VLT Carioca completa 3 anos de operação

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Uma nova forma de se deslocar e uma nova proposta de serviço. Há 3 anos, o VLT carioca começou a circular no Centro e Região Portuária do Rio com o objetivo de facilitar deslocamentos e conectar as pessoas. Hoje, o sistema que conta com 92% de aprovação dos usuários, segundo pesquisa realizada pelo Datafolha, já transportou mais de 42 milhões de passageiros, em mais de 380 mil viagens realizadas. Diariamente, cerca de 80 mil pessoas andam de VLT nas 530 viagens do sistema, que conta com 2 linhas e 26 paradas em operação. No último ano, com as duas linhas em funcionamento, o VLT apresentou um crescimento de 35% no número de passageiros transportados.

Para concluir o sistema, a concessionária ainda aguarda autorização da Prefeitura para operar a Linha 3, trecho que ligará a Central do Brasil ao Santos Dumont, via Av. Marechal Floriano em dez paradas. Serão três novos pontos de embarque no percurso: Cristiano Ottoni-Pequena África (na praça de mesmo nome, também na região da Central), Camerino-Rosas Negras (na Marechal Floriano, próxima à rua de mesmo nome) e Santa Rita-Pretos Novos (também na Marechal Floriano, à altura da igreja homônima). Os nomes contam com homenagens a ícones da cultura africana, batizados em consenso com o Iphan e entidades do movimento negro e sociedade civil.

Vale destacar também que ao longo desses três anos, a taxa de evasão gira em torno de 11 a 13%, número bem inferior ao de sistemas europeus, por exemplo. Além de ter se consolidado no dia a dia dos cariocas, o projeto também faz parte do cenário turístico da cidade. Só nos finais de semana, são mais de 40 mil passageiros. Os VLTs já somam também longa estrada percorrida. São quase 2 milhões de quilômetros rodados. São mais de 5 vezes a distância entre a Terra e a Lua, por exemplo. Por dia, as composições percorrem em média 2.800 km, ou mais de 6 vezes a distância entre Rio e São Paulo.

O presidente do VLT Carioca Marcio Hannas destaca ainda a característica sustentável do projeto. “Um VLT é capaz de retirar mais de 300 carros das ruas, o que além de melhorar o trânsito no Centro da cidade, ainda é uma alternativa de mobilidade sustentável, já que utiliza apenas fontes de energia renovável”, explica.

Entre as paradas e estações, o maior movimento está na Central, que reúne conexões com metrô, trens e terminais de ônibus municipais e intermunicipais e representa em média 13% do fluxo de passageiros. Entre as paradas de maior fluxo estão também Colombo (integração entre linhas do VLT) e Santos Dumont (aeroporto), que confirmam a vocação integradora do projeto. Além delas, completam as cinco primeiras as paradas Museus e Navios, na região revitalizada do Boulevard Olímpico.

Informações: ANPTrilhos


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - VLT Carioca completa 3 anos de operação

Metrô assina contrato de R$ 340 milhões para colocar portas automáticas nas estações

O Metrô de São Paulo publicou, no Diário Oficial desta quarta-feira (5), um contrato de pouco mais de R$ 340 milhões com o Consórcio Kobra para a instalação de portas automáticas nas estações das linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha.

O contrato determina que a instalação seja feita no prazo de pouco mais de quatro anos. Participam do consórcio as empresas Husk Eletrometalurgica, MG Engenharia e Construção, Samjung Tech e Woori Technology.

Portas automáticas são estruturas instaladas nas plataformas que só se abrem quando o trem chega, evitando acidentes. Elas são colocadas nos locais onde as portas dos trens vão ficar quando a composição chegar na estação. Nos trechos onde não há portas a plataforma fica separada do trilho do trem por uma parede de vidro.

Na Linha 5-Lilás, as portas fazem parte do projeto de ampliação da linha até a Chácara Klabin, mas a fornecedora Bombardier atrasou a entrega das estruturas e foi multada em mais de R$ 50 milhões de reais. Na estação Brooklin, os equipamentos já foram instaladas e funcionam em operação assistida fora do horário de pico. Na Santa Cruz, as portas também estão em fase final de testes.

Já na na Linha 2-Verde as portas automáticas estão em funcionamento em apenas 3 das 14 estações: Sacomã, Tamanduateí e Vila Prudente. Na Linha 1-Azul, nenhuma estação tem portas automáticas ou a estrutura de vidro necessária para sua instalação. Dentre as 18 estações da Linha 3-Vermelha, apenas a Vila Matilde tem portas automáticas. Na Linha 4-Amarela, todas as 9 estações foram construídas e entregues com portas automáticas.

Informações: G1 SP


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Metrô assina contrato de R$ 340 milhões para colocar portas automáticas nas estações

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960