Grande Goiânia: CMTC volta atrás em mudanças no transporte coletivo

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Após protestos e prejuízos contabilizados em quase R$ 6 milhões, a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) voltou atrás em relação a algumas mudanças anunciadas recentemente no transporte coletivo da Grande Goiânia.
Atos de vandalismo provocados por marginais e não de usuários vai prejudicar população, prejuízo chega a mais de R$ 6 milhões

Em reunião com representantes de bairros, na tarde desta segunda-feira (21/9), o órgão decidiu que linhas que atendem aos pontos de Conexão Triunfo e Primavera vão sair e retornar do Terminal Padre Pelágio para os bairros como linhas expressas.

A medida era uma das reivindicações de manifestantes, que depredaram 15 ônibus articulados da Metrobus, empresa responsável pelo Eixo Anhanguera, na GO-070, próximo ao Conjunto Primavera.

Em nota, a CMTC afirmou que está aberta ao diálogo com a população e lamentou os “graves atos de vandalismo”, que ocorreram na manhã desta segunda-feira. “Esses graves atos impensados de alguns prejudicam o acesso de milhares de cidadãos ao transporte público coletivo e colocam em risco a vida das pessoas”, salienta o comunicado.

Por fim, a companhia afirma que já encaminhou à Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) a solicitação referente às melhorias necessárias na infraestrutura dos pontos de conexão ao longo da GO-060 e GO-070. Confira a íntegra da nota enviada à imprensa pela CMTC:

A Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) informa que, após reunião com representantes dos moradores dos bairros Triunfo, Palmares e Primavera, foram planejadas as alterações recentemente implantadas na operação pelas equipes técnica da CMTC, em parceria com o Consórcio RMTC e Metrobus.

Em resposta às considerações dos moradores do Entorno da GO-070, das 16h30 até as 19h30 de hoje, as linhas que atendem aos pontos de Conexão Triunfo e Primavera, incluindo o bairro Palmares (150, 310 e 599), vão sair e retornar do Terminal Padre Pelágio para os bairros como linhas expressas. O atendimento das linhas com conexão no Ponto Cora Coralina continua normalmente.

Com esta mudança temporária, as linhas 150 – Res. São Bernardo/Palmares, 310 – Res. Triunfo I e 599 – Cj. Primavera, das 5 às 8 horas, que operam nas regiões dos pontos de conexão Triunfo e Primavera, vão sair dos bairros para o Terminal Padre Pelágio. Das 16h30 às 19h30, os ônibus seguirão do Terminal Padre Pelágio para os bairros. Nos demais horários, as linhas sairão dos bairros e irão até os pontos de conexão.

A CMTC reitera que está aberta ao diálogo com a população. Lamenta ainda os graves atos de vandalismo ocorridos, na manhã de hoje (21/09) que culminaram na destruição de 15 ônibus articulados do Eixo Anhanguera, sendo seis deles queimados e outros 9 depredados. Salienta ainda que, esses graves atos impensados de alguns, prejudicam o acesso de milhares de cidadãos ao transporte público coletivo e colocam em risco a vida das pessoas.

A CMTC encaminhou à Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) a solicitação referente às melhorias necessárias na infraestrutura dos pontos de conexão ao longo da GO-060 e GO-070. Sendo que, algumas delas já estão em fase de implantação.

READ MORE - Grande Goiânia: CMTC volta atrás em mudanças no transporte coletivo

Metrô do Recife já perdeu 12 mil usuários em 2015

No ano em que o metrô do Recife completa três décadas de operação, o principal modal de transporte de massa da Região Metropolitana passa por sua maior crise: a falta de confiança dos passageiros em relação à segurança nos trens. Assaltos, furtos, quase diários, e até mortes acenderam um alerta na direção da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que fez um reforço de sessenta seguranças terceirizados para conter a onda de medo. O desafio é restabelecer a confiança no sistema e trazer de volta parte dos usuários que está deixando o metrô.

De dezembro do ano passado até agora, houve uma queda no número de passageiros de até 3% de um universo de quase 400 mil, o que significa cerca de 12 mil pessoas. Sem pesquisa de satisfação, a CBTU ainda não sabe mensurar se a redução se deu por questões econômicas ou de falta de segurança. Mas, na prática, não é difícil encontrar usuários que só usam o metrô por não ter outra opção ou de passageiros que já começam a mudar a rotina das viagens para evitar o trem.

Morando quase em frente à estação Aeroporto, na Zona Sul do Recife, a dona de casa Maria Santiago, 42 anos, decidiu não usar mais o modal. “Agora só ando de ônibus. Fiquei assustada depois desses casos de violência”, revelou. Somente com o marido, o militar David Santiago, 42 anos, ela aceitou ir ao Centro de metrô na última quarta-feira. “Ela não queria vir de Metrô de jeito nenhum. Só aceitou porque veio comigo”, completou Santiago.

A direção do metrô reconhece o problema e as dificuldades, mas já adiantou que não tem como resolver essa questão sem ajuda. O pedido de socorro já foi feito ao governo do estado no sentido de uma parceria com a Polícia Militar nas 12 estações de integração do Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano, que integra o ônibus com o metrô.

Para a CBTU, as integrações são a principal porta de entrada do comércio informal na área interna do sistema. A direção da empresa também acredita que muitos dos assaltantes entram disfarçados de ambulantes. “Fica difícil fazer a distinção e esse tipo de comércio dentro do metrô também não é permitido. Mas não há como nossos seguranças fazerem um embate direto e tomar a mercadoria. A polícia tem que estar presente”, afirmou o engenheiro da CBTU-PE, Bartolomeu Carvalho. O acordo vem sendo negociado nas duas esferas de governo, mas ainda sem definição.

Para o professor de engenharia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Fernando Jordão, especialista em transporte ferroviário, a situação do metrô do Recife é preocupante. “O que está acontecendo com o metrô do Recife é um problema de segurança pública. É lamentável que um sistema tão importante para a população esteja se preocupando com segurança e não em melhorias do serviço”, criticou o professor. No ano passado, o Sindicato dos Metroviários realizou três paralisações para protestar contra a falta de segurança não apenas para os usuários, mas também dos trabalhadores.

Por Tânia Passos
Informações: Diário de Pernambuco

READ MORE - Metrô do Recife já perdeu 12 mil usuários em 2015

CET diminui velocidade em mais sete vias de SP

Na última sexta-feira (18), a Companhia de Engenharia de Tráfego começou reduzir a velocidade máxima de 60 km/h para 50 km/ h em mais sete vias de São Paulo. 

De acordo com a companhia, as mudanças ocorrerão na Rua Carmópolis de Minas, Rua Bandeirantes do Sul, Rua Coronel Guilherme Rocha, Rua Ciro Soares de Almeida, Avenida Olavo Fontoura, Avenida Educador Paulo Freire e Ponte Aricanduva.

Já na próxima semana, a partir de quarta-feira (23), a velocidade será reduzida em outras cinco vias. São elas: Avenida Brasil, Avenida Jabaquara, Avenida Pedro Álvares Cabral, Rua Henrique Schaumann e Rua Domingos de Moraes. 

As reduções fazem parte do Programa de Proteção à Vida, da Prefeitura de São Paulo, que tem como objetivo diminuir os acidentes de trânsito. 

READ MORE - CET diminui velocidade em mais sete vias de SP

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960