Usuários do transporte coletivo em Cuiabá começam a pagar R$ 3,10

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Usuários do transporte coletivo de Cuiabá passaram a pagar R$ 3,10 pela passagem nesta segunda-feira (26). Até este domingo (25), o valor da tarifa era de R$ 2,80. O aumento de 11% vigorou a parti de um decreto assinado pelo prefeito da capital, Mauro Mendes (PSB). De acordo com a Pantanal Transportes, concessionária do serviço, a nova tarifa já está sendo cobrada e o reajuste também se estenderá para os micro-ônibus da capital. As três empresas que realizam o transporte coletivo em Cuiabá têm um frota total de 383 ônibus, que atendem em média 333 mil passageiros diariamente.

O reajuste não foi justo, na avaliação dos usuários. A população reclama que os terminais de ônibus estão em estado precário. Na região do CPA, por exemplo, além do terminal, os usuários alegam que os pontos de ônibus não têm cobertura e nem placa indicando que seria ponto de ônibus. "Às vezes não tem cobertura, não tem nem sinalização de que aquele local é um ponto de ônibus”, disse a aposentada Vera Lúcia Neves.

Os passageiros começaram a pagar R$ 0,30, o que corresponde a quase 11% no bolso. Porém, o secretário de Mobilidade Urbana de Cuiabá, Thiago França, explicou que o reajuste foi só de 5,4%, ou seja, de R$ 0,16, porque, segundo ele, foi levado em consideração o último reajuste, realizado em março de 2014, quando a tarifa era de R$ 2,95. Ocorre que, depois disso, o valor da tarifa foi reduzido para R$ 2,80, após recomendação do Ministério Público Estadual (MPE).

Segundo a assessoria da Agência de Regulação dos Serviços Públicos (Ager), o preço da passagem dos ônibus intermunicipais - que fazem o trajeto entre Cuiabá e Várzea Grande, região metropolitana - ainda não tem data para alteração.

Informações: G1 MT

READ MORE - Usuários do transporte coletivo em Cuiabá começam a pagar R$ 3,10

Curitiba amanhece sem a circulação de ônibus, greve afeta mais de 2 milhões de pessoas‏

Nenhum ônibus da Rede Integrada de Transporte está circulando nesta manhã de segunda-feira, 26, em Curitiba e Região Metropolitana. Cerca de 2 milhões de passageiros dependem do transporte coletivo na capital paranaense. A paralisação afetou o comércio e até mesmo o atendimento dos principais hospitais de Curitiba. Várias lojas do Calçadão da XV de Novembro abriram mais tarde e, as que abriram, trabalham com um número menor de funcionários.
No entanto, não foram apenas os funcionários que não conseguiram se locomover pela cidade. Com a greve, até mesmo o número de clientes caiu. Empresários falam em queda de até 80% do movimento, segundo informações exibidas na edição de hoje no Paraná TV 1ª Edição.

A greve também afetou o atendimento nos principais hospitais de cidade. Vários pacientes que vieram de outras cidades para serem atendidos e perderam a viagem. Vários funcionários dos hospitais também não conseguiram chegar ao trabalho.

Greve — A categoria está parada em protesto ao atraso no pagamento do vale, que deveria ter sido realizado no último dia 20 e não foi efeituado. Para evitar que os carros deixassem as garagens, os grevistas realizaram piquetes em frente a saída das empresas.

Os terminais de toda a cidade ficaram vazios. Pelas canaletas, desde a madrugada transitam os carros cadastrados para fazer o transporte coletivo de passageiros, cobrando R$ 6. Mas a reportagem flagrou motoristas transitando sem autorização pelas canaletas. Para ter acesso as vias de trânsito exclusivo, os carros precisam estar adesivados pela Urbs, que é a responsável pelo cadastramento dos carros do transporte alternativo.

Apesar de haver uma liminar que determinou que 70% da frota dos ônibus circulem nos horários de pico — entre 5 e 9 horas e das 17 às 20 horas — e 50% nos demias horários, o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) alegou não cumprir por não ter recebido a notificação judicial, mantendo a paralisação geral dos trabalhadores. A multa no caso de descumprimento é de R$ 50 mil, revertidos ao Fundo de Amparo ao Trabalho.

Uma audiência de conciliação entre Sindimoc, Setransp, Ministério Público do Trabalho (MPT), Prefeitura de Curitiba, Governo do Estado, Urbanização de Curitiba (Urbs) e Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) deve ser realizada às 17 horas de hoje para tentar pôr fim a greve.

Congestionamento — Por conta da paralisação, há vários pontos de congestionamento por toda a cidade. Com a greve, quem tinha carro resolveu ir ao trabalho com o transporte particular. A situação ficou bastante critica na rua Ane Frank que liga o Boqueirão à Linha Verde.

Farpas — Enquanto motoristas e cobradores anunciavam a deflagração de greve por tempo indeterminado, a Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) e a Coordenadoria da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) se acusavam mutuamente sobre a responsabilidade da crise na Rede Integrada de Transporte (RIT).

Assim que motoristas e cobradores anunciaram a paralisação, na tarde de sexta-feira, a Urbs publicou nota culpando o governo do Estado. Pouco depois, foi a Comec quem publicou no site do governo do Estado nota criticando uma suposta intransigência da Urbs.

Motoristas e cobradores em indicativo de greve cobravam o pagamento do adiantamento dos salários, que deveria ter sido pago até o dia 20 de janeiro, mas só foi feito integralmente por algumas empresas que atuam no sistema. No fim do expediente bancário da sexta-feira, o dinheiro para o resto dos trabalhadores não tinha sido depositado. Por isso, o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região (Sindimoc), Anderson Teixeira, confirmou a greve.

E adiantou que mesmo que o pagamento fosse feito ao longo do fim de semana, a greve aconteceria. O sindicato agora exige uma solução entre a Urbs e a Comec, para que problemas com o pagamento não voltem a acontecer.

Informaçoes: Bem Paraná

READ MORE - Curitiba amanhece sem a circulação de ônibus, greve afeta mais de 2 milhões de pessoas‏

Em SP, Aumenta a procura por Bilhete Mensal

O número de cadastros completos (com todos os dados necessários e com envio de foto) para o Bilhete Único Mensal mais que dobrou nos primeiros 20 dias de janeiro se comparado com todo o mês de dezembro do ano passado. 

De acordo com dados da SPTrans, até o último dia 20, foram realizados 43.838 cadastros completos solicitando o Bilhete Mensal, o que dá uma média de 2.192 cadastros por dia. Em dezembro do ano passado, foram realizados 18.803 cadastros completos junto à SPTrans, o que dá uma média de 606 solicitações por dia.

A mudança do valor da passagem de ônibus e Metrô de R$ 3 para R$ 3,50 e da integração entre ambos de R$  4,65 para R$ 5,45 foi anunciada no dia 26 de dezembro. Entretanto o valor do Bilhete Único Diário, cujo custo é de R$ 10, do semanal, com valor de R$ 38, e o mensal, com o preço de R$ 140 (valores válidos para o passageiro utilizar somente o sistema de ônibus ou só o Metrô e a CPTM) foram congelados.

Ainda segundo a SPTrans, se forem considerados os cadastros incompletos (nos quais falta algum dado do passageiro ou sua foto), o número já chega a 57.834 somente nos primeiros 18 dias de janeiro, o que dá uma média de 3.213 solicitações por dia. Assim que o solicitante envia todos os dados (CPF, RG, foto atualizada e e-mail), a expectativa é que o cartão fique pronto em até 20 dias e possa ser retirado no posto da SPTrans escolhido. No caso de estudantes, o bilhete vai para a instituição de ensino.

balanço/ Desde novembro de 2013, quando os bilhetes Mensal, Semanal e Diário começaram a ser emitidos, foram realizados 883.461 cadastros completos, segundo a SPTrans.

Por: Filipe Sansone 
Informações: Diário de SP

Leia também sobre:
READ MORE - Em SP, Aumenta a procura por Bilhete Mensal

Em Salvador, Tarifa do ônibus ''Frescão'' aumenta para R$ 3,25

Além dos vários aumentos já conhecidos pelos baianos, como IPTU, conta de energia, cosméticos, material escolar e combustíveis, a população vai ter que coçar o bolso ainda mais no começo deste ano. É que o preço da passagem dos micro-ônibus com ar condicionado, conhecidos popularmente como “frescão”, tiveram um acréscimo de R$ 0,25 em seu valor, ou seja, passaram de R$ 3 para R$ 3,25. Um aumento de 8,3%.
Foto: Reginaldo Ipê
Quem pega dois transportes deste tipo por dia para se locomover na cidade, gastava, normalmente, R$ 180 por mês. Agora, vai ter um gasto mensal de R$ 195. Um aumento de R$ 15. Durante o ano, a despesa do passageiro da capital baiana que utilizar estes ônibus, de segunda à sábado, vai ultrapassar a casa do R$ 180. Além do ar condicionado, os coletivos possuem poltronas acolchoadas, oferecendo ainda mais conforto ao usuário em relação aos ônibus convencionais.

“O aumento foi publicado no Diário Oficial do Município na última quarta e começou a valer ontem. Era um reajuste já programado e foi no mesmo índice que foi dado os ônibus convencionais, dentro do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo)”, disse o titular da Secretaria de Mobilidade da Prefeitura de Salvador, Fábio Mota. Interferem nesse reajuste, entre outros, os custos dos ônibus, preço da gasolina, manutenção e impostos.

O secretário não soube precisar a quantidade de micro-ônibus com ar condicionado que rodam em Salvador, mas, de acordo com ele, menos de 2% da frota total de coletivos da cidade possuem essas características. São considerados ônibus seletivos, um tipo de sistema de transporte diferenciado. “Até o dia 30 de março, todos eles estarão equipados com GPS, assim como também já podemos observar nos novos ônibus que circulam por Salvador”, pontuou.

No entanto, a partir do segundo semestre, mudanças serão realizadas para trazer mais conforto ao passageiro. Novos ônibus executivos, maiores, também com ar condicionado, começarão a rodar pela cidade, fazendo com que os antigos micro-ônibus deixem de existir. “Para esse novo sistema, estamos fazendo alguns estudos de demanda para colocar linhas chegando ao Aeroporto saindo de lugares como o Subúrbio, Cajazeiras e Liberdade, passando todos eles pela orla. Nosso objetivo é levar transporte de qualidade e conforto a toda a cidade”, destacou o secretário.

Entrada de idosos
Outra novidade é que, a partir do próximo dia 26, os idosos vão pode agendar a hora e o local onde querem ser atendidos para a retirada do cartão de gratuidade nos ônibus. “Eles podem escolher onde querem ser atendidos, se no Comércio, em Cajazeiras ou no Subúrbio. Hoje, eles usam a identidade para poder entrar nos coletivos. Mas o nosso objetivo é facilitar a mobilidade deles dentro dos ônibus”, contou.

Segundo Mota, o cartão será gratuito, mas não obrigatório. “A partir do dia dois de maio, eles vão começar a receber em casa os cartões de forma gratuita. Quem não fizer os cartões, ainda vai poder usar o transporte normalmente, mas pode passar por alguns transtornos nos acessos ao ônibus na hora de embarcar, por exemplo”, finalizou.

A estudante Tatiana Alvarez espera que este novo valor melhore o serviço oferecido, que, segundo ela, deixa a desejar. “Alguns desses ônibus às vezes vem lotados e o ar condicionado não funciona como deveria. Imagina o calor que fica dentro deles? Tomara que, ao menos agora, eles cumpram com o seu objetivo”, comentou.

Já o auxiliar de dentista Marcus Fernandes que geralmente pega o “frescão” no Imbuí até o centro da cidade, enalteceu conforto que estes coletivos proporcionam. “Em dias de calor intenso, como este que está fazendo, é uma mão na roda, a gente não chega suado ao trabalho. Compensa, em alguns momentos, pagar um pouco a mais pela comodidade”, falou.

Informações: Tribuna da Bahia


READ MORE - Em Salvador, Tarifa do ônibus ''Frescão'' aumenta para R$ 3,25

Começam obras para o corredor de ônibus de Florianópolis

Após o início da primeira etapa, as obras seguem para o trecho do Terminal de Integração da Trindade (Titri) e estendem-se até a altura da Secretaria Municipal de Saúde, em frente ao Shopping Iguatemi, na Trindade.

Com a execução destas obras e o alargamento da via, haverá uma melhora do trânsito de veículos pelo local. Posteriormente, as marginais da avenida Beira-mar Norte irão compor o anel viário que será implantado na cidade.

Florianópolis vai receber o primeiro corredor exclusivo para ônibus da história, sendo a principal obra de mobilidade urbana das últimas décadas na cidade. Ao todo, o anel viário terá 17 km e fará todo um contorno na região central, passando pelo Terminal de Integração do Centro (Ticen), Beira-mar Norte, Trindade, Pantanal, Saco dos Limões e Prainha. 

Entre as melhorias que serão executadas, além da implantação das faixas exclusivas para o transporte coletivo e, dependendo do trecho, faixas preferenciais para o transporte público, o projeto prevê ainda melhora nas calçadas ao longo da via, sistema de controle de semáforo integrado (ITS), sinalização horizontal e vertical, faixa para pedestres e abrigos de passageiros. 

As obras, que contam com recursos municipais, estaduais e federais, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), estão orçadas em torno de R$ 150 milhões.

Informações: Portal da Ilha

READ MORE - Começam obras para o corredor de ônibus de Florianópolis

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960