Prefeitura do Rio vai selecionar estudos para linha do VLT na Zona Sul

terça-feira, 1 de março de 2016

A Prefeitura do Rio dá inicio nesta segunda-feira (29/02) à criação de uma nova linha de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na Zona Sul, com a publicação do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) no Diário Oficial do Município. O objetivo é selecionar propostas para desenvolvimento do estudo de viabilidade para levar o sistema, que já está em implantação na Região Portuária e no Centro, à Gávea, passando por Botafogo.

A nova linha de VLT integra o programa Em Frente Rio, de melhoria das condições de infraestrutura, mobilidade, saneamento e logística da cidade. Desenvolvido pela Secretaria Executiva de Coordenação de Governo (Segov), o programa é composto por dez grandes obras que, somadas, vão gerar cerca de 40 mil novos postos de trabalho na cidade, garantindo a manutenção do dinamismo econômico e a oferta de empregos após a entrega das obras em conclusão.

De acordo com projeções feitas pelo Em Frente Rio, o novo trajeto terá 23 km de extensão; vai gerar cerca de 1.600 empregos diretos e dois mil indiretos; e atenderá a mais de 200 mil pessoas que residem e trabalham na Zona Sul da cidade. 

"Esta nova linha de VLT dá sequência à estratégia da prefeitura de estimular e privilegiar o transporte público limpo, onde hoje circulam carros que criam congestionamentos e poluem a cidade.  Nosso plano é aumentar a oferta de transporte de alta capacidade e tornar a cidade cada vez mais convidativa ao pedestre", explica o secretário executivo de Coordenação de Governo, Pedro Paulo.

A implantação dos novos trechos deverá melhorar de forma expressiva a mobilidade da Zona Sul e interligar os principais eixos de grande circulação, além de conferir maior capilaridade à circulação interna dos bairros entrecortados pelo traçado. O itinerário entra em harmonia e equilíbrio com projetos urbanísticos, de transporte e edificações na área de estudo.

Segundo o documento, que será publicado pela Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas (Secpar), a prefeitura terá 30 dias para escolher a empresa ou consórcio que aprofundará soluções para o novo sistema de mobilidade da cidade. Em seis meses,os estudos deverão ser apresentados. 

Na primeira fase, o trabalho concentra pesquisas e levantamento sobre a viabilidade econômico-financeira e elaboração de projetos de engenharia. Os técnicos farão um diagnóstico do potencial atual de usuários do sistema e uma projeção da necessidade futura para atender à demanda. As pesquisas levarão à tecnologia disponível, a estudos topográficos e aos projetos básicos. Também vão desenhar sistemas eletrônicos e especificações necessárias à implantação e operação. Nesta etapa, a proposta abrange aprofundamento da modelagem econômico-financeira, com simulação e projeção de receitas, custos e viabilidade.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960