Em Curitiba, Nova avenida das Torres terá 10 Km de ciclovia

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

A avenida Comendador Franco (das Torres), principal ligação de Curitiba com o Aeroporto Internacional Afonso Pena, e com São José dos Pinhais, será remodelada e terá uma ciclovia de 10 quilômetros. O projeto está sendo feito pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) e integra o pacote de obras de requalificação do Corredor Aeroporto-Rodoferroviária, financiado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Copa 2014.

A ciclovia, assim como as demais intervenções, será feita até a divisa com São José dos Pinhais. A ciclovia da avenida das Torres será feita nos dois lados da avenida, com sentidos opostos, totalizando 20 quilômetros de infraestrutura cicloviária.

“Como o Plano Diretor previa a ciclovia na avenida das Torres, estamos aproveitando a revitalização que será feita na via para implementá-la, aumentando a malha cicloviária da cidade, principalmente nas ligações com a região metropolitana”, diz a coordenadora de Mobilidade Urbana e Transporte do Ippuc, Maria Miranda.

Novo padrão - A nova ciclovia ficará ao lado das calçadas, que também serão refeitas com novo padrão de piso e medidas necessárias de acessibilidade. Ambas - calçadas e faixa de ciclovia - terão largura mínima de 1,5 metro, ideal para o sentido único.

Além da ciclovia, ao longo do trecho a Prefeitura fará ainda recapeamento asfáltico e construção de quarta faixa nos principais cruzamentos da avenida, facilitando as conversões à direita. Medidas de melhoria de fluidez também serão adotadas com a eliminação de alguns retornos na pista.

Malha cicloviária – A ciclovia na avenida Comendador Franco mostra como está sendo implementado o Plano Diretor Cicloviário de Curitiba. “Ele traça as diretrizes e as metas para serem implementadas conforme as obras das vias forem acontecendo. A Prefeitura faz um projeto de obra numa determinada via, se ela é abrangida pelo Plano, certamente teremos a infraestrutura cicloviária nessa obra. Por isso, não temos data de conclusão, apenas quantidade e o tipo de infraestrutura para aumentar a ciclomobilidade”, explica Maria Miranda.
Outra obra que vem sendo executada dentro do Plano Diretor Cicloviário é a avenida
Fredolin Wolf. Num trecho de 7,6 quilômetros a obra de reconstrução da avenida, a Prefeitura está fazendo também uma ciclovia nova e recuperando e melhorando um trecho já existente.

A ciclovia da Fredolin Wolf será uma alternativa de acesso entre os bairros Santa Felicidade, São João e Pilarzinho, melhorando ainda os acessos aos parques Tanguá e Tingui e a saída da Ópera de Arame, cartões postais da cidade.
A obra da Fredolin Wolf vai conectar esta rua à avenida Toaldo Túlio, cuja revitalização foi entregue em fevereiro. A Toaldo Túlio também ganhou ciclovia. A rua foi revitalizada em 4.500 metros e formará um eixo viário com a Fredolin Wolf.

Ciclofaixa - Do outro lado da cidade, a Prefeitura está implantando a primeira ciclofaixa, na avenida Marechal Floriano Peixoto, paralela à caneleta do expresso. A pista especial, que vai separar ciclistas e veículos, terá cor diferenciada, sinalização especial e iluminação.
A ciclofaixa está sendo feita junto com a obra de revitalização da avenida, com recursos da Prefeitura numa primeira etapa do viaduto da Linha Verde até o Terminal Carmo. Outra parte da obra, chegando até a divisa com São José dos Pinhais, será feita com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Copa.

Curitiba tem atualmente 118 quilômetros de ciclovias e circulação compartilhada com pedestre. Com o Plano, a cidade deve expandir essa malha cicloviária para 400 quilômetros. Todo mapeamento já foi feito pelo Ippuc, e um dos objetivos é conectar os bairros e a Região Metropolitana.


Fonte: Prefeitura de Curitiba

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960