Recife: Engarrafamentos aumentam estresse de motoristas e passageiros de ônibus

segunda-feira, 19 de julho de 2010


Em alguns momentos o direito de ir e vir, de circular pelas ruas se transforma num tormento. A última reportagem da série Marcha Lenta mostra como o trânsito praticamente para em muitas ruas e avenidas do Recife no horário de pico.

De um lado, a engenharia de tráfego trabalha para administrar a falta de espaço nas áreas urbanas. Do outro, a população tenta, de alguma forma, tornar menos estressante o ato de sair de casa. A solução adotada pelo analista de sistemas Bruno Braga foi radical, mas ele não se arrepende: o carro agora fica na garagem e o meio de transporte de Bruno virou a bicicleta.

Ele pedala do bairro dos Aflitos, onde mora, até o local de trabalho, na Ilha do Leite. São cinco quilômetros, agora percorridos em apenas quinze minutos. “É um ganho de qualidade de vida, de tempo, você chega ao trabalho com a cabeça arejada, sem estresse, já com atividade, com o sangue circulando”, defende Bruno.

METRÔ X ÔNIBUS

Fica mais difícil optar por deixar o carro na garagem quando o sistema de transporte público não funciona como deveria. O metrô poderia ser uma opção para fugir do trânsito, mas ele não vai a todos lugares – atende apenas 20% da população da Região Metropolitana do Recife. Na falta de trens, o jeito é recorrer aos ônibus – é o que fazem todos os dias um milhão e oitocentos mil passageiros no Grande Recife.

Mas só quem depende dos ônibus sabe o que enfrenta. Além do veículo cheio, tem o problema de engarrafamento. “É a lentidão durante o percurso de lá pra cá e na vinda, principalmente à noite que é horário de pico que a gente larga, você fica meio limitado à velocidade”, relata o corretor de seguros Marcos Cabral. O motorista de ônibus Ivo Felipe encontra outra explicação: “Às vezes alguns motoristas de carros particulares não têm muita experiência no trânsito e eles ficam um pouco perdidos, talvez a dificuldade seja essa”.

“A solução pra isso é a gente ter recursos destinados ao transporte público, alguns países já trabalham a questão de pedágio em algumas áreas centrais, no sentido de que esses pedágios sejam revertidos para a melhoria do transporte público”, sugere Manoel Marinho, presidente do Detran.

Um dos projetos de melhoria do sistema de transportes públicos está em fase de licitação no estado. É a construção de três corredores de ônibus na Região Metropolitana, que deve desafogar o trânsito em vários pontos do Recife.

São mais de sessenta quilômetros de vias exclusivas – de Igarassu a Cajueiro Seco em Jaboatão; da avenida Norte até à Cruz Cabugá e da avenida Guararapes até Camaragibe.

Neste corredor, irão trafegar veículos maiores, que têm o piso no mesmo nível da estação. “Ninguém vai subir degrau, o pagamento é feito fora, fica numa estação fechada, climatizada, onde quando o ônibus chega, a porta que é larga do ônibus, é da mesma largura da porta da estação, as pessoas embarcam e desembarcam em mesmo nível”, explica Dilson Peixoto, secretário das Cidades.Para explicar a lentidão causada pelos ônibus, Dilson lembra que a mistura de veículos nas vias afeta a velocidade. “Então você tem o ônibus, que é um veiculo grande pesado e que a cada 200, 300 metros tem que parar. Essa operação de parada e de saída dificulta a circulação dos outros veículos”, analisa.

A expectativa é de que, com esse projeto, o ônibus passe a ser uma alternativa real para a população. “Porque vai ter mais conforto, mais pontualidade e qualidade e libera espaço para que os veículos possam se locomover”, explica Dilson. As obras devem começar no fim do ano e os corredores só devem entrar em operação na Copa de 2014.

“Vai precisar necessariamente que, além de ofertar o transporte de qualidade, haja políticas que restrinjam o uso do carro, senão não vai resolver”, reconhece Dilson Peixoto. Agora, é esperar para ver.



0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960