Usuários de São Luís aguardam aumento da frota de ônibus

domingo, 12 de setembro de 2010


O aumento tarifário médio de 21,59% no sistema de transporte coletivo de São Luís completará sete meses de vigência amanhã, dia 13, e a população ainda não conseguiu sentir os benefícios desse aumento. A principal justificativa para a majoração das tarifas de transporte coletivo ainda não foi completamente cumprida pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) e pelo Sindicato das Empresas de Transportes coletivos da Capital (SET), ou seja, não houve aumento na frota de coletivos.

Em fevereiro desse ano, a prefeitura condicionou o aumento da passagem à incorporação de mais 300 ônibus à frota da Capital. Para o Ministério Público Estadual (MP), três meses depois do acordo, a SMTT informou que a Capital tinha 902 veículos em operação. Na ocasião, São Luís tinha um déficit de pelo menos 200 ônibus. Com a incorporação de mais 300 carros à frota, o número passaria para aproximadamente 1.200 veículos.

Até o momento, conforme informações da SMTT, 121 novos veículos dos 300 prometidos já entraram no sistema e, conforme dados fornecidos pela secretaria, a frota operante hoje seria de 1.011 veículos. Ou seja, de acordo com dados da SMTT, a frota operante antes do processo de expansão era de 890 veículos e não 902, como informou o órgão ao MP na fase de implementação do projeto. Segundo a prefeitura, a inclusão está “de acordo com o cronograma estabelecido e sendo fiscalizado pela SMTT”.

Depois de sete meses do aumento das passagens de ônibus, ainda faltam ser incorporados 209 veículos para que o compromisso feito entre Prefeitura e empresas seja cumprido. Pelo próprio cronograma da SMTT apresentado à Câmara de Vereadores em fevereiro, pelo menos 221 veículos já deveriam ter sido incluídos no sistema até o fim do mês passado, mas apenas 54% dos ônibus que deveriam estar nas ruas foram, de fato, incorporados à frota.

O prazo que a Prefeitura deu a SET para fazer as mudanças expira no fim do ano. A Prefeitura alegou que, caso não sejam incorporados os novos veículos à frota, as permissões de exploração de serviços de transporte coletivos às empresas que hoje operam em São Luís serão canceladas.

Empresários do setor não tratam oficialmente, mas existe um consenso de que o processo de recomposição da frota de São Luís era necessário, mas precisava ser implementado de uma melhor forma, com um prazo maior aos donos de empresas. A questão, nesse caso, é considerada técnica. A compra de um único coletivo demora até 120 dias e, no início do ano, as fabricantes de chassi tiveram dificuldades em entregar vários pedidos em decorrência da alta demanda em todo o Brasil. Há, ainda, empresários que somente agora têm condição financeira para comprar novos veículos. Ou seja, é muito provável que, até o fim do ano, nem todos os 300 ônibus prometidos pela Prefeitura estejam rodando.

Apesar disso, os empresários afirmam que já houve algumas mudanças. “Não dá para quantificar, mas muitas empresas já colocaram novos coletivos. Tanto que a idade média da frota já diminuiu. Ainda não conseguimos mensurar o quanto”, disse o superintendente do Sindicato das Empresas de Transporte de São Luís, Luís Cláudio Siqueira. Antes da incorporação de alguns desses ônibus, o tempo de frota de São Luís era de 7 anos - uma das mais velhas do Brasil. Hoje, conforme a SMTT, a frota tem idade média de 6,6 anos.

Quantidade de coletivos é insuficiente em horário de pico

Enquanto a quantidade prometida de coletivos não é incorporada à frota, a população sofre com a superlotação em muitas linhas. Passageiros são obrigados a ficar até uma hora esperando nas paradas e terminais em horário de pico para ir à escola ou ao trabalho.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Município de São Luís (STTREMA), Dorival Silva, afirmou que as maiores reclamações que ele recebe sobre demora de ônibus são dos bairros Cidade Operária e Cohatrac. Na Cidade Operária, o ponto crítico para os passageiros está em uma parada nas proximidades da delegacia do bairro; no Cohatrac, a pior parada também fica próxima à delegacia do bairro. “As pessoas reclamam que precisam ligar para seus chefes porque, normalmente, demoram muito para conseguir pegar um ônibus”, afirmou Dorival Silva.

A doméstica Conceição de Maria Rodrigues sofre diariamente. Ontem, ela demorou cerca de 50 minutos para conseguir pegar um ônibus da Cidade Operária com destino ao São Francisco. Moradora da unidade 105, ela chegou ao ponto de ônibus por volta das 6h40 e às 7h20 ainda esperava pelo coletivo. “Todos os que passam por aqui estão lotados. É complicado pegar um deles”, comentou.

Na Avenida Jerônimo de Albuquerque, no Angelim, o vendedor Ricardo Almeida Martins tem cerca de oito opções para sair do Angelim em direção ao Vinhais. Das 6h50 às 7h20, ele não consegue pegar ônibus por causa da superlotação. “Ou eu chego muito cedo ao trabalho ou muito tarde. Não tenho um meio-termo. É muito complicado”, assinalou o vendedor.

fonte: Imirante.com

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960