Sistema de transporte BRT Sorocaba é referência no Brasil

domingo, 12 de julho de 2020

O novo projeto de transporte coletivo de Sorocaba, o BRT, torna-se referência nacional em inovação e tecnologia. A partir do Sistema Inteligente de Transporte (ITS), 16 soluções integradas via plataforma desenvolvida pelo CittaMobi conectará e integrará todos os dispositivos da operação, desde informações geradas pelas catracas, bilhetagem e câmeras até sensores das portas, TVs e canais de som.

Na prática, a tecnologia ITS recebe as informações, processa, interage e envia comandos ou mensagem de texto/áudio para a central de controle. O monitoramento de toda operação, acompanha os processos e possui ampla automação para ações remotas.

Luiz Alexandre Massariol, Diretor da Concessionária BRT Sorocaba, esclarece que esse fluxo será feito a partir de uma única interface com operação controlada de forma remota e estações com menos fiscais e mais autonomia. "Caso uma usuária do sistema acione o Botão de Incidente Grave, conhecido como BIG, do aplicativo CittaMobi, o operador no Centro de Controle Operacional (CCO) recebe o alerta, visualiza as imagens e pode enviar um alerta sonoro ou tomar outra providência. Esse volume de tecnologia ajudará os passageiros durante as viagens, além dos outros recursos do ITS que possibilitará uma operação com deslocamentos mais rápidos, confortáveis, seguros e com previsibilidade". 

Para se ter uma dimensão da inteligência do sistema, outro exemplo é o sistema de monitoramento.  Se um indivíduo com necessidade especial passa o cartão no validador, a plataforma recebe a informação e a câmera mostra que ele é uma pessoa com deficiência (PCD). Logo, a plataforma envia o comando para a porta do meio abrir sem precisar de um funcionário na estação para fazer nenhum tipo de interferência.

No caso do encerramento das atividades do dia, se uma estação for fechar e as câmeras identificam que existe um passageiro dentro da estação, o sistema de som falará com essa pessoa especificamente, informando o encerramento das atividades e solicita que deixe o local.  Desta forma, as soluções interligam esses dados e geram indicadores que darão suporte à operação do BRT.

Massariol destaca também o sistema de bilhetagem. "Para embarcar, o passageiro poderá comprar o seu bilhete por meio do autoatendimento ou a avulso via aplicativo e um QR Code será gerado no celular. Para validar a entrada, basta aproximar o celular no leitor da catraca. Este último recurso é semelhante ao que é utilizado em aeroportos e cinemas".

Primeira fase de operação

Em breve, os sorocabanos poderão usufruir de 43 novos ônibus, sendo 29 tipo padron com 12,5 metros e 14 superarticulados com 23 metros. Todos os veículos possuem maior capacidade de passageiros, wi-fi gratuito, tomadas USB, monitoramento interno de câmeras, ar-condicionado e motores mais silenciosos. A nova operação será controlada pelo Centro de Controle Operacional (CCO) e monitorada por GPS.

Sistemas ITS disponíveis no BRT Sorocaba

Ao total são 16 soluções integradas que darão suporte para eficiência da operação. Os sistemas são:

·Controle Centralizado e Previsões CittaMobi;

·Monitoramento das Unidades BRT;

·Redes de Transmissão de Dados envolvendo 40 km em fibra ótica e centenas de equipamentos;

·Monitoramento embarcado;

·Comunicação terra-ônibus;

·Multimídia, informação e entretenimento;

·Sonorização Digital;

·Automação padrão SCADA;

·Posicionamento do Material Rodante;

·Wi-fi gratuito;

·Comunicação fixa - Telefonia digital IP;

·Alarme de Segurança;

·Alarme e Combate a Incêndio;

·Bilhetagem e reconhecimento biométrico;

·Venda de passagens integrado, aplicativo, bilheteria e autoatendimento;

·Energia inteligente e fotovoltaica (energia solar).

Projeto BRT Sorocaba

O BRT é um sistema de mobilidade urbana moderno que oferecerá conforto, segurança e eficiência, tornando os deslocamentos mais rápidos do que os atuais.  Ele permitirá maior mobilidade devido às faixas exclusivas de ônibus, o que possibilita uma viagem com mais agilidade e que atende às necessidades da população. Outra novidade é o embarque em nível, que facilita o deslocamento de todos, em especial pessoas idosas e cadeirantes. Os passageiros terão a comodidade de acessar 28 estações preferenciais, 4 estações de integração, 3 novos terminais e 96 pontos de parada, permitindo ainda a integração com os Terminais Santo Antônio e São Paulo, com as seis áreas de transferências e a integração temporal entre diferentes linhas.

Informações: JE Online
READ MORE - Sistema de transporte BRT Sorocaba é referência no Brasil

Linhas de ônibus serão modificadas em Florianópolis a partir segunda-feira

O transporte coletivo de Florianópolis terá mudanças a partir de segunda-feira (13). Horários e linhas serão modificados para atender as demandas específicas de ônibus, e alguns trajetos serão desativados temporariamente.

A mudança foi confirmada pela Secretaria de Mobilidade e Planejamento Urbano. Os novos horários e itinerários podem ser conferidos na página da prefeitura de Florianópolis, no site e aplicativo Floripa no Ponto e site do Consórcio Fênix.

Linhas com horários alterados
135 – Volta ao Morro Carvoeira Norte
136 – Volta ao Morro Carvoeira Sul
137 – Volta ao Morro Pantanal Norte
138 – Volta ao Morro Pantanal Sul
163 – Córrego Grande, 168 – Monte Verde
169 – Monte Verde via Mané Vicente
178 – Saco Grande – Retorno SC 401
183 – Corredor Sudoeste via TISAC
186 – Corredor Sudoeste via Túnel
333 – TILAG TITRI via Madre Benvenuta
431 – TICEN Aeroporto
461 – Tapera via Túnel
463 – Castanheiras via Eucaliptos
464 – Castanheiras via Gramal
467 – Tapera via Saco dos Limões
561 – Caieira da Barra do Sul
474 – Morro das Pedras via Gramal
565 – Ribeirão da Ilha
631 – Capoeiras
660 – Aracy Vaz Callado
663 – Coloninha
668 – Promorar via Ivo Silveira
670 – Monte Cristo.

Linhas que foram reorganizadas
162 – Saco dos Limões – As linhas 136 – Volta ao Morro Carvoeira Sul, 138 – Volta ao Morro Pantanal Sul e 467 – Tapera via Saco dos Limões atenderão os passageiros que utilizavam a 162 – Saco dos Limões.

177 – Santa Mônica – As linhas 330V – TILAG TICEN via Mauro Ramos via TITRI, atende sentido TITRI  CEPON, e a 233 – TICAN TITRI via UFSC, Sentido Madre Benvenuta atenderão os passageiros que utilizavam a linha 177 – Santa Mônica.

180 –TITRI UFSC –  As linhas 163 – Córrego Grande, 164 – Córrego Grande / Posição, 179 – Serrinha, 233 – TICAN TITRI via UFSC, 320 – TILAG TICEN via Beira Mar e 333 – TILAG TITRI via Madre Benvenuta atenderão os passageiros que utilizavam a linha 180 –TITRI UFSC.

943 – Saco dos Limões/Trindade – As linhas 163 – Córrego Grande, 164 – Córrego Grande / Poção, 179 – Serrinha, atendendo a região da Trindade e a linha  138 – Volta ao Morro Pantanal Sul atenderão a  região do Pantanal.

601 – Circular Abraão Estreito e 605 – Circular Estreito Abraão – O usuário que precisar utilizar essas linhas deverá fazer a integração no Ticen.

Informações: ND Mais
READ MORE - Linhas de ônibus serão modificadas em Florianópolis a partir segunda-feira

Prefeitura do Rio monta grande operação para verificar marcações de orientação aos passageiros no piso dos ônibus

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes, realizou uma grande ação de fiscalização, nesta quinta-feira (09), para verificar se os consórcios e o BRT cumpriram a determinação de adesivar o piso dos ônibus, indicando a posição recomendada aos passageiros pelos órgãos de saúde. Fiscais estiveram em diferentes garagens, terminais e estações do BRT, e em pontos estratégicos da cidade. Ao todo, 95 multas foram aplicadas, principalmente por ausência de indicação no piso e lotação.

As empresas tiveram cinco dias úteis para se adequar à nova norma, prazo que expirou nesta quarta-feira (08). Caso haja descumprimento, o consórcio responsável fica sujeito à multa de R$ 924,38 por veículo flagrado em desconformidade. Vale destacar que não há quantidade exata de passageiros em pé por veículo, já que há diferentes plantas de ônibus. O importante é respeitar o limite de dois passageiros por metro quadrado, seguindo as recomendações dos órgãos de saúde.

Nos terminais e estações de maior demanda do BRT, como Alvorada, Santa Cruz, Madureira, Mato Alto e Pingo D’Água, os agentes aplicaram 32 multas, sendo nove por lotação indevida dos coletivos. Já em outros pontos da cidade, como vias de Campo Grande, São Cristóvão e Centro, 44 autuações foram registradas por descumprimento das medidas adotadas pela Prefeitura para a contenção do novo coronavírus. Outras duas linhas foram multadas por cobrar valor da tarifa inferior ao permitido, sem autorização.

– A secretaria está empenhada em buscar soluções para que o transporte público não seja um fator de risco para passageiros e rodoviários. Por isso, continuaremos a fiscalizar, com rigor, o cumprimento das normas e não vamos poupar esforços para que os operadores cumpram suas obrigações e ampliem sua frota efetiva em circulação – declarou Paulo Jobim, secretário municipal de Transportes.

Fiscais da SMTR também estiveram em diferentes garagens, ainda durante a madrugada, para verificar se os coletivos estavam com as marcações e devidamente higienizados, além do uso de máscara pelos funcionários e disponibilização de álcool em gel para os colaboradores. As equipes observaram que os coletivos haviam passado por desinfecção e os funcionários estavam equipados com máscaras. Porém, 17 autuações foram registradas por má conservação e ausência de marcação de distanciamento. Cinco veículos foram lacrados por falta de vistoria.

– Vamos manter a fiscalização reforçada até que a pandemia seja superada. Nossas equipes estarão, diariamente, em diferentes turnos, verificando a devida marcação do piso dos coletivos e o cumprimento das demais normas sanitárias, importantes para a preservação da saúde dos passageiros e motoristas. Contamos com a colaboração e conscientização da população para superarmos este momento atípico – concluiu o subsecretário municipal de Transportes, Allan Borges.

Fiscalização reforçada
A secretaria tem atuado diariamente para acompanhar os serviços prestados e cobrar que os consórcios e o BRT, que já foram notificados, ampliem sua frota efetiva em circulação, de forma a se adequar e acompanhar o incremento gradativo da demanda em função das fases definidas no plano de retomada.

Desde o início das ações de combate ao novo coronavírus, a SMTR aplicou 3.200 multas ao BRT e aos consórcios que operam linhas de ônibus regulares, especialmente por lotação, inoperância de linhas e circulação com frota inferior ao permitido.

A fiscalização seguirá intensificada em terminais, garagens e nas ruas, em diferentes turnos, para garantir que as novas medidas sanitárias sejam cumpridas pelos operadores, além de orientar motoristas e usuários sobre as recomendações dos órgãos de saúde.

Informações: Prefeitura do Rio
READ MORE - Prefeitura do Rio monta grande operação para verificar marcações de orientação aos passageiros no piso dos ônibus

Tire suas dúvidas sobre o bloqueio dos cartões TRI e SIM

A partir desta quinta-feira (9), os cartões TRI e SIM, utilizados como vale-transporte nos ônibus e no trensurb por trabalhadores de atividades não essenciais e não autorizadas de Porto Alegre, já suspensas por decreto — confira abaixo a lista de atividades permitidas —, serão bloqueados. A intenção da prefeitura é reduzir a circulação de pessoas. Permanecerá com VT ativo todo trabalhador de serviços essenciais e de outras atividades com funcionamento permitido.

A medida irá impactar, ao menos, 130 mil usuários do transporte coletivo da Capital. A Trensurb não informou o impacto entre seus passageiros. 

Abaixo, confira perguntas e respostas sobre a ação.

Quem terá o cartão suspenso a partir de quinta-feira?

Todos os trabalhadores de atividades não essenciais de Porto Alegre, já suspensas, que utilizam os cartões TRI e SIM como vale-transporte nos ônibus e no trensurb. Com a suspensão, os cartões não serão aceitos nas roletas dos ônibus e das estações da Trensurb.

Quais áreas que são consideradas essenciais pela prefeitura e não serão impactadas com o bloqueio do cartão TRI?

Todas listadas nos artigos 13 e 14 do decreto 20.625, de 23 de junho (Mais informações abaixo).

Como os cartões serão bloqueados?

A prefeitura solicitou o bloqueio de todos os cartões TRI e SIM utilizados para vale-transporte que estejam ligados ao CNPJ de empresas que estão proibidas de funcionar na Capital. O entendimento é que, com a empresa fechada, o trabalhador não precisa utilizar o benefício.

Como o usuário saberá se teve o cartão TRI bloqueado?

Nesta quarta-feira (8), através do site Tri Poa, é possível conferir a lista de empresas (CNPJ e razão social) que terão os cartões TRI e SIM bloqueados para os funcionários. A partir desta quinta-feira (9), mesmo dia da suspensão, o usuário poderá fazer a consulta individual pelo seu cartão. A pesquisa só pode ser feita através do site Tri Poa, já que não está disponível no aplicativo TRI.

Quem tiver o cartão bloqueado de forma equivocada o que deverá fazer?

Caso haja bloqueio indevido, o usuário deverá ligar para a EPTC, pelo telefone 118, ou para a central de atendimento do cartão TRI, através do número (51) 3027.9959, para atualizar suas informações. Também é possível entrar em contato pelos e-mails: bloqueiotripoa@eptc.prefpoa.com.br e bloqueiovt@tripoa.com.br. É preciso apresentar documentos que comprovem que o trabalhador está ligado a uma empresa com atividade liberada pela prefeitura.

Por quanto tempo será mantido o bloqueio nos cartões?

Inicialmente, por 15 dias.

O pagamento da passagem em dinheiro será proibido em algum horário?

Não. A ação chegou a ser anunciada pela prefeitura, mas não será adotada neste momento. Assim, os passageiros poderão pagar a passagem com dinheiro a qualquer hora do dia.

Passageiros de ônibus da Região Metropolitana serão afetados?

Inicialmente, não. A prefeitura pediu que a Metroplan determine restrição semelhante para o cartão TEU vale-transporte. O assunto será debatido pelo governo do Estado nesta quinta-feira (9). No momento, o uso do cartão TEU segue normal para todos os usuários.

Idosos seguirão com cartões TRI bloqueados das 6h às 9h e entre as 16h e às 19h?

Sim, no mesmo sistema adotado desde o início da pandemia.

Cartões TRI utilizados por estudantes seguirão bloqueados? 

Sim, como ocorre desde a suspensão das aulas, em março. Nesse caso, a suspensão é durante todo o dia.

Usuários de qualquer outra modalidade do cartão TRI e SIM serão impactados com a medida?

Não. Apenas trabalhadores que utilizam os cartões como vale-transporte e trabalham em empresas com sede em Porto Alegre e que atuam em áreas consideradas não essenciais pela prefeitura

Haverá novos cortes de linhas e horários de ônibus?

A prefeitura afirma que não estão previstos novos cortes.

Informações: Diario Gaucho
READ MORE - Tire suas dúvidas sobre o bloqueio dos cartões TRI e SIM

Nova mobilidade urbana revela o futuro dos deslocamentos

quarta-feira, 8 de julho de 2020

Deslocar-se de um ponto para outro, dentro de uma mesma cidade, pode ser uma tarefa mais difícil do que deveria.

Longas distâncias, centros pulverizados e um custo relativamente alto no transporte constroem algumas das dificuldades que o brasileiro apresenta ao exercer a sua mobilidade. O crescimento expansivo da tecnologia permitiu uma clara transformação em áreas consolidadas na sociedade através das novas possibilidades e dos novos arranjos socioculturais.

Em meio a essa revolução nos sistemas, novos métodos surgiram e têm modificado, ou complementado, o pensamento sobre temas como medicina, comunicação e alimentação. Com a mobilidade urbana, essa relação não é diferente.

"A aplicação de novas tecnologias para mobilidade é a revolução em si", explica Tomás Izquierdo, diretor de transporte urbano e interurbano da Indra, multinacional de consultoria e tecnologia com presença na Espanha e na América Latina. Essa revolução propiciou o surgimento de um novo setor dentro da mobilidade. A nova mobilidade, como é denominada, consiste na união entre os aplicativos para smartphones e novos modelos de economia compartilhada que atuam no tema. Inserindo outros agentes na prestação de serviços de deslocamento, principalmente com os aplicativos de viagens sob demanda, empresas e startups passaram a observar a mobilidade urbana como um ambiente propício para novas realidades.

Com presença em mais de 700 cidades ao redor do mundo, a Uber, empresa norte-americana de viagens sob demanda, foi uma das pioneiras na ideia do e-hailing (ato de requisitar um veículo via dispositivo eletrônico). Fundada em 2009, a companhia tem, no Brasil, o seu segundo maior mercado, atrás apenas dos Estados Unidos, e iniciou a venda das suas ações em maio deste ano na bolsa de valores de Nova Iorque, sendo cotada em US$ 82 bilhões.

O estudo Mapa da Qualidade de Vida de 2018, realizado pelo Grupo Zap em 12 capitais do Brasil, apontou que 52% dos habitantes já utilizam os aplicativos de mobilidade para se locomover, reforçando a presença do brasileiro na nova mobilidade. O sucesso do modelo de transporte individual foi além das quatro rodas. As bicicletas e os patinetes elétricos inseriram meios de deslocamento que resultaram na micromobilidade, que consiste em deslocamentos em pequenas distâncias.


Na prática, empresas como a Grow Mobility - união entre a brasileira Yellow e a mexicana Grin, que, juntas, operam mais de 135 mil bicicletas e patinetes elétricos ao redor do mundo - identificaram um nicho de mercado para percursos menores. A entrada desses agentes no mercado da mobilidade acabou estimulando viagens de curta distância, que antes as pessoas não realizariam. Para Izquierdo, essas tecnologias já quebraram as barreiras para melhorar a conectividade e a acessibilidade, resultando em um transporte mais eficaz. "A micromobilidade trouxe elementos de transformação, cuja evolução deve levar a uma menor dependência dos veículos tradicionais e a uma mobilidade mais sustentável", conta.

No início dos anos 2000, acreditava-se que a internet traria menos necessidade de deslocamentos. Em paralelo às facilidades que a conectividade trouxe, ela também influenciou no compartilhamento de informações sobre outros lugares, trânsito e o espaço de modo geral. "Com tanta informação e recurso, na prática, a internet propiciou um aumento na mobilidade, a qual, no Brasil, veio junto com a melhora que tivemos na renda e a facilidade para aquisição de veículos", explica o arquiteto, urbanista e docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Júlio Vargas.


Empresas como a Grow Mobility identificaram um nicho de mercado para percursos menores. Foto: Grow Mobility.

A "nova classe média", termo criado por Marcelo Neri, diretor do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas (FGV), tem papel fundamental na lógica atual da mobilidade urbana. De 2003 a 2008, o número de brasileiros considerados pobres caiu em 3 milhões. A ascensão da classe D para a classe C acompanhou o aumento expressivo no número de veículos, somado ao crescimento do poder aquisitivo no período, refletiu no aumento das taxas de mobilidade do brasileiro.

Para além desses fatores, as empresas que se inseriram no setor dos deslocamentos apresentam facilidades que antes não existiam, e isso reflete em uma maior participação popular nos transportes. "Além da mobilidade geral ter aumentado por essas questões gerais de renda, novas oportunidades e mais atividades para fazer, as empresas estão oferecendo veículos ou sistemas de transportes que podem estimular as pessoas a se mexerem ainda mais", conta Vargas.

Pobres têm mais dificuldade de se locomover


Transporte público por ônibus perdeu 35,6% dos passageiros pagantes em pouco mais de 20 anos. Foto:Claiton Dornelles / JC.

Mobilidade é definida como uma propriedade dos seres humanos e dos objetos para se mover. Embora tenha um conceito simples, ela compreende diversos componentes que a influenciam diretamente. Idade, tamanho da família, posse de carro e renda fazem parte dos fatores estruturais que interferem na prática da mobilidade urbana.

Na relação entre idade e mobilidade, as crianças e os idosos se movimentam menos do que as que estão em uma fase produtiva. Uma família com menos integrantes se desloca mais do que as maiores. Isso ocorre pelo fato de não conseguirem dividir certas tarefas e também pela facilidade de se locomoverem em um grupo menor. A posse de carro, principalmente na lógica voltada para o sistema rodoviário, tem grande impacto no exercício da mobilidade individual. Quando se considera a faixa econômica, os pobres se movimentam menos do que os ricos.

"Além dos fatores estruturais, as situações conjunturais exercem forte impacto na realização dos deslocamentos", explica Nívea Oppermann, docente de Arquitetura e Urbanismo na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e vice-diretora do programa de Cidades do WRI Brasil. Nívea refere-se a momentos históricos que ultrapassam os fatores individuais e atingem a coletividade. "A crise econômica faz com que as pessoas viajem menos, uma vez que acaba existindo mais desemprego, mais subemprego e, consequentemente, menos atividades."

O sonho de adquirir um automóvel, principalmente nas classes mais baixas, persiste no Brasil. Foto: Getty Images.

O sonho de adquirir um automóvel, principalmente nas classes mais baixas, persiste no Brasil. Segundo Nívea, o acontecimento desse fenômeno deve-se ao fato de o transporte público não atender às demandas da população, como lentidão e o aumento no preço das passagens, mas também se sustenta na ideia de que as pessoas estão indo morar mais longe dos centros.

No início deste ano, o portal Mobilize-se, voltado para mobilidade urbana sustentável, comparou tarifas básicas do transporte coletivo e o impacto do preço da passagem no orçamento mensal dos habitantes de diferentes cidades. Como resultado, na cidade chinesa de Shenzhen, os habitantes desprendem 1,94% dos seus ganhos mensais com transporte coletivo, sendo líder positivo no quadro do portal. 

A diminuição da demanda ocorreu especialmente a partir de 2014, atingindo perda média acumulada de 25,9% dos usuários pagantes. Foto: Folhapress.

O aumento nos preços das passagens de ônibus no País encontram relação direta com a queda no número de passageiros. Segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), em seu anuário publicado em 2018, o transporte público por ônibus perdeu 35,6% dos passageiros pagantes em pouco mais de 20 anos. Com menos pagantes para dividir o custo da operação e com pouco, ou quase nenhum, subsídio para as empresas controladoras, o preço das passagens aumenta e o serviço acaba sendo precarizado, uma vez que a oferta não diminui na mesma proporção em que diminui o número de usuários.

A diminuição da demanda ocorreu especialmente a partir de 2014, atingindo perda média acumulada de 25,9% dos usuários pagantes. Com preços mais atrativos e um serviço mais confortável, os aplicativos de deslocamento também se nas classes mais baixas e reforçam o distanciamento da população com o transporte público. 

Falta de regulamentação causa dúvidas sobre conceito

Comodidade, velocidade e baixo custo são alguns dos pontos que explicam o sucesso da nova mobilidade no Brasil e no mundo. De modo geral, a entrada massiva dos aplicativos de mobilidade urbana está diretamente ligada a empresas privadas. Esse é o caso dos maiores agentes atuais do mercado, como Uber, Cabify, 99 e Grow Mobility.

"Como a atuação desses modelos é muito dinâmica, o poder público tem muita dificuldade, tanto para entender o funcionamento quanto para regulamentar e estabelecer regras."Foto: Cabify

A Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU), sancionada em 3 de janeiro de 2012, instituiu as diretrizes da mobilidade urbana brasileira, classificou termos e priorizou o transporte público coletivo sobre o individual motorizado. Sem especificações para a mobilidade que surgia através dos aplicativos, foi em 2018 que a Lei Federal nº 13.640 passou a regulamentar o transporte individual de pessoas e deu aos municípios brasileiros, e ao Distrito Federal, o direito de estabelecer o funcionamento dos aplicativos.

Devido à pressão dos setores favoráveis aos aplicativos, a lei de 2018 não compreendeu as exigências iniciais, que previam uma placa vermelha de identificação, a obrigatoriedade de ser proprietário do veículo com o qual trabalha e a necessidade de uma licença semelhante à dos taxistas, que são regulados pelo Estado. Para a docente de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Nívea Oppermann, se fazem necessárias a incorporação das novas mobilidades e sua regulamentação: "Como a atuação desses modelos é muito dinâmica, o poder público tem muita dificuldade, tanto para entender o funcionamento quanto para regulamentar e estabelecer regras".

STF veta leis municipais que proibiam Uber, 99 e Cabify. Foto: Barna Bartis.

A presença de carros, bicicletas e patinetes, relacionados à nova mobilidade, trouxe um importante debate sobre qual era o papel deles dentro da cidade. Conforme Tomás Izquierdo, diretor de transporte urbano e interurbano da Indra, o Estado vai, aos poucos, entendendo seu papel dentro dessa lógica: "Os gestores públicos devem, no futuro, usar a tecnologia para trazer serviços simples e com custo reduzido para os habitantes". Para ele, o futuro da mobilidade se concentra na tendência das parcerias público-privadas, que devem ser firmadas com o intuito de fornecer e gerenciar dados de maneira regulada.

No mesmo dia em que a Uber se lançou na bolsa de valores de Nova Iorque, o Supremo Tribunal Federal (STF) validou o uso de aplicativos de transporte individual no País. Os ministros, por unanimidade, consideraram inconstitucionais leis municipais que buscavam limitar a atuação das empresas em Fortaleza e em São Paulo.

Por Eduardo Lesina no Jornal do Comércio.

READ MORE - Nova mobilidade urbana revela o futuro dos deslocamentos

Firmado contrato de R$ 217,7 milhões para 2ª fase do VLT em Santos

O Governo do Estado de São Paulo assinou, nesta segunda-feira (6), contrato de R$ 217,7 milhões com a empresa Queiroz Galvão S.A., responsável pelas obras do segundo trecho do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) da Baixada Santista. A previsão é de que as obras tenham início até o fim do mês e sejam cumpridas no prazo de 30 meses.

A assinatura ocorreu no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, e contou com a presença do governador João Doria, do prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, além de representantes da empresa responsável pela obra.

A homologação da empresa vencedora da licitação ocorreu em 15 de janeiro deste ano. Na época, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), responsável pelo VLT, informou que três empresas foram habilitadas para a fase final da licitação de obras da segunda fase, e a Queiroz Galvão apresentou o menor orçamento, com diferença de - 27,42% do estimado pelo órgão paulista (R$ 300 milhões).

A empresa também foi responsável pelas obras dos 11,5 quilômetros da primeira fase do VLT, que liga o Terminal Barreiros, em São Vicente, à Estação Porto, em Santos. Nesta fase, o novo trecho ligará a Estação Conselheiro Nébias ao Valongo, em Santos, e deverá transportar até 35 mil pessoas por dia.

<iframe width="420" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/hBk1HFTwRBI" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

Conforme informou o estado, o projeto inclui a construção de edificações, via permanente, quatro subestações, sistema de rede aérea, sinalização viária, urbanização e duas pontes sobre o Canal 1. O trecho possui oito quilômetros de extensão, onde serão construídas 14 estações com dispositivos de acessibilidade exigidos por lei.

O traçado vai cortar as ruas Campos Mello, Doutor Cochrane, João Pessoa, Visconde de São Leopoldo, São Bento, Amador Bueno, Constituição, Luiz de Camões e a Avenida Conselheiro Nébias. Todo o percurso contará com a frota de sete veículos já adquiridos pelo governo.

"Dentro de 24 meses, em um limite de 30 meses, nós estaremos com a obra concluída, permitindo que mais de 35 mil passageiros façam uso diário desse sistema de transporte. Ao longo desse tempo, mais de mil empregos diretos e indiretos serão gerados por esta obra. Vai permitir à população da Baixada Santista, que atua já em obras de engenharia, ter a continuidade neste trabalho, e a oportunidade de alimentar também as suas famílias", afirmou o governador João Doria após a assinatura do contrato.

Informações: G1 SP
READ MORE - Firmado contrato de R$ 217,7 milhões para 2ª fase do VLT em Santos

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960