Greve de ônibus em Cubatão-SP continua nesta quarta

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Os mais de 22 mil passageiros que utilizam diariamente o transporte público de Cubatão terão que continuar recorrendo aos micro-ônibus alternativos e veículos intermunicipais da EMTU nesta quarta-feira. Isso porque a greve dos 260 motoristas e cobradores da empresa Translíder continua, sem previsão de término. 

Segundo informações do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários, até a noite desta terça-feira, os salários de outubro ainda não haviam caído na conta dos empregados. Em mesa redonda realizada na Gerência Regional do Trabalho (GRT), em Santos, também não houve acordo. 

Impasse 

Um dia após a Prefeitura alegar que a empresa deveria manter em dia os salários dos funcionários, porque isso está previsto em contrato, o diretor jurídico da Translíder, Paulo Longobardo informou que, para deixar os pagamentos em dia, precisa receber a quantia acordada em contrato com a Admininistração Municipal. 

“Há seis meses a Prefeitura não paga o que temos direito pelo transporte de passageiros e de alunos da rede de ensino. São mais de R$ 5 milhões em dívidas. Aí fica difícil pagar o salário deles”. 

Procurada, a Prefeitura de Cubatão informou que a Translíder tem a obrigação de manter em dia as relações trabalhistas com seus empregados, independentemente do pagamento ou não das parcelas do contrato. 

“A Prefeitura tomará todas as medidas cabíveis para o retorno imediato do transporte coletivo e da totalidade do transporte escolar.”

Nesta quarta, uma audiência de conciliação está marcada para as 14 horas, em São Paulo, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP).

Por Bruno Rios

1 comentários:

Daniel disse...

Sou a favor de greves desde que não prejudique a população! A prefeitura deveria fazer algo a respeito porque o ônibus alternativo vai até as 21h:30min, ônibus alternativo deveria ser monitorado pela prefeitura tendo também um sistema de passe escolar, passe comum e sistema de cartões como é na piracicabana, além de seguro garantiria que greves desse porte não afetassem a população da cidade, essa humilde ideia poderia até evitar as greves já que os passes seriam comprados pela população e cairiam direto na tesouraria da empresa de ônibus, os únicos passes que seriam pagos pela prefeitura seriam os escolares e outros especiais(se existirem), se por ventura a empresa que é paga pela prefeitura linha "bom Jesus" entrasse em greve os alternativos estariam a altura para arcar com a demanda da cidade.
O livre comércio e a concorrência impediriam que certas empresas prejudicassem a população da cidade.
Sou a favor também do passe único, isto é, um passe que é comprado e serve em qualquer linha de ônibus seja ela municipal ou intermunicipal digo isso porque eu não vejo cada loja tendo seu próprio método de cobrar dos clientes, porque para ônibus, (transportes em geral) tem que ser diferente? só porque o preço não é o mesmo? deveria ser sim um cartão que é carregado e você ou o cobrador passaria na máquina e debitasse da conta ou até pelo cartão de crédito debitado direto da conta do seu banco assim não haveria mais greves a diferença que esse cartão de crédito especial estaria vinculado a conta corrente do cliente, a prefeitura só lucraria os juros cobrados pelo cartão, em fim existem inúmeras formas de se combater essas greves e resolver esse problema de pagamento de motorista e cobrador porque em pleno século XXI eu e a população tem que se deparar com isso? lamentável.

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960