DF: Problemas com Passe Livre à vista a partir de terça-feira

domingo, 6 de junho de 2010


A estimativa é de que os R$ 667 mil no caixa da empresa Fácil — do total de R$ 6 milhões repassados pelo governo — sejam suficientes para atender a cerca de 5 mil alunos. Como essa é a média de atendimentos diários, a previsão é de que a partir de terça-feira os estudantes voltarão a ter problemas para recarregar os cartões. Não há previsão de novos repasses por parte do GDF.

Durante todo o dia de ontem, o movimento foi tranquilo nos postos da Fácil. Quem foi ao posto do Setor Comercial Sul foi atendido imediatamente, sem filas. Já no posto de Taguatinga, onde geralmente ocorre a maior demanda, o tempo médio de espera era de 20 minutos, mas, por volta de 10h30, já não havia fila. “É a primeira vez que venho. Fiquei sabendo das filas e resolvi adiar a recarga para hoje”, conta Lucilene Silva, 27 anos, estudante de direito. Lucilene estuda na faculdade Anhanguera, em Taguatinga, e mora no P Norte. Ela tira R$ 4 do próprio bolso para ir à aula desde 14 de maio, quando acabou o dinheiro de seu cartão.

Os estudantes enfrentaram filas quilométricas ao longo das últimas duas semanas. A falta de verba para a recarga dos cartões tem causado revolta entre os usuários do serviço. Fernanda Cordeiro, 18 anos, estudante de biomedicina, foi ao posto da Fácil pela segunda vez para efetuar a recarga. Ela conta que, na semana passada, a fila dava voltas no posto de Taguatinga. “Eu tinha aula e não pude ficar esperando”.

Várias crianças e jovens têm perdido aulas em função da dificuldade na recarga dos cartões. É o caso de Isabele Cristine, 15 anos, que chegou a ficar duas semanas longe da escola por falta de dinheiro para pagar o ônibus. Sem crédito no cartão, Isabele gastaria R$ 4 por dia para percorrer o trecho entre sua casa, em Samambaia Sul, e o Centro de Ensino Fundamental 14 de Taguatinga, onde estuda. A menina mora com a mãe, dois irmãos e três primos e conta que a família vive com o salário de diarista da mãe. “Minha irmã de colo adoeceu e minha mãe teve que comprar remédio para ela. Por isso, eu e meu irmão não tivemos como ir para a escola”, conta a menina.

Na Universidade de Brasília (UnB), os estudantes encontraram uma outra forma de driblar a dificuldade com o transporte público. Se ir e voltar todos os dias para casa estava difícil, a solução encontrada foi dormir na própria universidade durante a semana. A procura por um espaço na Casa do Estudante Universitário (CEU) aumentou muito com a confusão do Passe Livre. Muitos alunos que moram longe da universidade trocaram o conforto de casa pela acomodação provisória na residência estudantil.

Rayane Noronha, 19 anos, está há uma semana morando na CEU. Em seu segundo semestre no curso de ciências sociais, a situação do transporte público quase inviabilizou os estudos. Quando morava com sua mãe em Ceilândia, ela conta que, além de gastar R$ 10 por dia com transporte, demorava duas horas para chegar à UnB. “Quando tinha aula às 8h, acordava às 5h. Ainda estava escuro e eu tinha que caminhar vinte minutos até chegar ao metrô. Como ele sempre ia lotado para o Plano, entrava no vagão no sentido contrário e esperava o metrô ir até o final da linha e voltar. Assim, eu ia sentada até a rodoviária, onde pegava um ônibus para chegar à UnB”, explica.

Moradora de Samambaia Sul, Michelle Rosa, 23, também foi uma das que buscou refúgio na CEU. “Semestre passado, quando recebi a notícia de que tinha passado no vestibular, comecei a procurar lugar na CEU, porque sabia que não teria condições de pagar passagem todos os dias”, conta.

Repasse

A Câmara Legislativa do DF (CLDF) aprovou, em 27 de maio, a liberação de R$ 6 milhões para a recarga dos cartões. Foi o terceiro repasse autorizado pelo governador do DF em 2010. No primeiro, em 15 de maio, foram liberados R$ 2 milhões, mas, depois de três dias, já não havia dinheiro. O GDF, então, liberou mais R$ 636 mil em 18 de maio, mas a verba foi suficiente apenas para um dia. Na sexta-feira passada, R$ 3 milhões, metade do dinheiro liberado pelo GDF, entraram na conta da Fácil. A verba acabou na segunda-feira. No mesmo dia, a outra parte dos R$ 6 milhões ficou disponível para a empresa responsável pela bilhetagem eletrônica no DF.

Fonte: Correio Brasiliense

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960