre 2007 e 2012, o número de viagens sob trilhos cresceu 51,2%, enquanto nos ônibus a alta foi de 8%.



A população de baixa renda foi a que priorizou o transporte individual no período. As que ganham mais migraram para o transporte coletivo nos últimos cinco anos.
O secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, acredita que este fenômeno se deve aos incentivos dados pelo governo federal para a aquisição de carros, como a redução no IPI (Imposto Sob Produtos Industrializados). Para ele, esta foi uma política errada.
"Fala-se muito em mobilidade, mas a política federal não contribuiu para isso por um motivo muito óbvio: houve um incentivo muito grande ao transporte individual. Mas, se você olhar para o transporte coletivo, houve um aumento no valor do diesel e no preço dos ônibus", disse o secretário.
Essa realidade só mudou após as manifestações de junho do ano passado, quando houve incentivos ao transporte de massa com isenção do PIS/Cofins das empresas.
No caso das pessoas mais ricas que migraram para o transporte coletivo, o secretário disse que este é um reflexo mundial e que a priorização da qualidade do transporte faz com que as pessoas deixem o carro ou a moto em casa e optem pelo ônibus, trem ou metrô para se deslocar. 
 
Informações:  Diário de Guarapuava
 
READ MORE - Uso de carro sobe 21% em 5 anos, diz pesquisa

Linha 4 do Metrô irá integrar bairros do Rio

Mais de 300 mil pessoas serão beneficiadas diariamente a partir do primeiro semestre de 2016 – Mais de sete mil funcionários trabalham em ritmo acelerado para abrir caminho por 16 quilômetros de rocha, areia, lençóis freáticos e construir as seis estações da Linha 4 do Metrô, que ligará a Barra da Tijuca a Ipanema. O empreendimento vai facilitar a vida de muita gente quando ficar pronto, no primeiro semestre de 2016. Mais de 300 mil pessoas serão transportadas por dia. O investimento de R$ 8,5 bilhões, sendo R$ 7,5 bilhões do Governo do Estado e R$ 1 bilhão da Concessionária Rio Barra, vai retirar das ruas 2 mil veículos por hora/pico.
 
 
 
Os 15 minutos de duração da viagem são o principal atrativo para os usuários. Charlison da Silva, que trabalha como operador no canteiro de obras da Zona Sul e mora na Gardênia Azul, vai economizar pelo menos 1h30 de viagem.
- Vai facilitar muito a minha vida, inclusive nos fins de semana, em momentos de lazer – disse Charlison.
O passageiro que sair da Barra com destino ao centro do Rio, por exemplo, não precisará fazer transferências e pagará tarifa única para todo o percurso.
As intervenções começaram em junho de 2010 e, atualmente, mais de 6,3 mil metros de túneis já foram escavados.
- A população será beneficiada pela obra. O metrô tem enorme capacidade de carregamento e traz efeitos benéficos para o trânsito e ao meio ambiente – explicou o secretário da Casa Civil, Regis Fichtner.

Informações: Correio do Brasil







READ MORE - Linha 4 do Metrô irá integrar bairros do Rio

Transporte coletivo perde espaço na Grande SP

A participação do transporte individual no total de viagens diárias feitas na região metropolitana de São Paulo voltou a crescer nos últimos cinco anos, apesar do investimento previsto de R$ 20 bilhões nos transportes coletivos, segundo dados da Pesquisa de Mobilidade do Metrô de 2012/2013. Os números foram divulgados na manhã desta segunda-feira, 10, pelo secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.

Ao todo, 54% das viagens motorizadas da região são feitas de transporte coletivo. Em 2007, eram 55%. Os dados foram coletados antes da instalação das faixas exclusivas de ônibus pela Prefeitura de São Paulo. O aumento da frota de carros no período, de 18% (chegando a 4,2 milhões de veículos circulando diariamente), é apontado como um dos motivos para o aumento das viagens individuais.

O total de viagens cresceu 15%, chegando a 43,7 milhões de viagens por dia nas 32 cidades da região. Os principais motivos para isso são aumento de emprego e de renda da população. O aumento demográfico entre 2007 e 2012 foi de apenas 2%. O modal que mais cresceu foi o trem. Em cinco anos, a CPTM aumentou em 62%, chegando a 3,2 milhões de viagem por dia. A maior parte dos usuários de transporte público, entretanto, ainda anda de ônibus.

Mesmo sem aumentar a frota de ônibus no período, o total de passageiros da SPTrans cresceu 8%, chegando a 7,7 milhões de viagens por dia. A pesquisa mostra, no entanto, um pouco mais de democracia no transporte. Entre os que têm renda maior do que R$ 9,3 mil, houve aumento de 6% no uso de transporte público. Entre os que têm renda menor do que R$ 1,2 mil, houve redução de 2% no uso do transporte público.

Chama a atenção o aumento da viagens de táxi: 55%, mesmo com o alto custo do serviço. O único modal que teve queda de passageiros foram os fretados, com redução de 22%. Eles foram banidos do centro, em nome do melhor fluxo de carros, durante a gestão de Gilberto Kassab (PSD). 

Por Bruno Ribeiro 
READ MORE - Transporte coletivo perde espaço na Grande SP

Prefeituras deveriam divulgar melhores e piores empresas de ônibus

Secretarias municipais e órgãos ou empresas públicas que fiscalizam a prestação do serviço de transporte público deveriam divulgar, de forma regular e transparente, a relação das mais frequentes reclamações feitas por usuários e o nome das empresas mais bem e mal avaliadas. A sugestão é do pesquisador do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) João Paulo Amaral.

Coordenador de uma pesquisa do Idec sobre o grau de insatisfação dos usuários de ônibus e metrô de São Paulo (SP) e Belo Horizonte (MG), Amaral lembra que a estratégia, comum em outros setores, como no transporte aéreo, é uma forma eficiente de obrigar as empresas concessionárias a melhorar a qualidade do serviço que oferecem aos cidadãos.

"Isso é algo que já ocorre em vários setores. O Poder Público oferecer esse tipo de dado é um ótimo termômetro e tornar públicas essas informações é muito interessante", disse o pesquisador à Agência Brasil. Ao longo da última semana, a reportagem procurou os órgãos responsáveis pela fiscalização do serviço de transporte público em seis capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Goiânia, Porto Alegre e Recife) a fim de saber quantas reclamações de usuários de ônibus foram registradas ao longo do ano passado e quantas sanções ou medidas corretivas foram aplicadas a partir dessas queixas. Em todos os casos, recebeu a informação de que os dados não são disponibilizadas nos sites oficiais e que precisariam ser tabuladas. Passada mais de uma semana - período marcado pelo feriado de carnaval -  o Consórcio de Transporte Grande Recife e a Empresa Pública de Transporte Coletivo, de Porto Alegre, ainda não enviaram as informações.

"Muitas prefeituras não têm esses dados tabulados, não os divulgam e não dão respostas aos usuários que se queixam. Isso pode significar que os órgãos responsáveis podem não estar usando essas informações, que devem ser consideradas de forma mais eficiente, como um termômetro da qualidade do serviço prestado", acrescentou Amaral, defendendo, contudo, que os usuários não deixem de registrar suas queixas sempre que o serviço deixar a desejar.

"O primeiro ponto é o usuário conhecer seus direitos. O transporte público é um serviço sujeito ao Código de Defesa do Consumidor e aos regulamentos locais específicos. Caso seu direito seja lesado, o usuário deve buscar o órgão local responsável por fiscalizar o serviço de transporte público e registrar a queixa, pedindo o ressarcimento da passagem. Se isso for negado, ele deve formalizar a reclamação no site ou telefone do órgão e, se nada for resolvido, recorrer ao Procon ou aos juizados de pequenas causas. Tudo isso é uma forma muito importante de pressão", comentou o pesquisador.

O próprio Idec lançou recentemente na internet um site no qual as pessoas que passaram por algum problema relacionado ao transporte público - e não apenas com ônibus - podem registrar sua queixa. O site faz parte da campanha Chega de Aperto, organizada com o apoio da organização não governamental ClimateWorks Foundation, com o propósito de reforçar entre a sociedade a tese de que a mobilidade urbana e os meios de transporte públicos são direitos essenciais.

"É uma plataforma online, por meio das quais as pessoas podem fazer suas reclamações. Todas elas vão ser reunidas e levadas aos gestores públicos de cada cidade para, vistas em conjunto, terem mais peso. É interessante que as pessoas, na medida do possível, nos mandem fotos que sirvam de evidência", concluiu Amaral.

READ MORE - Prefeituras deveriam divulgar melhores e piores empresas de ônibus

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960