Curitiba projeta transporte com nova bilhetagem, ônibus elétricos e multimodal

domingo, 2 de junho de 2019

A eletromobilidade, a multimodalidade e um novo sistema de bilhetagem são os próximos passos de Curitiba para a modernização da Rede Integrada de Transporte (RIT). Os planos da cidade neste campo foram destacados pelo prefeito Rafael Greca, na tarde desta quinta-feira (30/5), em palestra no 7º Fórum Paranaense de Mobilidade Urbana, no Salão de Atos do Parque Barigui.

À platéia formada por técnicos em mobilidade de todo o estado, vereadores e secretários municipais, Greca destacou a aprovação, pela Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex), de um crédito de R$ 739 milhões para projetos socioambientais e de transporte.

O prefeito também destacou o credenciamento, pela Urbs, de empresas para a venda de créditos do sistema de transporte coletivo de Curitiba para o novo sistema de bilhetagem. “A tecnologia nos permite retirar o dinheiro de circulação no sistema de transporte. Quanto menos dinheiro houver disponível em estações e nos veículos, mais rapidamente nos livraremos da microcriminalidade motivada pelo uso de drogas”, disse.

Segundo Greca, as ações de mobilidade em Curitiba seguem o princípio da valorização do que é projetado e produzido pela cidade. Ele citou como exemplo o êxito do BRT e as possibilidades de avanços a partir da estrutura da Rede Integrada. “Sustentável dentro da nossa realidade é aquilo que a gente consegue pagar. O custo do quilômetro do BRT é mil vezes menor que o de um metrô e cem vezes menor que de um VLT”, observou.

Ele citou a importância da renovação da frota de transporte. Nesta sexta-feira (31/5) foram entregues mais 14 novos ônibus. “Quando entrei a frota estava sucateada, hoje está renovada. Amanhã chegaremos a 262 novos veículos e serão 450 até 2020.”

Inter 2

Parte dos recursos externos garantidos por Curitiba são para o financiamento do projeto Inter 2, de reestruturação viária, implantação de novos corredores para os ônibus e de um novo modelo de estações, climatizadas e auto-sustentáveis. A linha, que é a mais carregada entre as que circulam fora das canaletas exclusivas, deverá ser a primeira da cidade a contar com veículos movidos a energia limpa.

“Fixamos 2025 como o horizonte para a eletromobilidade e o Inter 2 integra este processo. São ações convergentes aos projetos de Curitiba contra o aquecimento global, que constam também nas prioridades do Grupo de Cidades do C40,  do qual fazemos parte.”

O avanço da micromobilidade, com patinetes e bicicletas compartilhadas, e do plano de estrutura cicloviária como componentes multimodais do transporte foram destacados. “A ideia é acoplar estações de micromobilidade aos terminais de transporte, de forma que pelo próprio sistema de bilhetagem seja possível acessar esses veículos”, disse Greca.

Na opinião dele, o tempo dos governos é o tempo de fazer. “A burocracia é um conjunto de redes tricotadas por pessoas sem imaginação que querem infelicitar as cidades, os estados e o país para que não se exerça a inteligência e para que a criatividade não flua. O segredo de Curitiba, quando desenhou o sistema de transporte no Ippuc, foi o de usufrur da alegria de fazer.”

Nova bilhetagem

A ampliação da rede de venda e carregamento de créditos em cartão-transporte facilita a vida dos usuários e deve reduzir significativamente a circulação de dinheiro nos ônibus, nas estações-tubo e nos terminais.  

As empresas RecargaPay e Qiwi já apresentaram a documentação exigida no edital da Urbs. Outras empresas poderão se credenciar até 20 de junho de 2021 e ampliar ainda mais as opções de compra e recarga para quem utiliza o transporte público na cidade.

Com o início da operação das empresas credenciadas, os usuários poderão fazer o carregamento do cartão-transporte por meio de venda assistida (com operador), máquina de auto-atendimento, aplicativos móveis, websites, totens, garantindo mais praticidade, conforto e segurança ao sistema de transporte.

De acordo com o presidente da Urbs, Ogeny Maia, a bilhetagem representa uma modernização da cobrança. "É uma medida com tripla finalidade: possibilitar o avanço tecnológico, aumentar a segurança de profissionais e passageiros com a retirada de dinheiro vivo de circulação e dar sustentabilidade financeira ao transporte público".

Hoje, a venda de créditos ocorre na própria Urbs, que tem sede na Rodoferroviária, no site da empresa e em locais credenciados, como bancas de jornal. 

Fórum de mobilidade

Na tarde desta quinta, foi eleita a direção do Fórum Paranaense de Mobilidade. Na presidência está Ogeny Pedro Maia Neto, presidente da Urbs; na vice-presidência de Transportes, Arielly Dantas, de Campina Grande do Sul; e o vice-presidente de Trânsito é Samir Moussa, de Campo Largo.

Nas coordenações regionais estão Leônidas Martins Jr., de Paranaguá; Jair Gonçalves da Rocha, de Pato Branco; Antonio Carlos Lopes Mendes, de Apucarana; e Cristiane Coelho, de Palmas.

Para a superintendente de Trânsito de Curitiba, Rosângela Battistella, o fórum é importante para a troca de experiências entre as cidades. “O que deu certo para uma cidade pode ser multiplicado para outras, fazendo as devidas customizações.”

O evento segue nesta sexta-feira com palestras e debates e a presença do secretário nacional de Mobilidade Urbana, Jean Carlos Pejo.

Informações: URBS


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Curitiba projeta transporte com nova bilhetagem, ônibus elétricos e multimodal

Ônibus do Transcol passam a ter wifi gratuito na Grande Vitória

Cem ônibus do Sistema Transcol passaram a oferecer o internet sem fio dentro dos coletivos, na Grande Vitória. A previsão é de que até o fim do ano 600 ônibus da frota estejam equipados com o serviço.

O secretário municipal de Defesa Social da Serra, Nylton Rodrigues, acredita que disponibilizar esses serviços pode aumentar o número de roubos nos coletivos.

"Na minha opinião pessoal, não é uma boa ideia. Quando um criminoso covarde entra em um ônibus para roubar celular, a orientação é que não fique mexendo no celular", explica Rodrigues.

A passageira, Bianca, também não aprovou a medida. "A gente vai correr mais risco. Já temos uma frequência de mexer no celular que não é certa, mas pode aumentar os assaltos".

Governo do Estado
O Governo do Espírito Santo informou que o wifi é um serviço que está sendo disponibilizado para os usuários. As Secretarias dos Transportes e Obras Públicas (Setop) e Obras Públicas e de Secretaria de Segurança (Sesp) estão atuando em conjunto para promover ações de combate á violência.

A Sesp ainda ressaltou que as ações frequentes de abordagem a ônibus e a prisão de criminosos resultaram em uma redução de 45% dos casos registrado no Espírito Santo, no primeiro quadrimestre. A Sesp disse também que todos os veículos tem câmeras de videomonitoramento.

O aplicativo para ter acesso a internet é o Ônibus GV. Nele, além do wifi, o passageiro pode saber o horário dos ônibus, itinerário e a localização que o veículo está.

Número de assaltos cai 45%
O número de assaltos em ônibus do sistema Transcol, que atende municípios da região metropolitana de Vitória, caiu 45% nos primeiros quatro meses do ano, segundo o Governo do Espírito Santo.

As abordagens nos ônibus do transporte coletivo começaram no dia 28 de março, na Serra, e mais de mil ônibus já foram revistados. No município, os roubos dentro dos ônibus caíram 41% nos primeiros quatro meses do ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

Para essas abordagens, pelo menos seis guardas civis entram em ônibus com rádios comunicadores, conversam com o motorista, com o cobrador e com os passageiros. Com isso, caso flagrem alguma atitude suspeita, os guardas prendem os criminosos.

Para o cobrador, a visita da guarda faz com que ele se sinta mais tranquilo. “Existe uma sensação de medo, mas agora sabemos que tem esse trabalho da Guarda Municipal dentro dos coletivos. Dá a sensação de segurança”, comenta o trabalhador.

Os passageiros confirmam que têm encontrado os guardas dentro dos ônibus. "Ontem eu estava indo trabalhar e eles abordaram o ônibus que eu estava. A gente se sente mais tranquilo, mais seguros", contou Loana.

Por Eliana Gorriti 
Informações: TV Gazeta



Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Ônibus do Transcol passam a ter wifi gratuito na Grande Vitória

Em SP, Ônibus perdem 5% dos passageiros 3 anos após liberar aplicativos

Três anos após a Prefeitura de São Paulo liberar o funcionamento de aplicativos de transporte, como o Uber e Cabify, o número de passageiros transportados pelos ônibus municipais caiu 5,1%, segundo dados da SPTrans.

Para especialistas em transporte, vários fatores podem ajudar a explicar o fenômeno, como feriados, a crise econômica e a inauguração de novas estações do Metrô e da CPTM. O crescimento dos aplicativos de transporte individual, porém, também é apontado como uma das razões para essa mudança na mobilidade da capital.

Os apps foram autorizados pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT) por meio de um decreto, em maio de 2016. Antes, o Uber operava por meio de uma liminar. 

Nos primeiros 12 meses contados a partir do mês da aprovação, os ônibus municipais fizeram 2,89 bilhões de viagens de passageiros. No ano seguinte, entre maio de 2017 e abril de 2018, esse número caiu para 2,85 bilhões. Agora, até abril de 2019, nova queda foi registrada: 2,74 bilhões de viagens de passageiros.

As quedas representam uma redução no número de passageiros em relação ao verificado na década, já que anualmente o total de viagens ficava em torno de 2,9 bilhões de viagens por ano.

Para o consultor em transportes Horácio Figueira, é notória a influência dos aplicativos no mercado porque eles são um atrativo, especialmente quanto há mais de uma pessoa a ser transportada e a conta pode ser dividida. "A comodidade e o preço acabam atraindo pessoas. Conheço gente que não está indo com seu carro para o trabalho, nem de ônibus, mas de aplicativo".

Ele opina que o novo serviço possivelmente impactou também o transporte sobre trilhos, mas fazer essa associação em números é mais difícil porque Metrô e CPTM inauguraram estações no período e registram aumento de viagens.

Figueira afirma que a perda de passageiros pelo transporte público e um possível aumento de carros nas vias têm influência na mobilidade. Ele diz, porém, ser contrário a limitar a atuação dos aplicativos e que o próprio mercado acabará por se autorregular.

Para o presidente da Associação Nacional dos Transportes Públicos, Ailton Brasiliense, há um entendimento no setor de que os aplicativos causaram perda de demanda, especialmente em grandes cidades como São Paulo. “A viagem de carro a preço acessível acaba roubando parte dos passageiros do transporte público. Nova York já adotou medidas restritivas. Acredito que é um debate que precisará ser feito em algum momento", afirma.

SPTrans

A SPTrans, empresa municipal que administra o serviço de ônibus, afirma que a variação na quantidade de passageiros transportada está relacionada com a inauguração de novas estações e trechos de linhas de sistemas de transporte de massa por trilhos.

"Linhas como a 4-Amarela e 5-Lilás trazem outras opções de deslocamento de uma parcela da demanda de passageiros de ônibus na cidade", diz em nota. Outra fator são as ações de combate às fraudes no uso de gratuidades realizadas pela SPTrans. 

Já o metrô perdeu passageiros por seguidos anos, mas retomou o crescimento em 2018, com a inauguração de várias estações. A CPTM acumula dois anos de alta na demanda.

Liberação

O decreto criado em São Paulo em 2016 foi pioneiro ao liberar o funcionamento dos aplicativos, em meio à disputa pelo mercado com taxistas. No início de 2018, a Câmara dos Deputados liberou o funcionamento dos aplicativos no país, derrubando uma exigência aprovada anteriormente que obrigaria os veículos a terem placa vermelha - uma exigência para veículos de transporte público no país.

Informações: R7.com



Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

READ MORE - Em SP, Ônibus perdem 5% dos passageiros 3 anos após liberar aplicativos

Fortaleza vem registrando queda de usuários e menos ônibus nas ruas

Nos últimos 10 anos, Fortaleza tem registrado mais de 20 milhões de deslocamentos de passageiros, em média, por mês. Entre 2014 e 2017, tendo em vista esta demanda, a frota de ônibus era crescente. Mas, nos dois últimos anos, o sistema de transporte coletivo da capital cearense tem registrado queda da quantidade de veículos. O total de veículos cadastrados (frota que engloba os carros em circulação e os reservas) passou de 2.301 em 2017 para 2.141 em 2019.

Os dados relativos à frota da capital cearense foram obtidos pelo G1 via Lei de Acesso à Informação (LAI). Nas ruas, usuários alegam sentir os gargalos no dia a dia, sobretudo, de superlotação em determinados trajetos e horários.

A diarista Antonieta Soares, conta que precisa deslocar-se de ônibus, pelo menos três vezes por semana, seguindo do Bairro Vila Peri para o Dionísio Torres. Para ela, em determinados horários, as viagens continuam cansativas, sobretudo, devido a dois fatores: o tempo de espera e a lotação do ônibus.

Já o estudante Jonas Rodrigues, morador do Bairro Papicu, admite que o transporte público de Fortaleza tem passado por melhorias, mas reclama da superlotação persistente em linhas e horários distintos. Para ele, essa condição pode ser um efeito da redução da quantidade de coletivos.

Os dados repassados pela Divisão de Planejamento da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) apontam ainda que o volume de deslocamentos – quantidade de passageiros registrados –, no primeiro trimestre de 2019 em Fortaleza, foi 10,41% inferior, se comparado ao período semelhante de 2018.

Para o vice-presidente da Etufor, Antônio Ferreira, ao analisar o quantitativo adequado da frota do transporte coletivo deve-se considerar não somente a frota global, mas sim a quantidade de ônibus necessária linha a linha. “A gente pega uma linha, a demanda da linha, vamos por cada faixa horária, ver quantos passageiros estão passando. Vou dimensionar a frota por horário de pico e vou dimensionar no trecho crítico. Pego a faixa horária, vejo quantos passageiros tem e vou determinar qual é a quantidade de viagens que eu preciso”, informa destacando a complexidade da definição da quantidade adequada de coletivos.

Conforme Ferreira, a frota em Fortaleza cresceu em determinados anos mas a demanda caiu em função de vários fatores, como: a crise econômica, as novas modalidades de transporte e as facilidades que a tecnologia tem provocado com menor demanda de deslocamentos.

O superintendente técnico do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), Pessoa Neto, reitera que a redução da quantidade de coletivos tem relação direta com a retração da demanda, que, segundo ele, ocorre, sobretudo, desde o final de 2015. Conforme o representante do Sindiônibus, inicialmente, a diminuição de passageiros foi justificada pela crise econômica, mas posteriormente percebeu-se que há outros fatores.

Segundo Pessoa Neto, a partir do momento em que se constatou a redução da demanda, houve diminuição da frota. “Mas é uma redução muito cuidadosa porque nós não podemos simplesmente pensar, se a demanda caiu 10%, vamos reduzir a frota em 10%. Até pra tomar uma decisão dessa é feito estudo linha por linha. Nós só tiramos um veículo de circulação após uma ordem de serviço da Etufor”, explica.

Hoje, de acordo com o superintendente técnico, há 24 pesquisadores do Sindiônibus designados para fazerem a contagem de passageiros de linhas diversas, além de outras formas de assessoramento para adequação da oferta de viagens à demanda. “A redução não é linear, muitas vezes a gente tira carro de uma linha e transfere para outra. Não podemos fazer uma viagem a mais ou a menos sem ir para o órgão gestor”.

Redução gera efeitos diretos em trajetos
A disposição do transporte coletivo segue a ordem econômica e, portanto, a oferta cresce sempre que a demanda garante essa ampliação, explica o professor de economia de transporte da Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade da Universidade Federal do Ceará (UFC), Gildemir da Silva. “Se a demanda está em oscilação, para o operador, isto é uma justificava para reduzir a frota”, completa.

No entanto, o professor avalia que, embora a redução da frota seja "um fenômeno natural por conta da economia", o efeito dessa ação é sentido diretamente pela população pois, segundo ele, a cidade tem crescido e a redução implica na rotina de quem precisa fazer trajetos mais longas.

"Com a frota maior, as empresas de ônibus atendiam com mais frequência determinadas regiões da cidade”, ressalta. Nesta lógica, diz o professor, há menos frota para atender a mais quilômetros.

A espera por coletivos, acrescenta ele, tem provocado outro fenômeno que é a antecipação ou atraso dos passageiros no planejamento dos trajetos. “Com a redução, o operador pode até estar operando melhor. Mas os passageiros não contam com qualidade interna, sobretudo, em horário de pico. Para fugir disso, as pessoas estão saindo de casa cada vez mais cedo e deixando para voltar mais tarde, quando os ônibus ficam menos lotados”.

Informações: G1 CE


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

READ MORE - Fortaleza vem registrando queda de usuários e menos ônibus nas ruas

Em Teresina, Terminal começa a funcionar e traz painéis com horários de ônibus e wi-fi gratuito

O Terminal de Integração Zoobotânico começou a funcionar hoje (1), com algumas novidades, ao longo da plataforma existem painéis que mostram os horários de saída dos ônibus, tanto das linhas alimentadoras como troncais, assim os usuários podem se programar e não perder o horário do coletivo. Além disso, o terminal já está cercado e com as catracas e também com wi-fi gratuito para os usuários.

No primeiro dia de funcionamento, o Terminal Zoobotânico já contou com a primeira edição do IntegrArte, a Orquestra Sanfônica fez uma apresentação e um artista plástico estava fazendo caricaturas gratuitas e presenteando as pessoas.

De acordo com o Gerente de Planejamento da Strans, Denilson Guerra, a operação do primeiro dia foi razoável. “Identificamos algumas falhas, mas já estamos trabalhando para que na segunda-feira todas elas estejam resolvidas, mas no geral o primeiro dia de operação foi dentro do previsto”, disse.

Guerra enfatiza que o terminal já foi colocado para funcionar com alguns diferenciais. “Baseado no funcionamento dos outros terminais, fizemos alguns ajustes, por exemplo, estamos fazendo o controle da operação pelas equipes de dentro do próprio terminal, as linhas alimentadoras coletam a população e trazem para o terminal e as pessoas podem se deslocar pelas linhas troncais para o centro da cidade”, explicou.

O estudante Marcos Vinícius, que mora no Bairro Pedra Mole, considera que o terminal irá melhorar o transporte na zona Leste. “Vim da minha casa para cá para pegar outro ônibus para ir para a Ufpi, até agora estou gostando, pois não esperei muito pelo ônibus. A internet gratuita aqui no terminal é muito boa e o terminal cercado nos dá segurança para usar o celular sem medo”, disse.

O estudante de Ciências Contábeis da Ufpi, Vitor Bruno, que também mora no Pedra Mole, acredita que o terminal vai oferecer para as pessoas mais ofertas de ônibus para o centro da cidade. “Estamos aqui esperando há pouco tempo e o nosso ônibus já está chegando. Acho que esses painéis com os horários são muito bons para nos orientar, já fiz uma foto para que eu possa controlar os horários”, acrescentou.

A dona de casa Francisca dos Santos, que mora no Nova Teresina, disse que não sabia que o terminal ia começar a funcionar hoje e que ficou surpresa, mas achou muito organizado. “Toda mudança é difícil, mas tenho certeza que com o tempo a gente vai se acostumar. Estou começando a entender o funcionamento desse novo sistema”, finalizou.

Informações: Diário


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

READ MORE - Em Teresina, Terminal começa a funcionar e traz painéis com horários de ônibus e wi-fi gratuito

Em Manaus, Prefeitura anuncia mudanças em linhas de ônibus

O Instituto Municipal de Mobilidade Urbana de Manaus (IMMU), antigo Manaustrans, informou que a partir da próxima segunda-feira (3) haverá alterações de empresas que fazem parte do sistema de transporte urbano da capital do Amazonas.

As linhas 051 (Via Norte/Monte Pascoal/ T3) e 355 (Via Norte/Rio Piorini/T4/T5/Distrito Industrial) passarão a ser operadas pela empresa Vega Transportes, assim como as linhas 678 (Ponta Negra/Avenida Ephigênio Salles/T5/T4) e 675 (Ponta Negra/Avenida Coronel Teixeira/T5) serão operadas de forma compartilhada pela Vega e São Pedro Transportes. As alterações realizadas visam oferecer maior conforto aos usuários, assim como tornar mais ágil a operação das frotas.

Dos atuais 21 veículos da Vega, que operam as linhas 678 e 675, 13 serão ônibus da São Pedro. 

Conforme o IMMU, haverá ganho aos usuários de transporte coletivo, pois as linhas que ligam a Zona Oeste, via Ponta Negra à zona Leste de Manaus passarão a contar também com veículos articulados, que possuem capacidade de transportar mais passageiros. As linhas irão operar com as devidas frotas atuais e, no caso das linhas 675 e 678, continuarão atendendo as paradas do lado direito da via.

Informações: Portal Amazônia



Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página
READ MORE - Em Manaus, Prefeitura anuncia mudanças em linhas de ônibus

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960