Mauá tem melhora no transporte público

domingo, 12 de setembro de 2010


O transporte público de Mauá vive novos tempos. E para melhor. A garantia é do secretário de Mobilidade Urbana, Renato Moreira. Segundo ele, a mudança recentemente implantada, com combinação de linhas, possibilita maior número de veículos à disposição, com alguns dos trajetos sendo contemplados com menor intervalo entre os carros. Não há mágica, apenas readequação da estrutura do sistema.

"Juntamente com a secretaria de Planejamento, Josiane Francisco da Silva, estamos elaborando plano de mobilidade urbana para adequar Mauá aos tempos atuais, onde temos frota de 150 mil veículos, isso sem contar a flutuante. A cidade cresceu e precisa de modificações", afirma Moreira.

O primeiro passo, portanto, foi modificar o sistema Radial, onde todas as linhas desembocavam no Terminal Central. "O jeito que estava tínhamos um nó. Por ser o terminal muito próximo na estação da CPTM, com intenso movimento de usuários justamente no local que anteriormente era ponto de parada mais longa dos ônibus, onde o motorista ia tomar café, bater papo, namorar. O passageiro descia do trem, entrava no coletivo e cadê o motorista? Agora, o terminal é estação de transferência, com a parada final passando para o bairro", explica o secretário.

Com isso, assegura ele, não há como o passageiro alegar que ficou duas horas esperando. Segundo planilha da secretaria, a antiga linha Oratório-Centro, por exemplo, que dispunha quatro micro-ônibus em intervalos de 12 minutos, agora é formada pelo trajeto Bógus-Oratório, via Centro, com seis veículos e o mesmo tempo de circulação. Já o Olinda Vila Campo Verde-Centro, com 16 minutos e três micros, passou a ser Paranavaí-Olinda, via Campo Verde, com sete carros e intervalos de 12 minutos.

Moreira revela também que Mauá, justamente para fiscalizar o cumprimento do proposto, é a primeira cidade do Grande ABC a ter GPS no sistema de transporte público. "Não é para rastrear, mas para controlar o cumprimento do contrato das empresas. Por isso, não há como o usuário alegar que ficou duas horas esperando o ônibus. Nem em situações de calamidade ou tragédia isso ocorreria. No máximo, o dobro do tempo dos intervalos normais. Quando algum veículo quebra, já avisamos a empresa."

Com o Terminal Central operando a partir de agora como estação de embarque e desembarque, o item ‘descumprimento de horário'', apontado em todas as pesquisas de análise do sistema como a maior reclamação do usuário, aparentemente deixa de existir. Para que as empresas cumpram o estabelecimento, a administração pública conseguiu a aprovação do 1º Regulamento de Multas, distribuído e aceito pelos participantes do sistema, e que possibilita à Prefeitura a ferramenta legal para intervir em caso de descumprimento.

Por isso, o secretário de Mobilidade Urbana não está preocupado se a Leblon, vencedora da licitação do lote 2, terá ou não bilhetagem eletrônica compatível ao sistema atual. Para ele, o documento da empresa em que o fabricante da tecnologia confirma ter um adaptador para a bilhetagem existente, é a que vale, embora a própria ProData tenha emitido, posteriormente, outro ofício desmentindo o primeiro. "Nessa questão, cumprimos o que a Justiça determina. E ela deu a vitória para a Leblon. O documento existente no processo licitatório é o que atesta capacidade de se adequar. O outro, em mãos dos concorrentes desclassificados, não está protocolado na comissão, portanto, não é oficial."

Diante desse posicionamento, Renato Moreira garante que o usuário do transporte público não será lesado quando a Leblon entrar em operação, no final de outubro. "Ela diz que faz. Está documentado e eu, como disse, obedeço a lei. Se lá para frente os recursos em trâmite reverterem a decisão atual, acataremos igualmente. E se ela ou qualquer outra operadora não cumprirem o determinado no contrato, estamos amparados pelo Regulamento de Multas para até intervir e romper o convênio assinado", finaliza o secretário.

Fonte: Diário do Grande ABC

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960