São Paulo, Faixa reversível da Estrada do M’Boi Mirim tem horário ampliado, porém são muitos passageiros para poucos ônibus

sexta-feira, 11 de março de 2011

A Prefeitura de São Paulo ampliou em um hora o funcionamento da faixa reversível da Estrada do M’Boi Mirim, na Zona Sul da capital paulista, a partir desta quinta-feira (10). A faixa, que funcionava das 6h às 8h, passou a funcionar entre as 5h30 e as 8h30.

Ainda de acordo com a Prefeitura, a velocidade no trecho da estrada, que vai do nº 860, em Piraporinha, ao nº 2.600, perto do cruzamento com a Avenida Guido Caloi, aumentou 25% desde a implantação da faixa reversível em 31 de março de 2010.

Falta de ônibus
Nesta quinta, o trânsito estava fluindo melhor com a ampliação do horário, mas alguns passageiros duvidavam que a estratégia iria melhorar a situação do transporte público. “Tem dia que a gente não entra, as pessoas jogam você lá dentro. É muita gente e pouco ônibus”, diz Belísia Coelho, moradora da região.

Algumas pessoas, como a diarista Rosineide dos Santos, diz que chega a ficar três horas por dia dentro do ônibus. Muitos também não conseguem embarcar. “É decepção todo dia, eu já chorei neste ponto. Nós somos humilhados aqui para pegar um ônibus. É uma vergonha”, diz Maria da Conceição, moradora.

Para muitos passageiros, o problema é a falta de ônibus, pois os veículos vão ficando cada vez mais lotados durante os percursos. “Se continuar assim, a população vai ficar toda sem emprego. A gente levanta 5h, chega no terminal, fica 40 minutos pra sair um ônibus. Aí chega no trabalho o patrão fala: 'não acredito, aqui o ônibus está normal”, diz Margarida da Cunha, doméstica.

Alteração nas linhas
A Prefeitura ampliou o número de linhas de ônibus e reorganizou o sistema no final de 2010. “Nós seccionamos linhas locais que atendem os bairros no terminal Jardim Ângela e no Largo do Ângela, linha que antes iam até Santo Amaro, compartilhando as faixas da direita com os automóveis. A retirada desses ônibus permitiu uma redução de 22% no volume dessas linhas na região”, diz Celso Lopes, superintendente de operações da SPTrans.

Como o problema persiste, porém, a Prefeitura declarou que há planos para acabar ou alterar a localização de alguns pontos de ônibus da estrada, bem como um projeto de alteração dos semáforos para a implantação de ondas verdes e a eliminação de gargalos no corredor. A Prefeitura também declarou que está em fase de conversas com o governo do estado de São Paulo para a implementação de uma linha de metrô no local.


Fonte: G1.com.br



0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960