Especialista critica BRT e defende implantação de metrô de superfície na Grande Vitória

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Para Rosa, a única forma para reduzir o número de carros nas ruas é melhorar o sistema de transporte público, ampliando as vias rodoviárias e viabilizando a utilização de outros meios de transporte, como o aquaviário e o VLT. “Se não houver investimento em outros meios, restringindo-se apenas aos veículos sobre pneus, teremos em breve um estrangulamento ainda maior no trânsito”, disse Rosa.

“Hoje o transporte público não dá dignidade ao cidadão”. O especialista foi enfático em afirmar que, mesmo com as facilidades de crédito para comprar um carro ou moto e com o desejo da população em possuir um veículo, o número de automóveis nas ruas seria melhor se o serviço de transporte não fosse tão deficiente. “Com qualidade e quantidade, ninguém preferiria andar de carro”, completou. 

Integração de modais

Implantar mais meios de locomoção – aquaviário e sobre trilhos, por exemplo – além dos veículos sobre pneus se faz necessário, desde que haja uma integração entre eles, informou o professor. “Apenas uma tarifa para utilizar os serviços de forma complementar”.

Segundo Rodrigo, é necessário fazer uma pesquisa sobre o crescimento da população em cada um dos municípios e estudar a melhor forma de deslocamento dessas pessoas. “O sistema aquaviário atenderia o tráfego entre Vila Velha e Vitória, da capital à parte de Cariacica. Mas não seria útil para a Serra, porque a lancha teria que entrar em mar aberto. Nesse caso seria melhor o sistema ferroviário”, sugeriu.

VLT X BRT

Vedete do momento quando assunto é mobilidade urbana no Estado, o BRT – Transporte Rápido por ônibus (Bus Rapid Transport) foi reprovado para utilização na Grande Vitória na análise do especialista, pois mesmo sendo mais barato para implementar, “é mais difícil para expandir e causa muito impacto ao meio ambiente”. 

Além disso, a implantação do BRT diminuirá o espaço de tráfego sobre pneus e vai promover a derrubada dos armazéns e possível estrangulamento do Porto de Vitória. A melhor solução seria o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) ou metrô de superfície, “que é mais sustentável e tem grandes possibilidades de expansão da malha”. 

Preços

O valor da tarifa para subsidiar o sistema de transporte público é uma preocupação do engenheiro. “Se hoje fosse cobrada a tarifa cheia, seria de R$ 5 a R$ 6 reais, mas o governo paga parte da fatura. Com a implantação de outros modais, a relação custo/pessoa ficaria ainda mais alta. A questão é quanto custa para a economia do Estado as horas de congestionamento e engarrafamento? São contas astronômicas”, ressaltou.

Análise de propostas

Quando perguntado sobre como o eleitor deve analisar as propostas dos candidatos relacionadas à Mobilidade Urbana, o especialista recomendou: “um projeto megalomaníaco é sonho e vai ser perder no caminho. Intervenções pontuais são muito mais factíveis. Os futuros governantes devem apresentar projetos, cronograma e o que deixarão de legado para os futuros gestores. Projetos superficiais não dão margem para o eleitor cobrar”.

Informações: Folha de Vitória

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960