No Rio, Prefeitura adia punição a motorista que desrespeitar corredor exclusivo para ônibus

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

A aplicação de multas para os motoristas que não respeitarem o novo corredor exclusivo para ônibus na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, em Copacabana, ainda não tem data para começar. A Prefeitura do Rio voltou atrás e decidiu ampliar a fase educativa, que terminaria segunda-feira. Criado para dar agilidade ao transporte público, o novo sistema de tráfego divide opiniões entre especialistas, pois pode ter reflexos negativos no restante do bairro.

Para o engenheiro de trânsito Fernando Mac Dowell, que percorreu a avenida a convite de O DIA, o fluxo de veículos na Atlântica e em vias perpendiculares vai aumentar consideravelmente. “Com menos espaço para trafegar na Nossa Senhora de Copacabana, o tráfego vai se realocar. É um processo natural. Os motoristas já estão optando por outras vias, que não vão suportar o aumento do fluxo”, alerta.

Quarta-feira, o trajeto entre a Rua Miguel Lemos e a Avenida Princesa Isabel foi percorrido em 20 minutos na pista destinada aos carros e em 10, na seletiva dos ônibus. No dia seguinte, a viagem foi repetida no mesmo trecho e horário, e o tempo de carro caiu pela metade.

Para Mac Dowell, a diferença mostra que o tráfego está escoando por outras vias. “Os motoristas já estão se mandando da Nossa Senhora de Copacabana. O fluxo diminuiu muito de um dia para o outro, não é normal”, avalia. O engenheiro alerta que o excesso de veículos em outras vias pode dar um nó no trânsito do bairro.

Já o engenheiro de trânsito Alexandre Rojas, privilegiar o transporte público tem suas consequências. Ele concorda com a implantação da pista exclusiva, mas ressalta que o BRS pode atrasar a viagem de quem opta pelo carro.

“O BRS é justificável e, no cenário que temos, é a melhor alternativa. Mas essa agilidade no transporte público tem um preço: sobra menos espaço para carros. Você tem que priorizar alguma coisa em detrimento de outra”, ponderou Alexandre Rojas.

A prefeitura continuará distribuindo panfletos educativos a semana que vem.

Solução

O engenheiro de trânsito Fernando Mac Dowell aponta o metrô como a melhor alternativa para desafogar o trânsito em Copacabana. “É o único sistema que tira o carro da rua”, afirma.

Mas o especialista acredita que é preciso melhorar o serviço prestado para atrair a população. “O sistema precisa chegar à Barra da Tijuca e o intervalo entre as composições tem que diminuir bastante. Desta forma, grande parte do fluxo de veículos vai deixar de passar por Copacabana”, acredita.


Fonte: O Dia Online

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960