São Paulo terá novos ônibus superarticulados

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

No próximo mês começam a circular na Zona Sul da cidade de São Paulo 30 novos ônibus superarticulados. Adquiridos pela empresa VIP de transportes coletivos, eles medem 23 metros, transportam 58 passageiros sentados e outros 112 em pé. Como comparação, modelos articulados convencionais têm 18 metros, carregam 38 pessoas sentadas e 72 em pé.

Apresentado em novembro de 2012 numa feira de transportes, o veículo utiliza chassi Mercedes-Benz O 500 UDA e é encarroçado pela Caio em Botucatu (SP).Uma nova transmissão automática foi desenvolvida pela Voith para esse chassi com a ajuda da VIP e da Mercedes (leia aqui).

“Os 30 primeiros ônibus vão rodar na Zona Sul (na Estrada do M’Boi Mirim e avenidas Ibirapuera, Nove de Julho e Santo Amaro). Também aguardamos a definição do secretário dos Transportes (Jilmar Tatto) para a implantação de um corredor segregado na Zona Leste, onde outras 13 unidades serão colocadas”, afirma o diretor da VIP, Roberto Abreu. 

“Até o fim do ano serão 50”, diz. Na manhã de terça-feira, em entrevista a uma emissora de rádio, o secretário Jilmar Tatto falou a respeito de futuras mudanças para o transporte da Capital que podem favorecer a utilização de grandes coletivos como este. 

“Existem mais de mil ônibus articulados Mercedes-Benz rodando na cidade de São Paulo”, afirma o gerente de marketing para BRTs da montadora, Gustavo Nogueira. Sobre a possibilidade de a fabricante produzir chassis para biarticulados, ele diz: “Estamos sempre atentos às necessidades do mercado, mas acredito que o superarticulado terá melhor aplicabilidade.” No Brasil, a Volvo produz chassis biarticulados, maiores que os superarticulados em comprimento e capacidade total de passageiros.

READ MORE - São Paulo terá novos ônibus superarticulados

Barcas e metrô do Rio terão reajuste nas tarifas a partir de abril

A partir de 2 de abril, as tarifas do metrô e das barcas serão reajustadas, segundo a Agência de Transportes do Estado do Rio (Agestransp). O bilhete para embarque nas barcas, no valor de R$ 4,50, passará a custar R$ 4,80. O do metrô passará de R$ 3,20 para R$ 3,50.

Segundo a Agestransp, o índice do reajuste da CCR barcas foi definido pelo Governo Estadual no inicio de fevereiro de acordo com o IPCA acumulado nos últimos doze meses. O aumento do Metrô Rio foi determinado pelo IGPM acumulado no período de janeiro de 2012 a janeiro de 2013.

CCR Barcas é multada por acidente
Na mesma sessão, a Agetransp multou CCR Barcas em R$ 574 mil reais devido ao acidente em que uma embarcação chocou-se com a ponte de atracação do píer da Praça XV em 28 de novembro de 2011.

A concessionária foi responsabilizada de negligência por não fazer manutenção preventiva da embarcação e colocar em risco a segurança dos usuários. A decisão foi tomada pelo Conselho Diretor da Agência, em Sessão Regulatória.

READ MORE - Barcas e metrô do Rio terão reajuste nas tarifas a partir de abril

Semob afirma que ônibus funcionarão como metrô em João Pessoa

O superintendente da Secretaria de Mobilidade Urbana, Nilton Pereirainformou que João Pessoa terá após a execução das obras do PAC- Programa de Aceleração do Crescimento, orçadas em R$188 milhões, um transporte público semelhante a um metrô.

“Todos os R$188 milhões de reais  serão para infraestrutura de transporte público associada a questão da integração de transportes como bicicleta, acessibilidade. Mas vai se priorizar a circulação do transporte público”, revelou.

Dentre essas melhorias destaque para a construção de quatro terminais: Centro, no fim da Avenida Cruz das Armas, Pedro II e Dois de fevereiro, lá haveria a troca do ônibus tradicional pelos de grande capacidade, além dos corredores exclusivos.

“Os corredores serão exclusivos para os ônibus, mas as avenidas ainda contarão com faixas para fluxo normal. Quando este sistema for implantado vai ser muito mais fácil andar de transporte público do que de carro em João Pessoa”, explicou Nilton Pereira.

READ MORE - Semob afirma que ônibus funcionarão como metrô em João Pessoa

Em Ponta Grossa, Anulada a renovação do contrato com a Viação Campos Gerais

O prefeito Marcelo Rangel assinou ontem a medida que anula a renovação do contrato entre o município e a Viação Campos Gerais (VCG). A renovação, por mais dez anos, foi feita no final do ano passado pelo então prefeito Pedro Wosgrau Filho. “Estou cumprindo com meu papel de cidadão e meu compromisso como prefeito”, disse Marcelo. A concessionária diz que ainda não foi notificada sobre a atual decisão da Prefeitura Municipal.

De acordo com Marcelo, uma nova licitação deverá ser realizada para a contratação de uma nova empresa. O contrato com a atual concessionária termina no dia 11 de junho. "O interesse público é soberano. Acredito que o melhor para Ponta Grossa, neste momento, não é a renovação do contrato”, disse o prefeito.

A decisão de anulação foi feita após uma análise jurídica do processo, realizada por profissionais da Secretaria de Gestão Financeira e Negócios Jurídicos e da Procuradoria Geral do Município. Ao assinar documento que veta a renovação do contrato, Rangel também apontou que, conforme demonstram os pareceres jurídicos, toda a renovação estava “contaminada por diversas irregularidades”.

De acordo com o presidente do Conselho Municipal de Transportes, Carlos Demário, a decisão do prefeito foi positiva. "Considero boa essa decisão, pois acredito que o Marcelo anulou o contrato para renovar depois com mais projetos de melhorias no transporte público de Ponta Grossa", diz.

Demário relembra da época em que o contrato foi renovado por Wosgrau. "Solicitei na época que não fosse renovado, justamente porque algumas adequações precisavam ser feitas. A anulação vai abrir a possibilidade para algumas adequações no sistema. Tenho certeza de que ele ainda será renovado com essas melhorias", afirma.  

Em nota enviada ao DC, a Viação Campos Gerais informou que ainda não havia sido notificada pela Prefeitura no que se refere à anulação da prorrogação do contrato de prestação de serviços. "A empresa aguardará a notificação e somente então se pronunciará", afirmou.

Parecer Jurídico

Num dos trechos do parecer da Procuradoria Geral do Município consta que a administração pode a qualquer momento, de ofício rever seus próprios atos, a fim de evitar possível gravame ao interesse público.

Além disso, o documento conclui que o ato que resultou na renovação – agora anulada – apresentava, entre outras irregularidades, inobservância de procedimentos, ausência de documentos essenciais e de parecer válido, não comprovação de cumprimento das obrigações exigidas em contrato e, ainda, a falta de comprovação de que a manutenção do contrato seria vantajosa para o município. O DC solicitou cópia do parecer jurídico junto à Prefeitura, mas ela não foi concedida.


READ MORE - Em Ponta Grossa, Anulada a renovação do contrato com a Viação Campos Gerais

Transporte público pode mudar em Ribeirão Preto após pesquisa de opinião com os usuários

Pouco mais de duas semanas após Ribeirão Preto (313 km de São Paulo) ter mudado seu sistema de transporte público com alterações de algumas das principais linhas de ônibus, a prefeita Dárcy Vera (PSD) anunciou nesta segunda-feira (25) que vai realizar uma pesquisa que pode provocar novas modificações.

A decisão foi tomada porque as mudanças, realizadas a partir do último dia 10, geraram uma insatisfação generalizada por parte dos usuários.

A pesquisa de opinião vai começar nesta terça-feira (26) e deve ser concluída na sexta-feira (1º) data em que possíveis alterações poderão ser divulgadas.

Para realizar a pesquisa, uma empresa será contratada os valores não foram divulgados pela prefeitura.

De acordo com a prefeita, a mudança do dia 10, que contou com ampliação de horários e alteração de itinerário, não agradou "a grande maioria" dos 180 mil usuários do transporte público.

Segundo ela, a maior insatisfação é dos usuários que utilizam as linhas Hospital das Clínicas, Parque Ribeirão Preto e Ribeirão Shopping.

Os problemas estão nos itinerários 309 (Jardim Independência/HC), 409 (Sumaré/HC), 336 (Castelo Branco/HC), 346 (Santa Cruz), 109 (Circular Jardim Paulista) e 209 (Circular Sumaré).

Essas localidades sofreram alterações de itinerário e foram incorporadas às linhas que permitem a integração em vários pontos da cidade.

"Queremos saber qual é a real insatisfação dos usuários e o lado positivo das alterações", disse a prefeita.

O superintendente da Transerp, Willian Latuf, informou que, se na sexta o resultado apontar mais insatisfação do que satisfação por parte da população, mudanças serão feitas.

"Se preciso, vamos voltar a ter as linhas antigas com mais ônibus", acrescentou a prefeita, que afirmou que, após 27 anos sem mudança no transporte público, "é normal que haja demora na adaptação dos usuários".

O diretor de transportes da Transerp, José Mauro Araújo, disse, no entanto, que, sem as integrações que passaram a ser permitidas em algumas linhas, as pessoas que perdiam um ônibus chegavam a esperar cerca de 50 minutos por outro. "Hoje, elas esperam 12 minutos. A população ainda não sentiu o projeto, que está em andamento."

O aumento de 11% no valor da tarifa do transporte público em 22 de janeiro também é questionado pela população. De R$ 2,60, passou para R$ 2,90.

READ MORE - Transporte público pode mudar em Ribeirão Preto após pesquisa de opinião com os usuários

Segunda fase da linha 4 do Metrô de São Paulo sai em 2014

A conclusão da segunda fase da linha 4 do Metrô de São Paulo (Amarela) está prevista para junho a setembro de 2014 com 11 anos de atraso, segundo o cronograma do governo do Estado. A obra será entregue em pleno período eleitoral, quando o governador Geraldo Alckmin deve disputar candidatura pelo PSDB para tentar a reeleição. A segunda fase compreende a conclusão das estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, Fradique Coutinho, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia e a ampliação do numero de trens em circulação, dos atuais 14 para 29.

Os novos prazos de conclusão, informados pelo serviço do Metrô de atendimento à comunidade, preveem que as estações Higienópolis, Oscar Freire, Fradique e Morumbi serão entregues em junho de 2014 e a estação terminal Vila Sônia, em setembro.

De acordo com declarações feitas pelo secretário dos Transportes do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes (PSDB), no ano passado, a previsão de entregar as obras no segundo semestre, durante o período eleitoral, seria mera coincidência. A assessoria de imprensa da Secretaria dos Transportes mantém a previsão de conclusão no segundo semestre do ano que vem, mas não confirma o cronograma informado pelo Metrô.

O primeiro trecho da linha 4 (Butantã-Luz), hoje com seis estações, começou a funcionar em maio de 2010 com horário reduzido e, um ano depois, com horário normal. A linha possui uma terceira fase prevista, com a expansão até Taboão da Serra. A linha 4, administrada pelo Consórcio ViaQuatro, é a primeira privatizada pelo governo de São Paulo. A estimativa de custo total da linha é de R$ 3,8 bilhões, sendo 70% custeado pelo governo do estado e o restante pela CCR, empresa que controla o Consórcio ViaQuatro. A previsão é de que seja operada pelo consórcio por 30 anos, a contar do término das obras.

Prevista inicialmente para ser entregue em 2003, a conclusão da segunda fase da linha 4 é uma das mais lentas da expansão do Metrô de São Paulo. É considerado um dos sistemas de trens metropolitanos com expansão mais atrasada entre as grandes cidades do mundo pela Comunidade de Metrôs (CoMet), um sistema de avaliação comparativa entre sistemas ferroviários que conta com 14 membros, entre eles o Metrô de São Paulo, de Santiago, de Nova York e de Pequim.

Em funcionamento desde 1974, o metrô de São Paulo tem atualmente 74,3 quilômetros de rede e 68 estações. A capital do Chile, Santiago, tem 103 quilômetros de linhas e 108 estações de metrô, e 60 quilômetros foram construídos nos últimos dez anos.

A falta de investimentos na expansão do metrô de São Paulo faz com que o sistema detenha o título de mais superlotado do mundo, com mais de 11,5 milhões de passageiros por quilômetro de linha, segundo  a CoMet. A comunidade afirma que o ideal é dez quilômetros de linha para cada 2 milhões de usuários. Por esse cálculo, a região metropolitana de São Paulo, com perto de 20 milhões de habitantes, deveria ter pelos menos 100 quilômetros de linha de metrô.

A conclusão das estações previstas na fase 2 da linha 4 não deverá diminuir o atual volume de pessoas que usam a linha 4 atualmente, segundo a Secretaria de Transportes. O fluxo deve aumentar dos atuais 750 mil passageiros para 970 mil. Usada como ligação para acesso à região central por moradores da zona sul que utilizam a linha 5 (Capão Redondo – Largo 13), a expectativa é que somente com a interligação direta da linha 5 ao restante do sistema metroviário haja o reflexo para desafogar estações como a Luz, República e Faria Lima, atualmente com grandes filas em horários de pico nos pontos de acesso às plataformas de embarque.

READ MORE - Segunda fase da linha 4 do Metrô de São Paulo sai em 2014

Salvador terá corredor exclusivo para ônibus da Pituba ao aeroporto

A prefeitura de Salvador vai construir o primeiro dos quatro corredores progressivos para ônibus, entre a Pituba e o aeroporto, segundo foi anunciado, ontem, durante reunião itinerante comandada pelo  secretário municipal de Urbanismo e Transportes, José Carlos Aleluia.

Segundo o secretário, o corredor faz parte do Projeto de Mobilidade da Copa do Mundo e a previsão é que esteja pronto já para o evento teste — Copa das Confederações —, em junho. “Vamos implantar o primeiro nesse trecho e depois seguir para os outros pontos. A via será monitorada com fiscalização eletrônica”, destacou.

Aleluia (camisa clara) embarca em ônibus para percorrer terminais

De acordo com o coordenador de planejamento de transportes da Semut, Francisco Ulisses, técnicos já fizeram vistorias e estudos preliminares. “Serão criadas duas faixas, nos dois sentidos. Algumas intervenções pequenas vão ser feitas nas pistas, em locais com estacionamentos irregulares ao longo da orla, por exemplo”, pontuou. O traçado, porém, ainda não está definido. “A gente tem a possibilidade de a via passar pelo Parque das Dunas ou pela avenida Orlando Gomes”, assinalou Ulisses. 

Os outros corredores serão instalados nas avenidas ACM, Paralela e Suburbana.  Na reunião itinerante, o grupo saiu da sede da Transalvador, no Vale dos Barris, e visitou as estações Pirajá, Iguatemi e Lapa, além de analisar o trânsito no Ogunjá, Dique, avenidas Bonocô, Paralela e Vasco da Gama, Acesso Norte e entrada da BR-324.

O percurso foi feito em duas horas em ônibus que só teve a comitiva como passageiros. Ao chegar no terminal de transbordo em Pirajá, Aleluia ficou surpreso com as condições dos banheiros do local. “Que cheiro é esse? Isso é uma vergonha”, definiu.

Indignado, ele rasgou dois cartazes na porta do sanitário feminino, em que eram pedidas moedas para colaborar com a limpeza do banheiro feita pelos ambulantes. “Não vamos fazer grandes obras agora, como consertar as escadas, mas vamos manter a limpeza e a ordem. Os terminais de transbordo estão longe do que queremos. Temos que priorizar o transporte coletivo e as condições desse sistema”, avaliou Aleluia. 

De acordo com o secretário, a terceirizada que cuidava dos terminais entrou em “colapso” por falta de pagamentos da gestão passada, mas a questão deve ser resolvida até a próxima semana. Além de técnicos e gestores, a vice-prefeita Célia Sacramento, o superintendente da Transalvador, Fabrizzio Muller, e o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes (Setps), Horário Brasil, também integraram a comissão.

Por Leo Barsan
READ MORE - Salvador terá corredor exclusivo para ônibus da Pituba ao aeroporto

Sistema de Corredores Expressos tipo BRT, dá total ênfase ao sistema viário

Curitiba deu total ênfase ao sistema viário, aproveitando a facilidade de uma ocupação do solo menos densa; São Paulo, além do seu empenho também em construir um sistema viário apropriado, dedicou-se muito à tecnologia dos veículos
Maior ônibus do Mundo em Curitiba
Sob o título acima, o jornal O Estado de São Paulo (13/02/13) fez importantes considerações acerca do transporte urbano de São Paulo, reconhecendo, de plano, que “São Paulo precisa, há muito, de um sistema como o BRT (Bus Rapid Transit), no qual ônibus de alta capacidade operem em faixas segregadas, tenham prioridade nos cruzamentos e sejam monitorados em tempo real por sistemas de rastreamento”.

Acrescenta a matéria que “o sistema escolhido (para corredores a implantar em São Paulo) é uma forma aperfeiçoada do modelo instalado há quase 50 anos em Curitiba, que se baseia na prioridade do transporte coletivo e na integração de todos os modais”. E que “várias cidades do mundo copiaram o modelo e, em Bogotá, na Colômbia, técnicos brasileiros conseguiram aprimorá-lo e fazer do Transmilênio um novo ícone de eficiência no transporte público que, agora, se pretende copiar em São Paulo”.
Transmilênio de Bogotá
Está tudo certo, para decepção dos brasileiros e, em particular, dos paulistanos. O modelo de corredores de Curitiba começou a ser implantado no início da década de 1970, quando o prefeito da Cidade era o arquiteto Jaime Lerner, dentro de um plano moderno de urbanização que se estendeu por muitos anos, graças à continuidade administrativa assegurada, em grande parte, pelo próprio êxito do modelo de transportes. Mas, em época próxima,. São Paulo preocupou-se com o mesmo problema, em escala maior, tendo produzido, em 1974, o chamado Plano SISTRAN, fruto de estudos da Prefeitura, administrada por Olavo Setubal, e da recém criada Região Metropolitana de São Paulo, institucionalizada por Paulo Egydio Martins. O primeiro passo para a implantação do plano de 280 km de corredores, com 1.580 tróleibus, dos quais 450 articulados, foi a criação da Diretoria de Tróleibus da CMTC, em 1977.

Curitiba deu total ênfase ao sistema viário, aproveitando a facilidade de uma ocupação do solo menos densa; São Paulo, além do seu empenho também em construir um sistema viário apropriado, dedicou-se muito à tecnologia dos veículos, adotando-os elétricos, como um importante passo para despoluir a cidade, mormente junto a corredores de tráfego intenso. Modernos ônibus elétricos foram projetados e construídos em São Paulo, tendo a Prefeitura adquirido 300 deles e construído um primeiro corredor, na avenida Paes de Barros, na Vila Prudente.

Na sequência, a CMTC estabeleceu convênio com a EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, que deveria, aos poucos, assumir todo o transporte público da Região Metropolitana, seguindo um plano de integração total. Como “holding” do sistema, a EMTU deteria progressivamente o controle acionário da Companhia do Metrô, como de fato ocorreu, o da CMTC e o da futura empresa ferroviária resultante da fusão do sistema de trens urbanos da FEPASA e da rede similar da EBTU – Empresa Brasileira de Trens Urbanos, incorporação essa que veio a constituir, mais tarde, a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.

A primeira ação resultante do mencionado convênio da CMTC com a EMTU, antes da prevista fusão das empresas, foi a transferência dos projetos executivos de todos os 280 km de corredores para a empresa metropolitana, caminhando na direção da perfeita integração dos transportes. Entretanto, ocorreu a sucessão municipal, em 1979, e tudo mudou. A começar pela extinção da EMTU, destinada a ser o cérebro do sistema metropolitano dos transportes. Foi um desastre!

Dois corredores municipais, operados por tróleibus, ainda vieram a ser construídos: o da avenida Santo Amaro e o da Nova Cachoeirinha. Mas não se garantiu a adequada preservação das faixas. Nem mesmo a tração elétrica foi conservada, em favor do meio ambiente. Por isso se recomenda hoje copiar Bogotá...

Tem-se insistido, há anos, que os chamados corredores de ônibus guardem as seguintes características básicas:

a) emprego de veículos de tração silenciosa, não poluentes;

b) nenhum cruzamento com outros fluxos de deslocamento ou interferência de outros veículos no mesmo leito de tráfego;

c) possibilidade de formação de comboios;

d) elevada frequência de composições, o que depende de outros fatores abaixo mencionados;

e) possibilidade de cobrança externa aos veículos, permitindo a entrada e saída dos passageiros por todas as portas;

f) plataformas de embarque no nível do interior dos carros;

g) redundância em instalações, de forma a minimizar as possibilidades de interrupção do tráfego;

h) aceleração e velocidades elevadas, mas atendendo os níveis de conforto e segurança exigidos;

i) guiagem mecânica, magnética, ótica ou similar, permitindo uma operação segura, com velocidade e frequências elevadas.

Para simplificar os projetos, muitas cidades têm substituído os veículos de tração elétrica por outros movidos a combustíveis, o que, hoje, enseja a qualquer criança dissertar sobre os inconvenientes. No próprio projeto de Curitiba, de 50 anos, previu-se implantar, numa segunda fase, um sistema de bondes, assegurando um transporte não poluente e, talvez, com maior capacidade, o que atualmente se põe em dúvida. Eu mesmo fui convidado pelo prefeito Lerner para pensar no projeto, com uma solução atualizada e nacionalizada, como a que alcançamos com os tróleibus em São Paulo.

Hoje se pode dizer que a Região Metropolitana de São Paulo conta com modos de transportes dedicados a quatro categorias de capacidade:

1. Sistema metro-ferroviário – Para demandas acima de 50.000 passageiros por hora e por sentido.

2. Sistema de Média Capacidade – Corredores como o ABD (ligação São Paulo, São Bernardo, Diadema, de caráter metropolitano) e o Expresso Tiradentes (ex - fura fila), para 30.000 a 50.000 passageiros por hora e por sentido.

3. Sistema de Corredores Expressos formado pelos corredores restantes, cujas deficiências não lhes permite alcançar desempenho de média capacidade, não indo além de 20.000 passageiros por hora e por sentindo.

4. Sistema de Baixa Capacidade – Automóveis e ônibus disputando o mesmo espaço.

A convicção de que São Paulo necessitava de sistemas de transporte de capacidade intermediária entre os ferroviários e o resto, levou a Prefeitura Municipal, em continuação aos propósitos do Plano SISTRAN, a implantar um trecho experimental de um sistema de média capacidade, chamado de VLP – Veículo Leve Sobre Pneumáticos e idealizado para 150 km de extensão. Esse trecho experimental, que liga o Parque Dom Pedro II ao Sacomã e à Vila Prudente e hoje se chama Expresso Tiradentes, respeitou quase todos os requisitos do corredor, mas abandonou a tração elétrica, assim como a guiagem lateral, que dispensa o motorista de dirigir o tempo todo. Foi uma decisão na contramão dos mais recentes projetos mundiais, que ademais, levou a um grande desperdício dos equipamentos então adquiridos.

Mas não é por acaso que os dois corredores citados, ABD e Tiradentes, ocupam os dois primeiros lugares na preferência dos usuários, de transporte coletivos, superando hoje o Metrô nessa avaliação. Mas também não é por acaso que o chamado índice de passageiros por quilometro – IPK, que mede a demanda de passageiros em cada quilômetro percorrido no sistema, está acima do número 5, enquanto na média da cidade ele não chega a 2. Essa indicação é preciosa não só para aquilatar a qualidade do serviço oferecido, mas também para avaliar o retorno econômico, com o qual se custearão todos aqueles requisitos a adotar no projeto de um bom corredor. Assim, o corredor não encarece o transporte, mas lhe reduz os custos, apesar dos investimentos indispensáveis. Só assim poderemos criar na cidade um verdadeiro sistema de corredores, como, aliás, fora preconizado na lei 12.328 de 1997, que criara o Subsistema de Transporte de Média Capacidade, que permitiria identificar com precisão os verdadeiros corredores, evitando as improvisações que transformaram os atuais corredores em sistemas de baixa capacidade, poluentes e desconfortáveis.

Adriano Branco é ex-Secretário dos Transportes e da Habitação do Estado de São Paulo, eleito Engenheiro do Ano de 2008, Membro da Academia Nacional de Engenharia.


Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook
READ MORE - Sistema de Corredores Expressos tipo BRT, dá total ênfase ao sistema viário

SPTrans cria linha para Show de "Elton John"

Para atender a saída do público do show “Elton John” que será realizado quarta-feira, dia 27 de fevereiro, no Jockey Club de São Paulo, a SPTrans vai acionar a linha Jockey Club – Metrô Anhangabaú, com sete veículos do Consórcio Sete, a partir das 23:00h com intervalos médios de 20 minutos.
Ponto inicial na Av. Lineu de Paula Machado, 1206, próximo à Pça. João Ademar de Almeida Prado.

Para mais informações sobre itinerários ligue 156 ou acesse www.sptrans.com.br

Linha: Jockey Club – Metrô Anhangabaú
Itinerário:
Ida: Av. Lineu de Paula Machado, Praça Prof. Américo de Moura, Av. dos Tajuras, Pte. Eng. Roberto Rossi Zuccolo, Av. Cidade Jardim, Av. 9 de Julho, Túnel Papa João Paulo II, Av. Prestes Maia, retorno próx. a Av. Senador Queiróz, Av. Prestes Maia, Túnel Papa João Paulo II, Av. 9 de Julho, Metrô Anhangabaú.

Informamos as demais opções de linhas que atendem a região do Jockey Club:

Na Av. Francisco Morato- Parada Vital Brasil -18 linhas

6250-10 Jd. Jaqueline- Term. Bandeira
702C-10 Jd. Bonfiglioli- Metrô Belém
714C-10  Cohab Educandário- Lgo. Da Pólvora
7458-10 Jd. Boa Vista- Estação da Luz
7545-10 Jd. João XXIII- Pça Ramos de Azevedo
775P-10 Jd. Guarau – Metrô Ana Rosa
778J-41 Cohab Raposo Tavares- Metrô Barra Funda
778R-10 Cohab Raposo Tavares- Terminal Princesa Isabel
7903-10 Jd.João XXIII/ Educ.- Pça Ramos de Azevedo
809A-10 Jd. D´Abril- Pinheiros
809D-10 Cohab Educandário- Pinheiros
809J-10 Jd. Colombo -Pinheiros 
809P-10 Terminal Campo Limpo- Pinheiros
857A-10 Terminal Campo Limpo- Metrô Santa Cruz
875P-10 Terminal Campo Limpo- Paraíso
857R-10 Terminal Campo Limpo- Aclimação
8610-10 Jd. Paulo VI- Terminal Bandeira
8700-10 Terminal Campo Limpo- Pça. Ramos de Azevedo 

Na Av. Dr. Vital Brasil- 19 linhas

177H-10 Metrô Santana- Butantã USP
177P-10 Casa Verde-Metrô Butantã(Circular)
477P-10 Ipiranga- Rio Pequeno
577T-10 Jd. Miriam- Vila Gomes
7002-10 Jd. Rosa Maria- Hospital das Clínicas
7013-10 Pq. Arariba- Pinheiros
701U-10 Metrô Santana- Butantã USP
702U-10 Butantã USP- Term. Pq. Dom Pedro II
715N-10 Jd. Maria Luiza- Lgo. da Pólvora
719R-10 Rio Pequeno- Metrô Barra Funda
7411-10 Cidade Universitária- Pça. da Sé
771P-10- Jd. João XXIII- Hosp. das Clínicas
775A-10 Jd. Adalgiza- Metrô Vila Mariana
775V-10 Rio Pequeno- Metrô Santa Cruz
778J-10 Jd. Arpoador- Metrô Barra Funda
8018-10 Vila Sônia- Butantã
809R-10 Rio Pequeno- Pinheiros
8705-10 Shopping Continental- Anhangabaú
8707-10 Rio Pequeno- Princesa Isabel

READ MORE - SPTrans cria linha para Show de "Elton John"

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960