Ciclistas exigem ciclofaixas incluídas nos projetos de Curitiba

quarta-feira, 6 de julho de 2011

“O ciclista tem que começar a ser encarado como agente do trânsito. Não existe essa história que Curitiba é modelo no incentivo do uso da bicicleta. Nossa cidade não pode ser classificada como amiga da bicicleta”. O desabafo é do presidente da Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu e membro da Bicicletada Curitiba, Jorge Brand.

Atualmente, o maior exemplo da falta de preocupação com os usuários de bicicleta em Curitiba é a não inclusão da ciclofaixa em projetos de reformas ou obras em Curitiba. Foi assim com a reforma da Marechal Deodoro, feita anos atrás, afirma o ciclista. Para evitar que o mesmo aconteça, o foco está voltado para a revitalização na Cândido de Abreu, anunciada pela Prefeitura de Curitiba para iniciar no 2º semestre deste ano. Segundo Brand, estão previstas oito faixas para trânsito de motorizados e nenhuma para as bicicletas.

O problema já foi apontado pelos vereadores da Comissão de Urbanismo e Obras Públicas da Câmara Municipal, que ao conhecerem os detalhes do projeto apontaram essa falha. “Todo o projeto é muito bom, com uma ressalva: não estão previstas ciclovias”, disse o presidente da Comissão, o vereador Jonny Stica (PT), que fez a recomendação para que os técnicos do Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba) repensassem na sugestão.

Até agora, segundo o vereador, não houve um retorno da Prefeitura quanto à inclusão das ciclofaixas no projeto. Da mesma forma, aguardam os ciclistas. Brand conta que essa discussão já foi levantada com os técnicos do Ippuc. Foi prometido que até o final de junho seria marcada uma audiência com o prefeito Luciano Ducci, mas até agora, nada foi oficializado. “Estamos aguardando. Esperamos que ele nos receba no início deste mês”, fala o ciclista.

O presidente da Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu comenta que a proposta deles é que uma das faixas destinadas a automóveis seja transformada em duas vias de ciclofaixas. Além disso, os ciclistas pretendem falar sobre a questão da divulgação do Código de Trânsito, que assegura a preferência a bicicleta, por exemplo, e medidas de segurança. A implantação de bicicletários também deve entrar na pauta.
“A bicicleta é um meio de transporte que está em constante crescimento em Curitiba. O que precisamos é que o poder público acompanhe esse crescimento e faça um investimento contínuo nesse aspecto”, reforça Brand.



0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960