Grande Recife: Sistema temporal seria bem mais eficiente que os terminais integrados

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

O protesto de passageiros que fechou por quase cinco horas na manhã desta quarta-feira o Terminal Integrado da Macaxeira, o segundo maior do sistema de transporte por ônibus da Região Metropolitana do Recife, na Zona Norte da capital, colocou em xeque a eficiência do modelo de integração que depende de espaços fechados, adotado desde a criação do SEI, há 20 anos. Mostrou que ele está saturado. Além de irritar parte dos 60 mil usuários que passam pelo TI todos os dias e centenas de motoristas que ficaram presos num congestionamento que atingiu corredores importantes da cidade, mostrou que, sem prioridade para o transporte coletivo nas ruas, é chegado o momento de o Grande Recife pensar em usar a integração temporal, aquela que se faz diretamente nos ônibus, sem paredes ou terminais e que já é adotada em quase metade dos municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes, entre eles São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e até as nordestinas Salvador e Natal.

Pernambuco está pronto para usá-la, basta haver decisão política de adotá-la. A bilhetagem eletrônica, tecnologia imprescindível para o funcionamento da integração temporal, é usada desde 2000, oferecendo a ferramenta necessária para que os passageiros possam pegar vários ônibus pagando uma única tarifa sem precisar passar por terminais. Mas o Grande Recife Consórcio de Transporte é resistente ao modelo porque gera custo bem maior do que construir e manter terminais – entre R$ 5 e R$ 12 milhões para construção e R$ 1,5 milhão para manutenção. Ao introduzir uma integração temporal, a quantidade de passageiro pagante é reduzida. Mesmo que seja imposto um limite de horário, o usuário pode fazer diversos deslocamentos sem precisar passar por terminais integrados. Em São Paulo, por exemplo, o bilhete único gerou um déficit de R$ 1,2 bilhão ao ano.
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
“Esse é o problema. Não somos contra, mas é preciso uma integração com restrições, com percursos e horários definidos. Se não houver uma rede bem racionalizada, planejada, o custo aumenta demais e alguém vai ter que arcar com ele. Nós vamos começar a estudar possíveis integrações temporais depois que estivermos com os 25 terminais do SEI em funcionamento. Hoje são 18 e pretendemos chegar a 25 até o meio do ano. Vamos usá-la exatamente onde não é possível ou não há necessidade de um terminal”, defende o presidente do Grande Recife Consórcio, Nelson Menezes.

Há quem critique a integração temporal e quem defenda o modelo. Estudo da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) sobre novas tendências em política tarifária mostra que o principal benefício da integração temporal é permitir que as mais diferentes áreas da cidade possam se integrar, independentemente de terminais. Assim, há um impacto positivo nas contratações do mercado de trabalho, especialmente do mercado formal, que custeia o vale-transporte.
Fortaleza é uma das cidades que os usuários não precisam de terminais para integrar com outros ônibus, lá o usuário desce em qualquer parada e tem um intervalo de 02 horas pagando apenas 01 passagem para se deslocar , sistema semelhante também é adotado em São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus, Salvador, Campinas entre outras grande cidades.

Os passageiros que  protestaram contra a falta de ônibus no TI Macaxeira reclamavam, exatamente, que entre as 6h e as 7h não saiu um único ônibus da linha Avenida Norte/Macaxeira do terminal. Isso porque todos estavam ficando presos no congestionamento da Avenida Norte, espremidos entre os automóveis. Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte, o coletivo que deixou o TI às 6h15 só conseguiu chegar ao Centro 56 minutos depois dos 50 minutos previstos para a viagem até a área central. Já o ônibus das 6h27 chegou ao ponto de retorno no Centro 77 minutos depois do tempo previsto. “Ou seja, o problema não é o terminal, mas a falta de prioridade para o ônibus nas ruas”, argumenta Nelson Menezes.

Por Roberta Soares
Informações: De Olho no Trânsito

READ MORE - Grande Recife: Sistema temporal seria bem mais eficiente que os terminais integrados

Gratuidade não será alterada na licitação dos ônibus de Porto Alegre

A questão da gratuidade do transporte coletivo urbano de Porto Alegre não será revista durante o processo do edital de licitação, que deverá ser entregue até o dia 5 de março para a prefeitura do município. De acordo com o presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação, Vanderlei Capellari, as passagens gratuitas seguem leis municipais e federais, e será preciso refazer um estudo específico sobre o caso, além de criar novos projetos legislativos a serem encaminhados para votação na Câmara de Vereadores.

"Quem apontou as gratuidades foi o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS). Em 90 dias vamos fazer um estudo para fazer uma revisão, mas não há tempo hábil para fazer uma reavaliação. Todas as gratuidades são baseadas em leis e nós temos que encaminhar os projetos de leis à Câmara de Vereadores", apontou Capellari durante entrevista ao Bom Dia Rio Grande, programa da RBS TV, na manhã desta quarta-feira (12) (veja no vídeo).

No mês passado, o Tribunal de Justiça determinou que o município abrisse um edital de licitação e concluísse o processo em 150 dias. Esta é a primeira vez que a capital do Rio Grande do Sul debate o documento.

A revisão tarifária pode ocorrer por dois motivos: quando o Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM) ultrapassa 8%, ou no caso de dissídio coletivo dos rodoviários. Após greve geral de 15 dias dos funcionários de empresas de ônibus da capital, o dissídio será avaliado no próximo dia 17. "O que vamos colocar no edital de licitação é a tarifa máxima que as empresas vão poder ofertar dentro desse valor", explicou Capellari.

De acordo com dados do Relatório de Inspeção Especial do TCE-RS sobre os coletivos da capital, os passageiros isentos cresceram 11,72% de 2004 a 2011, chegando a uma média diária de 292.833 passageiros circulando na cidade. Dos passageiros isentos, 60% são idosos. Já o passe livre representa 9%.

Além dos idosos isentos, que devem ter entre 60 e 64 anos e com uma renda de até três salários mínimos, deficientes auditivos, físicos, mentais ou visuais permanente, doentes de HIV em tratamento e menores vinculados à Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) também recebem isenção. Soldados e cabos da Brigada Militar, agentes de fiscalização da SMT e da EPTC, rodoviários, oficiais de Justiça, do Trabalho e carteiros também não pagam. Atualmente, estudantes são cobrados apenas meia passagem e, pelo sistema integrado, não precisam pagar a segunda caso necessitem andar em dois veículos durante o mesmo trajeto.

Conforme os dados, o impacto total percentual na tarifa alcança 28,20% correspondendo a R$ 0,80. Assim, a tarifa sem as gratuidades poderia ser de R$ 2,05, valor inferior a tarifa atual de R$ 2,85. O preço pago hoje estaria 39,02% superior ao preço sem gratuidades. Do total de passageiros, 21% possuem o benefício da isenção da passagem, 9% possuem o desconto de 50% por serem escolares, impactando numa redução de 25,8% a quantidade equivalente de passageiros pagantes no sistema e, consequentemente, o Índice de Passageiros Equivalentes
por Quilômetro, taxa atribuída ao cálculo final da tarifa reavaliada anualmente.

Estudo para licitação prevê ônibus sem ar-condicionado
O ponto de maior debate no edital de licitação é a continuidade do uso dos sistemas de refrigeração nos ônibus da capital. A prefeitura defende um estudo que aponta que o valor da tarifa poderia baixar caso os veículos não tivessem ar-condicionado nas carrocerias. Segundo a EPTC, o sistema encarece o preço de novos veículos e gasta mais combustível.

Na terça-feira (11), o prefeito José Fortunati publicou um artigo defendendo o estudo e comparando Porto Alegre a Curitiba, no Paraná. Segundo ele, as duas cidades possuem climas semelhantes, e a capital paranaense não faz uso de ar-condicionados nos ônibus. Após receber críticas sobre as afirmações, ele retomou o fato no Twitter nesta quarta-feira (12).

Na rede social, o prefeito reconheceu a diferença meteorológica dos dois municípios, e destacou o debate entre qualidade e preço como ponto principal da construção do edital de licitação dos ônibus.

"Quando relatei que a cidade de Curitiba optou em não utilizar a refrigeração nos ônibus porque isso encarecia a carroceria e aumentaria o consumo de combustível aumentando o preço da passagem, fui rebatido com a afirmação de que a temperatura de Curitiba é mais amena do que a de Porto Alegre. É verdade, mas a tese não foi esta. Em todo o artigo, destaquei o binômio qualidade e preço. Se utilizamos ar-condicionado e Curitiba não, é lógico que o custo em Porto Alegre vai ser maior", escreveu.

Informações: CBN Foz


READ MORE - Gratuidade não será alterada na licitação dos ônibus de Porto Alegre

Prefeitura de Fortaleza realiza testes com ônibus híbrido

A partir desta quarta-feira (12), a Prefeitura de Fortaleza, por meio da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza, colocará em circulação um veículo em teste: o Hibribus. O diferencial desse ônibus é a combinação de um motor à diesel e um elétrico, que funcionam isolada ou simultaneamente, garantindo uma redução de 35% de combustível, segundo a empresa Volvo, responsável pela fabricação do equipamento.

Durante o mês de fevereiro, o Hibribus circulará na linha 075 – Campus do Pici/Unifor. Os passageiros poderão embarcar pagando a mesma tarifa dos demais coletivos, mas poderão usufruir de alguns atributos de conforto ainda não existentes na frota atual, como a redução do barulho do motor, por exemplo. Durante a utilização do motor elétrico, o ônibus híbrido não emite ruído, reduzindo a poluição sonora e permitindo uma boa leitura ou a utilização de fones de ouvidos durante a viagem.

A maior vantagem do Hibribus está no quesito sustentabilidade. Segundo a fabricante, ele emite até 90% menos substâncias nocivas ao ambiente que os equipados com motor Euro 3, e até 50% menos que os propulsores Euro 5. Essa foi a característica que mais chamou a atenção dos gestores da Etufor. “Queremos que o sistema de transporte urbano de Fortaleza entre na era da mobilidade verde, reduzindo os poluentes sonoros e do ar. Desta forma, estaremos proporcionando mais satisfação aos passageiros, com mais responsabilidade ambiental”, afirma Rogério Pinheiro, presidente da Etufor.

A partida do Hibribus é dada exclusivamente com o motor elétrico, que continua em funcionamento até o ônibus atingir, aproximadamente, 20 km/h. Quando o veículo para – nos pontos, semáforos ou congestionamentos, o bloco “convencional” é desligado e o elétrico mantém em funcionamento os sistemas auxiliares, como as luzes, o ar-condicionado e os letreiros.

O veículo possui uma comunicação visual diferenciada, na cor verde. Os passageiros precisarão ficar atentos na hora do embarque, que será realizado pela porta dianteira, pois o veículo segue os padrões de Curitiba, onde 30 veículos deste modelo fazem parte da frota.

Informações: Etufor

READ MORE - Prefeitura de Fortaleza realiza testes com ônibus híbrido

No Recife, Avenida Norte pode ganhar faixa de ônibus

Uma faixa exclusiva para ônibus na Avenida Norte, que funcione provisoriamente, apenas no horário das 6h às 9h. Essa é uma das propostas que o Grande Recife Consórcio de Transporte pretende apresentar à Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) para tentar melhorar a operação do Terminal Integrado da Macaxeira, na Zona Norte da cidade. A ideia surgiu depois das cinco horas de sufoco com o protesto que fechou o TI, o segundo maior do sistema de transporte da Região Metropolitana do Recife, por onde passam 60 mil pessoas por dia e de onde chegam coletivos de quatro outros terminais (Igarassu, Pelópidas, Camaragibe e Barro).

O presidente do Grande Recife Consórcio de Transporte, Nelson Menezes, disse que vai sugerir a criação da faixa provisória, apenas no sentido subúrbio-Centro e no horário de pico. “Estamos pensando em soluções para otimizar o terminal. Ele está saturado, é fato, mas não temos como ampliá-lo porque não há terreno. A solução é construir um novo TI, que depende do projeto do corredor de BRT (Bus Rapid Transit) previsto para a BR-101. Vamos conversar com a CTTU e ver se é possível realizar essa ação”, explicou Menezes.


O presidente do Grande Recife argumenta que a única solução é abrir espaço nas ruas para o ônibus. “O intervalo da linha 654 (Avenida Norte/Macaxeira) chega a três minutos no horário de pico, ou seja, é muito pequeno. Mas o que vimos nesta quarta-feira foi um congestionamento monstruoso na Avenida Norte que comprometeu toda nossa operação. Os coletivos levaram 56  e até 77 minutos a mais do que o tempo máximo previsto no percurso entre o TI e o Centro. Não há outra alternativa que não seja prioridade para o transporte público na Avenida Norte. Sabemos que os motoristas de automóveis vão reclamar, mas é o jeito”, disse.

Na segunda-feira (17/2) uma comissão representativa do grupo que fez o protesto no TI da Macaxeira irá se reunir com a direção do Grande Recife para discutir a pauta de reivindicações e algumas soluções para a operação do terminal.

O grupo que protestou criou uma página no Facebook, chamada central dos usuários de transporte público do grande recife (https://www.facebook.com/groups/632628973469175/).

Informações: JC Online

READ MORE - No Recife, Avenida Norte pode ganhar faixa de ônibus

Cuiabá recebe 3ª entrega do VLT

Na última semana Cuiabá recebeu a terceira remessa de carros do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). São 12 unidades que pesam cerca de 15 toneladas cada.

Os carros saíram do Porto de Bilbao, na Espanha, no dia 30 de novembro do ano passado, com destino a Santos (SP). Após a realização dos procedimentos aduaneiros, no porto santista, as unidades foram retiradas dos mafis - uma espécie de container adaptado especialmente para transportar o VLT - e colocadas em 12 caminhões.

Os veículos foram separados em dois grupos de seis para partirem em comboio do Terminal Marítimo Saboó (margem direita). O primeiro deixou Santos no dia 28 de janeiro e o segundo no dia 29. Com extensão de cerca de 80 m, viajaram apenas durante o dia, a uma velocidade de cerca de 40 km/h com monitoramento via satélite em tempo integral. A trajetória de 1.800 km incluiu passagem por nove rodovias, entre as quais Anchieta, o Rodoanel, Castelo Branco e Raposo Tavares.

Os VLTs chegaram em Cuiabá nos dias 31 de janeiro e 1 de fevereiro. Após a liberação da carga, os carros serão encaminhados ao Centro de Manutenção (CM), em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá.

O sistema VLT de Cuiabá terá 22,2 km de extensão dividido em duas linhas, a primeira linha será implantada ligando o Centro Político Administrativo (CPA), em Cuiabá ao Aeroporto Internacional Marechal Rondon, em Várzea Grande, já a segunda linha ligará a Região do Coxipó ao Centro Sul, ambas em Cuiabá. O sistema terá 32 estações e tem o custo estimado em 1,4 bilhão de reais.

Informações: Revista Ferroviária

READ MORE - Cuiabá recebe 3ª entrega do VLT

BRT não terá passarela para travessia de pedestres em BH

A travessia de pedestres nas avenidas contempladas com o Bus Rapid Transit (BRT), batizado de Move, foi discutida esta semana na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Segundo os representantes da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) e da BHTrans, que participaram de audiência publica, o caminho para pedestres nas avenidas Presidente Antônio Carlos e Dom Pedro I deve continuar a ocorrer nos semáforos, sem a instalação de passarelas. Apenas a Cristiano Machado contará com a facilidade para a população, porque já tem passarelas implantadas. 

A reunião foi convocada pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário. De acordo com o Executivo, as passagens elevadas aumentam o trajeto a ser percorrido pelos pedestres, o que acaba inibindo o uso. Além disso, a prefeitura informou que uma consultoria na área de segurança acompanha a implantação do sistema BRT, garantindo o acesso adequado de pedestres às estações de passageiros. A PBH esteve, durante o desenvolvimento do projeto do BRT, em contato com especialistas das cidades de Cáli e Bogotá, consideradas exemplos de sucesso no gerenciamento do trânsito, de onde aproveitaram idéias. A BHTrans explicou que estão sendo implantados detectores de avanço de veículos, para garantir a segurança dos pedestres.

O presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário e líder do governo na Casa, Wagner Messias Preto (DEM), defendeu o projeto da prefeitura, mas ressaltou que após a inauguração do BRT, caso sejam percebidos eventuais problemas na segurança de transeuntes, eles deverão ser corrigidos com o sistema BRT já em atividade.

O 1º vice-presidente da Câmara, Wellington Magalhães (PTN), defendeu a instalação de passarelas para pedestres nas vias contempladas pelo BRT. Ele afirmou que vai requerer uma audiência pública externa a ser realizada na região da Avenida Antônio Carlos para discutir o tema junto à comunidade local.

O vereador Silvinho Rezende (PT), cobrou da BHTrans a ampliação do tempo para travessia de pedestres nas vias onde o BRT está em fase de implantação, principalmente nas áreas de maior fluxo de pessoas, como na entrada da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e nas proximidades do Conjunto Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Industriários (IAPI) e do Via Brasil, na Avenida Pedro I.

O gerente da Coordenação de Mobilidade Urbana da BHTrans Rogério Carvalho Silva, explicou que o Centro de Controle da BHTrans irá monitorar o trânsito nas vias contempladas pelo BRT, sendo possível, caso necessário, alterar o tempo dos semáforos. Ele também explicou que o BRT vai garantir maior confiabilidade à previsão de horários dos ônibus, graças ao controle informatizado do sistema de transporte coletivo, que contará com GPS nos ônibus e também permitirá a comunicação entre o motorista e o Centro de Controle. A BHTrans garantiu, ainda, que as viagens de coletivo serão mais rápidas que as de automóvel nas vias contempladas pelo BRT.

Informações: Estado de Minas

READ MORE - BRT não terá passarela para travessia de pedestres em BH

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960