Trânsito do Rio a passos de tartaruga

terça-feira, 23 de março de 2010


Você sabe qual é o tempo médio de uma viagem em transporte coletivo no Rio? Sessenta e oito minutos, pouco mais de uma hora, com previsão de chegar, num futuro próximo, a insuportáveis 82,39 minutos. E a velocidade média gasta no trânsito? Dezenove quilômetros por hora - com possibilidade de piorar, caindo para 17km/h. Resumindo: o deslocamento na cidade é lento e estressante.

Um dos piores indicadores da América Latina e Caribe, que, por sua vez, também amargam índices ruins. Apenas para ilustrar semelhanças e diferenças - porque muitos dados estão defasados ou foram coletados por diversas fontes -, a Cidade do México consegue ter um deslocamento até mais enervante: uma viagem em transporte público pode levar de 90 a 120 minutos.

  • Santiago conta com bilhete único
    O número, além de útil na comparação, serve para mostrar a complexidade da engenharia de trânsito. Se os engarrafamentos são diários numa cidade como a do México, que chega a transportar cinco milhões de pessoas em seu metrô - dez vezes mais do que a rede no Rio - , o que os usuários do sistema carioca podem esperar do futuro?
    Os vizinhos mais próximos também vêm tentando responder a essa pergunta. Com um metrô considerado exemplar, a cidade de Santiago, no Chile, tem um gasto médio de tempo em viagens bem mais razoável que o Rio: 38 minutos. E a uma velocidade um pouco maior: 22km/h. Leva ainda a vantagem de contar com a tarifa única, que permite ao passageiro circular por todo o sistema, já completamente integrado, com um só bilhete.
    Com 70% dos deslocamentos diários feitos por transporte coletivo, o que já representa um avanço em relação aos vizinhos, Buenos Aires, no entanto, ainda luta contra os engarrafamentos nos horários de pico. As viagens duram cerca de 40 minutos, ainda à frente da média carioca, num ritmo de 40km/h.

Em Quito, bicicleta é vista como opção
Já o grande desafio de Quito, no Equador, é o gerenciamento de problemas do trânsito. Por causa da topografia da cidade, do pouco número de policiais para controlar o fluxo de veículos e da falta de sincronização dos sinais, a população enfrenta engarrafamentos diários na hora do rush, das 6h às 9h e das 17h às 20h. Em especial, no Centro, a região comercial da cidade. A situação é tão torturante, que um monitoramento feito pelo governo da capital já registrou ônibus a uma velocidade média de 13km/h. O caos no trânsito tem provocado o desenvolvimento de campanhas públicas, ou organizadas por ONGs, que visam a estimular o uso de bicicletas.
Um grande número de cidades ainda lida com questões relacionadas ao transporte clandestino. Em sua região periférica, Bogotá enfrenta problemas com os piratas, assim como o Rio. Na Cidade do México, os táxis bandalhas dão dor de cabeça.

O mesmo acontece em Buenos Aires, embora não haja dados oficiais sobre o transporte clandestino feito por taxistas e motoristas de Kombis. Em San José e Quito, a rede paralela chega a concorrer com a oficial nos centros das cidades.
O maior avanço contra os piratas foi registrado em Santiago do Chile. Em 2007, o número de veículos que circulava clandestinamente pela cidade começou a cair com a implantação do sistema integrado, o Transtiago. Antes, havia um grande número de ônibus piratas em circulação.

Fonte: O Globo

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960