Prefeitura de Curitiba vai pesquisar a origem e o destino de usuários do transporte coletivo

terça-feira, 10 de novembro de 2015

A Pesquisa de Origem e Destino que vai traçar o panorama dos deslocamentos e as demandas do transporte em Curitiba e na Região Metropolitana deverá ter início em janeiro de 2016. A ordem de serviço para o início do trabalho foi assinada nesta segunda-feira (9). Agora, o consórcio de empresas que venceu a concorrência para a realização da pesquisa submeterá o método de trabalho à aprovação do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), que fará uma avaliação de acordo com os critérios técnicos estabelecidos.

A pesquisa, orçada em R$ 6 milhões e 34 mil, será realizada com recursos da Prefeitura Municipal de Curitiba e Agência Francesa de Desenvolvimento. Vai abranger 14 municípios da Região Metropolitana de Curitiba: Almirante Tamandaré, Araucária, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Colombo, Contenda, Curitiba, Fazenda Rio Grande, Mandirituba, Pinhais, Piraquara, Quatro Barras e São José dos Pinhais.

O que será pesquisado

Serão três frentes de pesquisa. A principal delas será composta pelas entrevistas domiciliares. Para que possam ser obtidas 16 mil pesquisas válidas, estima-se que mais de 60 mil domicílios serão visitados. Essas entrevistas vão reunir informações sobre todas as pessoas que vivem no domicílio para identificar seus hábitos de deslocamento: aonde vão, com que frequência, porque usam determinados meios de transporte, porque não usam outros, o que gostariam de usar e dificuldades enfrentadas. As entrevistas nos domicílios deverão ter início em janeiro de 2016.

A segunda frente de pesquisa será a contagem volumétrica e de velocidade de veículos que deverá ser realizada em duas fases: entre março e junho e, mais tarde, entre agosto e novembro de 2016 – meses em que os fluxos de deslocamentos são considerados típicos, pois as escolas, o comércio e o setor de serviços funcionam normalmente.

Serão contabilizados quantos veículos passam pelos locais escolhidos, quantas pessoas há dentro dos carros de passeio, quais são os tipos de veículos e, ainda, quantas pessoas transitam a pé. No caso dos veículos de carga, o condutor será abordado para o levantamento de dados específicos: o tipo de carga que está levando, de onde veio, para onde vai. Os locais de realização desta segunda fase da pesquisa serão indicados pela Prefeitura Municipal de Curitiba. No entanto, não haverá divulgação prévia desses locais, assim como das datas de realização das medições, para que não ocorram distorções na pesquisa.

Os levantamentos serão realizados em vias de ligação importantes dentro das cidades pesquisadas, em vias de ligação entre as cidades, rodovias, entroncamentos etc. Isso inclui o anel externo à área de abrangência do transporte coletivo da Região Metropolitana. Vias de grande tráfego ou de ligação entre bairros – tanto para pedestres quanto para veículos – também serão pesquisadas.

O terceiro tipo de levantamento compreendido pela Pesquisa de Origem e Destino é de opinião. As pessoas serão abordadas nas ruas, em locais de grande concentração, ou por telefone. As perguntas dirão respeito ao grau de satisfação com o transporte coletivo, com o sistema viário e com o trânsito em geral, além dos problemas enfrentados e trajetos não atendidos. O prazo para a entrega da pesquisa ao município, já com os resultados tabulados, será de 18 meses a partir da assinatura do contrato.

Responsável pelo planejamento urbano de Curitiba, o Ippuc comemora o início da pesquisa. “Além do levantamento da situação atual, ferramentas incluídas nesta contratação permitirão a criação e análise de diversos cenários e simulações de intervenções, desde uma simples alteração de mão de tráfego até a implantação de novas linhas de ônibus, por exemplo. Isto possibilita a avaliação prévia das situações, antes que as mudanças sejam realizadas, podendo até mesmo resultar na alteração de um projeto de mobilidade, caso o resultado da simulação não seja o esperado”, avalia o supervisor de Informações do Ippuc, Oscar Macedo Schmeiske.

“Por sua abrangência e metodologia, a Pesquisa de Origem e Destino será fundamental para o planejamento da mobilidade em Curitiba, assim como nos municípios vizinhos, pois apresentará um retrato fiel dos hábitos e das necessidades da população no que diz respeito aos deslocamentos. Isso nos permitirá fazer ajustes precisos no sistema e direcionar investimentos de forma mais efetiva”, destaca o presidente do Ippuc, Sérgio Póvoa Pires.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960